segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Insanidade nazista

A médium incorporou um menino que havia morrido num hospicio. Ele dizia que não era louco e chorava pa sua mãe não havia acreditado nele. Seu pai era ''médico de crianças' e ele o vira fazendo 'coisinhas' com sua irmã, a pretexto de examiná-la; ele tinha 8 anos quando viu isso e contou a sua mãe, mas ela não acreditou e contou o ocorrido ao marido, que então disse que o menino (seu próprio filho)  era louco e que teriam que interná-lo.

Conversamos com o menino e o fizemos lembrar uma existência anterior onde já fora filho desses mesmos pais, era filho único, e levou a empresa da família à falência por esbanjar todo o dinheiro que podia, além de mentir muito para os pais. Ele percebeu que sua mãe não acreditara nele por conta de suas mentiras anteriores. Esclarecido e encaminhado, a médium percebeu que havia um bolsão de espíritos ligados àquele hospício infantil, crianças com problemas mentais e com deformidades que eram ali abandonadas por seus pais. Efetuamos o resgate mas a médium permanecia ainda no tal hospício.

Averiguamos mais e encontramos um porão (sempre tem um!!) com doentes mentais adultos. Efetuamos o resgate e conversei com um ser que estava ali 'cuidando' deles. Este, após as ameaças de sempre, disse que precisavam deles para seus 'trabalhos'. Colocavam esses espíritos desequilibrados perto de encarnados que queriam deixar loucos tbm. Resgatamos todos e era uma quantidade absurdamente grande de seres. Este estava muito amedrontado por 'perder' todos esses espíritos.

Conversando com ele descobrimos que eles tinham ainda um grupo 'especial' de seres, loucos de grande genialidade e inteligência, que estavam sendo preparados para 'incorporar' no novo planeta (o do exílio), esses eram em quantidade muitissimo inferior aos outros, cerca de dois mil apenas. Segundo ele muitos já tinham sido 'despachados' para o novo planeta e quando lhe perguntei como ele se esforçou para controlar seu próprio pensamento a fim de evitar que nós descobrissemos, a médium conseguiu captar o que ele sabia. Eles estão enviando seres para o planeta do exílio através de portais interdimensionais.

Após terminarmos com esse trouxemos seu 'superior" imediato, um ser muito arrogante, disse que sentia nojo de gente como nós que se fazia de bonzinho e tal.  A princípio afirmou não me conhecer, mas aos poucos fomos juntando as peças do que ele ia deixando escapar e por fim ele perdeu o controle emocional e descobrimos que ele era.

Pra variar um antigo 'colega' trevoso (ele afirmou ter sido exilado aqui há 172.000 anos, vindo de Capela), um médico nazista de 'alta patente', que afirmou que eu era membro da equipe dele (no astral). Ele se gabava de ser um dos inspiradores de Hitler. Ele me chamava muito de 'imbecil' e disse que eu soltei algumas de nossas cobaias encarnadas e que por conta disso descobriram nosso laboratório e o destruíram. Ele afirmou ter morrido em 1948, mas segundo informações anteriores em que nos disseram que o laboratório nazista em que eu trabalhava fora destruído por uma equipe espiritual no segundo ano da 2ª Guerra, e provável que ele trabalhasse lá desdobrado.

Ele disse que quando ele morreu já lhe disseram que ele não encarnaria mais na Terra e que ele não sabia pq tinham me dado a chance de reencarnar. Disse a ele que tbm não sabia pois eu 'era' tão trevoso quanto ele, ao que ele me disse para que eu me suicidasse pois assim saberia de todas as respostas. Esse teve sua mente apagada e foi levado por dois guardiões.

Enquanto procurávamos os líderes dos seres enlouquecidos que havíamos resgatado, descobrimos que muitos deles são cientistas encarnados e estudantes de ciências médicas, que estavam todos 'chipados'. Segundo nos informaram esses cientistas desenvolvem remédios para 'depressão' e similares que na realidade provocam a loucura ao invés de 'curar'.

Averiguamos com  nossa equipe a possibilidade de reprogramar esses chips para que tabalhassem para o 'bem', mas nos disseram que devido ao fato deles desconhecerem a tecnologia específica utilizada nesses chips e devido tbm à urgência do momento, seria melhor retirá-los e destruí-los, que foi o que fizemos.

Abraço.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Mantra de purificação

     O consulente relata ter dificuldade de expressar seus sentimentos, principalmente quando é para se 'defender', isto é, quando alguém o destrata  ele não consegue 'revidar' verbalmente. Tbm relata que rejeitou dois filhos seus quando soube que a esposa estava grávida, chegando mesmo a propor que ela fizesse um aborto. Atualmente se diz envergonhado dessa atitude e que os filhos são ótimos (já estão adultos), não lhe dão problemas de nenhuma espécie, etc.
     Aberta a frequência logo surgiu um espírito que havia morrido com a cabeça decepada, ligado a ele havia um bolsão de espíritos sofredores, mais de trezentos, que tiveram a mesma morte. Este ser fora contemporâneo do consulente em uma vida passada, por volta do ano de 1639, e todos foram mortos por se rebelarem contra um suserano local ou rei de alguma região da Europa.   
     Este espírito não tinha noção de que estava 'morto', mas era atraído para a casa do consulente e imaginava que estava sonhando quando o via. Ele tentava 'alertar' o consulente de que o carrasco que havia lhe cortada a cabeça vivia na casa dele. Descobrimos que os dois filhos que o consulente rejeitara eram dois dos quatro carrascos que haviam matado aquela gente.
     A atual esposa do consulente, que tbm estava presente na consulta, era uma espécie de 'insufladora' do povo, os instigava a se revoltar e reclamar mas ela mesmo não fazia nada, ficava às escondidas. O tal ser disse que eles não gostavam dela por conta disso e nos revelou que eles a mataram apedrejada.
     Para piorar a situação do consulente, ao lado de sua residência existe um 'terreiro' de macumba e os seres que 'trabalham' naquele local eram todos comparsas do consulente e de sua esposa, de vidas passadas onde eram todos feiticeiros. Eles tinham um acordo de que os que esetivessem encarnados 'trabalhariam' com os desencarnados, mas reclamava (o que se manifestou pelo grupo) que eles não estavam cumprindo sua parte e por isso eles ficaram na 'casa ao lado', pois em desdobramento ambos, o consulente e sua esposa, estão trabalhando com eles em magia negra.
     Além de vários outros espíritos de baixa vibração na residência do consulente, havia um em formato de cobra, uma imensa naja. Este ser fora transformado pela esposa do consulente no passado e ainda estava aprisionado a ela, que o usava em seus rituais e trabalhos de magia negra quando desdobrada.
     A esposa do consulente, infelizmente para ela, tem a falsa idéia de que 'não tem problemas' por conta de seguir uma religião que segundo ela a fez reconhecer 'a verdadeira natureza de seu ego' e que 'recita' mantras de 'purificação' que ela acredita que 'purificam' suas vidas passadas, a presente e as futuras. Ela afirmou ainda que conhece muito bem a Lei do Karma.
     Até tentamos lhe fazer ver que isso é uma ilusão, que nenhum mantra tem o poder de purificar ações passadas, presentes e as que ela ainda nem fez. Se bastasse recitar algum mantra para se purificar não precisariamos da Lei do Karma, mas enfim, cada um acredita no que quer. A orientamos a estudar alguma outra coisa que a fizesse entender que existe, por exemplo, o desdobramento inconsciente, e que ela desdobrada está gerando karma negativo para ela mesma, mas creio que foi em vão.

Abraço.

Gelson Celistre

Alterando o passado

Abrimos uma frequência minha de uma época em que eu comandava alguns laboratórios trevosos no astral, cuja sintonia é facilmente conseguida através de minha 'mão esquerda'. Nessa época eu tinha alguns dedos 'robóticos' na mão esquerda e, atualmente, quando eles ficam 'dormentes', é pq asintonia com esse período esta´forte' e temos algo a resgatar.


Desta vez foi um laboratório que me pertencia e que 'mudou de lado', ou seja, era um laboratório trevoso que passou a trabalhar para a 'luz'. Em uma reunião com mais nove membros de minha 'organização', decidimos destruir tudo. Esse laboratório era um prério com 14 andares, sendo dois no subsolo e nós (naquela ocasião) o explodimos. Os corpos astrais dos que ali trabalhavam estavam lá ainda todos despedaçados e eles se imaginavam todos 'mortos'.
Fizemos o tempo 'retroceder' até antes da explosão e tudo voltou ao normal, com aqueles seres fazendo o que estavam fazendo antes sem nem imaginar o que já havia lhes ocorrido e nem o que estava por vir.
Retornamos no tempo até a reunião onde havíamos decidido o trágico fim de nossos ex-funcionários, e dei ordens então para que não fosse destruído o tal laboratório. Nesse momento os demais membros disseram que não os destruiríamos agora mas quando o fizéssemos seria uma vingança terrível, imaginando que se eu adiara o fim deles era pq estava planejando algo muito pior.
Nossa equipe disse à uma das médiuns que esses outros ainda iriam destruir o tal laboratório pois na mente deles as minhas ordens soaram como uma 'moratória', mas que eles acreditavam que eu ainda queria a destruição e os mandaria fazer o serviço posteriormente, com algum requinte de perversidade provavelmente. Então apagamos a mente desses seres para que nada lembrassem e para que o laboratório voltasse a atuar, dessa vez pela falange do Cordeiro. Esses outros nove, assim como eu, tbm estão encarnados.
Abraço.

A intenção

Um dos espíritos que se manifestou em nossa reunião tinha uma história estranha comigo, de uma vida passada. A médium que o recebeu viu uma cena onde esse espírito disparava um revólver na minha cabeça, a bala estourava meus miolos, e ele novamente me encontrava em outra ocasião e repetia o gesto.
Tendo ele incorporado conversamos a fim de descobrir o motivo de sua ira. Segundo nos relatou o espírito, ele era meu 'braço direito' em uma grande empresa, que era de minha propriedade. Estando passando por dificuldades financeiras que julguei insuperáveis, resolvi me matar. Nosso amigo disse que eu,  não tendo coragem de por fim a própria vida, o convenci a me matar, dizendo-lhe que com a minha morte a empresa receberia um seguro e ficaria bem. Ajustado o acordo, ele cumpriu com sua parte, e me deu um tiro na cabeça.
Entretanto, foi descoberto o que ele fez e o infeliz acabou sendo preso. Pelo que ele nos revelou e que constatamos logo em seguida, muitos outros funcionários cometeram suicidio tbm, deixando suas famílias em grandes aflições. Esse nosso amigo disse que havia 'pedido' para nascer 'perto de mim' apenas para ter o prazer de me matar novamente, desta vez por sua própria vontade e não ludibriado por mim. Ainda que, segundo ele, com a minha morte a empresa nada recebeu pois eu inventara essa história de seguro para que ele fizesse o que eu não tinha coragem de fazer. Muitos daqueles que se mataram e suas famílias ainda estavam no 'sítio' da empresa no astral e foram todos resgatados, inclusive esse. Esse espírito sabia que morrera, mas como me encontrava 'vivo' imaginou que tinha reencarnado e por isso tentava me matar novamente. A médium afirmou que haviam nove 'balas' na minha cabeça, dos disparos que ele efetuava a fim de me 'matar'.
Mal esse acabara de sair e já se manifestou outro pela mesma médium, dizendo que 'é muito fácil colocar gente junto de quem é devedor'. Esse ser afiarmava que o trabalho de resgate que eu estava fazendo o incomodava (ele é quem provocara o 'reencontro' daquele outro comigo). Disse a ele que acaba por me fazer um bem pois esses que ele colocava perto de mim eu acabava resgatando. Ele alegou desconhecer alguma vida passada onde nos conheceramos mas respondendo ao meu 'comando', lembrou da uma existência onde ele era um 'cristão', nos primeiros tempos do cristianismo, onde os seguidores do Nazareno eram perseguidos e mortos, dizendo que nessa vida ele foi morto pq eu o traí, delatando-o como cristão.
Ele afirmou que era proprietário de terras e que quando conheceu a 'boa nova' largou tudo para seus irmãos consanguíneos e saiu  a pregar pelas comunidades, durante muitos anos até ser capturado e morto.
Sua decepção começou quando chegou do outro lado. Disse que não encontrou nada do que ele 'acreditava' e que só quem apareceu foi uma entidade 'do outro lado', que foi quem o 'acolheu', segundo suas palavras.
Então o fiz voltar àquele momento e ver que havia lá tbm 'seres de luz', mas que ele não os percebeu. Pedi a ele que perguntasse a um deles pq ele não os via e nem eles o chamaram para junto deles  e então esses seres lhe disseram que ele esperava um 'tratamento especial' por conta do que havia feito. Esperava uma grande recepção em reconhecimento ao seu 'trabalho' de  pregação. A intenção com que se filiara ao movimento cristão foi errônea, não o fez por amor desinteressado, mas por desejar glória e louvores.
Após conversarmos mais algum tempo e de esclarecê-lo sobre alguns pontos em que ele se equivocara na interpretação, ele aceitou conversar com nossa equipe espiritual.
Este ser estava ligado a várias comunidades no astral, mas não era uma região 'cavernosa', eram agrupamentos humanos que dispunham de alguma tecnologia 'avançada'. Uma 'nave' de nosso pessoal foi passando e recolhendo essas comundiades inteiras; todos os seres desses locais foram resgatados.
Esta situação demonstra bem a importância da nossa intenção ao realizar alguma coisa, pois é a intenção que 'qualifica' o ato em termos kármicos.
Abraço.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Mecanismos da reencarnação

A consulente, mulher de aproximadamente 40 anos, estava tentando há quase um ano engravidar novamente, tendo conseguido e finalmente, há cerca de umas três semanas, já com 4 meses de gravidez, foi fazer um exame de rotina, uma ultrassonografia, para veriricar se estava tudo bem com o bebê.
Acontece que a consulente desde que soube que estava grávida sentia que estava gerando uma menina, inclusive já tinha até comprado todo o enxoval na cor rosa. Para sua surpresa, a médica lhe informou, sem ela perguntar inclusive, que ela estava esperando um menino. Ela a princípio não acreditou pq tinha certeza de que era uma menina. Quando a médica repetiu que era um menino e que ela tinha certeza, o estado de ânimo da consulente mudou instantaneamente, sentiu-se mal e começou a chorar. Ela nos disse inclusive que na hora sentiu como se tivesse 'perdido' uma filha, tendo ficado muito abalada por vários dias.
Recentemente, um de seus filhos, uma menina de 11 anos, que possui medinidade, estava vendo perto de si um espírito com a aparência de um homem negro, com o rosto deformado. Na reunião este ser estava junto com a consulente e investigando descobrimos se tratar de uma antiga vítima de ambas, a consulente e sua filha, que no passado eram 'bruxas', e fizeram algumas experiências macabras com este ser antes de o matarem. Este ser foi recolhido e auxiliado, mas informaram a uma das médiuns que esta situação tem a ver com o filho que a consulente está esperando, que é um 'inimigo' da sua futura irmã, essa outra filha da consulente, e que a nível inconsciente, ela já 'percebeu' que o futuro irmão é um antigo desafeto. Nos pediram para 'tratarmos' ele antes do nascimento para que a situação entre ambos seja amenizada e tbm sugeriram que seria bom a menina, acompanhada da mãe, fazer sessões de regressão, pois os problemas entre eles está relacionado a várias vidas.
Efetuamos o desdobramento desse espírito em gestação e, atavés da psicofonia de uma das médiuns, conversamos com ele. O espírito já se manifestou chorando, por se sentir rejeitado pela futura mãe. Conversamos com ele, que se lamentava por estar passando por isso novamente, e disse que é muito ruim a sensação de ser rejeitado por quem deveria lhe amar. Ele a princípio estava feliz com a oportunidade de nascimento, mas quando ocorreu o 'incidente' e sua futura mãe descobriu que não era uma menina que ela esperava, ele se sentiu rejeitado e aflorou então a antiga desavença que havia entre eles, e desde então ele estava disposto a nascer para destuir, ambas, sua futura mãe e a irmã.
Decobrimos que numa vida passada ele fora casado com a consulente, vida em que ela e a filha eram bruxas e o drogavam sem ele saber, ocasionando sua morte por demência. Ele era muito rico e elas queriam sua riqueza. Houve ainda outra vida em que a consulente foi mãe de um casal de gêmeos e como não queria ter filhos homens, trocou o menino com outra mulher por uma menina. Este menino era este mesmo espírito que agora ela recebe novamente como filho.
Como este espírito ainda estava muito 'revoltado' com a situação, e num estado de 'vitimismo' muito forte, fiz ele lembrar de uma vida anterior a essas, para ele entender o motivo de ter passado por essas situações de rejeição. Em vida anterior a essas ele fora casado com a consulente e a filha dela atual, sua inimiga,era sua filha. Naquela vida ela as maltratava muito, as mantinha presas em casa, e violentava sua própria filha. Tendo recordado estes fatos e com as colocações que lhe eram feitas por nós, ele aceitou esquecer o passado e tentar ser feliz nessa nova oportunidade de renascimento que está tendo. Apagamos sua memória desses fatos todos e o pusemos para dormir, tendo ele já assumido um posição 'fetal' e se aproximado novamente à consulente.
É uma situação bastante complexa pq a repulsa da sua futura mãe é tamanha que se ele tivesse sido ligado ao óvulo no momento da concepção, ela o teria rejeitado e teria um aborto espontâneo. Entretando, determinou a Lei que este grupo de espíritos precisa se reconciliar e que a maternidade é o meio mais eficaz de apaziguar esses corações endurecidos. Através dos mecanismos da reencarnação, que ainda são pouco conhecidos por nós, foi feita uma 'substituição' de espíritos durante a gestação.
No momento da concepção o espírito que foi ligado à consulente foi o mesmo que já fora sua flha em outra encarnação, a que fora irmã gêmea desse que vai nascer, motivo pelo qual a consulente sabia que esperava uma menina, pq de fato era um espírito feminino que estava ligado a ela. Entretanto, passada a fase crítica da gestação, foi feita uma substituição desse espírito pelo que agora está acoplado à consulente, seu antigo desafeto.
Esperemos que esse grupo de espíritos consiga superar suas antigas desavenças e se perdoar mutuamente, evitando assim sofrimentos futuros para eles mesmos. Para nós fica a lição de que existem muitas maneiras da Lei se fazer cumprir e que os mecanismos da reencarnação ainda são pouco conhecidos por nós, que muitas vezes 'fantasiamos' os acontecimentos e imaginamos que tudo na natureza ocorre de forma mágica e miraculosa, olvidando que o Criador se utliza de todos os meios de que dispõe, inclusive da tecnologia adquirida pelos espíritos que colaboraram na sua Obra, para que seus desígnios se cumpram.
Abraço.

O mentor

Atendimento de uma senhora de aproximadamente 60 anos, com quadro de depressão e síndrome do pânico. O marido a acompanhou. Segundo ela o próprio médico que a está tratando sugeriu que ele buscasse um auxílio espíritual. Ela e o marido são frequentadores de 'terreiros' e ambos possuem algum grau de mediunidade ostensiva, a mulher incorpora e o marido ouve os espíritos.

A grande maioria dos médiuns não é capaz de identificar o grau evolutivo
dos espíritos que se dizem "mentor" e se deixam enganar por qualquer entidade.

 A primeira entidade a se manifestar era uma cigana que era mantida prisioneira, juntamente com o resto de seu 'bando', pela tal senhora, que em vida passada era sua 'líder'. O atual marido, naquela encarnação, era comparsa da sua atual mulher, e ele era quem mantinha as cigans presas e as vigiava para que não fugissem, castigando duramente as que tentavam escapar. Quando viajavam de uma localidade a outra a consulente e o seu capanga, o atual marido, iam numa carroça, e as ciganas escravas iam caminhando atrás, amarradas por cordas nos pulsos atadas à carroça.

Após conversarmos um pouco com este ser, lhe prometemos ajuda a salvo da consulente e seu marido, pois elas tinham muito medo deles, e todas foram socorridas. O marido da consulente revelou que há alguns meses, estando os dois em casa, a mulher 'incorporou' um ser que passou por todos os cômodos da casa, parando dentro do banheiro da residência e lá a consulente se 'contorceu' toda e foi aí que começou seu 'problema', que segundo o marido o médico psiquiatra definiu como "tendências e pendores", em relação a que ele não soube explicar.

Tbm foi tratado um espírito que fora enteado da consulente e que tinha muita raiva dela. Naquela existência a consulente era casada com o pai desse espírito e tinha um amante (que é o seu marido da vida atual) e para poder se encontrar com esse amante, ela ministrava drogas ao marido sem ele saber. Essa situação se prolongou por um bom tempo e por fim, o então marido dela teve morte provocada por envenenamento. Esse espírito que era filho do falecido sabia do ocorrido mas nunca contou a ninguém, saiu de casa e teve sua vida normalmente.

Entretanto, quando morreu encontrou com o espírito de sua ex-madrasta e esta o aprisionou. Foi libertado e auxiliado. Ressalte-se que a consulente relatou que na vida atual tem um filho já adulto que é viciado em drogas e que ainda vive com ela e o marido, sem trabalhar nem estudar. Este seu filho é o mesmo espírito que no passado ambos, ela e o marido, provocaram a morte por envenenamento e ainda o drogavam sem ele saber.

O retorno cármico agora é evidente, receberam como filho, viciado em drogas, aquele mesmo espírito que eles levaram à ruina no passado, com a missão agora de ajudá-lo a se reerguer. O marido 'ingenuamente' acreditava que a tal entidade estava que incorporou em sua esposa e andou por todos os cômodos da casa estava 'limpando' a casa e ainda a interpelou perguntando se ele (o marido) estava precisando de alguma coisa, achando que a tal entidade estava ali para ajudá-lo de alguma forma. Após ele contar a tal história, iria tentar buscar essa entidade para conversar com ela pois já sabíamos que o que ela havia feito na casa não era nada do que o 'pobre coitado' acreditava, mas uma das médiuns já havia visto uma 'gira' perto dela e pedimos que ela desse passagem para vermos se era a mesma.

A entidade disse que não fora ela quem esteve lá, mas que foi uma 'colega', e que a consulente ainda iria sentir muito medo. A princípio reticente e não querendo conversar, conseguimos entabular um diálogo e a 'moça' acabou simpatizando conosco, revelando então sua ligação com a consulente e o marido. Essa entidade faz parte do astral da 'casa' espírita que o casal frequentava (ou frequenta ainda) e tiveram a grata surpresa de reconhecer a consulente quando ela esteve lá pela primeira vez como uma antiga desafeta do grupo tudo.

Em vida passada a consulente fazia parte de um grupo de mulheres ligadas a esse tipo de religião e todas trabalhavam juntas numa casa, quando ela conseguiu ascender ao poder lá e ser a 'líder', ela mandou todas as outras embora, para que apenas ela tivesse 'poder'. O grupo tudo queria vingança. Enquanto conversávamos nossa equipe espiritual já foi na tal casa e recolheu todas as 'giras', por fim, veio um espírito que fora filho dessa que conversava comigo e ela aceitou ir conversar 'com aquela mulher de branco', que era uma da nossa equipe, com a garantia dada por mim de que se não quizesse não seria obrigada a ficar.

Vale ressaltar que o marido da consulente, que estava presente, dirigiu-se agressivamente a este ser dizendo a ele que 'estava se metendo com quem não podia' (ele) e chegou a afirmar arrongatemente que "nada me atinge'. Logo em seguida iríamos demonstrar a ele que sua certeza era ilusória pois a esposa então revelou que ele mantinha em casa uma 'segurança', que ele periodicamente tinha que 'reforçar' com uma garrafa de uísque. Ele então nos disse que por mais de uma vez uma entidade se apresentara a ele e que esta entidade foi vista em mais de um centro, e que não pode se manifestar pq era 'muito evoluído' para aqueles locais.

Pedi a ele que chamasse a tal entidade e ele ficou meio arredio, mas mesmo assim a tal entidade foi trazida a nós e, incorporada, relutava em falar alguma coisa. Mesmo não querendo, o ser acabou revelando que se fazia passar por 'mentor' e guia do marido da mulher com o propósito de lhe roubar energia. Sua finalidade era manter uma 'rede' de encarnados iludidos e fascinados para lhes sugar a energia vital. O ser afirmou que além do marido da consulente mantinha ligado a ele vários outros encarnados, não só de religiões 'espíritas', mas de várias outras, inclusive 'daquelas que as pessoas se jogam no chão' (evangélicos), afirmando que em muitos casos elas caíam pq naquele momento ele lhes retirava subitamente o fluido vital e elas desfaleciam acreditando que estavam sendo 'libertas' ou 'limpas' de algum mal.

O marido da consulente pediu para perguntar algo para o ser e foi permitido, ele indagou 'pq ele' havia sido escolhido, já que ele ia atrás de 'auxilio espiritual' (nas casas que costuma frequentar) 'ingenuamente', para se melhorar. A entidade disse que por ele ter sido um deles no passado fica mais fácil. O homem ficou visivelmente irritado por ter sido enganado. Este ser fazia parte de um grupo de mais de cem entidades vampirizadoras que, assim como ele, estavam ligados a várias pessoas encarnadas lhe sugando a energia, se fazendo passar por 'mentores'.

Essa organização possuía um prédio de vários andares no astral com salas onde havia avançada tecnologia de vigilância, com monitores onde viam tudo que se passava com suas 'fontes' de energia. Todos foram recolhidos e os fios que os ligavam as pessoas foram cortados, o prédio foi destruído. Esse com quem conversávamos estava em péssimo estado, há mais de dois séculos sem reencarnar. Enquanto conversávamos com ele trouxemos seu 'superior' na organização à qual pertencia de vampiros energéticos. Este se recusava a falar e se mostrava muito contrariado por estar ali.

Mas foi mostrado aos médiuns que ela mantinha muitos espíritos aprisionados, principalmente de indígenas aqui do Brasil, pois ele fora um jesuíta em sua última encarnação. Os médiuns foram em sua 'base' e libertaram todos os espíritos aprisionados enquanto eu o 'entretia' tentando conversar. Depois que todos foram resgatados ele foi adormecido e levado pela equipe espiritual.

Outra médium percebeu algumas crianças junto à consulente, muito assustadas, temerosas e um pouco aturdidas. Estes seres tinham ligação com a consulente e com o 'jesuíta'. Naquela existância a consulente "trabalhava" para os jesuítas, que faziam 'orgias' com alguns meninos. A consulente era quem cuidava dessas crianças e ela os 'dopava' com drogas para que elas não percebessem o que acontecia.

Depois de servirem à lascívia dos 'jesuítas', ela cuidava de seus ferimentos, pois eles sentiam dores (pela penetração) e muitos adoeciam, com sangramentos e vítimas dos maus tratos que acompanhavam a seviciação. Como eles estavam drogados não entendiam bem o que lhes sucediam, mas acreditavam que ela os ajudava e protegia, por conta dela cuidar deles, por isso estavam junto dela. Boa parte da 'síndrome do pânico' que ela sentia vinha deles. Na casa da consulente haviam vários outros bolsões de espíritos ligados ao casal, que foram todos retirados e auxiliados.

Depois que os consulentes se retiraram, após termos lhes dado as explicações do que ocorrera para que não tivessem dúvidas e se conscientizassem de suas más ações do passado, bem como os ter orientado a se evangelizar, um dos médiuns revelou que durante todo o atendimento o homem (o marido) estava atacando o grupo no astral pois na realidade, ele é quem era o 'mentor' daquela organização, o líder desses vampiros e que teve uma 'chance' de se modificar com esta encarnação atual que está vivendo.


Gelson Celistre.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Ministério da reencarnação - das trevas

Atendimento de uma menina de 14 anos com diagnóstico de dermatite aguda. Segundo informações da irmã, que a acompanhava, isso surgiu quando ela tinha dois anos e meio de idade e os médicos afirmam que se trata de doença psicossomática. É um caso semelhante a outro que atendemos recentemente, onde a menina tinha psoríase, só que este bem mais agravado pois o corpo todo da menina está tomado por estas feridas.

Em comum nos dois casos a violência contra escravos negros da época da escravatura aqui no Brasil. A consulente fora esposa de um 'sinhozinho', que era bom para os escravos segundo um deles, que se manifestou através da psicofonia, mas depois que ele morreu ela demonstrou ser bastante cruel com os escravos e inclusive os marcava a ferro para que não fossem confundidos com os de outras fazendas, caso fugissem. Fora essa bolsão de escravos, ainda havia muitos outros seres que a consulente vitimou através do fogo e de ácidos.

Um destes seres foi auxiliar dela em uma existência onde ela fazia experiências médicas com seres humanos, em passado remoto, e na existência seguinte nasceu como filho dela. Nessa outra vida foi ela novamente fazia este tipo de experimento e foi descoberto, tendo ela sido proibida. Sem ter cobaias, ela utilizou o próprio fillho como cobaia em suas experiências. Conversando com este ser, ele afirmou que trabalhava no plano astral em uma casa cheia de crianças, com um tal de 'Seu Antônio', que as preparava para a reencarnação.

Investigando a veracidade das afirmações deste espírito, descobrimos uma organização trevosa que realmente preparava as crianças para reencarnar, mas com a finalidade de serem 'do mal', uma espécie de 'ministério da reencarnação', só que ligado a entidades trevosas. Antes de efetuar os procedimentos de acoplamento desses espíritos, eles eram submetidos a sessões de 'cinema', onde assistiam filmes com cenas de muita violência e sexo desregrado, entre outras coisas ruins, a fim de reproduzirem isso quando encarnados.

A entidade que fora filho da consulente realmente acreditava que o 'Seu Antônio' era um espírito de luz e as próprias crianças de lá tbm, pois ele as tratava bem até a hora da 'sessão de cinema' e aqueles não voltavam mais para o convívio dos demais. Essa 'base' estava ligada a inúmeras outras e foram todas desativadas e as crianças resgatadas. Esse espírito questionou o pq dele ter sido enganado 'esse tempo todo' pois ele acreditava que estava fazendo algo de bom para as crianças. Através de nosso comando, ele lembrou então de uma vida passada onde ele era quem enganava outras pessoas, era exímio jogador de cartas e dono de uma 'lábia' muito boa, aliás, esse foi o motivo dele ter sido 'recrutado' pelo 'ministério' para este trabalho, pretendiam utilizar a lábia dele para enganar as crianças. Mas viram que ele era tão ignorante que não percebera a realidade do que acontecia ali e então o deixaram acreditando que atuava para o 'bem'.

Ainda ligado à menina que estávamos atendendo, havia uma entidade de 'terreiro', do tipo 'gira', por conta de um trabalho que fora feito para separar o pai dela de sua mãe. A menina é fruto do segundo casamento de seu pai e a primeira mulher dele havia procurado um terreiro e contratado um trabalho para separá-los.
Acontece que a entidade que foi ligada ao trabalho no tal terreiro era antigo comparsa da menina de outras vidas. A entidade e a  menina eram inimigas da mãe da menina e da primeira mulher do pai dela, a que contratou o trabalho. Além disso, várias outras entidades do tal terreiro tinham sido vítimas da menina em outras vidas e por conta do tal trabalho acabaram 'encontrando' ela, passando então a querer desforra.
Segundo a nossa equipe espiritual, além do retorno cármico de seus próprios atos, a dermatite da menina é devida principalmente à aversão pela sua própria mãe, em nível inconsciente, pois eram inimigas ferrenhas no passado.

O que pudemos fazer foi resgatar os seres ligados a ela, os bolsões, esclarecer os seus credores que trabalham no tal centro, resgatamos aquelas crianças que seriam 'reencarnadas' e apagamos a memória inconsciente ativa da mãe dela e dela para amenizar a rejeição. É um caso que pode ser amenizado mas dificilmente a menina vai obter uma melhora considerável pois no passado ela fez muito mal a muita gente, sempre provocando queimaduras nas pessoas, seja com fogo ou com ácidos, entretanto, o resgate dos seres ligados a ela vai lhe aliviar bastante o espírito, a nível psicológico, e isso vai lhe propiciar uma melhor qualidade de vida pois muitos outros 'ex-colegas' dela que estão habitando regiões trevosas a querem 'de volta' e estão apostando que ela não vai suportar viver com o corpo desse jeito e vai se matar.

Abraços.

Gelson Celistre.

Estratégia sombria

     Em nossa reunião semanal apareceu um ser 'apertando' a cabeça de uma médium que está em desenvolvimento ainda. Quando fomos tratar o caso, como de praxe costumamos fazer, enquanto eu converso com a entidade os médiuns vão verificando as ligações dela com outros seres, se tem espíritos escravizados, etc. Costumamos 'coletar' as informações da mente desses espíritos e através das ligações dele descobrir bases e laboratórios.


     Esse reclamava que estávamos 'invadindo' o território deles, pra variar. No desenrolar dos trabalhos descobrimos várias bases localizadas em regiões geladas do globo com inúmeros espíritos escravizados. Resgatamos os espiritos dessas bases e tbm descobrimos outros presos em ruínas na região do Oriente Médio. A intenção nesse caso era manter uma energia psíquica 'pesada' nesses locais para continuar incitando as milenares guerras que ocorrem nessa região. mas o ser não queria saber de se modificar, apesar de nossas tentativas de trazê-lo à razão. Ele dizia que estava tudo combinado, que sabia para onde iria (o planeta do exílio) e que não ia se modificar. Tentamos por várias vezes, aliás, enchemos o s... do tal ser mas nada adiantou.
     Por fim dois guardiões o levaram e então a médium pela qual ele estava se comunicando revelou os motivos dele. Um grupo de entidades trevosas sabe que vai ser exilado e já estão de antemão se preparando para reencarnar naquele planeta com 'funções' definidas. Estes como o que apareceu em nossa reunião estão 'entregando' as bases onde eles não tem mais interesse em atuar, liberando espíritos para resgate à guisa de 'isca' para nos satisfazer e eles continuarem se preparando para montar um império no planeta-exílio.
     Ele galhofava e se dizia um 'homem-bomba', estava tranquilo pq os seus superiores já conhecem nossas estratégias e o 'prepararam' para o trabalho, deixando na memória dele apenas aquilo que eles queriam.
     Nossa equipe espiritual nos informou que muitos mais com esse estratagema serão enviados ao nosso grupo, e provavelmente a outros tbm, mas que mesmo eles pensando que estão nos enganando, muitos espiritos serão libertados e muitos desses mesmos acabarão se 'convertendo' à ultima hora.
     É mais uma estratégia desses nossos irmãos de jornada que não admitem 'ver' a luz e pretendem prolongar seu império trevoso até mesmo nesse novo exílio.


Gelson.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Sequela cármica II

Mulher apresentando uma protuberância sob a pele, nas costas na região da coluna vertebral, semelhante a um pequeno montículo, como se fosse um caroço de abacate achatado.
Aberta a frequência uma das médiuns incorporou um homem que odiava a tal mulher pq, segundo ele, em uma vida passada ela era homem e era cobrador de impostos. Aqueles que não podiam pagar ela amarrava com uma corda e fazia serem arrastados no chão, o que lhes deixava com a pele toda esfolada nas costas, isso quando ele mesmo não os esfolava com uma faca.
Eram um grupo grande e para 'amenizar' um pouco o ódio que sentiam, lhes mostrei o fato cármico gerador daquele tipo de situação para eles. O que dialogava comigo disse que eles, todos, chicoteavam as pessoas a mando de um rei qualquer e as deixavam como eles acabaram ficando, com a pele em 'carne viva'. Com os devidos esclarecimentos sobre o karma e tal, foram encaminhados para o nosso posto de socorro.
Abraço.

Gelson Celistre

O Pacto

No atendimento de um consulente, uma das médiuns percebeu uma entidade de 'terreiro'. Incorporado, o ser nos revelou que há três vidas atrás, o consulente fez um pacto com ele, a fim de obter fortuna e riqueza. Teria sido 'ajudado' por este ser e ficou muito rico, porém, não honrou seu compromisso e o ser estava ali 'cobrando'. O que o consulente prometera em troca da riqueza era ceder seu corpo para aquele ser.
Essa entidade acreditava que quando o consulente morresse ele conseguiria 'entrar' no corpo dele 'antes do coração parar de bater', e então seguiria vivendo com o corpo do consulente, sem perder a memória como acontece na reencarnação. Isso segundo ele pq eles tinham feito o tal 'pacto'.
Fizemos ele lembrar de alguns episódios de suas vidas passadas, tanto vidas onde ele fez os outros sofrerem quanto outras que ele sofreu muito, visões que ele não gostou de ver, e demonstramos a ele, na prática, o porque de esquecermos nosso passado.
Enquanto conversávamos com essa criatura, que percebemos não ter conhecimento 'técnico' para efetuar um tal procedimento como esse (independente de ser possível ou não), outro ser incorporou em outra médium e revelou que ele envolveu muitos outros espíritos nesse seu delírio, convencendo-os de que sabia fazer e que os ensinaria, se o ajudassem a 'matar' o consulente.
Esclarecidos todos do delírio em que se encontravam em acreditar que o outro fosse capaz de fazer o que lhes prometera, todos foram encaminhados à nossa equipe espiritual para continuar a conversa com eles.
Descobrimos que o consulente encontrou esse seu antigo companheiro quando esteve num terreiro, onde eventualmente comparece.
Este seu antigo credor vivia percorrendo vários terreiros para ver se 'arruma' trabalho e nesse onde o consulente frequenta não encontrou guarida, pq é um local onde se faz o bem, mesmo assim, 'de passagem' viu o consulente lá e o reconheceu, tratando então de ficar próximo dele.
Abraço.

Gelson Celistre

sábado, 14 de novembro de 2009

Obsessão simples

Junto à uma das participantes de nosso grupo havia o espírito de uma mulher, uma obsessora. A mulher cobrava da médium, que fora sua neta numa vida passada, os maus tratos sofridos, que a levaram à morte. Segundo o espírito, quando estava velha foi mantida trancafiada num quarto a pão e água e foi morrendo 'à míngua'. Este suplício teria levado 12 anos. Nos últimos tempos, já enlouquecida, foi deixada sem alimento para que morresse mais rápido.
O espírito estava inconformado com sua desdita naquela existência e iniciamos seu tratamento mostrando a ela o que ela tinha feito em vida anterior àquela, para gerar um retorno cármico como esse. Ela a princípio disse que sabia o que tinha feito, mas que não achava 'justo' que lhe 'cobrassem' seu carma todo de uma vez, que se fosse para morrer pq não morreu logo, pq sofrer por 12 anos.
Mesmo assim a fizemos lembrar e ela então nos contou que era responsável por um orfanato. Indaguei o que mais ela tinha para dizer e ela então disse que ela é quem decidia quem 'tinha futuro'. As crianças que ela achava que seriam apenas um estorvo para o orfanato e que não arrumariam quem as adotasse ela deixava passar fome para que morressem 'à mingua'. Perguntei-lhe quantos ela matou dessa maneira e ela revelou-nos que foram 68 crianças.
Então eu lhe disse que se ela somasse o tempo que cada uma dessas crianças levou para morrer passando fome, ela chegaria à soma dos 12 anos que ela levou para morrer maquela vida. Este ser apesar de seu passado devedor, mesmo assim se achava injustiçado e nessas condições não perdemos mais tempo dialogando com ele, deixamos que a equipe espiritual se encarregasse de seu destino.
Ligado a essa mulher, vibratoriamente, havia ainda muitas daquelas crianças que pereceram naquela orfanato, e tbm uma quantidade muito grande de fetos abortados, em um cemitério que ela criou para enterrar as crianças mortas e os fetos de abortos que ela praticava. Todos foram resgatados e encaminhados ao posto de socorro no astral que nos dá suporte.
Abraço.

Gelson Celistre

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Ressonância de vida passada e bipolaridade

     Atendimento de um rapaz de 22 anos com bipolaridade, usa medicamentos fortes, e já esteve internado algumas vezes por conta disso. Os sintomas surgiram quando ele prestou o serviço militar obrigatório, onde tbm começou a usar drogas. Há um ano sem usar drogas e sob medicação, não sai de casa sozinho. Aberta a frequência foram vistos dois espíritos junto da mãe do rapaz (ela que solicitou o atendimento) gritando nos ouvidos dela, de forma agressiva. Foram isolados numa bolha e encaminhados. Junto do rapaz havia um espírito de uma moça, confusa, que afirmou ser irmã dele. Não sabia que estava morta e não queria sair de perto do rapaz, mas aceitou receber socorro.


     Procurando algo no rapaz que justificasse a situação, foi mostrado ao médium que esta moça foi irmã dele em outra encarnação, e ambos participaram de uma batalha, em época de mosquetes e canhões que se carregava pela boca do cano, onde o rapaz morreu por infecção de um corte no braço. Esta moça havia lutado com ele, eram jovens, quase da mesma idade de quando ele foi para o quartel na vida atual, e ela inclusive cortou os cabelos e se fez passar por menino naquela outra vida, provavelmente para não sofrer alguma violência sexual e poder acompanhar o irmão. Havia tbm um bolsão de espíritos sofredores ligado àquela vida passada e que foram resgatados tbm.
     O que aconteceu neste caso foi uma ressonância de vida passada, quando ao entrar para o quartel, devido ao ambiente militar e ao período da vida (mesma idade do fato da outra vida), ele acessou inconscientemente as lembranças daquela existência e passou a sentir as emoções que jaziam em seu íntimo associadas àqueles eventos traumáticos. È provável tbm que neste momento, ao sintonizar com aquela vida passada, tenha atraído o espírito da antiga irmã para junto dele. Com a sintonia com a vida passada e a presença do espírito da irmã, ele passou a sentir a angustia, medo, etc, que sentiu naquela vida, e tbm os sentimentos da irmã desencarnada, tudo isso potencializado pelo uso de drogas que provocam “rasgos” na tela etérica, fazia com que ele alternasse a personalidade atual com a daquela vida, tendo flashes de acontecimentos, cenas, etc, daquela vida misturados ao seu momento atual nessa existência, daí a bipolaridade. Neste atendimento a espiritualidade informou que havia mais coisas para se tratar com ele mas não nesse dia.
     Num outro atendimento na semana seguinte apareceu o espírito da irmã, mais consciente, e mostrou ao médium que havia dois espíritos vampirizadores junto ao rapaz, mas que já vinham com ele de outras vidas tbm. Levou o médium ao um lugar muito frio, um porão de um castelo, onde em uma vida passada o rapaz e outros prendiam pessoas ali e faziam coisas horríveis, inclusive bebiam o sangue das pessoas que matavam. Eles adoravam alguma divindade que era representada por um corno (um chifre).      Havia um outro bolsão de espíritos preso nessa cena de vida passada e um dentre esses espíritos estava com um braço descarnado, apenas com os ossos. Deve ter morrido em consequência disso e ficou com sua mente fixada nisso. Recompomos o braço dele e resgatamos todos dali, inclusive aqueles dois vampiros que estavam com o rapaz. Depois mentalizamos a destruição daquela ambiente e foi como se uma onda de água prateada limpasse o local, que desapareceu.    
     Observemos que em vida pregressa do atendido existiu esse castelo e ele fez essas barbaridades enquanto encarnado, mas ocorre que o duplo etérico desse local, devido à carga energética altamente negativa que possuía em virtude das atrocidades ali cometidas, ficou plasmado no astral e manteve ligado a si muitos dos espíritos que ali sucumbiram. Essa “cena” acaba se “soltando” do local físico que a originou e se situa em local no astral compatível com o peso específico de sua matéria astral e mental, logicamente nas regiões umbralinas devido à condição enfermiça da mente dos espíritos ligados a ela.


GELSON CELISTRE


Um pequeno capítulo da Inquisição

     A Inquisição foi um tribunal instituído pela igreja católica na idade média para investigar feitiçaria, heresia, etc.. Na prática era uma forma de coibir toda e qualquer oposição ao poder da igreja, representado na figura do Papa. Muitos de nós participamos desse 'movimento' em várias vidas durante aquele período, algumas vezes como algozes, outras como vítimas, e no caso abaixo, participamos (eu) como um padre que praticava feitiçaria. Vejamos o que se sucedeu.


     Na reunião manifestou-se um ser me dirigindo palavras pouco elogiosas, em função de eu ter cometido uma traição contra ele e outros, numa vida passada. Eram os idos de 1300, na Itália, e um grupo de membros do clero, padres, num total de 27, reuniam-se com regularidade para estudar e fazer experiências 'proibidas', onde se misturava a ciência com a magia.
     Ansiavam pelo conhecimento e faziam experiência com animais, com outros seres humanos e entre eles mesmos, experimentavam feitiços e magias que ouviam das pessoas 'comuns', possivelmenta acossadas por eles em função da Inquisição. Essa entidade e eu éramos membros desse grupo de 27. Segundo ele eu os traí e todos morreram por conta disso.
     Essa entidade era responsável por 18 cidades nas regiões umbralinas, de onde resgatamos todos os seres que lá se encontravam, uma quantidade bastante expressiva. Após o encaminhamento desses seres, inclusive da entidade manifestante, que teve sua mente vasculhada em busca de informações antes de partir, um outro padre daquele grupo se manifestou, afirmou que era mantido prisioneiro numa daquelas cidades pelo outro, a quem identificou como Onofre. Este sentia muitas dores e demos uma 'melhorada' nele, que comentou que eu 'ainda estava envolvido com magia' e então nos deu mais detalhes sobre o que ocorreu naquela existência.
     Ele disse que para a época éramos um grupo grande, 27 padres, e que nos movia o interesse em desvendar os mistérios da vida, pois tudo era proibido. Começamos então a fazer experiências de magia, experiências com animais, fazíamos tbm orgias sexuais e, segundo ele, quando indaguei se não sacrificávamos pessoas, ele disse que 'usamos' como cobaias dois serviçais que já 'estavam morrendo'.
     Esse ser afirmou que eu convoquei eles todos para um ritual onde todos fariam sexo com uma mulher que depois seria sacrificada. A idéia era a de que a troca de energias sexuais nos daria alguns 'poderes' ou algum tipo de 'força mágica'. Eu teria convocado a reunião com a intenção de entregá-los aos nossos maiorais, com a finalidade de me resguardar e de ser o único a deter o conhecimento de alguma coisa que imáginavamos saber ou possuir, ou seja, por interesses menos nobre, maldade, egoísmo, orgulho e vaidade.
     Eles foram descobertos e mortos, todos foram esquartejados, saindo eu incólume após essa inominável traição ao grupo do qual fazia parte. Aquela primeira entidade, o Onofre, tinha toda razão em me odiar mas, enfim, esse outro padre disse tbm que suas familias sofreram pq elas recebiam uma certa quantia a título de ajuda por conta deles serem padres, disse que seus familiares tiveram suas casas queimadas e sofream muitas privações pois deixaram de receber essa ajuda e ainda ficarm estigmatizados. Disse que naquela vida eu era 'rico' e não sofrera como eles.
     Após essas 'revelações' sobre meu passado trevoso, encaminhamos o tal padre para nossa equipe espiritual, que o ajudará a recomeçar sua jornada evolutiva em melhores condições.

Abraço.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Sonho de criança

Em nossa reunião semanal uma das médiuns comentou que um amiguinho de seu filho, Ricardo, de 5 anos de idade, lhe disse que quando ele dormia, 'um outro Ricardo saía e ia lutar contra os trevosos numa cidade'. Ante os quetionamentos da médium o menino disse que lutava com uma espada para 'destruir' os maus. Vejam que a mente infantil interpreta os fatos de acordo com o seu entendimento e o menino provavelmente se imaginava uma espécie de 'herói', um guerreiro lutando pelo bem, provavelmente com a violência característica dos 'games' tipo play station e outros que se joga pela internet, onde os personagens mutilam e matam uns aos outros como se fosse a coisa mais natural do mundo. Até que ponto esses jogos influenciam as crianças e a possibilidade disso ter 'aberto' essa 'frequência' do menino é algo que não podemos afirmar, apenas supor. Pelo relato do menino era evidente que este estava se desdobrando e se manifestando no astral com uma personalidade de vida passada e fomos investigar.
Ao sintonizarem com o menino as médiuns o viram como um oficial do Império Romano, lutando para invadir uma cidade que opunha forte resistência. A cidade estava toda lá, idêntica ao que era aqui no físico e a luta continuava incessantemente. Aquela batalha se perpetuava por milênios (os fatos ocorreram mais de 500 anos A.C.) no plano astral. À visão das médiuns se descortinou extenso vale, o 'vale da morte', onde se divisava, em toda a sua extensão, milhares de almas que morreram nessa batalha e em outras tantas ocorridas num determinado período da história dos povos antigos, sem se aperceberem que já haviam todos 'morrido' no plano físico e que viviam num ambiente plasmado por suas próprias mentes na dimensão astral. 
Além do menino que se desdobrava e ia para lá lutar, ainda haviam outros 37 espíritos encarnados que faziam o mesmo, atuando ao lado de muitos milhares de espiritos desencarnados. Efetuamos o resgate de todos esses seres desencarnados e os encarnados tiveram sua memória daquela vida apagada na 'mente inconsciente ativa', tendo sido reintegrados aos seus corpos físicos.
Abraço.

Gelson Celistre

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Manipulação do karma por entidades trevosas

Atendimento à distância de uma menina pré-adolescente com psoríase pustulente na região posterior do pescoço/nuca. Foi desdobrada e trazida para averiguação mediúnica das possíveis causas do problema. Uma das médiuns percebeu que havia alguma coisa, semelhante a um pequeno 'chumbinho' (projétil de armas de ar comprimido) na contraparte astral do corpo físico, na região afetada. Ao retirar isso do corpo astral dela foi percebido no ambiente um ser parecido com um gnomo, que tinha essa forma mesmo, não parecendo ser humano. Ele e vários outros como ela eram mantidos aprisionados, pelo medo, por uma outra menina, encarnada, que é colega de escola da que estávamos tratando. Desdobramos essa menina e incorporamos numa das médiuns para conversar. Ambas eram conhecidas de vidas passadas e sempre disputavam alguma coisa. Apagamos da 'memória inconsciente ativa' dessa menina os conhecimentos de magia e a enviamos novamente ao corpo físico, fixando a personalidade dela na vida atual.
Investigamos mais e as médiuns então captaram a energia de outra pessoa encarnada, uma 'mãe-de-santo', com a qual já havíamos nos defrontado em outras ocasiões, posto que a menina mora numa casa onde já foi um 'terreiro' de macumba (daqueles ruins, onde se lida com o baixo astral). Dadas as dimensões do problema, mesmo estando duas pessoas encarnadas fornecendo energia para a manutenção da doença, sabemos que é necessário que haja uma predisposição kármica para este tipo de coisa, possivelmente com bolsões de espíritos sofredores ligados à pessoa enferma.
Comandamos a sintonia das médiuns com alguma vida passada da menina, que pudesse ter relação com o tipo de lesão que está sofrendo atualmente. O que descobrimos foi o seguinte: em vida passada, onde ela foi um homem, na época da escravatura, ela foi capataz de uma fazenda e costumava marcar os negros escrabvos com um ferro em brasa, na região posterior do pescoço/nuca, justamente onde hoje tem a lesão.
No astral ainda estavam praticamente todos os negros que conviveram com a menina quando esta foi capataz. Naquela existência inclusive morreu a pauladas e os negros batiam muito na região hoje afetada no corpo físico dela, por consequencia de serem marcados a ferro por ela. Muitos morriam pois o ferimento às vezes infeccionava e sofriam outros maus tratos por parte do tal capataz. Os negros escravos não queriam permitir o resgate, queriam continuar 'fazendo justiça', mas nem dialogamos muito com eles, colcoamos todos numa bolha e trouxemos para que a equipe espiritual resolvesse o que fazer.
Parecia estar tudo resolvido, mas nossa experiência nos dizia que não foi apenas o 'karma' que juntou estes fatores todos a ponto de provocar a doença na menina e então efetuamos um rastreamento das entidades envolvidas e chegamos a um ser trevoso, a mente que manipulou as energias em questão para produzir o problema na menina. O ser tinha a aparência de um 'minotauro' mitológico, meio homem meio touro, ao qual tbm não demos muita conversa, aprisionamos e deixamos a cargo da equipe espiritual o destino da criatura.
Não é qualquer espírito que tem condições de pesquisar nossas vidas passadas e localizar bolsões de sofredores ligados a nós e de 'ativar' reminiscências de vidas passadas em pessoas encarnadas, a fim de provocar o desdobramento inconsciente com a personalidade de vidas anteriores, é preciso ter algum conhecimento além do 'comum', geralmente são mentes trevosas que estão há séculos e até milênios sem reencarnar, que manipulam nosso karma contra nós mesmos.
Abraço.

Gelson Celistre

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Dia das bruxas - Halloween

Em nossa reunião apométrica desta semana, após termos atendido as consulentes que haviam agendado consulta, já próximos de terminar a sessão, uma das médiuns disse que estava sentindo uma dor num dos lados da cabeça. Nisso outra lembrou e comentou que na noite de sábado para domingo passados, de 31 para 1º /11, acordou com muita dor de cabeça e passou o domingo mal por conta disso. Nisso as demais médiuns, eram cinco mulheres no total e só eu de homem, tbm lembraram que sentiram dor de cabeça sábado à noite e domingo.

Como sabemos que não existem coincidências, pedi que elas se concentrassem para vermos o que elas haviam feito naquela noite, em desdobramento.
Logo em seguida uma delas incorporou uma 'bruxa' que já foi logo dizendo que não obrigou nenhuma a ir, que apenas as 'convidou'.
Conversando a tal bruxa, que estava bem mal diga-se de passagem, com dores nas costas e pernas (estava virada num farrapo), ela perguntou se eu não sabia que dia era sábado. Confesso que não fiz a ligação com a data do halloween, pois pra mim isso é uma tradição de outros países que só se disseminda por aqui por interesses comerciais, mas ela me lembrou que era o 'dia das bruxas'. Ela revelou que todas haviam estado em uma 'convenção' de bruxas, que inclusive (ela demorou para achar a palavra que queria na cabeça da médium), segundo ela, estavam chamando agora de 'workshop'.
A quantidade de bruxas que compareceram ao tal workshop foi acima de quinhentas, entre encarnadas e desencarnadas. Ela revelou que só participaram bruxas 'mulheres' e que anualmente fazem essas convenções nessa data, em função da tradição, mas que nos outros meses do ano tbm realizam outros encontros.
Dada a condição de penúria da criatura tentamos ajudá-la e lhe demos uns 'passes', convidando-a para se regenerar e começar uma vida nova.
Ela além de se recusar firmemente a se modificar (as atividades que elas realizam são obsessão, vampirização, magia negra, etc.), ainda disse que em outra 'convenção' já haviam decidido que nenhuma delas iria se 'entregar'e que as que estivessem em condições deploráveis como ela, voluntariamente se entregariam para serem 'cobaias' das outras bruxas para experimentos macabros, mas que não iriam 'mudar de lado'.
Diante disto, fiz ela lembrar do 'workshop', juntamente com as médiuns 'bruxas', que tbm estiveram lá, e trouxe todas as bruxas que estavam lá. Foram centenas que se aglomeraram sobre o local da reunião, num posto de triagem.
A bruxa 'mãe', que resitiu inutilmente ao meu comando de lembrar de todas as bruxas que compareceram à festa de halloween, quando as viu todas ali perguntou o que eu iria fazer com elas, e lhe respondi que eu nada, pois agora elas estariam sob a tutela de nossos amigos do plano espiritual.
Solicitei às médiuns que observassem o que seria feito com elas e elas viram que a equipe espiritual estava 'retirando' da mente delas todo conhecimento que poderia ser útil à humanidade (ervas, chás, remédios, feitiços, poções, etc.), que depois disso 'esqueciam' desse conhecimento e, segundo nos informaram, a grande maioria iria simplesmente ser 'entregue' para deportação, ou seja, seriam encaminhadas aos espíritos responsáveis pelo exílio dos espíritos que não se enquadraram nas condições mínimas vibratórias para permanecerem aqui na Terra. Nesse meio tempo uma das bruxas tentou ainda 'esconder' seu conhecimento na mente de uma das médiuns mas esta percebeu e bloqueou esta ação da bruxa.
Resolvida a questão, já estavamos para encerrar e aproveitei para explicar para as médiuns que a 'moda' da bruxaria atualmente, principalmente com o nome de 'wicca', onde ingenuamente as mulheres fantasiam que são bruxas 'boas', acreditando que no passado tbm o eram, acaba abrindo frequências dessas mulheres de vidas passadas onde realmente eram bruxas (não tão baos quanto imaginam), e acabam sendo manipuladas por bruxas de verdade. Sabemos que historicamente houve muitos excessos durante a inquisição onde muitas mulheres 'inocentes' foram acusadas de bruxaria, sendo torturadas e mortas, entrentanto, sabemos que a prática da bruxaria 'maléfica' era algo comum na antiguidade e na idade média.
Mal acabara eu de falar e uma das médiuns sentiu a presença de outra bruxa, que a princípio ela pensou ser a mesma bruxa 'mãe' que estava em outra médium mas que não era, pois a outra já havia sido levada com as demais. Conversando com essa inusitada 'visitante', que gargalhava ruidosamente, acabamos por descobrir que fomos contemporâneos na última encarnação dela, por volta do ano 1700, ocasião em que eu era uma bruxa tbm (mulher). Segundo outra médium que divisou a cena, eu e a 'colega' inclusive cozinhávamos genitais humanos em nossos caldeirões.
Essa bruxa, essa de verdade, vivia justamente de vampirizar as tais 'bruxas modernas', encarnadas, que brincam de fazer 'poções do amor' e similares. Essa apesar de meio perturbada não era totalmente má e conseguimos convencê-la a tentar uma regeneração, aceitando o auxílio de nossos amigos do plano espiritualo, com a promessa de que iria aprender muitas coisas novas, mas tbm com a garantia de que se não gostasse poderia sair de lá e voltar para onde estava.
É interessante observar que as médiuns trabalham regularmente em nosso grupo de apometria e que mesmo assim ainda foram levadas em desdobramento, de forma inconsciente, para um 'workshop' desse nível. Porém, o fato de todas terem sentido dor é sinal de que não se afinizaram com a energia predominante, coisa que em outras ocasições poderia ter passado despercebido, como acordar cansada, mas sem saber a real razão. Tbm se não fôssemos investigar, achando que poderia ser apenas alguma indisposição, não teríamos 'recolhido' as centenas de bruxas que irão estagiar agora em outro orbe.


Gelson Celistre

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Relacionamentos conjugais

     A consulente nos procurou para tentar entender pq não consegue se desvincular de seu marido, apesar dele tratá-la com desrespeito e estar 'aprontando' descaradamente. Ela tem um filho já adulto de outro relacionamento e com esse tem um filho pequeno, ainda criança. Logo ao abrirmos a frequência da consulente, duas das médiuns já incorporaram cada uma uma entidade feminina. Uma ao estilo 'gira', muito debochada, rindo demais e ridicularizando a outra, esta um tanto mais 'sisuda'. Conversando com as essas entidades para tentar descobrir a relação delas com a consulente, descobrimos o seguinte: a entidade 'sisuda' fora, em vida passada, patroa da outra entidade estilo gira e da consulente.


     A gira naquela vida se envolveu com o patrão, um senhor já de certa idade, com a intenção de ganhar algum dinheiro a mais e, se tivesse sorte, até casar com ele. A consulente descobriu o envolvimento dos dois e pensou tbm em ganhar algum dinheiro, só que contando para a patroa sobre o adultério do marido com a outra empregada. E assim foi feito.
     Entretanto, a gira ouviu a conversa das duas, enquanto preparava um chá para a patroa e antevendo que seria demitida, envenenou o chá, com a intenção de matar a patroa e assim ficar logo com o patrão. Ela porém errou na dosagem ou não qualidade do veneno ministrado e a patroa não morreu, tendo tempo de demiti-la antes de cair enferma do estômago em função do veneno, enfermidade essa que lhe ocasionou viver acamada o resto de seus dias.
     A outra empregada, a nossa consulente, aproveitou-se da situação para seduzir o patrão, o que não devia ser muito difícil, e a patroa acamada ainda presenciou as cenas de luxúria entre os dois sem nada poder fazer, até sua morte. Com a morte da patroa a nossa consulente casou então com o patrão, com a intenção clara de aplicar o famoso 'golpe do baú', pois esta tinha um amante e tramaca com ele a morte do patrão, o 'velho'.
     Ela e o amante tentaram assassinar por três vezes o velho mas este sempre se safou e, por fim, ainda matou o amante da consulente. Como o 'velho' tinha uma certa posição social e amigos influentes nada lhe ocorreu.
     Bem, o quadro atual é o seguinte: O amante daquela vida é seu filho mais velho na vida atual e o 'velho'da vida passada, que ambos tentaram matar mais de uma vez por interesse material, é o seu marido, esse mesmo do qual ela não consegue se desvencilhar. Além desses três personagens vivendo no ambiente físico, ainda tínhamos a ex-patroa, que era mulher do velho, e tbm a outra empregada, a gira, essas duas desencarnadas e desfrutando do mesmo ambiente familiar.
A ex-patroa estava obisidiando a consulente e a gira saía com o 'velho' quando este se desdobrava, para lhe sugar uma energiazinha. Essa gira vivia num bordel no astral onde as 'meninas', de várias nacionalidades segundo ela (que inclusive me convidou a 'frequentar' o local afirmando que se ela não me agradava lá tinha várias outras) 'trabalhavam' vampirizando/obsidiando homens encarnados 'por encomenda', com finalidades escusas.
     Aproveitamos para convidar as meninas para mudar de vida e a 'gira' e várias outras aceitaram. A gira foi com a condição de que iria 'ver' como era lá mas que se não gostasse iria voltar para o tal bordel, com o que concordamos. A ex-patroa após conversarmos aceitou ser auxiliada pois já estava cansada de ficar perto da outra. Tbm já tratamos de seu estômago antes de encaminhá-la para a equipe espiritual pois ela ainda sentia as dores provocadas em seu aparelho digestivo por conta do veneno que ingeriu no tal chá.
     Havia ainda junto com a consulente um ex-marido de uma outra vida passada dela. Esse não era mau, apenas pouco evoluído, e queria inclusive ajudá-la pois, segundo ele, a casa dela estava 'cheia', e ele gostava mesmo dela, apesar que ficando próximo acaba procovando uma 'vampirização ligth', isto é, sem maiores danos para a consulente e até ajudando de certa forma que outras entidades mal-intencionadas se aproximasse dela. Esse tbm estava cansado e foi de bom grado com a nossa equipe espiritual.
     Como a consulente estivesse falando de sua relação com uma irmã com a qual 'não se dá', justamente por conta dessa se revoltar com as atitudes do marido da consulente e por esta 'não fazer nada', a dita cuja se desdobrou inconscientemente e conversamos com ela, incorporada numa das médiuns. Por fim, propomos que fizessem as pazes, perdoando uma a outra, mas a consulente não estava disposta a perdoar a irmã. 
     Nesse caso, após termos dado algumas orientações à tal irmã para esta cuidar mais da sua vida e menos da vida da irmã e não se revoltar com ela por conta da vida dela com o marido, a mandamos de volta ao seu corpo físico. Efetuamos uma 'limpeza' na casa da consulente e demos a recomendação de praxe, isto é, se evangelizar, amando, perdoando, etc.



Gelson Celistre.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Apostila de apometria

Clique na imagem abaixo para fazer o download da apostila de apometria. A apostila explica como funcionam as leis, os corpos, as forças empregadas na apometria, ressonância de vidas passadas, etc., além de vários relatos de atendimento.









segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Utilização de bolsão de espíritos sofredores por obsessor

Atendimento de uma menino de 4 anos com dificuldade de se expressar verbalmente. Quem compareceu foi a mãe da criança. Segundo informações da mãe, a criança já fez vários meses de tratamento com fonoaudiólogo, ja consultou neurologista, que nada encontraram de errado com o menino, e está fazendo uma terapia do tipo 'emocional' e até agora houve poucos progressos. Disse inculsive que apenas recentemente ele conseguiu formar uma frase simples com três palavras (eu te amo).

Aberta a frequencia do menino, que foi desdobrado e trazido à reunião, um dos médiuns percebeu que ele tinha uma espécie de malha no rosto, que o repuxava para trás e o impedia de abrir a boca. Descobrimos que um espírito obsessor estava mantendo esse artífio no menino para justamente dificultar sua fala. Numa vida passada o menino, naquela existência com 10/12 anos, viu um homem fazendo sexo com uma mulher e este lhe deu algumas moedas de ouro para que não revelasse isso a ninguém, pois naquele contexto era um crime grave, talvez pq ela fosse casada. Apesar da propina o menino 'dedurou' o tal homem, que teve seus membros amarrados a cavalos por cordas, sendo depois disso esquartejado pelos animais. A entidade culpava o menino por sua desgraça.

Era um ser com a maldade ainda arraigada em seu íntimo e não tivemos sucesso em sua 'doutrinação'. Libertamos outros seres que ele mantinha escravizados, recolhemos outros 'colegas' dele que maltratavam entidades sob sua tutela e apagamos a memória do indivíduo, que foi levado pela nossa equipe espiritual. Este ser estava conseguindo seu intento de obsidiar o menino, inclusive lhe provocando um problema fisiológico pq numa vida passada este menino era juiz numa cidade do interior e frequentemente mandava prender em um hospício pessoas que não horavam seus compromissos financeiros, sendo que à noite ia lá e os torturava, sendo que a primeira coisa que fazia era lhes cortar a língua, para que não falassem o que ele lhes fazia. 

Havia um bolsão desses espíritos ativo no astral, inclusive com outros carrascos e as vítimas, algumas encarnadas e outras tantas desencarnadas, que foram todos resgatados. Como estavam ligados carmicamente ao garoto, o obsessor usou esta 'brecha' para atacar seu desafeto, logrando êxito, ou seja, foi a utilização desse bolsão de espíritos sofredores que lhe deu 'força' para atuar no menino encarnado. Havia tbm junto da mãe do menino uma menina criança que havia sido filha dela há quatro encarnações atrás e que morreu quando caiu de um cavalo. 

Este ser tinha ciúmes da mulher pq ela cuidava do filho dessa vida e a 'abandonou' na vida passada. Era a idéia que ela tinha, pq depois de 'morta' não encontrou mais a mãe e ficou vagando. Possivelmente tenha reencarnado novamente mas no momento estava desencarnada e foi 'sintonizada' pela equipe espiritual com aquele momento de sua vida passada para propiciar o resgate.

Fizemos ela lembrar o que ocorreu realmente e ela viu que a mãe a procurou sim e que a encontrou já desfalecida no chão, e que a levou pra casa e cuidou dela e limpou o ferimento (ela já estava morta). Inclusive a mulher fiocu por 3 vidas seguidas depois daquela sem ter filhos por conta do trauma de ter perdido a filha desta maneira trágica, uma vez esclarecida, a menina foi levada pela equipe espiritual.

A consulente havia se separado do marido e afirmou que apesar disso ainda se sentem muito ligados, e que haviam se conhecido na adolescência e casaram, sendo após muitos anos ainda sentia algo forte por ele. Averiguando o passado dos dois, descorimos que ambos tiveram um romance 'proibido' em uma vida passada e que marcaram de fugir juntos para poderem se casar, porém, ela não apareceu e eles nunca mais se viram naquela vida. Ele era um sujeito um tanto orgulhoso e como ela não apareceu no encontro marcado fiocou achando que ela estava apenas se divertindo às custas dele e que ria dele por ser tão tolo.

Ele apareceu espontaneamente na reunião, desdobrado, e, incorporado, conversamos. Fizemos ele ver o que aconteceu com ela no exato momento em que deveria encontrá-lo e ele então viu que naquela ocasião ela foi colocada à força numa carruagem pelos pais e levada para outro local distante dele, ela chorava e gritava desesperada. Conversamos e o fizemos ver que os sentimentos que ele nutria por ela estavam embaralhados, misturados com os da vida passada, pois ele tinha um sentimento de desconfiança em relação a ela e era tanto que ele não gostava de vê-la feliz, pois associava com ela 'rir às custas dele', por conta de ter achado que ela o enganara naquela outra vida. Esclarecido sobre essa questão, foi mandado de volta para o corpo.

Haiva ainda junto da consulente uma entidade feminina de 'terreiro', cobrando dela uma suposta dívida de um 'trabalho' feito. Indagamos com a consulente se esta havia feito algum tipo de macumba e ela negou, afirmando que apenas foi num local desses com uma amiga que é médium, quando estava se separando, mas que não mandou fazer nada lá. A tal entidade cobrava um '4 patas', geralmente um bode, que é ofertado em holocausto para essas entidades menos esclarecidas como pagamento por seus 'serviços'.

Conversando com a entidade averiguamos seu passado com a consulente e descobrimos que haviam sido irmãs numa vida passada e que esta, a entidade, tinha um noivo, que ela queria que lhe ajudasse em um plano que elaborara, de matar toda sua familia pra ficar com a fazenda e as posses dos pais para ela. O tal namorado recusou e, para evitar uma tragédia, fugiu com a irmã da entidade naquela vida (a consulente) e ainda levou um cabrito (eis o motivo dela cobrar tanto o 4 patas) para venderem e poderem ir pra longe. 

Não verificamos o resto da vida dela naquela existência mas surgiu na reunião o 'pai' da entidade naquela vida querendo 'ajustar contas'. Era uma entidade muito relutante e gastamos algum tempo insistindo para que mudasse de vida. No fundo ela queria mas devido ao orgulho se recusou a aceitar a 'minha' oferta. Entretanto, a equipe espiritual a levou e conversaram com ela, que estava inclinada a ceder.

PS.:  
Recebemos nesta data a seguinte msg da mãe do menino, em resposta à nossa solicitação de informações sobre o estado do mesmo após o atendimento, que ocorreu há cerca de um mês: "ola gelson, faço minha as suas palavras , quando terminamos a apometria eu lhe perguntei o que iria acontecer, e vc respondeu que agora ele iria falar. Desde então existe uma melhora , claro que é uma evolução lenta, mas todos notaram a mudança. Ele esta falando algumas palavras novas, mas a melhor coisa é que esta tendo a iniciativa de falar, o que antes nao havia. Ainda estamos com muita expectativa ainda, mas confiante, muito obrigada. um abraço"

Gelson Celistre

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Relações familiares

Caso A

Atendimento de um casal reclamando de problemas com a ex-mulher do homem, da qual é separado há cerca de 8 anos, sendo que dessa primeira união este tem uma filha de 8 anos. A tal ex-mulher reside há cerca de dois anos em cidade distante, o que dificulta o contato do pai com a filha, não tendo a menina acesso a internet, telefone, etc. O homem reclamava tbm do valor da pensão. Com esta outra mulher não tem filhos.
Antes mesmo de entrarem na sala para o atendimento, foi percebida a presença de uma entidade de baixa vibração, sem parte da face esquerda e com uma das mãos sem 'pele'.
Quando o casal de consulentes entrou e expôs seus problemas, a entidade se regozijou e afirmou que queria que o homem sofresse muito. Afirmou que faria de tudo para que as coisas para ele 'andassem devagar', sem solução. Ao ser questionado o motivo, a entidade afirmou que este homem, em uma vida passada, lhe atirara ácido no rosto, tendo-o deformado a face e uma das mãos, por achar ele 'lerdo' no serviço. O consulente era uma espécie de governador de um território e a entidade era seu secretário. 
Começamos o tratamento por este ser, fazendo-o lembrar de uma vida passada dele que seria a 'causa' dele ter sofrido este ato de violência. Ele lembrou então que em outra vida ele torturava pessoas que ficavam presas em celas. Gostava particularmente de lhes agredir no rosto, por sentir prazer em humilhá-las. Segundo ele mesmo foram mais de 100 pessoas que ele torturou. Este ser ainda queria que eu 'garantisse' a ele que o consulente iria sofrer se ele aceitasse nossa ajuda, o que, evidentemente, lhe dissemos que não faríamos, pois todos ali necessitavam perdoar um ao outro. Meio a contragosto acabou aceitando nossa ajuda depois que lhe curamos a mão e o rosto, sendo que lhe advertimos que se não se esforçasse para modificar seus sentimentos de ódio e vingança o processo poderia ser revertido naturalmente, devido ao próprio padrão vibratório dele.
Nesse ínterim, o espírito da ex-mulher do consulente já se encontrava presente, em desdobramento inconsciente, reclamando seu direito de 'infernizar' a vida do ex-marido, pelos motivos que exporemos a seguir. Na mesma vida onde o consulente jogou ácido na entidade que acabármos de socorrer, ele foi casado com sua ex-esposa dessa vida. Quando foi nomeado para o cargo de governança,que tbm era uma espécie de juiz, pois decidia sobre as vidas dos governados, não podia levar sua amante junto, que é a atual esposa dele, ou seja, a outra consulente presente. O que os dois fizeram foi subornar e pagar para que médicos, padres e outras pessoas atestassem que sua esposa estava louca, para que a internando em um hospício, ele pudesse oficializar a relação com sua amante perante a sociedade. Foi o que fizeram e a mulher acabou enlouquecendo mesmo no hospicio e morreu lá totalmente louca.
Naquela vida o consulente tinha uma filha com a mulher que internou como louca e a amante, passando à condição de esposa, tratou de se livrar dela a enviando para um colégio interno. E assim, naquela vida, viveu o casal de consulentes seu lido ropance, sem ninguéma para os perturbar. O homem tinha uma posição econômica e social boa e, pelo  modo como tratava seus subordinados, devia ter um caráter muito autoritário e arrogante.
A tal ex-mulher estava em ressonância com aquela vida passada onde foi internada como louca e acabou mesmo enlouquecendo no hospício. O casal que hoje se reclama da situação em que se encontra não mediu consequências para ficarem juntos naquela vida e na atual estão recebendo o retorno de seus atos pois os problemas de relacionamento que enfrentam hoje com a ex-mulher do consulente são uma consequência direta da lei de causa e efeito. Efetuamos a despolarização de memória na ex-mulher a fim de amenizar seus sentimentos em relação ao casal de consulentes pois porconta disso ela está usando a filha para fazer o e-marido sofrer, entretanto, num caso como esse não há muito o que fazer. Quem desrespeita a vontade do outro para fazer prevalecer a sua, egosísticamente, como eles fizeram no passado, têm de arcar com as consequências.

Caso B

Mulher reclamando da relação com o marido. Há pouco tempo separaram-se pq ela 'botou ele pra fora de casa'. Nessa ocasião ele acabou morando um tempo com outra mulher mas recentemente voltaram a morar juntos. Tem uma filha de seis anos aproximadamente, que há três anos atrás teve o aparecimento de um tumor no cérebro, que não está totalmente curado ainda. A menina tem convulsões por conta do tal tumor. A consulente relata que tenta não brigar com o marido mas a raiva que sente às vezes é incontrolável e ela, mesmo sabendo o que não deve fazer, acaba não conseguindo evitar.
Logo uma das médiuns captou a relação deles de uma vida passada, que foi a vida anterior a atual. Ela estava noiva de um homem, que a abandonou e fugiu com a irmã dela. Ele era caixeiro viajante e ela e a irmão residiam em cidade pequena do interior. Ele foi com a irmã dela para uma cidade 'grande' e moravam numa espécie de cortiço 'melhorado'. A irma dela teve três filhos, adoeceu e foi abandonada pelo marido, que apenas lhe dava mísera pensão para a sobrevivência dela e das crianças. Ela naquela vida ainda teve que ir cuidar da irmã doente, mas apesar de saber que essa atitude era a 'coisa certa' a fazer, nutria muito ódio por eles, principalmente pelo homem que a trocou pela irmã.
O marido atual dela é o mesmo que a abandonou na vida passada e a filha dela é uma das sobrinhas que ela teve naquela vida, ou seja, era filha dele com a irmã dela na vida passada. O tumor que a menina desenvolveu no cérebro foi uma reação aos sentimentos conflitantes que ela tem pelo pai. Enquanto que nessa vida ela sente amor por ele ser seu pai, no inconsciente jaz o sentimento de revolta por lembrar de como ele tratava mal sua mãe na vida passada e de como sofreram pelo abandono dele. Desdobramos a menina e tbm efetuamos a despolarização de memória nela. 
Além disso, ainda estava junto da consulente sua irmã da vida passada, que era mãe da menina. O espírito se sentia culpado por ter 'estragado' a vida da irmã e queria ajudá-la de alguma forma, mas estava em péssimo estado vibracional. Dialogamos com ela e a encaminhamos para tratamento no astral.
Tbm um caso onde pouco se pode fazer pois a casal se reuniu novamente para regatar um com o outro atitudes de vidas passadas. Nesses casos a dificuldade maior das pessoas é o perdão. Quando eclodem os sentimentos de vidas passdas, associados aos da vida atual, a maioria não consegue se controlar pois a maioria das pessoas vive dominada pelas emoções.

Gelson Celistre

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Organização do mal

Em nossa última reunião nos deparamos com um ser em forma de aranha tecendo uma teia sobre o grupo. Retiramos os fios e fizemos ele assumir uma forma humana. Era um mago e usava uma roupa com capuz cobrindo-lhe a cabeça. Através da psicofonia de uma das médiuns dialogamos com a criatura. Ele iniciou reclamando que eu me 'metia' em tudo, que 'atirava pra todos os lados', e disse que eu devia ter um objetivo. Disse-lhe que meu objetivo era ajudar as pessoas e ele retrucou que eu deveria me concentrar nesses 'pobres coitados' que andam vagando por ai, que não são 'organizados'.
Perguntei o motivo dele se preocupar com isso e ele disse que sempre que eles fazem uma 'reunião' tem um ou dois 'dos dele' que foram retirados de lá por mim. Falou que eles eram organizados e que não queriam ajuda, tampouco interferência em seus assuntos. O tal mago então me propôs um acordo, onde eu deveria 'não interferir' na 'organização' que ele representava e eles não nos atacariam. Diante de nossa negativa, após as ameaças de sempre, de atacar nossos familiares e conhecidos entre outras, ele saiu em disparada pq um dos médiuns localizou a 'base' deles.
Antes de sair inclusive deu uma bofetada no médium (no astral). Quando chegamos no local junto com a equipe espiritual, em questão de segundos, já estava tudo vazio. A base desses seres era um grande pavilhão com muitas portas de cada lado da construção, assemelhando-se até a um imenso corredor. Essas portas na verdade eram 'portais interdimensionais' ligados diretamente a locais aqui no plano físico onde esses seres trevosos atuavam, havia portas que davam em centros espiritas, igrejas, escolas, hospitais, em residências, etc.
Uma das médiuns percebeu a existência de uma sala 'blindada', onde os outros companheiros do tal mago (a cúpula da organização) estavam, juntamente com ele, escondidos. Aproveitamos que estavam todos reunidos ali e 'levantamos' a sala inteira com eles dentro. Encontramos tbm uma espécie de 'sala de controle' com uma tela tipo de computador com mapas e esquemas de localização dos portais interdimensionais. Nossa equipe nos orientou a não destruir este local pois eles iriam utilzar essa base na luta contra outras organizações maléficas.
Abraço.

Gelson Celistre

domingo, 13 de setembro de 2009

Paixão e loucura

Numa das reuniões mensais que reservamos para estudo e atendimento interno do grupo, manifestou-se um ser que havia morrido já idoso de tuberculose, abandonado pela mulher (uma das médiuns) em um hospital. Queria saber pq ela o deixou quando estava doente, sentia-se amargurado, além de estar ainda em péssimo estado de saúde, respirando com dificuldade inclusive. Enquanto o tratávamos energeticamente, incorporou uma mulher em outra médium, falando com o espírito tuberculoso algo do tipo 'bem feito'. Essa mulher gaguejava e estava com perturbação mental.
A situação foi a seguinte: o homem estava noivo dessa mulher e se apaixonou por outra (a nossa médium) tendo terminado seu relacionamento com a noiva. Esta já havia comprado inclusive o vestido de noiva e quando o noivo cancelou tudo ela enlouqueceu. Vestiu-se de noiva e foi para igreja esperá-lo. Foi internada num hospício e morreu louca, no mesmo estado em que se apresentava para nós.
O seu ex-noivo teve uma vida normal com a nova mulher que escolheu (nossa médium) mas no fim da vida contraiu tuberculose que, naquela época, não tinha cura, tendo sua mulher sido obrigada a deixa-lo internado para não se contagiar tbm.
A ex-noiva ainda estava dementada e conversando com ela induzimos uma regressão à vida anterior aquela, onde ela assumiu a personalidade dessa outra vida e teve algumas 'revelações' sobre seu destino. Ela foi mãe do homem que fora seu noivo e, tendo este se apaixonado e engravidado um moça que ela desaprovava para ser sua nora (a nossa médium), mandou que efetuassem um aborto nela, 'na marra', e depois ainda lhe injetaram um ácido no útero para que ela nunca mais tivesse filhos (a médium que fora essa moça sentiu uma forte dor/queimação em seus ovários nesse momento). Não bastasse isso ainda mandou cortar a língua da moça para que ela não contasse isso para ninguém.
Ela entendeu então pq foi abandonada pelo homem que amava e tbm pq motivo tinha nascido 'gaga' naquela encarnação.
Em casos onde o espírito em sua última encarnação estava demente, quando efetuamos a regressão o deixamos com aquela personalidade, a fim de facilitar sua recuperação. É um caso bem direto de ação e reação, causa e efeito.
Abraços.

Gelson Celistre

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Dificuldade nos relacionamentos amorosos

     Esta consulente nos procurou pq queria entender algumas situações de sua vida, algumas até comuns a muita gente, como 'dificuldade nos relacionamentos amorosos', que não dão certo, estão indo bem e do nada terminam, etc. A consulente possui sensibilidade mediúnica e está se 'desenvolvendo' numa casa de Umbanda que, segundo nos afirmou, é de 'umbanda branca', ou seja, não utiliza sangue em seus rituais e nem faz trabalhos para o mal.


     Um dos obsessores que a acompanhavam era um espírito feminino, que em outra existência fora sua 'mãe-de-santo' no candomblé, sendo que na ocasião ela depois te ter feito todos os 'assentamentos', deu-lhe as costas e foi trabalhar com uma outra mãe-de-santo que não era do candomblé e sim da umbanda.   
   Esse ser provocava os rompimentos dos relacionamentos atuais da consulente. Não bastasse isso a consulente levou ainda o filho da tal mãe-de-santo, que era seu namorado. Durante a 'doutrinação' veio à tona que essa mãe abusava sexualmente do filho, que além de seu filho natural era tbm seu filho-de-santo. Um irmão dele saiu de casa na adolescência por perceber o tipo de relação incestuosa da sua mãe com o irmão.
     A outra mãe-de-santo, a da umbanda, tbm estava junto tentando proteger sua 'filha', apesar de ser um espírito com boa intenção, tbm precisava de auxilio. Antes de ser levada por nossa equipe ela disse que no local onde a 'filha' ta desenvolvendo agora eles não sabem identificar as entidades, se são guias de verdade ou mistificadores, e que se ela 'deixasse', sua filha acabaria recebendo algum obsessor que se faria passar por guia.
     Além das 'mães-de-santo' dela de outra vida estava junto tbm o ex-namorado, filho de uma delas, revoltado com a mãe pq naquela vida, tendo perdido o 'filho-amante' e uma das 'filhas' de santo, ela fez um feitiço que acabou provocando o desencarne prematuro da consulente. Fizemos ele ver que em uma vida anterior eles foram casados, e que ele a abandonou com um filho pequeno, sendo que alguns anos mais tarde retornou, matou ela a machadadas e vendeu a criança como escravo, esse filho inclusive era o seu irmão que saira de casa na adolescência, e que já o havia perdoado.
     Apareceu ainda uma criança chorando, que fora filha da consulente em uma outra existência. Disse que apanhava muito do pai e que ele tbm batia em sua mãe, que era a consulente, e que ele costumava enfiar a cabeça de sua mãe na água até ela quase se afogar, várias vezes, como forma de punição por alguma desobediência. Sua mãe tinha um amante e ele descobriu, tendo matado o tal homem e a surrado. Ela pensou que fora essa filha que a tinha denunciado e a matou.
     O pai dessa criança, o ex-marido, acabou aparecendo tbm para reclamar suas 'posses' e dialogando com ele, descobrimos que atualmente no astral trabalhava para dois outros seres, 'educando' os espíritos que eles mantinham como serviçais e prisioneiros. Claro que logo adentramos no local e libertamos todos. Os dois 'chefes' dele ao perceberam a movimentação entraram nas celas para se fazer passar por escravos tbm mas quando eu mandei ele pensar nos seus chefes eles foram identificados pela equipe. Um deles, o mais revoltado, incorporou e começou a tentar nos intimidar. Tinha uma aparência um tanto monstruosa, maior que um ser humano, mas quando o fizemos 'assumir' sua verdadeira aparência, ele se mostrou como um anão.
    Conversando com o ser, se desdobrou à visão dos médiuns duas vidas consecutivas desse ser, as últimas, nas quais ele fora anão. Na última era anão de circo e na anterior era um bobo-da-corte. Essas vidas tinham gerado uma revolta muito grande neste espírito por ser motivo de chacota e inclusive por ter sido muito maltratado na ultima vida, no circo, pelo dono. Dessa última existência ela trazia uma cicatriz no lado esquedo do rosto, devido à uma mordida de um leão, pois o dono do circo enfiava a cabeça dele dentro da jaula do leão para amedontrá-lo e torturá-lo e numa dessas o animal lhe cordeu a face. Interessante que antes de o médium nos revelar esse fato estávamos sentindo em nossa face a dor que ele sentia.
     Investigando as causas, descobrimos que em vida anterior a essas o tal anão era uma pessoa muito cruel e que se comprazia em decepar as pernas das pessoas na altura dos joelhos e que fez isso com muita gente, iclusive com uma pessoa que, reencarnada, veio a ser o dono do circo que tanto o detestava. Foram resgatados ainda 12 seres que o anão havia cortado a perna e inclusive a trupe do circo onde ele trabalhava veio buscá-lo ois ele preferia continuar vivendo naquela região trevosa. No final todos os necessitados foram socorridos.

     Por trás de uma situação aparentemente simples e comum como costumam ser as 'dificuldades nos relacionamentos amorosos', se desdobrou uma teia interligando vários seres em diferentes graus de sofrimento, alguns apenas sofrendo, outros fazendo tbm outros sofrerem, mas todos com um ponto em comum, que era a consulente. Devido a ter sensibilidade mediúnica, logicamente devido ao seu comprometimento de vidas passadas, ela acabava trazendo todos para a sua vida, inconscientemente é claro, mas nem por isso deixando de sofrer as influências.


Gelson Celistre