sábado, 28 de agosto de 2010

Filho-de-santo

     Por várias vezes já nos deparamos com pessoas que participaram de certos cultos de nação africana, foram filhos-de-santo, e por um motivo ou outro deixaram de frequentar tais locais. Mesmo após passados vários anos, é comum que essas pessoas ainda se encontrem ligadas energeticamente aos antigos terreiros.
     Não nos referimos aqui aos terreiros onde as entidades, sob as roupagens fluídicas de caboclos, pretos-velhos, ciganos, etc., trabalham para a "luz", mas sim aos locais onde o 'pai-de-santo' é uma pessoa de pouca evolução espiritual e que negocia com o espiritual, tirando proveito da fé e ignorância dos desavisados que o procuram, para finalidades escusas, mesquinhas e egoísticas, estando ligado a entidades do baixo astral, cujo objetivo é se manter em sua condição de 'fora-da-lei', retardando por meios antí-éticos a aplicação da lei do retorno em si mesmos.
     O consulente nos procurou por estar passando por um momento difícil em sua vida. Após ter sofrido um acidente teve que abandonar suas atividades como desportista e atleta, ficando inclusive afastado do trabalho por depressão e diagnóstico de bipolaridade. Por conta disso acabou se tornando usuário de drogas, cocaína e álcool. Ele relatou estar sentindo falta de controle sobre si mesmo, dizendo e fazendo coisas que magoam seus familiares, sem realmente ter essa intenção, mas sem forças para evitar isso.
     O consulente era filho-de-santo, médium de terreiro, mas muito arrogante e senhor de si, se imaginava imune aos revezes da vida, por contar com a proteção de seus 'guias'. O acidente que sofreu abalou profundamente suas crenças na religião que seguia, tendo ele se afastado e abandonado as práticas mediúnicas.
     A depressão e a bipolaridade estão associadas ao mediunismo mal utilizado e à ligação dele com seres de baixa vibração, oriundos do antigo terreiro que frequentava, além do retorno cármico de ações de magia negra de suas vidas passadas.
      Havia muitas entidades, espíritos de pouca evolução, acompanhando-o. Um deles inclusive incorporou e se mostrou muito indignado pelo consulente ter abandonado os trabalhos, disse ser seu guia, já haviam sido parentes em vida pretérita, e este ser tencionava 'evoluir' trabalhando com o consulente. Este ser foi auxiliado junto com os demais.
    O local que o consulente frequentava era uma casa de umbanda da 'linha branca', mas em dado momento o dirigente, que é homossexual, envolveu-se com um outro pai-de-santo da linha 'cruzada', isto é, que pretensamente postulam trabalhar com a umbanda 'branca' e a 'nação' ao mesmo tempo, como se fosse possível trabalhar para o bem e o mal simultaneamente. Segundo nos relatou o consulente, após a união das casas, efetuaram um ritual de assentamento onde lhe tiraram sangue dos lábios, tendo ele sentido que naquela momento estava ocorrendo algo ruim. 
     Um outro ser horrível que estava junto do consulente, em profunda simbiose com ele, tinha saindo do seu rosto vários tentáculos, como se fosse um polvo. Esses tentáculos se enroscavam no consulente e lhe sugavam a vitalidade, num processo medonho de vampirização. Foi retirado pela nossa equipe espiritual.
    Tbm foi visto o consulente desdobrado, ligado a um sítio do astral onde haviam vários espíritos que foram vítimas dele mesmo em uma vida passada onde realizava rituais de magia negra onde degolava as pessoas e bebia seu sangue direto do pescoço, à semelhança de um vampiro. Resgatamos esses espíritos e apagamos da mente do consulente a lembrança daquela vida, reacoplando-o em seguida, para evitar que ele se desdobrasse novamente com essas mesmas intenções.
     Enquanto tratávamos o consulente, o antigo pai-de-santo do consulente se apresentou espontaneamente em desdobramento inconsciente e, incorporado, reclamava de nossas ações. Bradava que nenhum filho dele o deixaria, que eles lhe pertenciam e que precisava deles para ganhar dinheiro. Tentamos esclarecê-lo, mostrando-lhe o futuro que lhe aguardava e as entidades com as quais ele estava trabalhando, como elas realmente eram, mas ele só dizia que se parasse iria ficar pobre. Cortamos todas as ligações energéticas dele com os seus filhos-de-santo que o haviam abandonado para que ele não pudesse mais influenciá-los e, por fim, o alertamos mais uma vez e o mandamos de volta ao seu corpo físico.
     Logo em seguida apareceu a entidade que era responsável por aquele terreiro no astral, um ser arrogante e pretensioso, reclamando que 'nos metíamos' nas coisas deles, que ela não se metia nas nossas, etc., como se estivéssemos ali fazendo algum tipo de negociação. Não queria saber de mudar de atitude de jeito nenhum e por indicação da equipe espiritual, teve sua mente apagada, pois não seria permitido a ele voltar àquele terreiro.
     Apesar de todas essas energias negativas e entidades do submundo acompanhando o consulente, as médiuns viram um ser que vela por ele, com a roupagem fluídica de uma freira, que está empenhado em auxiliá-lo em sua jornada evolutiva.
     As pessoas que frequentam certos cultos, por negligência e falta de estudo do espiritismo de um modo geral, imaginam que o simples fato de não querer mais participar desses locais os isenta das consequências dos atos lá praticados e dos compromissos assumidos com entidades trevosas e malignas. São raros aqueles que conseguem se desvencilhar sozinhos dessas situações, rompendo as ligações energéticas que os ligam a essas entidades do baixo astral, pois isso requer muita fé e uma conduta moral muito reta e justa. Como a maioria tbm tem mediunidade ostensiva, esse desligamento se torna mais difícil e somente o médium se envolvendo ativamente num trabalho de verdadeiro auxílio e regate espiritual dos espíritos sofredores, ele logrará êxito.
Abraço.

Gelson Celistre

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Amarração

     O consulente, uma rapaz jovem, tem um receio muito grande de ser traído. Ressalte-se que nunca foi casado, esse seu trauma de traição se manifesta com forte intensidade nos seus namoros. O consulente tbm tem uma mediunidade que está aflorando e a falta de preparo para lidar com isso o deixa à merce de espíritos de baixa vibração. A princípio havia três desses seres junto dele, potencializando esse sentimento de traição, para fazer com que ele fique com raiva. 

     Por ter um sentimento de orgulho muito forte, a simples idéia de ser traído o deixa furioso, baixa sua frequência mais ainda, e esses seres se conectam mais facilmente a ele e se alimentam dessas energias densas. Retiramos esses três.
     Após os médiuns capataram uma vida onde o consulente fora traído pela sua mulher, foi 'lavar a honra' num duelo e acabou morto. Esta vida deixou uma forte impressão no seu psiquismo e os efeitos ainda se fazem sentir na encarnação atual.
     Tbm junto dele, em outra frequência, havia uma 'gira'. Incorporada, dizia que se comprazia em provocar no consulente o sentimento de ciúmes de suas namoradas. Disse que gostava dele de outra vida e que não iria deixá-lo. Um dos médiuns viu o momento em que ela o encontrou nesta vida. 
     A gira estava acompanhando sua 'médium', que estava numa praia onde tinha muita música e bebida, e o consulente esetava no mesmo local, a gira o identificou e passou então a ficar ao lado dele.       Captamos essa vida onde haviam se conhecido e vimos que ela era então uma mulher casada e que o consulente era seu amante, ela usava vestidos com armação e espartilho, algo não muito recente.
     Naquela existência o caso deles ia bem até o marido da 'gira' mudar-se para outra cidade, o consulente acreditva que a amante abandonaria o marido para ficar com ele mas isso não aconteceu. Indignado, ele procurou uma feiticeira e mandou fazer um trabalho para que eles ficassem juntos pra sempre, tendo acordado com ela inclusive que o feitço deveria ser 'reforçado' constantemente, mesmo depois que ela (a feiticeira) estivesse morta. 
     De fato um dos médiuns viu os materiais usados no feitiço, dois bonequinhos de pano tipo vodu, e o trabalho ainda estava ativo, um caso de arquepadia (um feitiço antigo que ainda encontra-se atuante várias vidas depois, mesmo as partes tendo reencarando e não lembrarem que o feitiço foi feito).
     Enquanto isto era visto e tendo eu pedido ao médium para queimar o trabalho, a feiticeira que havia feito o trabalho já se encontrava presente e, incorporada, conversamos. Ela disse que o rapaz lhe pagara muito bem, e frisou bem esse 'ter pago muito bem', para que ela fizesse um feitiço de amarração, para que a mulher lhe pertencesse 'para sempre', e que ela cumpria seus acordos e que mesmo depois de morta continuava reforçando o feitiço. 
      Argumentamos com ela que agora o consulente não desejava mais isso e ela concordou em desmanchar o feitiço, mas queria exigir algum pagamento para desfazer. Já tínhamos desmanchado o feitiço mas conversei um pouco com a feiticeira e 'negociei' com ela o desmanche, disse que ela tinha prejudicado muita gente com seus feitços e ela retrucou dizendo que só fazia feitiços para o amor. 
     Emiti então um comando mental e puxei para perto dela todas a pessoas que ela tinha prejudicado com sua feitiçaria e a quantidade que apareceu era muito grande, até famílias inteiras ela tinha destruído com sua magia negra. Disse a ela então que o pagamento para ela deixar de lado o feitiço contratado pelo consulente seria eu não deixar ela na mão de seus cobradores e que ela deveria ficar bem quietinha e seguir com nossa equipe espiritual, juntamente com suas vítimas de outrora, que aproveitamos para resgatar e que evitariam a ela muitos dissabores futuros. Foi sem reclamar.
     A gira concordou em deixar o consulente com a condição de que ele não a procurasse mais, e caso isso viesse a ocorrer (ele a procurar em desdobramento) ela foi autorizada a ficar com ele. Uma das médiuns viu outro espírito feminino junto do consulente, ela acariciava os cabelos dele e dizia que ele lhe pertencia. 
   Já fora mãe dele em uma vida passada, onde nutria um amor mais do que fraternal, era apaixonada pelo filho e parece que chegaram inclusive a se relacionar sexualmente naquela existência. Em outra vida tbm estiveram juntos, sendo ela uma poderosa feiticeira e o consulente seu aprendiz, e era muito aplicado aliás. Essa teve sua mente apagada e foi levada pela equipe espiritual.
     No caso da gira, como o consulente havia intencionalmente contratado um feitiço para que ela ficasse 'para sempre' ligada a ele, não quizemos obrigá-la a sair de perto dele, apenas negociamos com ela que se afastasse dele por algum tempo, mas deixamos em aberto que, caso ele a procurasse, ela estava livre para voltar a acompanhá-lo.
     Tbm observamos que o consulente estava com muita energia concentrada no chacra básico, na parte posterior do laríngeo havia muita energia negra, e os demais chacras estavam desvitalizados. Promovemos um reequilíbrio energético em seus plexos energéticos. 
   O consulente ainda foi advertido a ter muito cuidado com o seu desenvolvimento mediúnico, pois tem tendência a se sentir 'estrela', a se achar muito importante por conta da faculdade mediúnica, se sentindo 'especial', e essa egolatria pode ser a causa de sua queda. É muito importante para o médiun cultivar a humildade e ter a consciência de que a faculdade que lhe foi outorgada é para auxílio dos seus irmãos sofredores.


Gelson Celistre.

O filho doutor

Há algumas décadas atrás era um grande orgulho para os pais terem um filho 'doutor'. Era comum tbm, e isso ocorre até os dias de hoje, o filho se formar em uma profissão com a qual não tem nenhuma afinidade, por imposição dos pais. Além de viverem insatisfeitos com a profissão 'escolhida' (pelos pais) geralmente não são bons profissionais, em função da falta de vocação. Este foi o caso deste consulente, que em vida passada se formou em medicina, para 'orgulho' de seu pai, um fazendeiro do tipo 'coronel'. Para orgulho do pai, o filho depois de formado voltou para a pequena cidade próxima de seu 'coronelato' para clinicar.
Na vida atual o consulente é técnico em enfermagem e tem mediunidade num grau quase ostensivo, já viu espiritos de pessoas mortas, vultos, etc., além da 'tradicional' bipolaridade que acompanha os médiuns.
Mais próximo a ele estavam dois espíritos que na vida passada dele onde era médico, foram seus pacientes. Ambos reclamavam da negligência do consulente e diziam ter morrido por culpa dele, que se apavorava qando tinha que tratar alguém. Um deles fora picado por uma cobra e o jovem médico tratou do caso aplicando um torniquete na perna do sujeito. Talvez por inexperiência ou por falta de conhecimento ou zelo, deixou por muito tempo o torniquete e perna do sujeito gangrenou, vindo a gerar um óbito. O outro morrera de parada cardíaca, e disse que o médico não foi eficas no procedimento de ressucitação (massagem cardíaca). Conversei com ambos sobre a situação e os dois foram sem maiores problemas com nossa equipe espiritual. Como esses dois, muitos outros pacientes do 'doutor', filho do coronel,, vieram a morrer em suas mãos e ele tinha medo de que as almas dessas pessoas voltassem para atormentá-lo. Em função disso o rapaz acabou enlouquecendo e terminou seus dias num hospício. No astral este hospício ainda existia e havia lá muitos doentes mentais, todos ligados ao consulente por ressonância. Todos foram resgatados e o local posto abaixo.
Tbm captamos uma outra vida passada do consulente onde este era o xamã de um tribo de canibais. Foi visto uma cena desta vida onde o consulente arrancava o coração de uma pessoa e o comia, cru e sangrando, sendo que logo em seguida o corpo dessa pessoa era destroçado e os demais membros da tribo comiam as outras partes. Tbm havia muitas vítimas desse ritual antropofágico ligados ao consulente, mas todas foram resgatadas.
Um caso simples de 'bipolaridade' (mediundiade na realidade) que pode ser facilmente solucionado se o consulente se engajar num trabálho sério num casa espírita que trabalhe para a 'luz'.
Abraço.

Gelson Celistre.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Dependente químico

O vício das drogas é algo muito difícil de superar e requer muito esforço e dedicação por parte do dependente. Atendemos um rapaz viciado em cocaína que se conscientizou que a droga está fazendo mal não apenas a ele mas a seus familiares tbm e que resolveu se tratar. Salientamos a ele que é imprescindível a desintoxicação do corpo físico, preferencialmente numa clínica especializada em recuperação de drogados e que se ele não mudar seu padrão mental pouco adiantaria o atendimento espiritual. A situação que encontramos foi a seguinte:
O espírito de uma moça viciada em cocaína que morreu há cerca de 5 meses num acidente automobilístico era um dos muitos espíritos viciados que estava acompanhando o rapaz e o tratamento que efetuamos nela foi compartilhado pelos demais. Tentamos demonstrar a ela que estava se prejudicando com a insistência em continuar no vício, além de estar tbm induzindo o rapaz a se viciar mais ainda pois ela agia na mente dele para que ele fosse atrás da droga. Ela disse que agora que estava morta mesmo não precisava se esconder e podia cheirar enquanto quizesse. Seu estado era tão deplorável que logo que sentiu a presença dela uma das médiuns já começou a sentir uma coceira no nariz e a fungar.
Apesar dela não querer conscientemente deixar o vício, nem os demais espíritos que acompanhavam o rapaz, parti do princípio de que estavam todos 'fora de si' e resolvi tratá-los sem o seu consentimento. Dei uma ordem a ela, um comando mental, para que ficasse 'sóbria' daquele momento em diante, e que nenhum tipo de droga, seja cocaína, crack, álcool, etc. lhe faria perder a consciência, mesmo que ela quizesse. Ela ficou irritada e disse que iria procurar um 'macumbeiro' para desfazer o que eu fiz mas lhe disse que não adiantaria. Ela foi adormecida e levada para o hospital, juntamente com os demais espíritos que acompanhavam rotineiramente o consulente.
Após isso nos deparamos com uma cena estranha, três espíritos de negros mantinham uma frequência do consulente desdobrada e presa dentro de um narguilé. Na vida passada anterior a essa o consulente era traficante e usuário de cocaína e esses três negros eram seus meio-irmãos por parte de mãe. Ele era 'branco' e eles diziam que se arrependeram de confiar nele, pois ele usava mais a droga do que vendia. Eles disseram que ele morreu 'cheirando' e que no tempo deles era normal misturar outros produtos com a droga. Eles teriam dado uma 'forcinha' para que o consulente morresse de overdose; um deles, o líder, inclusive disse que eles na época chamavam de 'suicídio' e que não usavam o termo overdose.
Ele estava reticente em largar o consulente e um dos médiuns captou uma outra vida passada deles onde cada um desses negros era o líder de uma tribo africana e que o consulente, que era branco, conquistou a confiança deles e os traiu, escravizando todos os membros dessas tribos e os vendendo no Novo Mundo.  Pedi aos médiuns que entrassem nessa frequência e resgatassem todos que pudessem e ainda havia muitos deles em sofrimento no astral, alguns que morreram de doenças na viagem pelo Atlântico e que foram jogados no mar, etc.
Após isso a equipe espiritual nos disse para 'chamar a mãe' deles e foi algo até cômico. A mulher já está encarnada mas veio rapidamente e quando lhe dissemos o que eles faziam (ela na vida passada não sabia que eles traficavam drogas) ela deu uma esculhambação neles e desceu a bolacha nos crioulos, enxotando-os para onde estavam os membros da equipe espiritual.
Comentando sobre os locais onde o consulente costuma comprar drogas, se apresentou o espírito de um homem com uma iguana enrolada no pescoço. Ele é encarnado e é o 'dono' de uma 'boca' onde o consulente costuma comprar drogas. Falou que estávamos nos metendo nos negócios, etc. Teve a memória apagada e foi reacoplado ao seu corpo físico. Aproveitamos e fizemos uma varredura em todos os pontos de droga onde o consulente já esteve; pedindo para ele lembrar de cada um deles nossa equipe espiritual passou nesses locais e resgatou os seres que ali estavam e que tinham condições de receber ajuda.
Logo o 'verdadeiro' dono da boca, um ser desencarnado especializado em vampirização, se manifestou.
Este ser, que era um policial corrupto em sua última existência carnal e atualmente comandava mais de mil pontos de venda de drogas espalhados pelo mundo. Quando desencarnou caiu para regiões umbralinas mais densas e foi cooptado para trabalhar em uma organização maligna. Subiu de posto e atualmente detinha um cargo de poder do qual não queria largar mão. Efetuamos o resgate dos espíritos ligados a ele e o deixamos para conversar com nosso pessoal do astral.
Esperamos que o consulente consiga ter força de vontade suficiente para se livrar desse vício pois os danos ao organismo dos usuários de drogas os acompanha em vidas futuras até que eles mesmos consigam se libertar desses grilhões que eles mesmos criaram para si.
Abraço.

Gelson Celistre.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Benzimento

Mulher jovem, vinte e poucos anos, com pesadelos onde pessoas a perseguem ou fazem coisas ruins. Frequenta um centro espírita e já 'passou mal' lá. Tem sintomas de mediunidade. Inicialmente manifestou-se o espírito de uma mulher que morreu com um tiro no peito. Causou uma dor aguda no peito da médium que a recebeu, era irmã da consulente em uma vida passada. Foi auxiliada e resgatada.
Depois apareceu um homem que se via num buraco escuro cheio de água do qual não conseguia sair. Fizemos ele lembrar de como morreu e ele viu que levou uma paulada na cabeça e o homem que bateu nele o colocou dentro de um buraco ou riacho com água e cobriu com umas tábuas. Ninguém o encontrou. Este homem era pai da consulente naquela vida, que era noiva desse rapaz que foi morto. Como era contra, o pai resolveu matá-lo e ocultar o corpo. O rapaz não tinha familiares naquela região pois era um tipo de caixeiro viajante e possivelmente acreditaram que abandonara a cidade. Tbm foi auxiliado e resgatado.
Depois disso os médiuns viram a consulente com a aparência de um dragão, mas era apenas uma espécie de roupa. Quem colocou isso nela foi uma feiticeira que tbm se cobria com uma pele de animal, tipo um xamã. Ela tinha um local no astral onde várias mulheres encarnadas iam em desdobramento para 'trabalhar' (vampirização, prostituição, etc.), iam sozinhas, pois a feiticeira as viciara em uma beberagem verde que as fazia voltar sempre atrás de mais, uma droga poderosa. Ela negociava a energia desses mulheres para outros seres trevosos e era uma criatura que estava prejudicando outros seres, então resolvemos apagar a mente dela. A médium percebeu que quando ela viu o que eu ia fazer ela pensou: "- De novo essa palhaçada de esquecer tudo!"e nesse momento acionou um 'backup'. Já havíamos nos deparado com um sistema de banco de dados de mentes recentemente (http://apometriauniversalista.blogspot.com/2010/07/cabala-negra.html) e encontramos algo similar, só que as mentes eram armazenadas em bonecas de pano, algo meio do tipo vodu. A própria médium que percebeu a situação queimou tudo.
No início do atendimento eu havia perguntado à consulente se alguém na casa dela era envolvido com macumba ou similiares, ao que ela respondeu que não, tampouco ela teria ido a qualquer desses locais. Entretanto, coisa não rara de acontecer, no desenrolar do atendimento a memória do consulente sempre 'melhora' e ele lembra de fatos que não lembrava, no caso a consulente lembrou que ela mesma há alguns meses havia ido a um pai-de-santo que lh jogou búzios e disse que havia um 'trabalho feito' pra ela.
Outro médium via as paredes da casa com muito sangue escorrendo no astral e perguntei a ela se não haviam levado alguém para benzer a casa.
Nesse momento ela lembrou tbm que quanto era pequena sua mãe levou alguém lá com esse intuito, ele lembra que colocaram algumas coisas sobre a mesa, entre elas balas e doces, com a finalidade de 'benzer' a casa.
Enquanto conversávamos outra médium sinalizou que a entidade 'contratada' para o benzimento se encontrava presente. Ela incorporou e conversamos. Como sempre eles vem com aquele papo de que o encarnado foi atrás e contratou o serviço e depois não quer cumprir com sua parte. É o típico caso onde não se lê as letrinhas miúdas pois a pessoa vai em busca de uma coisa e recee outra. A entidade dizia que tinha um 'vivo' na história e que prometeu a ele que 'podia' ficar vampirizando a casa, depois que fizesse as coisas 'irem bem' por um tempo.
Esse é o estratagema padrão de pessoas mal-intencionadas e que se aproveitam da ignorância e negligência com o espiritual das pessoas que os procuram atrás de algum 'trabalho' para qualquer finalidade. Após as reclamações de praxe do tipo, pq eu fico me metendo, a mulher não é nada minha, e etc., informamos a entidade que ela estava proibida de voltar à casa da consulente e que se quizesse cobrar de alguém que fosse de quem lhe prometeu o que não podia, pois negociou com a vida dos outros.
Abraço.

Gelson Celistre.

domingo, 15 de agosto de 2010

Nazistas e dragões

     A consulente nos procurou para esclarecer um fato que ocorreu com ela anos atrás. Por ocasião de uma audiência de separação judicial a juíza que presidia a sessão solicitou que ela viesse conversar com ela noutro dia. Ela compareceu e a tal juíza a acusou de ser nazista, ao que ela retrucou dizendo que não, pois nunca se interessara por história e muito menos por nazismo. A tal juíza disse a ela que 'viu' junto dela durante a audiência um soldado nazista (espírito) e a aconselhou a ler alguns livros sobre espiritismo. Ela parece ter lido alguns livros sobre espiritismo mas a questão do 'nazismo' não ficou bem esclarecida para ela.



     O problema maior é que ela teve um filho com um homem do qual se separou antes mesmo da criança nascer e vida matrimonial deles foi muito tumultuada, com a família dela sendo contra e o marido sendo muito ciumento e possessivo. Após a separação ele nunca procurou o filho, que agora tem quase dez anos e quer conhecer o pai. O tal homem tinha duas filhas de um casamento anterior e tbm as abandonou sem nem querer saber como estão.

     Após ela relatar sua história, já se encontrava presente um cientista-médico nazista, com o qual passamos a dialogar. Enquanto conversávamos os outros médiuns iam localizando os laboratórios do médico e resgatando os seres ali aprisionados, bem como os destruindo depois. Este médico tinha um laboratório onde atuava e mais cinco que ele supervisionava os trabalhos, foram todos destruídos. Havia tbm um pântano lodoso onde eram jogados os 'dejetos' humanos vítimas de suas experiências, um local fétido e onde jazia uma quantidade considerável de seres que foram cobaias nesses laboratórios. Foram todos resgatados.

     A história deles era a seguinte: na vida anterior a essa, a consulente, seu ex-marido e o tal médico eram todos nazistas. Ela era enfermeira e assistente desse médico e o ex-marido era major do exército alemão. O tal major gostava de matar e torturar e se achava 'maior que a causa', segundo nos dissera o médico (essa parte talvez não seja exatamente assim como ele nos contou mas não tivemos como investigar mais)  e este disse ter recebido ordens de eliminá-lo, bem como a outros oficiais 'inconvenientes'.

     A enfermeira foi encarregada de seduzi-lo e depois envenená-lo, o que fez com maestria tal que o major se apaixonou por ela. Quando ela o envenenou ele percebeu e morreu olhando nos olhos dela, que demonstrava uma cruel frieza e nenhuma compaixão. Acontece que essa enfermeira tinha um 'caso' com o médico e ficou impertinente, exigindo dele que se separasse de sua mulher para ficar com ela. Teve o mesmo fim do major. O médico lhe injetou um veneno e a matou. Segundo ele o veneno era tão eficaz que fez com que as veias da cabeça dela explodissem. Esse médico disse que foi a julgamento no final da guerra e que foi condenado.

     O major tinha um 'pupilo' naquela vida, um oficial subalterno que o idolatrava, e quando morreu, o major achou que este o traíra juntamente com a enfermeira, sendo corresponsável por sua morte. O pupilo por outro lado ficou com ódio da enfermeira por ter matado seu ídolo. Aquele jovem pupilo é na vida atual o filho da consulente (cujo pai é o major). Com o tal médico não havia o que fazer, não queria ajuda de nenhum tipo e foi levado por um dos guardiões do nosso grupo.

     Enquanto conversávamos o ex-marido da consulente apareceu desdobrado, vestido a caráter com seu uniforme de major, muito revoltado e dizendo que não aceitava interferência na sua vida, que não queria saber da mulher (a consulente) nem do filho, etc. Enquanto o major esbravejava, outros médiuns perceberam a presença no recinto de dois 'dragões'. Pedi para verificarem o que eles queriam e nos disseram que estavam ali 'apenas' para garantir o 'livre-arbítrio' do major, que fazia parte de suas 'fileiras' e que estava com eles por livre escolha. Consultando nossa equipe espiritual fomos orientados a não interferir nas escolhas do major e a deixar os dragões partirem.

     Quanto à consulente, depois de morrer na vida passada ela foi direto para o império dos dragões, ficou algum tempo por lá, até que pediu auxílio e um ser 'de luz', que no passado fora um 'amor' dela, ouviu suas súplicas e intercedeu por ela, ficando como uma espécie de 'avalista' espiritual da consulente. Ela passou por vários tratamentos depois que deixou os dragões pois sua vibração era tão baixa que seu corpo parecia revestido de escamas.

     Descobrimos ainda que a consulente e sua atual mãe e irmã já foram bruxas no passado e que eram inimigas do 'major', nessa vida faziam muitas experiências de magia e feitiços, inclusive com humanos, e um dos irmãos da consulente foi uma dessas vítimas naquela vida, sendo que sua esposa atual era a mesma daquela existência.

     Mais um caso de nazistas na ativa no astral e de encarnados atuando em desdobramento em locais trevosos. Esse 'major' deve ser importante para os dragões pois se arriscaram vindo garantir seu 'livre-abítrio' e provavelmente está perdendo a última oportunidade que tem aqui na Terra, é um forte candidato ao exílio.


Gelson  Celistre.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Vampiro energético

     A consulente acreditava que seu falecido marido poderia estar com ela, mas descobrimos que ele já havia sido socorrido e estava num hospital do astral em recuperação, por um longo tempo ainda segundo nos informaram. Mas com ela estava o espírito de seu falecido avô, homem que muito trabalhou enquanto era vivo e que permanecia junto ao 'comércio' da família, na tentativa de influenciar os herdeiros a 'ganhar dinheiro'.


     Segundo ele era a única coisa que sabia fazer, 'ganhar dinheiro'. Ele achava que o negócio era bom e que via oportunidade de lucrarem muito, ficando assim sua família sendo importante na sociedade por ter muito dinheiro. Conversamos amigavelmente com o cidadão tentando fazê-lo enxergar outros valores menos materialistas, pois sua aparência não era boa e neessita já de uma reencarnação. Nós os advertimos de alguns dos perigos que corria, como ser escravizado por entidades trevosas, e o deixamos conversando com a equipe espiritual.
     Junto da consulente tbm havia um outro ser, um espírito mistificador. Como a consulente é adepta da crença em 'mestres ascencionados' e simliares, fez cursos de reiki tbm, esse ser, que já sugava uma conhecida dela, acabou ficando com ela pq a outra já estava 'desmotivada' e parando com as atividades 'reikianas'. Este ser ficava com ela para vampirizar as pessoas que acorriam a ela para 'fazer reiki', isto é, em vez de saírem melhor, saíam sugadas e ligadas a este vampiro energético.
     Enquanto conversava com ele duas das médiuns adentravam seus domínios e libertavam seus prisioneiros. Este ser tinha como 'base' uma caverna por onde corria um rio de lava incandescente, numa região de baixíssima vibração da subcrosta. Este ser disse que estava com a consulente já há 4 anos e que fazia parte de uma organização maior. Deixamos ele com a equipe espiritual. Situações como essa são muito comuns, onde pessoas se deixam levar por modismos espiritualistas, sem os estudar em profundidade e sem terem uma boa base de conhecimentos sobre o mundo espiritual, adquiridos em fontes confiáveis, como em livros psicografados por autores de reconhecida idoneidade, e acabam sendo cúmplices, involuntariamente, de entidades trevosas.
     O reiki nada mais é do quem uma doação de energia, um 'passe', onde a energia desprendida é a do próprio 'reikiano' e não uma energia 'pura' e que 'não se contamina pelo canal'. Nós absorvemos sim a energia universal, todos nós, independente de 'iniciações' e todos nós podemos doá-la se assim o desejarmos, sem necessitar de símbolos ou qualquer outra coisa. O que é preciso é a vontade.
     O que percebemos reiteradas vezes é que pessoas com mediunidade ostensiva, pessoas que nasceram com o comprometimento de utilizar essa faculdade para o auxílio dos espíritos sofredores, atuando como 'reikianos', pq não se 'afinizam' com o espiritismo. Se a pessoa tem condições de exercer sua mediunidade dessa forma sem problemas tudo bem, entretanto, o que vemos tbm em quase todos os casos desses, de reikianos médiuns que não atuam caritativamente em algum centro espirita, e que não possuem conhecimento profundo sobre a espiritualidade de um modo geral, apenas conceitos superficiais, é que se deixam vampirizar e mistificar por entidades trevosas, às vezes até por espíritos medíocres, galhofeiros, que zombam e se divertem às custas dessas pessoas, além de perturbar as pessoas que as procuram em busca de ajuda.
     Por isso é que essas pessoas geralmente estão sempre à procura de algum 'curso' novo, alguma coisa mais 'forte', uma 'ressintonização', pq acabam sempre desvitalizadas, obsidiadas, etc. Geralmente apregoam que os 'mestres' resolvem qualquer problema, quando é para os outros, mas quando é com elas aí procuram um centro espírita ou grupo de apometria para resolver a situação.


Gelson Celistre.

Desdobramento inconsciente

A consulente, uma mulher de pouco mais de 30 anos, nos procurou a princípio para entender o motivo de não ter um bom relacionamento com seu pai. Alegou que ele sempre a 'colocava pra baixo', que sempre a induzia a se sentir culpada por ter feito alguma coisa errada, etc., e que em sua vida costuma sempre encontrar pessoas que a tratam dessa mesma maneira.
Logo após nos relatar seu caso vimos que em vida passada ela foi casada com um fazendeiro, na época da escravatura, e era uma mulher de rara beleza. Seu marido era extremamente ciumento e suspeitava, aparentemente sem fundamento, de que ela o traía.
Seu ciúme era tão obsessivo e doentio que por suspeitar que seus quatro filhos não eram dele, ele trancou todos num sótão, a mulher e os quatro filhos, e os foi matando aos poucos por envenenamento, deixando a mulher por último, para que ela sofresse mais, vendo os filhos morrerem. Matou tbm uma mulher que cuidava das crianças e depois deu fim a própria vida se enforcando. A criatura era tão perturbada que tinha ciúmes dela com um dos negros escravos da fazenda, que tinha muita pena dela por conta dos maus tratos do marido, e chegava em sua insanidade a pensar que seus filhos poderiam ser desse escravo, embora fossem todos 'brancos'.
A razão desse ciúme doentio, que o fazia alcoolizar-se e bater na esposa, bem como lhe agredir psicologicamente, fazendo-a sentir-se culpada até por ser muito bonita, tinha uma explicação no passado do trio onde ele, o escravo e a mulher, já viveram um triângulo amoroso. Em vida passada ela já fora inclusive casada com esse que era o escravo e que hoje é seu pai, o mesmo com o qual tem problemas de relacionamento.
Mas a loucura desse ex-marido da consulente foi mais longe. Depois de morto ele manteve suas vítimas presas naquela situação, só tendo escapado e conseguido reencarnar a consulente, as quatro crianças e a mulher que cuidava delas ainda eram mantidas aprisionadas por esse espírito.
A consulente, por não conseguir libertar os filhos daquela situação, mantinha-se em desdobramento inconsciente junto dos filhos.
Enquanto ela ainda estava nos relatando seus problemas de relacionamento, já se encontrava presente desdobrada, juntamente com o espírito ex-marido, e incorporando numa das médiuns, ela se mostrava muito aflita pq não conseguia libertar os filhos daquela situação. Explicamos a ela que já os estávamos resgatando e que seu ex-marido não iria mais machucá-los. Depois lhe apagamos isso da memória inconsciente ativa e a devolvemos ao seu corpo.
O ex-marido tbm incorporou, muito irritado, dizia que tinha razão em desconfiar dela pq ela foi nascer como filha 'justamente' daquele escravo que já fora marido dela em outra vida. Conversamos um pouco com esse ser tentando clarear um pouco sua visão e o despachamos para nossa equipe espiritual.
Já se apresentava tbm no recinto um senhora de fino trato, gerente de uma casa destinada ao entretenimento masculino, para onde a consulente, tbm em desdobramento inconsciente, se dirigia para saciar seus ímpetos sexuais. Ela afirmava categoricamente que as pessoas iam até lá de livre e espontânea vontade e que ela não aliciava ninguém. Disse inclusive que a consulente tinha muitas fantasias e tal e que o cônjuge não lhe correpondia plenamente nesse aspecto, o que a levava a desdobrar-se para poder realizar seus desejos, o que aliás é extremamente comum e que acontece com a maioria de nós.
Ainda estava conversando com ela quando um outro espírito incorporou em outro médium, bradando que não queria que 'ninguém interferisse no que era dele'. Enquanto eu conversava com esse outro a nossa amiga empreendora foi-se com nossa equipe espiritual, resgatamos todos que estavam na casa de entretenimento (bordel) e destruímos o local. Esse outro espírito era meio violento e ríspido, mas era um bobalhão. Por trás dele estava um mulher, que parece ter sido mãe dele em alguma vida, e que preparava uma poção, que era dada para os frequentadores do bordel  e que os fazia voltar lá, uma espécie de droga viciante. Ambos foram presos e seu destino vai ser decidido pela equipe que nos dá suporte no astral.
Além disso foi visto pelos médiuns que a consulente tem uma mediundiade inclusive ostensiva e que precisa trabalhar isso, sendo que ela confirmou depois que já viu vários seres desencarnados e que vivenciou outras situações onde sua mediunidade se mostrou bem aflorada.
Casos com esse são muito comuns, onde nos desdobramos inconscientemente e nos apresentamos com a personalidade de uma vida passada, mas isso não ocorre pq aquela 'personalidade' precisa ser 'doutrinada' e sim pq na grande maioria dos casos existe alguma entidade desencarnada relativa àquela vida passada que está gravitando em torno da pessoa encarnada e que acaba provocando uma ressonância de vida passada. Quando a pessoa tem algum grau de mediunidade facilmente se desdobra e assume aquele 'papel', se mostrando com era no passado e até passando a pensar e agir como naquela vida. É preciso que alguma energia forte relacionada com uma vida passada provoque esse desdobramento inconsciente com personalização de vida anterior.
O tratamento é simples nesses casos, resolvemos a questão, que geralmente consiste em afastar os seres ligados à pessoa daquela vida (no caso em tela os quatro filhos, a babá e o ex-marido), destruímos o local no astral onde essa 'cena' do passado estava plasmada, apagamos da memória inconsciente ativa da pessoa a lembrança daquela existência e a acoplamos em seu corpo.
Tentativas de 'doutrinar' a antiga personalidade, querendo que ela aceite valores e conceitos que não detinha na época promovendo a sua incorporação em médiuns, apenas dificultam a situação, podendo até piorar se essas práticas (de incorporar a antiga personalidade) persistirem, podendo inclusive provocar uma espécie de 'esquizofrenia astral', fazendo com que a pessoa se mantenha desdobrada em várias frequências simultaneamente, facilitando o acesso a ela por entidades trevosas e de má indole.
Abraço.

Gelson Celistre.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Soluços

Atendimento de um senhor idoso, com mais de 70 anos, à distância, em razão de o mesmo estar há dez dias com uma crise de soluços, já tendo tentado todas as simpatias conhecidas e tbm consultado um médico, que não conseguiu determinar a causa e tampouco fazer cessar essa situação incômoda.
O consulente (que nem sabia que iríamos atendê-lo) é pai de uma médium que já participou de um curso de apometria que ministrei no estado de São Paulo, onde ambos residem. O atendimento foi feito pela internet, usando o msn, estando a médium em São Paulo, capital, e eu em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, e durou cerca de 17 minutos, onde foram acessadas as seguintes situações.
Primeiramente a médium viu uma cena de seu pai, o consulente, caminhando com dificuldade, com uma bengala inclusive, em uma região muito escura, no fim da qual havia uma luz forte, semelhante a um farol de carro, que não permitia que se divisasse alguma coisa em função da claridade. Detalhe, nesta cena ele tinha uma cobra enrolada no pescoço.
Pedi a médium que tirasse a cobra do pescoço dele e colocasse numa bolha, que eu mesmo criei na cena vista por ela. Nesse momento a médium estava chorando muito, sem saber pq segundo ela, mas provavelmente pq, em desdobramento percebeu alguma coisa sobre o estado de saúde do pai.
Resolvi ajudar presencialmente e me projetei na cena vista por ela, que não conseguia parar de chorar e estava sentindo o estômago embrulhado, e pedi que observasse o que eu iria fazer e me relatasse.
Ela me viu com uma roupa branca, inicialmente observando o pai dela andar, e depois colocando a mão sobre o chacra frontal dele.
Ela queria tirar ele desse cenário e então lhe disse que criasse outro, com muita luz, algo agradável para que ele não tivesse medo, pois senti (e a médium tbm me confirmou depois que tbm sentiu) que ele estava com medo. Ela o sentiu muito debilitado e desorientado, sem saber onde ir. Pedi tbm que ela o abraçasse e dissesse que estava com ele e que iria ajudá-lo nessa travessia, para ele ter fé e bons pensamentos, para orar a Deus pedindo confiança e força. A médium criou um cenário de um campo gramado, com flores. borboletas e pássaros; ela tbm disse a ele para não se culpar tanto pelo que acha fez de errado na vida. Nesse momento ela o viu com uma roupa branca, semelhante a que eu estava usando desdobrado. Nesse momento tbm ela consegiu parar de chorar.
Na verdade o que estava acontecendo é que ele estava com medo de morrer, um sentimento comum quando se está em determinada idade, já avançada. As pessoas começam a refletir sobre o que fizeram na vida, sobre o desconhecido 'mundo do além, etc. É comum nessa fase surgir o sentimento de culpa. é importante assinalar que quem sofre com sentimento de culpa, é pq se pune pelo que fez de errado, e não consegue se perdoar justamente pq tem mágoas e ressentimentos de outras pessoas, não conseguiu perdoá-las e aí tbm não consegue se perdoar.
A médium achava que devíamos tratar o corpo dele mas lhe disse que ele precisava tratar era a mente, tinha que se conscientizar sobre algumas coisas, refletir melhor sobre outras, etc., e que uma boa conversa, inclusive mentalmente, teria melhor resultado. Temos que considerar que, devido à idade e às circunstâncias, é provável que ele esteja já no final dessa encarnação.
Enquanto conversávamos sobre isso, a médium relatou estar vendo ele de costas, sem cabeça e sem pernas ou braços, apenas o tronco. E tbm pareceu ter visto um martelo batendo nas costas dele.
Pedi que observasse melhor essa cena e ela viu as costas dele se transformar no muro de um castelo, onde dois homens lutavam.
Um deles estava ajoelhado no chão pois o outro batera com a cabeça dele várias vezes na parede e, logo depois, o decaptou. Pela nossa experiência já deduzimos que o pai da consulente era o que decaptou o outro. Efetuamos o resgate desse decaptado, após termos lhe recolocado a cabeça, e pedi à médium que mandasse o outro (seu pai) esquecer tudo e voltar pro seu corpo. Resultado: no dia seguinte o consulente, após 10 dias soluçando, acordou sem soluços.
A médium estava em dúvida sobre fazer o atendimento ao pai pq tinha dúvidas sobre se seria correto 'interferir' no karma dele, achando que essa situação poderia ser algo pelo qual 'ele tinha que passar', e acreditava que uma interferência externa pudesse causar algum mal ao invés de ajudar. As vezes me deparo com esse tipo de dúvida entre pessoas 'do meio', mas digo que isso advém de uma interpretação errônea da Lei do Karma e tbm de uma supervalorização de nossas próprias atitudes.
A Lei do Karma não permite que alguém receba um malefício que não seja de seu merecimento, isto é, ninguém sofre sem merecer. Igualmente ninguém pode receber um benefício, caso não seja, de alguma forma, merecedor dele. Portanto, no caso em tela, se o pai dela não merecesse o benefício de ser auxiliado, por mais que nos esforçássemos ele não melhoraria, mesmo tendo retirado o ser que estava ligado a ele, retirado a cobra do pescoço, etc., ele acordaria ainda soluçando no dia seguinte, isto é o que aconteceria caso ele 'precisasse' passar por esta situação por mais tempo (não tivesse merecimento).
Outro fator que deve ser considerado é o seguinte: nós não temos poder para 'interferir' na execução de uma lei divina, no sentido de lhe alterar os desígnios, ou seja, se ele tivesse que passar por aquilo, mesmo querendo, achando que é nosso dever auxiliar, etc., não iríamos produzir nenhum efeito nosentido de minimizar a situação do consulente. Nós somo sempre agentes da Lei uns para os outros, geralmente de maneira inconsciente, mas às vezes de forma consciente, como neste caso.
O consulente estar passando pela situação do soluço é fato, se ocorreu é pq 'legalmente' era possível, mas não significa que ele karmicamente merecesse, ou mesmo que merecesse, que tivesse que durar indefinidamente. A regra é a seguinte, sempre devemos ajudar da melhor maneira que pudermos, com a intenção sincera de auxiliar, com amor. Os resultados advindos dessa ação que executamos serão sempre positivos para nós, embora para o objeto de nossa ação, não tenhamos como saber de antemão pois vai depender do merecimento dele.
Abraço.

Gelson Celistre.

domingo, 8 de agosto de 2010

Vingança

Na semana anterior, um dia depois da reunião de nosso grupo de apometria, tive insônia e só consegui dormir de madrugada. Como não costumo ter isso, pedi aos médiuns que verificassem se tinha alguma coisa de anormal naquele dia ligada a mim. 
Uma das médiuns viu que havia um ser perto de mim naquele dia, ela chegou a ficar com os lábios dormentes pq esse ser não tinha os lábios; tinha dentes enormes como presas de animais, e se alimentava de animais mortos. Ele teria entrado em minha casa junto com uma pessoa que estou atendendo como psicoterapeuta. A médium viu que na madrugada daquele dia, por eu ter solicitado aos amigos do astral, eles o retiraram. Não conseguimos saber se eles tbm não tinham percebido a presença desse ser quando ele entrou com o outro ou se permitiram e nada fizeram até eu solicitar por alguma outra razão.

Quando a médium acessou essa situação, que tinha ocorrido uma semana antes, abriu essa frequência e outro médium percebeu um outro ser, que foi quem tinha enviado aquele. Esse outro ser estava criando uma nuvem negra de fluídos deletérios ao nosso redor, que desmanchamos. O médium tbm percebeu que ele tinha uma ligação de vida passada comigo, tinha sido meu professor de magia negra, e que estava intrigado pelo fato de eu ter agora 'mais poder' do que ele.
Fizemos ele incorporar para conversarmos e descobrimos que ele trabalhava para um outro, mais trevoso que ele, e que já estava presente. O objetivo desse outro mais trevoso era vingança.
Despachamos o 'professor' e fizemos o outro incorporar. Este tinha uns chifres retorcidos e espinhos nas costas. Mantinha um laboratório nas trevas e queria vingança em função de termos destruído outros laboratórios da organização maléfica a qual ele pertencia.
Segundo ele em um atendimento que fizemos há algum tempo prendemos o líder de uns laboratórios e estávamos sondando a mente dele para captar alguns comparsas e a localização de outros laboratórios, mas ele ao perceber que iríamos fazer isso apagou parte da própria mente para que não localizássemos todos. Esse chifrudo foi um dos que não conseguimos detectar pq o outro apagou da sua mente. Mas a criatura tem senso empreendedor e já estava com outro laboratório, bem grandinho até, e se achou em condições de se vingar.
Destruímos esse outro laboratório e libertamos os prisioneiros e cobaias. Apesar de trevoso esse ser não era lá muito inteligente pois se expôs desnecessariamente. Se tivesse permanecido oculto ao nosso conhecimento ainda poderia estar fazendo suas experiências.
Provavelmente tenham deixado aquele ser entrar e me deixar sem dormir justamente para que, através do professor, com seu orgulho ferido, pudéssemos chegar ao amigo do laboratório. Antes de apagar a mente dele lhe cortei os chifres e tirei os espinhos das costas, deixando ele com uma aparência mais humana.


Gelson Celistre.

sábado, 7 de agosto de 2010

Ligações perigosas

     Atendimento de um mulher, espírita, separada, na faixa dos 40 anos, depressiva; trata-se há vários anos com medicamentos. Inicialmente se manifestou uma colega dela de outra vida, uma prostituta, muito alegre e prestativa, dizendo que 'saíam juntas' quando ela se desdobrava, para se divertir, entenda-se fazer sexo no astral. Perguntei-lhe se ela não trabalhava em algum local 'fixo', como um bordel, e ela disse que tinha um lugar onde iam às vezes para se divertir. Esta situação de mulheres, e tbm de homens, saírem do corpo desdobrados atrás da satisfação de seus desejos sexuais é muito comum.

     Um dos médiuns viu vários seres nesse local, com os corpos esfarrapados, putrefatos, e achou que eram os seres com os quais elas se relacionavam sexualmente. Ela retrucou que elas os viam normais e não dessa forma. Durante a doutrinação desse espírito vimos que ela fora enfermeira numa época de guerra e que cuidava com muito carinho de mulheres, crianças e idosos. Estava tentando fazê-la pensar em outra coisa que não fosse sexo pq essa era a única preocupação dela, inclusive queria saber se no local para o qual a estávamos convidando a ir ela poderia fazer sexo. Por fim aceitou ir ver como era, com a garantia de que poderia sair se não gostasse.
     Quando liberamos esse ser já havia outro tbm ligado a consulente. Este demonstrava animosidade e afirmava ferrenhamente que ela ficaria sozinha, que nunca teria ninguém, pois todos que se aproximassem dela ele afastaria. Disse que ela o traiu numa vida passada. Segundo ele, enquanto ele trabalhava ela o traía descaradamente em sua própria casa.
     Esmiuçando melhor a história para sabermos os detalhes do que ocorreu, descobrimos que o 'pobre coitado' traído já estava na casa dos 60 anos quando desposou a consulente naquela vida, que tinha então apenas 16 anos. Sem falar que o cidadão era chegado numa garrafa e frequentemente enchia a cara e chegava bêbado em casa. E pior, descobrimos que ele negociara o casamento com o pai da consulente, que lhe devia dinheiro e lhe vendeu e filha em troca da quitação dos débitos, tendo ainda recebido 'de troco', seis galinhas.
     Vimos outras vidas deles onde numa eram noivos e ela desistiu do casamento pq se apaixonou por outro,  uma outra onde apesar dele ser pai dela vivia maritalmente com ela, e uma outra ainda onde eram irmãos e se davam muito bem quando crianças. Efetuamos um reforço mnemônico inconsciente desta fase para tentar amenizar o amor carnal que ele tinha por ela. Apesar de tudo o sujeito era insistente e não queria sair de perto. Disse a ele que caso não 'aceitasse' sair de perto eu o faria esquecer que a conhecera e que ele não a encontraria mais. Meio a contra-gosto aceitou sair.
     Percebemos que a consulente tinha algum grau de mediunidade a trabalhar mas ela afirmava que nada via ou sentia, apesar de frequentar há vários anos um centro espírita e participar de alguns grupos de trabalho nesse local, e tbm disse que a mediunidade lhe causa medo.  Pedi a um dos médiuns que visse o que acontecia com ela quando entrava no centro espírita e ele viu que quando ela entrava se formava um manto negro ao redor dela, um campo de força vibracional, que a bloqueava e isolava de tudo ao seu redor. Ela mesma é quem criava esse campo.
      A consulente era mais 'trevosa' do que aparentava e pedi aos médiuns que rastreassem as ligações dela com seres do astral e foi aí que pegamos o fio da meada. Chegamos num ser que habitava uma caverna, típico mago das trevas, com aquela capa preta com capuz, unhas compridas e tal. Checamos logo para ver se não era um artificial e não deu outra, a criatura se desmanchou na hora. Seguindo o rastro energético desse artificial chegamos num 'dragão chefe' e mais meia dúzia de dragões, todos seres com aquela aparência e cauda de réptil, que aliás tem aparecido muito em nossos trabalhos ultimamente. Estavam num local lamacento de baixíssima vibração, de onde os retiramos presos, além de resgatar muitos outros seres que estagiavam ali em profundo sofrimento.
     Conversamos com a consulente desdobrada para que não sentisse mais medo e não se bloqueasse mais ao entrar no centro espírita, a princípio ela se retraiu e ficou em posição fetal, disse que queria 'levar alegria e não tristeza' e retruquei dizendo que ela ia se alegrar ajudando os espíritos sofredores e necessitados. Ela foi mudando os pensamentos dela e começou a perceber a equipe do astral da casa e a luz que tinha no local. Provavelmente agora sua mediunidade vai 'desabrochar'.
     Descobrimos que na realidade ela não saía 'inocentemente' apenas para transar desdobrada, mas que ela e a colega prostituta trabalhavam para aquele dragão, aliciando espíritos ingênuos para que ele os vampirizasse e escravizasse. Aqueles seres com corpos putrefatos que o médium viu no início eram guardiões do dragão que vigiavam o bordel para recolher as vítimas escravizadas e as encaminhas para o covil onde ele habitava.

Gelson Celistre.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Nada dá certo!

   Atendimento de um homem, trinta e poucos anos, com a queixa de que 'nada dá certo' em sua vida. Disse que num período de 10 anos mudou-se mais de uma vez por ano, é autônomo e não consegue bons trabalhos, etc.
    Junto dele havia o espírito de uma mulher dementada, que incorporou numa das médiuns e disse que não podia falar pq a proibiram. O ser que a colocara junto dele tbm já estava presente. Conversei com ela que não lembrava de conhecer o consulente, disse que o 'outro' a mandou ficar perto dele apenas para enlouquecê-lo.


    Fiz ela lembrar do passado e ela vislumbrou então sua existência terrana passada, onde ela, filha de um homem de muitas posses, se apaixonou pelo consulente, então um belo rapaz. Ocorre que este estava interessado apenas no dinheiro da moça e para conseguir se livrar dela ele a enlouqueceu, literalmente, e a internou num hospício. Deixamos ela sintonizada num momento passado onde ainda não estava louca e passamos a conversar com o 'outro' espírito, que foi quem a colocou junto do consulente.
     Este disse que odiava o consulente e sua única intenção era a de acabar com ele. Naquela existência esse espírito era sócio do pai da consulente, que faleceu logo depois dela casar. Apesar de ser bem mais velho que a moça, esse homem gostava dela e pretendia casar com ela. Ele desconfiava do consulente e tentou alertar a mãe da moça, mas foi em quase em vão, só não foi uma tentativa totalmente frustrada pq o consulente se incomodou com o fato e o envenenou, provocando a sua morte.
     Com a morte dele e a moça internada num hospício, o consulente ficou gerenciando todos os negócios da familia da moça.
Como sempre acontece nesses casos, ele tinha uma amante. Como tbm costuma ocorrer, ela o enganou e tirou dele tudo o que ele amealhara da família de sua esposa. Ele morreu mendigando comida na rua.
     A ex-esposa, que ainda estava incorporada em uma das médiuns, lembrou que antes de morrer naquela vida, num dia em que estava tomando ar no jardim da instituição psiquiátrica onde vivia, viu o consulente olhando pra ela pelas grades que a separavam da rua. já em estado de mendicância.      Encaminhamos ela para o hospital e conversamos com o 'outro', que deu um pouco de trabalho para largar a obsessão, como sempre já haviam se envolvido num triângulo amoroso em outra vida, onde o consulente foi o traído. Por fim ele aceitou ir conversar com nossa equipe e desistiu da vingança, pois ficaria junto com a moça no astral.
    Vale mencionar que o consulente é frequentador de terreiros, já 'fez a cabeça' com sangue e tbm inúmeros trabalhos, regados a sangue, para que as coisas 'dessem certo'. Foi orientado a se afastar desses locais e a tomar um banho de sal grosso, de corpo inteiro, para se limpar energeticamente.   
   Quem contrata trabalhos de magia regados a sangue está assinando um contrato onde o pagamento é a escravidão após a morte, além da vampirização que já começa enquanto a criatura ainda está encarnada. Nenhuma entidade 'de luz' necessita do sangue de um animal inocente para fazer qualquer coisa.


Gelson Celistre.

Amor materno

Atendimento de uma senhora, 'mãe-de-santo' há décadas, que queria saber o motivo de não se dar bem com o filho, segundo ela existem muitos desentendimentos entre eles, o filho tem quase 40 anos, é solteiro e usuário de drogas, não tem trabalho fixo.
Inicialmente se manifestou um espírito feminino que estava junto com o filho dela, acusando a consulente de 'não prestar', dizendo que ela 'nunca foi mãe de ninguém', etc. Disse ainda que a consulente a havia assassinado covardemente.
Segundo esse espírito, em vida passada ela era vizinha da consulente, que era casada e tinha filhos. O espírito afirmou que a consulente maltratava demais as crianças e que as ameaçava para que nada dissessem ao pai, quando este questionava pq as crianças estavam tão magras ou com algum ferimento.
Essa vizinha cansada e apiedada das crianças foi ter com a consulente e a avisou que ia contar ao marido dela tudo quanto sucedia na sua ausência. Disse isso e voltou para sua casa e seus afazeres domésticos, quando foi surpreendida por um golpe mortalem suas costas, desferido com um machado, pela consulente.
Este espírito estava junto com o filho atual da consulente pq este naquela vida era o filho mais velho dela e era o que mais sofria, pois tentava defender os irmãos menores das atrocidades cometidas pela sua mãe contra eles todos. Conversamos com ela e a encaminhamos ao hospital do astral.
Logo em seguida se manifestou em desdobramento inconsciente, espontaneamente, o próprio filho da consulente, dizendo que não queria 'resgatar nada com ela' e que 'queria distância dela'.
Converamos tbm com ele e o fizemos ver que tudo tem uma razão de ser, e que, mesmo ela tendo agido muito mal com ele no passado, ele deveria perdoar e esquecer.
Fizemos ele lembrar de uma vida anterior onde, ambos sendo casados, ele a maltratava muito e a espancava constantemente, inclusive ela morreu após uma dessas sessões de espancamento naquela vida. Por fim, fizemos ele esquecer todo esse passado para ver se a situação entre eles se ameniza.
Uma situação bem direta da aplicação da lei do retorno, o que implica em dizer que ambos os seres envolvidos, a consulente e seu filho, são seres ainda muito dominados pelas paixões inferiores e sujeitos completamente ao automatismo da Lei.
Vale ainda ressaltar que nesta vida mesmo a consulente separou-se do pai desse rapaz ainda menino e o mandou morar com ele, sendo que em dois anos vivendo com o pai ele se viciou em drogas, e ele tinha 10 anos na época. Vejam que não precisava nem buscar no passado a causa dos desententimentos. Mas enfim, pelo menos um espírito foi auxiliado, a ex-vizinha. Tbm ocorre que o filho da consulente, além de usuário de drogas, tbm é 'chegado' a frequentar terreiros de nação e a mandar fazer 'trabalhos' de toda sorte. Somente com amor e perdão, muita paciência e resignação podemos resolver essas questões sentimentais que se prolongam vida após vida.
Abraço.

Gelson Celistre