sexta-feira, 29 de abril de 2011

A rainha

Durante a reunião os médiuns perceberam a presença de um espírito feminino, com muita raiva e arrogância. Ele se autoproclamava "rainha" e estava "ordenando" que nossas reuniões terminassem de uma vez por todas, pois ela não admitia mais que nós continuássemos a invadir seus domínios.


Ela disse que não veio só, que havia vários dos seus junto dela para lhe dar suporte. Estou acostumado a conversar com seres trevosos mas essa me parecia mais louca do que perigosa. Segundo ela nós destruímos vários laboratórios e resgatamos os servos dela, e ela já estava cheia disso. Fizeram uma reunião e ela recebeu todo o apoio para vir até nós e acabar de vez com isso.

Eu perguntei a ela onde estavam esses seres que a estavam apoiando e ela então começou a chorar pq viu que os tais seres são da equipe do nosso hospital Foi repassada para uma das médiuns a informação de que os tais seres que estavam com ela e que decidiram na tal reunião que ela viesse até nós com sua "reivindicação" são espíritos que já foram resgatados por nós em outros atendimentos e que agora estão trabalhando em nosso posto no astral. Estes espíritos eram do mesmo grupo que essa "rainha" e planejaram isso para que ela viesse até nós.

Seria ilógico todo esse trabalho para resgatar um espírito que, pelo estado mental, poderia ser facilmente adormecido e transportado para o posto por algum trabalhador de lá. Mas assim como as entidades trevosas usam pessoas ligadas a nós para nos acessar, nós tbm usamos os espíritos que chegam a nós para acessar outros ligados a eles. O forte cheiro nauseante e a presença de um saco cheio de fetos no ambiente, que veio na esteira vibratória da "rainha", me mostrou qual a intenção real dessa visita da nobreza em nosso grupo.

Ligado a esse saco de fetos havia um outro espírito feminino (que tem ligação cármica com a "rainha") e mais uma grande quantidade de fetos em uma localidade umbralina. Esse local no astral está ligado a uma clínica de abortos aqui no plano físico.

Os médiuns viram o local, que fica situado numa grande cidade de nosso país, e que atende pessoas das classes sociais mais abastadas economicamente. Meninas de 13/14 anos que engravidam e que são levadas a essa clínica para que as famílias não passem por nenhum constrangimento social e tbm para "não prejudicar o futuro delas". Enfim, não nos compete julgar os motivos de quem opta por esta solução, o aborto, mas compete a nós envidar esforços para que este tipo de "serviço" não esteja disponível para quem, às vezes numa situação de desespero, não sabe o que fazer ou não pensa adequadamente nas consequências, e opta por isso.

Foram mostradas algumas meninas que fizeram aborto na tal clínica, algums eventualmente morrem, e tentamos incutir na mente delas que denunciem às autoridades a existência dessa clínica. Muitas meninas não querem abortar mas são forçadas pelos pais. Foi mostrado tbm aos médiuns que muitas pessoas que levaram seus filhos nessa clínica são pessoas a quem, socialmente, compete a fiscalização e combate a este tipo de negócio. Parece que na tal cidade pessoas da alta roda e autoridades fazem "vista grossa" para a existência da tal clínica, justamente pq muitos deles já utilizaram os serviços da mesma e pq algum conhecido pode vir a precisar.

 Abraço.

Gelson Celistre

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Escuta clandestina

No dia na nossa reunião, cerca de meia hora antes do início, recebo uma ligação em meu celular de uma pessoa com a qual fiz um curso de hipnose há alguns anos, aliás um excelente hipnólogo. O curioso é que nos conhecemos no dia do curso e depois disso nunca mais nos falamos, ele mora em outro estado e cada um de nós tem suas ocupações. Mas justo no dia da minha reunião, ele me liga falando sobre apometria, disse que estava vendo meu blog na internet e conversamos um pouco sobre o assunto.
Como já diziam nossos avós, para bom entendedor meia palavra basta. Após os atendimentos da noite, comuniquei o fato aos médiuns e pedi que verificassem se algum ser não havia aproveitado o telefonema para introduzir alguma energia ou aparato no ambiente.

O primeiro médium que sintonizou com a situação sentiu como se lhe houvessem cravado um objeto pontiagudo na nuca. Em seguida outro médium sentiu um ataque tbm e nos avisou que todos no grupo estavam sofrendo algum tipo de ataque tbm.

Um dos médiuns viu então em meu ouvido um aparelho de escuta, como se fosse um aparelho para surdez, mas menor. Rastreando o sinal encontramos um mago sentado no chão, dentro de um círculo feito com cinzas. Imediatamente o trouxemos até nós e ele ficou meio perplexo pois achou que estava protegido em seu círculo mágico e tbm que ninguém o localizaria por conta da escuta clandestina ter sido introduzida através da pessoa que me ligou.

Ele me conheceu em uma vida passada, há muito tempo, numa época em que eu ainda vagava pelas trevas, e era um mago mais poderoso do que eu, pelo menos ele pensava isso pois disse que se eu "tinha ganhado tudo isso" ele deveria ganhar muito mais. Não sei exatamente o que ele acha que eu ganhei pois tudo que tenho de material foi conquistado com muito esforço e o que tenho de intelectual com muito estudo, não me deram nada de graça, mas enfim, prendemos a criatura e fomos atrás de quem forneceu o aparelho de escuta pra ele pois percebi que ele não tinha conhecimento técnico para criar esse tipo de aparelho.

Assim como esse ser achava que estava usando a pessoa que me ligou, outro ser estava usando ele. Encontramos esse ser numa grande comunidade umbralina, uma cidadela, onde havia uma espécie de fonte onde os habitantes do local vinham buscar um líquido, que funcionava para eles como se fosse água, e que era preparado com substâncias para os manter escravizados a ele. Prendemos todos e "elevamos" a tal cidadela, envolvendo ela numa bolha energética e a transportando para outra dimensão vibratória, para que nossa equipe pudesse trabalhar melhor com os seres que estavam ali e encaminhá-los para outros locais.

O tal mago que foi usado para introduzir a escuta clandestina através da pessoa que nos ligou, tinha com essa pessoa fortes ligações de outras vidas. Captamos uma delas, onde essa pessoa foi psiquiatra em uma clínica e numa ala psiquiátrica de um presídio. Naquela existência ela agia de maneira muito anti-ética e se complicou muito karmicamente. Entre outras coisas, ele recebia pessoas sadias mentalmente e as enlouquecia, mediante pagamento da parte interessada; os pacientes indigentes ele matava pq não dariam lucro, apenas trabalho; as mulheres pacientes eram violentadas sexualmente, etc. Nessa frequência no astral resgatamos mais uma grande quantidade de espíritos, bem como no presídio onde ele trabalhava e onde agia de modo similar.

Este tipo de expediente é muito comum. Quando um ser não consegue acesso direto a nós ou teme um confronto direto, usa de outras pessoas, encarnadas ou desencarnadas, que possuam alguma ligação conosco para nos acessar.

Abraço.

Gelson Celistre.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

A tela etérica

     A "tela etérica" é uma espécie de malha magnética que se situa entre o corpo etérico e o corpo astral e que atua como uma espécie de filtro de energias entre a dimensão astral e a dimensão física. É como se fosse uma roupa dessas de mergulho, que ficam bem justas no corpo. Na prática é o que nos impede de perceber o mundo espiritual, ver ou falar com os espíritos que estão à nossa volta.


     Em épocas passadas a humanidade tinha esse filtro muito permeável, o que permitia que tivessem um contato praticamente permanente com o mundo espiritual, isso na época da Atlântida, e em função do mau uso dessa propriedade da tela etérica, ou dessa capacidade de intercâmbio com as energias do mundo astral, por determinação das entidades que regulam o desenvolvimento dos espíritos que estagiam aqui na Terra, esse filtro se tornou uma barreira a nos limitar o contato com os espíritos e a dimensão espiritual (vide o livro Umbanda essa desconhecida, de Roger Feraudy).
     As pessoas que possuem mediunidade, ou seja, uma maior capacidade de intercâmbio de energias com a dimensão astral, conseguem isso devido à maior permeabilidade de sua tela etérica, em função de karma acumulado, geralmente devido à magia negra em vidas passadas. Significa que a mediunidade não é um dom (pelo menos em 99,9% dos médiuns) e sim o resultado de rasgos ou rombos na tela etérica do indivíduo, isto é, a mediunidade é um efeito kármico.
     Essa tela é muito sensível e pode ser danificada pelo uso de substâncias tóxicas como álcool, fumo, drogas, chás alucinógenos, remédios para depressão, etc., assassinatos, crises emocionais muito fortes (ataques de ira, pânico, traumas, etc.). O uso de drogas faz com que essa tela ou malha se rompa, criando rasgos, furos, rombos, por onde a pessoa passa a perceber, sentir, as energias do mundo espiritual, sem no entanto ter consciêcia ou controle sobre isso.
     As alucinações e sensações que os drogados sentem são fruto desses estragos na tela etérica que acabam provocando um tipo de mediunidade na pessoa que com o tempo de uso vai além dos momentos em que a droga é utilizada .
     O consulente que motivou este relato é usuário de drogas há muitos anos, nos procurou por achar que uma mulher com quem teve uma filha fez algum "trabalho" pra ele. Foi inclusive num cidadão que é "espírita" e que lhe disse isso. Esse cidadão tbm dise que havia tirado do consulente três espíritos que estavam com ele, o que achamos muito difícil de crer, mas enfim, verificamos que ainda haviam muitos seres acompanhando o consulente.
     O primeiro espirito que se manifestou era uma "gira". Gira neste caso é um espírito feminino que tem como ocupação principal no astral a atividade sexual promiscua; são espíritos que utilizam o sexo com encarnados como forma principal de obtenção de energias densas. São muito usados para vampirização e obsessão pois se ligam facilmente aos seus alvos. Tbm são usados como "ponte" para que uma outra entidade utilize de alguma forma o alvo da obsessão ou vampirização, sem agir diretamente, para não ser descoberta ou pq no momento não consegue acesso ao alvo.
     Essa gira é amiga da tal mulher com quem o consulente tem uma filha e elas fizeram um pacto onde uma sempre está desencarnada quando a outra está encarnada, e elas já vem conseguindo isso há várias vidas. Já foram bruxas e feiticeiras em várias vidas passadas. Numa delas inclusive o consulente foi aprendiz e amante das duas, mas depois que aprendeu o que queria as abandonou e iniciou sua carreira solo como feiticeiro. Elas não gostaram disso e o mataram, depois esquartejaram o corpo e fizeram feitiços com os pedaços, entre outras coisas. Mas antes de ser morto ele teve tempo de fazer muita magia negra naquela vida e se complicou muito karmicamente. A gira foi retirada.
     Essa filha do consulente tem algum problema fisiológico na garganta. Isso se deve em parte pq quando estava no útero ela via a mãe atacando o pai em desdobramento e tentava falar pra ele, sendo que a mãe tapava sua boca e não permitia (no astral). A menina tbm tem um problema num dos pés, nasceu torto, pq em uma vida passada teve o pé cortado quando tentava fugir de alguém. Todos possuem fortes ligações de vidas passadas.
     O consulente tbm em desdobramento estava com uma coleira no pescoço, através da qual um outro espírito o perturbava. Era um irmão de uma outra vida. Naquela existência esse irmão saiu do interior para morar numa cidade mais povoada e obteve algum sucesso como comerciante. Era uns vinte anos mais velho que o consulente naquela vida. Quando o consulente se tornou um rapaz foi morar com o irnão na cidade grande para estudar.
    Esse irmão tinha uma filha que estava noiva do filho de um importante comerciante local e que era parceiro de negócios dele. O consulente então seduziu a moça, que era sobrinha dele, e fugiu com ela. A mãe desesperada com o ocorrido se suicidou de vergonha. Algum tempo depois o consulente deu uma surra na mulher (sua sobrinha) e a deixou de madrugada na casa do pai, toda marcada da surra. O pai do noivo traído cortou relações financeiras com o irmão do consulente, que quase faliu.
     Este espírito, o irmão do consulente, já teve várias reencarnações depois daquela vida, mas quando encontrou o consulente encarnado na vida atual acabou relembrando estes fatos e passou a obsidiá-lo, por vingança. Conversamos um pouco e nossa equipe espiritual localizou uma mulher que foi esposa desse espírito em sua última existência antes do desencarne, uma vida onde ele era taxista. Ele foi com a mulher.
     Eu havia perguntado a ele como encontrou o consulente na vida atual e ele disse que foi por acaso, que nem o estava procurando pq não lembrava daquela vida. Um outro espírito o convidou para ir num local onde estava "cheio de gente" (espíritos) e onde eles poderiam ficar; este local era a casa do consulente. Devido aos atos cometidos por ele em vidas passadas, muitos ligados à magia negra, e principalmente devido ao fato dele ser usuário de drogas, no ambiente astral da casa havia mais de uma centena de espíritos vivendo. No chão da residência havia uma camada de sangue, grupos de espíritos fazendo giras de candomblé e mais um monte vivendo dos dejetos etéricos do consulente e dos demais espíritos que estavam no local, todos vivendo numa promiscuidade energética degradante.
     Efetuamos a limpeza do local e recolhemos esses mais de cem espíritos ligados ao consulente e, por consequência, à sua família. A tela etérica do consulente estava, literalmente, virada num farrapo. Na região do tórax havia vários buracos; nas pernas não chegava ao joelho e nos braços terminava antes dos cotovelos. Esta falta de isolamento do mundo astral permite que a pessoa seja facilmente vampirizada por entidades de baixa vibração.
     Quando o consulente se desdobra, e não é só nos momentos que usa drogas, ele vai para um local umbralino lamacento, juntamente com vários outros usuários de drogas, e lá um ser trevoso os vampiriza, sugando suas energias e os infectando com seus fluídos densos. Prendemos esse ser e enviamos os drogados que estavam lá de volta para seus corpos. Nestes casos pouco ou quase nada se pode fazer pq o usuário não quer parar, ele acha que não está prejudicando ninguém além dele mesmo e não encara seu vício como algo realmente nocivo. Somente quando o usuário percebe que está fazendo mal a si e aos familiares e decide parar é que se obtem algum resultado, mas mesmo assim vai depender muito da força de vontade dele pois durante o tempo em que se drogam eles criam e fortalecem laços com seres trevosos, vampiros e outros, e depois acaba ficando difícil de se libertar.
     Esses rombos na tela etérica às vezes conseguimos fechar, mas no local fica uma película mais fina e permeável do que no restante e por onde ainda vai passar mais energia do que o normal. Em alguns casos, como no desse consulente, dificilmente vai ser possível uma regeneração da tela etérica. Em sua próxiama encarnação ele poderá ter vários problemas de saúde devido à exposição que seu organismo está sofrendo de vibrações deletérias e tbm provavelmente vai nascer com uma mediunidade bem ostensiva.


Gelson Celistre.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

O ataque dos dragões - Final

Leia antes O ataque dos dragões - Parte 2

Às vezes pelos relatos as coisas podem parecer simples, mas não são. Para não ficar muito entediante e tbm por falta de tempo para escrever mais, os relatos são resumidos e procuramos passar as informações essenciais para que os leitores possam ter uma idéia do que ocorreu no atendimento, algo que lhes sirva para reflexão e aprendizado, principalmente, sobre a realidade da reencarnação, da vida após a morte, como as coisas acontecem na prática, sem omitir ou romancear os fatos. Mas muitas outras coisas acontecem.

Antes e depois da reunião onde nos defrontamos com os dragões todos nós passamos mal, com dores diversas, mal-estar, ficando doentes, etc. Espiritualmente é constante o assédio por parte das trevas e isso se reflete em nosso estado de humor e tbm em nossos familiares próximos, que sempre são alvos em potencial e armas que utilizam para nos desestabilizar, o que não é tão difícil pq somos todos cheios de defeitos. E isso não ocorreu só desta vez, nos dias que tem reunião a gente já começa a passar mal pela manhã ou até em dias anteriores quando as energias que serão trabalhadas são muito densas, o que ocorre praticamente em todas as reuniões.

Existe uma batalha constante entre a luz e as trevas e os "bons espíritos" não são "todo-poderosos" como muitas pessoas imaginam. Os seres trevosos tbm possuem tecnologia avançada e inteligência, os líderes são seres poderosos, há milênios sem reencarnar, com conhecimentos que estamos longe de obter. O que facilita para a espiritualidade combater esses seres é a nossa energia, nossa intenção de auxiliar e nossas ligações kármicas com esses seres. É através dessas ligações que conseguimos puxar um ser que puxa outro e outro e acabamos chegando em algum líder de facção importante, destruímos algum laboratório, uma base trevosa, etc. Muitas vezes somos a isca para pescar algum desses seres.

A maioria dessas entidades trevosas que lutam conosco são antigos comparsas ou rivais nossos de vidas passadas, tanto na carne como no astral. Na reunião seguinte àquela em que capturamos os dragões fizemos uma verificação junto à equipe espiritual sobre a situação, pois todos continuamos sentindo os efeitos com dores de cabeça, mal-estar, etc., e nos foi mostrado que pelo menos três membros do grupo estavam desdobrados como um dragão, inclusive eu.

Como já fomos dragões no passado e as energias desses seres são muito fortes, o contato que tivemos com eles abriu essa frequência em nós e provocou um desdobramento inconsciente com aquela forma de dragão. Isso fez com que ficássemo sintonizados com aquelas energias densas e isso se refletiu em nosso corpo físico através de dores, doenças, mal-estar, irritação, etc.

Após nos mostrarem como estávamos a equipe espiritual fez uma aplicação de energia em nossas mentes e nossos corpos de dragão murcharam como se fossem um balão de ar esvaziando. Depois disso nos avisaram que essas dores e mal-estar irão se prolongar por algumas semanas ainda pois as energias movimentadas foram muito fortes. O bom disso é que estamos fazendo uma assepsia em nosso psiquismo inconsciente e estamos conseguindo limpar em nosso arcabouço mento-astral (poderíamos até chamar de calabouço de tanta coisa ruim que tem lá... rssss) muitas frequências de baxíssima vibração, o que nos fortalece cada vez mais.

É preciso observar que não é fácil para a equipe espiritual acessar esses seres pois a diferença de vibração entre eles é muito grande e é nossa intermediação que permite isso, pois temos a vibração baixa, ecotplasma, a vontade de auxiliar e a ligação kármica com os seres trevosos. Esses quatro ingredientes é que nos habilitam ao trabalho. É claro que o fato de termos sido dragões, magos negros, vampiros e toda sorte de coisa ruim que já existiu ajuda muito tbm. Mas estamos firmes nessa encarnação no caminho do bem e esperamos terminá-la um pouquinho mais longe das trevas do que quando nascemos.


Gelson Celistre.

domingo, 17 de abril de 2011

O ataque dos dragões - Parte 2

Leia antes O ataque dos dragões - Parte 1

Enquanto estávamos desfalecidos ao redor daquela mesa redonda, quatro bruxas estavam ao nosso redor, além de um ser com um manto negro. Uma das bruxas era desencarnada e as outras três são pessoas encarnadas que estavam ali em desdobramento inconsciente. Essas três pessoas são conhecidas de uma das médiuns, uma inclusive é dirigente de um centro de apometria em nossa cidade e já tivemos vários embates com ela no astral pois as entidades que trabalham com ela são trevosas e ela acha que são do bem. Era a presença dessas três pessoas encarnadas com ligações praticamente toda a equipe (provavelmente com fortes ligações kármicas) que estava dando força às trevas para nos acessarem, isso claro somado aos nossos inumeráveis débitos cármicos relativos à magia negra e similares.

Fizemos a bruxa desencarnada, que visivelmente era a líder do grupo, incorporar e começamos a conversar. Descobrimos que tínhamos uma forte ligação em uma vida passada minha, recente, no final do século XVIII. Naquela vida eu era proprietário de uma grande loja de tecidos e essa mulher (a bruxa líder) era uma de minhas funcionárias.Ela tinha três irmãs naquela vida, sendo que duas trabalhavam na minha loja tbm, e que na vida atual são as outras médiuns do grupo.

Eu era casado mas tinha um caso com essa mulher e por conta disso ela tinha planos de se tornar minha esposa. Disse até que não me amava, mas queria a posição social e financeira que eu poderia lhe dar, pois ela era oriunda de família pobre e não se conformava com isso. Para conseguir seu intento, de casar comigo, ela se envolver com bruxaria. Pretendia através de um feitiço que minha esposa morresse e assim ela pudesse casar comigo.

Ocorre que eu tbm estava tendo um caso com uma das irmãs dela que trabalhava na loja e ela um dia nos pegou em flagrante fazendo sexo no depósito da loja. Enlouquecida, ela avançou sobre nós, quem nem tivemos tempo de nos defender, e matou a ambos com tesouradas. Depois disso ela foi presa e morreu na prisão. Ela estava grávida e teve o filho na cadeia. Entretanto, estava tão enlouquecida que fez o próprio parto e ofereceu o bebê ao demônio, esquartejou-o e comeu os pedaços. Ela morreu em 1814 e me disse que naquela vida havia matado mais dois homens além de mim.

Depois de tratarmos dessa criatura, totalmente perturbada, fomos tratar do ser de manto negro que as acompanhava. Incorporado em outra médium e questionado sobre sua motivação em nos atacar, se era algo pessoal ou profissional, ele me perguntou se eu já tinha ouvido a palavra "kamikaze", ao que eu respondi que sim, e ele disse que era esse o caso. Ele se ofereceu para esta "missão" de nos atacar, mesmo sabendo que não "voltaria" para o lugar de onde veio, apenas por amor à causa (das trevas) de nos destruir.

Ele perguntou-me se eu sabia que os médiuns de centros espíritas eram menos atacados afirmando que isso era pq eles "sabiam até onde podiam ir", ao contrário de nós que estávamos "passando dos limites". Fez mais algumas colocações sobre nossos trabalhos e mais ameaças, dizendo que "eles" não iriam parar e que sofreríamos muito mais, etc. Disse ainda que sua presença ali foi muito bem planejada e que eu não tiraria nada dele.

Pedi à medium que o estava recebendo para vasculhar a mente dele e ela disse que ele estava, literalmente, se desmanchando (todos os médiuns sentiam um cheiro putrefato vindo dele). A princípio cogitei a possibilidade de se tratar de um artificial mas ela foi informada pela equipe espiritual nesse momento que um outro ser havia pego este no umbral e o estava utilizando para não ser descoberto, um escravo. Um ser mais poderoso, usando sua mente, "incorpora" em um outro ser em corpo astral e domina. Na prática é como se fosse um ser artificial, um robô, com a diferença de que o artificial precisa ser alimentado energeticamente pelo seu "avatar", enquanto que neste caso a mente que comanda (o avatar) usa  energia do próprio ser utilizado. Neste caso o dispêndio de energia foi tão grande pelo avatar que esgotou o corpo astral do ser que ele utilizou, transformando-o em ovóide.

Dei um comando para a médium voltar no tempo até o momento em que aquele ser foi pego pela mente mais poderosa para assim podermos encontrá-lo. Ela viu o exato momento em que aquele ser foi "pego" pelo outro mais forte. Ela viu a imagem de uma garra enorme. O ser que estava controlando mentalmente aquele espírito, como se fosse um artificial, tinha a forma de um dragão. Mas não era como os draconianos que tinham a pele de réptil e garras, mas que tinham uma forma humanóide. Este tinha realmente a aparência e o corpo astral de um dragão (vide Figura 2).
Figura 2 - Dragão
Conectamos este ser com outra médium e conversei com ele. Não creio que neste caso ocorra um sistema de psicofonia normal onde ocorre uma ligação através dos chacras entre a entidade comunicante e o médium. Creio que o que houve foi uma ligação mente a mente entre o dragão e a médium.

Eles se alimentam de energias negativas, principalmente do ódio, e junto deste que capturamos, que era o líder, havia um grupo com mais de 100 dragões, todos com escravos como aquele que havia incoporado em outra médium. Invadimos a mente dele e o obrigamos a revelar seus planos. Ele estava como em transe ligado à médium e falava algumas coisas como se estivesse delirando.

Eles tinham planos de dominação global e estavam trabalhando ativamente em 25 grande metrópoles espalhadas pelo mundo, se alimentando dos sentimentos negativos e os amplificando. Eram muitos milhares de dragões. A imagem que os médiuns viram era como se abaixo das cidades eles ficassem grudados, como abelhas numa colméia. Em duas dessas grandes metrópoles eles tinham planos que envolviam explosões e tinham escravos que iriam realizar o serviço. Esses escravos são espíritos dominados por eles nos quais foi incutido desde antes do nascimento que deveriam "explodir".

Fomos informados de que existem muitas outras cidades umbralinas e grupos trevosos que incansavelmente resistem ao progresso e que irão nos atacar sistematicamente, assim como atacam qualquer espírito que se oponha a eles, mas que isso é uma grande oportunidade que temos de ir quitando nossos débitos kármicos. Já participamos de incontáveis batalhas como essa, nessa e em outras vidas além dessa, mas a grande diferença para nós é que antes lutávamos pelo outro lado, pelas trevas, e agora estamos do lado da luz. Esperamos ter forças para resistir às nossas fraquezas e conseguir superar o forte apelo que as trevas ainda possuem sobre nós, através de nosso egoísmo, orgulho, vaidade, arrogância, e tantos outros defeitos que ainda não superamos, mas temos principalmente fé naquilo que fazemos e isso nos dá muita força.

Continua... O ataque dos dragões - Final

Gelson Celistre.

sábado, 16 de abril de 2011

O ataque dos dragões - Parte 1

Há algum tempo estamos sofrendo ataques sistemáticos de entidades sombrias, incomodadas com nossas ações no mundo astral. Isso é normal de ocorrer e até já nos acostumamos mas depois da queda de Erzig (http://apometriauniversalista.blogspot.com/2011/02/queda-de-erzig.html) as retaliações se intensificaram, causando muito desgaste físico nos médiuns, queda na imunidade, e provocando desde dores e mal-estares diversos até doenças que os incapacitam de exercer usas atividades normais (trabalhar, estudar, etc.).
Na semana anterior à dos acontecimentos que motivaram esse relato já havia ocorrido uma semana onde todos haviam passado muito mal e depois de atendermos os consulentes fomos averiguar o que estava ocorrendo conosco.

Naquela reunião nos vimos todos desdobrados em um local sombrio, ajoelhados, e atrás de cada um de nós havia um ser que vamos chamar de draconiano, eles eram altos e magros, vestidos com mantos negros com capuzes que lhes escondiam o rosto, mas suas mãos os médiuns puderam ver bem pois elas estavam cravadas em nossas costas, bem no meio da coluna, e através delas estavam nos injetando um líquido peçonhento. As mãos desses seres eram como garras, com dedos compridos e com unhas longas, a pela era escamosa e verde como a de um réptil.

Logo que identificamos essa frequência nós os paralisamos e tratamos de investigar se tinham relação com algum atendimento recente (havíamos nos deparada com uma organização nazista no astral) ou se era outra coisa. Descobrimos que era outra coisa. A equipe espiritual nos informou que era um ataque de retaliação por conta do resgate de Erzig. As entidades trevosas acharam que aquilo "foi demais" e que deviam acabar conosco. A idéia deles era a de que o grupo acabasse e estavam tentando de tudo para fazer isso, tentando evitar que os médiuns comparecessem às reuniões, lhes incutindo pensamentos de que estar ali não lhes trazia nenhum benefício e sim malefícios como dores sem explicação, pesadelos, cansaço extremo, etc.
Aproveitei a presença desses seres, que eram de uma organização "forte" no astral e, rastreando sua frequência, adentramos em outra cidade umbralina e a resgatamos. Era uma cidade muito grande, e com muitos prédios longos e sombrios, como uma cidade futurista (vide Figura 1).
Figura 1 - A cidade umbralina que resgatamos
era semelhante a essa da imagem.
Nos dias seguintes à essa reunião os ataques foram mais fortes ainda. Uma das médiuns nem conseguiu ir trabalhar um dia por ter passado a noite anterior lutando contra entidades trevosas. Nessa mesma noite outros médiuns tbm foram atacados e eu inclusive fui acorrentado (em desdobramento) à parede de uma caverna na subcrosta.

Como a próxima reunião que teríamos era para atendimento interno, resolvemos contra-atacar nesse dia. Quando se acende uma vela na escuridão ela incomoda as trevas, que faz de tudo para apagá-la. Se engana quem acha que por estarmos trabalhando para o bem estamos livres de qualquer ataque. Uma ou duas vidas tentando corrigir nosso passado sombrio não irá nos transformar em anjos e nem criar uma redoma de luz ao nosso redor. Temos muitas brechas ponde onde as trevas podem nos acessar e nossos "inimigos" as conhecem e exploram muito bem.

Na reunião de atendimento interno que se seguiu a esses eventos estávamos dispostos a enfrentar abertamente a falange que nos atacava e assim o fizemos. Ao abrirmos nossa frequência nos deparamos com todos nós sentados ao redor de uma mesa redonda, com a cabeça caída para a frente, como se estivéssemos desfalecidos. Acima dessa mesa flutuava uma enorme esfera, de onde flúía um líquido vermelho gosmento que era injetado em nossos corpos astrais através de tubos. Abaixo dessa mesa havia alguns bonecos de vodu nos representando e num andar abaixo um laboratório nazista. O líquido que nos injetavam era retirado por outros tubos que iam para dentro desse laboratório.

Destruí a esfera e o líquido gosmento que havia dentro dela se espalhou pela mesa mas continuávamos desfalecidos ao redor dela. Somente depois que queimamos os bonecos de vodu e que invadimos o laboratório nazista e destruímos o que havia lá é que pudemos ser retirados daquela situação e fomos levados pela nossa equipe espiritual para o hospital. Pode parecer estranho mas podemos estar desdobrados em mais de uma frequência no astral, é como se houvesse mais de um de nós mesmos. Estávamos desdobrados ao redor daquela mesa sendo vampirizados e ao mesmo tempo estávamos lá nos salvando daquela situação.

Continua... O ataque dos dragões - Parte 2

Gelson Celistre

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Uma bruxa em desdobramento inconsciente

Uma situação muito comum para nós na apometria mas que não é estudada pelos seguimentos espíritas mais conservadores é o desdobramento inconsciente. Como a pessoa que está em desdobramento geralmente não sente nada de anormal e tbm nem sabe que isso existe, é algo difícil de ser percebido e somente num atendimento apométrico é que acabamos percebendo que isso está ocorrendo com a pessoa.


O desdobramento inconsciente é um estado onde a pessoa encarnada encontra-se desdobrada (fora do seu corpo físico, em corpo astral) na dimensão astral. Nesses casos geralmente o grau de consciência da pessoa no desdobramento é limitado e ela costuma se apresentar com a personalidade de uma outra vida, ou às vezes com a junção de várias personalidades que possuem frequência semelhante.

Por exemplo, uma pessoa que já foi bruxa em várias existências passadas pode se desdobrar e aparecer no astral como uma bruxa, tanto com as memórias (personalidade) que ela tinha em uma dessas vidas como com a memória de mais de uma dessas vidas onde foi bruxa. E pra quem acha que as bruxas só faziam poções do amor e remédios com ervas, saibam que as atividades mais comuns delas envolviam sacrifícios humanos, principalmente de crianças.

Essa consulente é uma mulher jovem, menos de 30 anos, professora, tem "rinite alérgica também desde criança e fortes dores no estômago quando me incomodo. Na adolescência surgiram as dores de cabeça e atualmente também no pescoço, muito seguidamente." O pais são separados, sendo que o pai é alcoólatra, e há um distanciamento entre eles (pai e filha). Tem um histórico de algumas relações amorosas que não deram certo pq "sempre algum problema acontece e meus namoros acabam, ficam insustentáveis." O pai atualmente está com câncer e ela tem a percepção de que precisa se "resolver com ele antes que queira que algum relacionamento meu dê certo." Ela tbm relata que "me estresso com os alunos por tentar ensinar e a maioria deles não se interessar em aprender, .."


Esses fatos sobre a consulente são importantes para que se perceba as relações da vida dela no plano físico com o estado de desdobramento inconsciente em que ela estava quando a atendemos. Os eventos que ocorrem em nossa vida (situação familiar, relacionamentos amorosos, problemas de saúde, etc.) muitas vezes despertam lembranças e desejos em nosso inconsciente e isso pode provocar situações de desdobramento inconsciente, às vezes como uma fuga ou compensação da realidade, outras vezes como forma de nos proteger, outras para nos vingarmos de alguém, etc.

Como é comum convivermos com pessoas ao nosso redor que já são nossos conhecidos de várias vidas, e com as quais já tivemos vários tipos de relação (marido/mulher, pai/filha, amante, amigos, inimigos, etc.) a presença dessas pessoas em nossas vidas recriando situações similares às que ocorreram em outras vidas ocasionalmente se abrem frequências de vidas passadas que tbm podem induzirnos a um estado de desdobramento inconsciente, principalmente se nessas vidas houver seres ligados a nós ainda vivendo na dimensão astral.

Inicialmente vimos que o pai da consulente, em desdobramento inconsciente, a persegue e prejudica seus relacionamentos, por não estar conformado com a situação da vida atual, onde é pai dela, em função de lembrar em desdobramento que ela já foi mulher dele em pelo menos duas outras vidas. O que se pode fazer nessas situações é apagar essa lembrança da mente inconsciente dele para tentar evitar que isso ocorra, mas como ambos possuem ligações fortes de várias vidas nem sempre o efeito é o desejado ou ao menos duradouro, pq depende dos sentimentos que nutrem um pelo outro.

O mais interessante nesse caso foi o desdobramento inconsciente da própria consulente, que antes mesmo de entrar fisicamente na sala de atendimento, entrou em desdobramento e se posicionou ao lado de uma das médiuns, que está grávida, e tentava convencê-la a lhe dar o filho assim que nascesse. Ela queria o bebê para sacrificá-lo em um ritual demonìaco. Ela estava em sintonia com uma vida passada dela onde era uma bruxa que, para obter mais poder, sacrificou o próprio filho recém-nascido para o demônio, acreditando que isto aumentaria o poder dela.

A consulente estava vivendo uma vida dupla pois em desdobramento ela ia para um local no astral onde se reunía com outra bruxas e continuavam a fazer seus rituais macabros. Nesses casos as entidades desencarnadas gostam e precisam de um encarnado desdobrado entre eles para terem um bom aporte de energia, pois somente os encarnados possuem ectoplasma. Como geralmente estão com a consciência limitada no desdobramento agem como marionetes das desencarnadas.

As dores de cabeça e estômago são em virtude dela estar constantemente em contato com energias densas, tanto das vítimas dela ainda presas na dimensão astral como das outras bruxas. Os problemas de relacionamento já vimos que tinham uma ajuda do pai dela (em desdobramento inconsciente pois ele ainda está vivo). O trabalho dela com crianças tbm ajudou a manter essa frequência aberta pois como ela se irritavba com o comportamento das crianças acabava sintonizando mais com as atividades dela como bruxa no passado, onde as crianças eram um objeto que ela usava para aumentar os poderes que tinha, pelo menos era o que ela pensava.

Abraço.

Gelson Celistre

quinta-feira, 7 de abril de 2011

A confraria das bruxas

Ultimamente temos nos deparado muito nos atendimentos com entidades trevosas ligadas às antigas artes ocultistas e confrarias de bruxas que utilizavam como símbolo o pentagrama.

Pentagrama - Antigo símbolo ocultista, as cinco pontas da
estrela geralmente representam os quatro elementos
(água, fogo, terra e ar) e o espírito.
Neste atendimento, de uma jovem de 19 anos, estudante de psicologia, encontramos um grupo de bruxas lésbicas que estava ligado a ela. Dentre as queixas da consulente, ela afirma que sente-se bloqueada, sente dores no corpo na presença de algumas pessoas de seu convívio, pesadelos,  frequentemente fica meio aérea e diz coisas das quais não se lembra de ter dito, sente-se mal quando chega na casa onde mora, sente um sono profundo e tbm afirma que as pessoas sentem uma certa repulsa em ir à sua casa. Sua mãe tbm tem sente fortes dores no peito sem diagnóstico médico. A consulente tbm afirma sentir dores diárias na cabeça, garganta, dentes, zunido nos ouvidos, etc. Quando dorme sente que "vai morrer", depois sente-se fora do corpo e tem sensação de sufocamento e náuseas; relata choro frequente nessas ocasiões. Jà trabalhou em um hospital e diz que sonhava com a morte dos pacientes antes delas ocorrerem e sentia cheiro intenso de flores nos quartos. Relata tbm que na casa alugada onde moram uma mulher morreu misteriosamente, sendo que ficaram vários objetos e móveis que pertenciam a ela.

As dores que a mãe da consulente sentia tinham relação principalmente com a falecida sogra dela, avó da consulente por parte de pai. Incorporada numa das médiuns ela afirmou que "quando precisou ela não ajudou" e outras coisas, mas na realidade era apenas para passar a idéia de que era um espírito "comum" magoado e ressentido, mas os outros médiuns já tinham visto que ela no astral era uma bruxa atuante e que ela vampirizava a mãe da consulente todas as noites, lhe sugando toda energia que podia. Quando viu que sua estratégia "não colou" e que havíamos desmanchado a "base" dela no astral começou a me ameaçar pois se achava muito forte. Apagamos sua mente e nossa equipe espiritual a levou.

A consulente relatou que teve um sonho estranho onde estava presa em casa com sua mãe e que as portas e janelas batiam com força, elas tinham muito medo e rezavam. Ela disse que estranhamente no sonho ela beijava a própria mãe na boca. Rastreando o tal sonho descobrimos que em vida passada ela e a mãe já vivenciaram os mesmos papeis, de mãe e filha, e que de fato houve uma invasão da casa delas e ambas foram mortas. A mãe dela naquela vida era viúva e ambas estavam sendo assediadas por uma confraria de bruxas lésbicas para ingressar no grupo, como recusaram elas invadiram a casa e as mataram, sendo que depois de mortas seus corpos foram esquartejados.

Na dimensão astral essa frequência esta aberta e ativa, sendo que o grupo de bruxas estava ligado a ambas, principalmente à consulente. Um dos médins me alertou que a equipe espiritual não estava conseguindo penetrar no campo de força criado pelas bruxas, que estavam sentadas em círculo dentro um grande pentagrama gravado no chão, juntamente com outros símbolos ocultistas, entoando mantras e orações, em profunda concentração. Estes símbolos ardiam em chamas e a equipe espiritual não estava conseguindo destruí-los. Nesse momento eu me projetei até o local e pedi ao médium que fosse relatando o que estava ocorrendo, pois nesse tipo de desdobramento supraconsciente minha consciência no corpo físico não sabe o que eu, como espírito, estou fazendo fora do corpo.

O médium relatou que eu apareci entre as bruxas como um mago, vestindo uma túnica e carregando um cajado. Eu fui encostando a ponta do cajado na testa de cada uma das bruxas e elas foram caindo desmaiadas, saindo do transe, ao mesmo tempo que nossa equipe as ia recolhendo. Ficou por último a lider da seita, que segurava fortemente contra o peito seu livro de feitiços. Nesse momento eu transformei o livro dela em fumaça e o aspirei para dentro de meus pulmões, ela ficou enfurecida e arremeteu contra mim tentando me estrangular com as mãos. Permaneci imóvel e com o olhar apaguei sua mente e ela desmaiou, sendo recolhida junto com as outras. Depois eu expeli novamente o livro de feitiços em forma de fumaça e ele foi colocado numa pequena bolha e levado pela equipe espiritual juntamente com as bruxas. A líder das bruxas é a mulher que morava na casa onde atualmente mora a consulente e que morreu misteriosamente.

Esse grupo de bruxas acompanhava a consulente, quem tem mediunidade quase ostensiva, e lhe diziam algumas coisas que iriam acontecer em breve, tipo a morte de pacientes no hospital, a fim de que ela acreditasse que tinha um "dom" e se interessasse por artes adivinhatórias, como o tarot, pois isso facilitaria ainda mais a ligação entre elas e a consulente seria mais facilmente utilizada. A idéia era usar a consulente como médium a fim de facilitar a extração de ectoplasma e tbm para as bruxas poderem agir no mundo material.

Os problemas da consulente estavam diretamente ligados a essa confraria de bruxas, onde ela atuava em desdobramento inconsciente. Havia um enorme bolsão de espíritos ligados a essas bruxas e a consulente tbm sofria um processo de troca de energias com a confraria, daí as dores generalizadas e pesadelos. A melhora vai vir aos poucos com o desenvolvimento e o trabalho mediúnico que ela precisa realizar para se equilibrar energetica e emocionalmente.

Abraço.

Gelson Celistre.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Alucinação

Muitos fatos que ocorrem em nossas vidas tem a finalidade de despertar nossa atenção para o mundo espiritual e de nos fazer questionar nossos conceitos materialistas. Quando alguma coisa que nos afeta ultrapassa os limites da ciência, somos obrigados a buscar respostas em outras fontes de conhecimento do mundo que nos cerca. A ciência ainda não pode nos dar respostas para tudo simplesmente por falta de equipamentos (pelo menos para o grande públicao) capazes de detectar certos níveis de energia.

Este é o caso de um rapaz que nos contactou via e-mail com o seguinte problema:

"Tenho 26 anos e desde os meus 15 anos comecei a ver uma imagem estranha, é tipo um cobra ou uma corda com um nó, ela é transparente de cor acinzentada e se movimenta de forma estranha. Desde que comecei a ver essa imagem começaram os problemas. Primeiro parei de estudar, depois não saia mais de casa, até chegar a depressão e síndrome do pânico. Hoje estou relativamente bem perto do que já estive, mas minha vida não flui. Antes de começar a ver essa imagem eu era uma pessoa muita comunicativa e extrovertida. Já hoje tenho muita dificuldade em minha vida social. Quando vejo essa imagem tenho uma sensação horrível de peso e raiva. Pesquiso sobre isso faz anos e não achei nenhum caso idêntico. Mas creio que se trata de uma obsessão."


Realmente se tratava de uma obsessão. Havia junto dele uma moça que foi esposa dele em uma vida passada. Naquela existência ela era uma jovem ingênua, de família abastada, e o consulente um jovem ambicioso e inescrupuloso. Ele a seduziu, ela abandonou a família para casar com ele, e ele ardilosamente a fez parecer uma louca e a internou num hospício. Após algum tempo ela foi liberada para voltar para casa e ele então aguardou que os pais dela morressem para enforcá-la e dizer que ela, num acesso de loucura, tinha se suicidado. Ela queria enlouquecer o consulente. Era um espírito muito perturbado emocinalmente e seus sentimentos eram um misto de ódio e mágoa, pois ela o amava. Conversamos um pouco, tentamos encontrar os pais dela daquela vida sem sucesso, mas encontramos a avó, que veio e a levou consigo.

Havia tbm outro obsessor, daquela mesma vida, quer foi sócio do consulente e foi enganado, perdeu tudo, inclusive a família, a mulher e uma filha. Acabou morrendo na miséria e queria que o consulente não tivesse nada nessa vida, que tudo desse errado para ele, e estava muito empenhado nisso. Segundo ele isso foi nos idos dos anos 1800, há quase duzentos anos, e ele se gabava que na vida anterior a esta do consulente ele conseguiu provocar a morte dele.

Num breve diálogo fiz ele lembrar de uma vida anterior onde ele era um padre que viajava por pequenas cidades e vilarejos coletando doações para a construção de uma igreja; após conseguir uma boa soma ele dizia que ia levar o dinheiro ao bispo e gastava tudo na farra. Fizemos ele lembrar isso apenas para que ele percebesse que ser enganado pelo consulente não foi uma injustiça para ele, mas apenas a colheita de algo que ele mesmo plantou.  A mulher e a filha dele daquela vida apareceram e lhe pediram perdão (elas tbm foram abandonadas pelo consulente depois dele tê-las expropriado dos seus bens), ele se emocionou e foi com elas.
Além disso tbm captamos uma situação onde o consulente estava desdobrado no meio de um círculo formado por várias bruxas e onde ele foi sacrificado. Em uma outra existência ele procurou essas bruxas para contratar um feitiço a fim de conquistar uma mulher, mas elas o mataram e esquartejaram, assim como haviam feito com diversas outras pessoas. Encontramos vários recipientes de vidro com partes de pessoas (coração, fígado, mãos, etc) que elas haviam sacrificado em seus rituais.

Para que o consulente pudesse estar sendo acessado nessa frequência era preciso alguma ligação com alguma outra frequência onde ele tivesse sido o algoz e não a vítima, então pedi aos médiuns para rastrear outra vida passada dele e eles o encontraram desdobrado em uma outra frequência, onde era um xamã que fazia muitos sacrifícios humanos, troca de vida e coisas similares. Nessa frequência havia um enorme bolsão de espíritos sofredores, vítimas do consulente daquela vida, e ele ia frequentemente para lá em desdobramento inconsciente para continuar com suas atividades macabras. Apagamos a memória inconsciente ativa relativa àquela vida e resgatamos os espíritos sofredores.

O consulente nos relatou que está frequentando um centro espírita mas lá não souberam lhe dar alguma resposta sobre seu problema e tbm disse que por indicação médica já havia feito tratamento com remédios sem obter sucesso. Afirmou que não acreditaria em nada "espiritual" caso não tivesse sido vítima dessa situação, a alucinação onde via a tal corda, que na verdade tem a ver com mediunidade de vidência pois ele estava vendo um objeto que existia na dimensão astral. Devido ao longo tempo que ele via isso e por ter se impressionado muito, ele mesmo mantinha essa criação materializada no astral, bastando ele sentir inconscientemente a presença do obsessor para ele mesmo potencializar a imagem a ponto de percebê-la. Ele foi orientado a mentalizar a dissolução da imagem pois como ela está ativa em sua mente ele pode voltar a vê-la mesmo sem a presença do obsessor.

Abraço.
 
Gelson Celistre

sábado, 2 de abril de 2011

Incorporação involuntária

     A consulente há algum tempo teve uma incorporação involuntária e a partir de então começou a frequentar um centro espírita e está estudando o espiritismo. Nos centros espíritas geralmente existe um caminho a ser percorrido por quem entra até chegar a trabalhar como médium na casa. Costuma-se inicicar com o ESDE (estudo sistematizado da doutrina espírita) para somente depois participar dos cursos de formação de médiuns, o que no total pode levar alguns anos até que a pessoa possa praticar a mediunidade no centro. Como ainda está começando, está ainda no ESDE, nos procurou para ver se podemos auxiliá-la em razão de sentir enjôo, dores de cabeça muito fortes e tremores.
     Verificamos que o tal ser que ela incorporou invonlutariamente, há mais de um ano, era um espírito que foi noivo dela numa vida passada. Desde aquele dia esse espírito vive "maritalmente" com a consulente. O que ocorreu entre eles é que a consulente em vida passada, deixou o cidadão no altar e fugiu, vestida de noiva, com um outro sujeito. O noivo traído foi atrás deles e matou os dois, sua noiva e o amante, e em seguida suicidou-se de uma forma bastante original, pendurou-se pelo queixo num gancho de frigorífico, onde colocam os cortes de bois (provavelmente naquela vida ele era açougueiro). Demorou algum tempo agonizando até morrer.


     Ele estava num mercado quando viu a consulente, que foi lá fazer compras, e a reconheceu. Desde então se aproximou dela e a obsidia. Dorme com ela todas as noites e passa o dia todo junto dela. Ele fantasiava que ela tinha se arrependido e voltado pra ele, que estava iludida com o outro homem e que reconheceu que somente ele é quem a ama e que por isso voltou pra ele. Um ser perturbado, que auxiliamos ajudando-o a esquecer esse episódio. Veio uma mulher que foi esposa dele numa vida passada e o levou.
     Depois disso tratamos uma moça meio dementada que morreu eletrocutada numa cadeira elétrica. Em uma vida passada a consulente era adepta de magia negra e fez um pacto com um ser demoníaco para conseguir casar com o pai dessa moça, que tinha muitas posses. Depois de casarem ela matou quase toda a família do marido, com exceção de uma menina em quem ela botou a culpa da chacina. A menina foi tratada como louca e internada durante vários anos em prisão psiquiátrica, até ser executada na cadeira elétrica.
Rastreamos o ser com quem a consulente havia feito o pacto e nos deparamos com uma criatura com chifres e o corpo todo tatuado. Uma de suas tatuagens, no peito, era de uma estrela de cinco pontas e foi feita num ritual onde esse ser se imantou a outro mais poderoso. Através dele chegamos nesse outro, que se ocultava num enorme templo escuro sem janelas, apenas com uma porta de entrada. Prendemos esse ser e mais quatro outros em quatro templos iguais, que formavam no astral uma estrela de cinco pontas.
     Desmantelamos várias bases desse ser tatuado e o convencemos a entregar outras tantas de seus comparsas, garantindo a ele que lhe providenciaríamos o apagamento de seu rastro energético e uma nova encarnação, numa espécie de "programa de proteção à testemunha" misturado com "delação premiada". Assim conseguimos os endereços vibratórios de vários outros laboratórios e bases trevosas, que foram todas desmanchadas e os seres ali aprisionados resgatados.
     Tbm havia uma ligação do mesmo grupo de seres com a prisão onde executavam os presos pois uma das pessoas que trabalhava lá, como muitos morriam sem que fosse investigado a fundo a causa, tbm era servo desses seres malignos e matava muitos prisioneiros ofertando-os em ritual aos tais seres. Foram todos resgatados.
     Muitas pessoas possuem mediuinidade ostensiva e, apesar das fortes evidências, postergam o desenvolvimento de suas faculdades mediúnicas, às vezes por várias vidas, acreditando que é algo que depende de sua vontade. Entretanto, essa atitude acaba redundando em um desabrochamento descontrolado da mediunidade, provocando situações como essa que a consulente teve, de uma incorporação involuntária.


Gelson Celistre.