quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Krazu - O planeta-prisão


     Nestes tempos de transição planetária muito se fala em exílio e a maioria das pessoas acredita que todos os seres irão para o tão falado "planeta-chupão", citado pelo Chico Xavier, denominado "planeta higienizador" por Ramatis, e também conhecido por Hercólubus, Nibiru ou Marduk. Entretanto, sabemos que existem vários planetas para onde os exilados estão sendo transferidos pois em nossos trabalhos já acompanhamos o translado de várias entidades que foram exiladas.
     No post anterior nos deparamos com um grupo de seres que conseguiram escapar de um desses planetas-prisão, chamado de Krazu pelas autoridades siderais, e faremos aqui uma breve descrição de como ele é.


Krazu - O planeta-prisão

     Em termos de densidade da matéria, o planeta Krazu é feito de uma matéria mais etérica que a Terra, mais próxima da matéria da nossa dimensão astral do que da física. Em termos de tamanho ele é bem menor que a Terra. Existem montanhas e grandes planícies áridas neste planeta e a vegetação de porte é escassa, com predominância de plantas rasteiras. Há animais em estado selvagem semelhantes ao nosso cavalo, mas a pelagem é semelhante ao dos nossos extintos mamutes, com pelos marrons longos, emaranhados e as patas são maiores.
     Lá existem homens, mulheres e crianças, ou seja, mesmo sendo feito de uma matéria mais diáfana lá também ocorrem mortes e renascimentos. Tecnologicamente os habitantes do planeta Krazu são muito primitivos, se comparados com o estágio atual em que nos encontramos aqui na Terra. Se fôssemos fazer uma comparação, eles vivem de modo semelhante às nossas primitivas comunidades da Idade Antiga, que viveram há cerca de 4.000 anos a.C.
     Há algumas cidadelas, sendo talvez mais apropriado chamá-las de aldeias grandes. Eles praticam a agricultura mas o terreno na maior parte do planeta não é fértil, e por isso as cidadelas acabam sendo criadas nos arredores das plantações. Há rios e lagos, mas a água é escura e mais densa se comparada com a nossa e desses rios eles retiram alimento também, que são animais semelhantes aos nossos peixes, porém sem escamas, tendo uma pele escura e oleosa. Existem aves negras e pequenas que voam em bandos, assim como insetos em geral.
     As casas deles são bem rústicas, semelhantes às construções de barro e telhado de palha que vemos em regiões do interior do Brasil. O planeta tem duas estações climáticas cíclicas, uma de calor e outra de frio, onde as temperaturas são extremas como em nossas regiões desérticas, onde faz muito calor durante o dia e muito frio a noite, só que lá ao invés de ocorrer isso num dia ocorre no que seria um ano. Lá eles também tem nuvens e chuva. Na estação de frio o tempo fica mais escuro e ocorrem muitas tempestades. Existem doenças tbm pois foi visto uma uma mulher com o corpo coberto de feridas.
     Um fato interessante é que não se enxerga algum sol como fonte de iluminação ou calor e os "dias" não têm noite como aqui. Talvez fosse mais apropriado comparar o dia deles com os dias que temos na Antártica, onde um dia dura seis meses e uma noite também. O céu parece estar sempre nublado. Em função disso as pessoas não parecem ter um ciclo regulado de vigília e sono como nós, apesar de dormirem quando se sentem cansadas. Comparado ao nosso tempo, o tempo de vida médio de um habitante do planeta Krazu é de 40 anos.
     A pele dos habitantes é escura e parece "emborrachada", todos usam cabelos curtos e se vestem com tecidos grosseiros e escuros. Seus rostos são inexpressivos e a estrutura física de todos é muito similar (não foi vista nenhuma pessoa gorda lá). Eles tem um tipo de escrita mas muito poucos sabem ler e escrever. Não foram vistos veículos de tração animal lá, apenas algo parecendo pequenos barris com rodas mas puxados por pessoas.
     Existe também uma estrutura política teocrática onde o poder é exercido por uma pessoa "escolhida" pelos "deuses". As autoridades siderais eventualmente aparecem nesse planeta e escolhem um líder, a quem vão passar instruções de como agir e do que fazer. Esse seres são vistos como deuses e sua autoridade não é questionada. Eles tem um tipo de moeda lá, feita de uma pedra chata e escura, com algumas inscrições nas faces. Não foi visto nenhum tipo de escola ou similar e nem templos que denotassem alguma religião. Embora houvesse a manifestação dos "deuses" na escolha do líder esses deuses parece que não exigiam adoração ou culto.
     Os três seres que haviam escapado desse planeta haviam sido exilados por estarem perturbando aqui na Terra e mesmo nascendo naquele planeta eles tinham uma estrutura mental superior à dos habitantes "nativos", o que fez com que se revoltassem contra as determinações do governante local, incitando rebeliões, e fossem presos lá também. Estar vivendo naquele planeta já era uma prisão para eles (mesmo que não lembrassem de terem sido exilados) e devido ao seu temperamento belicoso acabaram também infringindo as leis do local, sendo presos lá como uma espécie de criminosos.
     Encontramos um prédio maior que os demais que devia ter a função de um presídio, apesar de muito rústico, semelhante a um barracão, sem divisórias internas, com pouca ventilação e muito quente, onde havia várias jaulas de ferro, sendo que em três delas estavam os seres exilados. Eles eram mais inteligentes que os nativos e todos sabiam ler. Um deles teve acesso a um livro, provavelmente de magia, e foi através do conhecimento que obteve nesse livro que conseguiu acessar mentalmente seus comparsas aqui na Terra, talvez através de algum tipo de projeção mental.
     Vimos o momento em que o portal se abriu e três seres chegaram no tal barracão para resgatar os exilados. Um deles, o líder dos três, estava com esse livro nas mãos e em estado de profunda concentração. Os seres que vieram através do portal trouxeram três trajes, semelhantes a uma armadura, que foram vestidos pelos prisioneiros para poderem vir para o astral da Terra. Essa armadura era semelhante a do "predador" dos filmes do cinema, com algumas partes parecendo de metal rígido e outras como se fosse uma pele ou tecido.
     Uma descrição mais precisa seria de uma roupa de mergulho com algumas partes mais salientes feitas de metal. O capacete desse traje era arredondado na parte de trás da cabeça, mas na parte do rosto ele seguia as conformações do nariz e boca, como se fosse uma máscara. Apesar de não serem visíveis, internamente havia tubos que se conectavam na boca e nariz dos seres, o que indica que eles "respiravam" através de algum filtro aqui na Terra.
     No momento em que o portal se abriu tudo ao redor parece ter se congelado, como se o tempo tivesse parado, de modo que somente os três seres que iriam fugir percebiam o que estava ocorrendo, para os demais o tempo parou e quando voltou as três jaulas simplesmente estavam vazias. Esses seres que foram exilados tiveram muito poder aqui na Terra em tempos remotos, foram magos negros no Egito e na Ásia e mais recentemente, antes de serem exilados, criaram um vírus extremamente mortal que se tivesse sido dispersado aqui na Terra poderia ter dizimado grande parte da população do nosso planeta. Esse virus foi criado por eles aqui no físico, estavam encarnados, e foi em 1915, ou seja, estavam exilados há poucas décadas.
     Quando morreram aqui no físico foram imediatamente presos numa região aqui do astral da Terra mas tentaram fugir e então a alta espiritualidade decidiu exilá-los nesse outro planeta, de onde conseguiram fugir em 1996, mas para onde foram enviados novamente. Só que dessa vez foram efetuados alguns procedimentos na mente deles para que não tenham lá a mesma desenvoltura intelectual que tiveram antes.
     Para os seres que foram exilados o planeta era uma prisão mas para a grande maioria dos outros espíritos que viviam lá era apenas o local onde estavam cumprindo sua jornada evolutiva, não necessariamente por punição. Assim como a Terra foi para os seres exilados aqui, como os capelinos, um planeta-prisão e para muitos que estavam reencarnado aqui era apenas mais um degrau evolutivo pelo qual tinham que passar, sem estarem aqui por punição.
     Qualquer planeta pode servir como planeta-prisão, por mais adiantado que seja, se os espíritos forem impedidos de sair dele e se estes espíritos tiverem vindo de um local mais adiantado. O exílio está ocorrendo já há vários anos e muitos planetas estão servindo de "prisão". Entretanto, em muitos deles a mente dos exilados, embora ainda devotada ao mal, vai promover um avanço intelectual que inevitavelmente vai auxiliar na evolução desses orbes. Assim a providência divina, mesmo punindo um ser, promove com isso o benefício de outros seres e indiretamente do próprio punido.

Abraço. 

Gelson Celistre

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

O ET de Varginha

     Há 16 anos houve um incidente na cidade de Varginha em Minas Gerais que ficou famoso mundialmente e até hoje rende muitas histórias. Estamos nos referindo ao caso do ET de Varginha.


      Semana passada estava assistindo um programa no canal History Channel sobre alienígenas e o caso do ET de Varginha surgiu, inclusive com alguns ufólogos brasileiros afirmando que houve uma conspiração do Exército Brasileiro para ocultar os fatos, que um ET foi capturado, etc. 
     Resolvi fazer uma averiguação "espiritual" para saber o que aconteceu realmente e o que descobrimos foi o seguinte.
     Um grupo de espíritos estava querendo resgatar alguns companheiros seus que haviam sido exilados aqui da Terra para um planeta-prisão chamado Krazu (este planeta será tema de nosso próximo post).
     De alguma forma os exilados conseguiram se comunicar mentalmente com seus comparsas aqui na Terra e esses criaram um plano de resgate para trazê-los de volta. 
     Devido às peculiaridades do empreendimento seria preciso uma grande quantidade de energia, principalmente de ectoplasma, para conseguir trazer os seres exilados de volta para o astral da Terra.
     Para conseguir essa energia eles utilizaram um recurso simples mas eficiente, que é muito utilizado por magos e outros seres com conhecimento, e que consiste em excitar as mentes dos encarnados com alguma idéia de tal modo que eles pensem muito nisso, o que cria formas-pensamento carregadas com muita energia, que é então recolhida por esses magos ou seres.
     Desde a década de 80 os filmes de ficção científica exploram muito a questão extraterrestre e já havia vários relatos de avistamento de ovnis em Minas Gerais, então o grupo de seres resolveu utilizar a temática extraterrestre para criar as formas-pensamento que utilizariam para recolher a energia que precisavam.
     A parte operacional foi simples, bastou plasmar um "ET" no astral, fazê-lo visível a jovens impressionáveis e inspirar as pessoas certas do meio televisivo-jornalístico e fãs de ovnis para atrair a atenção de milhões de telespectadores e leitores, ávidos por novidades intergaláticas.
     O sucesso da operação foi além do esperado e a influência desse grupo de seres se estendeu, ao longo desses 16 anos, a diversos grupos de pessoas encarnadas e eles promoveram outros tantos casos de aparição de ovnis e ets, o que gerou uma quantidade enorme de fomas-pensamento carregadas de energia e que eles estavam armazenando em cavernas na dimensão astral, no que seria o equivalente aqui ao subterrâneo da cidade de Varginha. 
     A quantidade de energia era imensa e parecia até um grande lago subterrâneo, ligado a uma usina de processamento alimentada por esse fluído. Essa usina forneceu energia para a criação de um portal interdimensional, uma espécie de "buraco de minhoca" ligando a Terra ao planeta-prisão Krazu.
     Desde que começaram os experimentos há 16 anos já recolheram energia para trazer 3 seres que haviam sido exilados e daqui a quatro anos teriam energia suficiente para trazer mais um grupo de exilados de volta para a Terra.
     A aparência deles é humanóide mas como seu corpo astral é feito de uma matéria de outro planeta, as diferenças energéticas fizeram com que eles necessitassem utilizar um traje, como se fosse uma armadura, semelhante ao que o "predador" dos filmes do cinema usa.
     Havia pessoas aprisionadas próximas à tal usina, encarnados desdobrados, tbm utilizados como fonte de energia. São pessoas que acreditam em UFO's e ET's e que querem muito ter um "contato imediato". 
     Esses seres então promovem o desdobramento dessas pessoas e inserem em suas mentes que estão vivenciando um contato com extraterrestres, o que faz com que fiquem ali de bom grado e ainda achando bom.
     A usina foi destruída e a energia foi recolhida por nossa equipe espiritual para ser reutilizada em colônias e hospitais no astral pois estava em boas condições. Os seres que conseguiram escapar do exílio estavam numa base camuflada em um local próximo da usina; foram presos novamente e enviados de volta ao planeta-prisão de onde escaparam.
     Já encontramos seres extraterrestres em nossos trabalhos, mas nunca na dimensão física, o que não quer dizer que não possa haver algum por aqui. Entretanto, neste caso o ET que foi avistado era uma criação artificial astral materializada.
     Os três seres que vieram pelo portal eram de fato extraterrestres pois seu corpo era feito da matéria astral de outro planeta e eles vieram mesmo de outro planeta mas a densidade dos corpos deles era mais compatível com a densidade dos corpos astrais aqui da Terra, ou seja, eles não seriam vistos aqui por pessoas "normais", apenas por alguma pessoa com mediunidade de vidência.
     No próximo post vamos falar sobre o planeta-prisão onde estes seres foram exilados.

Abraço.

Gelson Celistre.

domingo, 9 de setembro de 2012

A bruxa virtual


     A consulente se envolveu com vários tipos de grupos de ocultismo, wicca, magia negra, magia oriental (onmyodo) e similares e mesmo depois de encerrar as atividades, após anos, ainda sente os efeitos. A maioria dessas ligações da consulente se deu pela internet, em grupos e comunidades sobre ocultismo, bruxaria, vampirismo, etc. 
     Por conta dessas atividades ela sintonizou com vários grupos das trevas ligados a pessoas encarnadas que praticam essas artes mágicas e abriu frequências de vidas passadas onde foi bruxa, passando a praticar no astral o que fazia no passado. 
     Quando fomos verificar o que ela andava fazendo no astral encontramos o seguinte:



O baile

     Em um grande salão com pouca iluminação encontramos um grupo de pessoas, todas vestidas de preto ao estilo gótico, com cabelos negros, pálidas e com maquiagem escura.      Esse grupo é formado por vários casais e são todas pessoas encarnadas que estão ali em desdobramento. Mas além desses encarnados há tbm outros espíritos, desencarnados, e esses se ocultam sob uma longa capa preta com capuz.
     A atmosfera do salão é densa, sufocante, e vários casais entram e saem constantemente, circulam e conversam como se estivessem numa boate, embora não haja som no local, que é estranhamente silencioso. Uma das mulheres ali, das encarnadas vestidas de preto, percebe a presença de nossa médium entre eles e manifesta uma expressão de desagrado: é a consulente. A médium tem a impressão de que muitos deles tem consciência de estarem ali em desdobramento e que estão ali por vontade própria.
     Enquanto observava a cena, a médium foi abordada por um dos homens que lá estava. Ele vestia uma calça preta muito justa e estava sem camisa. No rosto entretanto ele tinha uma máscara negra que lhe cobria os olhos, como se estivesse num baile de máscaras. A médium recusou o convite do tal homem e este se irritou com ela, perguntado-lhe então o que ela veio fazer ali. Aproveitamos o incidente para iniciar os trabalhos.
   Os encarnados tiveram suas mentes adormecidas e foram reacoplados em seus organismos físicos, inclusive a consulente, enquanto que os desencarnados foram paralisados para posteriormente serem retirados por nossa equipe espiritual, não sem esboçarem alguma resistência, principalmente um espírito feminino, vestindo uma espartilho vermelho e com o corpo bem delineado, que arremessou contra nós algumas adagas.

O sabath 

     É noite na floresta, o céu está escuro e numa clareira várias bruxas vestidas com capuzes pretos se reunem para mais um ritual. Vários homens estão sendo trazidos por outras bruxas da floresta, todos com as mãos amarradas em estado de transe ou semi-conscientes. Eles são colocados em círculo na clareira e cada uma das bruxas se posiciona na frente de um deles.
     Elas olham fixamente para os olhos deles, cara a cara, e dizem alguma coisa em tom sussurrante. Eles abrem a boca e elas tbm, ao que pudemos ver a energia saindo da boca dos homens e sendo absorvida pelas bruxas. Todos os homens ali são encarnados desdobrados mas entre as bruxas existem tanto encarnadas como desencarnadas.
     Depois de absorverem a energia dos homens elas se juntam e dão as mãos em círculo, evocando um ser demoníaco. Ele se materializa no meio delas à medida em que elas abrem suas bocas e liberam para ele sua energia. O demônio parece a princípio uma grande sombra mas aos poucos vai parecendo mais "sólido" e com isso os homens vão desfalecendo, ficando mais fracos. Das 15 bruxas ali apenas 5 são desencarnadas, então o demônio está absorvendo a energia de 10 mulheres e 15 homens encarnados, o que lhe dá muita força.
     Nesse momento do ritual nós interferimos, cortando a ligação das bruxas com o demônio para enfraquecê-lo e retirando dele a energia que ele absorveu dos encarnados. Algumas das bruxas estavam tão ligadas ao demônio que sentiram dor quando cortamos sua ligação com este ser das trevas, dentre estas, a consulente. Todos os encarnados tiveram suas mentes apagadas e foram reacoplados, tanto as bruxas como os homens. O tal demônio foi preso e o local foi destruído no astral.

O bruxo

     Apareceu um bruxo com muita raiva de mim por achar que eu estava "mexendo" com alguém que lhe pertence. O bruxo é velho, gordo e barrigudo e veste uma túnica escura, com um medalhão no pescoço. Na cabeça ele usa uma touca colada na cabeça, como essas de natação. O bruxo era muito forte e fez a médium que o percebeu ficar com o corpo tremendo. 
     Esse bruxo estava ligado a muitas mulheres encarnadas, todas envolvidas com alguma atividade esotérica, ocultista ou de bruxaria aqui no físico e logo que começamos a cortar essas ligações ele atacou a médium, enfiando sua mão dentro do peito dela e apertando seu coração, o que lhe causou uma dor terrível, que quase a fez desmaiar. 
     Nessa hora ativamos uma supraconsciência da médium para ela poder enfrentar o bruxo e após um breve combate entre eles, o bruxo foi preso e a ligação dele com as mulheres encarnadas foi cortada. Uma dessas mulheres era a consulente.

A confraria das bruxas

     Descobrimos tbm uma vida passada da consulente onde ela fazia parte de uma confraria de bruxas que matavam homens em rituais sexuais para manter sua juventude, beleza e vitalidade. A consulente era uma bruxa jovem e muito bonita e de acordo com as normas da confraria todas deviam partilhar os homens entre si e dividir igualmente as energias vampirizadas. 
     A consulente entretanto sentia que precisava de mais energia que as outras e começou a montar um "caixa 2" com os homens que conseguia aprisionar. De cada três um ela reservava exclusivamente para si e os mantinha em uma caverna oculta das demais, apenas de seu conhecimento. Um dos homens que ela aprisionou ali era o seu "predileto"  e eventualmente ela saia com ele da caverna para passear. 
     Como estavam drogados esses homens não esboçavam reação e nem tentavam fugir. Mas uma das bruxas da confraria a viu com esse homem, a seguiu e descobriu seu covil. Ao informar isso para as outras bruxas da confraria, a consulente foi declarada infiel e traidora, e foi queimada viva numa fogueira pelas próprias confrades.
    A bruxa morta, a consulente, jurou vingança contra todas e hoje, após vários séculos, algumas delas se reencontraram nessa vida. O ódio da consulente aumentou ainda mais depois de morta por ver que o prêmio da bruxa que a delatou foi o seu "predileto". Depois de morta ainda ficou por ali perturbando a delatora. 
     A delatora e o "predileto" da consulente naquela vida são hoje seu ex-namorado e a atual namorada dele. Encontramos esses dois presos no astral pela consulente que, logo que percebeu nossa presença, se manifestou com muita raiva e indignação, dizendo:

Acho bom vcs saírem logo daqui antes que eu os prenda aqui tbm! Aconselho vcs a se mandarem daqui rapidinho! Se estou com os dois aqui é pq posso estar e caso continuem pensando em me atrapalhar vãp ver do que sou capaz!!

     Apagamos a mente de todos ali e os reacoplamos. Havia tbm outras bruxas desdobradas ali e algumas desencarnadas, assim como vários homens encarnados que ainda eram vampirizados pelas bruxas. Eram quase 200 homens e 50 bruxas nesse local, que foi destruído.

O demônio

     Em mais uma clareira na floresta encontramos outro bando de bruxas e outro tanto de homens encarnados sendo vampirizados. Dentre as bruxas novamente encontramos a consulente torturando um casal, tbm encarnado, que estavam amarrados em estacas, sobre pentagramas riscados no chão. Novamente o ex-namorado dela e a atual namorada dele.
     Na clareira haviam outros pentagramas riscados no chão onde outras pessoas estavam presas e sendo torturadas ou vampirizadas, a maioria encarnados desdobrados.  Novamente a consulente ficou revoltada com nossa presença ali e tentou nos atacar, mas sem sucesso. 
     Parecia mais uma frequência sem grandes novidades mas eu apareci lá em supraconsciência, sinal de que havia algo mais "pesado". Enquanto prendíamos as bruxas e encaminhávamos os encarnados de volta, uma mancha escura começou a se formar no chão, que começou a se abrir, criando um buraco, e dele saltou um demônio com um corpo humanóide, mas com pernas grandes e curvadas como as de um animal, só que todo formado por um emaranhado de finos fios negros.
     O demônio emitiu um grito como um rugido e bateu com as duas mãos no próprio peito, raspou um dos pés ou patas no chão como se fosse um touro e partiu em disparada sobre mim. De seus olhos avermelhados saíram dois raios em minha direção tbm.
     Criamos um campo de contenção em torno do tal demônio e o neutralizamos, sendo ele levado por nossa equipe espiritual. Este demônio será exilado. Destruímos a tal clareira no astral.

Os vampiros

     Saímos dessa frequência em supraconsciência e fomos para outro local no astral. Era uma enorme caverna com grandes nichos nas paredes com grades onde haviam centenas de pessoas presas em cada nicho. Os seres que aprisionam estes espíritos ali são vampiros.
   A aparência desses vampiros lembra a de um ser humano, mas as orelhas são pontiagudas e a boca é bem grande, com dentes tbm pontiagudos. Nas costas eles possuem asas como as de um morcego. Enfim, muito parecidos com as imagens de vampiros de alguns filmes recentes.
    Vimos inclusive um desses seres, que era uma fêmea pois tinha seios, mordendo um homem ali no pescoço como se fosse uma presa abatendo uma caça. A maioria dos espíritos presos ali são de pessoas encarnadas e tratamos logo de apagar suas mentes e enviá-los de volta ao corpo físico. 
     Paralisamos os vampiros e enquanto retirávamos os encarnados fomos atacados por uma bruxa furiosa. Mais uma vez a consulente desdobrada aprontando no astral. A consulente é que era a líder desses vampiros e mais uma vez não queria abandonar suas práticas no astral, mas teve sua mente apagada e voltou ao corpo físico. os vampiros desencarnados foram presos e o local foi destruído.

     Muitas pessoas se envolvem em grupos e práticas pela internet achando que estão só "estudando", que é apenas "virtual", mas na verdade ao se fazer parte de um grupo, estamos partilhando de uma energia e práticas que podem nos causar sérios problemas. O que desejamos aqui pode se tornar realidade no astral por isso é preciso ter cuidado com o que desejamos e com quem nos associamos, mesmo que virtualmente.

Abraço.

Gelson Celistre

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Desconexão reiki (+1)


     “Iniciei-me no Reiki em 2003, atingi o Reiki Master. .... Vi colegas saírem da iniciação tontos c/ ânsia de vômitos. ... Eu não durmo bem, ... quase sempre acordo pelas 4 da manhã. Tenho muitas coceiras pelo corpo ... Meu pescoço fica vermelho e empolado... Videntes dizem que vêem um egípicio do meu lado. Será meu guia, ou um aproveitador? Estou c/ muitas dúvidas!!!
      Este é mais um relato de uma desconexão de reiki, de uma pessoa que leu nossos posts sobre o reiki e nos solicitou o desligamento. Coloquei resumidamente o que o consulente nos relatou para poder tecer alguns comentários no final do post.

                O mago egípcio

     Ao sintonizar com o consulente foi visto um grande deserto de areia e uma enorme pirâmide reluzente. Na vastidão desse deserto, ao redor da pirâmide, havia pequenos buracos circulares no chão, não muito fundos, com a profundidade de apenas alguns centímetros, e em cada um deles havia uma pessoa em pé. Esses buracos são "células" de uma enorme bateria humana. Da parte de baixo dos pés dessas pessoas saíam fios por baixo da areia e estes fios se ligavam todos na tal pirâmide. Era através desses fios que a energia vital (ectoplasma) dessas pessoas, que eram todas encarnadas desdobradas, era canalizada para a pirâmide. 
     No pescoço as pessoas tinham um colar com um pingente, que era o que as mantinha ligadas à sua "célula". Elas não ficam o tempo todo desdobradas ali, somente o tempo necessário para retirar suas energias sem que se sintam muito esgotadas, depois disso voltam ao corpo físico, para se reabastecer novamente de energia, e depois novamente são alocadas em sua célula.
     Um mago egípcio era quem as mantinha ali. Careca e nu da cintura para cima, pele avermelhada e um contorno preto ao redor dos olhos. No pescoço ele tem um colar igual ao das pessoas que formam sua bateria humana. No interior da pirâmide havia vários hieroglifos nas paredes e mais algumas pessoas em estado de transe. Esse egípcio está há cerca de 800 anos no astral desde sua última reencarnação, no Egito.
     O plano desse mago egípcio era acumular energia suficiente nessa pirâmide para plasmar uma cidade mística, para atrair pessoas, tanto encarnadas como desencarnadas para que fossem seus súditos. Cortamos a ligação das células humanas, os mandamos de volta ao corpo físico, e comandamos o retorno da energia acumulada na pirâmide de volta a eles. O mago egípcio tentou evitar e nos atacou, mas foi neutralizado. Com a perda da energia dos encarnados ele começou a se transfigurar, ficando com a pela toda enrugada. A pirâmide que era reluzente ficou enegrecida e depois nós a destruímos.
     O consulente estava entre as pessoas aprisionadas dentro da pirâmide pq teve um "despertar" da consciência em desdobramento (após ler nossos relatos sobre o reiki no blog) e tentou tirar o tal colar. Foi libertado junto com os demais que estavam na pirâmide.
     Essas pessoas todas que estavam ali eram reikianos e foram ligados a esses mago egípcio no momento da iniciação.


     O mago (quase) negro

     Além dessa frequência o consulente estava desdobrado em outra, simultaneamente, onde um mago (quase) negro o hipnotizava, juntamente com várias outras pessoas, todas encarnadas. Este mago vestia uma túnica escura com um capuz grande, como aqueles usados por membros da Ku Klux Klan, que lhe ocultava o rosto.
     No capuz do mago negro havia o símbolo do reiki cho ku rei, aquele em forma de espiral. As pessoas estavam todas em pé e o tal mago parava em frente de uma a uma e fazia no ar o tal símbolo, em frente aos olhos da pessoa, enquanto repetia alguma ladainha. Interessante que o símbolo no capuz dele tbm se move, girando, para hipnotizar as pessoas tbm.
     Quando o mago faz esses movimentos do cho ku rei na frente dos olhos da pessoa, ele fica gravado na testa dessa pessoa, como se fosse uma tatuagem. Isto é o que mantém as pessoas ligadas a ele no astral e é assim que ele pode acessá-las quando necessita de energia.
     Após ele ter gravado sua marca em todas as pessoas, como se fossem gado, ele sentou-se num trono com espaldar alto e ficou brincando com a energia que estava retirando dessas pessoas, fazendo símbolos no ar com um tipo e fumaça negra.
     Efetuamos o procedimento padrão nesses casos, que consiste em desligar o ser dos encarnados que o alimentam, apagamos a mente desses encarnados e os enviamos de volta ao corpo, assim como prendemos o tal mago e apagamos sua mente tb. Quando apagamos a mente dele os sinais sumiram da testa dos encarnados que estavam ali em desdobramento. Digo que o tal mago "quase" negro pq era uma entidade sem muito poder, apesar de ser das trevas, comparado a outros que já encontramos explorando a energia de reikianos.

      Comentários

     As coceiras e principalmente o problema no pescoço eram por conta da frequência do mago egípcio, onde o consulente em desdobramento tentava tirar o colar que o ligava ao mago egípcio.
     Interessante notar que alguns videntes viram o tal egípcio ao lado dele, mas como geralmente acontece, não sabem o que fazer ou acreditam que seja algum "mentor".
     Como o consulente estava ligado a dois seres das trevas é provável que ambos tivessem um acordo por trabalharem com o mesmo "mestre". Essas pessoas geralmente fazem mais de um tipo de iniciação em reiki e com isso acabam se ligando a mais de um ser das trevas.
     Para quem não leu meus posts anteriores sobre o reiki sugiro que pesquisem o termo "reiki" na caixa de pesquisas aqui no blog e leiam os posts.
     Para os mais desavisados ainda, lembramos que não questionamos a capacidade curativa de terapias energéticas, apenas alertamos para o fato de que o reiki foi criado por entidades das trevas para vampirizar as energias de quem for iniciado nele.
     Quando alguém "aplica reiki" na verdade está doando sua própria energia. Como é comum pessoas com mediunidade se envolverem com terapias alternativas, eventualmente a pessoa que aplica tem mediunidade de cura (excesso de ectoplasma) e pode fazer bem a quem recebe, exatamente como ocorre num passe magnético que a pessoa pode receber num centro espírita, sem que pra isso ela tenha que ser iniciada em alguma coisa.
     O problema é que as pessoas que foram iniciadas em reiki foram ligadas a entidades das trevas e quando "aplicam" o reiki acabam se conectando mais fortemente com essas entidades e geralmente tbm conectanto a pessoa que esta recebendo o reiki.


Gelson Celistre




domingo, 2 de setembro de 2012

Incêndio mata três irmãos

Jornal Zero Hora - Tragédia na Serra31/08/2012 | 03h49

"Um incêndio de grandes proporções atingiu a Vila Sapo, no bairro Serrano, em Caxias do Sul, na madrugada desta sexta-feira. Três irmãos menores de idade morreram e entre 19 e 20 casas ficaram totalmente queimadas.
O fogo teria começado no casebre em que moravam Marieli, três anos, Mateus, 11, e Maiquel, 17. Os três estavam sozinhos em casa, por volta das 23h, quando o fogo iniciou. A mãe das crianças trabalhava, e o pai mora em outro bairro."

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2012/08/incendio-mata-tres-irmaos-e-queima-cerca-de-20-casas-em-caxias-do-sul-3870883.html


     Quando li esta notícia no jornal senti vontade de verificar se os três irmãos mortos no incêndio estavam bem, isto é, se já tinham sido resgatados, pois apesar de saber que se trata de um processo kármico de resgate, é uma situação muito aflitiva para qualquer espírito e senti uma energia de tristeza muito forte associada a esse evento.

    O que os olhos não vêem


     Em meio às cinzas dos casebres incendiados havia um ser negro e com olhos flamejantes. Este ser se alimenta das energias de dor, desespero, pânico e tristeza que acometem as vítimas de um incêndio e tbm seus familiares e pessoas próximas.
     Na dimensão astral ele vive num local que parece a cena de um incêndio. O céu é escuro, como se fosse noite, e cai uma fuligem o tempo todo, como as cinzas de uma erupção vulcânica. Por toda parte há objetos carbonizados e pelo chão pessoas queimadas se arrastam em grande sofrimento.
     Nossa primeira atitude foi fazer cair uma chuva nesse lugar, mas percebemos que as pessoas que rastejavam ali estavam com a mente tão fixada nessa situação que estavam alheias a tudo que não fosse o seu sofrimento e então resolvemos adormecê-las e apagar suas mentes, para que cessasse seu sofrimento e pudessem ser resgatadas.
     Enquanto escrevo esse relato ainda não se sabe oficialmente o que causou o incêndio mas especula-se que as vítimas estavam com velas acesas por ter ocorrido um problema com a energia elétrica em sua casa mas o que vimos foi que o tal ser negro foi quem "assoprou" a chama para que o fogo se espalhasse. 
     Este ser já vivia nesse local no astral na época da inquisição e muitas bruxas que morreram queimadas foram aprisionadas por ele. Nesse local tbm havia um amontoado de rochas que formava um tipo de caverna onde havia uma grande quantidade de espíritos aprisionados por este ser, tanto desencarnados (que eram em maior número) quanto encarnados desdobrados. Ali estavam os três irmãos mortos, de mãos dadas e muito assustados.
     Todos foram resgatados e esse ser foi preso.

     O retorno kármico

     Sabemos que todos os nossos atos geram consequências e que somos responsáveis por eles. Em algum momento teremos que prestar contas, encarar as consequências desses atos, isso é o que chamamos de karma, o saldo de coisas que fizemos no passado. Como tudo é dinâmico o que não sabemos ainda é como e quando iremos resgatar esses karmas.
     Em alguns casos vemos pessoas que fizeram horrores numa vida e na seguinte ainda não estão "pagando" por seus atos, que às vezes são resgatados várias vidas depois de cometidos. Dizemos que a pessoa está resgatando um karma quando está passando por uma situação aflitiva ou de sofrimento gerada em situações de outras vidas. 
     Outros espíritos por sua vez cometem um ato numa vida e na seguinte aparentemente o recebem de volta, quase na base do olho por olho. Este é o caso destes três irmãos que morreram no incêndio.

     Segunda Guerra Mundial

     Em sua encarnação anterior os três irmãos eram soldados nazistas e queimavam pessoas numa enorme vala num campo de concentração. A princípio deviam queimas apenas os corpos mortos jogados na vala mas logo muitos judeus ainda vivos eram jogados nas valas, e eles se divertiam queimando-as vivas com um lança-chamas, após jogarem querosene nelas.
     Não temos como avaliar um espírito por um ato apenas, pois apesar de ser extremamente cruel a atitude dos três no passado, pode ter sido um ato imaturo ou inconsequente de jovens envolvidos por toda uma situação. De fato nos parece que apesar do modo como morreram nesta vida, neste incêndio, isso ocorreu para que se "desligassem" dessa energia que envolveu as ações nazistas na Segunda Guerra. 
    Entre as vítimas e soldados, alguns eram encarnados desdobrados, mas ainda havia muitos espíritos presos nessa frequência da guerra e que puderam agora ser resgatados.
    Estamos num estágio evolutivo onde a dor é nosso maior professor pois só conseguimos entender a dor que causamos no outro quando a sentimos em nós mesmos e a reencarnação é o que nos possibilita isso. Errar faz parte do processo de aprendizagem mas somos responsáveis pelos nossos erros e teremos que lidar com as consequências.



Gelson Celistre