sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Abertura de caminhos

    A maioria das pessoas que acabam nos procurando em busca de um atendimento com apometria já passou por vários locais e uma coisa muito comum é as pessoas terem feito um "trabalho" para "abrir os caminhos" em terreiros ou com alguém que oferece esse tipo de serviço.

     Em todos os casos que atendemos, sem exceção, o tal trabalho deu certo e de fato abriu os caminhos da pessoa. Sim, abriu os caminhos para que espíritos malignos, medíocres e de baixa vibração, verdadeiros seres das trevas, entrassem pela porta da frente na vida dela.
     Eu imagino que quem procura este tipo de trabalho deve estar meio desesperado com a própria situação ou então é alguém muito ambicioso, mas me pergunto se essas pessoas fazem ideia de como vai ser feita essa abertura de seus caminhos, que estão aparentemente fechados.
     Para quem não sabe vou explicar: a pessoa vai ter que pagar uma quantia para que o trabalho seja feito e dependendo de quem faz pode ser mais ou menos caro, e pode ser utilizado desde velas, ervas e flores até sacrifícios de animais, inclusive humanos (sim, isso ainda acontece).
     Mas como funciona o trabalho na prática? Esse tipo de trabalho é um contrato entre quem encomendou o trabalho e as entidades desencarnadas que trabalharão nele. O que o sacerdote ou seja lá quem fizer o tal trabalho faz é ligar a pessoa a um ou mais espíritos, tipo uns "padrinhos", que vão tentar "arrumar" as coisas para ela. Se a pessoa for procurar um emprego esses espíritos vão tentar influenciar o contratante a escolher seu "afilhado" ou se ela tiver algum tipo de negócio os padrinhos vão tentar lhe arrumar clientes e por aí vai.
     O que provavelmente essas pessoas não sabem é que esse contrato de prestação de serviços é bilateral e que o valor pago financeiramente não é única obrigação do contratante, pois assim como esses espíritos lhe prestaram serviços essa pessoa também vai ter que prestar serviços a eles. E de que maneira?
     O que eles mais demandam é nossa energia, o ectoplasma, e essa pessoa passa a ser um fornecedor, ou seja, passa a ser vampirizada. Também podem colocá-la para fazer alguma outra atividade de que tenham necessidade no astral pois costumam desdobrar a pessoa e a levar para locais no astral para servir às suas necessidades, inclusive sexuais. Sem falar que passam a se relacionar com espíritos da pior qualidade e isso vai gerar consequências em todas as áreas de sua vida.
     E o pior é que nesse contrato o contratado, que são as entidades, não tem responsabilidade pelo sucesso ou não do serviço que prometeram prestar, ou seja, se as coisas derem certo ou não para a pessoa, ela fica devendo do mesmo modo. E para azar dessas pessoas, eles nunca prestam um serviço que preste, isto é, os caminhos dessas pessoas não se abrem. Aliás é como provavelmente já aconteceu com todo mundo aqui que contratou alguém para um serviço que saiu caro e foi mal feito, quem já construiu sabe bem como é isso.
     Então fica aqui um alerta, se você quer que seus caminhos se abram, trabalhe mais, seja mais correto, mais ético, que as coisas vão melhorar. Pode não ser o tanto que você quer mas certamente vai ser o tanto que você merece de acordo com o seu karma e você não vai piorar sua situação se tornando escravo de entidades das trevas, sim, porque "orixá" não tem poder para abrir caminho de ninguém pois ninguém está acima da lei (do karma) e se você não tem é porque não fez por merecer, e o merecimento se obtém com ações (trabalho) e não com trabalhos de magia (negra).
     Com a apometria nós podemos "limpar" as energias, retirar chips, obsessores, resgatar bolsões de espíritos ligados a pessoa e fechar frequências abertas (onde a pessoa pode estar piorando seu karma) que influenciam negativamente na sua vida atual e nos seus "caminhos", sempre ocorre uma melhora, mas não podemos garantir que a pessoa vai ter sucesso financeiro ou emocional, pois isso depende principalmente do karma que ela está resgatando, o que podemos ver num atendimento e dar um prognóstico para a pessoa.

Gelson Celistre