quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Edição da memória de vidas passadas com fins maléficos

     Em nossa última reunião, após atendermos os consulentes encarnados e como ainda faltava algum tempo até o horário que costumamos encerrar os trabalhos, questionamos nossa equipe espiritual sobre a possibilidade de efetuarmos uma 'incursão' pelo baixo astral, haja vista que em outro atendimento recente, de tvp, havíamos destruído um laboratório das trevas e nos informaram que haviam muitos outros ainda que deveríamos desativar.


     A equipe espiritual aquiesceu afirmativamente e então os médiuns sofreram um descenso vibratório e foram levados até um laboratório das trevas, onde realizavam experiências com centenas de espíritos, tanto encarnados como desencarnados, usando técnicas de regressão.
     A técnica que utilizavam consistia em induzir o estado de transe nos espíritos cobaias e 'editar' as memórias de vidas passadas deles, 'apagando' tudo que fosse relativo a emoções positivas, deixando apenas as lembranças de fatos negativos e tormentosos. É como se editassem um filme das memórias do espíorito apagando todas as cenas boas e deixando só as cenas ruins. Os espíritos que estavam sofrendo este 'tratamento' estavam todos desfigurados, apresentando formas monstruosas e animalescas.
     Fomos solicitados a colocar estes seres em estado de transe e 'reprogramar' suas mentes a fim de reverter a situação e foi o que fizemos. Após colocá-los em transe e efetuar a reprogramação mental eles voltaram a si totalmente perturbados, sem entender sequer onde estavam e nem o motivo, mas aparentando estarem surpresos por se verem numa forma humana.
A equipe espiritual permitiu que vários cientistas que trabalhavam naquele laboratótio fugisse do local, pq não tinham condições de mudar seu padrão mental. Apenas quatro deles, que foram 'afetados' pela reprogramação mental efetuada por nós é que foram resgatados junto com os demais.
     Colocamos todos numa bolha e enviamos para o posto, sendo que após isso 'destruímos' todo o laboratório e em seu lugar criamos grama, plantas, etc., fixando ainda a vibração de Maria (Iemanjá) para que os seres trevosos não conseguissem mais encontrar o local (poderiam efetuar processos complexos de recuperação espaço-temporal de energia e reaproveitar a energia negativa que já utilizavam ali para reativar o local).
     No retorno, nos avisaram que numa frequência um pouco mais alta que a que estávamos iríamos encontrar outro laboratório, um entreposto utilizado para adaptar vibratoriamente os espíritos cobaias antes de serem 'realocados' em seus corpos ou soltos em áreas determinadas, mas que este deveríamos apenas 'limpar' pq seria utilizado pelas equipes 'do bem' como base de apoio. Efetuamos a limpeza do local, que estava vazio, e retornamos aos nossos corpos físicos.
     Como esse existem muitos outros laboratórios comandados por seres trevosos e com finalidades escusas, mas as equipes do Cordeiro não estão de braços cruzados, existe um plano muito bem organizado em andamento e os 'esquerdistas' do Cristo estão com seus dias contados.

Gelson Celistre




Dificuldade em aceitar seu 'karma'

     Atendemos uma moça que foi atropelada por um caminhão, tendo ficado com várias sequelas físicas, inclusive tendo perdido parte do cérebro. Mal consegue se locomover e não consegue falar, embora entenda o que escuta. Desnecessário dizer que se trata de um espírito bastante endividado mas que parece estar aceitando bem sua provação. A mãe ao contrário se mostra revoltada com a situação em que a família se encontra, com poucos recursos e tendo que gastar com tratamentos com a filha.
     Apesar de ser uma situação difícil para qualquer um, pareceu-nos que a mãe da moça a culpava por não viver tão bem quanto acha que merecia. A casa onde reside estava literalmente cheia de energia densa, com uma rede ao redor, mantendo aquele estado de coisas. A moça ao entrar não emitia nenhum som e tendo perguntado seu nome apenas balbuciou a cabeça negativamente. Havia em seu corpo astral uma série objetos presos, inclusive uma espécie de 'focinheira' de couro. Logo após retirarmos essas coisas ela já tentou falar alguma coisa, que nos soou ininteligíevel pois ela não consegue articular as palavras corretamente.
    O ser que havia colocado os objetos na moça se apresentou muito revoltado e com muita raiva. Disse que queria acabar com a familia toda mas descobrimos que o alvo principal dele era justamente quem se mostrava mais insatisfeita com a situação da família, a mãe da moça. Em uma vida passada ela era de família nobre e engravidou 'indevidamente'. Alguns meses antes da criança nascer retirou-se para uma propriedade afastada e quando teve a criança deu para uma outra mulher criar. Esta mulher era muito pobre e a criança cresceu em meio à muita miséria, chegando mesmo a passar fome.     
     Quando era rapaz e estando a mulher essa numa situação de total carência, esta revelou a ele que era filho de uma mulher muito rica, de família abastada, e o então rapaz decidiu ir atrás de sua mãe 'verdadeira'. Esta quando soube que lhe batia à porta seu filho bastardo, e temendo que fosse descoberto seu 'deslize', mandou matá-lo. Uma história bastante trágica sem dúvida mas como inocente não sofre e a Lei só cobra de quem deve, mostramos a este ser o que ele havia feito a ela em vida anterior a essa, para que ele percebecesse os mecanimos de causa e efeito, responsáveis pela situação triste em que ele se envolveu.
     Era um espírito 'manhoso' e tentou convencer uma das médiuns de que ele não vira nada, dizendo a ela que quem fez tal coisa com um filho não merecia ser mãe novamente. Outro médium do grupo entretanto captou a lembrança dele. O que aconteceu antes é que ele era um padre na época da 'Santa Inquisição' e queria seduzir uma mulher, que se recusou a ceder aos seus caprichos, tendo ele então acusado ela de bruxaria. Por conta disso ela morreu queimada numa fogueira. Era a mesma que foi sua mãe e mandou matá-lo na outra vida.
     Este ser estava meio desequilibrado mentalmente e sem condições de ser 'doutrinado'. Havia outros oito seres a seu comando que obsidiavam a família tbm, dos quais apenas três aceitaram ajuda. Os demais juntamente com esse 'perturbado' foram isolados num campo de contenção e deixados aos cuidados da equipe espiritual.


Gelson Celistre

Usuário de drogas

Atendemos um rapaz que é viciado em drogas há vários anos e, segundo ele, está se tratando para largar o vício. Além do seres 'de praxe' que o acompanhavam, um deles tinha uma ligação muito forte com ele pois na encarnação passada desse rapaz, ambos eram ligados ao tráfico. Este espírito era um dos obsessores do rapaz e alegava que ele lhe 'devia'. Ele afirmava que o rapaz vendia drogas para ele (isso ocorreu nos anos 80) e que não pagou alguma quantia acertada. Entretanto, os médiuns captaram algo a ver com uma filha dele, uma outra médium 'passou mal' com dores estomacias e vômito, e incorporou a filha do obsessor.
Uma vez percebida a relação da dívida do rapaz com a filha do obsessor, este passou a acusar o rapaz (o consulente) de ter provocado a morte de sua filha por overdose, mas ela mesmo incorporada revelou o que realmente aconteceu.
Seu pai (o obsessor) a drogava para abusar dela sexualmente. No estado que ela ficava ela não percebia o que ocorria, até que em uma das vezes, talvez por não estar ainda tão drogada, ela percebeu que ele mantinha relações sexuais com ela. E para piorar a situação ela descobriu estar grávida do próprio pai. Para não perpetuar aquele estado de coisas ela mesmo tomou uma overdose a fim de tirar a própria vida. Ela sentia inclulsive o bebê se mexendo dentro dela, dores no estômago, etc.
É uma história triste mas serve de alerta sobre os males que podem advir desse vício. Grudado ao rapaz haviam várias 'sombras', parecendo 'macaquinhos', sendo que alguns eram de seres desencarnados o parasitando enquanto que outras eram projeções inconscientes de 'amigos' com os quais ele compartilhava o vício das drogas. Pela idade do rapaz e pela época em que ele morreu não ficou muito tempo no astral e hoje está colhendo o que plantou na última vida pois como era traficante e induziu muitos outros ao vício, hoje sofre o retorno desses atos.
Abraços.

GELSON CELISTRE

Regiões purgatoriais

Temos vidas passadas nos planos sutis e não apenas no plano físico. Nossas passagens pela dimensão astral nem sempre nos trazem lembranças boas, principalmente em regiões purgatoriais, ou seja, em regiões do astral inferior onde se agrupam por afinidade vibratória espíritos portadores de enfermidades da alma.


Existe um livro bastante conhecido no meio espírita - Memórias de um suicida - que relata um desses locais, o 'vale dos suicidas', escrito por Yvvone Pereira e tbm temos o livro 'O abismo', de Ranieri, que nos dá um panorama genérico das regiões trevosas. Mais recentemente temos os livros do Robson Pinheiro, como Legião e Senhores da Escuridão, que detalham situações que ocorrem nesses locais da sub-crosta.

Em um atendimento recente a consulente viu-se num desses locais purgatoriais, uma região rochosa, um longo canyon, com várias fendas em seu leito seco e rochoso, onde se agrupavam vários espíritos que foram atraídos para aquele local em função de sua afinidade vibratória.

A consulente entretanto não estava com algum grupo desses, ela era um dos vários seres que 'cuidavam' daqueles espíritos, vigiando-os initerruptamente. A consulente neste período apresentava a forma de um lagarto, rastejando sobre aqueles rochas e observando os seres que ali se lamentavam de seu destino.

Esta região purgatorial era onde ficavam espíritos que, quando encarnados, abusaram da religiosidade das pessoas crédulas, explorando-as monetariamente a fim de satisfazerem suas necessidades egoísticas. Não havia ali nacionalidades ou raças, amontoavam-se juntos naqueles buracos rochosos árabes e judeus, católicos e evangélicos, espíritas, indianos, chineses, etc. O que todos tinham em comum era o abuso da fé alheia, a pilhagem em nome de Deus.

Os vários lagartos que lhes vigiavam 'trabalhavam' para outro ser, que os mantinha como um 'plantel', do qual poderia 'colher' mais algumas almas para sua já extensa carceiragem. Este ser reinava em um trono de pedra sobre uma grande região de cavernas, com muitas centenas de almas aprisionadas.

Assim como aqueles seres quando encarnados iludiam as pessoas com falsas promessas, ali tbm viviam iludidos a espera de um 'salvador' que nunca chegava, a não ser para aqueles que, se rebelando com tal situação, destialvam fluídos afins com uma nova morada, mais abaixo, mais 'próxima' de seu 'salvador'.

Pedimos a consulente que falasse a todos aqueles espíritos como se fosse o salvador esperado por eles, e mudamos sua aparência de modo a que cada espírito a visse como o ser que ele esperava para o libertar. Assim foi feito e cada um a vi e ouviu como se fora o deus que estava esperando, provavelmente aquele mesmo que eles usaram o nome para extorquir e explorar.

Com esse ato foi quebrado o padrão mental de culpa que os mantinha presos ali, achando-se indignos de receberem o perdão divino, de um deus que sequer acreditavam mesmo existir, e foram resgatados pela equipe espiritual que nos auxilia, assim como outras quase vinte centenas de seres que eram mantidos aprisionados nas cavernas do 'senhor' daquela região.

Nesses casos quando a pessoa relembra uma fase de sua vida no plano astral, é comum ocorrer um 'transporte' interdimensional e ela voltar àquela região no momento da consulta, assumindo a forma que tinha quando lá esteve, com a diferença de que está lá no tempo atual, no presente, e assim podemos efetuar o resgate dos seres que lá se encontram em sofrimento purgatorial.

Muitas pessoas se perguntam pq a espiritualidade superior permite que existam tais locais e pq não resgata esses seres sem a ajuda de pessoas encarnadas e médiuns. A resposta é simples, primeiro pq quem está nesses locais precisa passar por uma purgação dos fluídos densos que agregou a si em virtude de suas más ações; segundo pq é preciso de muita energia, ecotplasma, para esse tipo de resgate; terceiro, pq para os espíritos de luz é muito difícil adentrar nesses sítios vibracionais, a logística, etc., além disso muitos desses locais são difíceis de serem 'mapeados' pela espiritualidade, mesmo com todo aparato tecnológico de que dispõe, pq os seres trevosos tbm possuem alta tecnologia e se ocultam propositadamente a fim de não serem descobertos.

Nós encarnados temos tudo o que é preciso para esse tipo de resgate, a vibração baixa, o ectoplasma, e a ligação vibratória com esses locais, o que permite que a espiritualidade superior encontre a localização e tenha energia o suficiente para recolher esses seres e transpo-los para regiões intermediárias no umbral, a fim de serem mais facilmente socorridos.


Gelson Celistre.

Síndrome do Pânico e Pacto

Essa semana atendemos uma pessoa com síndrome do pânico, a ponto de a mesma não sair mais de casa. Ela estava sintonizada em uma vida passada onde era mantida em cativeiro pelo marido por muito tempo até que em determinada ocasião o matou a pauladas e enterrou no interior de um galpão que havia nos fundos da casa onde morava. Terminou aquela existência sozinha naquele local, bastante velha, e ficou muito tempo ainda vivendo ali depois de desencarnar, sem perceber que havia morrido, até que foi resgatada. Houve uma série de circustâncias nesta existência que a levaram a se conectar com aquela vida passada pq despertaram nela sensações de medo e impotência diante de fatos de sua vida atual: uma relação muito conturbada com o pai, o recebimento como seu filho daquele marido que ela matou (e que nasceu com deficiência mental e motora), etc. Ela tbm sentia uma sonolência muito grande durante o dia e não conseguia dormir à noite, possivelmente pq se deslocava em desdobramento para aquele sitio onde teve aquela vida infeliz e que ainda estava plasmado no astral.
No atendimento tbm observamos a presença de um espírito desencarnado junto dela e que estava lhe sugando as energias. Este ser não era mau, queria até ajudá-la e pensava que estava fazendo isso. Era um companheiro dela de muitas existências e ambos haviam feito um pacto de um não abandonar o outro. Ocorre que devido à sua própria condição evolutiva ele não apresentava um padrão vibratório muito bom e estava inconscientemente vampirizando sua amiga encarnada.
Conversamos com ele e explicamos a situação, oferecendo-nos para ajudá-lo, o que ele aceitou. Tbm o informamos que após ele ser atendido e estando em boas condições, poderia voltar a ficar junto dela se assim o desejasse.
O tratamento do pânico que ela sentia foi feito com o desligamento daquela sintonia e a substituição de registros em sua memória subconsciente ativa por uma cena onde ela caminhava na rua entre muitas pessoas e estava muito feliz, sem medo algum e o "desmanche" daquele sítio astralino, que ainda apresentava uma carga emocional negativa muito forte e fétida. Logo que respondemos o e-mail que recebemos dela, e antes mesmo de termos feito a sessão de atendimento, ela já começou a conseguir dormir à noite, apesar de continuar ainda bastante sonolenta durante o dia. A cura total depende de uma séria de fatores sobre os quais não temos controle mas ela está se mostrando bastante confiante e tem boas chances de sucesso.
Abraços.

GELSON CELISTRE

Atuação da mente inconsciente

Caso 'A'

Um caso interessante que tivemos há pouco tempo foi o de um consulente, um senhor já algo idoso, que nos procurou por sentir fortes dores em uma das pernas, sem causa aparente. Ao abrirmos a frequência do mesmo solicitamos que os médiuns investigassem primeiramente a perna do referido senhor, pois é comum nos colocarem 'apetrechos" no corpo astral, como pregos, estavas, larvas, punhais, instrumentos de tortura, etc. Eventualmente encontramos tbm algum 'chip' mas a frequência ultimamente tem sido maior de artefatos 'manuais' menos elaborados, como esses que citei. Os videntes logo perceberam um artefato semelhante a uma corrente de metal que identificamos como um cilício, uma correia usada na perna para se auto-penitenciar (vide o filme Código Da Vinci).

Cilício
Solicitei para alguns membros que desmaterializassem o artefato, enquanto isso, 'puxei' o ser que o havia colocado e o fiz incorporar em um dos médiuns. Apresentou-se uma entidade muito cheia de si, pomposa, e afirmando que ele merecia aquilo e que não deveríamos retirar dele. Exigia respeito afirmando que ele era um arcebispo. Os médiuns captaram a situação da vida passada do consulente então, que era monge em uma organização religiosa e durante muitos anos enganou a todos fingindo se auto-flagelar com o uso do cilício. Ele andava sempre mancando, simulando que estaria se auto-flagelando, o que era considerado uma virtude entre seus pares. Ocorre que em determinado momento, o tal arcebispo descobriu a farsa e
então mandou cortar fora a perna do tal monge, nosso atual consulente. Em diáogo com o arcebispo, estre se mostrou muito orgulhoso e criticando muito o ex-monge, apregoando disciplina e regras que
deveriam ser cumpridas. Nesse ínterim foi mostrado a outro médium que o arcbispo mantinha em sua catedral no astral um calabouço com algumas mulheres que haviam sido prostitutas acorrentadas, e tbm uma outra ala onde jaziam alguns jovens, filhos de pessoas pobres que eram dados a igreja, e que com ambos os grupos ele mantinha 'relações'. Era um ser que gostava muito do poder que obtivera nesse cargo e se locupletava com ele de variadas formas, bem pouco éticas diríamos assim. Libertamos
todos os seres que se encontravam lá aprisionados e destruímos o local. Ao arcebispo, após muita conversa e com as tentativas de sempre de fazê-lo aceitar ajuda, inclusive com a presença de um espírito que foi sua mãe e que ele menosprezara, tanto naquela vida como agora, foi lhe facultado escolher se preferia ficar livre ou ir com nossa equipe espiritual, ao que ele escolheu sair só, pois disse que precisava de 'tempo para pensar', senti que ele ficou um pouco abalado mas não sei se a ponto de nos procurar novamente.
Fizemos mais uma 'varredura' no consulente e foi percebido uma outra entidade, que tentava se ocultar à visão dos médiuns, usando um chapéu e capa pretas. Fizemo-lo se manifestar através de um dos médiuns e durante a conversa, descobrimos que este ser era companheiro do consulente naquela mesma vida onde ele fora monge, mas que antes mesmo de entrar para a ordem religiosa, já pertencia a uma seita de adoradores do demônio e que entrara justamente para se infiltrar no seio da igreja com finalidades escusas. Ocorre que nesta encarnação, insatisfeito com sua situação financeira, o consulente, durante o desdobramento natural do sono, foi buscar auxílio com este seu antigo comparsa, fazendo um pacto com este para ficar rico na atual existência, provavelmente foi aí que ele sintonizou com seu outro amigo
arcebispo. Indagamos o que o consulente havia prometido em contrapartida ao seu antigo amigo bruxo (naquela época era comum sacrificios de humanos para entidades trevosas) atualmente para que
ficasse rico e este respondeu que ele tinha lhe prometido seu corpo. Obsevando com mais atenção nosso amigo de capa e chapéu pretos, os médiuns notaram que ele não tinha corpo astral e que se fazia notar
apenas pela capa e o chapéu, tirando isso só havia algo minúsculo como uma cápsula, do tamanho de um comprimido. Como ou se ele conseguiria utilizar o corpo astral do outro não sabemos, mas eles tinham esse acordo e o outro aguardava a morte do consulente para lhe cobrar o pagamento. Este ser não quiz saber de doutrinação de jeito nenhum e o deixamos aos cuidados da equipe espiritual, que melhor do que nós sabe como tratar com esses casos.
O interessante é que o consulente não tem noção consciente desse seu pacto e atualmente seu conhecimento sobre espiritismo ou magia é nenhum. Como foi bruxo no passado, possui habilidades esconhecidas em seu inconsciente, mas que, devido ao seu desejo de riqueza, ativou a fim de realizar seu desejo.

Caso 'B'

No atendimento de uma moça nos deparamos com um espírito junto dela, afirmando que não a deixaria, que ela era dele, que não conseguiríamos tirá-lo de perto dela, etc. A história deles é a seguinte: Ambos eram atores em uma trupe mambembe, há muito tempo atrás, e contracenavam juntos. O rapaz nutria sentimentos amorosos em relação à moça mas nunca teve coragem de se declarar. Em determinado momento, em uma das cidades onde estavam se apresentando, a moça conheçeu um outro rapaz que residia ali e pretendia abandonar o teatro para viver com ele. O seu colega de palco, inconformado, assassinou o outro rapaz, degolou a moça e se suicidou em seguida. Agora, pelas voltas que o destino dá, ele a encontrou nesta vida e vivia atormentando a moça, que reclamava justamente de que seus relacionamentos nunca dão certo, que nada vai pra frente, etc. Mas o que nos chamou a atenção não foi esta história, que apesar de dramática, é um tanto 'corriqueira'.
Já estávamos para liberá-la quando um dos médiuns captou uma voz 'xingando' a moça, dizendo que ela era arrogante, que não iria "roubar meu filho tbm", etc. Ao investigar do que se tratava o médium foi informado pela equipe espiritual que se tratava de uma pessoa encarnada. Procedemos então ao comando de acoplamento da mesma em outra médium e dialogamos com ela. Tratava-se de uma senhora que, em vida passada, teria oferecido emprego a esta moça, naquela ocasião tbm uma jovem, e parece que esta angariou a simpatia das pessoas que trabalhavam no local e, como tinha algum talento, se sobressaiu em relação à tal senhora.
Ocorre que nesta vida, a tal senhora é mãe de um rapaz que foi namorado desta moça. Provavelmente os sentimentos de 'posse' e 'ciúme' que esta mãe sente pelo filho provocaram o despertamento, em seu inconsciente, das recordações daquela existência onde ela nutriu um sentimento negativo por esta moça, pois ela ficou com o sentimento de que a moça a traiu e 'roubou' dela alguma coisa. Ao conversarmos com ela (a tal senhora 'incorporada' - o mental) esta disse que nesta vida até 'gosta' da moça, mas pelo desdobramento 'espontâneo' deduzimos que a carga emocional associada a esses eventos de seu passado é muito forte. Na verdade cremos que para que ocorra este tipo de fenômeno (desdobramento inconsciente e involuntário a nível consciente) é preciso uma carga energética emocional muito forte, associada a outros fatores como predisposição ao desdobramento (que pode ser 'fisiológica, cármica, etc.)
Tbm enquanto 'doutrinávamos' a tal senhora um outro espírito se manifestou através de outra médium para 'defender' a moça e 'acusar' a tal senhora, dizendo que ela era má, que a moça os defendia dela, etc. Este ser afirmava já estar em tratamento no astral e disse que lhe trouxeram ali para que ele pudesse falar. Apesar deste ser aparentemente ter vindo 'colaborar' no esclarecimento da história, lembramos a ele que os necessitados de médico são os doentes e não os sãos, e que naquele momento o doente era a tal senhora, que era quem nutria sentimentos negativos, e que ele deveria tbm perdoar e não sentir mágoa pelo que houve com ele ou com o que a tal senhora fez a ele. Eventualmente são trazidos ao grupo seres que já estão em tratamento no astral mas que não aceitam algum fato envolvendo sua vida e isso os impede de conseguir evoluir.
Um outro caso que tivemos desse tipo foi o de um rapaz que não aceitava o fato de que em sua última vida ter sido abandonado quando criança pela mãe. Disse ter passado a vida toda procurando por ela e quando a encontrou esta o rejeitou novamente. Este acontecimento o feriu muito profundamente e mesmo estando recebendo auxílio no astral não consegruia superar isso. Quando atendemos uma mulher que foi a mãe dele naquela vida, ele foi trazido ao grupo para ser esclarecido, ele queria saber o motivo de ter acontecido aquele abandono com ele. De pronto comandamos a regressão de memória nele e ele viu uma vida anterior àquela em que foi abandonado. Ele era sogro da mulher que foi sua mãe na vida seguinte e arrancou de seus braços o filho recém-nascido e ela nunca mais o viu. Ele ficou emocionado pois disse que viu o leite escorrendo do seio dela quando ele arrancou o bebê de seus braços e as lamentações dela. Muitos de nós ainda precisam desse tratamento 'de choque' para aceitar o inevitável, que é a justiça divina.
Abraços.
GELSON CELISTRE

Redenção

     Em um caso recente nos deparamos com uma situação extremamente complexa envolvendo uma pessoa encarnada e uma outra desencarnada, unidas por laços que eles próprios desconheciam, onde um se utilizava do outro para satisfação de suas necessidades menos nobres. A pessoa encarnada é portadora de um distúrbio de comportamento, na área sexual, que a impele e procurar relações com crianças. Jà nasceu com isso e sua principal 'missão' nessa vida seria superar essa 'tendência'.


     Junto dele e pontencializando as ações deste, inclusive atuando sobre outras pessoas encarnadas a fim de facilitar a ação do encarnado, um espírito que em remotas eras teve este mesmo encarnado como seu serviçal, em ocasiões onde eles realizavam sacrifícios de jovens moças virgens a algum deus qualquer, com o intuito de obter poder. Este espírito atuava por afinidade junto ao encarnado e o incitava a saciar seus desejos sexuais pervertidos, por imaginar que obteria mais 'poder' quando o outro (o encarnado) possuísse uma menina 'virgem'.
     Desdobramos o encarnado e o trouxemos para um diálogo, fazendo-o incorporar numa médium. Em seu corpo astral havia um aparelho na nuca, uma espécie de chip, colocado pelo desencarnado para potencializar sua influência sobre o encarnado e redirecionar as energias vitais deste para certas áreas do cérebro onde residem os instintos mais primitivos. Pelo teor da conversa que tivemos com o cidadão, percebemos que ele parece não estar conseguindo superar suas tendências nesta vida e efetuamos um tratamento que julgamos possível na situação, que consistiu basicamente na saturação da mente dele com outros pensamentos 'sexuais' que o 'desviassem' do interesse por crianças. Ainda carecemos de dados sobre os resultados obtidos com esta técnica pois foi muito recente, mas pretendemos tentar acompanhar o caso.
     Quanto ao desencarnado, era muito mau. O 'nosso exu' pediu cautela no trato com o mesmo, inclusive solicitando que a médium que o receberia sentasse no chão, para o caso dele tomar o controle dela e tentar agredir alguém ser mais fácil de impedir, apesar que a médium em questão possui um bom domínio nesses casos, já demonstrado anteriormente quando do recebimento de outros 'cascas-grossas'. Utilizando as técnicas de praxe como mostrar o futuro e tal, ele nem se abalou. Vimos algumas vidas passadas dele e o sujeito sempre era mau, vida após vida, ele só aparecia fazendo maldade.
     Ele alegava que sempre foi assim, sempre foi do mal, mas retruquei a ele dizendo que não nascemos maus, nos tornamos assim por alguma decepção que não conseguimos superar. Pedi então a outra médium que sintonizasse com ele e comandei uma regressão a uma vida onde ele teria se 'desviado' para o mal. Ela logo começou a ver uma vida onde ele era um lenhador muito pobre, e ele imediatamente reagiu dizendo que não lembrava disso. Comandei então que ele lembrasse, e a história passou a desenrolar-se para o médium e ele ao mesmo tempo. Como ele não quiz falar o que houve, a médium foi narrando a história.
     Disse que ele tinha esposa e três filhos, ao que ele incorporado em outra médium disse os nomes dele, e, resumindo, foi mais ou menos isso: era um lenhador pobre, tinha um cota de árvores para derrubar para o dono das terras mas já não dava conta pois dispunha apenas de um machado velho e já não muito bom. Um dia chegando à sua cabana no fim do dia, foi encontrando pedaços dos corpos de seus três filhos, esquartejados. Dentro da cabana encontrou a esposa violentada e com a cabeça partida ao meio por um machado. Ele sabia quem havia feito aquilo, era o dono das terras, mas como era uma pessoa poderosa na região ele nada pode fazer. Enterrou os pedaços de sua família e saiu dali desesperado, sem rumo, tendo sido ajudado por um senhor idoso que morava nas redondezas, que o acolheu e cuidou dele até morrer.
     Ocorre que o encarnado que hoje ele manipula para seus intentos menos nobres, é o mesmo que outrora cometeu essas barbaridades contra sua familia e disso ele não recordava. Este ser sofreu um choque emocional muito forte, pois sintonizado com o médium ele reviveu tudo aquilo. Pode parecer maldade sujeitá-lo a isso mas foi esse choque que permitiu que ele liberasse toda a energia negativa, ódio, raiva, etc., que ele havia guardado dentro de si. Nesse momento com uma argumentação adequada e com a presença da antiga esposa que veio buscá-lo, este irmão desviado foi finalmente resgatado para a luz.
     Era um ser que, a princípio, não era nem candidato a um resgate. Seres assim já enviamos vários para que fosse 'aplicada a lei', pois se mostram rebeldes e refratários, senhores de si, e não aceitam mudar suas idéias. Nesse caso porém tivemos a intuição de buscar a fundo a 'origem do mal' e felizmente fomos recompensados com a redenção desse irmão, tão sofredor como qualquer um de nós, mas que ainda tentava encobrir sua dor com a dor alheia.

Gelson Celistre


Causa e efeito

     Em um atendimento recente nos deparamos com três espíritos junto à uma jovem consulente, uma moça. Um havia sido mãe dela na encarnação anterior, outro 'colega' de profisssão e o terceiro fazia o papel de 'patrão'. O espírito que havia sido mãe da consulente estava muito mal, havia morrido de tuberculose e encontrava-se muito fraco e confuso pois sentia que a moça encarnada era sua filha mas, como tem outra aparência hoje, ela imaginava que se tratava de uma amiga de sua filha que conversava muito com ela. O outro espírito que era 'colega' de profissão era uma moça tbm, que morreu jovem. As três envolvidas eram 'damas da noite', mulheres de cabaré.


     O terceiro espírito, masculino, era quem 'botava elas para trabalhar', era uma espécie de cafetão, mas mesmo este prestava contas a um superior, que era o dono da boate e este era o chefe de todos. Este é o que tinha a história mais 'bizarra'. Ele afirmava que gostava de maltratar as prostitutas e que se não trabalhassem direito lhes cortava o rosto com uma faca, desfigurando-as, para que não agradassem mais e morressem "à mingua", segundo suas próprias palavras. Ele demonstrava muita raiva das mulheres e resolvemos averiguar o motivo, já que os espíritos femininos foram doutrinados facilmente pois precisavam apenas de orientação e auxílio.
     Comandamos a lembrança da vida anterior àquela deste espírito, estando ele incorporado numa das médiuns, mantendo um outro médium vidente 'sintonizado' com ele, tendo assim além da lembrança dele e do médium onde estava incorporado, que tbm é vidente, a visão de um outro médium. Vimos que na vida imediatamente anterior ele era menino e era frequentemente espancado pela mãe quando criança, além de ter sofrido violência sexual por parte de seu pai. Uma vida trágica sem dúvida.
     Recuamos à vida anterior a esta e encontramos então esse espírito como pai de família, tendo recebido em seu lar como filho um menino que era homossexual. Nesse instante incorporou em outra médium o espírito que foi o filho homossexual dele naquela existência, emocionado, e relatou que ele 'já nasceu' daquele jeito (homossexual), que não tinha culpa de gostar de homens e que percebeu isso muito jovem ainda. Mas seu pai não aceitava a situação e em certa ocasião o encontrou junto de outro menino e o espancou muito, machucou-lhe tanto que 'destruiu' seus órgãos genitais.
     O espancamento pela mãe e o estupro pelo pai se tornam claros como consequência direta das ações desse espírito na vida onde não aceitou a opção sexual do filho e o desrespeitou como ser humano. Mas isso não foi tudo. Nesta última existência onde ele era o 'cafetão' das moças ele tbm nasceu como homossexual e a violência com que tratava as mulheres se devia em parte tbm pelo fato dele ter inveja delas. A presença dele especificamente com essas duas e a moça encarnada era em função de que naquela existência, a moça era filha de uma prostituta com o chefe dele, o dono da boate, o qual tbm utilizava este seu assecla para sua satisfação sexual, além de se utilizar tbm das 'suas' prostitutas.
     O cidadão esse então tinha muita raiva e inveja pq a moça (a encarnada de hoje) era filha de uma das prostitutas com o 'chefe', que pelo jeito tbm era o grande amor da vida dele.
Observem o encadeamento cármico dos eventos nessas três últimas vidas desse espírito. Um ser ainda muito rude espiritualmente, vivendo em função de instintos básicos. Por conta de sua própria vibração, determinou para si mesma 'pena' que aplicou a outro espírito. É claro que não podemos avaliar por três ou quatro vidas a trajetória de um espírito que teve muitos milhares de vidas, mas por estas últimas percebe-se tratar de um ser que estava vivendo com muita brutalidade. Nestas três últimas vidas dele a ação da lei de causa e efeito é percebida com muita clareza.


GELSON CELISTRE

Ressonância de vida passada

Atendemos uma moça que está inconsolável com o fim de um relacionamento amoroso. Como é comum nesses casos muitas pessoa sofrem muito com a 'perda' e entram em um estado depressivo muito forte. Foi o caso da moça em questão.

Ao sintonizar o médium com a moça este captou a presença de um espírito do tipo 'preto velho' junto dela, 'triste' pq ela não lhe ouvia e ele queria 'trabalhar' com ela. A médium a princípio imaginou tratar-se de um espirito vinculado à egrégora da Umbanda, mas lhe esclareci que era apenas um espírito ainda 'sem luz' e que precisava ser 'doutrinado', apesar de aparentemente ele querer 'trabalhar', o conceito de trabalho é muito relativo, e no caso dele era fazer qualquer tipo de feitiço, fosse qual fosse a intenção. 


Esclarecido este cidadão, que aceitou nossa ajuda e foi 'encaminhado' para uma outra estância do astral, a médium percebeu então uma mulher negra, muito gorda e feia segundo ela, era lavadeira e estava sentada na beira de um riacho, chorando e triste pq haviam 'roubado seu homem'. Logo percebemos que se tratava de uma vida passada da moça que estávamos atendendo e pedimos para o médium conferir se da nuca da mulher negra saía uma espécie de fio ou
cordão, ao que ele conseguiu perceber um cordão de coloração acinzentada.

Ligado a esta mulher negra estava um outro espirito, um negro tbm, e que se encontrava em um local cheio de 'artefatos' e objetos usados em rituais de magia 'afro', como velas, cacimbas,etc. Este espírito, naquela existência, roubou os ossos daquela mulher negra do cemitério one ela havia sido enterrada depois de morta e os enterrou em seu próprio quintal, a fim de
escravizá-la. Provavelmente ela era frequentadora de cultos 'afro' e fez algum trabalho que nãohonrou depois. 


Conversamos com este espírito a fim de esclarecê-lo do mal que estava fazendo a si mesmo e por fim ele aceitou libertá-la de seu 'cativeiro'. A moça em questão hoje é branca, de origem germânica, e muito bonita. Sua desventura amorosa provocou uma ressonância com uma vida passada onde ela sentiu as mesmas emoções, os mesmos sentimentos que está sentindo agora, e isso fez com que seu inconsciente 'despertasse' as emoções vividas naquela vida e as projetasse na vida atual dela neste momento, provocando uma espécie de auto-obsessão, alimentada por ela mesma e tbm pela presença de dois espíritos que conviveram
com ela naquela encarnação, o 'preto velho' que queria 'trabalhar' novamente com ela e o outro macumbeiro que a havia 'aprisionado' juntamente com seus ossos, em seu quintal.

O mesmo sentimento que ela está nutrindo de 'não-aceitação' da situação é o sentimento que nutria o macumbeiro que a aprisionara, que não aceitou que ela o trocasse por outro em uma vida passada e resolveu vingar-se aprisionando ela a ele através de magia. Tecnicamente o trabalho de magia que ele fez no passado e que ainda estava atuante chama-se 'arquepadia'e como se pode observar pelos sentimentos atuais da moça, encontrou muita afinidade vibratória nela para atuar, pois sem isso não tinha como 'pegar', naquela ou nessa vida.

Abraço.

GELSON CELISTRE

Piratas energéticos

     Em nossa última reunião nos deparamos com um grupo de espíritos que realiza uma atividade bastante curiosa, o 'tráfico' de energia (ectoplasma). Em sua última encarnação, no século XIII, eram um bando de piratas e viviam do saque e da pilhagem. Ao desencarnarem, no astral, permaneceram com suas atividades e se 'adaptaram' ao ambiente. Passaram a roubar energia de grupos espíritas.

     Possuíam um tipo de garrafa transparente, semelhante ao vidro, onde armazenavam a energia retirada dos grupos mediúnicos, à qual misturavam outros fluídos de baixa vibração a fim de poderem absorver um pouco dessa energia e o restante era 'vendido' ou 'trocado' com entidades trevosas. O líder deles estava tão 'ligado' nesta atividade que quando lhe propus que aceitasse nossa ajuda e lhe disse que ele seria levado a um hospital no astral ele imediatamente pensou que lá poderia obter (roubar) muita energia e pensava em como fariam para manipulá-la.

     Enquanto conversava com este ser incorporado numa das médiuns, um outro ser dançava freneticamente ao redor do grupo mediúnico lançando feitiços sobre nós. Paralisei o ser e continuei o diálogo com o tal líder; como se mostrava reticente e só pensava em 'roubar' nossa energia, já estava a ponto de enviar todos para longe dali, estavam todos sentados de pernas cruzadas no chão ao nosso redor, dentro de uma bolha quando um deles disse a outro médium, num tom meio jocoso:

- Levamos tanto tempo pra te encontrar capitão, e já vai nos mandar embora?

     Indaguei a quem ele se referia e disseram que era comigo. Eu fazia parte daquele bando de piratas e parece que houve alguma 'divergência' de opinião e esse grupo foi degredado. Parece que todos tinham muito medo de mim e disseram que eu era muito mau. O ser que estava incorporado tinha uma espada cravada nas costelas, retiramos e 'curamos' ele, que se impressionou com minha 'magia', assim como os demais. Curamos os demais e todos queriam saber como eu adquirira aquele 'poder'. Por fim, após muita conversa, eles aceitaram nosso auxílio e foram levados pela equipe espiritual.


GELSON CELISTRE

Adotado por uma 'gira'

No atendimento de um rapaz os médiuns viram uma mulher junto dele lhe alisando os cabelos. Disse que ele era seu 'filho' e que cuidava dele desde pequeno. A princípio imaginei que o rapaz era filho dela em outra encarnação e que ela o tinha 'encontrado' encarnado e ficou junto dele. Fiz-lhe algumas perguntas onde pude perceber que este espírito era muito possessivo, ciumento, prepotente e já estava desencarnado há mais de 80 anos.

Pomba-gira

Uma das médiuns percebeu algo a ver com entidades de terreiro na infância dele e questionando a mãe do mesmo, que estava presente fisicamente, ela disse que era frequentadora de terreiros e que ele ainda criança ia junto. Soubemos então que a tal 'mãe' do rapaz na verdade era uma entidade que trabalhava nesse terreiro que a mãe dele frequentava, uma 'gira', e quando o viu lá pela primeira vez, ainda criança, se afeiçoou a ele e o 'adotou' como seu 'filho', tendo estado com ele desde então. Soubemos tbm que em sua última encarnação esta mulher havia perdido um filho da mesma idade em que conheceu este rapaz quando menino e usou ele para 'substituir' o filho que perdeu.

Segundo ela houve uma praga numa aldeia onde morava e várias crianças morreram, entre elas seu filho. Ela disse que demorou vários anos para perceber que estava morta e depois disso procurou por muitos anos tbm pelo filho que havia morrido, sem o encontrar, e isso havia feito ela sofrer muito. Essa entidade afirmava categoricamente que não deixaria o rapaz, que ela era 'filho' dela e que ninguém 'cuidava' melhor dele do que ela. Na verdade ela se irritava pq ele não conseguia mais falar com ela pq quando criança ele a via e escutava, se incomodava por ele gostar da 'comida' de sua mãe verdadeira, não gostava quando alguma moça se aproximava dele, etc.

Foi bastante trabalhosa a doutrinação mas por fim, após muita conversa, mostrei a ela pq ela perdeu aquele fiilho. Numa existência anterior ela havia matado um filho. Ela não aceitou a perda do filho na outra existência, achava-se injustiçada, e por isso nunca o encontrou. Seu ego estava bloqueando aquela lembrança daquela existência onde ela tirou a vida do proprio filho pois isso lhe tiraria a 'razão' para manter-se grudada nesse rapaz. Por fim, abalada com a lembrança dos próprios atos, lhe esclareci sobre alguns fatos e a encaminhamos ao posto de socorro, informando-lhe que lá encontraria aquele ser que foi seu filho pois ele atualmente, com uma aparência jovem, trabalha no posto ligado ao nosso grupo.

Interessante que junto com a mãe deste rapaz, que atendemos antes dele, estava tbm um espírito de uma mulher branca (ela é negra) ligada a ela por meio de um fio, e conversando com esse espirito ela nos relatou que ambas 'combinaram' que ela seria filha dela pq em vida passada ela era senhora de escravos e esta mãe do rapaz era sua escrava e eram muito amigas. Segundo ela, como a mulher ficou viúva, ela não pode nascer e estava ali esperando uma oportunidade para isso, perguntou inclusive se poderia nascer como neta dela. Na verdade o que ocorreu é que ambas combinaram uma coisa que não estava na 'programação reencarnatória' delas. Conversamos com esse espírito e o aconselhamos a se preparar antes de tentar reencarnar. Ela aceitou e foi resgatada junto com os demais, era uma pessoa boa só não sabia o que fazer.


GELSON CELISTRE

Adoradores do demônio

Atendemos uma senhora que reclamava que de uns quatro ou cinco meses atrás a vida dela e da família 'desandou', nada dá certo, brigas, confusão, doenças, etc. Isso coincidiu com um atendimento de apometria a distância que ela solicitou a um centro espírita. Perguntei o motivo dela ter solicitado o tal atendimento e ela disse que não havia nada de errado antes, mas que ela pediu pra ver se 'melhorava'.



Pois bem, o que aconteceu é que o tal atendimento à distância abriu uma frequência de passado dessa mulher onde ela fazia parte de um grupo de pessoas que adorava o demônio, tendo realizado vários sacrifícios humanos para seu 'deus'. Depois de algum tempo parece que enlouqueceram e uma das mulheres que fazia parte do grupo foi sacrificada tbm. Esta mulher estava grávida e eles ofereceram o bebê dela ao demônio, tendo em seguida a matado lentamente e bebido seu sangue (tanto do bebê quanto da mãe).

Estavam junto dessa mulher várias vítimas desses rituais, inclusive essa mulher que fazia parte do grupo e tbm foi sacrificada. Havia um outro tbm , totalmente dementado, que se achava o próprio demônio. Essa mulher encarnada era quem oficiava os ritos, ou seja, era ela quem matava as pessoas. Claro que o ser que eles imaginvam ser 'o' demônio não passava de algum espírito trevoso que se aproveitou da oportunidade para recoloher a energia desse grupo de pessoas perturbadas.

Vejam em que essa criatura se meteu, nesta vida, por conta da ganância. Sim, pq não tinha nada de errado com ela ou a família e ela foi atrás de algum 'trabalho' com a intenção de 'melhorar'. Neste caso a idéia dela era de que a apometria funcionaria mesmo como um 'trabalho', que tiraria alguma 'coisa' ruim que poderia estar impedindo que tivesse mais sucesso material, sem que ela precisasse efetuar qualquer esforço.

Abraços.

GELSON CELISTRE

Obsessão complexa

Atendimento inicial

     Há alguns dias tivemos que fazer um atendimento emergencial para uma mulher, diagnosticada pela medicina convencional com portadora de 'depressão'. A mesma é médium e atua numa casa que, segundo o marido dela, é de 'umbanda branca'. Quando questionamos o que o dirigente do tal centro disse a respeito do caso, o marido relatou que ele apenas disse tratar-se de coisas de 'vidas passadas' e não fizeram nada para ajudá-la.
     Segundo ainda o marido ele já havia tentado 'de tudo', inclusive 'trabalhos' em terreiros de macumba, sendo que às vezes ela saía bem do local mas logo depois voltava ao seu estado doentio. Em alguns locais espíritas chegaram a dizer que não tinha nenhum espirito com ela, que era apenas problemas mentais dela. A mulher apresentava apatia, muito medo, parecia alienada.
     Ultimamente saía de casa sem rumo quando o marido não estava, retornando algumas horas depois sem saber por onde andou e as vezes toda suja de barro, como se tivesse caído no chão. Ela foi trazida pelo marido até nossa residência e não queria nem sair do carro, afirmava que tinha medo e perguntava o que faríamos com ela.
     Quando o marido dela nos relatou os sintomas logo percebemos que se tratava de um caso de obsessão. Com a ajuda de três médiuns do nosso grupo, provocamos a incorporação de um ser que acompanhava a mulher. Na verdade depois verificamos que o primeiro ser que foi percebido junto dela não foi o que incorporou logo em seguida, mesmo assim, com este ser incorporado entramos em casa e comecei a conversar com o tal espírito.
     A mulher que estava no carro mandou o marido 'ver quem era' e 'o que queria', só entrando na casa depois que informamos que se tratava do espírito da mãe dela, que havia falecido há alguns meses, justamente quando se intensificou o estado depressivo da tal mulher.
     O espírito da mãe estava desesperada, griatava que a filha a havia deixado morrer sozinha e que ela estava num local escuro, com pessoas feias, com frio, etc. Estava em profundo sofrimento e afirmava que pensava que se a filha fosse para onde ela estava conseguiria ajuda-la.
     Nós a acalmamos e tratamos dela, encaminhando-a para a equipe espiritual. Logo em seguida provocamos a incorporação do outro ser, que viemos a descobrir ser o 'arquiteto' dessa situção triste. Este ser havia sido casado com a mãe dessa mulher (a que faleceu recentemente) e naquela vida, ele a acusava de ter fugido com a filha dele, tendo-o abandonado. Uma outra médium foi informada pela equipe espiritual que o motivo da fuga foi que ele 'desejava' a filha como mulher e por isso a mãe fugiu quando pôde.
     Para ele esse comportamento era 'normal', ele achava que tinha o 'direito' de possuir a filha. A intenção dele, já que tinha aprisionado a ex-mulher logo que ela passou pro outro lado, era fazer com que essa filha morresse para se vingar dela ter fugido com uma filha sua. Logicamente escolheu essa filha (ela tem várias irmãs) por ela ter mediunidade aflorada e pouco domínio e conhecimento sobre a mediunidade em si.
     Dialogamos com ele, mostramos a aparência que ele tinha agora (ele se achava muito lindo), mostramos como ele ainda iria ficar (deterioração de seu corpo astral), etc. e por fim, após muita conversa, ele aceitou nossa ajuda. Havia vários 'aparelhos' colocados na mulher e ele disse que não sabia como tirar pq foi outro ser que colocou. Este ser tbm estava ali presente e incorporou em outra médium, com o qual dialogamos. Cheio de empáfia, xingava o outro por ser 'fraco'. Ao conversarmos com ele, descobrimos que o mesmo era um cientista das trevas, que fazia experiências com seres humanos encarnados e desencarnados.
     Segundo nossa equipe espiritual informou aos médiuns, ele possuía um laboratório no umbral com muitos seres aprisionados, servindo de cobaias, tanto encarnados como desencarnados. Além disso, ainda supervisionava outros laboratórios onde colocou prepostos seguindo suas instruções. Ela afirmou que quando encarnado foi um famoso geneticista e que continuava com suas experiências no astral.
     Resumindo, disse a ele que iria livrar essa mulher de suas atividades, ao que ele fez pouco caso, aí o informei que iria 'aproveitar' que ele estava ali e iria libertar todas as 'cobaias' que ele mantinha cativas. Aí ele se apavorou pq achou que no máximo libertaríamos essa pobre encarnada.    
     Resgatamos as cobaias e conversamos com ele, sobre as 'punições' que sofreria se voltasse pra la, etc. mas ele se mostrava irredutível. Nesse momento apareceu o espírito de uma mulher que fora mãe dele e que ele utilizara tbm para experimentos macabros no astral, deixando ela sem pernas e toda torta. Ela o incitou a mudar de idéia mas nem isso o comoveu.
     Foi mostrado a ele seu 'superior' que estava muito insatisfeito com o ocorrido mas nem assim ele congitou de não voltar pra lá pois se achava muito competente em seu trabalho, como se fosse indispensável. por fim este ser foi levado por um dos guardiões do nosso grupo, sem ter aceito modificar suas ações. Na casa da mulher havia um sem número de espíritos sofredores e que eram mantidos escravizados no local para manter a vibração baixa.
     Todos foram resgatados, estavam apavorados e alguns até se ajoelharam e choraram quando perceberam que seriam socorridos. Limpamos todo o ambiente. No dia seguinte o marido nos ligou dizendo que ela havia dormido bem e que parecia já outra pessoa.

Segundo atendimento

     Em nossa última reunião fizemos outro atendimento para esta mulher. Estava em condições muito melhores que no outro dia, parecia até outra pessoa, mas ainda tem muito medo e isso facilita a ação de entidades obsessoras. Ela relatou que tem sonhado com um 'bicho' muito feio que a persegue e lhe disse que não era sonho, e sim que quando ela se desdobra no sono normal está sendo perseguida.

Em muitos terreiros há um sincretismo entre a Umbanda e religiões de origem africana,
como o Candomblé, e que se autodenominam de "Umbanda Cruzada". Na prática é apenas para
mascarar para os consulentes as práticas ritualísticas onde se executam trabalhos com a morte de animais e outros.

     Havia duas entidades com ela, por conta de um trabalho onde foi sacrificada uma ovelha, feito provavelmente pelo dirigente de uma casa de 'umbanda cruzada' que ela frequentou durante um tempo, e da qual saiu depois que fez seu primeiro sacrifício, antes de passar a frequentar a tal casa de 'umbanda branca'. Segundo ela no dia seguinte a ter matado um animal na tal casa, que ela fez a contragosto a mando de um 'exu', seu corpo apareceu cheio de feridas.
     Após muita conversa, esses dois espíritos 'optaram' por aceitar nossa oferta de ajuda, mais por temer o que lhes aconteceria por terem sido descobertos e o trabalho desmanchado do que por arrependimento mesmo, mas enfim, é uma oportunidade que tiveram de se redimir e se não a aproveitarem voltarão para onde sua vibração os situa.
     Expliquei algumas coisas a tal mulher e ao marido sobre a necessidade dela trabalhar em algum local sério onde possa exercer a mediunidade com segurança. O marido insistia que o local onde ela frequenta, de 'umbanda branca' era bom, que o dirigente é uma boa pessoa e que seu pai e tbm o avô já eram 'pais de santo', estando portanto na terceira geração a direção do local, que o tal dirigente tem mais de 40 anos de 'umbanda' e tal.
     O marido dessa mulher não se deu conta que se o tal dirigente tivesse um mínimo de contato com a espiritualidade superior lhe teria sido passado a informação de que ela estava sob obsessão complexa, já em estado de subjugação. E tbm se o mesmo tivesse 'conhecimento' saberia distinguir os sintomas que ela apresentava. Tendo o marido perguntado a ele se ela não poderia estar obsidiada este respondeu veementemente que a casa 'dele' era de 'umbanda branca' e que lá não entravam obsessores.
     Perguntei qual entidade ela recebia e ela disse receber uma 'Jurema' e uma outra entidade que não lembro o nome. Pedi que ela pensasse na tal Jurema e usei o pensamento dela para 'puxar' a tal entidade, que incorporou numa médium e dialogou comigo. Questionei pq não avisara a sua 'filha' ou mesmo o dirigente do centro sobre a situação em que ela se encontrava ao que ela respondeu que 'não podia interferir no carma da filha'.
     Percebi logo que a tal entidade não era nenhum ser 'de luz' ou ao menos interessado em ajudar e acabei por dar-lhe uma reprimenda. Logo em seguida foi mostrado aos médiuns que este ser na verdade tinha interesse no marido da mulher atendida (haviam vivido juntos em uma vida passada) e que se comprazia no estado doentio dela pq pensava que por fim o marido a abandonaria. Após 'desmascarmos' essa entidade resolvi dar uma 'olhada' no tal terreiro e enviei os médiuns em desdobramento até lá.
     O que eles viram foi algo que já presenciamos em alguns outros locais, uma nuvem de energia escura cobrindo o local e impedindo que a equipe espiritual ligada à casa consiga chegar até o terreiro. Havia quatro seres postados nos quatro cantos do terreiro, mantidos ali pq o dirigente do local acredita que sejam guardiões 'do bem'.
     Pedi que os médiuns conversassem com a equipe espiritual ligada àquela casa e nos informaram que realmente trabalhavam com a casa desde a época em que o avó do atual dirigente era o encarregado, mas que a vibração da casa mudou muito, alguns médiuns misturando as coisas, muita vaidade, etc. e que não conseguiam chegar no local. Tbm foi-nos dito que o próprio dirigente do local teria que provocar a mudança da energia da casa pois aquelas quatro entidades estavam ali a convite dele.
     Alertamos mais uma vez a tal mulher de que se quizesse voltar a frequentar aquele local deveria se fortalecer emocional e mentalmente, e tbm estudar muito para saber o que ocorre de fato e como se processa o intercâmbio entre o mundo físico e o espiritual, pois senão se veria novamente à mercê de outras entidades de baixa vibração.

Gelson Celistre

Ressonância de 'personalidade' de vida passada na vida atual

No atendimento de uma senhora nos deparamos com um caso de obsessão 'simples'. No passado, na época da inquisição, ela e o atual marido eram bruxos e foram denunciados por uma outra pessoa, uma mulher, que tbm era bruxa. No 'diz que me diz' o casal se deu bem e a outra foi queimada na fogueira. Dialogamos com ela incorporada numa das médiun e, com o auxílio do espírito que fora companheiro dela naquela existência, ela por fim cedeu às nossa rogativas e aceitou ajuda, tendo sido 'encaminhada'.

Uma outra médium esteava sentindo uma certa angústia e a sensação de 'choro represado' na consulente. Ao averiguarmos foi visto então junto dela uma menina de uns 8/9 anos aproximadamente, muito assustada e que havia sido morta com aquela idade. Pedi a uma das médiuns que observasse se dessa menina saía algum 'fio' ligando-a à consulente, ao que a médium percebeu um fio tênue, que ela achou parecido com um fio de teia de aranha, ligando a menina à consulente. Confirmamos então que a menina era uma projeção da consciência da consulente, se aprensentando com a 'aparência' que teve numa vida passada, quando morrera muito jovem.

O que aconteceu é que essa menina assitiu a uma cerimônia de sacrifício humano realizada numa caverna, possivelmente de uma antiga mina, onde pessoas influentes na comunidade dela sacrificavam mulheres jovens num ritual. Uma das médiuns viu a cena em detalhes, o que lhe chocou um pouco devido a antigas recordações de seu próprio passado, onde a jovem sacrificada estava deitada num altar de pedra e tinha seus pulsos cortados para retirada do sangue, que era bebido pelos participantes do ritual, todos com mantos com capuz, e partes do corpo da jovem eram cortados e eles comiam, isso ainda com ela viva. Por fim abriam o peito da jovem e cravavam um punhal no coração da mesma. Após isso o corpo era cremado.

A consulente, naquela existência uma jovem menina ainda, desobedeceu as ordens de sua mãe (a família dela tbm participava dos rituais) e foi espionar o que faziam na tal caverna, tendo sido descoberta e morta. Havia ainda vários espiritos das jovens sacrificadas presas a este local do astral, em estado de profundo sofrimento e demência pois elas morriam e permaneciam no local, assistindo o sacrifício de outras jovens. Todas foram adormecidas e resgatadas e o local foi destruído.

O que ocorre é que devido à situação atual em que ela se encontra, enfrentando problemas financeiros e de saúde de seu esposo, seu sentimento de angústia despertou em seu inconsciente as lembranças daquela vida onde ela viveu momentos angustiantes quando assistiu a cena do sacrifício, onde queria chorar mas não podia por temer ser descoberta. Some-se a isso o fato dela ter sido bruxa em existências anteriores e tbm que o marido atualmente recorreu a um 'trabalho', regado a sangue de um animal de quatro patas, para tentar reverter a má situação financeira, estando sendo 'cobrado' por entidades do terreiro onde contratou o tal trabalho, além de outras entidades de seu passado meio 'tenebroso', situação que resolvemos parcialmente com o 'resgate' da entidade que diriga o tal terreiro no astral, mas que vai depender em muito da 'reforma íntima' do cidadão em questão.

Então vemos que houve um conjunto de fatores que propiciou a ressonância da consulente com uma vida passada dela mesma, onde ela aprendeu uma dura lição que foi a responsável por ela ter 'mudado de vida' pois daquela vida em diante ela não mais atuou com magia negra. Uma das médiuns se perguntou qual seria a utilidade daquela criança ter presenciado aquela cena naquela vida passada, tendo vindo a morrer em consequência disso inclusive, e foi lhe dito que era justamente para que ela tivesse aquela conscientização. O que ocorreu naquela existência da consulente foi o resgate na carne de atos dela mesmo em outras vidas passadas, onde ela participava desse mesmo tipo de ritual.

Não foi mostrado aos médiuns como ela morreu mas é provável que tenha sido sacrificada tbm. Nesse caso não houve nenhum tipo de 'doutrinação' da 'personalidade' de vida passada da consulente pois a própria consulente naquela existência, depois de 'morrer', se conscientizou da finalidade de passar por aquilo. Essa dissociação da personalidade da consulente provavelmente foi provocada pela equipe espiritual para que pudessemos acessar aquela frequência de passado e resgatar os espíritos em sofrimento que ainda viviam naquela situação, pois apesar dela ter 'despertado' em seu inconsciente a ligação com aqueles fatos, o 'momento' que ela viveu naquela existência não estava influenciando-a por si só, mas mais por conta dela ter se conectado com aquele grupo de espiritos sofredores.

Notem que essa 'personalidade' de passado dela não tem 'vida própria', é apenas uma projeção de sua consciência atual que assume a forma de outrora pq estava ligada a fatos carregados ainda de muita energia, em virtude do bolsão de espíritos sofredores, e é provável que se não houvesse esses espíritos e o local ainda plasmado no astral essa ressonância se manifestaria apenas pela intensificação da angústia, e talvez fosse perceida pelos médiuns como uma cena de vida passada, mas sem a 'projeção' da 'persona' com tal intensidade, a ponto de arrojar de si uma porção de matéria etérico-astral capaz de 'recriar' o corpo de outrora, inclusive com suas características psíquicas.

Abraços.

GELSON CELISTRE


Reorganização mnemônica

Percebi uma energia muito 'pesada' com um moça que trabalha comigo. Como não era a primeira vez que sentia isso quando ela se aproximava,. pedi a uma amiga médium que tbm trabalha no mesmo andar para 'dar uma olhada' na situação. Junto de mim estava o espírito de uma mulher, vestida de cigana, e que se dizia amida da tal moça, afirmando que não fazia mal a ela e que iriam sair para dançar mais tarde, ela e a jovem encarnada (a moça iria numa 'balada').

Conversamos um pouco e comandei uma regressão nesse espírito para ver qual a ligação dela com a jovem. Em uma vida passada este espírito fora mãe da moça, que foi violentada pelo pai quando criança. Ela disse que se 'vestia' assim, como cigana, para que 'ele' não a reconhecesse, pois ele estava por ali atrás delas e ela tentava proteger a sua 'filha'. Como ela se emocionou quando descobrimos a situção eu a tranquilizei dizendo que não precisava temer se afastar da moça pq nós a protegeríamos, inclusive garantindo a ela que eu 'cuidaria' da moça. Ela se tranquilizou (tbm lhe aplicamos passes) e foi encaminhada.

Logo em seguida, promovemos a incorporação do seu antigo companheiro, que estava junto da moça (a energia 'pesada' era dele) passamos a dialogar. Ele disse que 'precisava terminar o que tinha começado' e insistia em 'possuir' a tal moça, que fora sua filha em vida passada. Afirmou que a mãe da menina era uma 'vagabunda' e que a criança não era sua filha, por isso a odiava. Após trocarmos algumas palavras sintonizamos ele com seu 'futuro' a fim de lhe mostrar a 'direção' que estava seguindo e comandamos uma regressão para que ele visse outra situação onde se relacionara com a jovem. Ele viu então que ela havia sido sua mãe em uma outra vida e isso o perturbou muito pois passou a vê-la com a aparência de mãe enquanto a tinha vioalado. O ser ficou muito perturbado com essa situação e dizia consternado que não queria mais ver aquilo, que não aguentava isso.

Aproveitamos a situação para direcionar os esforços desse irmão no sentido da recuperação e lhe perguntamos se ele gostaria de recomeçar, esquecendo esses fatos desgradáveis e, tendo ele consentido, comandamos o 'apagamento' desses fatos de seua memória recente e o fizemos adormecer, a fim de ser levado para o posto de atendimento no astral, de onde seria preparado para a sua próxima reencarnação.
Temos usado habitualmente, quando o espirito consente, o 'apagamento' de sua memória ou 'reorganização mnemônica'.

A técnica é simples e consiste em se comandar o esquecimento de fatos, sentimentos, pessoas, etc. que estejam causando perturbação no ser. Um ferrenho obsessor que não consegue deixar de pensar em determinada pessoa com a qual possui ligações emocionais fortes e desarmônicas, um alcóolatra que não consegue se livrar do vício do álcool, etc. , são exemplos de casos que já tratamos com essa técnica e que apresentaram resultados positivos. É preciso lembrar que este 'apagamento' da memória é algo temporário e que na verdade é uma espécie de 'ocultamento' no inconsciente do ser daqueles fatos pois a memória é um patrimônio do ser e ninguém consegue realmente apagá-la.

Quando estamos atuando no grupo apométrico nossa energia se potencializa por estarmos ligados na 'corrente' e as sugestões e comandos que emitirmos precisam ser bem pensados pois até uma ordem mental ou pensamento nosso pode ser captada pelo espirito que está sendo atendido e ele pode 'receber' isso como um 'comando' ou uma ordem que ele precisa obedecer. Por isto os membros do grupo precisam estar todos focados no atendimento e 'vigiando' seus pensamentos. Sabemos que o ser atendido vai receber exatamente aquilo que ele merece mas no caso de 'emitirmos' algum comando que lhe causa mal poderemos, dependendo do que tivermos pensado, estar criando um carma negativo para nós mesmos.

Abraços.

GELSON CELISTRE

Pacto de sangue

    Atendemos um casal cuja mulher é 'mãe-de-santo' de culto de nação há décadas, sendo que o marido tbm é da mesma religião. Nos procuraram pq queriam saber pq vivem brigando mas não conseguem se separar (já devem estar na casa dos 60 anos). No ambiente, fora duas entidades 'guardiãs' que vieram com o casal (um 'exu' e uma 'gira' - quiumbas) havia ligado a eles vários espíritos sofredores acorrentados e uma 'feiticeira', além de um outro ser que fora irmã do homem em vida passada.

     A história desse grupo é a seguinte. Em vida passada os dois pertenciam a famílias de classes sociais diferentes, o rapaz de família extremamente pobre e a moça de família muito rica. A família do rapaz era tão pobre que a mãe dele fazia 'sopa' com grama e pregos 'cor de laranja' para eles não morrerem de fome. O espírito da menina nos relatou através da psicofonia de uma das médiuns o seguinte: que a mãe dela criou uma 'brincadeira' para ela que consistia em fingir que aquilo que comiam não era capim e pregos e sim sopa de galinha, sendo os tais pregos as coxas.
     Bem, o pai da moça era contra a união dos dois e eles, temerários de não conseguirem ficar juntos, procuraram uma feiticeira, a fim de fazerem um feitiço, um pacto, que os mantivesse unidos 'por toda a eternidade'. A feiticeira concordou e organizou um ritual onde eles fizeram sexo e 'misturaram seu sangue'. A menina, então com a idade de 5 anos, acabou presenciando o ritual e, para que ninguem soubesse, seu irmão a fez prometer que não contaria a sua mãe, invocando a 'brincadeira' que a mãe ensinara à menina, dizendo que ela deveria 'fazer de conta' que o que vira era outra coisa.
     A menina ficou meio perturbada com o que presenciara mas como prometeu ao irmão não contar nada para a mãe, resolveu contar ao pai da moça. O que se sucedeu depois foi que o pai da moça mandou matar toda a família do rapaz. Ele foi enforcado e essa menina degolada. Ela disse que ele estava pendurado 'dormindo' numa árvore. A situação estava embaralhada na mente dela e a fizemos lembrar um pouco dos fatos para clarear. A moça a acusava de ter matado o irmão mas ela não entendia bem pq achava que ele estava pendurado dormindo. O que ela 'lembrava' é que depois que viu o irmão pendurado e a moça a acusou ela saiu correndo pelo campo arrancando os próprios cabelos, na verdade provavelmente já estava 'morta' quando isso ocorreu.
     Ainda tem uma outra faceta dessa história que é o pagamento pelo tal pacto, que deveria seria o primogênito do casal. O primeiro filho deles deveria ser entreque à feiticeira. A princípio imaginamos que o mesmo seria sacrificado para algum ser trevoso mas a situação era bem mais complexa. Um dos seres trevosos que auxiliava a tal feiticeira no astral queria reencarnar e o ritual que ela montou era justamente para que este ser viesse a habitar no filho do casal. Como naquela oportunidade ela não conseguiu ter o filho pq foi abortado, provavelmente por ordem do pai, aquele grupo intentou novamente promover a reencarnação do 'ser trevoso' num dos filhos que essa mulher teve nessa vida mas, como da outra vez, ocorreu um aborto (dessa vez creio que por iniciativa dela mesma) e o ser não pode 'nascer'.
     Ainda apareceu o 'pai da moça' esbravejando se teria que 'matar ele novamente' mas conversamos com ele e por que por fim acabou aceitando se 'regenerar'. O desfecho foi o seguinte: a menina socorrida, o pai da moça doutrinado e vários outros seres que estavam ligados ao casal aprisionados e em sofrimento libertados e resgatados. A tal feiticeira foi solta e o casal saiu, acompanhado da 'dupla' que veio com eles, sabendo o motivo de suas desavenças, e tendo sido orientados a um perdoar o outro a fim de tentarem viver melhor.
     É um casal que já nasceu bastante 'endividado' carmicamente e que está agravando sua situação pela prática de atos de magia negra, ainda ligados a entidades trevosas. Não tem muito o que fazer por eles e nesse caso, como na maioria, os maiores beneficiados são as entidades desencarnadas ligadas a eles.

Gelson Celistre

Dissociação da consciência e 'parto no astral'

Atendemos uma mulher que nesta vida não pode ter filhos, tendo inclusive já retirado o útero numa cirurgia, e nos deparamos com sua consciência 'dissociada' e chorando muito. Ela se apresentava com a aparência que tinha em uma existência onde ela fora 'aborteira', ou seja, fazia abortos para quem a procurava. Havia um espírito de uma mulher lhe obsidiando que tinha ligação daquela encarnação, além de vários outros seres que foram abortados e que não aceitaram a situação, permanecendo no astral em estado 'fetal'.

Esta mulher lhe cobrava que ela tinha matado seus filhos, disse que ela procurou a mulher para ter os filhos e que ela os matou mas o que ocorreu na verdade foi outra situação. Esta mulher a procurara para abortar, mas não sabia que estava esperando trigêmeos. A 'aborteira' só 'viu' dois fetos e os retirou, sem perceber que no procedimento havia tbm 'matado' ou terceiro feto, que ficou no ventre da mulher, que veio a falecer algum tempo depois por conta da infecção que se originou do feto morto em seu útero.
Só que este ser não aceitou a rejeição e permaneceu 'dentro' dela ainda no astral depois que ela morreu.

Investigamos o passado deles dois e vimos que ela já o abortara numa vida anterior pq em uma vida anterior ainda ele fora seu pai e a espancara até ela abortar um bebê que estava esperando. O sentimento de ódio foi tão grande que nas existências seguintes ela não conseguia dar-lhe a vida. Ela não tinha nenhum sentimento de amor pela criança e estava revoltada por sentir ainda dentro de si aquele ser. A equipe espiritual de 'médicos' fez então um parto (exatamente como se a mulher estivesse encarnada, ou seja, saiu pela vagina) na entidade enquanto ela estava incorporada e retirou o pequeno ser, que foi levado junto com os demais para uma maternidade no astral.

A consulente que nos procurou continuava a chorar copiosamente com sua consciência desdobrada, só que não era de remorso ou arrependimento pelo que ela havia feito no passado, mas pq não aceitava nesta vida que estivesse sendo 'castigada' pelo que fez numa vida passada.
Conversamos com ela a fim de tentar fazê-la entender e aceitar a situação e a equipe espiritual tbm, lhe aplicando passes inclusive, a fim de que se acalmasse, para posteriormente efetuar a 'reintegração' dela ao seu corpo físico.

Notem que novamente a dissociação da consciência aparece quando ligada a um bolsão de espíritos sofredores, os fetos abortados e a outra mulher, que é o que provocava o desdobramento da consulente e sua 'modelagem' astral na antiga aparência, juntamente com o fato dela não aceitar a justiça divina e se revoltar pela sua condição atual de não poder ser mãe. Já havíamos atendido ela há alguns meses e apareceram outras situações onde ela era prostituta e tbm fizera inúmeros abortos. Como nos diz Ramatis em seus livros, a semeadura é livre mas a colheita é obrigatória.

Abraço.

GELSON CELISTRE

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Profissão: Terapeuta

     Atendimento de uma mulher que trabalha com terapeuta (reiki, floral, numerologia, radiestesia, etc.) há cerca de nove anos, segundo nos informou. Estava com dificuldades na vida, pouca procura pelo seu trabalho, dificuldade de recolocação no mercado, etc. Tinha sensação de 'inchaço' no corpo todo, como se estivesse 'estufada'.



     Logo que sintonizou com a consulente uma das médiuns incorporou um espírito feminino, que afirmou estar junto dela há três anos, tendo ido parar junto dela pq sua sobrinha (encarnada) a procurou para algum tipo de consulta, disse ter ficado junto dela pq achou que ela a encaminharia para algum lugar. Uma vez esclarecido este espírito, logo se manifestou outro na mesma médium.
     Este segundo ser afirmava que ela era 'metida', que 'a casa era dele' e que não iria sair. Conversando com ele soubemos que um casal de pessoas (encarnadas) mudara-se para a casa onde ele morava quando vivo e que este passou a 'assombrá-la' na tentativa de afugentar os 'invasores'. Na realidade a casa deste homem já havia sido demolida e construíram outra no local, mas ele a enxergava da maneira que era quando ele era vivo.      A consulente, em sua atividade de 'terapeuta', nos relatou que há alguns anos atrás fazia este tipo de trabalho de 'limpeza' em residências. Este homem havia morrido em 1928. Dialogamos com ele, perguntamos sobre seus familiares, e logo ele percebeu no ambiente a esposa, tendo aceitado ir embora com ela com certa relutância.
     Uma terceira entidade se manifestou em outro médim, gargalhando ruidosamente. Era um ser da linha 'africana', manifestando trejeitos de exu. Mandei ele parar com o 'teatrinho' pq ninguém ali se impressionava com essas coisas e pedi que dissesse logo qual sua ligação com a consulente. Outra médium captou (inclusive o cheiro) de um cadáver em decomposição, com a cabeça partida. 
     Juntamos as peças e descobrimos que em uma vida passada a tal entidade 'africana' era 'pai-de-santo' de um terreiro de macumba, sendo a nossa consulente uma de suas 'filhas'. Tendo ele se apaixonado por ela e não sendo correspondido, recorreu a tudo quanto foi feitiço para conquistá-la, e não obtendo sucesso, decidiu fazer um trabalho para 'acabar' com ela. Foi a um cemitério e profanou um túmulo, abrindo a cabeça de um cadáver em decomposição, fazendo com ele um feitiço. Naquela existência a consulente veio a falecer de uma doença, possivelmente fruto do tal trabalho mesmo, uma vez que ela era já comprometida com esse tipo de atividade.
     Uma vez desencarnado, o tal pai-de-santo percebeu que 'grudado' a ele estava o espírito que habitara o corpo daquele cadáver que ele profanou. Este espírito era um tanto perverso e enquanto conversávamos dois dos nossos exus (guardiões) se posicionaram ao lado dele. Por fim, após conversarmos com o ex pai-de-santo, o ajudamos a 'esquecer' seu antigo amor pela consulente para ele poder começar uma nova etapa em sua jornada evolutiva. O outro espírito, que teve seu cadáver profanado, tbm foi socorrido e encaminhado ao hospital do astral.
     Logo em seguida as médiuns captaram uma outra situação. Uma moça que caíra numa vala de trincheira da 2ª Guerra Mundial, sendo observada por outras duas que nada puderam fazer para ajudá-la. Uma dessas duas era a consulente, que naquela existência, provavelmente a sua existência anterior a vida atual, contrariando as ordens de seus pais convidou as amigas para brincarem naquele local, inclusive insistindo ante a recusa das amigas. A jovem que caiu na vala quebrou o pescoço e as pernas, tendo morrido rapidamente.
     Resgatamos a moça mas a cena continuava a aparecer, então averiguando uma das médiuns percebeu que haviam sido cavado túneis ligados àquelas trincheiras, provavelmente para proteção contra ataques aéreos, e que muitas pessoas haviam padecido ali, soterradas por desabamentos durante os bombardeios. Somente após o resgate destas pessoas conseguimos 'desmanchar' este sítio do astral.
     Verificar onde a consulente 'andava' quando sevdesdobrada e então uma das médiuns viu uma cena onde 13 bruxas formando um círculo dentro de um galpão de madeira, observavam uma fogueira ao centro, onde uma mulher estava sendo queimada. Esta mulher era a consulente.
    A líder do grupo de bruxas percebeu que estava sendo observada pela médium e se dirigiu enfurecida ao grupo. Tendo incorporado nesta mesma médium, conversamos um pouco, tendo ela me dito que desencarnara no século XVI. Ela questionava nosso direito de interferir no ritual da sua 'irmandade', pois todas que estavam ali se afinizavam, etc. Perguntei o nome da irmandade e ela disse que se chamavam de 'Valentinas' e que todos os anos no dia 13 de outubro uma delas era queimada em honra ao seu deus. 
     Indaguei como era o 'sorteio' e ela disse que ela era 'comunicada' pelo 'alto' de quem deveria ser. Logicamente nunca era ela que devia ser queimada. As outras 12 bruxas tbm estavam todas desencarnadas mas só estavam ali por medo desta bruxa que conversava comigo. Ofereci 'asilo' e proteção contra a tal bruxa e todas aas outras aceitaram. Após conversar mais um pouco com ela apaguei sua memória para que fosse tratada e mais facilmente reconduzida ao processo reencarnatório.
     A médium que incorporou a bruxa 'líder' já as havia visto duas noites antes quando, em sonho, foi levada àquele local. Quando acordou imaginou que se tratava de alguma lembrança de uma vida passada sua e de outra médium pois não sabia que era relativo ao atendimento que faria dias depois. Somente na hora do atendimento é que percebeu que seu sonho era já parte do atendimento que estávamos realizando.
     Para finalizar, os médiums perceberam a consulente meio 'inchada' no astral e então a médium lembrou que em seu sonho ela fazia uma espécie de massagem no tronco da consulente, apertando-o, e dele saíam gases, como uma névoa acinzentada.
     Pedi que ela repetisse o ato e ela o fez mentalmente. Então ela e outra médium viram a tal névoa saindo de dentro da consulente e perceberam que se tratava de um ser. Perguntei à consulente se ela já havia feito algum aborto e ela disse que sofrera um aborto espontâneo aos dois meses de gestação, há mais de vinte anos. Era este ser que estava 'dentro' dela. Demos uma breve olhada e vimos que este ser fora mãe dela em uma vida anterior e depois o encaminhamos para a equipe espiritual.
     Ser terapeuta não é uma atividade para qualquer um. Não basta ler algumas apostilas e encher a sala com bonequinhos de anjos, cristais, pêndulos, mandalas, figuras de 'mestres', etc. É preciso que se tenha algum conhecimento da realidade astral e uma intenção verdadeira de ser um instrumento do Criador no auxílio aos seus companheiros de jornada, para assim angariar o auxílio dos bons espíritos, ter ética e responsabilidade, não prometendo aquilo que não pode cumprir, pois ninguém está acima da Lei.

Gelson Celistre