quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O mentor

Atendimento de uma senhora de aproximadamente 60 anos, com quadro de depressão e síndrome do pânico. O marido a acompanhou. Segundo ela o próprio médico que a está tratando sugeriu que ele buscasse um auxílio espíritual. Ela e o marido são frequentadores de 'terreiros' e ambos possuem algum grau de mediunidade ostensiva, a mulher incorpora e o marido ouve os espíritos.

A grande maioria dos médiuns não é capaz de identificar o grau evolutivo
dos espíritos que se dizem "mentor" e se deixam enganar por qualquer entidade.

 A primeira entidade a se manifestar era uma cigana que era mantida prisioneira, juntamente com o resto de seu 'bando', pela tal senhora, que em vida passada era sua 'líder'. O atual marido, naquela encarnação, era comparsa da sua atual mulher, e ele era quem mantinha as cigans presas e as vigiava para que não fugissem, castigando duramente as que tentavam escapar. Quando viajavam de uma localidade a outra a consulente e o seu capanga, o atual marido, iam numa carroça, e as ciganas escravas iam caminhando atrás, amarradas por cordas nos pulsos atadas à carroça.

Após conversarmos um pouco com este ser, lhe prometemos ajuda a salvo da consulente e seu marido, pois elas tinham muito medo deles, e todas foram socorridas. O marido da consulente revelou que há alguns meses, estando os dois em casa, a mulher 'incorporou' um ser que passou por todos os cômodos da casa, parando dentro do banheiro da residência e lá a consulente se 'contorceu' toda e foi aí que começou seu 'problema', que segundo o marido o médico psiquiatra definiu como "tendências e pendores", em relação a que ele não soube explicar.

Tbm foi tratado um espírito que fora enteado da consulente e que tinha muita raiva dela. Naquela existência a consulente era casada com o pai desse espírito e tinha um amante (que é o seu marido da vida atual) e para poder se encontrar com esse amante, ela ministrava drogas ao marido sem ele saber. Essa situação se prolongou por um bom tempo e por fim, o então marido dela teve morte provocada por envenenamento. Esse espírito que era filho do falecido sabia do ocorrido mas nunca contou a ninguém, saiu de casa e teve sua vida normalmente.

Entretanto, quando morreu encontrou com o espírito de sua ex-madrasta e esta o aprisionou. Foi libertado e auxiliado. Ressalte-se que a consulente relatou que na vida atual tem um filho já adulto que é viciado em drogas e que ainda vive com ela e o marido, sem trabalhar nem estudar. Este seu filho é o mesmo espírito que no passado ambos, ela e o marido, provocaram a morte por envenenamento e ainda o drogavam sem ele saber.

O retorno cármico agora é evidente, receberam como filho, viciado em drogas, aquele mesmo espírito que eles levaram à ruina no passado, com a missão agora de ajudá-lo a se reerguer. O marido 'ingenuamente' acreditava que a tal entidade estava que incorporou em sua esposa e andou por todos os cômodos da casa estava 'limpando' a casa e ainda a interpelou perguntando se ele (o marido) estava precisando de alguma coisa, achando que a tal entidade estava ali para ajudá-lo de alguma forma. Após ele contar a tal história, iria tentar buscar essa entidade para conversar com ela pois já sabíamos que o que ela havia feito na casa não era nada do que o 'pobre coitado' acreditava, mas uma das médiuns já havia visto uma 'gira' perto dela e pedimos que ela desse passagem para vermos se era a mesma.

A entidade disse que não fora ela quem esteve lá, mas que foi uma 'colega', e que a consulente ainda iria sentir muito medo. A princípio reticente e não querendo conversar, conseguimos entabular um diálogo e a 'moça' acabou simpatizando conosco, revelando então sua ligação com a consulente e o marido. Essa entidade faz parte do astral da 'casa' espírita que o casal frequentava (ou frequenta ainda) e tiveram a grata surpresa de reconhecer a consulente quando ela esteve lá pela primeira vez como uma antiga desafeta do grupo tudo.

Em vida passada a consulente fazia parte de um grupo de mulheres ligadas a esse tipo de religião e todas trabalhavam juntas numa casa, quando ela conseguiu ascender ao poder lá e ser a 'líder', ela mandou todas as outras embora, para que apenas ela tivesse 'poder'. O grupo tudo queria vingança. Enquanto conversávamos nossa equipe espiritual já foi na tal casa e recolheu todas as 'giras', por fim, veio um espírito que fora filho dessa que conversava comigo e ela aceitou ir conversar 'com aquela mulher de branco', que era uma da nossa equipe, com a garantia dada por mim de que se não quizesse não seria obrigada a ficar.

Vale ressaltar que o marido da consulente, que estava presente, dirigiu-se agressivamente a este ser dizendo a ele que 'estava se metendo com quem não podia' (ele) e chegou a afirmar arrongatemente que "nada me atinge'. Logo em seguida iríamos demonstrar a ele que sua certeza era ilusória pois a esposa então revelou que ele mantinha em casa uma 'segurança', que ele periodicamente tinha que 'reforçar' com uma garrafa de uísque. Ele então nos disse que por mais de uma vez uma entidade se apresentara a ele e que esta entidade foi vista em mais de um centro, e que não pode se manifestar pq era 'muito evoluído' para aqueles locais.

Pedi a ele que chamasse a tal entidade e ele ficou meio arredio, mas mesmo assim a tal entidade foi trazida a nós e, incorporada, relutava em falar alguma coisa. Mesmo não querendo, o ser acabou revelando que se fazia passar por 'mentor' e guia do marido da mulher com o propósito de lhe roubar energia. Sua finalidade era manter uma 'rede' de encarnados iludidos e fascinados para lhes sugar a energia vital. O ser afirmou que além do marido da consulente mantinha ligado a ele vários outros encarnados, não só de religiões 'espíritas', mas de várias outras, inclusive 'daquelas que as pessoas se jogam no chão' (evangélicos), afirmando que em muitos casos elas caíam pq naquele momento ele lhes retirava subitamente o fluido vital e elas desfaleciam acreditando que estavam sendo 'libertas' ou 'limpas' de algum mal.

O marido da consulente pediu para perguntar algo para o ser e foi permitido, ele indagou 'pq ele' havia sido escolhido, já que ele ia atrás de 'auxilio espiritual' (nas casas que costuma frequentar) 'ingenuamente', para se melhorar. A entidade disse que por ele ter sido um deles no passado fica mais fácil. O homem ficou visivelmente irritado por ter sido enganado. Este ser fazia parte de um grupo de mais de cem entidades vampirizadoras que, assim como ele, estavam ligados a várias pessoas encarnadas lhe sugando a energia, se fazendo passar por 'mentores'.

Essa organização possuía um prédio de vários andares no astral com salas onde havia avançada tecnologia de vigilância, com monitores onde viam tudo que se passava com suas 'fontes' de energia. Todos foram recolhidos e os fios que os ligavam as pessoas foram cortados, o prédio foi destruído. Esse com quem conversávamos estava em péssimo estado, há mais de dois séculos sem reencarnar. Enquanto conversávamos com ele trouxemos seu 'superior' na organização à qual pertencia de vampiros energéticos. Este se recusava a falar e se mostrava muito contrariado por estar ali.

Mas foi mostrado aos médiuns que ela mantinha muitos espíritos aprisionados, principalmente de indígenas aqui do Brasil, pois ele fora um jesuíta em sua última encarnação. Os médiuns foram em sua 'base' e libertaram todos os espíritos aprisionados enquanto eu o 'entretia' tentando conversar. Depois que todos foram resgatados ele foi adormecido e levado pela equipe espiritual.

Outra médium percebeu algumas crianças junto à consulente, muito assustadas, temerosas e um pouco aturdidas. Estes seres tinham ligação com a consulente e com o 'jesuíta'. Naquela existância a consulente "trabalhava" para os jesuítas, que faziam 'orgias' com alguns meninos. A consulente era quem cuidava dessas crianças e ela os 'dopava' com drogas para que elas não percebessem o que acontecia.

Depois de servirem à lascívia dos 'jesuítas', ela cuidava de seus ferimentos, pois eles sentiam dores (pela penetração) e muitos adoeciam, com sangramentos e vítimas dos maus tratos que acompanhavam a seviciação. Como eles estavam drogados não entendiam bem o que lhes sucediam, mas acreditavam que ela os ajudava e protegia, por conta dela cuidar deles, por isso estavam junto dela. Boa parte da 'síndrome do pânico' que ela sentia vinha deles. Na casa da consulente haviam vários outros bolsões de espíritos ligados ao casal, que foram todos retirados e auxiliados.

Depois que os consulentes se retiraram, após termos lhes dado as explicações do que ocorrera para que não tivessem dúvidas e se conscientizassem de suas más ações do passado, bem como os ter orientado a se evangelizar, um dos médiuns revelou que durante todo o atendimento o homem (o marido) estava atacando o grupo no astral pois na realidade, ele é quem era o 'mentor' daquela organização, o líder desses vampiros e que teve uma 'chance' de se modificar com esta encarnação atual que está vivendo.


Gelson Celistre.

3 comentários:

  1. Olá Gelson,

    muito interessante o post acima, mas e o verdadeiro mentor dessa senhora nao teria a permissao de auxilia-la e protege-la desse falso mentor? Nao teríamos nós a proteçao constante de um mentor assim como nos explica a doutrina espirita? Gostaria de entender isso melhor.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Poderíamos perguntar onde estavam os mentores dos meninos que eram abusados pelos jesuítas tbm ou onde estavam os mentores das ciganas escravizadas.
    A questão é não existe um mentor exclusivo para cada um de nós da maneira como as pessoas imaginam. Quando muito temos algum espírito amigo que quer nos auxiliar, entretanto, nenhum espírito ou mentor tem poderes para evitar que soframos as consequências de nosso karma.

    Abraço.

    ResponderExcluir