domingo, 25 de março de 2012

O presídio

A consulente apresenta sérios problemas de saúde, principalmente no aparelho respiratório, tendo se submetido a vários procedimentos médicos sem obter melhora. Espírita e médium, os problemas surgiram quando deixou de frequentar o centro espírita, onde participava de atividades diversas. Também se submeteu a um tratamento com cromoterapia por dois anos, sem sucesso.

Temos observado que em casos onde a pessoa tem problemas de saúde não diagnosticados ou que não respondem aos tratamentos convencionais da medicina terrena, sem que os exames médicos descubram o motivo, existe uma causa ativa na dimensão espiritual.  Foi o caso dessa consulente.

Em sua existência anterior a consulente trabalhava num presídio, juntamente com seu marido que era guarda na prisão. O local tinha condições subumanas e vários detentos morreram vítimas de tuberculose. Tanto a consulente como seu marido tratavam muito mal os prisioneiros, muito além do que exigiam seus deveres como funcionários do presídio. Com medo de serem infectados, eles davam um jeito de apressar a morte dos detentos doentes, que eram trancafiados em porões fetidos e úmidos para lá morrerem.

O marido da consulente estava desencarnado e vivendo naquele presídio, que ficou plasmado no astral por conta de vários dos prisioneiros que morreram e ficaram com sua mente fixa naquela situação, em razão de ainda sentirem todo o sofrimento associado aos maus tratos que sofreram e tbm da doença que tinham (tuberculose).

Após parar de frequentar o centro espírita a consulente ficou à merce de suas próprias energias, pois deixou de fazer alguma atividade onde ajudava o próximo, e passou a se desdobrar e frequentar o presídio, atraída pelo seu antigo companheiro.

A solução nesses casos é simples, resgatamos os espíritos sofredores juntamente como o marido dela, e apagamos a mente da consulente, que é enviada de volta ao corpo físico. A causa extrafísica dos problemas da consulente foi solucionada, entretanto, os danos materiais podem ser irreversíveis, por conta do karma dela própria, e quanto a isso não temos o que fazer.

Provavelmente ela vai responder positivamente ao tratamento médico convencional a partir de agora e tbm é provável que a doença se estabilize. Para que haja uma reversão no quadro seria preciso que a consulente obtivesse merecimento, voltando a trabalhar ajudando seu próximo.

Um fato interessante ainda envolvendo esse caso é a questão da cromoterapia. Descobrimos uma outra frequência aberta da consulente onde ela estava com várias larvas astrais em seu corpo, principalmente na região do tórax. Essas larvas astrais eram verde-luminescentes e após ficarem um tempo dentro da consulente ela era desdobrada e levada a um local no astral onde havia alguns tubos de ensaio com mangueiras ligadas neles, por onde seres das trevas absorviam a energia da consulente após colocarem as larvas ali dentro.  O aparelho era semelhante a um nargilé.

Esses seres estavam ligados ao cromoterapeuta com o qual a consulente se consultou e de alguma forma eles metabolizavam a energia das pessoas com essas larvas verde-luminescentes e conseguiam se nutrir disso. Eles foram presos e as pessoas ligadas a eles, que eram muitas, das quais eles se alimentavam, foram libertadas.

A mediunidade da quase absoluta maioria das pessoas é uma mediunidade de prova, ou seja, não é um dom adquirido por evolução espiritual mas sim a consequência de um karma negativo. Se o médium não se engajar num trabalho sério onde ele auxilie os espíritos com sua faculdade mediúnica, ele inevitavelmente vai atrair para si espíritos de baixa vibração, semelhante à dele, que vão acabar se acumulando ao seu redor, e isso vai interferir negativamente em todas as áreas de sua vida, emocional, fisiológica, financeira, etc.


Gelson Celistre

domingo, 18 de março de 2012

General nazista, judeu e homossexual

A maioria das pessoas não consegue pensar em termos de várias existências, mesmo aquelas que acreditam em reencarnação. Nossa mente fica condicionada ao tempo que vivemos na encarnação atual e pensamos em algumas dezenas de anos como se fosse todo o tempo do mundo, isto é, nós pensamos que "tudo" o que temos que resolver tem que ser feito nesta vida.



Já nascemos com inclinações, desejos, traços de personalidade, vícios, manias e tendências de comportamento que trazemos de vidas passadas, principalmente das encarnações mais recentes. Se o período intervidas, entre uma encarnação e outra, foi relativamente curto os traços da encarnação passada ressurgem com bastante força na encarnação atual.

A consulente que atendemos possui um caráter dominador, controlador, e apesar de saber que isso atrapalha sua vida não consegue se modificar. Nesse tipo de situação geralmente o consulente se decepciona com o atendimento pq de imediato já lhe dizemos que não depende de nós ou de qualquer outro espírito ela mudar seu comportamento, depende apenas dele mesmo.

Em determinados casos a ligação das pessoas com acontecimentos de vidas passadas reforçam determinados aspectos da personalidade, mas mesmo assim, o simples desligamento dessa pessoa daquela vida passada não irá provocar mudanças significativas na vida atual dela. É preciso um forte desejo interior de mudança e um esforço concreto da própria pessoa no sentido de implementar ações que viabilizem essa mudança.

O problema maior da consulente atualmente é controlar a si mesma, pois sua personalidade está pondo em risco seu casamento. Ela ainda afirma sentir um "vazio", um sentimento de que lhe falta algo, mas sem saber o quê. Algumas pessoas com as quais ela conviveu nesta vida ajudaram a reforçar nela a personalidade que ela tinha na vida anterior, por terem convivido com ela naquela vida passada, mas a história da consulente é no mínimo curiosa, com uma trajetória inusitada.

Voltemos ao início do século XX e vamos encontrar a consulente, então um menino de cabelos loiros e olhos azuis, brincando despreocupadamente com outro menino, ambos com cerca de 5/6 anos de idade. A casa, numa próspera cidade da Áustria, é grande e suntuosa, digna da riqueza de seu proprietário, um banqueiro austríaco.

Esse dia marcaria profundamente o destino deste jovem menino pois homens armados invadiram a residência para roubá-la e acabaram matando todos que estavam ali, menos ele. Os pais do menino, um casal judeu que trabalhava na residência, assim como a esposa do proprietário e seu filho, o outro menino com quem o consulente brincava, foram mortos.

O banqueiro, desolado com a perda de sua família, e por estimar muito seus empregados, adotou o menino que ficou substituindo seu filho morto, e o criou realmente como se fosse seu herdeiro. O filho do casal judeu foi dado como morto mas na realidade ele acabou assumindo o nome do filho do banqueiro. Apesar de ser ainda jovem este acontecimento ficou profundamente gravado em sua mente, pois ele assistiu todas as mortes.

Mas o tempo passou e ele cresceu recebendo toda a educação que o dinheiro podia comprar. Tudo ia muito bem até que o Partido Nazista começou a se projetar na Alemanha e Hitler ascendeu ao poder. Começaram as perseguições aos judeus e o consulente então começou a sentir um grande temor por sua vida pois se descobrissem que ele não era o legítimo filho do banqueiro os dois morreriam. 

O medo de ser descoberto fez com que se esmerasse em demonstrar o quanto era "alemão" e ele se alistou no exército. Ingressou logo como oficial e, por seus atos de extrema dedicação à causa nazista, logo foi promovido e em pouco tempo chegou ao posto de general. Em virtude disto acabou destacado para um campo de concentração, onde agia com extrema crueldade, sempre tentando demonstrar que era um "alemão" legítimo, a fim de que nunca desconfiassem que ele era na verdade um judeu por nascimento. Ironicamente havia num campo de concentração um general nazista que na verdade era judeu.

Mas as teias do destino tecem fios por demais complexos às vezes e como se não bastasse nosso general nazista ser judeu, ele ainda era homossexual. Apesar de toda a rigidez e "princípios" dos nazistas, pelo menos do que se imagina de oficiais num campo de concentração, ele mantinha uma relação amorosa com outro oficial ali, e ainda era "desejado" por um terceiro oficial.
Havia muitas intrigas e jogo de poder nos bastidores do exército e o consulente vivia tramando para conquistar mais poder. Entretanto, seu oficial amante acabou o traindo num desses planos; ele descobriu e mandou matá-lo.

A vida do general transcorreu dessa maneira até o final da Segunda Guerra, tendo ele sido um dos últimos a abandonar o posto. Quando estava para ter seu campo tomado pelas forças aliadas e ele soube que Hitler havia se suicidado, um enorme vazio se apossou de sua alma. Tudo pelo que ele lutou foi em vão. Ele se tornou um oficial nazista, temido pelos prisioneiros judeus por sua crueldade, para defender uma vida que ele acreditava ter direito. Entretanto, agora a Alemanha havia perdido a guerra e com isso ele perdia tudo. Assim como seu Führer, o general nazista judeu homossexual se suicidou, enforcou-se antes de ser capturado.

No astral o general continuou sendo general e continuou naquele campo de concentração (uma cópia do campo de concentração que existia na dimensão astral), cometendo as mesmas crueldades com os espíritos ali aprisionados. Antes da encarnação atual ainda teve uma breve passagem pela matéria, mas ele mesmo deu um jeito de morrer antes de nascer, enforcando-se com o cordão umbilical. Assim ele pode continuar mais tempo no astral, até acabar sendo forçado a reencarnar devido a suas ligações com um outro espírito, este encarnado.

Aquele terceiro oficial (que estava já encarnado enquanto o consulente estava no astral) que o "desejava" na vida passada era vampirizado por ele, que o desdobrava e se relacionava com ele no astral. Essa ligação fez com que ele (o general) nascesse como filha desse homem na vida atual.

A consulente teve um relacionamento por vários anos com um homem que ela diz que não gostava, mas do qual não conseguia se livrar, e quando conheceu um outro, largou esse e num breve intervalo de tempo casou com esse outro, seu atual marido, com quem tem um filho.

Ambos participaram da vida passada dela como general. O homem do primeiro relacionamento tbm foi general nazista e tbm estava desdobrado no campo de concentração com ela. O marido atual era o oficial amante que a traiu e que ela mandou matar. O filho de ambos é o filho do banqueiro morto, de quem o general assumiu a identidade.

Podemos observar como os laços da vida passada mantiveram esses espíritos unidos e eles acabaram se encontrando na vida atual, muitas décadas depois, separados pela morte e num país diferente. Tbm podemos ver como não mudamos muito de uma vida para outra em termos de personalidade, de desejos, inclinações, etc. 

No caso específico do general vemos como ele manipulou o próprio carma para continuar no astral, como se suicidou por enforcamento quando era general ele tinha o karma provável de não nascer por um motivo semelhante e ele mesmo engendrou isso, enforcando-se com o cordão umbilical. Tbm vimos como ele acabou sendo forçado a renascer em virtude de estar vampirizando sexualmente seu atual pai no astral.

Esse é um caso interessante e que serve para desmistificar a ideia que muitos espíritas tem de que todas nossas encarnações são planejadas no "ministério da reencarnação" de alguma colônia no astral. Assim como aconteceu com o general, a maioria dos espíritos depois que morre não vai para nenhuma colônia tipo "Nosso Lar" ou similar, ficam vagando pela crosta ou ligados a locais plasmados no astral com os quais possuem ligações, ou para onde seus desejos e inclinações o direcionam.



Gelson Celistre


quarta-feira, 14 de março de 2012

O cardeal

A internet, entre outras coisas, é um veículo de comunicação muito interessante. Ao escrevermos algo ou colocarmos uma imagem nossa na internet nos tornamos acessíveis, energeticamente, a pessoas em todo o mundo. Isso ocorre pq nossas imagens e palavras estão impregnadas com a nossa energia. Em decorrência disto, muitas vezes acabamos sendo obsidiados por outras pessoas, a maioria das quais participa conosco somente de ambientes virtuais, como este blog, grupos de discussão, redes sociais, etc.




Recentemente aconteceu um caso interessante quando uma determinada pessoa passou a seguir nosso blog. Como ocorre nestes casos, a pessoa leu algum relato e se interessou pelo blog, inscrevendo-se como seguidora. Nada demais. Mas quando eu vi a foto e o perfil do blogger, me chamou a atenção ela ser de uma religião que "condena" qualquer contato com o mundo espiritual, classificando tudo como "coisas do demônio" e comentei com uma das médiuns. Isso foi o suficiente para que a médium sintonizasse com a pessoa e a situação se desdobrasse num trabalho espiritual.


Numa vida passada ela foi freira na época da inquisição e me perseguiu para me mandar para a fogueira; naquela existência eu era padre e fui queimado vivo. Na vida atual ela está acompanhada pelo espírito de um bispo, que conviveu com ela naquela época. Este espírito quer que ela reúna pessoas para poder vampirizá-las. Ao perceber nossa presença o espírito logo se manifestou dizendo:


- Agora vc vai morrer degolado! Viemos te buscar, terminar o que começamos!


- O que foi que começaram? perguntei;


- A extirpar o mal! O mal tem que ser extirpado pela raiz, a heresia, e vc é um herege! Dessa vez será degolado, terá sua cabeça separada do corpo e sua língua cortada! Seu sangue vai ser derramado para o alívio de muitos! Se ainda está aqui cometendo essas heresias é pq deve ter escapado de alguma maneira... mas não escapará de novo! Vamos cuidar para que isso não aconteça!


Nesse meio tempo ele começou a provocar muita dor nos pulsos da médium que o estava recebendo, dizendo que ela era tão culpada quanto eu e que merecia ser castigada. Perguntei a ele:


- Quem é tu para julgar?


- Eu sou um representante de Deus e tenho o poder conferido a mim por Ele!, respondeu o espírito, que prosseguiu dizendo:


- Não vou permitir que vc continue com toda essa heresia que tem cometido, há tanto tempo sem que ninguém faça nada para acabar com isso!


- Falando em tempo, há quanto tempo vc morreu? perguntei;


- Isso não importa, para um servo de Deus não existe tempo...


- Importa sim, tu não deveria ter ido pro céu? Se era um servo de Deus não devia ganhar o paraíso? 


- Cale-se, vc não tem o direito nem de falar, quanto mais de me questionar alguma coisa...


- Se tu morreu e não está dormindo aguardando o dia do juízo tu é um demônio, não é assim? Onde estão as verdades que tu pregava? Como posso eu estar vivo e tu morto? Será que eu ressuscitei dos mortos? 


- Cale-se seu herege! Não fale esse nome na minha presença! Já disse que sou um servo do Senhor! Eu sou um escolhido!


Nesse momento fiz ele ver o ser a quem ele realmente estava servindo, mas foi inútil pois ele não quiz acreditar no que viu, e disse:


- Não tente me enganar servo de Satã! Vc não vai me enganar com suas armadilhas! Deus pode mais!


A conversa já estava se prolongando muito, então paralisamos o bispo e o "deus" a quem ele servia se manifestou. Era um ser negro e tinha a coluna vertebral muito saliente; muito alto, magro e careca, com asas como de morcego e um rabo comprido. Os olhos pareciam duas bolas de fogo e quando eu disse à médium que iria até ele para bater um papo ele foi logo dizendo:


- Vc não pode me vencer, pq sou muitos... E vc é ínfimo perante mim. Não sou o que vc pode ver ou alguém desse plano, tenho muitos nomes e muitas imagens...


- Aham! respondi;


- Tanto tenho mais força que posso permanecer aqui, enquanto vc foi obrigado a estar ai... Eu posso estar onde e quando quero! E vc não tem poder algum!


Nesse momento invocamos um guardião de nossa equipe que apareceu e travou uma batalha ali com esse ser demonìaco, terminando por prendê-lo. Ao ser preso ele mudou de formas várias vezes, tendo voltado à forma que tinha na última encarnação terrestre, onde ele foi um Cardeal da Igreja Católica.


Havia vários espíritos aprisionados por esse Cardeal no astral, inclusive vários encarnados em desdobramento, sendo que dentre eles estava a pessoa que nos segue no blog. Nesses casos o procedimento padrão com os encarnados é apagar de suas mentes essas lembranças e mandá-los de volta ao corpo físico. Os desencarnados foram levados por nossa equipe espiritual.


Assim como esses espíritos, muitos se deixaram seduzir pelo poder temporal que lhes foi outorgado pela Igreja em outros tempos, extrapolando em seus desmandos, e depois de mortos não aceitaram sua condição de espíritos endividados e mundanos, criando ilusões de grandeza e delírios messiânicos alguns e mascarando sua verdadeira face outros. Entretanto, ninguém escapa da Lei divina e todos serão chamados a responder por seus atos.


O espírito que havia sido cardeal mantinha o delírio vaidoso do bispo de que era um escolhido de Deus, enquanto ele, que era um ser com plena consciência de suas trevas, utilizava as ligações do bispo com a pessoa encarnada e outras para se manter no astral sem precisar reencarnar, através de processos de vampirização.


Abraço.


Gelson Celistre

terça-feira, 6 de março de 2012

Vidas paralelas

Em meio ao barulho ensurdecedor de bombas explodindo e estilhaços voando por todos os lados, centenas de soldados correm desesperados por entre outras centenas de corpos de soldados mortos no campo de batalha. Na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) morreram cerca de 20 milhões de pessoas. Esse foi o primeiro cenário encontrado ao sintonizarmos com a consulente que, resumidamente, se queixava do seguinte:


"Trago uma tristeza imensa, desde criança, que me deixa abatida e depressiva, meu pulmão dói e já tive crises horríveis no pulmão, mta dor, da ultima vez achei que não ia aguentar, impossível descrever..., essa  dor acredito que seja tb relacionado com minha total insegurança e medo que sinto constantemente. Sinto tb angustia/dor na garganta, estomago, abdomen. Há quatorze anos, por conta de trabalhos espirituais, que são constantes, perdi totalmente a minha energia... é dificil levantar da cama, não tenho vitalidade, perdi a energia de vida, sentido de viver. Faço as minhas obrigações com mto sacrificio, é horrível viver assim (quero dizer que na minha busca de cura tb frequento a 14 anos um centro de umbanda, que me ajuda muito me limpando e me protegendo). E nesta busca de cura eu busquei o reiki e me iniciei nos tres níveis (que nunca me aliviou em nada), passei por curas feitas a distancia que até me ajudou, mas não curou"

Numa das trincheiras encontramos um soldado em grande agonia; ele foi atingido no peito, sangra muito e respira com dificuldade. Além disso ele sente muito medo de ser encontrado pelos inimigos, aliado a incerteza de ser resgatado e conseguir, quiçá, voltar para casa. Este soldado era nossa consulente, que estava desdobrada naquela existência passada. Apagamos sua mente e a encaminhamos ao corpo físico, após isso resgatamos algumas centenas de espíritos naquela frequência e desmanchamos o local no astral, plasmado ali pelas mentes dos soldados.

Logo em seguida vimos uma floresta com várias pessoas amarradas a arvores, espíritos de pessoas que estão encarnadas em sua maioria. Ao redor dessas árvores pode-se ver vários animais mortos, utilizados nos feitços de uma velha bruxa, que tbm transitava por ali. Essa bruxa usava de magia negra para realizar trabalhos onde alguém queria prejudicar algum inimigo ou parente, em troca de algumas moedas de ouro. A velha bruxa conseguia se desdobrar conscientemente (projeção astral) e tbm conseguia desdobrar a vítima de seu feitiço, que era então presa (em espírito) nessa floresta, vindo seu corpo físico a adoecer e/ou falecer, dependendo do que foi encomendado a ela. Era mais uma frequência onde a consulente estava desdobrada, só que nessa não era vítima e sim algoz. Disse a médium para soltar as pessoas presas ali e a bruxa logo se manifestou, dizendo:


- Não é tão fácil assim seu bruxo! Acha que pode chegar aqui e fazer o que bem quiser? Esse lugar e essas pessoas me pertencem! Elas já estão aqui há muito tempo e jamais sairão daqui pois só eu posso soltá-las e não farei isso!!

- Aham, respondi, ao mesmo tempo que já comecei a apagar a mente da velha bruxa.

Várias bruxas apareceram sobrevoando o local e atacaram a médium vidente e, quando as prendemos num campo de força, elas sumiram e voltaram a aparecer em outro local ali. A médium começou a ver tudo borrado e, quando se recuperou, viu uma mulher com aparência estranha, com longas vestes arrastando no chão e que caminhava de costas segurando um pequeno espelho numa das mãos. Ela desaparecia num local e aparecia em outro, como as bruxas que haviam aparecido, dificultando sua captura.

Com um raio quebramos o espelho dela, que se virou em nossa direção tentando nos atacar. Pudemos ver que os olhos dela não tinham pupilas e eram totalmente brancos. Ela disparava raios tentando nos atingir mas a médium criou um espelho que fez refletir um raio de volta para ela, que a atingiu e a derrubou inconsciente. Ela então foi presa e levada por nossa equipe espiritual. As bruxas que foram vistas voando eram apenas artificiais, criações mentais dela. Libertamos os espíritos presos nas árvores, a maioria de encarnados desdobrados, alguns inclusive estavam presos ali há várias encarnações. A tal floresta foi destruída.


Saindo dali fomos a outro local, um tipo de hospital psiquiátrico, com várias pessoas dementadas andando por corredores sombrios, algumas com os dentes podres, onde um cheiro horrível empesteava o ar.  O chão é sujo e as paredes cinzentas parecem cobertas de mofo. Vimos um homem vestindo um jaleco branco, com um isntrumento preso na testa, tipo um lanterna redonda, que parecia ser o médico do local, embora sua aparência fosse de um louco tbm. Esse local era a contrapartida etérica de um hospício que existiu na Bélgica, no século XV.

Esse médico tem uma assistente, uma enfermeira que o ajuda em vários experimentos e pesquisas com os doentes mentais. Ela gosta de torturar os pacientes psicologicamente, falando coisas que excitem os medos e pavores que eles apresentam. Ela os provoca até extrair alguma reação agressiva, então injeta alguma droga neles para observar os resultados. Alguns dos pacientes ela espanca impiedosamente, mesmo eles estando indefesos, encolhidos num canto qualquer.

Ao ver a médium ali o tal médico partiu para cima dela, talvez achando que fosse uma das pacientes, mas foi paralisado por ela. Fizemos o mesmo com a enfermeira, que obviamente era a consulente desdobrada em outra frequência, apagamos a mente dela e a enviamos de volta ao corpo. Muitos dos doentes mentais ali são encarnados e inclusive um dos que ela estava espancando tem uma ligação com ela na vida atual, é pai dela. Efetuamos este procedimento, de apagar a mente e mandar de volta ao corpo físico, nos demais encarnados ali e os desencarnados foram levados por nossa equipe espiritual para tratamento. Este local plasmado no astral tbm foi destruído.

Deixando o hospício, mas não a loucura, fomos parar em outro local, voltando no tempo num passado não muito distante, onde se desenrolava uma cena horrível: uma sala de tortura onde havia um preso sendo torturado. Ele vestia uma calça, estava sem camisa e quase desfalecido. Um outro homem o segura pelo pescoço e enfia a cabeça dele dentro de um tonel com uma água escura e fétida, afogando-o. Ele está tão fraco que nem consegue reagir. Logo morre e seu espírito abandona o corpo.


No astral daquele lugar há vários outros espíritos que morreram torturados tbm. Alguns ainda desfalecidos, sem terem se dado conta de estarem mortos, e outros com muita raiva do torturador. Os que estão meio lúcidos tentam desesperadamente atacar o torturador, mas sem conseguir pois estão em outra dimensão. Um dos homens encarnados ali usa uma farda militar com a bandeira dos EUA nela, mas isso foi aqui no Brasil mesmo, na época da ditadura militar. Os americanos estavam "apenas" ajudando a implantar a ditadura militar e dando "suporte técnico" para os agentes brasileiros. O militar norte-americano é a consulente desdobrada em mais uma frequência.


No astral surgem outros espíritos, estes fardados tbm, que começam a incitar o militar encarnado a maltratar mais os prisioneiros, torturando-os com maior crueldade, e a mente do militar encarnado se afiniza perfeitamente com essas idéias, que logo começa a por em prática.  Mais uma vez encontramos vários encarnados desdobrados, apagamos suas mentes e os enviamos ao corpo fisico. Os desencarnados são levados para nosso posto de socorro no astral. A consulente tbm teve sua mente apagada e foi encaminhada de volta ao corpo, mas enfrentamos forte resistência por parte dela, que não queria voltar. O local foi destruído.

O que vimos com a consulente foi um caso de desdobramento inconsciente, onde ela estava com quatro frequências abertas, ou seja, sua consciência mantinha ativas as memórias de quatro situações diferentes, relativas a vidas passadas, mas que na dimensão astral ainda existiam. A ligação psicoemocional da consulente com os espíritos envolvidos nesses eventos é que provocava os problemas que ela relatou no início.

O desdobramento inconsciente é uma das questões que as pessoas tem mais dificuldade de entender. Talvez esta nomenclatura não seja a mais adequada, mas é a mais utlizada, herdada dos conhecimentos espíritas. Chamamos genericamente de "desdobramento" o fenômeno onde o corpo astral ou perisípirito se afasta do corpo físico, pois no estado natural de nós encarnados eles ficam sobrepostos, interpenetrados, o corpo físico e o corpo astral.

O espiritismo tradicional já tem conhecimento deste estado desde os tempos de Kardec, porém, acreditando que o desdobramento só ocorre se a pessoa estiver num estado de transe sonambúlico ou dormindo. A grande inovação da apometria reside no fato dela provocar esse afastamento do corpo astral (desdobramento) com a pessoa em estado de vigília, ou seja, acordade e em pleno uso de suas faculdades racionais. As implicações são várias, desde encaminhar o consulente desdobrado para tratamento num hospital no astral até encaminhar um médium a uma região umbralina para efetuar algum resgate.

No decorrer dos trabalhos com a técnica apométrica verificamos que o desdobramento ocorre tbm de maneira não induzida deliberadamente, isto é, a pessoa pode se desdobrar involuntariamente, de maneira inconsciente. Vários fatores podem provocar esse desdobramento inconsciente, como a presença de um obsessor que conviveu conosco em vidas passadas, sentimentos fortes em relação a outras pessoas, etc.

Além disso, tbm verificamos que é possível estarmos desdobrados em mais de uma frequência, ou seja, podemos estar com mais de um corpo na dimensão astral ao mesmo tempo. A grosso modo, seria como se cada corpo nosso fosse uma música numa estação de rádio diferente, sendo que várias dessas estações poderiam estar tocando nossas músicas ao mesmo tempo no rádio, cada uma numa frequência diferente.

Em casos de obsessões complexas é comum encontrarmos o consulente desdobrado em mais de uma frequência e fazendo diferentes atividades no astral, em algumas sendo vítima e em outras sendo algozes, como foi o caso desta consulente, onde estava como vítima em uma frequência e como algoz em outras três. É comum tbm que a própria pessoa abra uma frequência onde sofria para poder se desdobrar em outras onde faz os outros sofrerem, mas isso é mais usual em se tratando de magos ou feiticeiros poderosos que agora estão encarnados.

Em casos como o da consulente, é provável que algum outro ser mais poderoso tenha provocado os desdobramentos dela, por ter algum interesse nas frequências onde ela participava. Tbm é possível que a presença de obsessores de alguma dessas vidas, como aquela onde ela era assessor de torturas, tenha provocado a abertura da frequência relativa. O fato é que a maioria das pessoas não apresenta um padrão evolutivo que a imunize de fatos semelhantes, ou seja, se abrir uma frequência de passado nossa onde éramos ruins, dificilmente não agiríamos da mesma forma.

A prática da técnica apométrica nos descortina vários fenômenos, onde percebemos que podemos estar em dimensões do astral vivendo várias vidas paralelas. Descobrimos que o fato de estarmos encarnados não limita tanto assim nossas ações enquanto espírito e que essas atividades "paralelas" provocam vários efeitos em nosso organismo físico. Tbm percebemos que nossa mente pode agir com mais de uma escala de valores nessas vidas paralelas, por exemplo, podemos ser aparentemente boas pessoas aqui e lá sermos pessoas más.

Abraço.


domingo, 4 de março de 2012

O mago escritor

A consulente apresenta uma constipação intestinal recorrente e fortes dores de cabeça, que a incapacitam de exercer suas atividades cotidianas. Estava acompanhada de um espírito com aparência de um troglodita, quase um elo perdido, peludo e parecendo um macaco. Esta aparência era devida à uma vida passada muito antiga onde eles viveram juntos. Ele era muito possessivo e eles viviam meio afastados do resto da tribo ou aldeia. Evidentemente este espírito teve outras encarnações após essa mas ele não lembrava.

O mago negro inspirava vários escritores de livros espíritas, esotéricos, de auto-ajuda, etc.
Apagamos essa frequência de sua mente e ele então se viu como um homem normal, vestindo um traje social e chapéu, numa estação de trem, na qual viu passar a consulente, que embarcou num dos vagões. Ele foi atrás e tentou abordá-la, mas ela estava acompanhada por outro homem e nem o notou. Ele tinha um sentimento de desejo por ela, mas que não era correspondido nessa outra existência.

Foi visto ainda outra existência após essa onde eles foram casados, mas onde ele a maltratava pq lembrava inconscientemente dessa vida onde ela o ignorou. Uma das coisas que ele fazia era obrigá-la a comer alguns tipos de ervas afirmando serem remédio, mas que provocavam constipação intestinal nela, para impedir que ela saísse de casa. Quem lhe preparava essas ervas era um bruxa, atualmente desencarnada, e que manipulava o espírito desse homem para obsidiar a consulente, a fim de lhe extrair ectoplasma. Apagamos a mente do homem e prendemos a velha bruxa. Isto estava ligado diretamente ao problema de constipação dela na vida atual.

Já as dores de cabeça eram provocadas por algum  tipo de equipamento que foi colocado na cabeça dela no corpo astral, parecendo válvulas de segurança de compressores, cuja função era provocar um tipo de pressão. A consulente estava desdobrada numa frequência onde era cobaia num laboratório que pesquisava as relações entre homens e mulheres, mas especificamente pq as mulheres se submetem psicologicamente aos homens. Detalhe, só havia mulheres no local, sendo que a coordenação dos trabalhos era feita por lésbicas, que na realidade eram um grupo de dragões que vampirizavam as cobaias.

A consulente estava lá em duas frequências, numa como cobaia e em outra como parte de um grupo de nove bruxas.que fingiam ser enfermeiras para roubar a energia dos dragões. As nove bruxas trabalhavam para um mago negro. O interessante é que este mago é encarnado e é um escritor muito famoso. Ele utilizava a energia dos dragões para alimentar um quantidade imensa de ovóides. Para quem não sabe, chamamos de ovóides os espíritos que perderam a forma humana de seu corpo astral, por degeneração ou algum outro motivo, ficando apenas seu corpo mental numa forma de ovo geralmente, mas tbm podem se apresentar como se fosse uma larva ou ainda como uma forma gelatinosa disforme.

Os ovóides eram utilizados para vampirizar os leitores dos livros do tal mago, de modo a continuarem como "leitores fiéis". Era inserido magicamente nos textos que ele escrevia uma espécie de código de acesso que identificava e criava um link de acesso em quem lia algum livro dele. Ao identificarem o leitor (encarnado) era acoplado um desses ovóides nele. Muitos dos leitores passavam a ter sensações estranhas, visões, e a sonhar com as coisas fantasiosas escritas nos livros, pretensamente esotéricos e de auto-ajuda.

Quando ele me viu começou a dar explicações sobre o trabalho dele, se achando um grande mago por fazer isso, mas não lhe demos muita atenção, apagamos sua mente e nossa equipe já se posicionou para resgatar os ovóides. Este escritor encarnado era uma dos muitos que estavam sob influência de um outro ser, este sim um poderoso mago negro.

Encontramos o mago negro num grande salão, onde as paredes eram estantes cheias de livros. No salão havia dezenas de escrivaninhas onde médiuns desdobrados estudavam e escreviam. Esse mago tinha uma aparência bem exótica; barba e cabelos compridos, asim como as unhas; vestia por cima da roupa uma capa roxa e tinha orelhas pontudas, como as do Dr. Spock, dos filmes Star Trek (Jornada nas Estrelas). O mago andava de um lado a outro supervisionando as atividades de seus pupilos, todos ambicionando a fama e a fortuna destinada aos escritores de best-sellers.

O mago passa por um dos espíritos que está escrevendo algo e toca com um dedo a cabeça dele e pode-se ver uma energia que entra na cabeça do espírito, depois sussurra algo no ouvido dele, que é um rapaz jovem, e este começa a escrever sem parar. Esse mago tem penetração em vários ramos da literatura, livros de auto-ajuda, esotéricos, espíritas, etc., além de trabalhar não apenas com médiuns espíritas que sabem que o são, mas tbm com escritores com mediunidade intuitiva que nem sabem que possuem essa faculdade, inclusive religiosos não espíritas, como pastores evangélicos, padres católicos, rabinos, etc.

Nossa equipe mostrou ao médium uma pessoa aqui no plano físico lendo um livro que foi inspirado por esse mago negro. Enquanto a pessoa lê sai do livro uma energia que envolve a pessoa e a desdobra, isto é, retira seu espírito (corpo astral) do corpo, como se fosse um zumbi, sendo levado para um local no astral onde fica à disposição do mago negro, para retirada de energia vital.

Bem, estávamos observando sem sermos vistos e quando nossa equipe estava já posicionada para nos dar suporte, provocamos um vendaval que fez voar folhas pra todos os lados ali e o mago se assustou, criando imediatamente um campo de força ao redor dele e tentando ver o que havia provocado aquilo. Nos fizemos visíveis e o mago negro criou uma energia em forma de bastão, que arremessou em minha direção, mas a isolamos, ao que ele tentou usar a energia dos encarnados desdobrados contra nós, tbm sem êxito, pois já havíamos cortado as ligações dele com os encarnados.

Nosso pessoal encaminhou de volta aos corpos as pessoas desdobradas, leitores fiéis dos escritores inspirados pelo mago, que já está nesse ramo há décadas. Destruímos o local e todos o material que os psicógrafos (mesmo os que não sabiam ser) escreviam ali, que depois seria publicado. Com certeza vamos ter uma queda na produção de muitos escritores espíritas, esotéricos e de auto-ajuda; e em alguns talvez  até se note uma mudança no estilo ou perda de qualidade.

Abraço.

Gelson Celistre