quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A responsabilidade paterna

No recente curso de apometria que ministrei em São Paulo atendemos um rapaz com um quadro grave de esquizofrenia, que está sob tratamento médico há vários anos com uso de medicamentos "fortes". No encaminhamento da situação vimos que ele se desdobrava e no astral fazia experimentos com o cérebro de outros espíritos que morreram loucos, ou seja, além de estar ligado a um bolsão de espíritos dementados ele ainda era o algoz deles.
É comum pessoas que nascem com alguma debilidade mental
terem sido cientistas anti-éticos e ainda estarem fazendo experimentos
em laboratórios trevosos na dimensão astral.
Havia ainda muitas outras ligações com locais umbralinos de baixa vibração e a ligação com muitos seres em sofrimento. Todos esses seres foram resgatados, inclusive o bolsão de dementados. O resgate cármico desse rapaz é pesado, e o retorno se dá pelo mesmo modo que ele inflingiu aos seus pacientes, quando em outra vida foi médico, sem contar que no astral ainda se desdobrava para perturbar suas vítimas de outrora.

Entretanto, devido às peculiaridades do próprio curso, onde não podíamos nos demorar exagerdamente em pormenores de todos os casos, pela falta de tempo, nossa equipe espiritual sabedora de que eu sempre faço uma checagem do que ocorreu nos cursos com meu próprio grupo, reservou uma parte desse atendimento para que fosse finalizado com minha equipe de médiuns.

Na vida passada desse rapaz que lhe gerou essa situação kármica muito desgradável no presente, onde ele nasceu com suas faculdades mentais compromeditas, ele era médico. Começou a trabalhar num hospital de uma cidade não muito grande, mas tinha uma tendência a buscar o conhecimento sem ética. Ele tratava de doentes mentais e na tentativa de descobrir a região cerebral que causava a loucura e a demência, ele piorou a situação de muitos pacientes, e muitos deles levou ao óbito, realizando experimentos onde abria a cabeça deles para realizar exames e experimentos.

O diretor daquele hospital, quando percebeu a extensão e gravidade das atitudes do jovem médico, tentou lhe impedir de continuar, mas o rapaz havia elaborado um plano onde todas as evidências apontavam para este diretor, que acabou sendo demitido e tendo sua licença para clinicar cassada; foi humilhado e ficou estigamtizado socialmente. Este espírito era um dos muitos que cobravam do rapaz seus atos tresloucados de outrora.
Incorporado, conversamos com ele, que afirmava que não permitiria que ajudássemos o rapaz pq se ele ficasse curado iria fazer a mesma coisa novamente e prejudicar muitas pessoas, pois era muito inteligente. Argumentei com ele que provavelmente, em função de seu karma, ele tenha nascido com alguma anomalia no cérebro que lhe tolheria as ações, mas o 'diretor' dizia que ele era tão inteligente que poderia descobrir como se curar.

A grande aflição desse espírito era pq o rapaz era um filho bastardo dele e ele se sentia responsável pela conduta do mesmo, pois pensava que se tivesse cumprido com sua responsabilidade paterna e participado da educação do rapaz, este poderia ser uma boa pessoa. O diretor acreditava que o rapaz, à epoca, desconhecesse o fato de ser seu filho e acreditava que o destino o aproximara dele talvez para lhe cobrar alguma coisa. Por isso foi complacente com algumas atitudes do jovem médico e que lhe pesavam tbm na consciência.

Mas descobrimos que o rapaz sabia ser filho do diretor e que não foi parar lá por acaso, ele tinha um desejo de vingança contra o pai que não o reconheceu e ardiu um plano minucioso cujo fim era o que ocorreu mesmo, seu pai perder tudo que tinha e viver humilhado e estigmatizado na sociedade. O diretor se sentia responsável pelo rapaz e no fundo não tinha uma intenção ruim, apenas sua maneira de agir estava equivocada. Conversando conseguimos direcionar sua intenção para uma finalidade positiva. Ouçam no áudio abaixo o diálogo que entabulamos e o encaminhamento que demos ao caso.


Abraço.

Gelson Celistre

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Ressonância vibratória - Abrindo uma frequência de passado

Este caso é um bom exemplo de como se abre uma frequência de vidas passadas e se cria uma ressonância vibratória. Uma boa parte dos problemas que a consulente tinha há vários anos como síndrome do pânico, depressão, etc. foi devido a ela ter aberto, acidentalmente, uma frequência de vida passada.
Na vida passada que ela acessou inconscientemente ela enfermeira num hospital que cuidava de leprosos. Parece que eles se rebelaram e a atacaram, matando-a. Como havia muitas outras coisas mais 'pesadas' que envolviam a consulente, não nos aprofundamos muito nos 'porques' de os leprosos a terem matado, apenas identificamos que havia ainda no astral esse bolsão de espíritos e os resgatamos, mas em função do que ela estava sentindo é provável que ela não os tratasse muito bem. A impressão que a médium teve ao ver a cena era a de que os leprosos haviam enlouquecido e arremetaram contra a consulente, que era enfermeira, e a mataram.
A lepra (hanseníase) é uma doença que afeta a  humanidade há pelo menos 4.000 anos.
A consulente lembra bem do dia onde começou a se sentir mal e quando começaram seus problemas, há cerca de 14 anos, pq foi o dia em que o cantor da banda Legião Urbana morreu (11/10/1996). Questionada por mim sobre o que havia acontecido nesse dia de diferente ou marcante em sua vida ela disse não lembrar de nada especial e que gravou a data por ter coincidido com a morte do tal cantos, mas disse que não era tão fã assim para passar mal por causa da morte dele. Parece uma coisa banal mas foi o momento exato em que ela inconscientemente acessou a lembrança da vida passada onde foi morta pelos leprosos. Vide o clip abaixo:





Situações como essa são comuns de acontecer, vendo algum filme ou lendo um livro, podemos abrir frequências de passado e trazer para o nosso presente energias desagradáveis. Outro fato que ocorreu com esta consulente é que ela se submeteu a algumas sessões de regressão em outra cidade e nessas sessões acessou algumas vidas passadas. Numa delas ela havia abandonado seu lar sendo mãe de quatro filhos pequenos. Durante o atendimento, efetuamos e encaminhamento de um desses quatro filhos que acabou morrendo criança depois do abandono dela e que, durante a regressão a vidas passadas que ela fez, foi atraído para ela e a estava acompanhando. Infelizmente a grande maioria dos terapeutas de vidas passadas desconhece que não são apenas lembranças que as pessoas acessam, mas realidades existentes na dimensão astral e que precisam ser tratadas tbm.
Abraço.

Gelson Celistre

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ressonância vibratória - Três casos para estudo

     A ressonância vibratória é um fenômeno muito comum e costuma 'abrir as portas' de nosso passado. Ela ocorre de maneira inconsciente, é uma espécie de acesso à nossa memória de vidas passadas, mas pode provocar efeitos em nossa vida atual e em nosso corpo físico. Vou relatar três casos de ressonância com os quais nos deparamos recentemente, a fim de demonstrar suas possíveis causas e variações. Todos os três casos ocorreram com mulheres, os dois primeiros com membros do meu grupo de apometria e o terceiro com a esposa de um dos membros.

Caso 1 - Dançarina indiana



     No primeiro caso ao abrirmos a frequência de uma das médiuns os demais logo a viram desdobrada como uma dançarina indiana, muito agressiva e brava. Junto dela um homem, tbm com muito ódio dela. Logo em seguida eles sintonizaram com a situação que gerou estes sentimentos entre eles.
     O tal homem era uma espécie de marajá indiano, de muitas posses e possuidor de muitos escravos, dentre esses, nossa médium que naquela existência era uma jovem e bela mulher, e que tbm era uma dançarina. Estava ocorrendo um banquete e ela dançava sobre a grande mesa onde eram servidos iguarias e bebidas aos convidados de seu senhor. Voluptuosa e arrebatada, ela se descuidou durante sua performance sobre a mesa e acidentalmente bateu com o pé numa das taças, que derramou seu conteúdo justamente sobre seu mestre. Este, indignado com o fato, ignorou os pedidos de desculpas de sua escrava e, num átimo, retirando da cintura um punhal, cravou-o no pé da dançarina, que ficou presa à mesa pela força do golpe.
     Ela sentiu tanto uma dor lancinante em decorrência da punhalada que sofrera em seu pé, quanto um ódio profundo pelo seu senhor. Mais rapidamente do que ele tinha lhe cravado o punhal, ela o retirou de seu pé e, de um golpe, degolou seu amo, que morreu ali mesmo jorrando sangue pela garganta aberta.
     Ela foi contida e presa, não tendo sido condenada à morte pq tbm era amante do filho de seu amo, que acabou achando bom o ocorrido, pois era o herdeiro da fortuna e título de seu pai. Entretanto, como uma forma de punição, ele teve que vendê-la. Ela acabou sendo comprada por um homem que, na vida atual tbm é membro do grupo e é seu marido, sendo que sua sogra atual era naquela vida a mulher do homem que ela matou.
     O motivo dela ter atraído para si este antigo companheiro de jornada, ambos com débitos cármicos a ajustar, foi uma ressonância vibratória provocada por um torção que ela teve em seu pé cerca de um mês antes desse atendimento. Como a sensação ao andar depois disso fosse muito parecida com a que ela sofreu depois do golpe do punhal naquela existência, devido a similaridade de sensações e sentimentos provocados pela torção, criou-se a ressonância.
     Aparentemente essa médium no seu dia-a-dia não aparentava nenhuma perturbação maior do que a habitual e parece que essa ressonância serviu apenas para atrair seu antigo senhor, que estava muito alterado e teve que ser adormecido e levado para tratamento. Ela não tinha nenhuma noção durante o atendimento sobre suas ações desdobrada como a dançarina indiana. Normalmente ela tem uma vidência relativa e eventualmente dá passagem a algum ser pela psicofonia.

Caso 2 - Dançarina espanhola

     No segundo caso, a outra médium do grupo se apresentou desdobrada como uma dançarina espanhola, usando um vestido vermelho, e a seus pés no chão estava um homem, um tanto mais velho do que ela, que agonizava vítima de um veneno que ela lhe ministrara. Enquanto esse homem, que era seu 'cliente' (ela era prostituta), agonizava caído no chão, ela colocou o pé sobre seu peito e disse: - Se vc não for meu não será de mais ninguém!
     A razão dessa revolta era de que seu cliente assíduo, e de quem ela já se achava 'dona', lhe comunicou que não iria mais utilizar os 'serviços' dela, provavelmente por tê-la trocado por outra. Essa ressonância não teve nenhuma consequência mais abrangente que pudéssemos observar, a não ser o fato que a gerou: no dia do atendimento a médium teve uma pequena discussão com seu marido, que por 'coincidência' é o mesmo que ela matou naquela vida, e deve ter ficado com raiva dele, com aquela vontade de 'matá-lo'. A ressonância se criou devido aos sentimentos experimentados por ela no momento da discussão.
     É um bom exemplo do motivo pelo qual nos desdobramos e fazemos coisas no astral que, em estado de vigília, juramos que jamais faríamos. Se vc tem desejo de fazer alguma coisa e só não faz por que não pode, se encontrar condições no astral vai fazer.

Caso 3 - A herança

     O terceiro caso ocorreu com a esposa de um dos médiuns e resolvemos verificar o motivo, No início da reunião seu filho apareceu desdobrado no grupo e estava preocupado com a mãe. O médium relatou, entre outras coisas, que ela estava sentindo dores nas pernas. Ao abrirmos a frequência dela os outros médiuns viram uma situação e perguntaram a ele se estavam com alguma situação de 'herança' na família e ele disse que sim.
     O que foi visto é que numa vida passada a esposa desse médium era um filho bastardo de um fazendeiro e, com sua morte, os filhos legítimos temiam que o bastardo exigisse uma parte das terras. Houve um conflito entre um dos filhos 'legítimos' e esse bastardo, sendo que o bastardo levou a pior. Foi alvejado com um tiro de espingarda em uma das pernas na altura do joelho, o mesmo que o médium marido da consulente confirmou depois que era onde ela mais sentia dor.
     A preocupação da esposa do médium com uma questão de herança na vida atual, criou uma ressonância com aquela vida passada e trouxe para junto dela o seu 'meio-irmão' que lhe alvejou, pois o cidadão estava perdido no espaço, sem saber que havia morrido. O espírito estava muito agitado e preocupado com os invasores que queriam tomar suas terras. Não tinha sequer noção de que havia morrido.
     Eu então o fiz lembrar do momento de sua morte, sendo que ele morreu de velhice sentando embaixo de uma árvore e segurando sua espingarda, vigiando suas terras. Ele não acreditou e afirmava que eu era um feiticeiro que estava tentando enganá-lo com visões falsas. Colocamos ele para dormir e o deixamos com nossa equipe espiritual.  O cidadão havia morrido há mais de dois séculos.

     Estes foram três casos simples onde se pode observar causas diferentes para o 'disparo' da ressonância, bem como diferentes consequências. É interessante notar que todos eles envolviam de alguma forma médiuns treinados em apometria, com bastante experiência em atendimentos como esses pelos quais passaram, e que eles não percebiam a situação pela qual passavam ou que pessoas próximas de suas relações passavam, o que demonstra a complexidade da questão dos desdobramentos inconscientes e como é difícil de controlá-los.


Gelson Celistre

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Doenças provocadas por espíritos

Embora nosso grupo não tenha condições de efetuar atendimentos à distância, por falta de tempo, eventualmente devido à gravidade da situação e do merecimento do consulente, acabamos por realizar atendimentos dessa natureza. Muitas coisas que parecem graves para quem está passando pela situação, nós que trabalhamos com isso não entendemos que seja algo grave e que a apometria não é o meio mais indicado para tratar aquela situação. Em algumas situações entretanto, já sentimos que o trabalho é para ser realizado por nós. Este é o caso da consulente que passo a relatar. Vou colocar alguns trechos da msg que ela nos enviou para vcs terem uma noção do tipo de situação e as implicações kármicas envolvidas:

"Desde o dia que tive o desdobramento, sonho que uma mulher vestida de branco enfiou um cano branco e comprido dentro da minha vagina; como havia te contado.... e acordei em gritos que ate a vizinhanhança acordor de madrugada devia ser unhas 02:00 horas da manha... 
Estou urinando escuro e com coisa brilhante uns tipo pingo bolinha e fedendo... A barriga inchada, engordei em dois meses de 80k fui pra 102 kilos...
Estou tomando Rivotril pra dormir... 06 comprimido, e acordo 06:00 horas...
um irmao que me estrupou qd eu tinha 12 anos e me batia muito... minha mae ate chegou a me mandar pra zona...
cada vez que estudo mais e participo do espiritismo... Estou estudando o livro Renúncia pelo espírito Emmanuel...E leio o Evangelho... A prece de Caritas, oro o pai nosso e Ave-Maria..."

A consulente não estava apenas sonhando, uma entidade realmente lhe enfiou um tubo de dimensões consideráveis vagina a dentro, e através dele retirava óvulos dela, que eram utilizados em experiências com fetos. O motivo é justamente o fato da consulente estar frequentando um centro espírita e tentando se melhorar. Até berm pouco tempo ela se desdobrava e ia trabalhar no astral em regiões densas, em locais ligados a orgias sexuais e experimentos com fetos e abortados.
Entretanto, quando começou a frequentar um centro espírita e a ler livros espíritas, seu ânimo em realizar essas atividades em desdobramento diminuiu e por último estava se recusandoa 'trabalhar' nesses locais.
Não conseguindo mais dominar a consulente, a entidade que a 'guiava' em suas incursões umbralinas decidiu se vingar e, já que o órgão dela (a vagina) não mais iria lhe servir, então a entidade queria que ela sofresse de todas as maneiras possíveis. O aumento de peso, o tubo, e outras coisas que não convém nem relatar, foram os meios que esse ser trevoso usou para se vingar.
Neste caso, o atendimento foi feito duplamente à distância, pq além da consulente residir muito distante de nós, em outro estado, eu tbm não estava presente fisicamente. Como uma das médiuns está de licença em casa, encaminhei a msg da consulente para ela e pedi que quando ela fosse realizar o atendimento que me chamasse (mentalmente) que eu me desdobraria e iria até lá; e foi o que aconteceu.
A entidade trevosa que estava hostilizando a consulente tinha a aparência de um ser meio amorfo, com uma enorme boca. Quando iniciou o atendimento a médium me chamou e eu compareci em 'desdobramento supraconsciente', conversei com a tal entidade e, como esta fosse rebelde e não quiz parar com seus atos, apaguei a mente dela e ela foi levada por nossa equipe espiritual. Tbm conversei com a consulente e lhe dei algumas orientações. Tbm demos uma geral na casa da consulente estava cheia de espíritos de baixa vibração e de energias deletérias.
Este é um caso onde os espíritos conseguem provocar doenças no corpo físico, devido ao compromentimento cármico da pessoa encarnada, que possui partes do corpo vulneráveis a determinadas energias, em função de atos cometidos em vidas passadas e mau uso do próprio corpo.
A médium recebeu uma orientação para ser repassada à consulente, para que ela durma com uma roupa branca durante sete noites, e que nesse período deixe um copo com água ao lado da cama, coberto com um pano branco, e que ela deve beber essa água ao acordar de manhã.
Antes de dormir deve fazer uma prece sincera agradeçendo a Deus e nesse período de sete dias tbm deve evitar discussões e conversas sobre assuntos menos nobres, para tentar manter o padrão energético não muito baixo. É importante tbm que exercite o perdão sincero e que procure olhar somente as coisas boas em sua vida. Deve continuar com as leituras do Evangelho e tbm tomar passes no centro espirita.
A consulente deve perseverar em sua reforma íntima pois é um espírito, assim como todos nós, bastante endividado perante as leis cósmicas, mas o fato de estar sofrendo essas vicissitudes é uma evidência de que está no caminho certo e que já melhorou bastante.
Abraço.

Gelson Celistre.

O velho xamã

Em determinado momento da reunião os médiuns viram que ao nosso redor havia um círculo de fogo e na frente de cada um uma estrela desenhada no chão, um pouco mais distante um outro círculo nos rodeava, mas este era formado por vários espíritos sentados no chão entoando cânticos. Ao nosso redor um velho xamã dançava enquanto proferia ladainhas e sinais cabalísticos.


Provavelmente muitos grupos se seus médiuns, através da vidência, percebessem essa movimentação no astral ao redor deles, pensariam que o velho xamã é um espírito 'guia' ou 'mentor', que estaria ali para protegê-los e orientá-los. Entretanto, como já estamos acostumados com esse tipo de estratagema, não nos iludimos com essas demonstrações exóticas. Promovemos logo a incorporação do velho xamã e o interrogamos à cerca de suas mandingas, antes é claro apagamos o fogo, destruímos as estrelas desenhadas e prendemos o séquito de espíritos que entoava os cânticos.

A grande maioria desses seres se perde por conta da arrogância. Se imaginam possuidores de grandes poderes e crêem que vão nos amedrontrar com rituais exóticos, formas monstruosas, etc. Um fato interessante é que apesar de o ambiente astralino ser um só ele abriga inúmeras frequências diferentes e muitos seres, embora estejam em faixas vibratórias baixas, parecem não se inter-comunicar ou não saber o que se passa em outras frequências.

O xamã quando questionado se tinha algo de pessoal contra nós ou se sua relação conosco era apenas 'profissional', afirmou que se tratava das duas coisas. Inicialmente ele disse que fora designado para trabalhar conosco e que nós não estávamos permitindo, mas no fundo ele foi enviado para perturbar, como sempre, mas enquanto eu conversava com ele os médiuns já iam invadindo os locais onde este ser habitava e efetuando resgates de seres aprisionados.

Eu já ia despachá-lo quando a médium que estava dando passagem sentiu que tinha mais alguma coisa a ser descoberta e então eu o interroguei mais um pouco, um outro médium percebeu uma mulher encarnada, desdobrada, perto do velho xamã e a coisa foi sendo mostrada ao médium. Numa vida passada bastante antiga essa mulher, que se encontrava ali em desdobramento inconsciente, teve dois filhos, gêmeos, e um feiticeiro disse que era preciso separá-los pois juntos seriam muito fortes.

Provavelmente essa mulher e seu marido detinham algum cargo de poder e o vaticínio de que eles seriam 'muito fortes' juntos deve ter tido uma entonação de ameaça à posição dos pais. Pelo jeito o tal feiticeiro tinha muita influência, pelo menos junto ao pai das crianças, pois seu conselho foi seguido à risca e os gêmeos foram separados ao nascer e criados em países diferentes. Um na região da Arábia e outro na Índia. A mãe das crianças não gostou nada disso e até os dias atuais carrega um ódio muito forte pelo tal feiticeiro que lhe separou de um dos seus filhos.

O velho xamã era um dos gêmeos, o que foi criado por ela, e atualmente, nesta vida, o outro gêmeo é filho desta mulher. O feiticeiro que os separou era eu naquela existência, daí o fato do xamã ter dito que sua ação contra nós era tanto profissional como pessoal. O meio dele se infiltrar foi pq na vida atual a mãe dos gêmeos é uma médium que já pertenceu ao nosso grupo de apometria. O velho xamã teve sua mente apagada e foi levado pela nossa equipe espiritual. Quanto à mulher desdobrada, que estava com muito ódio, tbm apagamos de sua mente a lembrança daquela vida passada e a enviamos de volta ao seu corpo físico.
Abraço.

Gelson Celistre.

Mestres ascensionados, ET's cósmicos, cabala, raios e afins

Recentemente já havíamos nos deparado com um grupo dos "falsos profetas" do final dos tempos (vide http://apometriauniversalista.blogspot.com/2010/09/iniciacao-quantica.html ) e o local onde eu ministrei o curso de apometria, em Fortaleza-CE, tbm é utilizado por outras pessoas para ministrar cursos espiritualistas. Durante o curso e nos atendimentos que fizemos algumas pessoas encarnadas que já ministraram cursos naquele local se manifestaram em desdobramento inconsciente nos ameaçando e atacando, alegando que o local era deles e coisas do tipo.
Em nossa última reunião resolvemos fazer mais uma 'faxina', uma higienização astral, retirando de circulação mais uma organização trevosa ligada aos ministrantes de cursos espiritualistas e esotéricos. Desta vez foi a turma da linha 'cósmica' que sofreu intervenção. Eles já estavam em observação e só não foi desmantelada sua rede antes por falta de tempo.
A imagem de Saint Germain, associada à "chama violeta"
é uma das mais utilizadas por entidades trevosas para enganar e mistificar.
O ser que se passava por ET (extra-terrestre) se apresenta ao gosto do freguês, ora ele é um ET, ora ele é um 'mestre de luz", ou mestre ascensionado, mestre de alguma chama colorida ou do raio que o parta, etc. A organização desse ser era imensa, com vários departamentos 'esotéricos' especializados nos vários ramos das terapias da moda, como apometria cósmica, ho'ponopo, etc., onde afirmam realizar coisas como resolver problemas da vida atual e de vidas passadas, curar doenças e traumas, fobias, reconstruir corpos energéticos e angelicais, reprogramar código genético multidimensional, religação com linhagem estelar, renegociar o karma, etc., enfim, coisas absurdas.
Ligados a esse ser havia mais de seis milhões de encarnados, os quais desconectamos dessa rede de vampirização 'cósmica'.
Nos informaram que os encarnados 'representantes' desse ser aqui na Terra irão passar por alguns momentos de dúvida quanto aos próprios 'ensinamentos' que ministram, mas que o apelo material vai ser mais forte, pois o 'lucro' que advém desses cursos e atendimentos é muito tentador para eles, que vivem disso.
Os encarnados que estavam ligados a essa organização trevosa vão ter tbm um tempo para abrir os olhos, mas provavelmente continuarão a procurar o caminho mais fácil, que prescinde da reforma íntima, e se pauta pelas 'transformações' miraculosas com o auxílio de ET's, mestres ascensionados, etc., onde o único esforço do encarnado é assinar um cheque, visualizar uma chama, recitar algum mantra, oração ou "decreto".
Abraço.

Gelson Celistre.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Atendimento coletivo

Durante o curso de apometria que ministrei em Fortaleza-CE no mês passado, na parte prática, foram tratados alguns dos participantes. Eram mais de 40 pessoas e não daria para atender a todos, e tbm pq a finalidade da prática era demonstrar as técnicas e não propriamente realizar atendimentos individuais.
Entretanto, no final do curso um dos participantes perguntou se aqueles que participaram do curso, mesmo não tendo seu caso sido exposto e tratado publicamente no curso, foram atendidos tbm. Eu lhe disse que sim, que a equipe espiritual que nos acompanha realiza um desdobramento coletivo e trata os participantes, inclusive retirando obsessores. Na hora inclusive pedi aos participantes que eram médiuns videntes que verificassem o que eu havia dito e eles viram uma enorme movimentação no astral e as pessoas sendo atendidas.
Esta semana recebi um e-mail de uma pessoa que participou do curso perguntando sobre isso, eu lhe respondi e ela me retornou o e-mail com um depoimento que achei interessante colocar para todos, com a permissão dela é claro. Segue abaixo os e-mails que trocamos:
____________________________________________________________
De: Cristina 
Para: gelsoncelistre@yahoo.com.br
Enviadas: Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010 17:32:28
Assunto: curso de Fortaleza

Olá Gelson,

Gostaria de saber se houve atendimento para os participantes do curso de apometria de Fortaleza, mesmo para os que estiveram presentes em corpo físico, somente no período da manhã.

Obrigada e muita luz!
Cristina


____________________________________________________________
Date: Thu, 7 Oct 2010 18:11:11 -0700
From: gelsoncelistre@yahoo.com.br
Subject: Res: curso de Fortaleza
To: Cristina

Oi Cristina,
Durante o curso houve um desdobramento coletivo de todos os presentes e todos foram atendidos e tratados, inclusive com a retirada de obsessores e espíritos sofredores e/ou familiares que necessitavam de ajuda.
Abraço.
 
GELSON CELISTRE
(51) 9394-6023

 ___________________________________________________________

De: Cristina
Para: gelsoncelistre@yahoo.com.br
Enviadas: Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010 11:27:38
Assunto: RE: Res: curso de Fortaleza

Olá Gelson,

Obrigada por sua atenção!
Gostaria de compartilhar um pequeno relato.

Na verdade, eu só queria confirmar algo que intuitivamente, já sabia...sou médiun psicofônica e tenho uma certa sensibilidade com relação aos ambientes que frequento, e, quando durmo (talvez seja um desdobramento querendo se tornar consciente, pois não tenho vidência, nem sou lúcida na maioria daas vezes).

Pois bem , já na noite que antecedeu o curso, vi uma presença masculina em meu quarto, pensei por um momento que fosse você, porque fui dormir pensando no curso e estava um pouco ansiosa. Também estava presente uma outra entidade não tão boa assim.. 

No sábado eu não consegui voltar ao curso após o almoço, pois me senti muito mal durante o primeiro período, mesmo estando a todo momento orando, piorei em alguns momentos , necessitando até de me retirar da sala...sendo assim, quando estava em casa, mais ou menos , lá pelas 15h comecei a me sentir fraca e com vontade de me deitar.

Eu não costumo dormir de dia, nem meus filhos pequenos, no entanto todos dormimos, e tive sensações e visualizações de um homem em meu quarto tentando me "doutrinar " e eu estava muito resistente, quando ouvi uma voz dizendo ao suposto doutrinador: Ela é minha!! Não vou deixá-la...ela é minha...!!
Neste momento, me vi de pé e ao mesmo tempo rolando numa briga com este suposto obsessor e alguém rindo...Neste momento elevei meu pensamento sem medo (pois costumo ter quando esta sensação ocorre): Senhor, tenha misericórdia de nós, pois somos sofredores!!... Aos poucos fui despertando como se fosse um sonho porém, percebi que não era porque ao abrir os olhos, estava alguns centimetros fora do corpo e fui me encaixando devagar...já desperta  tive a
certeza que não tinha sido sonho.

Meu marido que também foi ao curso e que também passou mal, foi no período da tarde pra outro curso de facilitadores em outra casa espírita da qual frequentamos e, mais ou menos no mesmo horário , sentiu uma forte sonolência, que fez com que ele perdesse alguns minutos de palestra...

Em resumo, desde este dia, não sinto mais a presença daquela entidade, que eu sabia desde há muito estava ao meu lado.

Sei que vibramos em sintonia com amigos e/ou inimigos, quer sejam encarnados ou não, e que temos exatamente aquilo que necessitamos para o nosso crescimento espiritual.
Desde quando percebi a presença deste irmão, comecei a principio com dificudade, porém com o tempo, fui me envolvendo num sentimento fraterno até chegar ao ponto de orar fervorosamente por seu socorro. Acho que fui atendida. E com ajuda de vocês.

Agradeço a Deus acima de tudo e a vocês! Fico grata e desejo que Jesus Cristo o abençoe e ilumine seus caminhos te acompanhando sempre onde fores.
Que tenhas sempre a companhia de amigos benfeitores te auxiliando e amparando neste processo evolutivo.
Muita Luz!
Cristina

 ________________________________________________

Os cursos em Fortaleza - CE tem tido um quórum sempre acima de 40 pessoas. É muita gente, muita energia, e em todos os cursos e atendimentos ocorre, além dos atendimentos dos participantes, grandes resgates coletivos de entidades sofredoras na dimensão astral e tbm o desmanche de bases de entidades trevosas, laboratórios, etc.
Agradecemos a participação de todos os amigos de Fortaleza em nosso curso de apometria e esperamos que façam um bom proveito dos ensinamentos que nos esforçamos por transmitir com clareza e objetividade.
Abraço.

Gelson Celistre.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Desdobramento supraconsciente

Há algum tempo tenho notado que eventualmente ocorrem desdobramentos dos quais eu tenho consciência de que estão ocorrendo, mas dos quais não sei o que estou fazendo e nem onde estou. Por diversas vezes já ocorreu isso nas reuniões do meu grupo de apometria e tbm em atendimentos individuais de TVP, quando eu me desdobro e me projeto na frequência onde está o consulente, a fim de resolver alguma situação.
A grosso modo tenho relatado esses acontecimentos como 'desdobramento inconsciente' mas creio que eles se diferem do "inconsciente" propriamente dito pelo grau de consciência em que me encontro no estado de desdobramento, bem como pelo conhecimento de fatos que denotam uma abrangência maior da razão.
Eu diria que enquanto no desdobramento iconsciente que costumamos observar, onde a pessoa no ambiente no qual se encontra desdobrada, tem pouca ou nenhuma noção de que ela tem um corpo físico e tbm que já teve outras existências, nesse tipo de desdobramento, que vou chamar de "supraconsciente", o espírito tem uma capacidade de ação e conhecimento de fatos muito acima da média, como se a mente atuasse num nível mais elevado.
Estes meus apontamentos ainda estão em fase embrionária e creio que esse tipo de desdobramento ainda precise ser bem mais estudado, mas como tenho observado e recentemente ocorreu um outro evento desta natureza, achei por bem relatar. O que ocorreu e me levou a escrever foi o seguinte:
Em nossa última reunião, após termos atendido os consulentes agendados e termos nos defrontado com alguns seres trevosos que estão tentando me impedir de ministrar os cursos de apometria, eu senti que estava desdobrado em algum local e que era preciso fazer alguma coisa. Pedi então para os médiuns sintonizarem comigo e observarem o que eu iria fazer.
Eles me viram no alto de uma grande torre de pedra, observando uma vasta cidade umbralina. O que eu senti era como eu os estivesse esperando para mostrar alguma coisa. Desse local, depois que eles chegaram lá, eu os transportei para um grande salão, num prédio que ficava localizado nessa cidade, com o teto abobadado, onde haviam muitas pessoas. À medida que eu ia caminhando eles se afastavam para abrir espaço e me deixar passar. Alguns proferiam impropérios e demonstravam hostilidade mas eu nem ligava para isso.
Caminhei em direção à lateral daquele salão e, jogada no chão como uma dementada, estava desdobrada ali uma ex-médium do meu grupo de apometria. Quando ela foi localizada uma das entidades disse com arrogância: - Agora que já pegou o que queria pode ir embora!
Entretanto, dirigi-me a outra sala onde haviam várias estantes com livros, tubos com experimentos, objetos, etc. Os médiuns desdobrados me acompanhavam e relatavam o que eu estava fazendo. Quando entrei nesta sala o médium viu eu destruir uma das estantes e queimar tudo que se encontrava nela. Ele viu tbm que havia uma plaqueta com meu nome nesta estante e imaginou que fossem objetos de magia meus que por algum motivo tinham ficado ali de oturas épocas, mas logo que ele pensou isso, ele relatou que eu fiz um sinal a ele para que observasse as outras estantes e ele viu que em cada uma havia uma plaqueta com o nome de cada um dos membros do nosso grupo de apometria.
Após ter-lhe mostrado isso eu destruí todas essas prateleiras e, estando os escombros reunidos no centro da sala, elas foram queimadas. Depois disso eu fiz um gesto para eles, os médiuns ali desdobrados, apontando para cima, e ele viu que sobre nós descia um raio de luz que vinha do alto, e nesse momento todos subimos por este tipo de raio ou túnel de luz, caregando a ex-médium, e retornamos ao nossos corpos físicos. a ex-medium do grupo que resgatamos foi levada para o hospital no astral pois necessitva de tratamento. Nesse tipo de desdobramento supraconsciente o espírito parece ter um conhecimento acima do comum, como se tivesse acesso a informações de uma esfera superior.
Creio que o principal diferencial desse tipo de desdobramento para o inconsciente é que o espírito parece não estar ligado a alguma vida passada específica ou alguma personalidade em particular que ele já viveu, mas parece ter consciência de que ele é mais do que aquilo que já viveu em determinadas existências ou períodos. Seriam esses momentos estados onde nosso 'eu superior' assume o controle de seu veículo de manifestação agindo com um conhecimento de causa acima daquele que nos motiva quando estamos aqui retidos no ciclo carnal? Talvez, espero no futuro ter mais elementos para construir um saber relacionado a esse fenômeno, o desdobramento supraconsciente.
Abraço.

Gelson Celistre.

Mediunidade aflorando

A consulente nos procurou por estar vendo um 'homem' perto dela há algum tempo, afirmou tbm que andou frequentando um centro espírita mas que chegando lá acabava adormecendo, não conseguindo manter os olhos abertos.
Pelo relatado já se percebe que a consulente possui mediunidade aflorando e que se não procurar desenvolver essa faculdade trabalhando caritativamente em prol dos espíritos sofredores, regularmente, não vai ter seus problemas solucionados.
Inicialmente os médiuns viram uma criança agarrada às pernas dela, uma menina aparentando uns 8 anos de idade. Perguntei à consulente se ela já havia feito algum aborto e ela respondeu que sim, pedi ao médim para constatar se era  esse o espírito, o que ele confirmou, e então o encaminhamos para nossa equipe espiritual.
Tbm havia um espírito obsessor, o tal homem que ela via, e que em vida passada fora seu marido. Como fosse ela uma mulher muito bonita naquela existência, e ele muito ciumento, após se casarem ele passou a trancá-la em casa e a não permitir que saísse ou outras pessoas a visitassem. Ela acabou se matando naquela vida e ele, em virtude da culpa e desespero, acabou enlouquecendo e morreu assim, totalmente perturbado.
Conversamos com ele, que afirmou que a prendia para que ela não fosse para determinado local, pois sempre que ela sai do corpo vai pra lá. Encaminhamos ele para nossa equipe. O tal local para onde ela ia era uma boate, que ainda existe numa região do astral associada à alguma localidade na Europa, onde a consulente 'trabalha' no ramo do entretenimento masculino.
Um fato interessante é que a consulente afirmou que o atual marido dela tbm agia de modo parecido a esse obsessor, querendo que ela fique apenas em casa, etc. Descobrimos que a tal boate para onde a consulente se desdobra, tbm é frequentada pelo seu marido atual, só que ele não se relaciona com ela lá, apenas observa ela 'servir' os outros frequentadores do local.
Isto está ocorrendo pq ambos já se conheciam de uma vida passada da consulente, provavelmente a anterior à atual, onde ela era uma prostituta que trabalhava nessa boate e ele era um cliente apaixonado por ela. Só que ele não tinha recursos para pagar os serviços da consulente e tbm ela não queria abandonar sua vida devassa.
Em determinada ocasião esse cliente apaixonado (o atual marido), louco de paixão, invadiu um dos quartos da boate onde sua amada estava exercendo seu ofício a fim de se declarar e, para sua surpresa e desgosto, a encontrou na cama com seu próprio pai, que era cliente dela.
Ele ficou muito perturbado e acabou se matando. Naquela vida ele era órfão de mãe e fora praticamente criado pela irmã mais velha, que o amava muito. Atualmente aquele espírito que fora sua irmã é sua filha.
A consulente tbm tem um filho adolescente de um casamento anterior e que fora seu namorado em outra existência, sendo que o guri estava se desdobrando com essa personalidade adulta daquela vida passada e sentindo ciúmes da mãe, passando a tratá-la mal no dia-a-dia em virtude desse sentimento. Apagamos sua memória relativamente àquela existência para ver se melhoram suas relações.
Tbm havia junto da consulente uma 'pomba-gira', uma cigana que em outra existência forma irmã dela. Naquela vida elas formavam uma dupla de golpistas. Enquanto uma distraía o cliente com seus favores sexuais, a outra lhe subraía os pertences de valor. Em várias dessas oportunidades os clientes acabavam percebendo o roubo e nessas ocasiões elas os matavam. Havia vários espíritos vítimas dessa dupla que foram socorridos nessa frequência, além da própria cigana.
Durante a consulta, no momento em que a cigana apareceu, a consulente se tremia toda, com se estivesse num local muito frio. Inlcusive aproximei a cigana dela para ver se ela incorporava mas ela apenas se tremia mais, entretanto, as reações da consulente indicam que ela tem mediunidade de incorporação e que se iniciar seu desenvolvimento em breve vai estar "dando passagem".
Havia ainda com a consulente uma bruxa colega dela de outros tempos e outra situação onde ela ia para um bordel no astral, onde a vibração era muito baixa e onde havia muitos seres que foram resgatados e o local destruído.
É interessante notar as ligações da vida atual desse grupo de espíritos que se reencontra novamente e os sentimentos que permeiam suas relações, praticamente os mesmos da vida anterior, e observar como somos atraídos para os seres com os quais tivemos relações mais fortes e recentes, dentro do contexto reencarnatório.
Abraço.

Gelson Celistre.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O coronel

     Há algumas décadas atrás o coronelismo era uma prática comum em nosso país e até os dias atuais ainda existem locais onde não é rara a figura do 'coronel', uma pessoa poderosa e que se coloca acima da Lei, geralmente cometendo atrocidades e arbitrariedades que ficam impunes.


     O consulente que nos procurou está se tratando com medicamentos para depressão, sua mãe cometeu suicidio há cerca de dois anos e seu pai havia morrido não muito tempo antes dela. Escuta vozes que lhe dizem coisas desagradáveis e possui inúmeras fobias.
Inicialmente foi visto uma espécie de caixa de som ao redor da cabeça dele, que ficava repetindo coisas o tempo todo, com a finalidade de perturbá-lo, que foi retirada. Vários seres na casa e muita energia negativa condensada, onde efetuamos uma limpeza e recolhemos os seres.
     Alguns obsessores 'mandados' foram identificados e afastados mas conseguimos através deles chegar ao mandante, o 'coronel'. Na vida anterior a essa, o consulente, juntamente com seus irmãos e a mãe, tramaram contra a vida do próprio pai, um coronel da região nordestina, um homem bruto de seu tempo, rude e, segundo eles, muito cruel. Mas tbm muito rico e isso deve ter pesado muito na decisão deles.
     O fato é que o envenenaram e lhe atearam fogo ao corpo. Não soubemos se por imprudência ou crueldade, fizeram isso enquanto ele ainda estava vivo. O coronel entáo, envenenado, ardeu em chamas até a morte. Não deve ter demorado muito para ele morrer mas foi o tempo suficiente para ele criar um ódio mortal por seus filhos e a mulher.
     Quando desencarnou o coronel caiu direto para regiões densas do umbral e como fosse mesmo um homem mau, se tornou poderoso por lá. E eis que ele encontra reencarnados todos os seus familiares, e ainda numa mesma família. A mulher mãe dos mesmos filhos, só que agora um deles era o marido. O coronel então desencadeou todo seu ódio sobre eles, tendo conseguido a morte de dois deles e tentando que o resto morresse tbm.
     Localizamos a mãe suicida do consulente sofrendo uma espécie de tortura, onde tbm um tipo de caixa de som ficava o tempo todo lhe dizendo coisas e ela ficava muito perturbada, náo conseguindo raciocinar direito. Nós a recolhemos e encaminhamos para o nosso hospital. O coronel estava com muito ódio e nem tentamos doutriná-lo, apagamos sua memória e o encaminhamos ao hospital tbm.
     Junto do consulente tbm havia uma bruxa, que em uma outra vida passada fizera um acordo com o consulente, que queria ficar muito rico, e para isso sacrificou toda sua família, a mulher e os filhos, e depois náo cumpriu sua parte com a tal bruxa. Esta tinha um laboratório onde havia muitos ovóides armazenados, que ela usava para diversas finalidades malignas, recolhemos todos juntamente com ela, que tbm teve a mente apagada.
     Vimos tbm que o consulente se desdobra e vai para sua antiga cidade se drogar, pois na vida passada, depois de matar o pai, vivia fazendo festas onde bancava para todos os convidados bebidas e drogas, tendo morrido de overdose. O local ainda existia no astral e ele o visitava com frequência. Recolhemos todos que la estavam e destruimos o sítio. Tbm vimos situações de magia negra que teriam feito contra a familia mas resolvemos sem maiores incidentes, o grande criador de caso era mesmo o coronel, que foi resgatado.


Gelson Celistre.

sábado, 2 de outubro de 2010

O capataz

     A filha de uma das médiuns do grupo estava vendo em sua casa um espírito, um homem vestido de roupa preta, com uma capa. A própria médium mãe da menina tbm viu este ser. Fui até a casa dela para realizarmos uma sessão, haja vista que ela se encontrava impossibilitada de sair por conta de um acidente doméstico, a fim de 'encaminharmos' o tal ser.


     Pela descrição imaginei que fosse algum ser trevoso, um mago ou 'exu' desses de terreira de macumba, mas conversando com o cidadão incorporado na médium percebi que ele não sabia nem que havia morrido. Ele cuidava daquelas terras, onde hoje a médium reside, e estava muito preocupado com os 'italianos' imigrantes, uns gringos que iriam chegar e sobre os quais seu patrão já lhe havia alertado.
     O patrão do capataz temia que esses imigrantes invadissem suas terras e cobrava muita atenção de seu empregado. Próximo dali, na dimensão astral ainda havia um grupo de negros escravos que pertenciam ao fazendeiro. 
     Nossa cidade, São Leopoldo (RS), fica no vale do Rio dos Sinos e foi fundada em 1824 por imigrantes alemães. Os italianos se estabaleceram a cerca de 100 km ao norte, na região da serra gaúcha, mas só chegaram algumas décadas depois. Este espírito se encontrava perdido no espaço há quase duzentos anos, sem ter a menor noção de ter morrido.
     Perguntei a ele se não notara que havia muito mais casas agora no local e ele disse que percebeu, mas que achou que eram as casas dos empregados da fazenda. Como o espírito fica num estado meio que de torpor, ele confundia-se entre a dimensão astral e a física. É provável que quando morreu tenha se localizado numa região do astral ligada vibratoriamente a essa localidade fisica e que, com o passar dos anos, como fosse sofrendo atração da massa planetária (rebaixamento vibratório) foi ficando cada vez mais próximo da crosta, embaralhando-se para ele as duas dimensões.
     Mas enfim, conversando fiz ele lembrar de como tinha morrido, pois ele nem sabia estar 'morto', e ele viu que foi seu próprio patrão quem o matou com um tiro nas costas por achar que ele não estava cuidando direito das terras. Este ser foi resgatado sem maiores problemas, assim como uma senzala próxima, onde vários escravos negros ainda viviam, em iguais condições sem saber que estavam desencarnados.



Gelson Celistre.

Situação financeira instável

     O consulente nos procurou alegando que estava com dificuldades para arranjar emprego e estágio, que apesar de estar enviando vários currículos não está sendo chamado nem para entrevistas. Diz que  sua vida financeira não 'deslancha', e que quando parece que vai melhorar piora. Normalmente se alguém me solicita um atendimento espiritual alegando este tipo de coisa eu não atendo, entretanto, algumas vezes nos dignamos a atender alguém a pedido de outra pessoa, por esta que nos solicitou ter merecimento, mesmo sabendo que os resultados para o consulente serão mínimos.


     A cada um é dado segundo as suas obras, então, se a pessoa não está recebendo algo da vida é pq não mereceu ainda isto que ela quer. As causas? As más ações pretéritas, isto quando a causa não é o desleixo na vida atual mesmo. Como resolver isso? Com nosso próprio esforço e empenho. Muitas pessoas não fazem nada para melhorar sua capacidade de empregabilidade, não fazem cursos profissionalizantes ou de atualização, não buscam uma qualificação, não aceitam determinado tipo de trabalho pq está 'abaixo' do seu 'nível', e querem que 'apareçam' para elas ótimos empregos com salários vultuosos.
     Bem,  o que apareceu sobre as causas dos infortúnios financeiros do consulente foi o seguinte: primeiramente um espírito feminino, em péssimo estado de saúde, que estava junto dele. Este espírito estava tão mal que fica difícil qualificá-lo como obsessor, devido ao seu alto grau de sofrimento.
Em vida passada o consulente trabalhava numa loja e desviava material e dinheiro sem que o proprietário tivesse conhecimento. Uma colega que trabalhava com ele descobriu e ele, para se livrar de uma acusação, a seduziu, dizendo que a amava e que fazia aquilo para ter um condição melhor e poder desposá-la. Entretanto, ela percebeu que ele estava cada vez mais audacioso em seus furtos e ameaçou contar ao dono da loja caso ele não parasse.
     O consulente então se cansou da situação e resolveu dar um fim no 'romance'. Cortou a língua da moça e depois a degolou. Este infeliz espírito estava tão perturbado sintonizado nessa cena que quando incorporou mal conseguia respirar. Ainda junto dele estavam o dono da tal loja e sua mulher, com muito ódio dele por tê-lo roubado (posteriormente ele descobriu). Conversamos com eles e os convencemos a deixar de lado a vingança.
     Além desses espíritos tbm havia uma mulher, tbm muito revoltada com o consulente, pq em outra vida ela e o marido, já idosos, confiaram a ele a administração de suas propriedades, tendo ele os roubado e deixado sem nada, na miséria. Este espírito tinha muito ódio tbm e afirmava que ele nunca teria nada na vida, pq não merecia nada. Tbm foi convencida a mudar seus objetivos e procurar algo mais produtivo para si mesmo. Vimos que o consulente se desdobra e sai em busca de ouro, de algum tesouro que escondeu de uma dessas vidas, e que nunca encontra, gerando um sentimento de frustração, pois ainda é uma pessoa muito materialista.
     Como sempre, o maior beneficiado é o espírito desencarnado e que ainda vive em sofrimento. Mesmo aqueles que estão obsidiando passionalmente, como esses que acompanhavam o consulente, lhe cobrando aquilo que ele lhes tirou, são sofredores, espíritos vítimas de suas próprias fraquezas e ignorância. Para estes a mudança é muito grande pois saem dum estado de monoideísmo destrutivo para uma situação onde receberão auxílio e orientação para prosseguir sua jornada evolutiva.
   O consulente? Dificilmente vai se modificar e talvez até use como desculpa para seus problemas o 'karma' que está 'resgatando', alegando que 'não adianta' fazer nada por conta desse karma.



Gelson Celistre.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Ex-médium de terreiro

A consulente é uma ex-médium de terreiro, tendo abandonado as práticas há algum tempo segundo ela. O local que ela frequentava é um dos muitos aqui no RS onde os dirigentes afirmam que trabalham com as 'duas linhas', num dia da semana seria a 'umbanda branca' e em outro seria o 'culto de nação', como se fosse possível trabalhar para Deus e para o Diabo ao mesmo tempo. 
Logo se manifestou uma entidade que se apresentou com uma roupagem de preto-velho, falando mansamente, dizendo que fora escravo na última encarnação, etc. O médium identificou que ele estava mentindo e, desmascarado, revelou todo seu ódio pela consulente. 
Em vida passada este espírito era um fazendeiro que contraiu um empréstimo com a consulente, que na época era homem. Como a consulente estivesse interessada nas terras do tal espírito, providenciou para que sua plantação fosse incendiada e assim ele não teria dinheiro para lhe pagar, e este tomaria as terras como pagamento pelo empréstimo. E de fato foi o que sucedeu. 
Arruinado, teve suas terras tomadas pela consulente e passou a viver como 'agregado', trabalhando para outros fazendeiros, virou 'peão'. Morreu odiando a consulente e na atual existência a encontrou no tal terreiro que ela frequentava. Mostramos a ele que em vida anterior ele fazia coisa semelhante, explorava a mão-de-obra e fazia as pessoas trabalharem em excesso. Trouxemos os familiares dele daquela vida e ele foi com eles.
Tbm havia junto da consulente uma bruxa, que lhe cobrava o preço por um acordo feito em outra vida, quando a consulente vendeu sua alma por riquezas. Ela insistia em querer seu 'pagamento' e quando lhe perguntei o que ela faria com a alma da consuelnte a médium captou seu pensamento, que foi o seguinte: "- Lá embaixo vale muito..." A intenção dela seria trocar a 'alma' da consulente por algum favor em regiões trevosas. Ligado a essa bruxa havia muitos ovóides, alguns em nichos nas paredes e outros enterrados no solo de uma caverna em que ela habitava. Foram todos resgatados e ela teve sua mente apagada.
Ainda encontramos acompanhando a consulente uma cigana, que a princípio se fez passar por amiga de farra mas logo descobri que eram inimigas pois fiz a cigana lembrar da última encarnação delas juntas. Eram ambas ciganas e a consulente 'roubou' um cliente 'antigo' da cigana (eram prostitutas), brigaram a a consulente levou a melhor, apunhalando a outra, que veio a falecer.
Fiz ela ver uma vida anterior onde ela era mãe da consulente e, tendo ficado viuva, negociou a filha para um homem bem mais velho, para não ter que trabalhar para se manter. Na ocasião sua filha tinha 16 anos e ela a 'vendeu' a um homem de 52 anos. No fim aceitou ir com nossa equipe e começar uma nova vida.
A entidade que a consulente recebia no tal terreiro era uma cigana e, conforme nos revelaram os espíritos que tratamos, vários seres se faziam passar pela mesma cigana, incorporando nela unicamente pra lhe sugar as energias e para lhe fazer de tola.
Este tipo de situação é bastante comum. As pessoas pensam que deixando de frequentar esses locais irão se desligar deles, mas é uma ilusão ingênua. Uma vez ligadas a essas entidades de baixa evolução, o vínculo não  se rompe. É preciso para tanto que a pessoa consiga elevar muito sua própria vibração, com atos e não só com palavras, e isso raramente ocorre.
Abraço.

Gelson Celistre.