quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Mantra de purificação

     O consulente relata ter dificuldade de expressar seus sentimentos, principalmente quando é para se 'defender', isto é, quando alguém o destrata  ele não consegue 'revidar' verbalmente. Tbm relata que rejeitou dois filhos seus quando soube que a esposa estava grávida, chegando mesmo a propor que ela fizesse um aborto. Atualmente se diz envergonhado dessa atitude e que os filhos são ótimos (já estão adultos), não lhe dão problemas de nenhuma espécie, etc.
     Aberta a frequência logo surgiu um espírito que havia morrido com a cabeça decepada, ligado a ele havia um bolsão de espíritos sofredores, mais de trezentos, que tiveram a mesma morte. Este ser fora contemporâneo do consulente em uma vida passada, por volta do ano de 1639, e todos foram mortos por se rebelarem contra um suserano local ou rei de alguma região da Europa.   
     Este espírito não tinha noção de que estava 'morto', mas era atraído para a casa do consulente e imaginava que estava sonhando quando o via. Ele tentava 'alertar' o consulente de que o carrasco que havia lhe cortada a cabeça vivia na casa dele. Descobrimos que os dois filhos que o consulente rejeitara eram dois dos quatro carrascos que haviam matado aquela gente.
     A atual esposa do consulente, que tbm estava presente na consulta, era uma espécie de 'insufladora' do povo, os instigava a se revoltar e reclamar mas ela mesmo não fazia nada, ficava às escondidas. O tal ser disse que eles não gostavam dela por conta disso e nos revelou que eles a mataram apedrejada.
     Para piorar a situação do consulente, ao lado de sua residência existe um 'terreiro' de macumba e os seres que 'trabalham' naquele local eram todos comparsas do consulente e de sua esposa, de vidas passadas onde eram todos feiticeiros. Eles tinham um acordo de que os que esetivessem encarnados 'trabalhariam' com os desencarnados, mas reclamava (o que se manifestou pelo grupo) que eles não estavam cumprindo sua parte e por isso eles ficaram na 'casa ao lado', pois em desdobramento ambos, o consulente e sua esposa, estão trabalhando com eles em magia negra.
     Além de vários outros espíritos de baixa vibração na residência do consulente, havia um em formato de cobra, uma imensa naja. Este ser fora transformado pela esposa do consulente no passado e ainda estava aprisionado a ela, que o usava em seus rituais e trabalhos de magia negra quando desdobrada.
     A esposa do consulente, infelizmente para ela, tem a falsa idéia de que 'não tem problemas' por conta de seguir uma religião que segundo ela a fez reconhecer 'a verdadeira natureza de seu ego' e que 'recita' mantras de 'purificação' que ela acredita que 'purificam' suas vidas passadas, a presente e as futuras. Ela afirmou ainda que conhece muito bem a Lei do Karma.
     Até tentamos lhe fazer ver que isso é uma ilusão, que nenhum mantra tem o poder de purificar ações passadas, presentes e as que ela ainda nem fez. Se bastasse recitar algum mantra para se purificar não precisariamos da Lei do Karma, mas enfim, cada um acredita no que quer. A orientamos a estudar alguma outra coisa que a fizesse entender que existe, por exemplo, o desdobramento inconsciente, e que ela desdobrada está gerando karma negativo para ela mesma, mas creio que foi em vão.

Abraço.

Gelson Celistre

4 comentários:

  1. Sinto em você um preconceito com relação às religiões africanas

    A religião africana que faz o mal é a Quimbanda, a Umbanda e o Candomblé não fazem o mal.

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Não temos preconceito com nenhuma religião, inclusive é 'tradicional' a atuação de espíritos ligados à egrégora da Umbanda na apometria.
    Entretanto, sabemos diferenciar as entidades que atuam em nome da 'Luz' daquelas que apenas se utilizam do 'nome' de outras para enganar e vampirizar os incautos.
    Aqui no RS temos uma grande concentração de terreiros que se dizem de Umbanda quando na realidade são cultos de 'nação', onde as entidades são de baixa vibração e apenas se dizem exus, pretos-velhos, etc.
    Alertamos para este fato pq são muito poucos os terreiros de Umbanda mesmo, a maioria é uma mistura de coisas que nem eles mesmos saberiam definir.
    Eu particularmente não considero a Umbanda uma religião africana, ela nasceu no Brasil com elementos africanos, indígenas e europeus através do Caboclo das Sete Encruzilhadas, através do Zélio, mas o conhecimento em que a Umbanda se baseia é milenar, vem dos templos da Atlântida.
    Abraço.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Só uma dúvida, como posso saber se inconscientemente eu estou me desdobrando e gerando karma negativo de situações ainda pendentes? Obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Oi,

    O desdobramento inconsciente ocorre por conta de desejos não realizados que nós temos e aos quais não damos vazão em estado de vigília.
    Nossa situação 'física' atual nos limita, nosso corpo, nossa condição sócio-econômica, as leis vigentes, as convenções sociais, etc. nos limita as ações, mas muitas das coisas que são 'proibidas' ou 'politicamente incorretas' nós faríamos se pudéssemos, então, sem as limitações de nossa dimensão física, quando desdobrados no astral, nós fazemos.
    Exemplo: Aquela vontade de mandar seu chefe pra 'bem longe' quando ele te humilha no serviço pode resultar num desdobramento no astral onde vc não só vai mandar ele longe, mas tbm pode sintonizar com uma vida passada onde vcs tinham outras personalidades e onde a violência era mais habitual, e vcs podem ter um atrito maior.
    A isso podem se somar outras consciências que conviveram com vcs e ambos se ligarem a algum bolsão se espiritos vivendo no astral.
    Para não nos desdobrarmos temos que ter controle de nossas emoções e isso, 100%, ninguém tem. O caminho é a evangleização, a reforma íntima, pois no astral demonstramos o que realmente somos e não o que aparentamos ser aqui na dimensão física.
    Abraço.

    ResponderExcluir