quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

As bruxas

     Uma das médiuns do grupo não pode comparecer à reunião por estar adoentada e antes de terminar a reunião lhe enviamos energia, a fim de colaborar no seu restabelecimento. Neste momento os médiuns captaram uma frequência ligada a ela, onde um grupo de mulheres corriam nuas por uma floresta. Aquilo era um 'ritual de passagem', pois tendo superado e vencido as provas que lhes foram impostas subiam um degrau na escala de sua ocupação, a bruxaria. Elas se despiam das roupas que vestiam e corriam pela floresta, sendo que no final do caminho havia roupas novas para elas: uma capa negra e um chapéu pontudo, tbm preto. Era isso que elas viam e era isso que acreditavam estar ocorrendo.


     Desmanchamos essa imagem e os médiuns as viram então dentro de uma caverna, andando em círculos ao redor de uma esfera translúcida, para a qual convergiam raios que saiam da mulheres e eram absorvidos por este estranho objeto. Elas viam aquilo como uma fogueira e imaginavam que fazia parte do seu ritual de passagem. Quebrei a esfera e elas caíram no chão, aturdidas. No ambiente deste caverna havia algumas 'religiosas', pois estas moças foram aliciadas em um colégio interno e a 'madre superiora' era  ligada a magia negra. Tbm havia um ser que se portava como o líder deles todos, usando uma capa longa com capuz negro. Este ser era quem manipulava as mentes das bruxas.
     Percebemos que por baixo do manto negro que ele usava não havia um corpo, e descobrimos que este ser era na verdade uma espécie de artificial, um manto cobrindo uma 'projeção mental' de outros seres. Um dos médiuns percebeu a imagem da chama de uma vela e usando isso como 'link', conseguimos cehgar a um grupo de cinco seres ao redor de uma mesa, em cujo centro havia uma vela acesa, mentalizando aquele artificial. 'Puxamos' eles para nossa base e eles imediatamente se postaram cada um atrás de um de nós (estávamos em cinco no grupo) numa tentativa de nos deter. Foram paralisados e dialogamos com o líder deles, que estava meio perpelxo pq afirmou que trabalhava com magia 'há vários séculos' e nunca tinha sido descoberto.
     Tentou 'fazer um acordo' para que trabalhássemos juntos. Cada um desses cinco seres atuava em uma determinada região do nosso planeta, usando uma técnica na qual se especializaram e que consistia em provocar ressonâncias de vidas passadas com pessoas encarnadas que pudessem ser ligadas a desencarnados que eles aprisionavam, e assim os manter todos, encarnados e desencarnados, em sintonia com uma vida passada, na qual eles criaram uma forma-pensamento que as matinha iludidos enquanto eles lhes sugavam a energia. O líder estava na região da Ásia, onde havia sido um aiatolá no atual Irã em uma vida passada, um outro atuva na África, outro aqui no Brasil, etc. Nesses locais onde tinham cada um sua base de operações, quando não estavam trabalhando juntos, libertamos uma quantidade muito grande de seres que eram mantidos aprisionados, fora aqueles grupos que eram mantidos em ressonância por conta da força mental desses seres.
     Durante o atendimento, um dos médiuns encontrou a médium adoentada desdobrada e até conversaram, entretanto, ela que tem uma boa vidência e já algum tempo de trabalho, nada percebeu no momento. Estes seres se aperfeiçoaram nessa técnica e conseguiam 'transitar' pelo astral em várias frequências, bastava terem tido uma vida naquela faixa, e depois encontravam outros espíritos desencarandos que viveram naquela mesma época, os subjugavam com seu poder mental, os ligavam a alguns encarnados que eram sintonizados com essa vida passada em comum com os desencarnados, e através dessa sintonia, vampirizavam estes seres.


Gelson Celistr

Laboratórios abismais

Duas das médiuns captaram uma frequência onde deveria ocorrer um resgate, uma delas principiou vendo o capim alto de um vasto campo sacudindo-se ao vento, e logo outra vislumbrou nesse campo uma choupana. Dentro dela, dançando sobre uma mesa, havia uma mulher com um traje vermelho meio transparente. Incorporada, ela alegou que precisava se apresentar assim para conseguir energia (era de uma classe de espíritos que comumente se encontram em terreiros e similares, chamados de 'giras'), mas sua história era algo dramática e ela se encontrava ligada a um passado de dor e sofrimento.


Fora casada com um homem bruto e ignorante, muito ciumento, que acreditava que ela o traía. Ela e o marido moravam em um local um pouco afastado, onde mantinham um armazém. O auge do ciúme do marido ocorreu quando sua esposa atendeu no armazém um jovem com o qual seu marido imaginou que ela estivesse tendo um caso. Tomado de uma cólera irascível, ele a matou friamente. Sua mente perturbada acreditava que o casal de filhos deles, crianças ainda, não seriam de sua paternidade e resolveu matá-los tbm. Matou o menino mas antes de conseguir matar a menina uma senhora que cuidava das crianças para eles fugiu com ela. Este espírito perturbado do marido morreu naquele local, em sua casa, esperando que a filha voltasse para ele a matar.
Tentamos dialogar com este ser incorporado em uma das médiuns mas era uma criatura demasiado embrutecida e em sua mente o único pensamento que ele tinha era de que a esposa era uma 'cobra' e que quando se mata a cobra tem que se matar os filhotes todos no ninho. Foi adormecido e encaminhado para tratamento. Estes fatos ocorreram por volta do ano 1413.
Enquanto visualizava esta situação, uma das médiuns viu na tal choupana dois seres pequenos, meio homens meio animais, à semelhança de centauros, só que com chifres na cabeça. Eles apareceram na casa e depois correram para o campo e sumiram numa floresta.
Enauqnto isso outra das médiuns sentia suas pernas pesadas e percebemos que haviam colocado nelas umas correntes. A finalidade era impedi-la de chegar ao local onde estava programado um resgate coletivo de vários seres, em um laboratório na região abismal onde se faziam experiências de transplantes de órgãos envolvendo seres humanos e animais. Os seres que a outra médium havia visto tinham 'invadido' a frequência do outro atendimento para tentar nos avisar sobre os laboratórios.
Libertamos a médium de suas amarras e ela foi conduzida à um local no fundo de enorme desfiladeiro escuro, e encontrou um laboratório numa caverna, com equipamentos como se fosse da época medieval, de alquimistas. Foram libertados seres meio humanos meio animais que eram cobaias dessas experiências macabras e alguns eram verdadeiras aberrações, como seres com um olho apenas no meio da testa, outros com olhos atras da cabeça, um outro com uma mão saindo da testa, etc.
Intuímos que havia mais coisa e pedimos que ela vasculhasse o local e então ela percebeu nas proximidades, mais adentro daquele desfiladeiro escuro, um outro laboratório, este com equipamentos tecnologicamente mais atualizados em relação a que temos aqui na dimensão física. Resgatamos mais uma grande quantidade de seres que foram vítimas dessas experiências. Os cientistas que operavam ali conseguiram se evadir quando perceberam a aproximação da médium e no local deixaram apenas um ser, um trabalhador menos importante de sua organização, que teve a mente apagada por eles mesmos para que não pudéssemos retirar dele alguma informação.


Gelson Celistre

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Controle remoto

Surgiu no ambiente um ser com muita raiva. Atacou todos os membros do grupo, quebrou o braço de um, o pescoço de outro, etc. (no astral). Incorporado numa das médiuns, conversamos. Perguntei o motivo de tanto ódio e ele veio com a conversa de sempre, que eu fico 'me metendo' nos trabalhos deles, que retiro as pessoas lá de baixo, etc. Era um ser muito agitado e enquanto conversávamos ele fazia algumas caretas como se estivesse sentindo muita dor. Perguntei o que ele sentia e que queria lhe ajudar mas ele recusou terminantemente mais de um aoferta de ajuda. Mesmo assim, percebendo que o ser sofria ajudamos assim mesmo. Ele ficou com mais raiva ainda e ameaçou 'pular' sobre algum de nós se o tocassem e certamente se estivesse num médium com menos controle de si o faria.
Enquanto o tratávamos, os médiuns perceberam que ele tinha algo no peito, no local onde deveria estar o coração. Havia um buraco e dentro um objeto com vários fios que se ligavam ao corpo dele. Este artefato era controlado à distância e emitia choques elétricos neste ser, sempre que seus 'controladores' percebiam que ela poderia fraquejar em sua vontade e amenizar seu ódio. Este ser era uma espécie de robô funcionando com controle remoto.
Retiramos e destruímos o artefato, tbm fomos ao local de onde era emitido o sinal de comando e resgatamos outros seres que lá se encontravam. O ser então disse que não conseguia enteder e lhe perguntei o que. Ele disse que não entendia como alguém podia querer ajudar quem queria apenas lhe fazer mal.
Apesar de meio confuso, em sinal de 'agradecimento' ela disse que era para eu me cuidar pq estava sendo 'muito' vigiado pelo pessoal de onde ele vinha.
Este ser deve ter alguma relação conosco de vida passada que ele mesmo desconhece e foi utilizado pelas entidades trevosas para uma espécie de 'ataque suicida', pois sabiam que ele seria resgatado, entretanto, com estas manobras nossos 'amigos' trevosos sempre tentam colocar algum tipo de artefato em nós ou no ambiente da reunião, a fim de nos monitorar e/ou espionar, mas nossa equipe espiritual tbm tem suas táticas de contra-inteligência.
Abraço.

Gelson Celistre

Eu, morto?? Tá brincando né!!!

Mal havia terminado o diálogo com um ser que estava incorporado numa das médiuns e outra já incorporou um outro ser que me perguntou muito admirado:


- Como é que tu consegue falar com os mortos? Cara, isso é muito legal! Será que vou conseguir fazer isso um dia?
- Claro, tu tbm tá morto, disse eu.
- Pera aí, eu tô vivo! Tu não entendeu, to falando dos mortos, como é que pode falar com eles?
- Onde é que tu estava antes de vir aqui?
- Eu tava em casa.
- Onde tu morava?
- Morava não! Eu moro aqui perto. E sempre vejo um monte de gente vindo pra cá e hoje resolvi ver o que era.
- Certo, e o que tu fazia quando era vivo?
- Que quando era vivo? Eu sou vivo. Eu era pintor.
- Que legal. Tinhas uns pintores trabalhando aqui há pouco tempo.
- Eu vi. O rapaz era trabalhador, mas de vez em quando dava umas escorregadas e tu tinha que chamar a atenção.
- Bom, quantos anos tu tinha?
- Que 'tinha', eu tenho 47 anos.
- Não tinha mulher, filhos?
- Eu 'sou' solteiro', moro só com a minha mãe.
- Pois é. Mas tu morreu de que?
- Bah, mas será que tu não entendeu mesmo? Eu tô vivo!
- Certo. vou colocar um espelho na tua frente pra ti ver que ta falando pelo corpo de uma outra pessoa. E então? Tá vendo?
- Isso é bruxaria, bem que me disseram que esse negócio de espiritismo era coisa do diabo!
- Nâo, tu tá vendo é o corpo da médium pela qual ta falando comigo.
- Não acredito!
- Ok. É o seguinte: vou te fazer lembrar do momento da tua morte.
- Mas que morte??? Não tá vendo que eu to vivo e conversando contigo aqui?
- Lembra! Como foi que tu morreu. O que aconteceu?
- Eu tava lendo o jornal na mesa e desmaiei , só isso.
- E quem foi que te encontrou?
- Minha mãe.
- E como ela reagiu?
- Começou a gritar e chorar.
- E depois?
- Depois umas pessoas lavaram meu corpo, botaram uma roupa e...
- E o que?
- Me botaram num caixão...
- E depois? Vamos acompanhar o corpo.
- Me levaram pro cemitério e ficou tudo escuro. Depois tava lá em casa de novo.
- Que ano era quando tu morreu?
- Eu não morri!!!
- Tá certo. Lembra uma data aí. Quando tava lendo o jornal, que ano era?
- 1960.
- Então, eu nasci em 1967, tu já tava morto há tempos quando eu nasci. E estamos em 2010.  Já faz 50 anos que tu morreu.
- Agora eu to confuso, tu disse que estamos em 2010, então quer dizer que eu tenho mais de noventa anos?
- Se tivesse vivo teria.
- Mas eu não morri!
- Teu espírito não mas o teu corpo sim. Tu não tinha nenhuma religião?
- Eu era católico.
- Olha só. Tua mãe já deve ter morrido tbm. Vamos localizar a velha (disse a uma outra médium).
- Velha. Olha como ele fala da minha mãe...
- Queria que eu chamasse como? De garotinha? Ela já era velha quando tu morreu. Olha ai do teu lado, a médium disse que ela já chegou e vai te levar com ela.
- Não!!
- Pq?
- Ela é um espirito. Veio flutuando!!!
- Mas é tua mãe cara! Qual o problema?
- Ela é um espirito, espírito é fantasma!! Tô com medo!
- Medo de que? Tu tbm é fantasma criatura. Faz o seguinte, enfia a mão no braço do sofá pra ver como tu tbm é fantasma.
- Eu não! Enfia tu a tua mão.
- Vou te fazer atravessar a parede atras de ti e voltar. Ta vendo, tu tbm é um espirito.
- Eu não quero mais ficar aqui!
- Tá bom. Vai com a tua mãe então.
- Não!!! Ela é um fantasma. Manda ela ir na frente então.
- Ta certo.
- Eu vou com aquela senhora ali que ta me chamando.
- Ótimo. Mas vou te dizer uma coisa... ela tbm é um 'espírito'.
- Mas pelo menos tá com os dois pés no chão...

E assim foi o diálogo com nosso amigo que, assim como a grande maioria da humanidade não percebe que morreu. Podemos considerar esse ser como sendo meio 'neutro', nem bom nem mau. Se fosse uma pessoa má quando vivo acabaria indo parar no umbral ou coisa pior, se fosse uma pessoa 'boa' teria algum mérito para ser resgatado. Acabou ficando por aqui, estacionado no tempo, por 50 anos.


Gelson Celistre

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

O roqueiro

No final da reunião pedi aos médiuns para darem uma última checada no ambiente para ver se não tinha mais alguma coisa. Nesse instante me veio uma música na cabeça, um rock dos anos 80, e tbm a intuição de que havia algum espírito ligado ao rock no ambiente.
Logo em seguida uma das médiuns viu um cara de calça jeans e camiseta sentado ao lado de uma outra médium e pedi pra que esta que estava próxima 'puxasse' o ser para si. Começamos a conversar e perguntei a ele se 'curtia' rock, ao que ele fez sinal com a cabeça que sim. Citei algumas bandas (Iron Maiden, Metallica) mas ele disse que o som dele era mais 'pesado'.
Disse-nos que tinha uma banda de 'heavy ou black metal' ou algo nessa linha, mas do tipo bem 'satânico' segundo perceberam os médiuns. Ele nos disse que estava na frente de uma casa de shows onde se apresentaram e foi assassinado, a mando do pai da namorada dele, que não concordava com o namoro.
Não estava muito a fim de ser resgatado, era meio apático, queria saber se poderia 'tocar' lá e eu disse que sim, que iam arrumar um local pra ele onde tinha grupos que gostavam do mesmo tipo de música que ele e assim ele foi numa boa.
Abraço.

Gelson Celistre.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Ressonâncias

O consulsente apresenta um quadro bastante diversificado com ataques de pânico, idéias suicidas, desempregado, separado e com um filho pequeno, etc.
Logo de início uma das médiuns sentiu uma dor no pescoço e sentiu que tinha uma 'flecha' cravada em seu pescoço (o consulente relatou então que sentia uma dor forte na nuca há tempos). Tbm foi visto perto desssa médium uma mulher indía (norte-americana). Íamos incorporá-la em outra médium mas ela não estava se sentindo à vontade pq esta era 'branca', ao passo que a outra que sentiu a flecha era morena. Permitimos então que ela 'chegasse' na médium morena e conversamos com ela.
Esta mulher afirmava que o consulente havia lhe roubado o filho para escravizá-lo e que ele nunca teria paz, que viveria sempre com medo. Enquanto conversava com este espírito pedi a outra médium que checasse com a equipe espiritual se o espírito que anima o corpo do filho atual do consulente seria o mesmo foi filho dela e que ele sequestrou para escravizar, o que nos confirmaram positivamente.
Pedi que ele olhasse  bem para o filho atual do consulente para ver se não reconheceria nele o seu próprio filho e lhe disse que Deus permitiu que nesta vida ela pudesse ser pai daquele mesmo ser que ele escravizou no passado, para amá-lo e educá-lo. Ela não suportou ver que seu filho era agora filho dele tbm e teve uma forte crise de choro, sendo em seguida levada pela equipe espiritual para tratamento.
Havia tbm junto ao consulente um espirito feminino, vestido de noiva, e que o queria morto e junto dela, em função de que em uma vida passada ele a abandonou no altar. Lhe mostramos que numa vida anterior àquela ela o havia assassinado a facadas. Mesmo assim este ser esatava muito perturbado e foi levado pelos nossos auxiliares espirituais.
Informamos o consulente que ele tem uma grande probabilidade de ter mediunidade e que é necessário dar a devida atenção a este fato. O que ele estava sentindo era o que os seres que o acompanhavam lhe desejavam.
Abraço.

Gelson Celistre

sábado, 13 de fevereiro de 2010

O exorcista

     O consulente relatou que tem sonhos constantes onde é um padre e que está realizando 'exorcismos'. Abrimos esta frequêncai dele e logo ele se manifestou em desdobramento inconsciente com aquela personalidade de padre. Foi visto inclusive pelos médiuns ele 'exorcisando' uma criança (indígenas). Em vida passada fora realmente um padre jesuita e trabalhou no 'Novo Mundo', onde, na época da Inquisição, efetuou muitos exorcismos.


     Afirmou-nos que era 'bom nisso' e que era muito solicitado em vários locais. Na cena vista ele torturava a criança, fazia cortes profundos no peito dela para extirpar o demônio. Ele afirmava que era preciso ferir profundamente o corpo para libertar o espírito e que depois que o 'diabo' saísse o corpo se recuperaria. Na verdade a grande maioria morria em função do tal exorcismo e foram resgatadas várias vítimas desse padre.
     Ele acreditava realmente no que fazia e perguntei-lhe quem é que lhe solicitava os serviços de 'exorcista', ao que ele respondeu que era o 'concílio'. Interroguei-o e descobrimos que o tal concílio era formado por sete seres (trevosos), os quais 'puxamos' através da frequência do padre e prendemos, deixando a cargo da equipe espiritual o que fazer com eles.
     Este seres provocavam o desdobramento do consulente e a sintonia do mesmo com aquela existência pretérita, com a finalidade de o manter 'trabalhando' para eles. Assim como o consulente, várias outras pessoas encarnadas eram manipuladas por este grupo.
     O consulente desdobrado, quando eu disse que iria trazer os membros do ta concílio até nós retrucou que eles eram muito ocupados e que não viriam, mas logo que os trouxe ele disse que não poderíamos chegar perto deles pois haviam alguns cães ferozes os protegendo. No mesmo instante disse a ele que faria os cães desaparecerem e assim o fiz.
     Ele tendo visto isso disse que só podia ser bruxaria e que devia estar ali para me exorcizar pq eu deveria estar com o demônio. Estávamos achando divertidas essas colocações do padre mas como queria enviá-lo de volta ao corpo e ele não ficava quieto, disse a ele que deveria me exorcizar mesmo e lhe disse para que mandasse o demônio sair do meu corpo, que ele o veria sair.
     Plasmei uma imagem do demônio saindo do meu corpo e parando na frente do padre, aquela imagem 'clássica' com patas de bode e chifre. Segundo o médium que recebeu este padre, ele pensava que veria algo como uma fumaça negra saindo de mim, mas quando ele viu a imagem que plasmei, do próprio capeta, ele desmaiou. Depois disto foi levado por nossa equipe espiritual, que providenciou seu atendimento.

Abraço.

Gelson Celistre

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O pai-de-santo

     Atendemos um senhor que afirmou ser 'de religião' há 30 anos. Segundo ele 'somente' há 4 anos é que 'cruzou' a umbanda (branca) que seguia com o culto de 'nação'. De início já dissemos a ele que a 'origem' de seus males era a 'matança' e que entidades 'de luz' não precisam de sangue.
Este senhor tem inúmeos problemas de saúde e já procurou tudo que podia para melhorar, desde a medicina convencional a médiuns de cura, trabalhos de magia, etc.


     Inicialmente foi visto larvas astrais dentro do estômago dele, que foram retiradas, e logo em seguida se apresentou o espírito de uma escrava negra que lhe obedecia cegamente. Este ser estava com nosso consulente há muito tempo, a seu serviço no astral, mas em consequência passava para ele o que sentia, pois tinha uma das pernas 'em carne viva' e sentia muita dor. Curamos a perna deste ser e ele foi orientado por nossa equipe espiritual. Conversamos um pouco com ela, que queria ajudá-lo, mas que não tinha condições mentais para tanto. Porém, mostrou aos médiuns os seres que trabalhavam com o esse pai-de-santo e através dela conseguimos resgatar mais quatro escravos negros de lá, além dela. Pedimos que ela acompanhasse as médiuns até a residência dela para limparmos por lá mas ela não conseguiu entrar.
     Fomos assim mesmo e os médiuns viram as paredes cobertas de sangue, que limpamos, e vários seres, etnre eles, uma mulher com um longo vestido vermelho, a 'dama de veremelho' que inicialmente tentou se fazer passar por homem para ocultar sua identidade e ligação com o consulente.
     Ambos foram amantes em vida passada, morreram assassinados juntos e 'combinaram' de um trabalhar com o outro que estivesse encarnado. Enquanto o consulente ainda 'seguia' a umbanda branca esta mulher não estava conseguindo muito acesso a ele, resolveu então 'ajudar' as coisas a acontecerem e 'facilitou' o acesso de outros espíritos ao consulente, a fim de 'externar' sequelas de seu perispírito, provocando a eclosão de diversas doenças. Com isso a tal entidade consegiu incutir na mente do consulente que ele precisava de uma magia 'mais forte' e que 'só' com a umbanda (branca) não conseguiria resolver os seus problemas.
     Depois que ele começou com os 'cortes' foi fácil o processo de dominação, inclusive foi nos mostrado que o consulente se desdobra e se encontra com sua ex-amante constantemente.
Nesse tipo de caso não costuamos interferir pois é a própria vontade do consulente que mantem estes seres junto dele. Apesar disso, lhe explicamos que ele esta 'trabalhando' com entidades trevosas de baixa vibração e que seu destino após a morte seria a escravidão junto a esses próprios seres, a não ser que ele seja 'mais' trevoso do que eles. Tbm foi lhe informado, por nossa equipe espiritual, que há entidades 'do bem' prontas para trabalhar com ele, mas que depende dele quer mudar o 'tipo' de trabalho que faz. Avisaram a ele que será muito dificil pq a ligação dele com a tal dama de vermelho é muito forte.
     Tbm lhe avisaram que a saúde dele não vai melhorar e que, mesmo que ele para de lidar com 'sangue', vai apenas amenizar suas mazelas, mas que isso lhe aliviaria  muito a situção pós-morte e sua próxima vida principalmente. Com o consulente tbm havia um espírito na forma de um 'centauro', só que com chifres, de tamanho reduzindo. O que as médiuns sentiram é que ele não vai modificar seu 'tipo' de trabalho e consequentemente, além de não se 'curar' de nada ainda vai agravar o seu karma.


Gelson Celistre

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Dissociação inconsciente de personalidade

O menino foi trancado em um quarto pela mãe e era  mantido em cativeiro, vindo a falecer; ele no entanto não percebeu e ficou muito tempo preso ao quarto achando que estava vivo. Ele dizia que a mãe eventualmente batia na porta e proferia xingamentos dirigidos a ele.
O motivo seria a morte do pai, que a mãe o acusava de ser o causador. Na verdade o pai do menino estava doente e a mãe saiu e deixou o garoto cuidando dele. O homem veio a falecer, por conta da doença, mas parece que a mãe o ficou culpando, a ponto de trancafiá-lo até a morte.
Conversamos com o menino, que era uma dissociação inconsciente de personalidade do consulente que estávamos atendendo e perguntei aos médiuns pelos pais dele, ao que me informaram que estvam ambos ali, o pai ainda desencarnado, demonstrando amorosidade pelo menino, mas as mãe, atualmente encarnada, ainda manifestando um sentimento negativo pelo seu 'filho'.
É provável que esta 'mãe' seja alguém das relações do consulente na vida atual e que estes sentimentos de vidas passadas estivessem prejudicando ainda a relação dos dois.
Estas situações são relativamente comuns mas esses desdobramentos por conta de ligações do passado, quando ocorrem, só persistem se houver uma carga emocional muito forte agregada ao evento em questão. No caso do garoto houve pq ainda estava plasmado no astral o quarto onde ele fiocu preso, provavelmente potencializado (talvez já tivesse até 'sumido') pelas emoções associadas a relação entre os dois seres, o filho e mãe, nesta vida.
Neste tipo de caso o que se pode fazer é amenizar as consequências, doutrinando a consciêncai dissociada do espírito que agia ainda como o menino para lhe retirar a culpa, pois a mãe o fez sentir culpado pela morte do pai, e fazer com que ela, a mãe, que tbm está encarnada, esqueça-se daquela vida, apagando sua 'memória inconsciente ativa', qaue foi o que fizemos.
Abraço.

Gelson Celistre.

O mago druida (virtual???)

Numa das reuniões um dos médiuns não conseguiu comparecer por conta de seu trabalho (em turnos), este ficou se sentindo meio 'culpado' por não poder participarr. Quando ele foi dormir depois desse episódio, um ser que se apresentou como sendo eu (sou o dirigente do grupo) disse que o tinha trazido até ali para ele trabalhar, já que ele não tinha ido na reunião, e que por isso 'teria' que trabalhar ali naquele momento. O médium estranhou o tom de imposição e se recusou, acordando logo em seguida.

Em nossa última reunião ele me contou isso e então pedi a ele pra relembrar o sonho, para efetuarmos uma 'puxada', trazendo até nós quem 'montou' a cena.
Assim o fizemos e lá estávamos nós numa espécie de gruta, ao redor de uma mesa redonda, inclusive 'comigo' dirigindo os trabalhos. A princípio imaginamos que se tratasse de alguns seres disfarçados, é o mais comum, já que a plasticidade do perispírito permite uma relativa facilidade de expressão para quem sabe como.
Entretanto, ao 'conversar' com o que se fazia passar por mim descobrimos que se tratava de 'artificiais' e não de espíritos humanos. Ao tentar localizar o ser que os criou, o médium consequia ver apenas uma bolha enorme, com duas mãos a segurando, onde estava a cena plasmada. Numa primeira tentativa de 'puxar' o ser, apareceu uma pequena bolha, uma esfera translucida. Pedi que o grupo se concentrasse nas mãos que seguramva a bolha e a puxassem e então trouxemos o 'ser', que segundo nos informou um preto-velho que eventualmente aparece para trabalhar 'comigo', era muito poderoso.
Ele não se apresentou em corpo astral, apenas com aquela esfera, que imaginamos se tratar de seu corpo mental. Ao tentarmos visualizar um corpo com aparência humanóide, o médium viu vários rostos, que seriam de vidas passadas daquele ser.
Ele fixou a imagem que queria nos mostrar dizendo estar relacionada ao médium em questão, e era a de um 'mago druida', com tatuagens 'tribais' pelos braços e corpo. Ao ser interrogado ele afirmou que em um passado distante o médium, então um 'explorador', saqueou e destruiu um templo onde esse ser era um sacerdote, um 'mago druida'. O tal ser chegou inclusive a dizer que esse templo se localizava nas 'montanhas de Edron'. Após ele esbravejar um pouco foi levado por dois guardiões.
Nem eu nem o médium tinhamos ouvido falar nesse nome antes (Edron), mas pesquisando na internet descobri que Edron é uma cidade fictícia (fica numa ilha com o mesmo nome) de um jogo virtual (RPG)chamado Tíbia. Certamente o ser estava tentando nos ridicularizar, mas enfim, foi descoberto e cerceado pela espiritualidade que nos dá suporte.
Mas fica uma questão curiosa, será que este ser, com evidentes conhecimentos de magia, estaria se utilizando do ambiente virtual do tal jogo, se conectando aos participantes, e lhes vampirizando? Enquanto escrevo este relato, o contador do site do jogo mostra 32.912 jogadores online. É muita energia...


Gelson Celistre

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Pacto de renascimento

     Uma das  médiuns estava vendo o espírito de uma criança junto dela há alguns dias, e este espírito lhe dizia que queria ser seu filho, dizia que já tinha feito tudo que era preciso e perguntava pq ela não o deixava nascer.

     Trouxemos o tal ser ao grupo e em primeiro lugar o fizemos se mostrar com sua verdadeira aparência. Claro que não era uma 'criança', mas uma antiga companheira de jornada da médium de outras vidas, onde já trabalharam com magia negra e feitiços em geral.
     Este espírito 'vivia' perambulando por aí, dando 'assistência' a uns e outros, ciganas, ´'médiuns videntes que se oferecem em jornais', cartomantes, etc., e foi quando a médium passsou em frente ao consultório de uma dessas, uma cartomante, que a antiga companheira a encontrou e resolveu 'cobrar' um antigo 'pacto de renascimento', que fizeram em algum local sombrio do umbral, quando sofreram juntas os desvarios de suas atitudes quando encarnadas.
     Haviam pactuado que aquela que conseguisse reencarnar daria a oportunidade a outra, através da maternidade. Esse tipo de 'pacto' é muito comum e já nos deparamos com vários casos onde os espíritos, quando desencarnados, fazem acordos como esse, é comum tbm combinarem de um encarnado 'trabalhar' com o outro que estiver desencarnado.
     Conversamos com o tal espírito e lhe aconselhamos a conversar com nossa equipe espiritual, a fim de que eles o auxiliassem nesse processo, pois essas reencarnações por 'conta própria' muitas vezes estão sendo 'orquestradas' por mentes trevosas, embora os envolvidos imaginem que são eles mesmos que estão 'fazendo' tudo. Ele aceitou sem problemas, estava desesperado para reencarnar, só perguntava se caso ele fosse conversar com 'eles' se o deixariam renascer.


Gelson Celistre

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O gangster

     Ao sintonizar com o consulente, uma das médiuns captou a imagem de um homem amarrado numa cadeira, ele tinha a mão direita cortada acima do pulso. Era um gangster que fora acusado pela namorada do 'chefão' de querer lhe seduzir. Segundo ele fora ela quem o desejava e ante sua recusa, por medo do tal chefe, esta se sentiu ofendida e teria dito que ele é quem lhe tentara. Ele era o contador e daí pra associarem tbm que queria lhe roubar o dinheiro, já que queria 'roubar' a mulher, foi fácil para o 'poderoso chefão'.


     Depois de ser mutilado e de ser espancado até a morte, foi acorrentado e jogado no mar. O local era a cidade de Boston nos anos 30. Havia um grande número de vítimas desses gangsters que foram jogados daquele local, provavelmente algum armazém da zona portuária.
     Havia tbm o tal 'chefão' desencarnado e vários de seus asseclas, mas estes nem sabiam que estavam mortos e se surpreenderam ao ver os 'defuntos' que eles haviam matado ali junto deles. Nós os esclarecemos e todos foram resgatados. Com o tal chefão conversamos um pouco e ele foi levado por dois seguranças.
     Este ser, o chefão, havia encontrado o consulente quando este esteve em uma pizzaria que tem um tema decorativo náutico, possivelmente em alguma praia do litoral gaúcho, e conseguiu fazer sua 'ligação' com ele e o bolsão de espiritos ligados a ele por conta de uma mulher, que é a reencarnação daquela que condenou o consulente a morte com suas mentiras, e que é alguém que convive com o consulente nesta vida. Esta se manifestou desdobrada e chegou a incorporar em uma das médiuns, mas nada falou por temer se expor. Ela teve sua ´'memória inconsciente ativa' apagada e foi envidada de volta ao seu corpo.

Gelson Celistre

O médico e o monstro

O consulente alegava o que comumente costumamos ouvir, nada da certo na vida, profissiona, pessoal, etc. Junto com ele havia um ser 'trevoso', inclusive com chifres na cabeça, que lhe enfiava um pedaço de ferro em brasa com um gancho na ponta pelas costelas do consulente, saindo acima do coração (depois de relatado o consulente revelou que sentia uma dor nessa região). Ao conversarmos com este ser ele se disse um 'justiceiro', alegou que trabalhava para que se cumprisse a justiça, pq o consulente em vida passada havia matado seu filho ainda criança.
Eram os idos de 1.500 e o consulente vivia uma situação curiosa naquela vida, era açougueiro e tbm era médico. O tal ser disse que ele matara seu filho, assim como muitas outras pessoas pobres e doentes que ele matava em seu açougue, provavelmente para estudar seus corpos. A atividade de açougueiro devia ser uma espécie de disfarçe para que pudesse matar as pessoas para estudá-las.
Haviam dois bolsões de espíritos ligados a ele, os que foram suas vítimas no tal açougue, e os que morreram no hospital onde ele trabalhava tbm.
O ser que estava com ele conseguimos convencer a abandonar seu intento pq nos foi revelado que o filiho dele não foi morto intencionalmente pelo consulente no seu 'açougue', mas sim no hospital, sendo que o consulente tentava salvá-lo.
O ser sabia onde estava seu filho mas disse que não podia vê-lo pq ele era 'mau', sabia que o filho estava num posto de socorro mas não podia entrar lá, apenas cehgava até a frente eventualmente. Dissemos a ele que conseguiríamos fazer com que ele entrasse lá. Ele alegava que seu ódio se amenizara por saber que o consulente não matara seu filho intencionalmente de forma brutal como fazia no 'açougue' com os indigentes, mas que ainda tinha muito ódio dele. Perguntei-lhe se queria ajuda para se livrar disso e ele disse que sim, ao que lhe dissemos que poderíamos fazer esquecer uma parte daquela vida, onde o consulente era 'mau', e lembrar apenas que ele era o médico que tentou salvar seu filho.
Feito isto, a médium que o recebeu o acompanhou até o posto onde o filho dele estava trabalhando como enfermeiro, e inclusive foi ele que recebeu o pai lá.
O consulente na ânsia de resolver seus problemas, já tinha ido em cartomantes e terreiros, e num desses ele encontrou um ser trevoso que fora seu companheiro no umbral num período intervidas. Eles haviam feito um pacto de que se um reencarnasse ajudaria os outros. Num desses terreiros que ele foi, que inclusive é perto de sua casa, esta entidade o encontrou, e tinha sido ela quem o induziu a procurar apoio lá.
Na ocasião em que ele esteve lá fizeram uma 'ligação' energética dele com o tal grupo, pois todos trabalham no astral do tal terreiro de macumba.
Desde então (isso foi há alguns anos) o consuelnte tem se desdobrado semanalmente e vai 'trabalhar' com eles no baixo astral, inclusive segundo a entidade, ele havia prometido da última vez que esteve com eles que levaria a esposa dele junto na próxima vez.
Neste caso consultamos um preto-velho que eventualmente aparece para nos auxiliar e propomos ao grupo que se quizessem 'mudar de vida' os ajudaríamos, mas eles não quizeram, apesar dos alertas que lhes fizemos sobre o processo de renovação planetária, disseram que 'ainda tem tempo'.
Abraço.