quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Relacionamentos conjugais

     A consulente nos procurou para tentar entender pq não consegue se desvincular de seu marido, apesar dele tratá-la com desrespeito e estar 'aprontando' descaradamente. Ela tem um filho já adulto de outro relacionamento e com esse tem um filho pequeno, ainda criança. Logo ao abrirmos a frequência da consulente, duas das médiuns já incorporaram cada uma uma entidade feminina. Uma ao estilo 'gira', muito debochada, rindo demais e ridicularizando a outra, esta um tanto mais 'sisuda'. Conversando com as essas entidades para tentar descobrir a relação delas com a consulente, descobrimos o seguinte: a entidade 'sisuda' fora, em vida passada, patroa da outra entidade estilo gira e da consulente.


     A gira naquela vida se envolveu com o patrão, um senhor já de certa idade, com a intenção de ganhar algum dinheiro a mais e, se tivesse sorte, até casar com ele. A consulente descobriu o envolvimento dos dois e pensou tbm em ganhar algum dinheiro, só que contando para a patroa sobre o adultério do marido com a outra empregada. E assim foi feito.
     Entretanto, a gira ouviu a conversa das duas, enquanto preparava um chá para a patroa e antevendo que seria demitida, envenenou o chá, com a intenção de matar a patroa e assim ficar logo com o patrão. Ela porém errou na dosagem ou não qualidade do veneno ministrado e a patroa não morreu, tendo tempo de demiti-la antes de cair enferma do estômago em função do veneno, enfermidade essa que lhe ocasionou viver acamada o resto de seus dias.
     A outra empregada, a nossa consulente, aproveitou-se da situação para seduzir o patrão, o que não devia ser muito difícil, e a patroa acamada ainda presenciou as cenas de luxúria entre os dois sem nada poder fazer, até sua morte. Com a morte da patroa a nossa consulente casou então com o patrão, com a intenção clara de aplicar o famoso 'golpe do baú', pois esta tinha um amante e tramaca com ele a morte do patrão, o 'velho'.
     Ela e o amante tentaram assassinar por três vezes o velho mas este sempre se safou e, por fim, ainda matou o amante da consulente. Como o 'velho' tinha uma certa posição social e amigos influentes nada lhe ocorreu.
     Bem, o quadro atual é o seguinte: O amante daquela vida é seu filho mais velho na vida atual e o 'velho'da vida passada, que ambos tentaram matar mais de uma vez por interesse material, é o seu marido, esse mesmo do qual ela não consegue se desvencilhar. Além desses três personagens vivendo no ambiente físico, ainda tínhamos a ex-patroa, que era mulher do velho, e tbm a outra empregada, a gira, essas duas desencarnadas e desfrutando do mesmo ambiente familiar.
A ex-patroa estava obisidiando a consulente e a gira saía com o 'velho' quando este se desdobrava, para lhe sugar uma energiazinha. Essa gira vivia num bordel no astral onde as 'meninas', de várias nacionalidades segundo ela (que inclusive me convidou a 'frequentar' o local afirmando que se ela não me agradava lá tinha várias outras) 'trabalhavam' vampirizando/obsidiando homens encarnados 'por encomenda', com finalidades escusas.
     Aproveitamos para convidar as meninas para mudar de vida e a 'gira' e várias outras aceitaram. A gira foi com a condição de que iria 'ver' como era lá mas que se não gostasse iria voltar para o tal bordel, com o que concordamos. A ex-patroa após conversarmos aceitou ser auxiliada pois já estava cansada de ficar perto da outra. Tbm já tratamos de seu estômago antes de encaminhá-la para a equipe espiritual pois ela ainda sentia as dores provocadas em seu aparelho digestivo por conta do veneno que ingeriu no tal chá.
     Havia ainda junto com a consulente um ex-marido de uma outra vida passada dela. Esse não era mau, apenas pouco evoluído, e queria inclusive ajudá-la pois, segundo ele, a casa dela estava 'cheia', e ele gostava mesmo dela, apesar que ficando próximo acaba procovando uma 'vampirização ligth', isto é, sem maiores danos para a consulente e até ajudando de certa forma que outras entidades mal-intencionadas se aproximasse dela. Esse tbm estava cansado e foi de bom grado com a nossa equipe espiritual.
     Como a consulente estivesse falando de sua relação com uma irmã com a qual 'não se dá', justamente por conta dessa se revoltar com as atitudes do marido da consulente e por esta 'não fazer nada', a dita cuja se desdobrou inconscientemente e conversamos com ela, incorporada numa das médiuns. Por fim, propomos que fizessem as pazes, perdoando uma a outra, mas a consulente não estava disposta a perdoar a irmã. 
     Nesse caso, após termos dado algumas orientações à tal irmã para esta cuidar mais da sua vida e menos da vida da irmã e não se revoltar com ela por conta da vida dela com o marido, a mandamos de volta ao seu corpo físico. Efetuamos uma 'limpeza' na casa da consulente e demos a recomendação de praxe, isto é, se evangelizar, amando, perdoando, etc.



Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário