sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Mestre Reiki Extraterrestre

México - 1969

     Uma nave interplanetária cai no México devido a uma pane e seu único ocupante, um extraterrestre insectóide parecendo um gafanhoto marrom com cerca de dois metros de altura, morre na queda.

Brasil - 2014

     Durante um trabalho espiritual encontramos esse mesmo ET insectóide vivendo na nossa dimensão astral, 45 anos após a morte de seu corpo físico, junto a um mestre de reiki.



     Para quem não leu nossos vários posts sobre o reiki, onde esclarecemos que entidades das trevas, espíritos ruins, se aproveitam da ingnorância e vaidade das pessoas para lhes sugar as energias, e que esse papo de ser apenas um canal de uma energia divida que cura tudo é uma grande ilusão, pois a enegia que qualquer um de nós doa é a sua própria, absorvida da natureza e processada em nossos chacras, e que na iniciação esses espíritos das trevas marcam o reikiano como os fazendeiros marcam o gado, para que outros criadores saibam a quem esse gado pertence, seria proveitoso que lessem esses posts.
     Nosso encontro com etgafanhoto começou com um pedido de auxílio, conforme segue: "Fiz a segunda iniciação do reiki este mês e desde então coisas estranhas têm me acontecido, além do fato de estar me sentindo mal com isso. Busquei no google alguém que tivesse tido uma má experiencia com o reiki e cheguei até o seu blog ... estou precisando muito, sinto que não fiz uma boa coisa me iniciando... eu estou muito preocupada, pq esses dias eu estava em um restaurante e comecei a sentir que alguma coisa ali estava me sugando e fiquei quase desconectada da realidade na hora. Fui levada embora pra casa e ainda demorou umas 2 horas pra voltar ao normal estou muito preocupada, pq nao tenho me sentido bem fisicamente, muito fraca. Foi tudo isso que me fez questionar se aquilo era realmente bom"
Ao sintonizar com a consulente os médiuns viram um lago com uma água escura e pedras negras, e dentro desse lago várias pessoas encarnadas desdobradas. Essas pessoas tinham um um tipo de esponja circular sobre os principais chacras, como se fosse um tampão. Essa esponja ficava grudada no corpo astral delas o tempo inteiro absorvendo a energia dos chacras e quando estavam carregados elas eram levadas até esse lago e mergulhadas nele, onde então essas esponjas se soltavam e caíam o fundo do lago. Na verdade elas são levadas regularmente a esse lago, em intervalo de horas, para que seja coletada a energia das esponjas. Quando saíam do lago outra esponja era colocada nelas para continuar a absorver a energia.
Essas pessoas, todas encarnadas, usam uma túnica clara, um pingente no pescoço e uma marca na testa. Calma, não é a marca da besta, é apenas uma marca que o ET fez para marcar seu gado, assim se outro espírito se deparar com alguma delas vagando no astral terá medo de fazer alguma coisa porque sabe que essa pessoa tem dono. Uma dessas pessoas obviamente era a nossa consulente. Quando chegam no lago elas se despem e mergulham nele. O que essas pessoas todas tem em comum é que foram iniciadas em reiki pelo mesmo mestre(a).
O que acontece é que a grande maioria, senão a totalidade, das pessoas que acabam se envolvendo com terapias alternativas e coisas assemelhadas possui algum tipo de mediunidade (que é um efeito de karma negativo) mas acredita que isso é um dom, que tem uma missão e que espiritualmente estão mais "adiantadas" que as demais, estando assim habilitadas a conduzi-las e orientá-las, isso quando não se trata apenas de quem quer ganhar um dinheirinho extra sem muito esforço vendendo ilusões.
Então quando uma pessoa com esse perfil se torna um "mestre reiki" logo algum espírito espertalhão, que também quer conseguir uma energia fácil, se associa espiritualmente com esse mestre e passa a trabalhar com ele, aprisionando as pessoas por ele iniciadas, das quais retira energias vitais para poder se manter no astral sem precisar reencarnar.
No caso em questão o tal ET queria apenas voltar pra casa, seu planeta de origem, e estava armazendo energia pra tentar comprar sua passagem de volta, provavelmente negociando com alguma oganização das trevas, das muitas que existem no astral.
O interessante é que esse gafanhoto não criou o tal lago e as esponjas pois quem extraía energia dessa forma e nesse local era um outro espírito, este terráqueo mesmo, e que trabalhava com o tal mestre(a) reiki. Esse outro espírito foi preso por inimigos dele no astral (ainda está preso por eles) e o local ficou abandonado. O gafanhoto, que observava há tempos o que ocorria ali, simplesmente assumiu o lugar do outro junto ao mestre reiki, que na verdade não tem a mínima noção de que isso ocorre no astral, pelo menos em estado de consciência física, e passou a retirar a energia desses reikianos, tratando logo de marcá-los na testa. Esse antigo dono do local em sua última encarnação aqui na Terra foi um monge tibetano, daqueles que usam os mantos vermelhos, e trabalhava com alguns mestres de reiki antes de ser preso por seus adversários.
Após efetuarmos as desconexões, apagando a marca feita pelo gafanhoto e destruindo os pingentes, apagamos a mente dos reikianos que estavam ali e os reacoplamos em seus corpos. O gafanhoto reagiu, nos atacou, mas foi paralisado e preso. O local foi destruído e não servirá mais para coleta de energia.
Nesse caso o "verdadeiro" mestre reiki era o ET, que era quem realmente iniciava as pessoas. A iniciação nesses casos como do reiki é um ritual que serve para conectar dois seres, o que age por trás do mestre reiki encarnado e o iniciado, que passa a ser "propriedade" do mestre que atua no astral.

Gelson Celistre






terça-feira, 21 de outubro de 2014

O jovem sacerdote

     O que pode haver em comum entre um homem que se suicidou recentemente nos Estados Unidos da América e um jovem sacerdote que foi enforcado há séculos na Europa? Aparentemente nada mas se investigarmos melhor as vidas de ambos descobriremos. Recentemente um homem cometeu suicídio nos EUA, por enforcamento, porque sua esposa descobriu que ele era homossexual, por tê-lo visto se relacionando sexualmente com outro homem, e contou isso aos filhos do casal. O homem não suportou a vergonha e preferiu se matar a ter que encarar seus familiares.



     Há seculos esse mesmo homem foi um dos responsáveis pelo enforcamento de um jovem sacerdote que morreu por ter visto mais do que deveria. O suicida era então um cardeal e estava fazendo sexo com um bispo quando o jovem sacerdote presenciou a cena. Como punição o amante do cardeal, o bispo, arrancou pessoalmente os olhos do jovem sacerdote com um punhal incandescido em brasas. Mesmo assim, temendo que o jovem viesse a comentar o que viu com alguém, a dupla homoeclesiástica mandou enforcá-lo duas semanas depois de cegá-lo, juntamente com outros dois sacerdotes que lhe eram mais próximos, pois temiam que o jovem tivesse contado o que viu a eles. 
     A justiça kármica age lentamente às vezes mas ninguém escapa das consequências de seus atos. Para manter seu relacionamento homossexual oculto, mandou enforcar três jovens. Séculos mais tarde, por ter seu relacionamento homossexual descoberto, ele se enforcou. Atualmente o jovem sacerdote está encarnado no Brasil e seu pai biológico foi o bispo que lhe arrancou os olhos e o mandou para a forca. 
     Mas porque um fato ocorrido há tanto tempo criaria alguma conexão entre um suicida na América do Norte e outra pessoa ainda viva na América do Sul? A resposta é um outro espírito que não conheceu nenhum dos dois fisicamente.
Sempre houve na história homens que se dedicaram, como eu faço agora, a lutar contra as forças das trevas. Mas eu nem sempre estive do lado do bem, na verdade acho que estive mais no lado das trevas do que da luz, mas enfim, em um período em que eu estava nas trevas, e nem estava encarnado, um desses caçadores do mal descobriu algumas de minhas atividades e tentou me capturar, sem sucesso. Naquela vida como encarnado esse homem era um exorcista.
     Atualmente o exorcista está desencarnado e ainda com aquela personalidade da vida anterior, caçando os espíritos do mal. Não sei como ele acabou me descobrindo encarnado e tentou me capturar. Seu plano era abrir a frequência daquela vida onde eu fui o jovem sacerdote e me sintonizar com ela, numa tentativa de enfraquecer minha mente e assim me capturar mais facilmente. A única coisa que ele conseguiu com isso foi provocar um ardor nos meus olhos.
    Achei curiosa a situação e em sinal de cortesia profissional, afinal estou fazendo hoje o que ele fazia antigamente, caçando seres das trevas, eu me desdobrei e fui conversar com ele, tentando lhe explicar que atualmente não estou mais atuando pelas trevas. O exorcista entretanto tinha uma compreensão muito limitada e não conseguiu entender a situação, então o coloquei para dormir e nossa equipe espiritual o levou para um local de recuperação. Talvez se ele tiver condições venha a trabalhar conosco no astral.
     Pode parecer chocante e até triste uma vida onde a pessoa morre injustamente e de uma maneira trágica, com os olhos arrancados e enforcado, mas numa história sórdida e perfida como essa é preferível ser a vítima do que o algoz. Afinal, como dizia Sócrates, é melhor sofrer uma injustiça do que cometê-la.

Gelson Celistre

domingo, 5 de outubro de 2014

Roleta russa

     Este relato é para demonstrar como age a justiça kármica. Embora em muitos casos nossos atos positivos pesem na balança kármica e o retorno de alguma ação negativa feita por nós seja bastante amenizado, em outros casos a lei parece ser na base do olho por olho.
     Na nossa reunião da semana passada uma das médiuns do grupo nos trouxe o caso de um rapaz de 18 anos, conhecido dela e de sua filha, que morreu numa brincadeira de roleta russa com alguns amigos alguns dias antes.


     Trouxemos o rapaz que estava muito revoltado e se recusou a conversar e então deixei-o ir. Após os atendimentos da noite outra médium percebeu a presença do espírito do rapaz, que retornou (não sei se por vontade própria ou por meio de alguém da nossa equipe espiritual) e incorporou na médium que havia solicitado atendimento a ele.
     A médium que captou a presença do espírito disse que eles fizeram aquilo (a roleta russa) para provar que eram corajosos e eu retruquei que aquilo não era coragem e sim estupidez e que eu não deixaria ninguém apontar uma arma para minha cabeça. Nisso outro espírito que acompanhava o jovem recém falecido disse que eu era um covarde por conta disso. Esse espírito fazia parte de um grupo de oito espíritos que acompanhavam o jovem recém morto e provavelmente foi a presença deles que incentivou o rapaz a esse tipo de brincadeira.
     Mas com o recém-morto incorporado conversei rapidamente com ele, que estava muito revoltado por ter morrido desse jeito e repetia que ele era um "guri bom" e que não merecia ter morrido assim. Disse a ele que nós o ajudaríamos e que ele seria levado a um local onde iria se recuperar e depois teria oportunidade de trabalhar e estudar. Ele não estava aceitando muito bem a situação então perguntei a ele se queria saber o motivo dele ter morrido assim e como ele concordou o fiz ver uma vida passada onde ele gerou esse karma.
     Antes de tudo vou ressaltar que esse recurso só utilizo quando acho que o espírito realmente não conhece seu passado (suas vidas passadas) e que sabendo do que fez de ruim pode aceitar mais facilmente o que lhe ocorreu e o que precisa fazer para melhorar. No caso de espiritos das trevas que sabem o mal que já fizeram e não querem mesmo se modificar este recurso é inútil.
     O jovem começou a ver o que fez no passado e a primeira coisa que falou foi me questionar se ele teria que pagar por uma coisa que ele nem lembra que fez e eu lhe disse que sim, que todos temos que pagar pelos nossos atos, lembrando ou não de ter feito. Disse a ele que podia aceitar as regras do local para onde iria ou ir embora para onde quizesse e ele acabou aceitando. Os oito espíritos que o acompanhavam foram levados junto com ele.
     O que o jovem fez para morrer numa brincadeira de roleta russa foi o seguinte: numa vida passada, durante uma guerra, ele o grupo de espíritos que o acompanhavam eram soldados e ao invadirem vilarejos ou fazer prisioneiros, se divertiam colocando as pessoas de joelho e ameaçando atirar na cabeça delas. Eles não faziam isso porque estavam em guerra mas porque gostavam de torturar as pessoas assim, tanto civis quando militares, crianças ou adultos. Eles disparavam a arma várias vezes na nuca das pessoas sem balas, para torturá-las, e depois de se divertir com o pânico das pessoas diziam a elas que não iriam matá-las, para a pessoa se sentir aliviada, e então disparavam a arma na cabeça delas, assassinando-as covardemente.
     O que podemos deduzir nesse caso é que este espírito não se modificou muito desde a vida passada onde cometeu essas atrocidades e quando a Lei do Retorno lhe trouxe de volta essas energias de morte que ele gerou no passado ele não tinha boas ações para amenizar as consequências e foi praticamente na base da Lei de Talião que se deu o resgate. Mas enfim, ele ainda obteve o merecimento de ser resgatado e vai ter a oportunidade de se preparar para uma nova vida aqui na matéria.

Gelson Celistre