quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Dragão do mar

     Uma das médiuns do nosso grupo esteve na praia no final de semana passado e fez um tradicional "selfie" no hotel onde estava. Ela tirou três fotos em sequência usando a câmera frontal do celular e quando foi ver como ficaram as fotos uma delas apresentava uma estranha anomalia. Ela me enviou a foto e pediu minha opinião sobre o que seria e eu a princípio achei que fosse uma sombra, uma alça de bolsa ou biquini, ou até a unha dela na frente da lente, mas pelo modo que ela tirou as fotos e foram três em sequência e só em uma delas apareceu a anomalia então não poderia ter sido nada disso. Em nossa reunião de hoje pude observar melhor a foto no celular dela e resolvemos investigar.


     Na foto aparece um rastro negro em diagonal que parecia ser o rabo de algum bicho e investigando descobrimos que de fato era isso mesmo. Apareceu o rabo de um dragão na fotografia. O ser entretanto estava passando por ali e foi captado pela mediunidade da médium ao tirar a foto. Este ser era um tipo de dragão do mar com quatro patas, pelo pelo corpo como uma ariranha, sua cor era um marrom escuro, e tinha um rabo comprido com algo parecendo uma seta triangular na ponta.
     As médiuns viram que os dragões saíam do mar e recolhiam pessoas desdobras em hotéis e na rua e depois as levavam para o fundo do mar onde havia uma espécie de ninho dessas criaturas, uma célula na verdade. Descobrimos que havia um total de 36 dessas células em todo o litoral do Brasil e em alguns locais da Região Norte, através do Rio Amazonas, pois esses dragões se locomoviam por baixo d'água. Em cada célula dessas havia 12 dragões e cada dragão tinha uma meta de recolher 100 espíritos, ou seja, cada ninho deveria recolher e prender 1200 espíritos, ou seja, 43.200 espíritos aprisionados no total.
     Quando os encontramos hoje a meta não tinha sido atingida mas já haviam recolhido quase 38.000 espíritos de pessoas encarnadas desdobradas. Essas pessoas eram sugadas por algum tempo e depois eram soltas, quando então a célula era renovada pois após atingir sua meta os dragões eram substituídos por outros. Isso ocorria porque esses dragões não tinham essa forma naturalmente, eles eram ovóides e assumiram essa forma para trabalhar para um outro ser muito poderoso. Se permanecessem muito tempo como dragões eles acabariam consumindo muita energia e sobraria pouco para seu chefe. Quando identificamos a primeira célula um dos dragões apareceu tentando nos intimidar mas através dele conseguimos puxar seu chefe. Cada célula tinha um espírito que a gerenciava e ele se apresentou como um homem normal vestindo um traje e chapéu preto.
     Através desse gerente encontramos o líder de toda a operação e a primeira coisa que ele disse foi "até que demoraram muito para me descobrir". Ele estava sentado em um grande trono e sua base se localizava sobre a cidade do Rio de janeiro. Em seguida disse que estava cansado de tudo e que depois que se cria uma organização tão grande como a dele fica até difícil de controlar. Esse espírito já estava aqui no astral do Brasil desde antes da colonização portuguesa e era um mago negro da antiga Atlântida. Acho que ele estava cansado disso tudo mesmo porque nem esboçou reação ao ser preso e será exilado. Os ovóides foram agrupados, desfizemos a forma de dragão e apagamos suas mentes. Serão encaminhados para onde for possível.

Gelson Celistre


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Psicografia

     É muito comum pessoas que não são espíritas e que inclusive professam religiões não-reencarnacionistas, como o catolicismo, procurarem algum centro espírita atrás de notícias de entes queridos falecidos, através da psicografia. A dor da perda de um familiar próximo costuma colocar de lado o preconceito e a desconfiança sobre o espiritismo e provoca até mesmo o questionamento sobre suas próprias crenças religiosas.


     Os centros espíritas costumam aproveitar estas oportunidades para angariar novos seguidores e geralmente a pessoa interessada em receber uma psicografia de um familiar falecido precisa frequentar o centro algum tempo antes de poder participar da sessão onde ocorrerá a tão desejada comunicação com o além.
     As mensagens costumam seguir sempre o mesmo padrão, onde o espírito comunicante fala genericamente sobre o que lhe aconteceu, suas impressões do outro mundo, fala na justiça divina e como está sendo auxiliado e está se recuperando lentamente.
     Já atendemos inúmeros consulentes que passaram por situação semelhante, até mesmo espíritas, onde buscaram notícias de entes queridos através da psicografia em algum centro espírita.
     Em nossa última reunião semana passada atendemos uma pessoa cujo pai havia se suicidado há alguns anos. Essa pessoa é médium em desenvolvimento num centro espírita e ela mesma havia recebido uma psicografia de seu pai algum tempo atrás.
     Ocorre que durante o atendimento dela um dos espíritos que a acompanhavam e que foi socorrido por nossa equipe era justamente esse pai dela. Ele morreu se atirando do alto de um prédio e passados vários anos de sua morte ainda estava no astral do mesmo jeito, todo quebrado e sem condições de se locomover.
     Descobrimos que o pai da consulente havia sido um mago muito poderoso em uma vida passada e que um inimigo dele que o encontrou encarnado, fez ressurgir no inconsciente dele essa lembrança, de como ele tinha poder e uma vida interessante, e isso criou uma ressonância vibratória com aquela vida passada.
     Por conta disso ele passou a sentir uma enorme tristeza por estar preso a uma vida comum e sem poder algum, o que evoluiu para uma depressão profunda. Após anos nessa condição depressiva, seu inimigo finalmente conseguiu uma oportunidade quando estando ele num andar um pouco alto de um prédio e sentindo uma profunda angústia, fez ele ver o solo como um mar de águas tranquilas que lhe acalmariam o coração. Ele se jogou e morreu. Após sua morte ele foi preso por esse mesmo espírito que lhe instigou o suicídio e permaneceu lá até a semana passada, quando o resgatamos.
     Mas então quem se comunicou através da psicografia da consulente, filha do morto? Quem ditou a carta psicografada foi o espírito que mantinha o pai dela preso, o mesmo que fez ele se matar.
     É muito difícil "autenticar" a identidade de um espírito que se comunica através da psicografia. O que as pessoas costumam usar para identificar é ter na psicografia algum detalhe que só eles e o morto conheciam ou que muito poucas pessoas tenham conhecimento. Entretanto, essas informações podem ser coletadas até da mente das próprias pessoas que buscam a comunicação, e mesmo que o médium não tenha conhecimento delas, algum espírito qualquer pode acessar a mente dessas pessoas e vasculhar suas memórias com a finalidade de dar credibilidade a elas.
     Não digo que isso ocorra em todos os casos, eventualmente o espírito comunicante pode ser mesmo quem alega ser, mas esses casos atualmente são raros. Até mesmo espíritos que trabalham na dimensão astral do centro espírita "falsificam" essas psicografias, com a finalidade de dar um alívio e esperança aos que os procuram saber de seus entes queridos.
     Mas porque os próprios espíritos "evocados" não aparecem para se comunicar? A maioria porque não tem mesmo condições de se comunicar. Alguns se revoltam por ter morrido e ficam com tanta raiva que nem raciocinam. Logo caem para regiões mais densas do umbral e para localizá-los teria que se ter uma equipe muito boa, mas isso demanda tempo e energia e geralmente mesmo com boa vontade, a equipe espiritual do centro espírita (na dimensão astral) não tem condições de realizar esse trabalho. E estou falando do caso de ser um centro espírita realmente bom e que tenha uma equipe espiritual do bem, nem vou questionar os locais onde só se trabalha com espíritos sem evolução, independente do que esteja escrito da placa do centro, se kardecista ou outro tipo.
     Em alguns casos o falecido com quem se quer falar foi socorrido e está numa colônia no astral. Nesses casos às vezes ele pode ser trazido para se manifestar mas isso também depende de vários fatores. Esses espíritos em recuperação não tem condições evolutivas de se locomover sozinhos entre a colônia e o centro espírita e precisam de pelo menos dois outros espíritos para trazê-lo, além de um veículo eventualmente. 
    A logística nem sempre é simples e demanda muito gasto de energia, tempo e pessoal. É preciso avaliar se tanto os que querem a comunicação quanto o espírito que pretende ser contatado possuem merecimento para tal empreitada. A grande maioria não tem. Então na maioria dos casos, com a finalidade de dar um alento a um coração machucado, essas comunicações não são tão legítimas quanto as pessoas imaginam.
    Nesses casos a psicografia não preza por ser legítima, mas sim em levar um pouco de conforto a uma alma desesperada, mesmo que essa alma esteja em débito com as leis divinas e não tenha o merecimento de uma comunicação legítima.
     Muitas pessoas irão me questionar dizendo que o Chico Xavier psicografava cartas legítimas e eu concordo plenamente. A diferença é que ele era o Chico e não é qualquer médium de qualquer centro que vai fazer o que ele fez. Ser possível de ser feito é uma coisa e qualquer um fazer é outra bem diferente.
     Nos moldes atuais a maioria dos centros espiritas não tem controle sobre os espíritos que dão comunicação em suas sessões porque o método que utilizam não preza por qualquer tipo de controle ou verificação. Eles simplesmente confiam que os "espíritos de luz" farão tudo que for preciso e sequer utilizam a mediunidade dos médiuns do centro para um trabalho mais ativo ou de parceria com o astral da casa. Trabalham às cegas, basicamente na base da fé. 
     A realidade na dimensão astral que nos rodeia é bem mais complexa do que se divulga nos romances espíritas e se arrepender e orar não basta para ser resgatado do umbral. O espiritismo kardecista no Brasil reduziu o tríplice aspecto do espiritismo de Kardec, de ciência, filosofia e religião, apenas ao aspecto religioso. 

Gelson Celistre

     

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Poltergeist

     Recebi uma solicitação de atendimento de uma pessoa residente em outro país sobre um caso de poltergeist, onde várias pessoas de duas famílias estariam sofrendo ataques espirituais com fenômenos de efeitos físicos, conforme trechos da mensagem abaixo:

"... duas famílias em que estão a sofrer ataques violentos de obsessores, inclusive as crianças. ... As pessoas vêem vultos negros, bichos escuros que lhes sobem palas pernas acima e arranham, são mordidas e atacadas de noite com pontapés e bofetadas e tiram-lhes as coisas das mãos. ... eles também incorporam. A casa apresenta fenómenos poltergeist, no terreno cheira a carne podre e os animas estão a morrer (coelhos e galinhas). Depois de mortos o seu fígado apresenta-se preto."

     Para quem não sabe, poltergeist é um termo em alemão que costuma ser traduzido por espírito brincalhão e que foi popularizado nos anos 80 por conta de uma série de três filmes de Steven Spielberg (Poltergeist, 1982; Poltergeist II - O Outro Lado, 1986 e Poltergeist III - O Capítulo Final, 1988). O termo poltergeist acabou virando sinônimo de casos onde ocorrem manifestações físicas provocadas por espíritos.


Capa da revista francesa "La Vie Mysterieuse", sobre o caso Therese Selles (1911)
     Um fato interessante neste caso é que a pessoa que nos solicitou o atendimento por sua vez recebeu o pedido de auxílio para tratar este caso de uma outra mulher, que foi quem descreveu os fatos no fragmento de mensagem acima, e que aparentemente estaria tentando ajudar as tais famílias por trabalhar como terapeuta. Ao sintonizarmos com a situação logo o espírito de uma antiga bruxa se manifestou com muita raiva dessa mulher que escreveu a mensagem, que vamos chamar de Maria (nome fictício), proferindo impropérios contra ela.

     A bruxa afirmava que Maria era uma charlatã de quinta categoria, uma perfeita idiota intrometida e que estaria tentando "fazer fama" por conta de um bando de crédulos que acreditam em tudo que ela diz. Essa bruxa foi descrita pela médium como hedionda e foi visto que ela tem perseguido os membros dessa família há séculos por vingança, tendo dedicado suas últimas existências a isso.

     Essa bruxa está encarnada atualmente e promove o inferno na vida dessas pessoas atuando em desdobramento. E adivinhem quem é a bruxa? A mulher que escreveu a mensagem, Maria. Este tipo de situação é bastante curiosa mas muito comum, onde uma pessoa em desdobramento se revolta contra suas atitudes aqui no físico. 

     Esse fenômeno chamamos de dissociação da consciência e advém da capacidade de nossa mente de atuar em várias dimensões ao mesmo tempo, que costumamos chamar de frequências abertas. A bruxa estava indignada com a parte da sua consciência que está encarnada por ela ter se metido na situação deixando ela (a bruxa) exposta.

     Nas casas das vítimas (no astral) havia símbolos diversos desenhados nas paredes, chão e teto, alguns desenhados com sangue de pessoas e animais, outros com carvão, e foram todos feitos pela bruxa. A bruxa também conseguiu desmaterializar vários objetos da casa, o que comprova de fato os fenômenos poltergeist, e os manter no astral da casa como parte de algum feitiço. Também havia muitos espíritos aprisionados no local e ossos de pessoas dessa família mortos em outras vidas e que a bruxa conseguiu também desmaterializar e manter consigo.

A origem do mal

     Essa bruxa parece ser um espírito muito perverso e a desgraça dessas famílias começou quando cruzaram com ela há séculos atrás, na Espanha, no ano de 1388. A bruxa naquela vida contava então com 26 anos de idade e era freira. Apesar de ser freira ela tinha uma propensão às coisas ocultas e além de ler vários livros proibidos pela Igreja, ainda tentou aliciar outras freiras.

     Ela foi descoberta e acusada de heresia e bruxaria, de adoradora de Satã, tendo sido cruelmente torturada, como costumava acontecer nos tempos da Santa Inquisição, ficando praticamente sem pele no corpo devido aos açoitamentos. Suportou cerca de 10 dias antes de morrer jurando vingança por toda eternidade contra todos que participaram de sua morte.

     Desde essa existência na Espanha em 1388 até os dias de hoje, a bruxa teve cinco encarnações incluindo a vida atual, e em todas elas ela perseguiu a Madre Superiora e as outras freiras e carrascos que participaram de sua morte, que hoje estão encarnados nessas duas famílias. 

Bruxa
     
     Depois de morta na vida como freira ela reencarnou por volta de 1476 e nesta vida realmente foi uma bruxa. Ela sequestrava mulheres grávidas prestes à dar a luz e as mantinha prisioneiras até o momento do parto,  quando então as matava. Quando os bebês nasciam ela lhes abria o peito e arrancava o coração, que comia em seguida juntamente com o cordão umbilical.

Manicômio

     Em sua próxima vida a bruxa foi diretor de um manicômio e como acontecia seguidamente naquela época muitas pessoas normais eram internadas como loucas. Podia ser por motivos políticos, de herança, casamento, etc., mas o fato é que pessoas sãs eram internadas lá e devido aos tratamentos, praticamente torturas, acabavam de fato enlouquecendo.
     
Serial killer

     Em sua penúltima encarnação, que ocorreu no início do século XX, nos idos de 1900, ela foi um serial killer que praticava necrofilia e necrofagia, e matou 36 mulheres. Seu ódio era tanto que ela (que nesta vida foi um homem) matava as mulheres, praticava sexo com o cadáver e depois lhes abria o peito, arrancava o coração e o comia. 

Epílogo
     
     Todas essas frequências estavam abertas com a bruxa desdobrada e atuando ativamente. A quantidade de espíritos e energias ligados a ela era enorme e demorou muito para que nossa equipe espiritual conseguisse resgatar todos os seres e transmutar essas energias. 
     
     O tratamento neste caso é fechar essas frequências apagando a mente do espirito a lembrança dessas vidas e impedindo o acesso a elas. Vários espíritos de pessoas encarnadas estavam agindo ou aprisionados nesses locais e esses também apagamos a mente e enviamos de volta ao corpo. O enorme contingente de espíritos desencarnados precisa passar por uma triagem onde são analisadas suas condições de saúde e kármicas para se decidir o que fazer com eles. Alguns vão para hospitais, outros para prisões, outros para cidades no astral, os que pode encarnar já são encaminhados pra isso e alguns ainda, os muito maus e que não têm mais condições de regeneração, são exilados.

     A ocorrência de fenômenos poltergeist pressupõe um dispêndio muito grande de energia ectoplásmica, que geralmente é retirada das próprias vítimas do fenômeno, mas que também pode se retirada de outras pessoas ou locais e ser transportada até o local onde o espírito pretende se manifestar. O ectoplasma pode também ser adquirido de outros espíritos no astral, que já o coletaram  e o negociam em troca de favores ou de qualquer coisa em que tenham interesse.

     Também não acontece com qualquer pessoa, é preciso que as vítimas do fenômeno tenham um karma que os predisponha a isso, geralmente espíritos que no passado se envolveram com magia negra, cultos satânicos e similares, onde se manipulou muita energia com mortes ritualísticas de seres humanos e animais. Provavelmente os fenômenos cessarão mas não podemos afirmar com certeza porque se estão passando por isso é porque possuem um karma muito forte e negativo e isso indica ainda que são espíritos muito endividados karmicamente. Se não ocorrer uma mudança de consciência e atitudes por parte deles, esse ou outros fenômenos espirituais podem voltar a ocorrer.

     Gelson Celistre












terça-feira, 11 de novembro de 2014

Enterrado vivo

     Semana passada fui ao cinema com meus filhos assistir o filme Drácula - A história nunca contada. O filme é interessante e coloca o legendário Drácula como um tipo de herói que optou por se tornar um vampiro, um "monstro", para salvar seu filho, esposa e súditos.



     Quando retornamos fui arrumar a lavanderia aqui de casa que estava atulhada de coisas e pedi para meu filho me ajudar. Durante a arrumação percebi que ele começou a sentir muito cansaço e a respirar com dificuldade e logo ele me perguntou se podia ir dormir. Apesar de estarmos no meio da tarde consenti. Ele dormiu direto até o outro dia e só levantou, com muito custo, porque tinha que ir para a escola, mas queixando-se de dores nas costas e muito cansaço, que perdurou uns dois ou três dias.
     Conhecendo meu filho não foi difícil imaginar que ao assistir o filme ele tivesse aberto alguma frequência de vida passada associada a vampirismo ou coisas similares e com a ajuda de uma médium resolvi investigar o ocorrido. Ao sintonizar com a situação do meu filho, doravante chamado de consulente, descobrimos o que segue.
     
Romênia - 1306

     Numa vida passada o consulente fez parte de uma seita de adoradores do demônio que entre outras coisas sacrificavam pessoas e bebiam seu sangue. As imagens e situações ocorridas no filme ativaram em seu subconsciente a lembrança de fatos dessa outra vida que o sintonizaram com vários espíritos ligados a ele naquela existência. Dois desses espíritos, que tinham a aparência dos vampiros clássicos, com roupa e capa pretas, o desdobraram e o sequestraram antes mesmo de terminar o filme.
     O local para onde ele foi levado era sombrio e parecia uma galeria de esgoto, fétida e úmida. Na verdade esse local era uma duplicata no plano astral do local onde naquela existência ele foi morto. 

Enterrado vivo


     Existia uma rivalidade muito grande entre alguns membros da tal seita, principalmente entre o consulente e um outro membro, esse mais velho, por conta dos aparentes "poderes" que o consulente possuía e que o faziam se destacar dentro da seita. Esses poderes provavelmente eram algum tipo de mediunidade que ele possuía e que facilitava o contato com o mundo astral, possivelmente com o ser das trevas ao qual eles reverenciavam em seus cultos satânicos, que envolviam também orgias sexuais.
     Esse outro membro da seita mandou dois de seus serviçais sequestrar o consulente e descobrir qual o segredo de seu "poder" e depois matá-lo, o que ocorreu mesmo eles não descobrindo o tal segredo. O consulente foi enterrado vivo dentro de um caixão e "emparedado" numa galeria de esgotos.

O dissidente

     Esse outro membro havia sido expulso da seita, era um dissidente, por conta de ter matado a esposa do consulente e bebido seu sangue, o que era proibido segundo as normas deles por ela ser esposa de outro membro. Isso aumentou a rivalidade entre ambos, o consulente e o dissidente. 
     O dissidente continuou com suas práticas satânicas com alguns outros membros que o seguiram e fundou outra seita.

O segredo do anel

     Descobrimos que o consulente tinha uma ligação muito forte com um ser das trevas muito poderoso e que este ser era quem potencializava suas faculdades mediúnicas com a energia que armazenava das vítimas dos rituais e também com as energias que coletava durante as orgias da seita. 
     A coleta dessa energia era feita através de um anel com uma pedra escura, que estava ligado a um enorme cristal na dimensão astral que armazenava essa energia. Era esse anel que o dissidente queria mas como não sabia que era essa joia que mantinha a ligação com o ser das trevas o anel foi enterrado junto com o consulente.
     Os membros da seita à qual o consulente fazia parte procuraram por séculos pelo local de sua tumba para tentar recuperar esse anel, que era o que mantinha a ligação entre a seita e o tal ser demoníaco, que habitava os abismos da dimensão astral e que só conseguia se conectar com a dimensão física através de quem estivesse usando o anel.

O resgate

     Quando efetuamos o resgate do consulente tivemos que enfrentar o dissidente que o mandara matar e que ainda estava atrás do anel, pois somente depois de morto naquela existência ele descobriu que era o anel que conferia poder ao consulente e sua seita. Ele apareceu esbravejando, exigindo que lhe entregássemos o tal anel, mas foi preso sem causar maiores problemas, juntamente com seus dois serviçais que haviam sequestrado o consulente.

O ser das trevas

     Além do dissidente, o consulente também sintonizou com o ser das trevas ao qual servia naquela vida e que lhe conferia certos poderes. Este ser, ainda preso nas trevas abismais do submundo astralino, perdeu o contato com a dimensão física quando o consulente morreu séculos atrás e seu estoque de energia já estava praticamente zerado. 
     Quando essa frequência foi aberta ele usou o resto de forças que tinha para se conectar e sugar energia, um dos motivos do cansaço e dores do consulente. Foi preso também e será exilado pois não tem mais condições de permanecer no planeta.

Ressonância de vida passada

     Este relato demonstra como podemos abrir frequências de vidas passadas no dia-a-dia, no caso assistindo um filme, mas pode acontecer lendo um livro, sentindo um perfume, ouvindo uma voz, vendo uma pintura, etc. 
     Além das imagens do filme serem de uma época antiga também havia alguns acontecimentos semelhantes aos que ocorreram na vida passada do consulente, como a morte da esposa, vampirismo, e em algumas partes aparece bem a aliança do Drácula que por ser de prata passa a lhe queimar depois que ele vira vampiro, o que remete também à questão do anel do consulente naquela vida. 
     No filme o vampiro que criou o Drácula vivia preso em uma caverna que também tem semelhança com o local onde o consulente foi enterrado vivo. A soma de todos esses detalhes fez com que a mente subconsciente do consulente fosse despertada para a lembrança daquela vida, gerando assim a ressonância com aquela vida passada.
     Se o caso não fosse tratado logo o consulente, que nessa vida também possui mediunidade, poderia sofrer inúmeras consequências desagradáveis que poderiam, passando por um grave caso de doenças, depressão e síndrome do pânico, levá-lo à morte.

Gelson Celistre
     

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Livro de Magia

     Livros de magia ou feitiços são comuns e aparecem seguidamente em nossos trabalhos apométricos. Esse tipo de objeto, assim como jóias e amuletos usados por magos e feiticeiros, costumam conter muita energia e realmente conferem poder a quem os possui. Em uma das minhas vidas como mago, antes de Cristo, eu escrevi um livro de magia que até hoje ainda possui folhas perdidas pelo astral e que aos poucos eu venho recolhendo. Quando escrevemos um livro como esse, de magia, nos tornamos corresponsáveis karmicamente pelo mal que alguém possa fazer utilizando esses feitiços.


Livro de Magia

     Na semana passada durante o atendimento de uma consulente que foi bruxa em várias vidas e estava com várias frequências ativas na dimensão astral, numa delas nos deparamos com um livro de magia. O procedimento padrão nesses casos é queimar o objeto para que não sirva mais a nenhum ser das trevas e um dos médiuns do grupo se encarregou disso.
     Esse mesmo médium não pôde vir na reunião desta semana por motivo de trabalho mas pediu para verificarmos se tinha alguma coisa com ele pois na terça-feira desta semana ele acordou com dores nas omoplatas sem ter motivo para tal. Ao verificarmos o que havia com ele as médiuns viram que havia dois punhais cravados nas costas dele, um em cada omoplata.
     Rastreando quem lhe cravou as adagas encontramos a consulente da semana passada na frequência de bruxa onde ela havia sido vista. As médiuns que a viram perceberam que ela estava com raiva do médium por ele ter queimado seu livro de magia e que por isso o atacou. Uma delas percebeu que a consulente e o médium possuíam uma ligação kármica de vida passada e pensaram então que esse seria o motivo do ataque.
     Expliquei a elas então que esse não poderia ser o motivo porque nosso procedimento padrão nesses casos, onde encontramos pessoas desdobradas em várias frequências, é apagar a mente da pessoa fechando assim a referida frequência. Além disso, somos assessorados por uma equipe espiritual muito competente e se o médium esquecesse de fazer isso ou por algum outro motivo qualquer não conseguisse fazer, ou a alguém da própria equipe espiritual faria ou eu mesmo desdobrado faria.
     Pedi às médiuns que se concentrassem novamente e investigassem mais e então uma delas viu que a ligação entre o médium e a consulente era justamente por conta desse livro de magia. Num passado distante onde ambos eram bruxos ou magos o médium atacou a consulente para tentar obter o tal livro, que ela já possuía naquela encarnação, mas mesmo a tendo matado ela havia escondido o livro e ele não o obteve.
     Durante o atendimento o reencontro dos dois, ambos desdobrados na dimensão astral, fez com que ele lembrasse de tudo e de como ele desejava o tal livro. O médium então, em desdobramento e influenciado pela sua própria frequência de vida passada que desejava o livro, não chegou a queimá-lo totalmente, apenas chamuscou a capa e manteve o livro consigo na dimensão astral.
     Por esse motivo nossa equipe espiritual permitiu que essa frequência de bruxa da consulente permanecesse aberta e que atacasse o médium com as adagas, disputando a posse do tal livro. Vejam como é difícil a tarefa do médium que além de lidar com as trevas alheias precisa enfrentar as sua próprias, sendo constantemente testado e seduzido, às vezes, por elas.
     Pedi às médiuns para retirarem o livro dele e queimá-lo mas elas não conseguiram pois ele relutava em entregar o livro. Eu então me desdobrei e fui até ele no astral conversar e tentar convencê-lo de que a posse desse livro, por mais que ele argumentasse que os poderes contidos ali nos seriam úteis no combate às trevas, lhe acarretariam um grande mal pois a energia desse livro era muito forte e a simples posse de tal livro, mesmo não o utilizando para nenhum fim, já exercia uma influência muito grande sobre a mente de seu proprietário.
     Mesmo com minha argumentação o médium se mantinha relutante em entregar o livro e tive que apagar sua mente para fechar essa frequência. Segundo as médiuns a energia do livro era tão forte que para destruí-lo eu sofri um enorme desgaste de energia.
     Esse relato é para demostrar como é difícil o trabalho mediúnico e o quanto ele exige do próprio médium, no sentido de estar em constante aprimoramento ético consigo mesmo. Nesse nível de trabalho não se trata de aparências, mas de questões de foro íntimo de cada um onde nossas trevas mais secretas se manifestam das formas mais inusitadas, tentando constantemente nos seduzir para o retorno ao lado negro.

Gelson Celistre



sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Mestre Reiki Extraterrestre

México - 1969

     Uma nave interplanetária cai no México devido a uma pane e seu único ocupante, um extraterrestre insectóide parecendo um gafanhoto marrom com cerca de dois metros de altura, morre na queda.

Brasil - 2014

     Durante um trabalho espiritual encontramos esse mesmo ET insectóide vivendo na nossa dimensão astral, 45 anos após a morte de seu corpo físico, junto a um mestre de reiki.



     Para quem não leu nossos vários posts sobre o reiki, onde esclarecemos que entidades das trevas, espíritos ruins, se aproveitam da ingnorância e vaidade das pessoas para lhes sugar as energias, e que esse papo de ser apenas um canal de uma energia divida que cura tudo é uma grande ilusão, pois a enegia que qualquer um de nós doa é a sua própria, absorvida da natureza e processada em nossos chacras, e que na iniciação esses espíritos das trevas marcam o reikiano como os fazendeiros marcam o gado, para que outros criadores saibam a quem esse gado pertence, seria proveitoso que lessem esses posts.
     Nosso encontro com etgafanhoto começou com um pedido de auxílio, conforme segue: "Fiz a segunda iniciação do reiki este mês e desde então coisas estranhas têm me acontecido, além do fato de estar me sentindo mal com isso. Busquei no google alguém que tivesse tido uma má experiencia com o reiki e cheguei até o seu blog ... estou precisando muito, sinto que não fiz uma boa coisa me iniciando... eu estou muito preocupada, pq esses dias eu estava em um restaurante e comecei a sentir que alguma coisa ali estava me sugando e fiquei quase desconectada da realidade na hora. Fui levada embora pra casa e ainda demorou umas 2 horas pra voltar ao normal estou muito preocupada, pq nao tenho me sentido bem fisicamente, muito fraca. Foi tudo isso que me fez questionar se aquilo era realmente bom"
Ao sintonizar com a consulente os médiuns viram um lago com uma água escura e pedras negras, e dentro desse lago várias pessoas encarnadas desdobradas. Essas pessoas tinham um um tipo de esponja circular sobre os principais chacras, como se fosse um tampão. Essa esponja ficava grudada no corpo astral delas o tempo inteiro absorvendo a energia dos chacras e quando estavam carregados elas eram levadas até esse lago e mergulhadas nele, onde então essas esponjas se soltavam e caíam o fundo do lago. Na verdade elas são levadas regularmente a esse lago, em intervalo de horas, para que seja coletada a energia das esponjas. Quando saíam do lago outra esponja era colocada nelas para continuar a absorver a energia.
Essas pessoas, todas encarnadas, usam uma túnica clara, um pingente no pescoço e uma marca na testa. Calma, não é a marca da besta, é apenas uma marca que o ET fez para marcar seu gado, assim se outro espírito se deparar com alguma delas vagando no astral terá medo de fazer alguma coisa porque sabe que essa pessoa tem dono. Uma dessas pessoas obviamente era a nossa consulente. Quando chegam no lago elas se despem e mergulham nele. O que essas pessoas todas tem em comum é que foram iniciadas em reiki pelo mesmo mestre(a).
O que acontece é que a grande maioria, senão a totalidade, das pessoas que acabam se envolvendo com terapias alternativas e coisas assemelhadas possui algum tipo de mediunidade (que é um efeito de karma negativo) mas acredita que isso é um dom, que tem uma missão e que espiritualmente estão mais "adiantadas" que as demais, estando assim habilitadas a conduzi-las e orientá-las, isso quando não se trata apenas de quem quer ganhar um dinheirinho extra sem muito esforço vendendo ilusões.
Então quando uma pessoa com esse perfil se torna um "mestre reiki" logo algum espírito espertalhão, que também quer conseguir uma energia fácil, se associa espiritualmente com esse mestre e passa a trabalhar com ele, aprisionando as pessoas por ele iniciadas, das quais retira energias vitais para poder se manter no astral sem precisar reencarnar.
No caso em questão o tal ET queria apenas voltar pra casa, seu planeta de origem, e estava armazendo energia pra tentar comprar sua passagem de volta, provavelmente negociando com alguma oganização das trevas, das muitas que existem no astral.
O interessante é que esse gafanhoto não criou o tal lago e as esponjas pois quem extraía energia dessa forma e nesse local era um outro espírito, este terráqueo mesmo, e que trabalhava com o tal mestre(a) reiki. Esse outro espírito foi preso por inimigos dele no astral (ainda está preso por eles) e o local ficou abandonado. O gafanhoto, que observava há tempos o que ocorria ali, simplesmente assumiu o lugar do outro junto ao mestre reiki, que na verdade não tem a mínima noção de que isso ocorre no astral, pelo menos em estado de consciência física, e passou a retirar a energia desses reikianos, tratando logo de marcá-los na testa. Esse antigo dono do local em sua última encarnação aqui na Terra foi um monge tibetano, daqueles que usam os mantos vermelhos, e trabalhava com alguns mestres de reiki antes de ser preso por seus adversários.
Após efetuarmos as desconexões, apagando a marca feita pelo gafanhoto e destruindo os pingentes, apagamos a mente dos reikianos que estavam ali e os reacoplamos em seus corpos. O gafanhoto reagiu, nos atacou, mas foi paralisado e preso. O local foi destruído e não servirá mais para coleta de energia.
Nesse caso o "verdadeiro" mestre reiki era o ET, que era quem realmente iniciava as pessoas. A iniciação nesses casos como do reiki é um ritual que serve para conectar dois seres, o que age por trás do mestre reiki encarnado e o iniciado, que passa a ser "propriedade" do mestre que atua no astral.

Gelson Celistre






terça-feira, 21 de outubro de 2014

O jovem sacerdote

     O que pode haver em comum entre um homem que se suicidou recentemente nos Estados Unidos da América e um jovem sacerdote que foi enforcado há séculos na Europa? Aparentemente nada mas se investigarmos melhor as vidas de ambos descobriremos. Recentemente um homem cometeu suicídio nos EUA, por enforcamento, porque sua esposa descobriu que ele era homossexual, por tê-lo visto se relacionando sexualmente com outro homem, e contou isso aos filhos do casal. O homem não suportou a vergonha e preferiu se matar a ter que encarar seus familiares.



     Há seculos esse mesmo homem foi um dos responsáveis pelo enforcamento de um jovem sacerdote que morreu por ter visto mais do que deveria. O suicida era então um cardeal e estava fazendo sexo com um bispo quando o jovem sacerdote presenciou a cena. Como punição o amante do cardeal, o bispo, arrancou pessoalmente os olhos do jovem sacerdote com um punhal incandescido em brasas. Mesmo assim, temendo que o jovem viesse a comentar o que viu com alguém, a dupla homoeclesiástica mandou enforcá-lo duas semanas depois de cegá-lo, juntamente com outros dois sacerdotes que lhe eram mais próximos, pois temiam que o jovem tivesse contado o que viu a eles. 
     A justiça kármica age lentamente às vezes mas ninguém escapa das consequências de seus atos. Para manter seu relacionamento homossexual oculto, mandou enforcar três jovens. Séculos mais tarde, por ter seu relacionamento homossexual descoberto, ele se enforcou. Atualmente o jovem sacerdote está encarnado no Brasil e seu pai biológico foi o bispo que lhe arrancou os olhos e o mandou para a forca. 
     Mas porque um fato ocorrido há tanto tempo criaria alguma conexão entre um suicida na América do Norte e outra pessoa ainda viva na América do Sul? A resposta é um outro espírito que não conheceu nenhum dos dois fisicamente.
Sempre houve na história homens que se dedicaram, como eu faço agora, a lutar contra as forças das trevas. Mas eu nem sempre estive do lado do bem, na verdade acho que estive mais no lado das trevas do que da luz, mas enfim, em um período em que eu estava nas trevas, e nem estava encarnado, um desses caçadores do mal descobriu algumas de minhas atividades e tentou me capturar, sem sucesso. Naquela vida como encarnado esse homem era um exorcista.
     Atualmente o exorcista está desencarnado e ainda com aquela personalidade da vida anterior, caçando os espíritos do mal. Não sei como ele acabou me descobrindo encarnado e tentou me capturar. Seu plano era abrir a frequência daquela vida onde eu fui o jovem sacerdote e me sintonizar com ela, numa tentativa de enfraquecer minha mente e assim me capturar mais facilmente. A única coisa que ele conseguiu com isso foi provocar um ardor nos meus olhos.
    Achei curiosa a situação e em sinal de cortesia profissional, afinal estou fazendo hoje o que ele fazia antigamente, caçando seres das trevas, eu me desdobrei e fui conversar com ele, tentando lhe explicar que atualmente não estou mais atuando pelas trevas. O exorcista entretanto tinha uma compreensão muito limitada e não conseguiu entender a situação, então o coloquei para dormir e nossa equipe espiritual o levou para um local de recuperação. Talvez se ele tiver condições venha a trabalhar conosco no astral.
     Pode parecer chocante e até triste uma vida onde a pessoa morre injustamente e de uma maneira trágica, com os olhos arrancados e enforcado, mas numa história sórdida e perfida como essa é preferível ser a vítima do que o algoz. Afinal, como dizia Sócrates, é melhor sofrer uma injustiça do que cometê-la.

Gelson Celistre

domingo, 5 de outubro de 2014

Roleta russa

     Este relato é para demonstrar como age a justiça kármica. Embora em muitos casos nossos atos positivos pesem na balança kármica e o retorno de alguma ação negativa feita por nós seja bastante amenizado, em outros casos a lei parece ser na base do olho por olho.
     Na nossa reunião da semana passada uma das médiuns do grupo nos trouxe o caso de um rapaz de 18 anos, conhecido dela e de sua filha, que morreu numa brincadeira de roleta russa com alguns amigos alguns dias antes.


     Trouxemos o rapaz que estava muito revoltado e se recusou a conversar e então deixei-o ir. Após os atendimentos da noite outra médium percebeu a presença do espírito do rapaz, que retornou (não sei se por vontade própria ou por meio de alguém da nossa equipe espiritual) e incorporou na médium que havia solicitado atendimento a ele.
     A médium que captou a presença do espírito disse que eles fizeram aquilo (a roleta russa) para provar que eram corajosos e eu retruquei que aquilo não era coragem e sim estupidez e que eu não deixaria ninguém apontar uma arma para minha cabeça. Nisso outro espírito que acompanhava o jovem recém falecido disse que eu era um covarde por conta disso. Esse espírito fazia parte de um grupo de oito espíritos que acompanhavam o jovem recém morto e provavelmente foi a presença deles que incentivou o rapaz a esse tipo de brincadeira.
     Mas com o recém-morto incorporado conversei rapidamente com ele, que estava muito revoltado por ter morrido desse jeito e repetia que ele era um "guri bom" e que não merecia ter morrido assim. Disse a ele que nós o ajudaríamos e que ele seria levado a um local onde iria se recuperar e depois teria oportunidade de trabalhar e estudar. Ele não estava aceitando muito bem a situação então perguntei a ele se queria saber o motivo dele ter morrido assim e como ele concordou o fiz ver uma vida passada onde ele gerou esse karma.
     Antes de tudo vou ressaltar que esse recurso só utilizo quando acho que o espírito realmente não conhece seu passado (suas vidas passadas) e que sabendo do que fez de ruim pode aceitar mais facilmente o que lhe ocorreu e o que precisa fazer para melhorar. No caso de espiritos das trevas que sabem o mal que já fizeram e não querem mesmo se modificar este recurso é inútil.
     O jovem começou a ver o que fez no passado e a primeira coisa que falou foi me questionar se ele teria que pagar por uma coisa que ele nem lembra que fez e eu lhe disse que sim, que todos temos que pagar pelos nossos atos, lembrando ou não de ter feito. Disse a ele que podia aceitar as regras do local para onde iria ou ir embora para onde quizesse e ele acabou aceitando. Os oito espíritos que o acompanhavam foram levados junto com ele.
     O que o jovem fez para morrer numa brincadeira de roleta russa foi o seguinte: numa vida passada, durante uma guerra, ele o grupo de espíritos que o acompanhavam eram soldados e ao invadirem vilarejos ou fazer prisioneiros, se divertiam colocando as pessoas de joelho e ameaçando atirar na cabeça delas. Eles não faziam isso porque estavam em guerra mas porque gostavam de torturar as pessoas assim, tanto civis quando militares, crianças ou adultos. Eles disparavam a arma várias vezes na nuca das pessoas sem balas, para torturá-las, e depois de se divertir com o pânico das pessoas diziam a elas que não iriam matá-las, para a pessoa se sentir aliviada, e então disparavam a arma na cabeça delas, assassinando-as covardemente.
     O que podemos deduzir nesse caso é que este espírito não se modificou muito desde a vida passada onde cometeu essas atrocidades e quando a Lei do Retorno lhe trouxe de volta essas energias de morte que ele gerou no passado ele não tinha boas ações para amenizar as consequências e foi praticamente na base da Lei de Talião que se deu o resgate. Mas enfim, ele ainda obteve o merecimento de ser resgatado e vai ter a oportunidade de se preparar para uma nova vida aqui na matéria.

Gelson Celistre

domingo, 7 de setembro de 2014

O guru


A consulente solicitou atendimento para tratar problemas de relacionamento com familiares. Afirma que foi maltratada pela madrasta quando era criança e que atualmente não se relacionam. A consulente mora na Indonésia mas é natural da Europa e relata que se sente mal quando fala com o pai por telefone. Acorda com dores e sem energia nas mãos e também sente dores no corpo, peso nos ombros e dificuldade de concentração no local onde trabalha.



Dissociação da consciência

     A dissociação da consciência ou desdobramento é um fenômeno muito comum e pode ocorrer por vários motivos, sendo um deles a localização geográfica e cultural. Basicamente a dissociação ocorre quando saímos de nosso corpo físico com nosso corpo astral e sintonizamos com uma frequência de vida passada, assumindo então no astral a personalidade que tínhamos naquela existência. Em muitos casos a pessoa passa a ter vidas paralelas, com uma consciência aqui no plano físico e uma ou mais consciências na dimensão astral. 
     No caso em questão a consulente em vida passada viveu próxima dessa região onde hoje reside e a proximidade geográfica e cultural fez com que ela sintonizasse com a frequência relativa àquela vida passada. 

O guru

     Na tal vida passada a consulente fazia parte de uma seita que venerava seu fundador, um guru já falecido. A consulente era um tipo de sacerdotisa ou devota que liderava a seita e através de um ritual de magia negra conseguiu realizar um procedimento chamado de avatar pelos ocultistas. Este procedimento consiste em expulsar o espírito de uma pessoa de seu corpo físico para que um outro espírito possa se utilizar dele. É um tipo de possessão. 
     Nesse caso o espírito que passou a habitar o corpo do homem que foi submetido ao ritual erea o falecido líder da seita a qual a consulente fazia parte. O procedimento foi realizado com sucesso e o fundador da seita voltou a habitar entre os vivos até o esgotamento do corpo físico que passou a possuir, por cerca de 30 anos, tendo sua seita então se revigorado nesse período devido ao retorno do guru que foi bastante prestigiado em sua época/região e teve muitos seguidores.


O ritual

     O ritual ocorreu num local escuro e iluminado apenas pelas velas que os membros da seita, vestindo túnicas e capuz cobrindo suas cabeças, seguravam com ambas as mãos. As velas eram entalhadas com símbolos mágicos e as pessoas também recitavam palavras secretas, quase como um mantra.
     A vítima do ritual, um homem de aproximadamente 40 anos, estava deitado sobre um altar de madeira seminu, desacordado ou semiconsciente, apenas com um pedaço de pano branco enrolado na cintura. Tinha cabelos pretos e a pele clara. Os membros da seita andam lentamente ao redor do altar, segurando suas velas e recitando sua ladainha, enquanto o homem se contorce e geme como se estivesse agora sofrendo dores atrozes.
     O homem no altar atualmente é o pai da consulente e a madrasta dela era a esposa dele naquela vida, que ficou desesperada porque seu marido sumiu da aldeia onde moravam e nunca mais foi visto. Houve boatos na época de que a tal seita seria a responsável pelo desaparecimento de seu marido mas ninguém ousava declarar isso abertamente ou enfrentar a tal seita, pois eram fanáticos, violentos e tinham muito poder.

O confronto

     O tal guru naquela existência depois do falecimento do corpo do qual se apossou se manteve no astral com a energia dos seus seguidores. Ele já era um espirito das trevas e costumava encarnar e fundar uma seita para angariar seguidores, pois vivia com a energia que vampirizava deles. o encontramos o guru não tinha mais um corpo astral normal, ele tinha apenas uma massa de energia astral envolvendo seu corpo mental que se estendia por cerca de 50 metros de maneira disforme, como um nuvem. Dessa nuvem saíam fios como se fossem tentáculos, oito deles mais grossos, que estavam ligados a pessoas encarnadas que foram seus seguidores mais fiéis, por meio do qual o guru retirava energia para se manter. 
     A primeira providência que tomamos foi paralisar a criatura e cortar essas ligações energéticas que o supriam de energia. Imediatamente ele começou a encolher e a enorme nuvem cinzenta ficou do tamanho de uma bola de basquete. Após isso ele foi preso e encaminhado a um outro planeta, mais compatível com seu (baixo) estado evolutivo. Os espíritos aprisionados por ele foram libertados, inclusive outros encarnados dos quais também tirava energia.
     A consulente estava desdobrada na dimensão astral vivenciando aquela vida passada pois tinha uma ligação muito forte com o guru, uma ligação quase simbiótica. O procedimento normal nesses casos é fechar a frequência, resgatando os espíritos desencarnados ligados a ela, e apagando a mente dos encarnados que se encontram lá em estado de dissociação de consciência.
     Também apagamos a mente da madrasta e do pai da consulente para os desligar daquela frequencia que alimentava seus sentimentos da vida atual.

Espelhamento

     Os problemas de relacionamento familiar da consulente podem até amenizar mas dificilmente serão uma família feliz, dado que sua ligação kármica é negativa e não amorosa. As dores que a consulente sente são produto de um processo natural de espelhamento que faz com que nosso corpo físico apresente os sintomas dos males que causamos ao corpo astral de outro espírito desencarnado na dimensão astral, quando em estado de dissociação de consciência estamos lhe fazendo algum mal. Devem diminuir e podem até cessar totalmente, mas não temos como afirmar com certeza porque a consulente pode estar dissociada em outra frequência, o que é bastante provável em função da ligação dela com o tal guru, que era um espírito de alto grau de periculosidade.

Gelson Celistre

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Osho e a migração interplanetária

Quem foi Osho




Osho
(Bhagwan Shree Rajneesh) 
1931–1990

     Num artigo intitulado O que a Wikipédia não conta, no endereço http://www.baguete.com.br/colunistas/colunas/31/janer-cristaldo/05/12/2005/o-que-a-wikipedia-nao-conta tem um trecho sobre Osho que o resume muito bem:


"Procurei, por exemplo, por Osho, vigarista hindu, antes chamado Rajneesh Chandra Mohan Jain, e mais conhecido nos anos 70 como Bhagwan Shree Rajneesh. ...

... O que Wikipedia não diz, é que Osho – ou Rajneesh – se dizia Deus, fez fortuna enganando jovens e provocou um escândalo internacional com suas cerimônias tântricas, em verdade alegres orgias sexuais. Possuía terrenos, hotéis, uma rede de casa de massagens na Europa – isto é, prostituição – e  uma frota de 91 Rolls-Royces. Acusado de perversão, realização de lavagem cerebral e sonegação de impostos, foi deportado dos Estados Unidos para a Índia, onde morreu de Aids. 
Nos EUA, respondeu por 35 acusações e foi condenado a dez anos de prisão com sursis. Foi expulso também da Grécia, foi rechaçado da Alemanha e da Espanha, só conseguiu entrar na Irlanda porque seu piloto alegou ter um doente a bordo. Sua secretária Sheela Birustiel-Silvermann (Ma Anad Sheela) foi extraditada da Alemanha, onde estava no cárcere em Bühl, e foi condenada pelo tribunal federal de Portland (Oregon), em 86, a quatro anos e meio de prisão, por fraude e envenenamento alimentar. A investigação revelou que centenas de jovens mulheres foram constrangidas a aceitar uma operação de esterilização. Rajneesh não tem biografia, mas folha corrida. Isto, a Wikipedia não diz."

     No site http://alsibar.blogspot.com.br/2012/05/quem-foi-osho-bhagwan-shree-rajneesh.html  tem uma série de textos de um artigo de um homem chamado Christopher Calder, ex-discípulo de Osho que testemunhou os fatos que revela, como esses pouco compatíveis com um "ser iluminado":


"Rajneesh estava constantemente doente e frágil desde o tempo em que o encontrei pela primeira vez em 1970 até sua morte em 19 de Janeiro de 1990. ... ele sofria de uma doença crônica no sistema imunológico e neurológico, a Síndrome da Fadiga Crônica, ... Rajneesh não podia ficar de pé sobre seus próprios pés por longos períodos de tempo, sem ficar tonto ... Nos anos 70, Rajneesh , muitas vezes, reclamava de tonturas logo que ficava em pé. Durante os últimos poucos meses de sua vida em Poona, Rajneesh frequentemente passava em completa inconsciência. ... Um número de discípulos afirmaram que Rajneesh estava tão intoxicado no Rancho de Oregon nos anos 80 que ele às vezes urinava nos corredores de sua própria casa, exatamente como os viciados em heroína  e bêbados comuns frequentemente fazem... "

"U. G. Krishnamurti, um famoso rebelde anti-guru, foi mais crítico ainda com Rajneesh ... Durante meados dos anos 70, Rajneesh deixou de enfatizar seus próprios métodos de meditação e começou a vender terapias de grupo ao estilo ocidental como forma de ganhar dinheiro. Era difícil fazer dinheiro com as técnicas autênticas de meditação pois todas elas eram fáceis de aprender e poderiam ser feitas sozinho, sem a ajuda de um professor. Um dos grupos que Rajneesh vendeu aos estudantes foi o “Tantra” , que  consistia basicamente em discípulos femininos e masculinos fazendo sexo uns com os outros. U. G. Krishnamurti chamou Rajneesh publicamente de “o maior cafetão do mundo” porque “ Ele ganhava dinheiro usando garotos e garotas e ficava com ele para si mesmo”. "

     No site http://observadorcriticodasreligioes.wordpress.com/2014/01/01/rajneesh-osho-e-sua-trajetoria-circular/ também temos um artigo bastante completo sobre Osho. Eis um pequeno trecho do artigo:


"Rajneeshpuram*


Esta nova sede altamente lucrativa, contudo, logo se envolveu em problemas legais e financeiros com o governo da Índia. Então, em 1981, Bhagavan e seus devotos foram forçados a fugir do país “rastreados por alguns milhões de dólares em dívidas, bem como por uma grande quantidade de cobradores de impostos e pela polícia” .... Anunciando-se como o “messias que a América estava aguardando”, Rajneesh refugiou-se nos EUA. Após uma breve permanência em uma mansão em New Jersey, ele e seu séquito compraram uma fazenda de 64 mil acres na pequena aldeia de Antelope, condado de Wasco, no estado de Oregon, a qual ele batizou com o nome de Rajneeshpuram (cidade de Rajneesh). Rapidamente, a cidade comunitária se transformou em um complexo financeiro notavelmente lucrativo, de modo que Rajneeshpuram acumulou US$ 120 milhões em renda durante os seus quatro anos de existência ... Rajneeshpuram transformou-se em uma máquina de fazer dinheiro, lá “os preços se estendiam desde US$ 50 por um dia de introdução à meditação de Rajneesh, até US$ 7.500 por um completo programa de reequilíbrio de três meses” ... Enquanto isto, o séquito se espalhava pelos EUA, pela Europa, pela Índia, alcançando 25 mil membros iniciados em seu pico, daí transformando-se em um diversificado e internacionalizado complexo de negócios .... De Rajneeshpuram para o mundo, o ‘Rajneeshismo’ se transformou em um modismo internacional entre os espiritualistas na primeira metade dos anos 1980."
* Uma pequena cidade que Osho fundou no estado do Oregon, EUA.
     Nesse outro site (em inglês) tem outras revelações sobre quem foi realmente Osho:  http://www.oregonlive.com/rajneesh/index.ssf/2011/04/part_one_it_was_worse_than_we.html . Quem tiver tempo e interesse pode traduzir com o Google.

     Enfim, para quem quer saber quem foi Osho é só pesquisar um pouco que vai encontrar a verdade. Mas fora o que pode ser encontrado da história dele aqui no plano físico, vamos relatar algo sobre ele na dimensão astral.

Curtindo Osho

     Sempre vejo algumas mensagens compartilhadas no Facebook atribuídas ao Osho e até publiquei na minha linha do tempo um breve esclarecimento sobre quem esse sujeito foi realmente. As pessoas não sabem mas ao curtir ou compartilhar alguma coisa associada a uma determinada pessoa, seja ela viva ou morta, pode-se criar uma conexão energética entre quem curtiu/compartilhou a pessoa curtida/compartilhada.
     É claro que isso não ocorre com todas as mensagens que vc curte ou compartilha, mas no caso de seres como Osho a probabilidade disso ocorrer é bastante elevada. Isso ocorre pq ao ler uma mensagem, principalmente ser for algo bonitinho ao estilo frases de efeito, se vc concorda com o conteúdo, que pode expressar algo verdadeiro mesmo, vc absorve a energia daquelas frases. As frases estando associadas a um nome ou imagem, no caso Osho, vão fazer com que vc absorva uma porção de energia que está contida nas frases e energeticamente ligada ao Osho. Ao fazer isso vc cria uma ligação mentoemocional com o Osho que o conecta com uma egrégora formada pelas idéias dele propagadas através de seus discípulos.
     Encontramos no astral uma grande estátua do Osho com milhões de fios ou cordões energéticos ligados a pessoas aqui na dimensão física que "curtem" as idéias dele. Através dessa ligação energética essas pessoas encarnadas estavam fornecendo energia para um megaprojeto de captação energética do qual Osho fazia parte.

Osho antes de nascer

     Antes de nascer aqui na dimensão física Osho era apenas mais um espírito das trevas que estava muito endividado no submundo astralino. Para pagar um pouco o débito com seus credores, ele fez um acordo com alguns seres de outro planeta que viviam em nossa dimensão astral. A proposta do Osho para eles foi que ele nasceria e criaria uma seita para angariar energia para esses seres, mais especificamente a energia que produzimos em nosso chacra básico, conhecida no Oriente como Kundalini ou energia sexual. Em troca eles lhe dariam proteção contra seus muitos credores no astral.
     Osho cumpriu a parte dele, criou uma seita com milhares de seguidores que mesmo depois de sua morte continuam perpetuando as idéias distorcidas dele sobre o tantrismo e outros fragmentos de filosofias diversas. 

Osho depois de morto

     Encontramos Osho no astral sem forma humana, com a aparência de um polvo com vários tentáculos que ao tocar em outros espíritos lhes aplicava uma descarga elétrica. Esse era o passatempo desse espírito degenerado no astral, torturar outros espíritos e lhes vampirizar as energias. Mentalmente inclusive ele não aparentava nenhuma racionalidade, como se estivesse idiotizado. Resumindo, Osho era um espírito das trevas antes de nascer, continuou sendo enquanto encarnado e voltou a ser depois que desencarnou. Depois de ser localizado no astral por nossa equipe e de termos libertado os espíritos que ele mantinha prisioneiros, foi encaminhado para o exílio em outro planeta.

Migração interplanetária

     Esse grupo de extraterrestres para o qual Osho trabalhava e que estava vivendo na dimensão astral de nosso planeta ficou sabendo da existência da Terra através de um espírito que foi exilado daqui para um outro planeta qualquer. Nesse planeta esse exilado conheceu um "batedor", um espírito que viajava a vários planetas habitados a procura de um planeta primitivo como o nosso, mas que tivesse uma civilização com algum grau de tecnologia. Esse batedor informou então os líderes desse grupo de ET`s em seu planeta de origem e eles empreenderam uma pequena migração com algumas centenas de indivíduos aqui para a Terra.



     Esses ET`s mantinham centenas de pessoas encarnadas desdobradas em incubadoras, onde por um processo altamente tecnológico, faziam experimentos e conseguiam mesclar a energia deles (de seu planeta de origem) com a do corpo astral dessas pessoas. Essa modificação no corpo astral dos espíritos terráqueos permitiu aos ET`s viverem literalmente dentro do corpo dos seres humanos sem que estes pudessem sequer imaginar que isso seria possível. Vivendo dentro dos seres humanos e dirigindo seus atos de maneira incógnita esses alienígenas parasitas viveriam aqui sem serem descobertos.
     Esses ET`s eram altos comparados conosco, cerca de 2,5 metros de altura, e com um corpo esguio e delgado. O planeta desses ET`s estava na fase final de sua existência e todos ali iriam sucumbir. Pelo processo natural de evolução os seres que habitavam nesse planeta iriam renascer num planeta com uma energia um pouco mais sutil, como subir um degrau na escada evolutiva, mas iriam começar do zero pois era um planeta relativamente novo e esses seres é que iriam formar os primeiros espécimes racionais para civilizar o planeta.
     Mas um grupo de seres, os mais informados cientificamente, ou seja, uma elite intelectual e econômica insatisfeita com a situação, sabiam que o ocaso de seu planeta estava próximo e então planejaram uma migração antes de seu planeta morrer. Começaram então a procurar um planeta onde poderiam viver incógnitos e acabaram encontrando a Terra.
     Ao todo vieram mais de duzentos indivíduos em 14 naves espaciais. Eles precisavam da energia sexual dos habitantes da Terra para mesclar com a deles e assim poderem acoplar-se mentalmente nos nossos corpos astrais, vivendo dentro de nós sem que nós sequer suspeitássemos. A densidade dos corpos deles entretanto é bem mais etérea que a nossa, equiparando-se a densidade de nossos corpos astrais.
     Cada uma dessas naves recebia espíritos de um tipo específico, embora todos fossem levados para lá para retirarem sua energia sexual. Aliás muitos iam por vontade própria, pois era criado em suas mentes imagens de situações onde se relacionavam sexualmente de modo agradável. Os alvos principais eram pessoas com energia sexual reprimida/acumulada ou excessiva. Em uma das naves havia somente padres e freiras da religião católica, em outra pessoas com Sindrome de Down, outra com praticantes de cultos afro, outra com pedófilos, outras com homossexuais não assumidos, etc.
     Três desses Et`s já haviam conseguido "nascer" aqui na Terra e já eram adultos. Eles conseguiram mesclar a energia deles com espíritos desencarnados e quando estes nasceram eles "vieram"junto, ou seja, acoplaram sua mente com a do espírito nascituro. Eram duas mentes num só corpo, sendo que a do espírito humano ficava entorpecida e quem comandava era o ET. A grande jogada deles é que ao contrário de nós que reencarnamos aqui segundo as leis do planeta, eles não sofreram a perda de memória que nós sofremos ao reencarnar. 
     Dois deles vivem nos Estados Unidos e um no Canadá e todos são líderes influentes em suas áreas de atuação, sendo que um deles é político, outro religioso e outro da área tecnológica. Não querem chamar muita atenção sobre si mas são bastante respeitados nas comunidades em que vivem.
      Apesar dos protestos de um deles que atuou como porta-voz e tentou nos dissuadir de  interferir em seus planos, eles foram retirados dos corpos humanos que, devido ao desgaste provocado pela mistura da energia desses seres e da atuação da mente dos ETs, logo irão morrer. Talvez tenham alguma doença ou acidente que provoque sua morte sem levantar suspeitas de que houve uma alteração repentina em seu intelecto.
     Mais de duas centenas desses seres já estavam em processo de gestação, acoplados a espíritos nascituros aqui na Terra. Todos foram retirados e serão enviados ao planeta para o qual migraram os indivíduos do planeta natal deles. Eles entrarão no ciclo evolutivo desse novo planeta mas não no mesmo nível dos demais que foram para lá naturalmente. Podem nascer num grupo animal pré-humano ou com sérias deficiências se nascerem no grupo humano que já está lá agora. 
     Ninguém burla as leis divinas. Estes seres tentaram burlar as leis evolutivas do universo, utilizando seu conhecimento científico e tecnológico, mas o tempo que "ganharam" enquanto estavam aqui na Terra vão perder em dobro de forma sofrida no planeta para o qual deveriam ter ido naturalmente.

Gelson Celistre


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Dissociação de identidade espiritual

     É muito comum atendermos pessoas que se encontram desdobradas na dimensão astral vivendo vidas paralelas, num estado de dissociação de identidade espiritual (costumamos chamar de desdobramento inconsciente), atuando em diferentes subdimensões (frequências) da dimensão astral com personalidades distintas, que podem ter um nível mais ou menos alto de consciência de estarem vivendo em outra dimensão, ou seja, elas podem nesse estado terem consciência de que possuem um corpo e uma vida nessa dimensão física, mas conseguem ou preferem continuar "vivas" na dimensão astral.



     Essas personalidades geralmente são oriundas de vidas passadas do espírito, que por conterem uma forte carga emocional ou outros espíritos ligados a elas, acabam não se diluindo no tempo através das diferentes reencarnações pelas quais o espírito passa. O caso que relatamos a seguir é de uma consulente que está vivendo esse tipo de situação atualmente.
     A consulente é brasileira mas casou-se com um americano e mora há alguns anos nos Estados Unidos. Apesar de ambos terem uma boa formação acadêmica nenhum dos dois trabalha e o casal vive às custas do sogro dela. Apesar de não querer ter filhos a consulente acabou engravidando e tem uma filha pequena. Além dos problemas advindos dessa situação, ainda afirma que o marido é paranoico e sofre de epilepsia (ela já teve também), e que ela foi iniciada em alguns sistemas de reiki, como Q-Reiki e Osho Reiki, presencialmente quando morava no Brasil e à distância com mestres da Índia e da Dinamarca. Ao efetuarmos a verificação do caso nos deparamos com a consulente vivenciando um estado de dissociação de identidade espiritual (desdobramento inconsciente) que relatamos a seguir:

A mulher do padre

     Em uma vida passada a consulente era diretora de um orfanato mas odiava esse trabalho e não tinha paciência com as crianças, pois achava que elas davam muito trabalho e por conta disso as envenenava, provocando a morte de muitas delas. A consulente naquela vida também engravidou de um padre que prestava "assistência espiritual" ao orfanato e abortou a criança. Esses espíritos se reencontraram na vida atual nos mesmos papéis. A diretora, o padre e a criança abortada são hoje mãe, pai e filha, a consulente, seu marido e a filha deles. 
     Através da reencarnação a vida reuniu novamente estes espíritos para que o casal dessa vez cumpra sua missão e crie sua filha. Entretanto, a consulente estava desdobrada no tal orfanato, que ainda existia na dimensão astral, e mantinha presas lá 78 (setenta e oito) crianças que ela matou por envenenamento. Muitas já renasceram e estavam lá desdobradas, como a própria filha dela, mas outras estavam ainda desencarnadas. Foram todas resgatadas e a frequência foi fechada. Entretanto, durante o trabalho a consulente naquela frequência, com a personalidade que tinha naquela vida, incorporou numa médium e manifestou sua contrariedade em relação às nossas ações, com muita raiva, e ao ser questionada por mim ocorreu o seguinte diálogo:
- Porque vc está com tanta raiva? perguntei;
- É raiva de vc ficar futricando em todas as coisas, uma curiosidade desmedida! Porque vc não vai cuidar da sua vida?
- Mas foi vc quem me pediu ajuda querida!, respondi.
- EU não te pedi nada, vc nem sabe quem EU sou!
- Vc é a diretora do orfanato não? Pois vc e a mulher que me pediu ajuda são o mesmo espírito.
- Pois se ELA pediu EU não pedi! Então cuide da vida dela e me deixe em paz aqui, estou muito bem aqui! Quem me atrapalhava aqui eu já dei um jeito (se referindo às crianças que matou) então é bom se mandar logo daqui pq já estou perdendo a paciência e tenho mais o que fazer!
     Após isso eu a paralisei enquanto efetuávamos o resgate das crianças no orfanato, cujos espíritos ainda sofriam muito devido aos efeitos do veneno. Observem pelo diálogo como ela se refere a si mesma como se fosse outra pessoa, uma situação típica da dissociação de identidade espiritual. Entretanto, ainda havia várias crianças do orfanato que foram mortas em outro local, vários meninos mais especificamente.

A seita satânica

     O padre além de não praticar o celibato, ainda participava com vários outros padres de uma seita satânica que sacrificava meninos para um demônio sexual e a consulente, que era a diretora do orfanato e sua amente, lhe fornecia as vítimas. Os meninos tinham seus órgão genital decepado e embebido em seu próprio sangue, que depois disso era partido em pequenos pedaços e avidamente consumido pelos membros da seita. A finalidade seria adquirir algum tipo de poder através do aumento do vigor sexual, uma espécie de viagra satânico.
     Vários membros dessa seita se encontravam em desdobramento na dimensão astral para realizar esses ritos pois os espíritos dos meninos sacrificados ainda estavam presos lá, sob o jugo do demônio para o qual eles foram sacrificados. O tal demônio era bem exótico, com o corpo todo vermelho, rabo e chifres, coberto com uma capa feita com algum tipo de pele. Como acontece muito em casos de seres que se depravam por conta do vício sexual, este demônio tinha o órgão genital muito grande e desproporcional, quase arrastando no chão.  O local onde ele estava no astral era escuro num tom avermelhado e muito quente, com uma atmosfera sufocante. Após ter sido localizado por uma das médiuns ele literalmente urrou como um animal, me farejou e me laçou com o rabo, levando-me desdobrado para esse lugar. A primeica coisa que se deve fazer nestes enfrentamentos é retirar da criatura os "adereços" exóticos como chifres, cascos e rabos, pois é nessas transmutações é que eles armazenam a energia vampirizada de outros espíritos. 
     No caso desse demônio, cuja maior parte da energia vampirizada era de origem sexual, também lhe decepamos o órgão genital depois de termos lhe arrancado os chifres. Depois disso ele perdeu praticamente toda sua força e caiu no chão desfalecido, tendo sido recolhido por nossa equipe espiritual. Os meninos que foram sacrificados ali também foram recolhidos e os membros da seita que estavam ali desdobrados, como o padre marido da consulente, tiveram sua mente apagada e foram mandados de volta para seus corpos.

A iniciação no Reiki

     Quem já leu nossos relatos sobre o reiki sabe que quem realmente inicia os reikianos são seres das trevas que querem vampiriza-los e às pessoas que os procuram, mas neste caso fizemos uma constatação curiosa. A consulente ao ser levada para o astral em desdobramento para ser "marcada" pelos seres das trevas que acompanhavam os "mestres de reiki" que a iniciaram aqui na dimensão física, acabou se encontrando com antigos comparsas de outras vidas e ao invés de ser presa por eles se associou ao grupo deles no astral.
     Esse grupo de espiritos trevosos ligados a mestres reikianos estava mantendo uma quantidade muito grande de pessoas presas em desdobramento no astral, tanto pessoas que foram inicicadas pelos seus "mestres" quanto pessoas atendidas por esses mestres. Eram sete espíritos das trevas comandando esse local, seis deles desencarnados e um encarnado que era a consulente desdobrada. Dentre os espíritos encarnados presos ali em desdobramento estavam a filha e o marido da consulente. 
     A tecnologia no mundo astral é muito variada e cada ser ou grupo das trevas desenvolve seu próprio jeito criativo de manter as pessoas desdobradas no astral para os poder vampirizar. Este grupo em particular criou cápsulas transparentes cheias de algum tipo de líquido onde suas vítimas ficavam em suspensão enquanto tinham sua energia retirada por eles. O trabalho de resgate dos espíritos ligados a essa organização reikiana no astral foi bastante demorado pois era uma quantidade de espíritos considerável, haja vista que eles atuavam com "mestres de reiki" no mundo todo.

A ilha do medo

     Em uma vida passada recente a consulente era assistente do marido, que era um neurocientista. Eles trabalhavam para o governo da antiga União Soviética por volta de 1932 e faziam experimentos com o cérebro humano, coisas do tipo lobotomia, dominio da mente, drogas psicotrópicas, etc., em um laboratório que ficava numa ilha "desabitada" no Mar de Bering. Essa ilha serviu também como prisão para um importante membro do governo soviético que "desapareceu" misteriosamente durante a ditadura de Stalin, mas que na realidade foi mantido preso ali até sua morte.
     No astral havia um prédio grande com dois andares subterrâneos e mais uma grande quantidade de espíritos presos. Inclusive um dos espíritos presos lá e que estava sendo cobaia em vários experimentos macabros, mais uma tortura do que um experimento, era a filha da consulente. Nossa equipe recolheu os espíritos e destruiu o local.

Amor além da vida

     Também encontramos a consulente envolvida em uma conhecida figura geométrica associada a casos amorosos: o triângulo. Em uma vida passada ela era casada e tinha como amante o marido atual. Mas o marido dela naquela vida é o homem que hoje é seu sogro.
Foi um típico golpe do baú onde ela mais jovem e bela seduziu o velho rico e casou com ele, sendo que depois seu amante providenciou a morte do velho. Mas não o assassinaram de modo violento e rápido, eles o prenderam no porão da mansão onde moravam e ele viveu vários anos em condições subumanas até que veio a falecer, bastante doente e debilitado.
     Todos os três estavam desdobrados nessa frequência revivendo essa situação trágica e junto deles o espírito de uma velha inimiga do sogro da consulente que o persegue por várias vidas, se comprazendo com o sofrimento dele no astral. Eles foram enviados aos seus corpos com a mente apagada e a velha foi presa.

     Como podemos observar pelas vidas passadas da consulente e pelas suas ações no astral em desdobramento, tanto ela como seu marido e sogro, juntamente com sua filha, são espíritos bastante comprometidos karmicamente, principalmente entre eles mesmos, e com pesados débitos kármicos.

O palhaço

     Ainda encontramos a consulente, seu marido e filha juntos em outra vida passada. O marido da consulente era um psicopata e trabalhava num circo espanhol como palhaço. Este circo fazia uma turnê pelos Estados Unidos e foi ai que o palhaço encontrou a consulente e sua filha, que naquela vida eram mãe e filha também. Foi por volta de 1854 e nessa vida o palhaço matou dezenas de pessoas, principalmente mulheres e crianças. Mas ele foi descoberto e ao tentar fugir foi morto.
     No astral ele se empenhou em encontrar todas as suas vítimas para continuar lhes torturando e estuprando. Enquanto via essa frequência uma médium captou a programação mental que o palhaço efetuou em si mesmo depois que morreu naquela existência:
-Eu sei o quanto gosto de fazer isso com elas e sei que ainda vou ter mais chances pra voltar a fazer! Sei que nessa vida não deu mas em outra vai dar certo! Já tenho tudo planejado e em certa altura da minha próxima vida eu vou ver algo, que vai ser o gatilho pra que tudo comece! As minhas lembranças então vão começar e eu novamente poderei fazer o que mais gosto e sinto prazer em fazer!
     O marido da consulente estava desdobrado nessa frequência e mantinha presas novamente a consulente e a filha deles, além de várias de suas outras vítimas que ele catou e conseguiu localizar no astral. Apagamos a mente dele e resgatamos suas vitimas.
Tráfico de pessoas

     Em outra frequência encontramos a consulente e seu marido fazendo tráfico de pessoas. Mas era uma época muito antiga, tipo filme do Conan O Bárbaro. Eles levando as pessoas presas em jaulas de madeira sobre uma carroça puxada por dois cavalos. O homem já era meio velho e a mulher bem mais nova que ele, mas ambos com aspecto asqueroso. Eles viviam juntos como marido e mulher mas a esposa se deitava com quem tivesse vontade (ou coragem) de transar com ela e quando o velho descobria matava os homens com quem ela se envolvia. Havia vários espíritos presos ainda nessa frequência que estava ativa na dimensão astral e nossa equipe efetuou o resgate. O casal teve sua mente apagada e voltaram para o corpo.

     Esse caso pode parecer bizarro mas estas situação, de uma pessoa "normal" aqui na dimensão física estar desdobrada em várias frequências praticando atos os mais diversos, muitas vezes até contrários à indole dessa pessoa aqui no físico, é muito comum. É claro que nem todos foram psicopatas ou satanistas no passado, mas em maior ou menor grau a grande maioria da humanidade ainda se desdobra para cometer atos negativos karmicamente.

Gelson Celistre