quarta-feira, 30 de maio de 2012

Resgate kármico

Este caso é interessante para estudo de como se processam os resgates kármicos pois os efeitos que a consulente sente no corpo físico estão diretamente relacionados com o karma que ela está resgatando nessa existência. O que chamamos popularmente de karma nada mais é do que o retorno de nossas ações, tanto das vidas passadas.quanto da vida atual.

A consulente apresenta um quadro de debilidade em sua saúde com muitas dores nas costas, sente como se tivesse "algo vivo" dentro de sua barriga, as unhas de suas mãos amarelam, infeccionam e se desprendem dos dedos, sente dores no ânus, já teve que fazer uma cirurgia  por conta de fístulas e terá de fazer outra. Relatamos estes detalhes para que se possa observar a relação entre o quadro atual de saúde dela e o sofrimento que ela infligiu a outras pessoas em vidas passadas.

O comportamento homofóbico da consulente em vida passada
está lhe acarretando sérios problemas de saúde na vida atual.
A encarnação anterior da consulente antes da vida atual foi na Alemanha, era um homem, e participou da Primeira Guerra Mundial como soldado. Este soldado tinha um irmão que tbm servia com ele no exército. Ocorre que o irmão da consulente naquela vida era homossexual e a consulente o flagrou fazendo sexo com um outro homem, o que a deixou profundamente indignada, pois era uma vergonha para a familia. Lembremos que a consulente era homem tbm naquela vida e era homofóbico.

A consulente então prendeu os dois homens, seu irmão e o amante, e os torturou cruelmente até a morte. Entre outras coisas, ela arrancou os dedos da mão do rapaz que estava com seu irmão com um alicate. Em seu próprio irmão, a consulente enfiou um cacetete no ânus que lhe perfurou os órgãos internos, levando-o à morte por hemorragia. Como estavam em guerra, a morte dos dois homens foi dada como sendo em batalha e ninguém ficou sabendo do ocorrido. A consulente após o término da guerra retornou para sua casa na Alemanha e disse a seus pais que o irmão havia morrido em batalha, nunca revelando o que realmente ocorreu.

Temos aí a causa dos problemas anais que ela apresenta nesta encarnação, pois o espírito do irmão e do outro rapaz, ainda desencarnados, estavam ligados a ela. Para piorar a situação, em desdobramento, ao se deparar com o espírito do irmão e do amante que ela matara anteriormente, ela reassumia a personalidade que tinha na vida passada e voltava a torturar o espírito do irmão e de seu amante. Na dimensão astral permanecia plasmada a imagem do local onde ocorreu a tortura e morte dos dois homens pela consulente, então um soldado alemão, e ela ao se desdobrar voltava para lá e repetia os mesmos atos de crueldade.

Se ela tivesse em sua mente atualmente a concepção de que este tipo de atitude (preconceito contra o homossexualismo) fosse errado, ao se deparar com a situação em desdobramento ela não reagiria da mesma maneira e provavelmente não agiria da mesma forma cruel como agiu na vida anterior, diminuindo consequentemente a sintonia dela com essa vibração, o que amenizaria as consequências daqueles atos em seu corpo físico. Como agravante ainda vimos que o irmão que ela matou iria renascer como filho dela nesta encarnação mas foi abortado, daí a sensação de "algo vivo" na barriga que ela sentia, pois o espírito do irmão vivia em profundo sofrimento, ligado à sua morte na vida passada sob tortura e ainda com a situação de aborto que sofreu.

Uma outra situação que encontramos com a consulente era relativa a uma vida passada mais antiga, onde ela foi uma bruxa.e matou dezenas de crianças para usar em feitiços. No feitiço que ela estava fazendo ela usava os dedos das crianças, que estavam presas numa caverna próxima a uma floresta. Ela arrancava um dedo de determinada mão de cada criança para usar em seus feitiços e isso se prolongou por vários meses. Após terem todos seus dedos cortados, as crianças eram mortas.

De todas que ela matou naquela existência, ainda havia 27 (vinte e sete) que estavam presas àquela situação, ou seja, a caverna onde ficaram presas e onde foram mortas estava plasmada no astral e elas estavam presas lá, sendo visitadas pela consulente em desdobramento, que voltava a lhes arrancar os dedos e fazer feitiços no astral. Na realidade elas morreram sem os dedos e não os tinham no astral, mas quando a bruxa retornava ao local a lembrança dos fatos ocorridos fazia com que todos eles revivessem o que haviam sofrido e então novamente se viam sendo mutilados por ela.

Este outro resgate kármico é o responsável por provocar a infecção e a queda das unhas da consulente na vida atual, tbm reforçado por conta dela estar agindo em desdobramento com crueldade, mantendo aprisionados dezenas de espíritos e os mutilando. Em nenhum dessas duas situações encontramos algum espírito desencarnado atuando em conjunto com a consulente ou potencializando suas memórias para manter abertas essas frequências de vidas passadas, ou seja, era ela a única responsável.

Se ela tivesse recebido o antigo irmão como filho nessa vida ela teria conseguido amenizar em muito seu karma pois estaria dando a vida a quem ela tirou, sem falar que os laços de amor mãe/filho iriam diminuir tbm os sentimentos negativos entre eles. Possivelmente o filho seria gay para ela aprender a aceitar a homossexualidade. Não conseguimos ver se o aborto foi provocado deliberadamente por ela ou se foi "espontâneo". Esse espontâneo na verdade se ocorreu teria sido pq o espírito dela a nível inconsciente reconheceu a energia do irmão, identificado como "homossexual" e o rejeitou, provocando o aborto "espontâneo".

De todos os atos que fazemos temos que prestar contas e se não tivermos nos melhorado espiritualmente, quando retornam energias negativas de atos que cometemos em vidas passadas, como nesse caso relatado, as consequências são praticamente na base do "olho por olho", isto é, vamos sentir em nós as mesmas coisas que provocamos nos outros.

Abraço.

Gelson Celistre

domingo, 27 de maio de 2012

Ectoplasma

     Existem várias dimensões e o nosso mundo material, que chamamos de físico, plano físico ou dimensão física, é um dos mais baixos na escala cósmica, em termos de densidade da matéria. A graduação espiritual dos seres que habitam este mundo tbm não é das mais elevadas por conta da lei da afinidade. Se reencarnamos aqui é pq ainda somos pouco evoluídos espiritualmente. 



Ectoplasma saindo do corpo de um médium.
     Quando conseguirmos superar essa etapa evolutiva renasceremos em mundos mais diáfanos, onde a matéria é mais etérea e chega a se assemelhar à do nosso plano astral, a dimensão superior à nossa aqui, onde vivem os espíritos incorpóreos, "desencarnados", ou seja, que não possuem um corpo de carne como o nosso, mas que necessitam periodicamente reencarnar aqui no plano físico. É o local para onde nós iremos quando morrermos, a dimensão astral.
     O motivo de precisarmos reencarnar, todos nós, é a necessidade de produção de ectoplasma, uma energia que somente o espírito em contato com a matéria física orgânica gera, estando encarnado, ou seja, nascendo num corpo de carne. Após a morte do nosso corpo físico se ficarmos muito tempo na dimensão astral sem reencarnar vamos ficando fracos e somos atraídos para algum óvulo em fecundação, renascendo novamente aqui no plano físico. Espíritos que querem evitar a reencarnação então roubam o ectoplasma de pessoas encarnadas, através de diversos processos de vampirização, para assim adiarem seu retorno à carne.
      Existem várias organizações criminosas na dimensão astral que fazem coisas mirabolantes para conseguir nosso ectoplasma. Os meios utilizados vão desde se "enconstar" em pessoas encarnadas até a criação de equipamentos complexos para extração dessa energia, dependendo do conhecimento e acesso à tecnologia da organização ou do espírito que esteja vampirizando.
    Recentemente desmantelamos mais uma dessas organizações, que fazia experimentos para obtenção de ectoplasma. Nesse tipo de experiências pessoas encarnadas são desdobras e levadas para laboratórios na dimensão astral onde são submetidas a diversos tipos de testes e procedimentos.
     Esta organização estava fazendo experiências no sentido de ligar um corpo artificial criado por eles em laboratório ao corpo físico de pessoas encarnadas através do próprio "cordão de prata" delas. O cordão de prata é um fio, uma espécie de condutor, que liga o corpo físico ao astral enquanto estamos encarnados e é por ele que nosso ectoplasma é transmitido ao corpo astral quando estamos desdobrados.
     Através de complexos procedimentos eles estavam tentando ligar o cordão de prata de pessoas encarnadas nesses corpos artificiais, ao mesmo tempo que atacavam o corpo astral dessas pessoas encarnadas com larvas astrais que provocariam o seu colapso, ou seja, debilitariam a tal ponto o corpo astral da pessoa que ela não teria forças de retornar ao corpo físico e nem controlá-lo, passando então involuntariamente o controle do seu corpo físico para o artificial criado por eles.
     Com o uso desses artificiais eles teriam não só a possibilidade de controlar o corpo dessa pessoa aqui no plano físico com tbm obter o ectoplasma desse corpo para se manterem no astral sem reencarnar. A intenção deles era efetuar esse procedimento em todos quantos pudessem ter acesso e no laboratório que encontramos já havia milhares de pessoas desdobradas sendo preparadas para o acoplamento dos artificiais e tendo seus corpos astrais atacados pelas larvas astrais.
     Este grupo criminoso era formado por um cientista desencarnado, mas humano como nós, que trabalhava para um grupo de seres semelhante ao gollum, o smeagol, da trilogia do Senhor dos Anéis, só que do tamanho de um ser humano adulto, e com a pele escura e brilhosa. Esses seres é que controlavam as larvas astrais que sugavam a energia dos corpos astrais dos encarnados desdobrados ali e depois se grudavam nesses seres e transferiam para eles a energia que extraíam. Estes seres de aparência monstruosa estavam há cerca de 5.000 anos sem reencarnar aqui na Terra, se mantendo à custa da vampirização de pessoas encarnadas.
     O plano deles agora era de atuar aqui na Terra através desses corpos físicos ligados aos artificiais, pois assim teriam a energia e a facilidade de transitar na nossa dimensão sem precisar reencarnar e poderiam atuar nas duas dimensões simultaneamente. Havia mais de 10.000 pessoas desdobradas ali sendo submetidas a esse processo de desvitalização astral e acoplamento de artificiais. Se não tivessem sido impedidos, em cerca de 5 anos já teríamos aqui corpos humanos sendo manipulados por esses seres.
     O grupo todo foi neutralizado por nossa equipe espiritual, que efetuou os procedimentos necessários à realocação dos encarnados em seus corpos físicos. Os seres esquisitos, os smeagols, foram aprisionados e em seguida exilados. Foi criado um portal interdimensional que os transportou para um planeta bastante primitivo, onde ainda não existem formas orgânicas racionais e lá irão recomeçar sua escala evolutiva, que vai levar alguns milhões de anos até chegar novamente ao estágio hominal, isto é, para serem humanos novamente.
     O planeta para onde foram exilados é chamado de Liborn pela alta espiritualidade, os arcanjos, que controlam a evolução na galáxia onde se localiza, que fica muito distante astronomicamente da Terra e que não é conhecida pela nossa ciência.


Gelson Celistre

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Fonte da vida

O Projeto Lebensborn (fonte da vida) foi um programa nazista idealizado por Heinrich Himmler, comandante da SS, para restaurar a pureza da raça ariana e foi inciado em 1935, na Alemanha. Foi estendido a alguns países ocupados no leste Europeu durante a Segunda Guerra Mundial e neste programa as mulheres e homens com traços marcadamente arianos, como olhos azuis e cabelos loiros, eram incentivados a manter relações sexuais com fins de procriação, independente de estado civil (solteira, casada, etc).  Houve tbm nos países ocupados o sequestro de crianças com traços arianos, estima-se algo em torno de 250.000, que foram levadas para Alemanha para serem criadas segundo os ideais nazistas.

O Projeto Lebensborn tbm foi introduzido na Noruega.
Há cerca de um ano atrás já havíamos nos deparado com uma frequência relativa a esse projeto (A rainha nazista), onde resgatamos muitos espíritos. Entretanto, existiam várias casas ligadas ao Projeto Lebensborn e agora nos deparamos com mais algumas delas. Numa reunião de nosso grupo de desenvolvimento mediúnico descobrimos que duas das médiuns haviam participado desse Projeto em sua reencarnação anterior.

Uma das médiuns era nazista e responsável por uma dessas casas onde as mulheres que participavam do Projeto,  as procriadoras, eram atendidas durante a gravidez e onde as crianças ficavam morando e eram criadas depois do nascimento. A outra médium era uma procriadora, pois era uma moça com traços marcadamente arianos, e gerou quatro ou cinco filhos para o Lebensborn.

Era feita uma seleção das crianças geradas no Projeto Lebensborn à medida que elas iam crescendo e as que estivessem fora do padrão, ou seja, não apresentassem os caracteres genéticos arianos como olhos azuis e cabelos loiros, eram mortas ou utilizadas em experimentos médico-científicos. Isso acontecia tbm com as crianças sequestradas nos países ocupados e levadas para a Alemanha. Se crescessem e não apresentassem as tais características elas eram enviadas a campos de concentração exclusivos para crianças.

Encontramos um local com valas cheias de corpos de crianças que foram vítimas do Lebensborn e ainda oito casas de procriação, onde as crianças eram criadas e educadas segundo os ideais nazistas. Efetuamos o resgate de milhares de espíritos ligados ao Projeto Lebensborn nessa frequência.

O retorno de Heirich Himmler


No dia seguinte, ao fazer um atendimento à distância de uma mulher portuguesa de origem angolana residente na Alemanha, nos deparamos com mais uma etapa do Projeto Lebensborn que estava sendo executada na dimensão astral, envolvendo crianças encarnadas. Entre outras coisas a consulente que estávamos atendento à distância relata que há mais de 30 anos sente dores de cabeça diariamente, não dorme, tem pesadelos, sente vontade de vomitar a todo instante, tem problemas de pressão e sente-se extremamente desvitalizada, como se estivesse definhando a cada dia.

Heinrich Himmler suicidou-se ingerindo uma cápsula de cianureto em 1945, quando foi preso.

Encontramos no astral um grupo de nazistas, liderados pelo próprio Heinrich Himmler, que estava aliciando crianças encarnadas no mundo todo, na faixa dos 7 aos 10 anos, que eram levadas em desdobramento para uma base no astral onde havia uma escola militar e onde eram educadas segundo os preceitos nazistas. Esse projeto é uma continuação do Projeto Lebensborn que Himmler havia iniciado aqui no plano físico, onde ele pretendia incutir ideais nazistas na mente de crianças de vários países, principalmente dos Estados Unidos, Rússia, China e Coréia.

Estas crianças estavam sendo preparadas para se destacarem em várias áreas como política, economia e ciências. Estavam sofrendo inclusive intevenções genéticas em seu corpo astral, visando a terem suas faculdades cognitivas e capacidade intelectual ampliadas. Pelos planos do diretor desse novo projeto nazista, em 2018 já se iniciaria um movimento, que se ampliaria em 2023 e teria seu ápice em 2032. Em 2056 ele acreditava que suas crianças já estariam em postos importantes de comando em várias nações e que uma nova ordem mundial se iniciaria.

A consulente portuguesa era o "braço direito" de Himmler no astral e ficava lá em desdobramento praticamente o tempo todo. Ela no astral é uma cientista geneticista e trabalhava no programa de alteração genética das novas crianças lebensborn espalhadas pelo mundo, junto com mais quatro cientistas. Nossa equipe espiritual nos informou que ela só ficava acoplada integralmente ao próprio corpo físico cerca de duas horas por dia e que se esse estado se prolongasse por mais tempo ela logo viria a desencarnar.

Após prendermos os nazistas, apagamos da mente dos encarnados, principalmente da consulente, e tbm das crianças aliciadas pelo projeto em todo o mundo (eram vários milhares) pois todas elas tinham uma energia escura em sua mente que as mantinha conectadas diretamente com Himmler, que foi preso e será exilado.


Gelson Celistre

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Quem somos nós? Parte 2/2

Leia antes Quem somos nós? Parte 1

Após já termos fechado três frequências da consulente, uma onde era uma bruxa, outra onde ela espionava um grupo das trevas rival e outra onde era um comandante nazista, a consulente apareceu em outra frequência como bruxa, onde manipulava fluídos densos e escuros para deformar o corpo astral de vários espíritos que ela mantinha aprisionados. A médium que sintonizou com ela começou a tremer e quase desmaiou.


Descobrimos que em todos os lugares onde a consulente foi buscar ajuda para seus problemas de saúde ela atacou as pessoas que a atenderam em desdobramento e lhes colocou um ovóide grudado no corpo astral.

Ao perceber que estava sendo observada ela disse:

- O que quer aqui bruxo? Se veio se aliar seja bem-vindo, caso contrário saia já! Meu tempo é curto e tenho muito o que fazer, decida-se logo!

Não dei conversa e comecei logo a apagar a mente da bruxa que relutou muito mas acabou cambaleando e desmaiou. Recolhemos vários ovóides que ela mantinha nesse local, que ficaram aos cuidados de nossa equipe espiritual. Devido ao tempo em que estavam nessa condição será preciso receberem um tratamento para poderem reencarnar novamente.

Ainda estávamos recolhendo os ovóides quando a consulente apareceu desdobrada novamente, em outra frequência como bruxa, acompanhada de vários seres pequeninos, parecendo gnomos, que ficaram pulando ao redor da médium. Aprisionamos os pequenos seres numa bolha e apagamos novamente a mente dela nessa outra frequência.

O cientista

Captamos então outra frequência da consulente, num laboratório, onde ela enfiava agulhas nas pernas de uma mulher, testando terminações nervosas, músculos e movimentos, com a finalidade de potencializar os efeitos da esclerose múltipla. A mulher que está sendo cobaia é encarnada e é parente da consulente, mãe ou tia.

Este cientista presta serviços a terceiros tbm, para outros seres das trevas, quando estes querem provocar doenças ou obsessões complexas em suas vítimas encarnadas. Ao perceber a presença da médium no local o cientista jogou algum gás venenoso no rosto da médium, que a fez sentir-se mal aqui no físico.

Apagamos a mente do cientista e o enviamos de volta ao corpo; depois disso passamos a explorar o laboratório. Encontramos mais pessoas em outra sala, encarnadas desdobradas e desencarnadas, que retiramos dali. Depois de retiradas as pessoas, agentes de nossa equipe espiritual destruíram tudo ali com uma espécie de lança-chamas.

A feiticeira

Encontramos a consulente em outra frequência no astral. Dessa vez ela era uma feiticeira em uma tribo primitiva e faziam rituais com sacrifício humano. Além da consulente havia mais dois feiticeiros que oficiavam os rituais com ela e que na vida atual são seu marido e filho. 

O ritual era feito ao redor de uma fogueira onde a vítima a ser sacrificada tinha quase todos os ossos do corpo quebrados a bordoadas. Depois de lhe quebrarem quase toda eles a sangravam e bebiam seu sangue, e isso ocorria com a pessoa ainda viva.

Na cabana da feiticeira havia centenas de crânios e ossos (femur) amontoados, tanto de adultos como de crianças. Na vida física onde fizeram esses rituais, havia um ser que recebia a energia das pessoas mortas no ritual e que as aprisionava. Este ser era um esqueleto, tinha um corpo feito de ossos humanos e sua cabeça era um crânio.

Apagamos a mente da consulente e seus familiares, efetuamos o resgate de centenas de espíritos que estavam aprisionados ali junto aos ossos e o tal ser foi aprisionado. Muitos desses espíritos estavam encarnados e viviam ali presos em desdobramento.

A represália

Após temos publicado o primeiro relato do caso, a consulente em desdobramento atacou uma das médiuns que participou do atendimento, aprisionando-a numa caverna onde havia mais uns 50 espíritos aprisionados. Resgatamos a médium e os espíritos por merecimento deles e não da consulente, que ainda tem várias frequências abertas nas trevas e que vai ter que se modificar muito, mental e emocionalmente, para deixar de trabalhar nas trevas em desdobramento.

Quem somos nós?

Analisando este caso podemos ver como são complexas as manifestações de nosso espírito na dimensão espiritual e como isso se relaciona com nossa vida material. O que conhecemos de nós mesmos é apenas a ponta do iceberg, é a diminuta parcela de consciência que temos relativa a nossa vida atual na matéria.

Podemos estar vivendo várias vidas ao mesmo tempo em outras dimensões e movimentando diversos tipos de energia. No caso dessa consulente ela estava atuando em vários níveis na dimensão astral e em todas com um caráter muito negativo e cruel e que, pela lei de ressonância, fazia com que ela sentisse aqui em seu corpo físico tudo que ela provocava nos espíritos que mantinha aprisionados.

Não sabemos nem o que fazemos quando nos afastamos um pouco do corpo físico, em desdobramento (e todos nós nos desdobramos), momentos em que a enorme carga energética que trazemos em nosso inconsciente, que são nossas memórias de vidas passadas, nos influencia e acaba dirigindo nosso comportamento. Vc que está lendo isto agora, teria convicção em afirmar que não faz nada disso no astral quando está desdobrado?

Abraço.

Gelson Celistre

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Quem somos nós? Parte 1/2

Quem somos nós? Essa é uma pergunta interessante e para muitas pessoas que acabamos atendendo ela chega a ser desconcertante e até mesmo decepcionante. Quando atendemos alguém inevitavelmente surgem revelações sobre sua conduta não só em vidas passadas mas também sobre atos que ela comete atualmente, nesta encarnação, na dimensão espiritual, em desdobramento inconsciente.

Todos nós já cometemos atos de extrema maldade no passado, por isso ainda reencarnamos aqui, mas isso se choca com a visão que criamos sobre nós mesmos nessa vida, de que somos pessoas muito boas e que nossos problemas espirituais são devidos a "obsessores", que imaginamos como espíritos maldosos que insistem em nos perseguir, e dificilmente a pessoa tenta imaginar o que ela pode ter feito para o tal obsessor estar lhe perseguindo.

Mais desconcertante ainda é essa pessoa que se acha muito boa descobrir que, no exato momento em que está ali se consultando e buscando o alivio para suas dores ou solução do seu problema, ela está cometendo atos de extrema crueldade na dimensão astral. O caso que relatamos a seguir exemplifica bem esta questão.

Os problemas

Vou relatar alguns dos problemas citados pela consulente: "... há cerca de seis anos sofre de dores por todo o corpo... passou por fases de depressão e síndrome do pânico... passa de 10 a 15 dias na cama chorando de dor... fortes crises de dores de cabeça... dores na região do estômago... já esteve em várias casas espíritas se tratando onde retiram um ou dois obsessores mas as dores continuam... apresenta mudanças de humor repentinamente (bipolaridade)... o filho já teve casos de obsessão por conta de uma vida passada onde a consulente e seu marido eram feiticeiros... o filho está sofrendo ataques de tontura e dores de cabeça... a filha tem ataques de dores de cabeça... uma médium conseguiu ajudar um pouco a consulente, mas após o atendimento a médium adoeceu gravemente, teve anemia profunda e sangramentos, chegando a ser hospitalizada, vindo inclusive a se separar do marido depois disso (relata que a tal médium tirou quatro obsessores da consulente, que melhorou na hora do atendimento mas no dia seguinte teve uma de suas piores crises...". Por fim foi relatado que desde que solicitou nossa consulta teve uma melhora súbita, mesmo antes de ser atendida.

As causas

A consulente estava com várias frequências abertas, ou seja, estava atuando em vários locais do astral, várias frequências dimensionais, ao mesmo tempo.

A bruxa

A consulente estava numa floresta densa e sombria e numa clareira ardia uma enorme fogueira. Ao redor da fogueira vários seres parecendo demônios, magros com olhos brancos sem pupila e com dentes afiados e salientes, observam uma bruxa gorda com cabelos  e olhos negros torturar uma mulher que está amarrada ali.  A bruxa tem unhas compridas e escuras e com uma dessas unhas ela faz vários cortes no corpo da mulher, como se fossem listras, no tórax, braços e pernas. Depois ela chama os demônios que estão ali para sugarem o sangue da mulher por estes cortes.
Essa mulher era a tal médium que atendeu a consulente e que adoeceu depois, ela ainda estava presa nessa frequência e sua doença foi em virtude da vampirização e perda de sangue (fluído vital) no astral. Por ter mediunidade ela sentiu mais os efeitos aqui no físico do que acontecia no astral e se não a libertássemos ela acabaria morrendo. Vejam que enquanto aqui no plano material a consulente buscava uma melhora para seus problemas, no astral ela atacou a pessoa que a ajudou, provocando uma doença grave nela.

Além da consulente havia várias outras pessoas encarnadas presas ali e sendo vampirizadas pela bruxa e os demônios. Libertamos todos e os enviamos de volta aos seus corpos para depois destruir o local e prender os demônios, apagando a mente da bruxa. Nesse meio tempo um demônio alado negro apareceu dizendo:

- Para seres das trevas que sei que são, vcs me parecem muito amadores... apaguem uma parte que ainda me restam muitas outras! 

- Pois é, mas vamos te prender!, respondi;

- Muitos já se foram.. sucumbiram, vc é apenas mais um que veio aqui tentar... sem a mínima chance! És mais tolo que outros a quem já destruí! Tenho o poder de seres que vivem na matéria assim como vc, a mesma energia que vc tem, tolo!

O demônio era mesmo muito forte pois retirava energia de muitas pessoas encarnadas, há muito tempo, e foi preciso utilizar uma supraconsciência nossa para enfrentá-lo. Aparecemos lá como mago e o paralisamos, depois apagamos sua mente e o prendemos.

Sr. e Sra. Smith

Num laboratório de uma facção trevosa do submundo astral encontramos a consulente presa a uma maca. Ela foi pega espionando o local e como pertence a uma facção rival foi presa. Ela pretendia roubar algum segredo técnico deles e depois explodir o local, mas foi pega antes e aprisionada. Ambas as facções lutam para aumentar sua área de domínio de pessoas encarnadas, o plantel de onde retiram energia.

Há um homem ali a vigiando e ele sente um prazer enorme em vê-la presa, completamente imóvel e indefesa. Ele percebeu que foi visto e disse:

- É assim, aqui cuido pra que ela fique imóvel, enquanto aí eu pareço ajudá-la... rsrsrs, pq eu não sentiria um enorme prazer com isso???

Esse homem é o marido da consulente, tbm encarnado, mas que no astral trabalha para uma facção trevosa rival daquela em que sua esposa trabalha. É como dizem, a arte imita a vida. Apagamos a mente dos dois e os enviamos de volta aos seus corpos físicos.

De repente surgiu um homem de uma das salas do laboratório e disparou um tipo de arma de choque contra a médium que estava desdobrada lá. Paralisamos ele e o prendemos. Na sala de onde ele saiu havia dezenas de pessoas encarnadas desdobradas, presas em macas. Foram enviadas de volta aos seus corpos por guardiões de nossa equipe espiritual.

O comandante nazista

Sintonizamos com outra frequência da consulente vendo uma vala aberta com soldados jogando corpos de pessoas nela, todos nus, homens  e mulheres de várias idades, inclusive crianças. Após jogarem todos os corpos que trouxeram na vala, eles derramam um líquido sobre os corpos. O comandante nazista que observa o trabalho dos soldados lhes dá ordes de atearem fogo aos corpos.

A maioria já está morta mas alguns ainda estão vivos e se contorcem à medida que as chamas lhes queimam o corpo. O comandante solta uma risada estridente vendo isso e ainda diz a um dos soldados: - Como fedem esses infelizes!

Depois de queimarem ele manda jogar terra em cima dos corpos. Nessa vala já existem várias camadas de corpos queimados. O comandante sai dali e vai para um barracão, desce uma escada e chega numa sala escura onde há várias pessoas presas. Num canto da sala tem uma cadeira e o comandante senta nela. Tbm há uma cama na sala e um homem está deitado e amarrado nela. É uma sala de tortura.

Um outro soldado ao lado da cama puxa para perto de si uma pequena mesa com várias ferramentas em cima, escolhe uma semelhante a um martelo, e começa a quebrar os ossos do homem na cama. Todos ali são pessoas encarnadas e de uma mesma família, a consulente é o comandante, o torturador é seu marido e o torturado é o filho do casal hoje.

Na vida passada entretanto o homem na cama desmaiou de tanta dor e o comandante, que a tudo observava, mandou suspender a tortura até o homem acordar. A tortura desse homem durou três dias e então ele morreu. Logo depois de sair do corpo o espírito do homem foi resgatado pela espiritualidade juntamente com outras vítimas dos campos de concentração nazista.

Naquela vida a consulente e seu marido encontraram-se com outro membro de sua família atual, sua filha. Naquela mesma sala de tortura ela foi trazida para "interrogatório" e o comandante embriagado pretendia estuprá-la, mas ela lhe cuspiu no rosto, o que lhe deixou enfurecido a ponto de lhe desferir um murro no rosto que a fez desmaiar. Ele mandou cortar a língua dela e a torturar até a morte.

Efetuamos o resgate dos espíritos mortos naquela vala e eram 1809. Apagamos a mente da consulente e de seus familiares, depois os enviamos de volta aos seus corpos físicos, assim como fizemos aos outros encarnados que estavam ali desdobrados, alguns sendo vítimas e outros sendo algozes.

Continua...  Quem somos nós? Parte 2


Gelson Celistre

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A energia quântica

Na parte prática de um dos nossos cursos de apometria, realizado em março deste ano, fizemos um atendimento para algumas pessoas onde surgiram várias situações envolvendo seres e experimentos científicos das trevas, visando aprisionar e vampirizar seres humanos, tanto encarnados como desencarnados.


Tratamos o que apareceu mas tudo depende do merecimento dos envolvidos e na ocasião ainda restaram ligações de familiares dessas pessoas com outros seres das trevas. Entretanto, em função da mudança de atitudes e a busca em se melhorar, essas pessoas obtiveram merecimento para que essas outras ligações fossem expostas recentemente e pudessem ser trabalhadas.

Ao sintonizarmos com a situação, um espírito incorporou numa das médiuns e se manifestou através da psicofonia dela. Era um espírito com aparência de idoso, usava óculos com armação redonda, era baixo, magro, vestia um jaleco branco e me ameaçava e xingava com muito ódio, principalmente me chamando de "moleque", arrogante, dizendo que eu não me metesse com ele, que não sei onde estou me metendo, etc.

Após ele falar algumas coisas, a própria médium o paralisou e apagou sua mente, a fim de prosseguirmos com o trabalho. Ele estava em um laboratório com paredes escuras, aparelhos antiquados, parecendo abandonado, e que ficava situado numa cidadela umbralina, igualmente escura e com energia densa.

Este espírito parecia meio perturbado e na verdade o sentimento de raiva dele foi usado para podermos chegar até o local. Ele não estava ligado a hierarquia de poder do local, era apenas um morador, e nosso pessoal insuflou nele a raiva contra nós para podermos sintonizar com aquela frequência. Se o deixássemos livre ele seria severamente castigado pelas entidades que dominavam o local.

O prédio onde ficava o tal laboratório era protegido por um forte esquema de segurança, com raios delimitando um perímetro, semelhantes a raio laser, mas de amplitude vibracional, ou seja, eles criavam uma determinada frequência que impedia que seres que não vibrassem nessa faixa conseguissem passar.

Desse prédio essa energia era irradiada para toda a cidadela e criava uma energia semelhante ao redor dela, ocultando-a da "visão" e a isolando do resto do ambiente onde se localizava.

Havia no interior do prédio vários outros espíritos como o velho que encontramos antes, todos com algum tipo de demência, e que são usados pelos seres que comandam ali para perturbar pessoas encarnadas, levando-as à loucura e ao suicídio. É um grupo que presta serviço a terceiros, outros grupos trevosos, sendo especialistas em obsessões complexas. 

Para manter a estrutura do local eles precisam de espíritos encarnados, para lhes tirar o ectoplasma, e as tais pessoas que participaram de nosso curso, assim como um familiar delas, faziam parte dos encarnados aprisionados ali.

Após identificarmos a situação, antes mesmo de iniciarmos o resgate, os comandantes do local acionaram uma orda de espíritos dementados contra a médium que estava em frente ao prédio e eles avançaram sobre ela como animais famintos, sendo preciso paralisá-los e aprisioná-los numa bolha para contê-los.

Após prendermos os espíritos dementados a médium conseguiu entrar no prédio e viu alguns seres lá dentro muito estranhos. A aparência deles era semelhante a um gafanhoto em tamanho humano, com olhos grandes e dentes serrilhados. 

Esses seres que parecem insetos vieram de um planeta, que eles chamam de Zerilus, que fica numa galáxia muito distante daqui. Chegaram à cerca de uns mil anos apenas, tendo logo se associado com seres das trevas locais e passado a colaborar com eles em seus propósitos, prestando serviços diversos.

Alguns zerilianos estavam se preparando para implantar um dispositivo (um chip) em uma pessoa encarnada que estava desdobrada ali sobre uma maca. Esse trabalho foi encomendado por um outro grupo de seres trevosos para quem eles prestam serviços usualmente. Em uma outra sala do prédio encontramos um grande tanque onde eles armazenam a energia dos humanos encarnados (ectoplasma). 

Numa outra sala eles estavam modificando o corpo de um dos zerilianos para que ficasse semelhante a uma pessoa humana que estava desdobrada ali, um tipo de cópia, para utilizarem no lugar dessa pessoa, aqui no plano físico, ou seja,  estavam se moldando à imagem de uma pessoa no astral para se materializar aqui no plano físico e se passar por ela. Seria uma espécie de extra-terrestre agênere.

Entretanto, a experiência parece não ter dado certo, pois o zeriliano começou a se contorcer e caiu sobre seus pés um tipo de energia gosmenta que estavam usando para criar a imagem humana, provavelmente feita com ectoplasma humano.

As pessoas que atendemos e que estavam aprisionadas por estes ET's das trevas se ligaram a isso por conta de estarem envolvidas com pessoas que trabalham com "energias quânticas", curas interdimensionais e similares. A quântica está na moda atualmente e colocar o nome "quântica" na terapia agrega status de modernidade, de "cientificidade" e, principalmente, agrega valor. A terapia por ser "quântica" custa três ou quatro vezes mais do que a não-quântica, embora na prática seja absolutamente a mesma coisa, com resultados igualmente duvidosos.

Nossa equipe espiritual já estava a postos e os zerilianos, percebendo nossa presença, tentaram fugir numa nave que estava pousada no alto do prédio, mas que já havia sido inutilizada por nossa equipe. Deixamos eles entrarem na tal nave e os aprisionamos lá dentro, criando um campo de energia ao redor da nave. Foi criado um portal interdimensional sobre a nave dos zerilianos que os lançou em outra dimensão, onde terão que trabalhar muito para sobreviver.

O reservatório de ectoplasma teve que ser destruído pois a energia estava contaminada. Os espíritos dementados desencarnados foram resgatados e os encarnados tiveram sua mente apagada e foram reacoplados em seus corpos físicos. Destruímos o prédio e com isso a cidadela começou a se desintegrar.

Existem outros zerilianos por ai, assim como outros grupos locais de seres das trevas que lidam com energias "quânticas" e que acabam se ligando à pessoas que se afinizam com essas coisas, tanto terapeutas quanto seus pacientes. Enquanto as pessoas não se conscientizarem que nem tudo pode ser "curado" instantaneamente e que existe uma lei de ação e reação no universo, irão sempre em busca da promessa milagrosa, de alguma novidade que vai resolver seus problemas sem que elas tenham que se esforçar ou se modificar interiormente.

Gelson Celistre.