sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Abertura de caminhos

    A maioria das pessoas que acabam nos procurando em busca de um atendimento com apometria já passou por vários locais e uma coisa muito comum é as pessoas terem feito um "trabalho" para "abrir os caminhos" em terreiros ou com alguém que oferece esse tipo de serviço.

     Em todos os casos que atendemos, sem exceção, o tal trabalho deu certo e de fato abriu os caminhos da pessoa. Sim, abriu os caminhos para que espíritos malignos, medíocres e de baixa vibração, verdadeiros seres das trevas, entrassem pela porta da frente na vida dela.
     Eu imagino que quem procura este tipo de trabalho deve estar meio desesperado com a própria situação ou então é alguém muito ambicioso, mas me pergunto se essas pessoas fazem ideia de como vai ser feita essa abertura de seus caminhos, que estão aparentemente fechados.
     Para quem não sabe vou explicar: a pessoa vai ter que pagar uma quantia para que o trabalho seja feito e dependendo de quem faz pode ser mais ou menos caro, e pode ser utilizado desde velas, ervas e flores até sacrifícios de animais, inclusive humanos (sim, isso ainda acontece).
     Mas como funciona o trabalho na prática? Esse tipo de trabalho é um contrato entre quem encomendou o trabalho e as entidades desencarnadas que trabalharão nele. O que o sacerdote ou seja lá quem fizer o tal trabalho faz é ligar a pessoa a um ou mais espíritos, tipo uns "padrinhos", que vão tentar "arrumar" as coisas para ela. Se a pessoa for procurar um emprego esses espíritos vão tentar influenciar o contratante a escolher seu "afilhado" ou se ela tiver algum tipo de negócio os padrinhos vão tentar lhe arrumar clientes e por aí vai.
     O que provavelmente essas pessoas não sabem é que esse contrato de prestação de serviços é bilateral e que o valor pago financeiramente não é única obrigação do contratante, pois assim como esses espíritos lhe prestaram serviços essa pessoa também vai ter que prestar serviços a eles. E de que maneira?
     O que eles mais demandam é nossa energia, o ectoplasma, e essa pessoa passa a ser um fornecedor, ou seja, passa a ser vampirizada. Também podem colocá-la para fazer alguma outra atividade de que tenham necessidade no astral pois costumam desdobrar a pessoa e a levar para locais no astral para servir às suas necessidades, inclusive sexuais. Sem falar que passam a se relacionar com espíritos da pior qualidade e isso vai gerar consequências em todas as áreas de sua vida.
     E o pior é que nesse contrato o contratado, que são as entidades, não tem responsabilidade pelo sucesso ou não do serviço que prometeram prestar, ou seja, se as coisas derem certo ou não para a pessoa, ela fica devendo do mesmo modo. E para azar dessas pessoas, eles nunca prestam um serviço que preste, isto é, os caminhos dessas pessoas não se abrem. Aliás é como provavelmente já aconteceu com todo mundo aqui que contratou alguém para um serviço que saiu caro e foi mal feito, quem já construiu sabe bem como é isso.
     Então fica aqui um alerta, se você quer que seus caminhos se abram, trabalhe mais, seja mais correto, mais ético, que as coisas vão melhorar. Pode não ser o tanto que você quer mas certamente vai ser o tanto que você merece de acordo com o seu karma e você não vai piorar sua situação se tornando escravo de entidades das trevas, sim, porque "orixá" não tem poder para abrir caminho de ninguém pois ninguém está acima da lei (do karma) e se você não tem é porque não fez por merecer, e o merecimento se obtém com ações (trabalho) e não com trabalhos de magia (negra).
     Com a apometria nós podemos "limpar" as energias, retirar chips, obsessores, resgatar bolsões de espíritos ligados a pessoa e fechar frequências abertas (onde a pessoa pode estar piorando seu karma) que influenciam negativamente na sua vida atual e nos seus "caminhos", sempre ocorre uma melhora, mas não podemos garantir que a pessoa vai ter sucesso financeiro ou emocional, pois isso depende principalmente do karma que ela está resgatando, o que podemos ver num atendimento e dar um prognóstico para a pessoa.

Gelson Celistre

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Armadilha

     Recentemente recebi uma solicitação de atendimento de uma mãe para seu filho de pouco mais de dois anos. Ela alegava que a criança tinha baixa imunidade, que desde que nasceu a criança tem dificuldades para dormir, que sempre pega várias doenças, etc. Relata a mãe que em certa ocasião a criança "... acordou com os olhos totalmente pretos olhando pra porta do quarto (nesta porta onde ele acordava de noite assutado gritando e apostando pra lá) eram 7hrs da manhã, chamava ele e ele com os olhos todo preto não olhava pra mim nem parecia me ouvir, ai voltou a dormir e as 10hrs da manhã acordou dando murros na grade do berço de pé e berrando muito, ...". 


     Ela afirma ainda que "minha sogra trabalha com magia negra, ela faz coisas pra mim me separar do meu marido, ja apareceu terra de cemitério na porta de entrada no nosso quarto, entre os pés da nossa cama do meu lado, ja apareceu enchame de moscas na sala do nada. e quando isto aparecia, meu filho ficou muito doente com penumonia pela primeira vez com 1 ano, meu marido perdeu emprego logo apos isto aparecer... ando vendo vulto preto na cabeceira do berço dele, ele nao dorme bem a noite toda, briga pra dormir, acorda querendo ir pra nossa cama, tem pesadelos, é sonambulo, acorda de olhos fechados, chorando muito e nao tem oração, nem nada que acalme ele." 

    Pelo relato o caso da criança parecia mesmo grave e informei a ela uma data disponível para atendimento, sendo que ela confirmou que viria. Eu enviei um e-mail com as instruções e o endereço e disse que não era para ela trazer a criança junto, que ela representaria o filho na consulta. Então ela me respondeu indignada questionando o motivo de a criança não poder comparecer, porque ela já havia feito duas apometrias, e nesses locais era diferente pois a criança participou do atendimento:

      "já fizemos  apometria na casa espirita ..., onde eu tinha muitas dores no útero e lá acharam cordoes vermelhos amarrados, limparam, colocaram dreno e depois de 21 dias voltei e tiraram o dreno, melhorei, pois nao dormia a noite também de tanta dor, e meu filho após fizerem a desobssessão lá viram q ele tinha a companhia da mae dele de outras vidas, que via nele o filho grande e adulto e nao me deixava ser a mae dele. ele foi fazer a desobssessão lá justamente pq brigava comigo, nao queria ficar comigo era o pai dele pra tudo, parecia que ele me odiava um bebe de meses na época, ai encaminharam ela pra luz, mas no outro dia em casa eu com ele, e ele apontava pro quarto dele e dizia q tinha a mamae dele lá, ai eu ia la e perguntava onde e ele mostrava no berço, na tv, na janela,..." 


      No outro local "...colocaram meu filho deitado na maca com vários cristais com luzes em pontos estratégicos e não falavam nem manifestavam nada, era tudo rápido, só trabalhavam e liberavam ele."
     Eu respondi que não tem sentido uma criança de dois anos participar de uma reunião onde os médiuns vão ver coisas de vidas passadas deles, espíritos que o acompanham, obsessores, e outras coisa pois ele não vai entender nada. Sugeri ainda que ela lesse relatos no meu blog e a apostila de apometria que eu lhe enviei. Mas ela não ficou satisfeita e respondeu que ela já havia trabalhado como médium em um desses locais onde ela e o filho foram atendidos e que conhecia apometria. Eu disse a ela que na verdade ela não tinha a mínima ideia do que era apometria e ainda sugeri que ela lesse uma postagem minha sobre o desenvolvimento da mediunidade. 
      Ela agendou o atendimento mas logo depois desmarcou afirmando que não gostou do jeito que falei com ela e que havia conseguido outra apometria na mesma casa espírita onde já foi atendida e onde já trabalhou como médium (a mesma onde teriam encaminhado para a luz um espírito que o filho viu no quarto dele no dia seguinte, segundo ela própria). 

     Apesar dela ter cancelado a consulta tivemos que dar um encaminhamento na situação. Vimos que a criança de fato estava muito mal e que sofria de fortes processos obsessivos. Só que, além da predisposição kármica dessa criança, esses obsessores o estavam aterrorizando por causa de sua própria mãe, pois ela no intimo não queria ter esse filho e acha que ele atrapalha a vida dela.

     Ela e o filho são espíritos altamente desarmoniosos entre si, endividados karmicamente e com atuação em magia negra e feitiçaria em vidas passadas. Ela nasceu com mediunidade mas seu conhecimento sobre o assunto é superficial e apesar de afirmar que já trabalhou num centro espírita, não tem nenhum desenvolvimento. Desde que a criança nasceu a leva em tudo quanto é lugar para a curar dos males que ela mesma provoca espiritualmente.

     Além de tudo isso, ainda descobrimos que o atendimento da criança na verdade era uma armadilha e que essa mulher estava sendo usada por espíritos das trevas que querem a dissolução do nosso grupo de apometria.
     Esses espíritos malignos pretendiam que ela levasse o filho pessoalmente para ser atendido, pois na hora do atendimento eles iriam tentar provocar a morte dele, que passaria muito mal e teria que ser levado direto para um hospital. Esse era o plano e considerando o karma da criança haveria uma alta probabilidade de que ela viesse mesmo a morrer. Foi por esse motivo que ela ficou indignada por eu ter dito que a criança não deveria comparecer no atendimento, somente ela.

     Se esse plano das trevas se concretizasse esta mulher então iria colocar a culpa da morte do filho em nosso grupo, com muito estardalhaço, iria fazer um escândalo que tomaria grandes proporções e iria nos causar enormes transtornos, inclusive judiciais e financeiros. O objetivo das trevas era denegrir a imagem do nosso trabalho e com isso acabar com nosso grupo de apometria. 

     Este caso é interessante para analisarmos as diversas questões que envolvem um trabalho espiritual como esse que realizamos. Lidamos com pessoas desequilibradas emocional e espiritualmente e com espíritos das trevas de alta periculosidade que tentam de diversas formas nos destruir. De quebra ainda acabamos tendo que limpar a sujeira que supostos apômetras despreparados fazem, que além de não ajudar ainda pioram a situação dos consulentes. 
     
     Esta não foi a primeira vez que algum consulente era na verdade uma armadilha para tentarem acabar com nosso grupo, mas assim como outros seres das trevas que já tentaram, estes também falharam. Ainda vamos incomodar essa turma por muito tempo.

Gelson Celistre



quarta-feira, 14 de junho de 2017

O ceifador de vidas

     Circula pela internet a história de um homem vietnamita que recolhe bebês abortados para os sepultar e até criou um cemitério, há mais de 15 anos, que já conta com mais de 10.000 túmulos de bebês. Ele também criou um abrigo e acolhe mais de 100 crianças sem lar ou que seriam abortadas. É uma pessoa muito simples e sem posses e praticamente dedica sua vida a isso. 


Cemitério de bebês abortados
     Em uma vida anterior esse homem já havia tido contato com muitos bebês, pois ele adorava um demônio que se alimentava de bebês mortos. Esse homem sacrificou milhares de bebês para o que ele acreditava ser um deus, mas que era um ser demoníaco, num ritual macabro onde ele matava o bebê e bebia seu sangue. Ele tinha uma parteira que lhe "fornecia" bebês, pois fazia muitos partos e dizia que muitos bebês nasciam mortos, o que até era meio comum naquela localidade, em outros casos a mãe não queria o filho e ela dizia que iria arrumar alguém para adotar a criança. Quando não conseguia bebês por esses meios ele os sequestrava.
     Naquela vida ele alcançou um tal estado de loucura que passou a achar que ele próprio era um deus e passou a ofertar os bebês mortos a ele mesmo. Como nada é por acaso, ele foi descoberto porque essa parteira foi denunciada pela própria filha quando descobriu o que ela fazia, e através dela chegaram a ele, que acabou sendo sentenciado a morte.
     Pelo processo natural de reencarnação esquecemos o que fizemos em vidas passadas mas em nosso inconsciente as lembranças ficam armazenadas e alguma coisa pode servir de gatilho para que essas lembranças despertem sentimentos e desejos em nossa vida atual. Foi o que aconteceu com esse homem ao ir a um hospital com sua mulher grávida; o contato com o ambiente onde havia muitos bebês despertou em seu inconsciente as lembranças da vida passada onde ele sacrificava os bebês e ele como estava arrependido resolveu sepultá-las como uma forma de se redimir.
     Porém, ao mesmo tempo que essa lembrança a nível inconsciente despertou nele a vontade de fazer alguma coisa para ajudar, ela tbm mostrou ao "deus" (demônio) ao qual ele servia naquela vida onde ele estava encarnado agora. O homem de fato se sensibilizou com a situação e queria fazer algo para ajudar bebês, mas o demônio também gostou dessa ideia pois queria que o homem trabalhasse para ele nessa vida novamente lhe ofertando bebês. 
     No astral o homem viu qual era a intenção do demônio e que ele ia aprisionar a alma desses bebês e vampirizá-los mas o demônio o escravizou e ameaçou acabar com a família dele aqui no físico. Vimos também que um espírito socorrista empenhado em ajudar o tal homem a resgatar seu carma, o incentivou a continuar com esse projeto também e o inspirou a criar o abrigo para crianças sem lar, pois assim muitos dos espíritos que ele sacrificou na outra vida acabariam vindo morar sob a tutela dele, o que de fato aconteceu.
     Então de fato apesar de a nível consciente aqui ele querer fazer alguma coisa para ajudar os bebês, na realidade ele os estava recolhendo para este ser demoníaco, a quem passou a servir novamente.
      Quando chegamos no cemitério de bebês encontramos aprisionados mais de 10.000 bebês. O homem estava lá desdobrado também, e chorava por não ter condições de libertar aquelas almas. Ele realmente havia se arrependido do que fez na outra vida.
      Prendemos o demônio, que era do tipo exótico com chifres e cara de mau, que será exilado, ou seja, vai para um outro planeta primitivo, mais afim com suas energias densas. Quanto ao homem que recolhe os bebês, fechamos aquela frequência de vida passada e libertamos as almas dos bebês abortados. 
     Por uma dessas coincidências do destino (será??), uma das médiuns do meu grupo de apometria foi a filha da parteira que a denunciou naquela vida passada e levou à prisão do assassino dos bebês, o que facilitou nossa sintonia com essa situação nessa vida e a prisão do ser que estava se alimentando dos bebês.
     No passado esse homem foi um ceifador de vidas e nessa vida, arrependido, procura se redimir de seus crimes. Mas por mais de 15 anos, apesar de aqui na dimensão física acreditar estar fazendo um "bem" para esses bebês abortados, no astral continuava a servir ao "deus" que adorava outrora, mesmo a contragosto. A partir de agora os bebês que forem sepultados por ele serão resgatados e encaminhados a uma nova existência, sem servir de alimento para nenhum demônio.

Gelson Celistre

segunda-feira, 5 de junho de 2017

A bruxa Sarah

     
     Este relato é de um atendimento que fiz para uma moça que em várias de suas vidas passadas foi uma bruxa muito poderosa. O tratamento foi com terapia de vidas passadas e com apometria. 
     A quase totalidade das pessoas ao reencarnar esquece de tudo, fica com sua mente vazia, para poder criar uma nova personalidade. Mas diferente da maioria das pessoas essa bruxa conseguiu manter uma personalidade ativa no astral enquanto estava reencarnando durante várias vidas, isto é, mesmo reencarnando ela não esqueceu quem era, não perdeu essa personalidade de bruxa e nem o poder que já havia conquistado. 


     Tratamos várias vidas passadas e numa dessas que acessamos ela literalmente saiu do mundo dos mortos para resgatar a si mesma que já estava reencarnada, era um bebê, e seria devorada por um grupo de bruxas. A regressão começou com ela vendo a seguinte cena: Uma mulher com roupa de safari se esgueira pela floresta, escala uma escarpa e sobe numa árvore no alto de uma montanha, de onde retira alguns filhotes de uma ave de rapina. Ela coloca os filhotes num pote de vidro e os carrega com cuidado, sendo que no caminho de volta ela até cava o chão para encontrar algumas minhocas e dar aos filhotes, para que não morressem de fome. 
     A mulher chega num vilarejo onde há um altar de pedra com uma pequena escultura de um deus. Nesse altar de pedra se fazem oferendas para o deus representado na escultura e a mulher então coloca nesse altar os filhotes de pássaro, ao mesmo tempo que ergue os braços e recita algumas palavras num idioma estranho. Enquanto ela recitava seus encantamentos, a pedra do altar sobre o qual estavam os filhotes começou a engoli-los, ficando como se fosse mercúrio líquido, e os filhotes desaparecem dentro dela, que depois voltou à sua textura normal de rocha. 
     Após isso a mulher sai da aldeia e atravessa uma floresta, dirigindo-se a uma colina onde no alto existe um cemitério. Neste cemitério está enterrada a bruxa Sarah, à qual ela vai invocar do mundo dos mortos. A oferenda dos filhotes foi feita com essa finalidade. A mulher cava o túmulo de Sarah até encontrar os ossos, os quais ela retira até conseguir montar o esqueleto da  bruxa por completo, sobre o qual ela joga um pó preparado segundo antigos manuscritos de magia. 
     Nesse instante, enquanto a terra engole os ossos que a pouco lhe tinham retirado, emerge da terra o espírito da bruxa Sarah com um estranho brilho, carregada por espíritos parecendo zumbis. A mulher conversa com a bruxa como se cobrasse dela algum favor por a tê-la invocado, mas Sarah "incorpora" na mulher e a deixa muda, enquanto extrai seu ectoplasma. 
     Sarah então sai do corpo da mulher e se transforma num agênere, um espírito materializado em carne e osso. Ela se dirige à vila próxima e entra numa casa onde habitam quatro mulheres, quatro bruxas, que ficam apavoradas quando a vêem e tentam atacá-la, sem sucesso, pois Sarah passa por elas como se nem existissem. 
     Num dos cômodos da casa havia um bebê e Sarah avançou sobre ele avidamente. Começando pela cabeça, com grandes mordidas de uma boca e dentes pontiagudos que não pareciam humanos, devorou o bebê, literalmente. Logo em seguida voltou para a sala onde estavam as quatro bruxas e gritando perguntou a elas: - Onde estão? Onde estão
     As bruxas revelaram um alçapão que levava para o porão da casa e lá embaixo Sarah encontrou mais nove bebês, que devorou do mesmo jeito que o anterior, exceto um deles, uma menina, que Sarah pegou no colo e levou com ela, saindo da casa. 
     Sarah foi até um riacho próximo onde mergulhou a cabeça da criança várias vezes, depois pegou algumas ervas e esfregou na cabeça da menina. Em seguida levou a menina para o cemitério onde antes ela mesma estava enterrada e desenterrou um colar com um dente canino com símbolos gravados, que amarrou no pescoço da menina. O colar  era de Sarah na vida anterior. Depois disso enterrou a criança no cemitério, no mesmo local onde seus ossos estavam enterrados. 
     Sarah saiu dali e apareceu em frente a uma enorme árvore, de grande diâmetro, tão grande que havia uma porta em seu tronco oco por onde ela entrou e desceu uma escada, chegando numa caverna abaixo, onde as raízes da árvore estavam aparentes, como as raízes de árvores em mangues e pântanos. Sarah pegou algumas dessas raízes e arrancando a ponta delas do chão, as cravou em seu próprio corpo. Em seguida ela foi desfalecendo, como se estivesse sem forças, até sumir por completo para se ligar definitivamente à sua nova vida na matéria, no corpo do bebê que ela mesma enterrou no cemitério.
     Enquanto isso, uma figura bizarra a tudo observava, um demônio "clássico", com longos chifres retorcidos e patas de bode. Esse demônio é um serviçal de Sarah, uma entidade que a serve há séculos e que a ajuda a manter essa frequência ativa. Esse demônio foi até o cemitério onde Sarah enterrou a menina e a desenterrou ainda viva. O demônio a tirou dali e a teleportou para uma cidade distante, deixando-a na porta de um orfanato.
     Passados alguns anos encontramos essa menina, a nova Sarah reencarnada, já adolescente e vivendo junto a um casal que a adotou. No porão da casa em que vive ela tem um local onde realiza rituais de magia negra de um livro que ela mesma escreveu, sempre auxiliada por esse demônio, que anda com ela o tempo todo. Num determinado dia, quando estava com 13 anos, ela chega em casa após a escola e assassina os pais adotivos a facadas. Ela é tratada como uma doente mental e encaminhada a um manicômio. Nesse manicômio ela cria um culto de satanismo com algumas outras internas e realiza rituais de sexo e magia negra.
     Durante cerca de quatro anos várias moças que estavam internadas no manicômio foram mortas nesses rituais e tiveram seus corações arrancados e guardados nas gavetas de uma velha cômoda. Mas Sarah estava ali com um propósito específico. Estando ela com 17 anos iniciou a última parte de seu plano para aquela existência. Ela já havia conseguido muita energia das vítimas dos rituais e ordenou que suas seguidoras assassinassem alguns funcionários do manicômio, o que fizeram na calada da noite, enforcando-os enquanto dormiam. Os funcionários que não morreram assassinados sucumbiram às chamas pois as seguidoras de Sarah incendiaram o manicômio, matando centenas de pessoas. O ritual final da bruxa Sarah reencarnada era ela própria se libertar dessa existência física, deixando essa vida e retornando para sua árvore da vida, recarregada com o ectoplasma das inúmeras vítimas de seus rituais e do incêndio do manicômio.
     Na vida atual, nessa encarnação, uma nova Sarah reencarnada nos procurou, tinha cerca de 20 anos de idade e já havia entrado num processo que a levaria à loucura e ao suicídio, com diagnóstico médico de despersonalização e síndrome do pânico. Apuramos que nas suas últimas 16 vidas antes da atual, num período de mais de 500 anos, ela tem provocado a própria morte para conseguir manter ativa a personalidade dominante da bruxa Sarah. Agora no entanto prendemos o demônio que a servia e apagamos essa frequência da mente dela, que a partir de agora vai cumprir seu karma como todo mundo.
     A título de curiosidade, na vida atual a bruxa Sarah quando nos procurou, claro que sem ter a menor ideia dessa sua identidade dominante de vidas passadas, estava com mais de cem frequências abertas, todas de vidas onde ela era foi uma pessoa muito ruim, quando não envolvida com magia negra e satanismo, sendo um psicopata serial killer. Enquanto a tratamos conseguimos fechar umas 40 dessas frequências, não por merecimento dela, mas porque havia centenas, em algumas milhares, de espíritos aprisionados por ela nessas frequências. Após desaparecerem os sintomas que a fizeram nos procurar, ela abandonou o tratamento.

Gelson Celistre
     

sábado, 6 de maio de 2017

O açougueiro

     Temos trabalhado na limpeza extrafísica e em muitos casos os consulentes, mesmo sem o saber, estão ligados a cidades na dimensão astral que precisam ser destruídas, por serem dirigidas e habitadas por seres malignos. A última cidade astralina com a qual nos deparamos tinha uma arquitetura bastante peculiar, pois era formada por réplicas de prédios aqui da dimensão física, mas o interessante é que essas réplicas ou duplicatas era apenas de açougues e matadouros, de todas as partes do país e do mundo.


     A ideia por trás disso é os proprietários se sentirem à vontade no ambiente astral, depois de mortos, como se estivessem em seus estabelecimentos aqui no físico, para continuar lá o que faziam aqui. Essa cidade era especializada em retirar a energia do sangue dos animais abatidos em matadouros e os açougueiros são os que "trabalham" a carne. Só que nessa cidade do astral o que eles carneavam eram espíritos de pessoas e não apenas de animais. Foi um resgate bem grande e nossa equipe no astral trabalhou durante quase um mês nos preparativos para que no dia da consulta ocorresse a finalização. E nossa porta de entrada para esta cidade astralina foi um açougueiro.
     Esse açougueiro já havia falecido há mais de um ano e estava obsidiando o consulente, que era seu filho, e assombrando o apartamento onde moram, que fica no mesmo prédio onde ele tinha um açougue. Um filho adolescente do consulente possui mediunidade e o açougueiro, que é avô do garoto, inclusive incorporava nele, que sem saber estar incorporado agia de modo estranho andando pelos corredores do prédio onde mora batendo com os punhos e a cabeça na parede. O açougueiro queria que seus descendentes continuassem com o açougue pois assim ele conseguiria manter sua réplica do açougue na cidade astralina, vampirizando seus familiares.
     Até ai nada demais, mas o que descobrimos sobre o que esse açougueiro fez em vida foi chocante. Esse homem era um tipo bruto e grosseiro e soubemos que em vida ele matou cinco pessoas, três homens e duas mulheres. Um dos homens com um tiro, outro a pauladas e outro esfaqueado. As mulheres foram degoladas, uma porque não quis ter nada com ele e a outra porque estava grávida dele e ele não queria mais "incomodação" com filhos, ainda mais fora do casamento.
     O chocante em tudo isso é que o açougueiro para dar fim nos corpos carneou as vítimas e as vendeu como carne de gado em seu açougue, ou seja, várias pessoas comeram carne humana sem o saber. Este açougueiro era frequentador de cultos de nação africana e numa de suas consultas lhe disseram que a mulher dele, que estava grávida, teria uma menina. O homem era misógeno e a "entidade" sabendo disso pediu que a criança lhe fosse ofertada. Deram a ele um chá abortivo que ele pessoalmente ministrou para a própria esposa e ficou esperando até fazer efeito. Quando ela começou a ter espasmos ele "ajudou" no aborto e tirou a criança de dentro da mulher. A criança já estava toda formada e o açougueiro a esquartejou na frente da própria esposa.
     O homem era um monstro, me lembrou o filme O massacre da serra elétrica, mas se aqui ele ficou impune porque ninguém descobriu seus crimes, no astral ele já foi preso, literalmente, está em uma prisão onde vai ficar por alguns anos até ser enviado para o exílio, pois espíritos com esse nível de maldade quando pegamos não reencarnam mais na Terra.
     Nos informaram que ele vai ser exilado em Nibiru, também conhecido como Hercólubus, e ainda como planeta higienizador, o planeta do fim do mundo, um enorme astro que de tempos em tempos passa "perto" da Terra provocando enormes mudanças, como alteração ou inversão do eixo da Terra, com consequências catastróficas. Dizem que ele tem uma órbita onde numa passada ele faz a Terra girar, onde é equador vira pólo, e em outra ele apenas dá uma mexida no eixo, e que dessa vez vai ser essa mais "amena". A nível astral ele atrai espíritos com corpo astral denso, ou seja, os muito ruins.
    Inclusive nossa equipe nos disse que vai haver sim uma catástrofe bem grande onde o nível do mar vai avançar sobre as áreas costeiras, primeiramente no Atlântico sul, e vai morrer muita gente. Outra coisa interessante que nos passaram é que quando o Nibiru estiver próximo vai acontecer uma espécie de "arrebatamento", onde muitas pessoas vão ter uma morte súbita e imediatamente vão ser sugados pelo planetão. Então, não adianta tentar fugir porque não importa onde você vai estar, se você não tiver atingido um grau mínimo de bondade, você vai para o exílio. E não vai ter jeitinho nesse caso, é uma atração magnética, não tem com quem você falar pra não ir alegando ser uma boa pessoa, ser religioso, caridoso, pedir outra chance, etc.


Gelson Celistre
   
   

   

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Os filhos de Órion

     Muitas pessoas têm a ilusão de que, se ocorrer alguma catástrofe planetária, seja natural ou provocada pelo homem, vão aparecer seres de outros planetas em naves e os levarão para um local seguro. Outros mais iludidos ainda acreditam que são naturais de outro planeta e que vieram para aqui na Terra por algum motivo que nem eles mesmos sabem explicar, mas é comum se sentirem injustiçados com o que lhes acontece, se sentem deslocados como "se não fossem desse planeta", etc.


     Quando uma pessoa dessas tem mediunidade se torna uma presa fácil para seres das trevas pois eles se apresentam para o médium com a aparência que sabem que vai agradar a ele, pois conhecem seus desejos e aspirações. Muitos médiuns acreditam em tudo que sua vidência lhes mostra por ignorarem que a vidência mediúnica é um efeito de karma negativo e não uma faculdade que eles conquistaram por evolução espiritual. O médium vidente vê o que quem está no astral quer que ele veja e para os seres que vivem na dimensão astral não é muito difícil plasmar uma aparência qualquer apenas para impressionar o médium.
     Sites, blogs e canais no Youtube sobre a temática ufológica existem aos milhares e para ser bem sincero não tenho interesse nem tempo de acompanhar esse tipo de coisa, mas recentemente nos deparamos com um desses iludidos que acredita ser um reptiliano ou coisa parecida, e que se autointitula um "desperto", conclamando outras pessoas a seguirem seus delírios se dizendo "filho de Órion".
     Na verdade só tive estômago para ver alguns minutos de um vídeo onde a criatura se põe a falar de apometria e já dá para perceber que é um falastrão falando um monte de besteira e sem nenhum conhecimento do assunto. Mas enfim, a pedido, fomos verificar o que esse filho de Órion faz no astral.
     Logo que nos conectamos com essa pessoa fomos parar numa cidadela no baixo astral com alguns milhares de pessoas desdobradas, seguidoras desse sujeito que também acreditam serem "despertas", que andavam despreocupadamente pela tal cidadela acreditando estar no planeta Órion. Pelo que eu sei Órion é o nome de uma constelação e não de um planeta mas enfim, essas pessoas que acreditam serem despertas andavam por essa cidadela e enxergavam tudo lindo e maravilhoso, prédios claros e futuristas como nos filmes de ficção científica.
     Entretanto, observando essas pessoas mais de perto verificamos que todas utilizavam uma espécie de capacete com um visor semelhante a uns óculos, onde eram projetadas as imagens que eles enxergavam. O local na realidade era um lixo umbralino da pior qualidade com prédios sujos e fétidos mas os "despertos" só enxergavam o que era projetado no visor e acreditavam estar já no seu planeta natal (Órion??!).
     Andamos pela cidadela e bem no centro havia um prédio com um aspecto um pouco melhor e nos dirigimos até ele. Nesse prédio ao entrar a médium se deparou com seres extraterrestres, uns tipos alienígenas muito semelhantes ao da imagem que coloquei aqui no post: esguios, altos, cabeça e olhos grandes e com três dedos longos. Eram 18 no total e supomos se tratar dos "pais de Órion", já que o resto todo eram os filhos.
     O primogênito estava lá junto com os papais cósmicos mas esse nem precisava de capacete pois estava tão fascinado com os ETs que enxergava o que eles queriam sem nem precisar do capacete com o visor. Na verdade esse primeiro filho de Órion fez um acordo com os tais ETs que lhe prometeram muito poder se ele lhes trouxesse mais pessoas e por esse motivo ele se pôs a falar sandices no Youtube para atrair outros iludidos que como ele se acham despertos.
     Com um simples comando mental desmanchamos a imagem plasmada de ETs e eles se mostraram com sua aparência real, espíritos enrugados, magros e esqueléticos, quase cadavéricos. Havia uma sala nesse prédio central com um grande aparato tecnológico, com várias telas de computador e vários equipamentos que eram utilizados para gerar as imagens que eram enviadas aos capacetes/visores dos despertos que vagavam pela cidadela.
     Nesses casos nem adianta falar para a pessoa aqui no físico pois ela não vai acreditar mesmo, mas no astral a coisa é diferente. Prendemos os 18 pais de Órion e destruímos a tal cidadela. Os milhares de despertos que estavam ali foram enviados de volta a seus corpos. Encontramos presos em uma cela no prédio central também um casal que fez um curso recente conosco e que foi aprisionado ali por tentarem sair da tal cidadela. Esse casal realmente teve um despertar no astral e quis sair da cidadela, mas foram impedidos e presos pelos falsos ETs.
     Essas pessoas geralmente tem muito pouco conhecimento da dimensão astral mas um ponto em comum é se sentirem injustiçadas com suas vidas e quando lhes dizem que é efeito de karma se revoltam e se recusam a crer que sofrem hoje por terem agido mal em vidas passadas. Para pessoas assim é mais cômodo acreditar que eles são seres de outros planetas e que vieram parar aqui "por engano".
     Quem está aqui é porque tem que estar. E nenhum ser de outro planeta vai vir aqui recolher pessoas para salvá-las de alguma catástrofe ou de suas vidas chatas. Tirando os casos mais comuns em que humanos são usados como cobaias em experimentos por seres de outros planetas, se alguma nave recolher humanos aqui ou é para servirem de alimento ou para serem escravos. A única maneira de sair daqui para um planeta melhor ou dimensão superior é se melhorando como ser humano, evoluindo espiritualmente, e não pegando carona com alienígenas.

Gelson Celistre
   
   
   

segunda-feira, 27 de março de 2017

Migucho

      No post A alma dos animais já falei sobre o processo de individualização do ego e em Reencarnação: A trajetória de Thor falei sobre algumas vidas do meu cão Thor.
     Enquanto ministrava um curso de apometria em São Paulo no final de semana passado, recebi uma solicitação inusitada por e-mail: uma mulher queria agendar uma consulta de apometria para seu cachorro que havia morrido atropelado no dia anterior, o Migucho. 
     Muitas pessoas tem curiosidade em saber o que ocorre com os animais domésticos depois de mortos e não é muito diferente do que acontece conosco. Como estava ministrando um curso resolvi verificar a condição do Migucho após sua morte aqui no físico, durante a parte prática do curso.

     Apesar de ter sido atropelado e de ter sofrido antes de morrer, o Migucho chegou bem no astral, sem nenhuma sequela. Descobrimos que ele foi "encaminhado" para um espírito que cuida de vários cães no astral. Este espírito quando vivo aqui no físico em sua última encarnação foi um morador de rua, um sem-teto, e tinha três cães que ele gostava muito, e dividia tudo com eles, até mesmo a comida.
     No astral ele segue do mesmo jeito, um andarilho sem-teto, mas que recolhe os cães no astral e cuida deles. Havia cerca de 40 câes com ele no astral. Ele circula pelo astral e alguns dos cães que morrem acabam se juntando ao bando dele. À medida que eles vão reencarnando simplesmente desaparecem do bando mas outros que morreram acabam se juntando ao grupo. Esse processo de morte/renascimento acontece de forma automática, mas pode haver algum direcionamento de onde o espírito do cão vai nascer se houver uma interferência no processo.

Gelson Celistre


     

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Curso de Apometria em São Paulo



Últimas vagas! 


Curso de Apometria

Data: 25 e 26 de março (sábado e domingo)

Horário: Das 8:00 às 12:00 e das 13:30 às 18:30

Local: Rua Dr. Marcelo Fernando Calábria, Vila Cordeiro
           São Paulo - SP  CEP 04580-060

Valor: R$ 300,00 (pagamento através de depósito bancário - R$ 100,00 para reservar a vaga e o restante até o dia 24/3.

Instrutor: Gelson Celistre


Para se inscrever envie um e-mail para: 

gelsoncelistre@hotmail.com


Conteúdo programático:

1- O que é apometria
     1.1- Hipnometria
     1.2- Dr. José Lacerda de Azevedo

2- Os corpos do espírito
     2.1- Corpo físico
     2.2- Corpo etérico
     2.3- Corpo astral
     2.4- Corpo mental

3- Energias utilizadas na apometria
     3.1- Força mental
     3.2- Força zoo (ectoplasma)
     3.3- Fluído cósmico universal

4- Leis da apometria
     4.1- Desdobramento
     4.2- Acoplamento
     4.3- Ação à distância
     4.4- Formação dos campos de força
     4.5- Revitalização dos médiuns
     4.6- Condução de pacientes para hospitais do astral
     4.7- Ação dos espíritos socorristas
     4.8- Ajustamento da sintonia vibratória
     4.9- Deslocamento de um espírito no espaço e no tempo
     4.10- Dissociação do espaço-tempo
     4.11- Ação telúrica
     4.12- Choque do tempo
     4.13- Influência dos desencarnados (bolsões de espíritos)
     4.14- Limitação barôntica

5- Fenômenos anímicos auto-obsessivos
     5.1- Ressonância vibratória com o passado
     5.2- Recordação tormentosa de encarnação anterior 
     5.3- Correntes mentais parasitas auto induzidas
     5.4- Estigma cármico físico
     5.5- Estigma cármico psíquico
     5.6- Desajustes reencarnatórios 
     5.7- Viciação mental emocional 
     5.8- Animismo descontrolado

6- Ressonância de vidas passadas

7- Desdobramento inconsciente (múltiplas frequências)

8- A Lei do Karma e a Apometria

9- Prática de apometria


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Colônia Espiritual da Terceira Idade

     Na literatura espírita existem vários livros que falam sobre colônias espirituais e de como as coisas funcionam por lá; creio que a mais conhecida, e que até virou filme, é a colônia Nosso Lar. O relato de hoje é sobre um trabalho que fizemos recentemente em uma colônia espiritual destinada a espíritos que morreram na chamada "terceira idade", ou seja, uma colônia exclusiva para idosos.

     O termo "colônia" foi popularizado pelo espiritismo kardecista para designar as cidades espirituais que existem na dimensão astral. Essa colônia era imensa, com milhões de espíritos "idosos", ou seja, pessoas que morreram na terceira idade. Diferente do que alguns acreditam, após a morte chegamos do outro lado do jeito que saímos daqui, ou seja, ninguém vai ficar com aparência de ser mais novo só porque morreu e também não vai se curar das doenças que tinha imediatamente após a morte num passe de mágica.
     Se uma pessoa morre de câncer por exemplo vai chegar do outro lado doente ainda e se não receber um tratamento em algum tipo de hospital vai continuar doente e sofrendo do jeito que sofria aqui no físico. Como a maioria das pessoas depois que morre fica vivendo aqui na Terra em locais com os quais tinha afinidade ou na casa de familiares, é comum nesses casos algum familiar "adquirir" a doença do que morreu, às vezes um neto ou filho do falecido.
     Mas este relato é sobre espíritos que foram para uma colônia no astral, uma espécie de colônia asilo, onde só haviam espíritos de idosos. Se fôssemos contar nosso tempo de existência (reencarnações) praticamente todos os espíritos aqui na Terra poderiam ser considerados idosos mas como o espírito quando morre permanece com a aparência e a personalidade que teve na última existência, neste caso estou me referindo a pessoas que morreram em idade avançada, na chamada terceira idade, acima de 60 anos.
     Imaginem uma cidade enorme, do tamanho de uma grande capital, como São Paulo talvez, com muitos prédios de vários andares no centro e que vão ficando menores na periferia, tal qual uma cidade daqui. Geograficamente esta colônia ficava situada sobre um país da Ásia onde as pessoas possuem uma grande longevidade, onde muitos morrem em idade avançada com saúde ainda. Nesta colônia da terceira idade, onde habitavam milhões de espíritos, havia várias grandes praças onde apareciam espíritos de luz ao redor do qual os idosos se aglomeravam, esperando para serem "chamados" para irem para um lugar melhor. Todos os dias milhares eram escolhidos para deixar aquela colônia.
     Os seres de luz se apresentavam com a roupagem fluídica mais apropriada a quem eles queriam atingir, ou seja, alguns apareciam como anjos com asas, para quem tinha alguma crença na linha do catolicismo ou acreditava em anjos, outros se apresentavam como pastores para os fiéis que eram evangélicos, e para os que seguiam religiões de matriz africana podiam aparecer como pretos-velhos ou orixás, enfim, cada espírito ali iria se aproximar do "ser de luz" que mais se afinizava com suas crenças. O que esses seres de luz tinham em comum era sua luz, pois todos eram resplandecentes e se destacam contra o cinza do povo ao redor. 
     Até aqui parece um relato "normal" que pode ser encontrado em qualquer livro espírita, mas para manter meu perfil de destruidor de sonhos, vou revelar o que de fato ocorria nessa colônia espiritual da terceira idade. Vamos seguir o trajeto feito por um desses velhos que estava ansioso por ser escolhido para ir embora para um lugar melhor. 
     O velho em questão estava junto de outros milhares admirando um anjo luminoso com grandes asas brancas. Não que ele quando vivo fosse algum beato ou mesmo que acreditasse em Deus, mas foi criado num ambiente cristão e no seu inconsciente havia a ideia de anjos e demônios. Como depois de morto descobriu que ainda estava vivo e ainda por cima estava vendo um anjo, pensou que talvez as histórias da Bíblia fossem verdadeiras e ele depositava sua fraca fé nesse ser que reluzia à sua frente.
     Eis que dessa vez esse velho foi escolhido por uma anjo e finalmente iria sair daquele lugar que em tudo se parecia com a cidade onde ele vivia antes de morrer. O anjo apontou para ele e lhe fez um sinal para que aguardasse à sua direita, juntamente com milhares de outros velhos. Os escolhidos foram encaminhados para a periferia da colônia e o anjo subiu aos céus, enquanto os não escolhidos, cabisbaixos, voltavam para suas casas e apartamentos, ansiosos para que na próxima vez fossem escolhidos também.
     Os escolhidos foram conduzidos a um dos grandes galpões existentes na periferia da colônia, semelhantes a prédios industriais, onde era feito o "processamento dos velhos". Todos esses espíritos de idosos nessa cidade, que se contavam aos milhões, eram considerados um lixo humano e eram tratados como tal. Nesses galpões, que eram na verdade abatedouros, seus corpos espirituais eram transformados em energia para fazer brilhar os "seres de luz" que controlavam a cidade.
     Mas como assim eram abatidos? O espírito não é imortal? Então, o espírito é imortal mas seus invólucros, seus corpos, não são. Embora o corpo astral tenha uma longevidade absurdamente grande se comparada ao corpo físico, ele também é perecível. E o que ocorre quando um espírito pouco evoluído como o daqueles velhos perde seu corpo astral é algo conhecido no meio espírita como "ovoidização". 
     Se um espírito que ainda não tem desenvolvido o corpo mental superior (a esmagadora maioria dos terráqueos) perde seu corpo astral o que sobra é a mente (mental inferior) envolta por uma membrana, semelhante a um ovo ou uma larva. Os ovóides não conseguem se locomover sozinhos e por isso são muito usados em magia negra e obsessões pois são "grudados" nas pessoas alvo e devido à natureza (inferior) de sua mente e energia, é como se fossem baterias negativas de alta intensidade. Se um ovóide é grudado numa pessoa encarnada ela passa a ser bombardeada 24 horas por dia pelas ideias e energia negativas do ovóide, o que pode gerar síndromes de vários tipos, loucura, e doenças como câncer.
     Então o que acontecia nessa colônia espiritual da terceira idade era uma reciclagem de corpos astrais de espíritos velhos, que eram usados para gerar energia, como se fossem lixo, e suas mentes ovoidizadas eram negociadas com outros espíritos das trevas para os mais diversos fins. E isso tudo era feito de modo industrializado em larga escala, pois eram abatidos milhares a cada dia. 
     Os espíritos ao serem levados para essa colônia já eram selecionados pelo tipo de morte que tiveram, se foi de alguma doença específica, se tinham parentes que se preocupavam com eles (rezavam ou oravam), pois nesses casos seus ovóides poderiam ser grudados em algum dos familiares, se eram saudáveis, enfim, eram selecionados para serem escolhidos em grupos pelos seres de luz que comandavam a colônia a fim de facilitar a extração e qualificação das energias retiradas dos corpos, pois assim tinham colheitas de energias específicas de cancerígenos, de alcóolatras, de cardíacos, etc.
     Nossa equipe já estava monitorando essa colônia e estavam organizando o resgate já há algum tempo. Na prática esse tipo de trabalho envolve uma grande logística, pois é preciso providenciar transporte, acomodações, segurança, etc., e lembremos que eram milhões de pessoas que precisavam ser regatadas e o contigente de trabalhadores da equipe espiritual envolvida tinha que ser na casa dos milhares.
     Os espíritos dos idosos é mais fácil de ser trabalhado mas os ovóides vaão exigir muito esforça para sua realocação (reencarnação) pois espíritos nessa condição dificilmente nascem saudáveis, costumam ser natimortos ou nascer com grandes deficiências e por questões kármicas muitos terão que renascer em breve. Outros tantos não tem mais condições de nascer num corpo humano e seu destino ainda é incerto, mas será feito o que for possível para que cada um deles volte a seguir sua jornada evolutiva. 
     Os seres de luz, que na verdade eram demônios das trevas, foram todos presos e serão exilados para outros planetas em situação evolutiva bastante primitiva, o que vai limitar sua capacidade de ação por um bom tempo.
      A morte é apenas uma etapa de nossa vida e nossa situação como morto pode ser muito pior do que quando estávamos vivos, pois a grande maioria não vai para nenhuma colônia (de férias) no astral, ou fica vagando por aqui mesmo e por regiões do umbral ou é pego por algum grupo das trevas para sofrer coisas horríveis.
     

Gelson Celistre