sábado, 31 de março de 2018

Distúrbio de Déficit de Atenção e Hiperatividade (DDAH ou TDAH)

     O consulente nos procurou com os seguintes problemas: 

     "Busco auxílio, pois sou uma pessoa muito complicada, não consigo ver soluções positivas, faço tratamento para pânico/ansiedade, déficit de atenção desde criança e antes de começar o tratamento com remédios estava agressivo com meus familiares e minha namorada, o remédio ajuda a controlar, mas não queria depender de remédios. Nunca me senti uma pessoa normal, não consigo ter foco em nada, não defini minha carreira profissional ainda, não terminei meus estudos, acho dificuldade em tudo; tenho medo de tudo. Não sou uma pessoa de atitude, sou retraído e até antissocial. Tenho dificuldades para dormir à noite, acordo sempre cansado e desanimado, não tenho vontade de fazer nada! Não me sinto bem assim, queria ser normal, pois me sinto diferente dos outros. Meus pais tem negócio próprio onde eu poderia seguir, mas não me sinto em condições e não ajudo em nada.  Será que posso ser ajudado?"


     Costumamos fazer uma anamnese com o consulente para tentar identificar algum gatilho que tenha "disparado" o problema principal e conforme o consulente vai falando sintonizamos com ele e as imagens vão surgindo para os médiuns e vou intuindo do que se trata. Tanto eu como os médiuns percebemos que havia algo relacionado a abuso sexual na infância. Em muitos desses casos as pessoas que sofreram o abuso não lembram. Quando foi um abuso traumático a mente bloqueia as lembranças e quando foi um abuso onde a criança foi seduzida e que não foi traumático ela esquece como esquece outras coisas. 
     Nesse caso o consulente não chegou a ser abusado, mas presenciou uma cena de abuso e esse foi o gatilho para a síndrome do pânico pois o abusador é pessoa de seu convívio familiar e em outras vidas já abusou dele. Quando o consulente presenciou a cena abriram-se três frequências onde ele sofreu abuso de forma traumática em outras vidas e ele intimamente tinha a convicção de que aconteceria com ele novamente. 
     Mas com três vidas sendo vítima de abuso é evidente que antes disso ele cometeu abusos de forma muito intensa e pedi aos médiuns que procurassem por vidas anteriores onde ele gerou esse karma. Em uma vida passada o consulente foi um tipo de pioneiro que se aventurou por regiões povoadas por indígenas. Era um sujeito muito ambicioso e mau. Antes de partir em sua jornada ele estuprou a irmã, e como a mãe acabou vendo, ele matou as duas.
     Encontrou uma tribo indígena e fez um primeiro contato; ganhou a confiança dos indígenas e os traiu, facilitando a invasão da tribo por homens a seu comando, que cometeram todo tipo de atrocidade, como estupro de mulheres e crianças e assassinato e tortura dos homens. Ele próprio, apenas para mostrar que ele é quem mandava em tudo, escolhia algum indígena aleatoriamente e o matava a sangue frio. Uma das coisas que ele gostava de fazer era amarrar braços e pernas dos indígenas em cavalos e fazê-los correr, esquartejando a pessoa cruelmente.
     Aquela tribo estava praticamente toda em frente à minha casa (existe um campo de força ao redor que impede qualquer ser de entrar), inclusive uma das médiuns que chegou atrasada recebeu várias flechadas deles. Esse grupo de espíritos estava acompanhando o consulente por vingança. Retiramos esses espíritos que foram encaminhados para tratamento, pois não eram essencialmente ruins, apenas estavam presos numa situação traumática e reagiram de acordo com seus sentimentos.
     Essas frequências abertas eram a causa principal da síndrome do pânico e ansiedade que ele sente. Com o encaminhamento que demos é provável que diminua consideravelmente ou desapareça, mas vai depender do karma dele e de suas atitudes daqui por diante.
     Mas fora outras frequências abertas onde ele também não fez nada de bom, muito pelo contrário, o consulente tinha uma frequência aberta que era a responsável direta pelo seu déficit de atenção e desinteresse pela vida em geral. Ele foi um cientista e estava trabalhando em um laboratório das trevas, onde fazia todo tipo de experimento genético, tipo implantar uma cabeça de animal num ser humano e vice-versa e outras coisas absurdas. Nesse local ele era muito respeitado, tipo ele era "o cara". Em tudo que ele se propunha a fazer lá ou em tudo que lhe solicitavam fazer ele obtinha sucesso. 
     Ao descobrirmos essa frequência ele ficou possesso. No astral imediatamente se pôs a atacar os médiuns e teve que ser contido. Um recurso frequente que a espiritualidade utiliza para nos mostrar a dimensão das organizações com as quais estamos lidando é projetar o médium no espaço, bem acima da crosta terrestre e lhe mostrar em destaque no mundo todo os locais que fazem parte da organização e ligados a esse laboratório havia dezenas de locais no mundo todo, desde hospitais e clínicas até bordéis especializados em pedofilia e outras coisas mais bizarras.
      O Distúrbio de Déficit de Atenção e Hiperatividade (DDAH ou TDAH) do consulente é uma situação com a qual já nos deparamos em outros atendimentos, onde o espírito possui várias frequências abertas, mas geralmente tem uma principal, onde ele gosta muito de estar. Geralmente nessa frequência ele é muito inteligente e faz algo que lhe dá muito prazer. Como lá na dimensão astral é muito bom qualquer coisa que ele faça aqui no plano físico é entediante para ele. Além disso, como o corpo físico "puxa" a consciência para si, se ele se envolver com alguma coisa aqui ele acaba saindo daquela frequência, coisa que ele não quer. 
     Essa situação onde o espírito prefere estar na dimensão astral e não aqui no físico é o que geralmente causa o DDAH ou TDAH. Também acontece com espíritos que tinham uma vida muito agitada da qual gostavam muito, na dimensão astral, e são sugados para uma nova existência carnal a contragosto. Eles guardam reminiscências na memória das coisas que faziam e que gostavam e quando se deparam com a realidade terrestre onde se tem que fazer coisas das quais não necessariamente se gosta, mas por necessidade, a mente deles fica o tempo todo como se fosse um radar buscando alguma "novidade", algo que lhes faça sentir prazer em realizar.
     Por exemplo, um espírito feminino que vivia num bordel no astral, onde era empoderada. De repente sua consciência se vê encarnada num corpo infantil cheio de necessidades e limitações que ela não tinha e que não quer ter. Ela quer fazer coisas incompatíveis com sua condição e isso gera uma espécie de revolta e desinteresse pelo "aqui agora" e faz com que o espírito se desdobre e tente voltar para onde estava. Em muitos casos ele consegue e ocorre como com o consulente mas em outros casos ele não encontra o local onde estava ou não consegue abrir completamente a frequência em que estava e o espírito fica meio que vagando, buscando algo que nem ele sabe direito o que é.
     Nesses casos informamos a pessoa que depende de um grande esforço dela tentar encontrar alguma coisa na sua vida que lhe interesse para evitar que sua mente fique vagando por aí abrindo frequências ou fazendo coisa errada nas que já estiverem abertas. Mas por ser uma condição que surge em função de karma e que acomete espíritos que já tem algum desenvolvimento mental acima da média, é também uma espécie de punição para que ele não consiga usar seu potencial mental de forma a prejudicar outras pessoas, semelhante ao autismo, pode amenizar mas curar totalmente é difícil.

Gelson Celistre

     

sexta-feira, 23 de março de 2018

O incesto e a maldição do bispo

     O incesto, união sexual ilícita entre parentes consanguíneos, afins ou adotivos, segundo o dicionário Aurélio, é um tema ainda hoje tido como tabu na maioria das sociedades. Em um atendimento recente nos deparamos com um caso que envolvia incesto entre irmãos consanguíneos, numa época onde isso era algo impensável e inadmissível, principalmente para uma família de posses e pertencente à alta classe da sociedade.


     O fato ocorreu em uma família tradicional e de muitas posses, onde entre um casal de irmãos aflorou um sentimento muito forte, sendo que a impossibilidade de viver esse amor os levou a ruína. Eram três irmãos, dois meninos e uma menina, ela alguns anos mais nova que os outros. 
     A casa da família era frequentada por pessoas influentes na sociedade, inclusive por um bispo da igreja católica. Este, ávido para abocanhar o que pudesse da fortuna da família, observou que entre o casal de irmãos havia alguma coisa diferente e por meio de um padre com quem os jovens se confessavam, ficou sabendo do amor ilícito entre eles. Na ocasião a menina tinha por volta de 15 anos.
     Esse bispo então vislumbrou uma maneira de obter lucro com essa informação e procurou o jovem casal oferecendo a eles uma solução para o problema, considerado um pecado grave pela igreja. Já que nessa vida eles não poderiam nunca se casar ou se relacionar perante os olhos de Deus e da sociedade, a solução seria eles morrerem e renascerem novamente, se reencontrando em outra vida não como irmãos ou parentes, coisa que ele como bispo e representante de Deus poderia conseguir, mediante um pacto.
     O bispo convenceu os jovens de que precisariam matar seus pais e o outro irmão, tornando-se assim os únicos herdeiros da fortuna da família, depois eles cometeriam suicídio e a fortuna seria ser doada à igreja, mediante um testamento. Com isso eles conseguiriam "comprar" a absolvição de seus pecados, iriam renascer e poderiam se amar sem impedimentos. Os jovens aceitaram a proposta, mas não como o bispo imaginara.
     Eles iriam sim assassinar seus familiares, mas não iriam se matar, ao invés disso iriam viver seu amor clandestinamente, pois sem os pais e o irmão, e com a fortuna da família à sua disposição, ninguém saberia de seus atos, a não ser quem teve a ideia, que foi o bispo, então ele deveria ser morto também. O desespero dos jovens era porque a menina estava grávida e logo o volume de sua barriga iria obrigá-la a revelar quem a tinha engravidado, o que seria um escândalo de enormes proporções, principalmente por ter sido seu irmão.
     O bispo forneceu a eles um veneno que deveriam usar para matar os familiares e eles assim o fizeram, envenenaram os pais e o irmão. O resto do plano seria algum tempo depois eles se suicidarem e deixarem a herança para a igreja. Eles seguiram seu próprio plano, assassinando o bispo. O caminho agora estava livre para eles. Porém, o bispo antevendo uma possível traição dos jovens, já os tinha envenenado sem que eles soubessem, e assim todos morreram.
     Mas o ritual com o pacto de reencontro em uma vida futura já havia sido feito, e foi bem feito, pois várias vidas após ainda estava funcionando, chamamos isso de arquepadia, quando um feitiço feito há muito tempo continua atuante. Verificamos que em suas vidas posteriores àquela, o casal sempre se encontrava, só que também sempre acontecia alguma coisa e eles acabavam se afastando, mesmo desejando ficar juntos, algo os atraía e afastava ao mesmo tempo, provocando angústia e dor a eles. A causa disso é que o bispo, após ser traído e morto pelo jovem casal, lançou uma maldição sobre o pacto e o alterou, de forma a provocar que eles se encontrassem mas não ficassem juntos.
     Foram vistas umas seis vidas do casal onde isso aconteceu, fora a vida atual onde eles vivem essa mesma situação. Se encontraram, se casaram, e o jovem que é viciado em drogas desaparece de casa por meses, eventualmente liga e diz que vai voltar, mas não aparece. A jovem, que era a consulente, disse sentir que existe algo que os une, algo que foi acordado antes do nascimento, como se fossem almas gêmeas ou algo do tipo. 
     Na realidade ele tinha a intuição sim de que havia um contrato, um pacto entre eles, mas fantasiava essa situação acreditando que Deus os tinha predestinado a viverem juntos e que não poderia se separar dele. Na dimensão astral, em desdobramento, eles tinham várias frequências abertas. A consulente afirmou ter medo e pavor de violência, tanto que chega a sonhar com pessoas ensanguentadas e isso lhe causa um grande mal-estar, só que esses sonhos eram lembranças do que ela estava fazendo em desdobramento, pois numa vida passada ela foi um serial killer que matava, mutilava e comia pessoas e bebia seu sangue. O rapaz por ser usuário de drogas e ser um espírito de baixa evolução tem uma energia horrível. Ele se apresentou em desdobramento na hora do atendimento e cheirava a algo podre. 
      Em outra frequência aberta a consulente foi uma cigana feiticeira que tinha obsessão pela beleza. Por conta disso ela matava jovens belas e bebia seu sangue, com intuito de se manter jovem. De bebês ela comia o coração. Acabou matando a filha de um cigano muito rico e ele veio a descobrir que foi ela. Ele a cortou em pedaços literalmente, sem a deixar morrer, e por fim, depois de muito mutilada, ele a queimou viva. 
     Esse espírito estava perseguindo ela há cinco vidas, com um ódio muito grande, para impedir que ela voltasse a fazer o que fez com a filha dele. Naquela vida ela tinha um punhal com o qual matava as vitimas e na vida atual ela usa um colar no pescoço com um pingente, que gosta muito, e esse pingente era um link para ela acessar aquela frequência e o tal punhal, que ainda existia no astral por conta da energia agregada. Apagamos a mente do velho cigano e destruímos o punhal da consulente, que no astral se desdobrou enlouquecida e teve que ser contida pela nossa equipe e levada para tratamento.
      Por suas atitudes o rapaz já demonstrou que não tem valores familiares nem responsabilidade, pois eles têm um filho e quem sustenta e mantém a consulente e o filho são seus familiares, pois ele desaparece e não manda dinheiro nem dá notícias, além de já ter tido um relacionamento com uma mulher casada, cujo marido quase o matou. Essa mulher acabou se separando e passou a perturbar a consulente, não só com inúmeros trabalhos de magia negra, como indo procurar os familiares do jovem pedindo ajuda, pois por causa dele perdeu o casamento.
      Em resumo, a consulente queria uma solução para seu caso e, apesar de deixar claro para ela que a decisão é e deve ser dela, nos obrigamos a dizer que
ele sumir e não aparecer por longo tempo não é uma perda e sim um "livramento".
      O que podíamos fazer foi feito, desfizemos o pacto e a maldição do bispo, ele estava no astral sem reencarnar e já nem tinha mais corpo astral, era apenas uma nuvem negra, e foi preso. Fechamos as frequências da consulente e do marido e fechamos inúmeros portais que havia na casa dela e que a ligava com ele em várias frequências.
      Por conta do histórico kármico de ambos os espíritos, a consulente e seu marido, que são o casal de irmãos incestuoso, e pelo estado dele atualmente, principalmente considerando que ela tem um filho para criar, nos parece que seria melhor ela se manter afastada dele.

Gelson Celistre