segunda-feira, 27 de março de 2017

Migucho

      No post A alma dos animais já falei sobre o processo de individualização do ego e em Reencarnação: A trajetória de Thor falei sobre algumas vidas do meu cão Thor.
     Enquanto ministrava um curso de apometria em São Paulo no final de semana passado, recebi uma solicitação inusitada por e-mail: uma mulher queria agendar uma consulta de apometria para seu cachorro que havia morrido atropelado no dia anterior, o Migucho. 
     Muitas pessoas tem curiosidade em saber o que ocorre com os animais domésticos depois de mortos e não é muito diferente do que acontece conosco. Como estava ministrando um curso resolvi verificar a condição do Migucho após sua morte aqui no físico, durante a parte prática do curso.

     Apesar de ter sido atropelado e de ter sofrido antes de morrer, o Migucho chegou bem no astral, sem nenhuma sequela. Descobrimos que ele foi "encaminhado" para um espírito que cuida de vários cães no astral. Este espírito quando vivo aqui no físico em sua última encarnação foi um morador de rua, um sem-teto, e tinha três cães que ele gostava muito, e dividia tudo com eles, até mesmo a comida.
     No astral ele segue do mesmo jeito, um andarilho sem-teto, mas que recolhe os cães no astral e cuida deles. Havia cerca de 40 câes com ele no astral. Ele circula pelo astral e alguns dos cães que morrem acabam se juntando ao bando dele. À medida que eles vão reencarnando simplesmente desaparecem do bando mas outros que morreram acabam se juntando ao grupo. Esse processo de morte/renascimento acontece de forma automática, mas pode haver algum direcionamento de onde o espírito do cão vai nascer se houver uma interferência no processo.

Gelson Celistre