quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Naufrágios - A cidade submersa

Uma das maneiras de efetuarmos resgates de espíritos sofredores é nos conectarmos com eles através de frequências nossas de vidas passadas. Recentemente isso ocorreu quando nossa equipe espiritual nos sintonizou, através das frequências de inúmeras vidas em que fomos marinheiro/pirata, aos espíritos que naufragaram em um navio a vapor no início do século XX.


Esta embarcação estava cruzando o oceano Atlântico norte. Não conseguimos identificar o nome do navio pois os caracteres não eram do nosso alfabeto, possivelmente era um navio japonês/chinês ou russo. Era um grande navio de metal a vapor com duas enormes chaminés.

Quando fomos realizar o atendimento a médium incorporou uma das náufragas, sentiu seu corpo muito frio e dormente, pois a região do naufrágio era de águas frias. Esta mulher que morreu no naufrágio ficou presa dentro da embarcação. Ouvia-se gritos de desespero e o pânico era geral. Conversamos um pouco com a náufraga antes de resgatá-la e depois a fizemos adormecer. Nesse naufrágio ninguém sobreviveu e pereceram centenas de almas.

A médium estava ficando aflita pq não estava me vendo lá (em desdobramento supraconsciente) e então lhe disse que eu devia estar no fundo do mar e a mandei mergulhar, em seguida ela relatou o que segue:

A cidade submersa

- Começo a ver um tipo de cidade submersa. As construções são estranhas, parecendo serem feitas de pedras...mais é um lugar muito escuro e a energia desse lugar me parece ser muito densa... vejo tipo de cavernas ou coisa semelhante e vejo espíritos presos nesse lugar.... eles me parecem estar ali há muito tempo... as roupas parecem gastas... rasgadas... vejo bem próximo dali alguns barcos, uns maiores e outros menores, de madeira e de metal, e vejo espíritos presos dentro deles... e esses barcos, navio,s me parecem estar de alguma forma ligados a esse lugar... é como se esses espíritos presos ali mantivessem essa cidade... o estranho é que a cidade parece vazia... todos os espíritos que vi até agora estão presos... não vejo espíritos circulando...

Assim, com essa descrição da cidade submersa, foi que iniciamos o resgate de milhares de espíritos mortos em naufrágios nos séculos XIX e XX, incluindo aquele em que haviam nos sintonizado. Nesse local havia um cemitério de embarcações.

Logo que chegamos na tal cidade submersa apareceram vários monstros marinhos, alguns deles enormes, para nos intimidar, mas procurávamos por outros seres. Vagamos por ali e vistoriamos algumas cavernas, até que nos deparamos com uma serpente marinha imensa; sua cabeça parecia a de um dragão e possuía dentes muito finos e compridos.

Tbm encontramos ali dois espíritos das trevas, um deles se vestia como um bruxo, uma túnica preta longa e um chapéu pontiagudo, em forma de cone, e o outro com barba e cabelos brancos, o corpo desnudo da cintura pra cima e abaixo, no lugar das pernas, tinha um rabo de peixe, de cor negra, como se fosse uma sereia, e para completar o visual, ele carregava um tridente. Era a própria imagem do deus Netuno (Poseidon).


Esses dois eram os responsáveis por manter presos ali os espíritos dos náufragos e eram eles que comandam os monstros marinhos, que são usados para "afundar" os navios. Vimos uma cena onde o "netuno" fez a tripulação de um barco enxergar um desses monstros e todos pularam na água apavorados, vindo a morrer afogados, e ele então aprisionou os espíritos desses marinheiros.

O outro espírito, o bruxo, utilizava esses espíritos de marinheiros naufragados para vampirizar tripulantes de submarinos, entre outras coisas. Ele colocava junto de um tripulante de submarino um desses espíritos para através dele vampirizar esses marinheiros encarnados. Dentro da caverna submarina onde encontramos esses dois espíritos, havia um reservatório onde armazenavam a energia extraída dos marinheiros.

Criamos redes energéticas e prendemos os monstros marinhos que estavam ali e os dois espíritos então notaram nossa presença. O "netuno" veio em nossa direção com seu tridente em riste, de onde saiu um raio, do qual nos desviamos. O bruxo tentou acessar o reservatório de energia deles mas já o havíamos isolado e isso o irritou mais ainda, de suas mãos ele tbm projeta raios em nossa direção, mas sem conseguir nos atingir.

A serpente marinha que havíamos visto juntou-se aos dois e os três juntos emitiam vários raios de energia contra nós, mas os prendemos todos em uma bolha, que foi recolhida pela nossa equipe espiritual, e então nos dirigimos para a área onde estão os barcos e navios naufragados, onde havia milhares de espíritos presos. Destruímos  os restos das embarcações e os espíritos dos náufragos foram resgatados. Esse local ficava numa região do abismo na dimensão astral (para maiores informações sobre regiões abissais submarinas sugerimos a leitura do livro "Aglon e os espíritos do mar", de R. A. Ranieri).


Gelson Celistre.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O ataque dos clones - Parte 2 - Final

Leia antes O ataque dos clones - Parte 1

Quando estávamos no laboratório dos clones já sabíamos que ele estava ligado a outro mas não sabíamos a localização da frequência deste outro. Na realidade não havíamos ido até ele mas tínhamos como acessá-lo, pois o processo de clonagem incluía a colocação de um espírito jundo ao corpo do encarnado e através dele seria fácil de chegar ao laboratório correspondente.

Esse outro laboratório era dirigido por um grupo de entidades, parceiros dos cientistas do outro laboratório, mas estas era menos "tecnológicas", na verdade era um grupo de vampiros. Estes seres tinham uma aparência zooantropomorfa, meio humano meio animal, com corpo humanoide mas com grandes asas como as de um morcego. Sua face ostentava feições demoníacas com dentes pontiagudos e salientes, principalmente as presas, que possuíam um tamanho descomunal. São seres que vivem há milênios vampirizando outros espíritos, tanto encarnados como desencarnados, e se tornaram "especialistas" em processos de extração e manipulação de energias vitais.


Para acessar as pessoas encarnadas era grudado nelas um espírito de criança ou bebê com ligação kármica com a pessoa, e através dessa ligação elas eram desdobradas e mantidas presas em caixões transparentes, algo semelhante aos tubos que haviam no laboratório dos clones, só que sua base ficava em um complexo de cavernas em uma região densa do astral inferior.

As pessoas nos caixões eram todas encarnadas desdobradas que estavam em processo de clonagem. Estes vampiros é que selecionavam as pessoas que seriam clonadas e o processo se iniciava com a colocação nelas desses espíritos infantis para poderem desdobrá-las e levá-las para esse local, inclusive foi através de um desses espíritos que estava grudado na médium que chegamos até o complexo de cavernas.

O processo de fabricação dos clones se iniciava nesse complexo de cavernas, onde os artificiais eram criados em casulos, alimentados com o ectoplasma e outros fluídos extraídos das pessoas que seriam clonadas, num processo que se assemelhava a uma gestação. Uma vez que estivessem maiores os clones artificiais eram então levados para o outro laboratório onde os técnicos das sombras finalizavam o processo de clonagem. Em outra caverna interligada àquela onde estavam os caixões, bem maior do que essa, havia milhares de casulos pendurados nas paredes dessa caverna, onde estavam sendo criados os clones artificiais.

Quando chegamos no local isolamos logo os casulos dos artificiais em um campo energético e os vampiros perceberam e nos atacaram, emitindo ondas mentais que causam perturbação na médium, ao mesmo tempo que enviavam uma energia escura em direção aos caixões onde os encarnados desdobrados estavam, para escondê-los de nós.

O processo de extração de energias dos encarnados era basicamente feito através desses seres infantis que ficavam grudados ao encarnado, diretamente ao corpo energético dele, e a energia era enviada para o corpo astral dele mesmo que estava desdobrado nesses caixões, através de finíssimos fios, e dali dos caixões era ligada aos casulos onde eram gerados os clones, sendo que o "acabamento" seria feito pelos cientistas trevosos do outro laboratório.

Como dissemos anteriormente, eles pretendiam descobrir como transpor os corpos físicos das pessoas clonadas para a dimensão astral, mas isso já envolvia outras aplicações e era como um estudo em paralelo e não interferia no objetivo do projeto em questão, da clonagem. Geralmente quando um objeto físico transpassa um portal dimensional ele se desintegra e isso seria perfeito para dar um fim no corpo físico da pessoa clonada e é o que provavelmente fariam, aproveitando esse evento para estudar modos de preservar a integridade da matéria nessa tranposição interdimensional.

Esses vampiros estavam tão deformados pelas suas atividades que pouco lembravam um ser humano, inclusive quando nos atacavam emitiam grunhidos como se fossem morcegos. Eles voavam em nossa direção e quanto abriam as asas no ar saía delas um tipo de gás escuro, uma energia muito densa, mas "sopramos" de volta para eles e os predemos em bolhas energéticas.

Após prender os vampiros, iniciamos o trabalho de retirada dos espíritos infantis dos encarnados que estavam desdobrados ali, que eram milhares, e o desligamento dos fios que extraíam as energias deles, bem como tratamos de os enviar de volta aos seus corpos físicos, trabalho que foi finalizado pela nossa equipe espiritual pois a quantidade de espíritos ali era muito grande. Depois de terminados os procedimentos os dois laboratórios foram destruídos simultaneamente.

Os cientistas trevosos ainda estudavam uma maneira de efetuar a troca do pessoa pelo seu clone de modo a não despertar suspeitas, mas a preocupação deles em relação a isso não era com outras pessoas encarnadas pois essas seriam muito fáceis de enganar e nada notariam, a preocupação deles era com ops espíritos que se relacionam com os encarnados, mesmo sem eles terem consciência disto, por exemplo, para me substituir teriam que fazer isso de modo a que os espíritos que trabalham comigo não percebessem e aí já é bem mais difícil do que apenas replicar meu corpo. E as pessoas que eles pretendiam substituir, em função de sua importância no contexto mundial, tbm tinham alguma proteção ou eram "monitoradas" pela espiritualidade superior e substituí-las por um clone não seria tão simples.

Abraço.

Gelson Celistre

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O ataque dos clones - Parte 1/2

A entidades das trevas não cessam de engendrar planos mirabolantes para aumentar sua influência e domínio na dimensão física e alguns desses planos parecem roteiros de filmes de ficção científica. Recentemente nos vimos envolvidos com uma facção trevosa que pretendia substituir seres humanos encarnados por clones criados em laboratórios na dimensão astral.


Nos deixamos prender no astral, em desdobramento, eu e um dos médiuns, para assim termos acesso aos laboratórios, que são difíceis de localizar, pois eles mudam de frequência na dimensão astral, ou seja, não existe um endereço fixo, eles possuem um "endereço vibratório", que é dinâmico e só quem tem ligação com o local consegue encontrar.

Nossos corpos astrais foram desdobrados e levados para um laboratório na dimensão astral onde foram colocados em um tanque com um líquido escuro, submersos até o pescoço, junto com os corpos astrais de vários outros espíritos, todos encarnados como nós. Quebramos esse tanque e o líquido escuro, que era gelatinoso, escorreu pelo chão do laboratório, enviamos os corpos astrais que estavam ali dentro de volta a seus corpos físicos e isolamos aquela sala do resto do laboratório para que não percebessem o que houve ali e então saímos à procura dos responsáveis pelo local.

Em outra sala, mais ampla, havia vários espíritos com enfermidades musculares, usando cadeiras de rodas e muletas. Algumas enfermeiras lhes ministravam medicamentos. Havia tbm vários espíritos de homens e mulheres deitados em macas com vários fios, muito finos, ligados aos seus corpos, principalmente nas pernas. Em outras macas havia aparelhos com fios tbm ligados na cabeça das pessoas que se conectavam a um equipamento semelhante a um computador, e num monitor ligado a esse aparelho um espírito visualizava algumas imagens

Alguns espíritos com jalecos brancos, cientistas, chegaram nessa sala e um deles começou a dar instruções ao espírito que estava em frente ao monitor. Através desse aparelho eles conseguem comandar os movimentos dos espíritos nas macas, como se fosse um robô por controle remoto.

Mas então percebemos que os espíritos nas macas não são humanos. São réplicas perfeitas, clones dos espíritos que estavam nos tanques. Dois desses clones são de mim e do médium. São seres artificiais, clones de seres humanos encarnados, que eles pretendiam substituir aqui na Terra, fazendo-os se passar pelas suas matrizes. A princípio pretendiam materializá-los eventualmente, por pequenos períodos, fazendo-os se passar pelos seus originais em algumas situações aqui na Terra, e se ninguém notasse então os substituiriam de vez pelos clones artificiais.

Esses clones artificiais foram feitos de modo a se alimentar das energias das pessoas próximas, assim eles tirariam a energia para se manterem materializados do próprio ambiente em que se econtravam, uma unidade artificial autônoma energeticamente e comandada à distância. Além disso, estavam preparadas para retirar muito mais energia do que necessitavam para se manter materializadas e o excedente seria enviado para locais previamente preparados no astral para armazenar essa energia (ectoplasma) retirado dos encarnados.

A idéia não era apenas recolher energia dos encarnados, mas substituir por esses clones artificiais pessoas influentes em governos e grandes empresas, de modo a poder influenciar decisivamente nos destinos econômicos e políticos de várias nações. O primeiro clone já estava operacional e uma pessoa do governo dos Estados Unidos (USA) seria substituída. A operação é complexa e incluía inclusive a transposição do corpo físico da pessoa clonada para a dimensão astral.

Observamos o que ocorria ali e continuamos a andar pelo laboratório, em busca do responsável, até que nos deparamos com ele. É um espírito que se apresenta com barba e cabelos brancos trajando calça e camisa preta, mas é um mago negro. Ele está impaciente e diz a um outro espírito ali que o prazo está se esgotando e que eles estão demorando muito.

Estamos numa frequência superior à do laboratório e eles não nos vêem, mas o mago sente nossa presença e manda que os outros saiam e o deixem só. Logo que fica sozinho ele começa a olhar em volta tentando nos localizar. Ele para e ergue uma das mãos, da qual se projeta um tipo de energia e ele então consegue nos ver e pergunta o que fazemos ali, ao mesmo tempo que ele envolve a sala toda com um campo de força para nos impedir de sair.

O mago negro manipula então algumas energias que flutuam em nossa direção, mas criamos um recipiente e as aprisionamos ali. Ele diz a mim que desista pq estamos sem saída, que não temos como sair dali, mas respondemos dizendo: - Quem disse que queremos sair daqui? Vc é quem vai sair daqui e preso!

Ele não gosta de nossa atitude debochada e nos ataca novamente, agora com mais vigor. Enquanto eu me distraio ali com o tal mago o médium abre uma fenda no campo de força que o mago criou ao redor da sala e sai em busca dos cientistas. Ele então me aprisiona num outro campo de força e me atira um tipo de raio, que me faz flutuar de depois cair inerte no chão, como que desmaiado.

Ele então se aproxima hesitante, como que a duvidar por ter sido tão fácil, e eu continuo inerte, caído ao chão desacordado. Mas na dúvida ele já prepara outro golpe para acabar comigo de vez. Ele aponta uma das mãos em minha direção e da ponta de um dos dedos dele sai um raio. Mas como era tudo encenação minha eu já estava criando uma energia atrás dele para aprisioná-lo e quando ele emite esse raio levanto a mão na direção dele, que é jogado para trás e fica preso, completamente paralisado, na energia que eu havia criado atrás dele. Pra terminar ainda dizemos a ele: - Por um momento vc chegou mesmo a achar que tinha conseguido não é mesmo? rsrsrs

Nossa equipe espiritual já está chegando ao local e recolhendo os espíritos que ainda estão ali, juntamente com os cientistas que o médium prendeu. Alguns dos cientistas ali são encarnados que trabalham lá em desdobramento inconsciente. Os equipamentos serão levados para estudo e tbm alguns dos clones artificiais que estavam sendo desenvolvidos ali. Vamos averiguar se a tecnologia que eles desenvolveram seria mesmo capaz de transpor um corpo físico para a dimensão astral e o que ocorreria com esses corpos caso conseguissem.

Este laboratório não foi destruído por estar ligado a outro que queríamos descobrir a localização e foi mantido aparentemente funcionando para não despertar suspeitas. Continua...

Continua... O ataque dos clones - Parte 2

Gelson Celistre


terça-feira, 11 de outubro de 2011

Sonhos e vidas passadas

Situações envolvendo tragédias coletivas, como naufrágios e guerras, geram uma carga emocional muito forte que impressiona fortemente os espíritos que delas participam. É comum ainda hoje encontrarmos espíritos que morreram em naufrágios e guerras no século passado, ainda presos àquela situação na dimensão astral sem conseguir reencarnar, assim como tbm encontramos espíritos encarnados atualmente que participaram dessas situações trágicas e que inconscientemente ainda se ligam a elas, retornando em desdobramento inconsciente a locais na dimensão astral onde o sofrimento e a mente de quem sofreu a tragédia plasmou um cenário onde ela se perpetua indefinidamente.


Estima-se em um milhão o número de mortos em
campos de concentração na Primeira Guerra Mundial.
Os sonhos podem ser janelas para essas vidas passadas, sinalizando que alguma coisa precisa ser feita em relação a esses eventos. Às vezes os sonhos podem ser diretamente relacionados com os eventos traumáticos, com imagens, flashs do que ocorreu, e outras vezes se misturam com outras coisas que estão em nossa mente ou pela qual estamos passando, como problemas familiares ou de trabalho.


No caso em questão, o consulente teve um sonho que ele relatou dessa forma: "... alguém me ligou e disse que minha mãe tinha sofrido um acidente com minha tia, [...] tinha um médico e pessoas que lembram pessoas do exército. [...] disse que tinha que fazer exames em mim, [...] me vi entrando num laboratório. [...] la dentro ele pegou uma injeção, pra colher meu sangue. [...] depois começou a tirar meu sangue, ele tirava de várias partes do meu braço, mãos e parecia até do osso, no final deixou uma agulha num dedo, com se fosse um tipo de cordão metálico."


Nesse sonho a representação visual de uma vida passada (conteúdo inconsciente) do consulente se misturou com fatos da vida atual, problemas ou situações pelas quais ele está passando (conteúdo consciente). Isso é o que geralmente acontece nos sonhos, uma mistura de conteúdos  inconscientes e conscientes de nossa mente.


Um psicólogo ou psicanalista provavelmente interpretaria esse sonho do consulente sob a ótica de desejos reprimidos, edipianos, etc., mas como temos alguma experiência espiritual e sabendo que o consulente tem mediunidade, além de eventualmente trocarmos algumas idéias pela internet sobre espiritualidade em geral, pois ele participa de nosso grupo de discussão no Yahoo, nós enxergamos mais coisas no sonho dele do que ele próprio.


Fomos investigar o sonho do consulente e nos deparamos com a seguinte situação: em uma vida passada do consulente na época da Primeira Guerra Mundial, ele foi prisioneiro num campo de concentração alemão, um dos quais eu fui o comandante, pois tbm vivi naquela época e fui um general alemão.


Nós usávamos os prisioneiros para tratar nossos soldados feridos e o consulente, que era prisioneiro, em determinado momento foi levado à enfermaria para que retirássemos o seu sangue e usássemos nos soldados feridos. Entretanto, não era uma "doação" de sangue como hoje em dia, o consulente/prisioneiro teve todo seu sangue retirado  e seu corpo foi jogado numa pilha de outros corpos de prisioneiros.


Além da extração sanguínea integral, tbm era comum serem extraídos membros dos corpos dos prisioneiros, o que invariavelmente os levava a morte, pois não se utilizava nenhum tipo de anestesia ou procedimento pós-operatório, os corpos eram mutilados e o corpo ainda com vida era jogado numa vala comum. Se um soldado chegasse com uma perna amputada por uma explosão, por exemplo, buscávamos um prisioneiro com porte semelhante e lhe amputávamos a perna, para tentar colocar no soldado, assim como tbm se amputavam braços e se retiravam órgãos internos dos prisioneiros para transplante. É claro que a maioria dos transplantes não dava certo mas mesmo assim as experiências e tentativas continuavam.


O consulente estava desdobrado nessa frequência na dimensão astral, juntamente com milhares de outros espíritos, alguns já encarnados como ele, e muitos ainda desencarnados. Nesses casos é comum tbm que alguns espíritos desencarnados comandem o local, pois devido à grande carga emocional desses locais e à ligação kármica dos espíritos ligados a eles, principalmente os encarnados, eles acabam podendo coletar uma grande cota de energia (ectoplasma) dos encarnados desdobrados que ficam presos ali, como o consulente.


Vários dos soldados e um oficial, que era o comandante, eram desencarnados e manipulavam a situação para extrair a energia dos encarnados desdobrados. Havia várias valas comuns onde os corpos mutilados eram jogados e enterrados. Como o cheiro ficava insuportável, eles começaram a queimar os corpos amontoados, mesmo muitos ainda estando vivos, antes de jogar terra sobre eles. Tbm havia galpões com vários outros espíritos doentes e mutilados.


Nos apresentamos naquele campo de concentração com a aparência que tínhamos naquela vida, pois este fora um dos campos que comandávamos, e ordenamos aos soldados que se reunissem num determinado local. Eles obedeceram e uma vez reunidos, foram todos presos, juntamente com o comandante que já havíamos prendido tbm. Os espíritos ali aprisionados foram todos resgatados e levados para hospitais no astral, sendo que os que eram encarnados tiveram suas mentes apagadas e foram encaminhados aos seus corpos físicos, como o consulente, embora alguns tenham sido levados tbm para hospitais, desdobrados, por estarem muito doentes e isso estar se refletindo no corpo físico deles.


O sonho do consulente era uma janela aberta para uma vida passada, que ele viu através de uma cortina com fatos da vida atual, e esse sonho permitiu que efetuássemos o resgate de milhares de espíritos sofredores, neste caso inclusive de espíritos que tiveram ligação direta conosco numa vida passada em comum. 


Abraço.




Gelson Celistre

domingo, 9 de outubro de 2011

Xamanismo

     Em um atendimento nos deparamos com uma iniciação xamânica feita por um dos reikianos que nos solicitaram a desconexão e primeiramente é preciso esclarecer que existe muita diferença entre os ensinamentos e as iniciações feitas por xamãs verdadeiros em outras épocas e culturas, das iniciações e cursos que atualmente algumas pessoas imaginam estar fazendo como sendo xamanismo.


     O fato de alguém gostar de xamanismo, ler alguma coisa sobre isso em algum livro ou fazer algum curso ou "iniciação" não vai torná-lo um xamã apto a iniciar outras pessoas no xamanismo ou a sair por ai conectando as pessoas a seu "animal de poder". Ser um xamã de verdade envolve muito mais coisas do que bater um tambor ao redor de uma fogueira.

     Ao nos conectarmos com o consulente nos deparamos com uma floresta muito escura, onde é sempre noite, e ao redor de uma fogueira no meio de uma clareira, várias pessoas, encarnados em desdobramento inconsciente, em transe ao redor delas. A energia do local é muito densa. Em frente a cada uma das pessoas ali há um animal, seu "animal de poder".

     Só que na realidade não são espíritos de animais, mas espíritos humanos travestidos de animais para enganar as pessoas ali. Esses espíritos com aparência de animais retiram as energias vitais dessas pessoas e as armazenam em troncos de árvores nessa floresta negra.

     As pessoas desdobradas e em transe ali enxergam árvores frondosas e muito verde, uma imagem projetada em suas mentes, mas na verdade o local é escuro e fétido. A energia era tão densa que o médium estava constantemente sentindo mal-estar e a sensação de que ia desmaiar. Ficamos observando ali enquanto uma mulher de cabelos castanhos e ondulados, com os pés descalços, tbm uma encarnada desdobrada, comandava o ritual.

     Ela chama uma a uma das pessoas ali e pede para que se concentrem em seu animal de poder para senti-lo, diz a cada um que deseje fortemente ver para poder sentir e se conectar com seu animal de poder e no momento que a pessoa faz isso, ela chama um dos espíritos ali travestidos de animais e o conecta com a pessoa, que passa a acreditar que aquele seja seu animal de poder, quando na verdade é apenas um espírito humano metamorfoseado para enganá-lo, com a intenção de lhe sugar as energias, pois o ritual "xamânico" de iniciação faz com que eles fiquem constantemente ligados, a pessoa e seu "animal de poder".

     Nos fizemos visíveis e os espíritos ali ficaram curiosos com nossa presença. Do meio dos espíritos travestidos como animais de poder surgiu um feiticeiro com a aparência de indígena, pele queimada de sol e nu da cintura pra cima; estava descalço, vestia uma espécie de tanga e usava uma capa sobre os ombros. Na cabeça ele tem uma tipo de penacho e no peito ostenta um colar feito com dentes e o olho de algum animal. Ele é desencarnado e é líder desse grupo, é o inspirador da mulher encarnada que oficia o ritual.

     O feiticeiro vêm em nossa direção para nos atacar ao mesmo tempo vamos em direção a ele, que convoca os outros espíritos desencarnados, os que se faziam passar pelos animais de poder, para o auxiliar. Eles se juntam a ele e tentam nos amedrontar assumindo as formas de animais mas continuamos caminhando em sua direção. O feiticeiro então se transforma em um enorme pássaro preto que voa em minha direção e me agarra pelos ombros com suas garras, voando para bem alto, acima das copas das árvores daquela floresta negra. Ele voa rapidamente em direção a um enorme rochedo e me arremessa contra ele, mas flutuamos lentamente em direção ao chão ao mesmo tempo que criamos uma bolha ao redor do pássaro em pleno ar, que fica preso nela.

     Enquanto isso a médium desdobrada lá como uma índia guerreira prendia os espíritos que se passavam por animais de poder, que tentavam fugir mas eram capturados por flechas que ela lançava e que ao atingir os espíritos se enrolavam neles como cipós e os prendiam.

     Paralisamos a mulher encarnada que oficiava o ritual, que parecia bem assustada, e dizemos a ela para observar bem o que ocorria ali e o tipo de espíritos aos quais ela estava ligado. Desconectamos as pessoas ali, inclusive o consulente, que estava com uma pena simbolizando seu animal de poder, que parecia ser uma águia ou falcão.

     Pessoas que se colocam a ser guias e orientadores espirituais de outras pessoas, sem terem eles mesmos alguma graduação espiritual que os habilite a isso, acabam vítimas de sua própria ignorância e fascinação, sendo utilizados por espíritos das trevas para prejudicar e vampirizar aqueles a quem imaginam estar auxiliando a evoluir.


Gelson Celistre


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Johrei

Várias pessoas que nos solicitaram desconexão do reiki tbm fizeram inciações em outros sistemas e uma delas, que foi iniciada no johrei da Igreja Messiânica, solicitou que verificássemos sua iniciação. O que encontramos está relatado abaixo.


A médium viu várias pessoas em uma sala e cada uma delas estava acompanhada por um espírito, que vestia uma túnica. Destacando-se dessas pessoas, à frente delas, havia um outro espírtio, este trajando uma batina, com vários colares nas mãos. Estes colares são feitos de um tipo de conta preta e cada pessoa ali vai receber um destes. Isto estava acontecendo no astral com essas pessoas desdobradas, ao mesmo tempo que acontecia a iniciação delas no plano físico.

Uma a uma dessas pessoas se colocam em frente ao espírito que veste a batina, o oficiante, e mostra as duas mãos, com as palmas voltadas para cima. O oficiante então toca nas mãos delas e imediatamente surgem  vários fios finíssimos e escuros nas mãos dessas pessoas, como se fossem veias. Esses fios ou veias armazenam a energia da pessoa quando ela for fazer o tal johrei, energia esta que posteriormente é enviada a esse local no astral.

Atrás do oficiante havia um espirito muito grande e negro, semelhante a um demônio, e próximo a ele um mago. Prendemos o oficiante dentro de uma bolha e o mago e o demônio então perceberam nossa presença e tentaram nos atacar. O mago ordenou às pessoas desdobradas ali que espalmassem as mãos em nossa direção e quando elas fazem isso podemos ver que elas tem uma mancha circular escura bem no centro da palma das mãos, mas criamos uma barreira entre o mago e aquelas pessoas para ele não poder usar a energia delas.

O tal demônio veio em nossa direção com os braços abertos, seu corpo exala uma fumaça negra e de seus olhos sai uma uma energia avermelhada como se fosse um raio, mas nós desviamos esse raio e o aprisionamos num campo de força.

O mago ficou invisível, mas estamos cientes de sua localização e fingimos estar procurando ele, que então se sente confiante e se aproxima de nós pelas costas para tentar nos atacar. Quando ele está bem próximo a nós e tenta nos desferir um golpe nos viramos e fazemos se tornar visível e o aprisionamos.

Os colares dos iniciados no johrei são retirados e destruídos e tbm retiramos a energia negra das mãos dos iniciados. Nossa equipe chega para levar presos o mago e o demônio, e os encarnados desdobrados foram enviados de volt aos seus corpos físicos.

Nos dirigimos ao oficiante, tbm um encarnado desdobrado, e lhe dizemos que lembre do que ocorreu ali quando voltar ao corpo e que não faça mais iniciações, mas nesses casos dificilmente a pessoa ao acordar assimila alguma coisa, provavelmente ele vai pensar que foi algum sonho ou pesadelo, pois não acredita que o que faz seja algo ruim. Provavelmente algum outro ser das trevas vai ocupar o lugar desses que retiramos para vampirizar as pessoas iniciadas por ele, como ocorre nos casos dos mestres de reiki.

Abraço.

Gelson Celistre



O cientista nazista

Em outra vida passada o monge pederasta (vide post anterior http://apometriauniversalista.blogspot.com.br/2011/10/o-diario-do-herege.html foi um cientista nazista e após o desconectarmos daquela frequência de monge o vimos num campo de concentração. Ele fazia experiências com os olhos das pessoas, algo meio parecido ao que o Mengele fazia e talvez até fosse auxiliar dele. Ele matou muitas pessoas em seus experimentos e algumas em particular foram mostradas ao médium.

Uma dessas pessoas era um homem já de certa idade e estava preso em uma cadeira, parecida com a de dentistas, e o cientista pinga um líquido nos olhos dele, que começa a gritar de dor. A parte branca dos olhos do tal homem ficam vermelhas e os olhos dele começam a inchar.

Após isso, o cientista ordena a dois soldados que o retirem dali e o coloquem em frente a um desses aparelhos que os oftalmologistas usam para examinar os olhos, um Refrator Green, mas mais antigo comparado aos atuais. Os olhos do homem ficaram totalmente deformados. O cientista utiliza uma máquina fotográfica para tirar uma fotografia do rosto desse homem, para registrar mo efeito do liquido utilizado por ele no experimento nos olhos dele. Depois ele ainda fez algumas anotações sobre o experimento e pediu aos soldados que levassem o homem embora e lhe trouxessem uma mulher e uma criança.

Refrator Greens
Ele repete o experimento com essa mulher, só que nela usa um líquido diferente do anterior. Logo após ele pingar o líquido nos olhos dela eles ficam opacos, sem brilho, e em seguida a mulher começa a gritar que não está enxergando nada e pergunta desesperada o que ele fez com os olhos dela e se ela vai voltar a ver. Ele nem responde e manda os soldados a colocarem em frente ao refrator, ele examina os olhos dela, tira uma fotografia e novamente faz anotações sobre o experimento. A mulher é levada pelos soldados e ele vai agora utilizar a criança no experimento.

O líquido que ele vai testar na criança é mais escuro e para manuseá-lo o cientista nazista coloca uma luva bem grossa. A criança apavorada e chorando muito é presa na cadeira e amordaçada. Logo que o cientista pinga o líquido num dos olhos da criança ela desfalece. O cientista levanta a pálpebra dela para examinar o olho e ele parece que derreteu, o que o deixa muito irritado, pq esperava outra reação. Ele ordena aos soldados que descartem aquele corpo e diz, friamente: "Esse está perdido!". Um dos soldados pega o corpo desfalecido da criança e o leva para outro local, onde há uma pilha de corpos mortos amontoados, e joga a criança ali. Esses corpos amontoados serão incinerados.

Isso ocorreu na vida passada do nosso velho monge pederasta (após a vida que ele era monge), mas ele ainda se desdobra e vai para um campo de concentração no astral e repete lá suas experiências. Em função do processo de resgate cármico pelo qual ele está passando, aquela criança e a mulher que ele mutilou e matou em suas experiências, são sua filha e esposa na encarnação atual.

Nos desdobramos e invadimos o campo de concentração no astral, onde além desse cientista, que está encarnado e atuava ali em desdobramento inconsciente, havia vários outros espíritos, alguns outros como ele, encarnados desdobrados, e vários desencarnados, principalmente os soldados. Me aproximei da sala onde ele fazia experimentos com alguns espíritos ali e eles se assustaram, tanto o cientista quanto suas cobaias, mas prendemos os soldados e o cientista, que já tentava fugir por uma porta lateral.

Ordenamos ao cientista que esqueça desse lugar e não busque nenhum outro semelhante, pq vamos destruir esse lugar e ele não vai mais poder voltar ali. Ele fica muito irritado com isso pq na mente dele acredita que vai conseguir descobrir uma "cura" para o problema de visão que tem em seu corpo físico. Mas irritado ou não apagamos sua mente, ele começa a ficar sonolento e o encaminhamos de volta ao seu corpo físico.
Nesse campo de concentração havia muitos espíritos presos em jaulas, que foram libertados, e tbm resgatamos os espíritos que estavam todos amontoados aguardando a incineração. A maioria era de espíritos desencarnadas que não conseguiram ainda superar aquele episódio trágico em função dos sentimentos negativos de ódio e raiva contra seus algozes. A criança estava desdobrada ali naquela pilha de corpos e foi encaminhada separadamente para seu corpo físico.
Mas sabemos que nesses casos geralmente há um comandante que é desencarnado e saímos em busca dele. Logo o encontramos em uma outra sala. Ao nos ver ele se assusta e tenta acionar um alarme mas o paralisamos e prendemos, sem lhe dar conversa. Os guardiões chegaram para levá-lo e tbm para levar os espíritos resgatados. O campo de concentração foi incinerado numa grande explosão e desaparece.

Este caso é interessante pq está bem visível a questão cármico, de ação e reação, e demonstra como é comum que nossos familiares mais próximos representem nosso maior resgate cármico em nossa encarnação. Muitas pessoas passam a vida tentando descobrir qual a sua "missão" e não percebem que sua missão principal é conviver bem, com amorosidade, com as pessoas que lhe são mais próximas, pois assim estarão transmutando os sentimentos negativos que todos trazem consigo de vidas passadas.

Abraço.

Gelson Celistre

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O diário do herege

     O consulente em uma vida passada foi forçado por sua família a entrar para um monastério, apesar de seus protestos e de não ter nenhuma vocação para a vida monástica. Como não gostava daquela vida, e inclusive pq não acreditava nos dogmas que lhe eram passados, ele vivia muito descontente naquele local.


     O jovem, um noviço ainda, se refugiava frequentemente numa torre mais afastada no monastério e se punha a escrever em uma espécie de diário, um livro de anotações, seus pensamentos e idéias. Muitas das coisas que escrevia ele nem sabia de onde provinham pois se referiam a assuntos sobre os quais ele nunca lera nada. Talvez ele tivesse algum tipo de mediunidade e escrevesse inspirado por algum espírito, ou então nesses momentos ele se desdobrava e acessava os conteúdos de sua própria memória sideral, não soubemos, mas o que sabemos é que o conteúdo de seus escritos, se revelado, o levaria a morte, como herege.
     Num desses dias após ele escrever em seu diário ele descia as escadas da torre quando foi surpreendido por um monge mais velho, que o agarrou por trás e tentou violentá-lo, ele se desvencilhou do tal monge e deixou cair de suas veste o tal diário que o outro pegou e leu. Notando o conteúdo eivado de heresias o tal monge tentou chantagear o noviço, dizendo que não o entregaria ao prior se o noviço concordasse em satisfazer sua luxúria. Como o noviço não cedeu à chantagem, o monge levou o diário ao prior, fazendo-se ainda passar por preocupado com o noviço diante de seu superior.
     O prior reuniu-se com outros monges mais antigos e interrogaram o noviço, dizendo que o conteúdo do diário era muito grave e queriam saber pq ele escrevia essas coisas. Enquanto isso o monge pederasta que o denunciou estava exultante, sentindo-se vingado por ter sido rejeitado. O noviço foi torturado por vários dias, bateram muito em sua cabeça e o açoitaram com um relho de couro e pontas de metal, entre outras coisas, mas suportou tudo calado. Depois foi jogado numa cela, seu corpo suava e tremia em convulsões, e ele morreu.
     O espírito do noviço vagou por ali por vários anos, como se estivesse atordoado, até que um outro noviço despertou o desejo do monge pederesta e este tentou violentá-lo. O espírito do noviço então foi atraído para junto do pederasta e aproveitou a situação para se vingar. Conseguiu se fazer visível ao monge pederasta e começou a obsidiá-lo, chegando a fazê-lo subir na torre onde ele escrevia seu diário quando vivo e se jogar lá de cima. O monge pederasta morreu na queda.
     Nesse momento esse monge pederasta, que atualmente está encarnado, se desdobrou e incorporou na médium,com muita raiva por conta do ocorrido. Tentamos dialogar com ele, que se mostrou irredutível dizendo:
     - Não quero conversa já falei, já sei o que vc fez e não quero conversa, me deixe em paz... não se faça de santo... vc sabe muito bem o que me fez fazer... vc me fez fazer aquilo e depois sumiu pra que eu não pudesse te pegar.. covarde!!!!!!!!!!!!! Pq não ficou e me enfrentou? Vc que merecia estar aqui no meu lugar por escrever coisas que não devia, será que não aprendeu ainda? Mais dessa vez eu ensino vc a não se meter comigo... 
     - Se quiser deixar de sofrer acho bom esquecer o passado, disse eu;
     - Não vou esquecer nada, acha mesmo que é assim? Vc vem aqui e me diz pra esquecer e vai ficar tudo bem? As coisas não funcionam assim!
     - Vai ser melhor pra vc, já tá cego de um olho, daqui a pouco vai perder o outro...
     - Está me desejando o mal seu herege!!! Em nome de Deus isso não irá acontecer! Não tenho medo das suas pragas, o Senhor é meu pastor, ele me guardará...
     Este espírito estava muito preso àquela existência, estava em ressonância vibratória, em razão de ter outros espíritos presos naquela frequência e que foram vítimas dele. Depois de matar ele enterrava os corpos e dizia que os noviços haviam fugido do mosteiro por não suportarem os rigores da vida eclesiástica. Ele era um psicopata maníaco sexual e acabou violentando e matando vários desses noviços. Alguns já estão reencarnados mas continuavam presos àquele local no astral.
     Um deles tem ligação direta com o um estigma cármico desse espírito atualmente, pois ele é praticamente cego de um olho e com o outro tbm não enxerga bem. Naquela existência esse monge psicopata não só violentou este outro espírito como lhe arrancou um dos olhos. Quando estava arrancando o outro ouviu um barulho, imaginou que alguém estivesse se aproximando e enterrou sua vítima ainda viva.
     Aquele noviço que foi vítima do monge psicopata foi enterrado vivo, com um olho arrancado e o outro parcialmente. Atualmente desencarnado este noviço encontrou o monge encarnado e estava grudado nele. Como ambos possuem um processo cármico, o encarnado passou a sentir em seus órgãos do corpo físico o que provocou no desencarnado, e que este ainda sentia no astral. Resgatamos as vítimas do tal monge, inclusive este que estava muito próximo dele e com o qual estava num processo quase simbiótico. 
     O consulente, o noviço cujo hábito de escrever o levou a morte por heresia, neste caso não estava com nenhum problema e serviu apenas de ponte para resgatarmos os espíritos presos naquela frequência, principalmente o noviço que teve os olhos arrancados, e que vai beneficiar tbm o monge psicopata que está encarnado.
     Antes de terminar o atendimento, porém, vimos que o tal monge psicopata estava desdobrado em outra frequência, que iremos relatar no próximo post (http://apometriauniversalista.blogspot.com.br/2011/10/o-cientista-nazista.html).

Gelson Celistre