segunda-feira, 19 de abril de 2010

Filhos de médiuns

Uma vez por mês reservamos uma das reuniões para atendimento interno, dos membros do grupo, e nessa, como um dos médiuns nos trouxe um problema relativo a seu filho, resolvemos verificar os filhos dos outros médiuns tbm. Os médiuns do nosso grupo têm filhos com idades que variam de 7 a 12 anos. Vamos ver as situações que surgiram com as crianças.
Menino com 9 anos de idade, ficou muito revoltado na páscoa pq, como castigo por alguma desobediência, os pais disseram que ele não iria receber os ovos naquele dia, se trancou no quarto muito irado esbravejando e dizendo que ia se matar.
Aberta a frequência foi visto uma cena de uma vida passada, na época do 'faroeste' norte-americano, onde dois homens lutavam, sendo que um deles acertou o outro com uma pedra na cabeça e o matou. Este que matou o outro era o menino e o que morreu o estava obsidiando atualmente, observava com deboche e dizendo coisas do tipo: "Ele não era tão valente? Agora ta falando em se matar?"
Conversando com o obsessor, que alegava sempre ter sido ‘bandido’, inclusive na ultima existência terrena, prometi a ele que poderia estudar e se preparar para ser um ‘doutor’ na próxima vida (ele comentou admirado sobre os membros da nossa equipe espiritual todos vestidos de roupa branca, estilo ‘doutor’, e percebi um desejo intimo nele de vir a ser algo mais que um meliante), ele achava que isso era ‘pra quem tinha muito dinheiro’ e que ele ‘nunca’ teve essa oportunidade, mas afirmei que com muito estudo e dedicação verdadeira ele conseguiria. Ele estava tão ‘ligado’ na vida de crimes que se imaginou tratando dos amigos marginais que fossem baleados quando eu lhe disse que imaginasse quantas pessoas ele poderia ajudar, mas o médium captou esse pensamento dele e me informou, ao que eu lhe disse que não deveria pensar tão ‘estreitamente’ mas sim em ajudar a todos que necessitassem e que procurasse esquecer as ações criminosas. Ele aceitou nossas sugestões pois era mais ignorante do que mau propriamente dito.

Uma menina (12 anos) que tem muitos problemas alérgicos na pele. Acessada vida onde ainda criança morreu queimada num caldeirão de óleo fervente, sua mãe viúva era dona de uma padaria e um dos empregados queria casar com ela, ele (o espírito estava presente) dizia que ela 'só tinha olhos para a filha' e que não reparava nele por isso, um dia quando ela saiu pra fazer entregas ele jogou a menina num caldeirão com óleo fervente e disse que foi um acidente. Buscamos a causa desse retorno cármico e encontramos a menina numa vida anterior como sacerdotisa numa tribo que sacrificava mulheres jovens para o ‘deus’ de um vulcão. Interessada num rapaz que eesetava comprometido a casar com outra jovem, ela mandou sacrificar esta jovem com a intenção de ficar com o rapaz, mas ele a amava tanto que se atirou junto com ela no vulcão. Aquela moça que ela sacrificou por interesses pessoais é hoje sua mãe. Resgate coletivo das vítimas que ainda estavam ligadas àquele evento.
Devido a acreditarem que era sua 'obrigação' serem sacrificadas ao deus do vulcão para que este não se 'zangasse' e cuspisse fogo na aldeia deles, ao morrerem suas almas ficaram presas naquela situação. No astral estava plasmado o local todo como eles o conheciam, o vulcão, a floresta ao redor, a aldeia, etc. Neste caso fizemos um 'tratamento' nesses almas da seguinte maneira, provocamos uma chuva torrencial que 'apagou' a lava incandescente do vulcão, e fizemos o 'deus' do vulcão falar com eles e dizer que nunca mais ele se zangaria e que ninguém mais seria sacrificado a ele, as vítimas do holocausto saíram da lava e esta se solidificou. A readaptação daqueles espíritos será coordenda pela nossa equipe espiritual. Nesses casos às vezes eles deixam esses espíritos vivendo no astral como faziam na Terra e depois promovem sua reencarnação sem eles ao menos terem sabido que haviam 'morrido'.
Um menino (7 anos) foi visto como um 'pregador' no inicio da era cristã, por volta do ano 300 DC, estava morrendo numa arena romana devorado por leões, junto com um grupo de cristãos, estava tranquilo e não sentiu raiva dos seus algozes; já os outros cristãos entretanto não morreram como ‘bons cristãos’ e ficaram com ódio de terem morrido por terem ouvido as palavras do pregador, ao verem ele novamente (ao abrirmos a freqüência de passado ele foi projetado naquela ‘cena’) queriam inclusive atacá-lo, no que foram contidos por um dos médiuns, isolados numa bolha e retirados de lá pela nossa equipe espiritual. Foi notado que havia uma entidade que, pelas suas vestimentas, não se ‘encaixava’ na época, trajava um manto negro com capuz.
Incorporado numa das médiuns descobrimos tratar-se de um ‘vigia’, um ser que fora designado para vigiar o garoto, pois o mesmo grupo de espíritos que naquela existência mandaram matá-lo, temiam que ele se tornasse novamente um ‘líder’ religioso e provocasse baixas em suas fileiras. Quando abrimos a freqüência de passado do menino o vigia foi ‘puxado’ junto e ficou impressionado com algumas coisas que fizemos, nas palavras dele, ‘alterando o passado’. Acabou convencido de que a melhor opção pra ele seria aceitar ajuda, pois o grupo ao qual servia foi recolhido. Interessante que durante o atendimento senti que eu não deveria ‘trabalhar’ com esse grupo, mas não tinha certeza das razões, se era pq eles tinham que ficar ‘soltos’ ou por algum outro motivo. Entretanto, um dos médiuns viu que a própria equipe os recolheu e os retirou dali. Pedi que ele verificasse o destino deles e lhe disseram que os estavam levando para a Lua. Foi então que entendemos o motivo da intuição que tivéramos, eles já estavam selecionados para serem exilados e qualquer tentativa de ‘doutrinação’ seria perda de tempo e energia.
Outro menino (9 anos) tinha uma entidade trevosa junto dele. Disse que ele era um ‘companheiro importante' e que não iriam entregar ele assim de ‘bandeja’ pro ‘outro lado’ (o lado do bem). Em suas últimas vidas o menino foi membro ativo de sociedades secretas, envolvidas com cultos satânicos, e na existência atual vive já um conflito entre o que sabe que deve fazer (a cosciência) e os impulsos que traz do passado, pois foi sempre muito poderoso no ‘lado negro’ e sente que para conseguir ser ‘alguma coisa’ agindo no bem isso vai lhe exigir muito esforço e provavelmente não vai ter o poder que tinha antes. Reforçada a necessidade de os pais serem firmes na educação do mesmo, não permitindo ‘arroubos’ por parte da criança, que precisa de uma educação que lhe imponha limites.
Menina (7 anos), foi visto uma vida onde era uma mulher guerreira 'bárbara', cavalgando velozmente, lutando contra homens com uma espada, usave roupas feitas de peles de animais. Foi acessada uma outra vida, onde ela era um moça que cantava num coral de uma igreja anglicana (??). Seu namorado morreu e estava sendo consolada pelo ‘pastor’ da congregaçãop, que na verdade era o assassino do rapaz. Ele tinha um amor obsessivo pela moça e matava seus pretendentes. Atualmente está encarnado e se manifestou em desdobrado 'inconsciente', tem trinta e poucos anos e é professor numa escola, provavelmente a mesma que a menina estuda, afirmou que ‘ninguém vai me roubar minha menina’. Apagamos sua 'memória inconsciente ativa' daquela vida e o enviamos de volta ao seu corpo.
Abraço.

Gelson Celistre.

sábado, 10 de abril de 2010

Obsessão com efeitos físicos

Uma das médiuns chegou atrasada e relatou que por três vezes quase se acidentou no trajeto de sua casa até o local da reunião. Segundo ela por duas vezes quase 'entrou' na traseira de dois caminhões pq o freio falhou e o carro acelerou e em outro seu carro não virava a direção para que fizesse uma curva e ia se chocar contra um ônibus, tendo que desligar o carro para não bater.
No final da reunião fomos aveeriguar e havia com ela um espírito feminino obsessor. Incorporada, a obsessora proferiu uma série de xingamentos contra a médium. Disse que queria sim que ela 'entrasse' na traseira dos caminhões para que sua cabeça fosse decepada. Afirmava que a queria morta e que faria de tudo para conseguir. Tinha 'mexido' no carro e ia fazer de novo até matá-la.
Conversei com esse ser e perguntei o que a médium havia feito para lhe deixar com tanto ódio e ela disse que ela fora responsável por ela ter tido a cabeça decepada.

Ectoplasma saindo da boca de uma médium.
Era o ano de 1837 e a médium atuava então no ramo do entretenimento masculino, isto é, era proprietária de um bordel numa cidade da França (uma aldeia talvez). Um dos clientes de seu conceituado recinto a contratou para matar um outro compatriota, por questões políticas. A médium convenceu uma das suas 'meninas' a envenenar o sujeito mas depois da pobre coitada tê-lo feito, ela tirou o corpo fora e deixou a acusou a outra, que foi guilhotinada. Essa outra claro é a obsessora que a estava acompanhando.
Segundo a obsessora ela era muito cruel com as 'moças', as explorava e as que contraíam alguma doença eram jogadas na rua sem nenhum amparo, as que engravidavam acabavam morrendo com a criança atravessada muitas vezes pq ela não chamava parteira ou médico para ajudar no parto, e outras coisas similares.
A obsessora se via ainda com a cabeça decepada do corpo, na verdade se via apenas como uma cabeça. Tratamos ela e eu lhe disse que já havia lhe devolvido o corpo e que ela podia senti-lo. Ela ficou impressionada e perguntou se eu era 'mágico' e disse que na 'aldeia' dela havia um bruxo que fazia chás para elas não engravidarem, e que tinham que tomar todos os dias. Achou até que eu já devia conhecê-lo. Mas enfim, esse espírito disse que já teve várias vidas depois daquela mas quando encontrou a médium tudo voltou e ela passou a se sentir como quando foi decapitada, inclusive sem a cabeça.
O tal bordel ainda existia no astral e várias das 'moças' que foram vítimas da crueldade da médium naquela existância ainda estavam lá, inclusive alguns fetos mortos, clientes e muitas das 'moças'. Recolhemos todos e 'fechamos' o local.
A própria médium tbm foi ao seu antigo bordel auxiliar nos resgates mas quando os espiritos que estavam lá a viram lhe atacaram e ela teve que criar uma bolha de proteção ao seu redor para não ser ferida.
O que ocorreu com o carro da médum, que está sempre em dia com as revisões e dirige há vários anos, é que a obsessora se utilizou do ectoplasma da própria médium para provocar alguma pane no veiculo, ao mesmo tempo que tentava distrair a médium mentalmente, para que ela se acidentasse.
Essa médium ainda está em desenvolvimento e faltou uma reunião, devendo ter ficado com muita energia acumulada, que deve ter propiciado a utilização por parte da obsessora. Foi um caso de 'efeitos físicos', não tão comuns hoje em dia mas que ainda acontecem.


Gelson Celistre

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Mediunidade não desenvolvida

     A consulente relata que 'há tempos' tem fortes crises de depressão, sente-se mal e com dores de cabeça com frequência, sente muito sono, acorda cansada, etc. Sabe que tem mediunidade, já frequentou centro espírita mas não 'consegue' ficar mais que poucos meses e tbm afirma que não consegue 'estudar' sobre mediunidade ou assuntos similares. Já buscou atendimento em um centro espírita, onde chegou a incorporar um ser, mas diz que não se sentiu bem depois e parou de ir, achava que 'eles' não conseguiram lhe ajudar.


     De pronto já lhe informamos que só vai melhorar mesmo quando cumprir sua missão que é exercer a faculdade mediúnica no auxílio aos espiritos necessitados. Junto dela havia um espírito obsessor feminino com muito ódio, disse que queria matá-la e que a faria se matar (ela revelou depois que já tinha tentado suicídio). Dialogando com este ser descobrimos que em vida passada a consulente fora sua filha e naquela vida matou os pais envenenados e asfixiados, para ficar com a herança deles pois era filha única.Fizemos o obsessor lembrar de vida anterior onde ela e o marido, tbm casados naquela existência, sacrificaram uma moça que era sua serviçal, num ritual de adoração ao demônio, com o intuito de obter riquezas.

     Esta moça é a consulente que posteriormente veio a ser filha do mesmo casal e os matou, pela riqueza. Foi um evento cármico bem ao estilo 'olho por olho', visto tratar-se de consciências primitivas e que só conseguiram aprender a lição (se é que aprenderam) pela dor. Após mostrar ao obsessor que poderia ficar ainda em piores condições se permanecesse com esse ódio todo, a convencemos a receber ajuda de nossa equipe espiritual.

     Ao redor da cabeça da consulente foi percebida uma forma-pensamento em forma de nuvem escura, que é a 'materialização' no astral dos pensamentos negativos que ela cultivaa e é isso o que principalmente lhe causa as dores de cabeça, a absorção dos próprios fluídos negativos expelidos por ela. Devido a ter mediunidade e não 'trabalhar' regularmente em algum centro ou grupo espírita, a consulente tbm estava sendo vampirizada. Foi visto pelos médiuns que quando ela dorme uma meia dúzia de espíritos vampirizadores lhe sugam as energias, literalmente 'de canudinho'.

     Do corpo da consulente saíam pequenos filamentos, uns tubos fininhos retorcidos, pelo qual os vampiros sugavam a energia da consulente. Retiramos esses seres e desfizemos essas ligações, tbm foi feita uma assepsia na residência da consulente. A consulente foi orientada a estudar sobre espiritismo e mediunidade e procurar um local para 'trabalhar' suia mediunidade pois somente utilizando essa faculdade caritativamente vai lograr uma melhora em seu quadro sintomático.

Abraço.

Gelson Celistre.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

A alma dos animais

     Os animais selvagens não possuem ainda uma individualidade como a nossa e estão vincualdos a 'almas-grupo', isto é, uma consciência que 'controla' vários de uma mesma espécie. Por exemplo, um bando de leões está ligado a um mesmo espirito, uma consciência, quando um deles morre retorna para este espírito. É como se a consciência desse espírito se dividisse em tantas partes quantos forem os animais que estão ligados a ele (notaram alguma semelhança com o ser humano desdobrado inconscientemente em vários locais do astral?).


Os animais domésticos já esboçam um corpo emocional,
embora a maioria ainda pertença a uma alma-grupo.
     Entretanto, os animais domésticos, cães, gatos, cavalos, etc., em razão do convivio com os humanos e com a mudança de seus hábitos (alimentares, comportamento, etc), sofrem um embotamento de seus instintos naturais de sobrivência, em favor do despertamento dos sentimentos. Claro que são sentimentos ainda primitivos, em fase de elaboração, mas quem já não percebeu o afeto de um cão por seu dono? Este fato, o surgimento dos sentimentos, provoca o surgimento da individualidade no animal, que começa a desenvolver um 'corpo emocional', que é o corpo astral, ou corpo dos desejos como tbm é chamado no Oriente.
     Há cerca de duas semanas uma cadela da raça pastor alemão, que eu tinha há uns oito anos, teve que ser sacrificada em razão de ter contraído uma infecção generalizada que quando se manifestou, o animal já estava agonizando, com espasmos epiléticos inclusive. Em nossa última reunião, depois de atendermos os consulentes agendados, solicitei aos médiuns que 'rastreassem' a alma dessa cadela, a fim de verificarmos, a título de estudo, se ela já possuía um corpo emocional, uma certa consciência de individualidade, ou se retornara a alguma 'alma-grupo' pois, apesar de ser uma animal doméstico, ela se mostrava muito 'selvagem'.
     Era brava e nas poucas vezes que a 'cruzamos' com outro cão ela comeu os próprios filhotes, e não foi por conta de má alimentaçaõ, ela realmente não demonstrava nenhum instinto materno.
     As médius a encontraram no meio de um a matilha de cães meio selvagens, um pouco acuada, sendo que um deles estava com uma coleira no pescoço e separado dos demais, tendo latido para uma das méduns quando a percebeu. Eu me desdobrei e me projetei junto aos cães, sendo que a cadela que era minha me reconheceu e ficou choramingando aos meus pés, demonstrando tristeza, o que comprova que ela possui uma consciência de si, um ego primitivo é claro, mas com noção de ser 'alguma coisa', e com uma memória emocional pois ela me reconheceu.
     Como não havia nenhuma 'alma-grupo' ligada a ela e como um dos cães tinha uma coleira, deduzimos que alguém os teria reunido ali ou cuidava dos mesmos. Questionei as médiuns para tentarem descobrir o motivo daqueles cães estarem ali e foi mostrado a elas a imagem de uma criança, uma menina de uns 5 anos de idade, sendo atacada por um cão, tendo perdido um olho no ataque e quase a vida. O cão era de sua família  mesmo.
     Rastreando o local onde estavam os cães, que era uma espécie de floresta, um 'mato', encontramos um espírito que, incorporado, passamos a interrogar. Este ser se expressava mal verbalmente e com maneirismos de 'caipira'. Esse espírito disse que capturava esses cães pelos 'matos' e cuidava deles. Perguntamos para quem e ele disse que outros 'homens' vinham e buscavam os cães e que ele só tinha que cuidar deles e 'atiçar' para que eles ficassem bem bravos.
     Percebi que ele não sabia que estava morto e o fiz lembrar da própria morte na última encarnação. Ele trabalhava na roça de uma fazenda 'pras bandas de Rio Pardo' (uma cidade gaúcha) e foi atacado por cães meio selvagens famintos quando comia alguma coisa no intervalo do trabalho na roça. Contei a ele que esses homens que buscavam os cães os usavam para ferir as pessoas e ele até ficou preocupado. Trouxemos um espirito que foi pai dele naquela vida para levá-lo e ele se prontifiocu em levar os cães junto para que não os usassem mais para o mal.
     Logo em seguida captamos nessa mesma frequência, o ser que havia delegado a tarefa ao nosso amigo 'caipira' e foi mostrado aos médiuns como ele agia. Confesso que a criatividade dos nossos amigos trevosos às vezes me surpreende. Eles pegavam esses espíritos de cães mortos, que eram muito bravos, recém saídos da selvageria, e ainda 'atiçados' pelo tratador, e os colocavam perto de um cão 'encarnado'  a fim de fazer com que este cão atacasse alguém, inclusive da própria casa onde morava, geralmente crianças indefesas. Várias foram mortas em função disso (resgatamos algumas nessa frequência) e outras tantas foram gravemente feridas e mutiladas.
      O ser que comandava isso esbravejou e reclamou que estávamos 'interferindo' nas atividades dele, invocou o livre-arbítrio, nos ameaçou, etc., aquele papinho de sempre. Em sua última encarnação ele trabalhava em um presídio na Inglaterra e 'adestrava' os cães para atacar os presos. Mas não era pra evitar fugas e sim para 'diversão' dos guardas, que se compraziam em ver os cães devorando os apenados. Dei uma 'doutrinada' no cidadão, que acabou aceitando ir 'pacificamente' por conta da 'outra opção' que o aguardava.
     Ainda foi mostrado aos médiuns que a cadela que era minha irá reencarnar em breve e vai viver numa casa onde já terá um outro cão, e que este vai ser meio cruel com ela. Estes fatos são interessantes pois demonstram que os animais, ao principiarem o desenvolvimento de uma consciência individual tbm se sujeitam as leis cármicas de ação e reação.


Gelson Celistre

domingo, 4 de abril de 2010

Rede de corrupção

Em nossa reunião surgiu o assunto da corrupção no governo e por conta de um fato envolvendo uma pessoa conhecida nossa, resolvemos averiguar uma situação. Descobrimos que espiritualmente havia um grupo de seres tencionando extorquir um cidadão, cuja firma falira e possivelmente tenha sonegado impostos.
Até comentei com os médiuns se eles não queriam abrir essa frequência e dar uma investigada na corrupção do país, mas todos comentaram que isso era impossivel pq eram muitos os corruptos.
Enquanto conversávamos mais sobre esse tema uma das médiuns sentiu uma presença junto dela, com muita raiva, e disse a ela para dar passagem. Foi  até engraçado pq o ser já chegou me imitando, dando 'comandos' pra que a gente esqueçesse tudo, até estalando os dedos enquanto falava. Ele inclusive achou que realmente nos faria 'esquecer' tudo pois já queria ir embora mas a médium o segurou e falei com ele. Estava irritado pq eu estava me 'metendo' onde não devia, disse que eram 'eles' que 'tocavam esse país', etc.
Descobrimos que o grupo de espíritos do qual esse fazia parte estavam envolvidos na corrupção aqui desde a época do Brasil-colônia. eram cerca de 300 desencarnados ligados diretamente a mais de 1.000 encarnados ocupantes de cargos em vários escalões do governo. Prendemos todos os desencarnados e cortamos as ligações com os encarnados ligados a eles.  Certamente não vai cessar a corrupção no país por conta disso mas esses já não vão influenciar mais ninguém.
Abraço.

Gelson Celistre

O padeiro português

Atendemos um espírito com dificuldades de entender que estava 'morto', o que é até relativamente comum. Nosso amigo não sabia nem o porque de estar ali conversando comigo. Disse que 'é' um homem trabalhador, que acorda todo dias as 4:30 pra abrir a padaria e não sabe o que aconteceu para ele estar 'aqui' falando comigo.
Após as tentativas de praxe para ele perceber que algo estava 'diferente', fiz ele lembrar da 'morte' dele, que ele nem sabia que tinha ocorrido, mas enfim, fiz ele lembrar e ele foi me narrando o que estava vendo. Disse que acordou de madrugada e foi abrir a padaria como sempre fazia... só que logo que abriu as portas um homem estava do lado de fora com um facão enorme e lhe deu um golpe que lhe decepou a cabeça. Teve morte instantânea.
Então estava conversando com ele, falando sobre a família, perguntei que ano era, ele falou 1935, perguntei se tinha mulher e se não gostaria de revê-la pois ela já devia estar 'morta' tbm. Ele disse que não, não queria saber da esposa pq tinha descoberto agora que além de estar morto, fora ela quem encomendara sua morte. Ambos eram portugueses e vieram tentar a sorte aqui no Brasil. Outra médium lhe disse que a mãe dele que ficara em Portugal gostava muito dele e até tinha lhe enviado uma carta, e que ela já estava ali para levá-lo com ela.
Ele estava muito perturbado e só falava em ir para 'o lugar onde os mortos ficam', tentamos lhe falar alguma coisa sobre reencarnação, vida além túmulo, mas era por demais ignorante sobre esses assuntos para entender e então apenas dissemos que acompanhasse sua mãe que ela iria para esse 'lugar' onde os mortos ficam.
Abraço.

Gelson Celistre.

Preconceito racial e sexual

Uma das médiuns incorporou um ser debochado que, embora se apresentasse com uma forma masculina, se expressava com trejeitos afeminados, denotando sua condição de homossexual. Foi percebida a presença de outro ser, um homem negro, e este foi incorporado em outro médium.
Logo percebemos que havia uma ligação entre os dois. O negro em vida passada fora escravo do outro que o utilizava para sua satisfação sexual, pois era um homessexual do 'tipo' passivo. O negro achava que 'devia' seguir o outro para onde quer que ele fosse pois era seu escravo, ao passo que o outro lhe destratava, chamava de idiota, burro, etc.
O negro afirmou que já teve outras vidas depois daquela onde foi escravo sexual do outro  mas sempre que o encontrava se sentia como se devesse servi-lo. Como o ser homossexual não aparentavva ter uma força mental suficiente para subjugar o outro desta maneira concluímos que algo no passado de ambos tinha gerado algum sentimento de culpa no negro.
Comandamos então que ele lembrasse de uma vida anterior onde os dois se conheciam e o negro acessou então de uma exitência onde o outro fora seu filho. Ele então (o negro) era branco e seu filho nascera 'escuro'. Ele não suportava a 'cobrança' da sociedade e para se livrar do problema vendeu o próprio filho como escravo.
O ser homossexual só falava bobagens e não se conseguia estabelecer com ele um diálogo proveitoso. O negro se sentia culpado por ter vendido o filho por ser 'negro' e tbm por ter sido o 'macho' na vida onde era escravo do outro, pois para ele o fato de ser 'ativo' sexualmente significava que ele dominava o outro, mesmo ele sendo um escravo e o outro sendo o seu senhor.
Perguntei a ele se estava disposto a ajudar o outro a recomeçar, desta vez sendo um bom pai, a despeito da cor ou opção sexual do filho, ao que ele concordou. Disse então a ele que iria fazer o homossexual 'retroceder' até a vida e idade que tinha quando era seu filho e ele e o vendeu, para que ele então pudesse agir como pai com ele da forma correta desta vez.
O espírito 'homossexual' questionou se ele não seria consultado sobre essa questão e lhe disse que não, efetuando em seguida o comando para que retornasse até a vida onde era filho do 'negro' antes de ser vendido e assim o deixamos. O outro afirmou que iria respeitá-lo e amá-lo como filho, independente da cor dele (o homossexual voltou a ser negro) e que se fosse preciso enfrentaria a 'sociedade' e o assumiria como seu filho.
Provavelmente irão renascer em breve novamente como pai e filho para que tenham a chance de acertar onde antes erraram. É a lei divina sempre nos ofertando novas oportunidades, apesar de nossos constantes erros. Embora não nos livre de colher os frutos de nossas ações, nos permite fazer isso da maneira menos dolorosa e que faculte nosso mais rápido aprendizado dos desíginios do Criador.
Abraço.

Gelson Celistre

sexta-feira, 2 de abril de 2010

O médico e o monstro II

Uma das médiuns estava sentindo um incômodo no estômago e fomos averiguar do que se tratava. Ela sentiu então que tinha um homem, um espírito, dentro dela. Na realidade tratava-se de um ovóide. Criamos uma bolha de contenção na frente dele e transportamos o ovóide para dentro dessa bolha.
Em seguida pedimos aos médiuns que sintonizarm com esse ser e com a médium para verificarmos como ele foi parar dentro dela, pois sabíamos que sozinho não teria como. Os demais médiuns perceberam que foi uma mulher conhecida da médium que, estando ambas desdobradas (desdobramento inconsciente) na dimensão astral, pediu a médium que 'cuidasse do seu filho', pois nos locais que ela estava 'frequentando' corria o risco de perdê-lo, sendo que a médiu aceitou lhe fazer esse 'favor'. A médium que recebeu o ovóide disse que essa mulher sua conhecida estava fazendo tratamento para engravidar com um médico ginecoligista.
Para verificarmos se não teria sido esse médico quem lhe 'deu' o ovóide, pedimos aos médiuns que averiguassem o fato. A situação que se desenrolou revelou uma vultuosa operação de colocação de ovóides em mulheres que pretendem engravidar e buscam o auxílio médico. Os médiuns captaram a frequeência do médico que atendeu a tal mulher e o viram indo a um terreiro de macumba atrás de um 'trabalho' para obter riqueza e mulheres, e viram que nesse local ele fez um pacto para obter esses 'favores'.
Na dimensão física foi-lhe dito que ele teria que frequentar a tal 'casa espírita' e fazer regularmente oferendas e outras coisas do gênero, sendo que no astral ele aceitou fazer o qau fosse solicitado desde que tivesse o que queria. Foi nesse local que ele foi cooptado para uma organização trevosa que tinha por finalidade a introdução de ovóides em pessoas encarnadas, com vistas a experimentos macabros e disseminação de fluídos negativos e doenças na humanidade encarnada.
Pela frequência desse médico a espiritualidade nos trouxe o mentor dessa organização trevosa, que em sua última existência fora um cientista polonês, um geneticista, que a principio foi obrigado a trabalhar para os nazistas mas que logo se 'encantou' com as facilidades que teria para continuar e expandir suas experiências, pois lhe foi colocado à disposição um moderno laboratório. Ele disse que morreu em 1942 mas no astral continuou 'filiado' aos nazistas e dando prosseguimento às suas experiências.
Chegou a falar alguma coisa sobre o Brasil, que para ele era repugnante esse mistura de raças que ocorre aqui e coisas do tipo. Tinha uma boa argumentação e conhecimento da lei do carma, discorrendo com desenvoltura que estava apenas fazendo cumprir o carma dessas mulheres que recebiam os ovóides, uma vez que se os seus organismos não estavam preparados para conceber era pq não 'mereciam' tal ventura e argumentou que era de seu livre-arbítrio agir assim.
De fato, tudo o que ele falou era verdade e disse a ele que tbm era de meu livre-arbítrio impedi-lo de agir. A quantidade de ovóides que eles mantinham 'estocados' era imensa, muitos milhares, bem como a rede de médicos encarnados espalhados por todo os países que estavam sob influência desta organização, que totalizavam mais de onze mil.
Efetuamos o resgate dos ovóides, que foram transportados para local adequado pela nossa equipe espiritual e desfizemos as ligações entre os médicos encarnados e a organização, após o que o cientista foi encaminhado para uma 'conversa' com nossa equipe espiritual. E ele ainda não gostou muito do 'guardião' que veio para levá-lo pq este era meio 'escurinho', questionando se 'esse ai' era a pessoa com quem teria que falar ou se ele o levaria ao seu 'superior'. O cientista tinha esperança de conseguir 'trabalhar' na sua área, que é a genética. Pelo seu jeito ele se achava um grande conhecedor do assunto e que qualquer organização, seja do bem ou do mal, adoraria tê-lo trabalhando para ela.
Foi mostrado a outra das médiuns uma moça que ela conhece e que fez tratamento para engravidar, tendo nascido uma criança toda defeituosa (que não foi identificado antes dela nascer pelo médico em nenhum dos exames) e que morreu umas oito semanas depois de nascer. Tbm foi visto que a maioria das mulheres que receberam ovóides além de não conseguir engravidar ainda desenvolveram câncer na região do útero, devido aos fluídos altamente deletérios dos ovóides.
Certamente estes seres manipulam o carma dessas mulheres que tem dificuldade para engravidar, geralmente por terem cometidos muitos abortos no passado, pois não eram em todas que eles conseguiam acoplar os ovóides.
Abraço.

Gelson Celistre

Depressão

Atendimento de uma mulher com trinta e poucos anos, com depressão forte, do tipo 'vitimismo' (sou tão boazinha não sei pq acontece isso comigo...), início de síndrome do pânico, etc.. Junto dela havia um espírito que foi marido dela e que morreu vitimado por um disparo de arma de fogo, feito por ela. O cidadão colocou as mãos na frente do rosto para se proteger, mas o projétil atavessou-lhe as mãos e se alojou na cabeça, vindo ele a entrar em óbito.


Este ser no entanto não tinha raiva da consulente e não estava com ela com intuito de vingar-se, mas sim de proteger outro espírito ligado à consulente, uma menino filho do casal que ela espancava e o qual provocou a morte quebrando-lhe o pescoço e escondendo o corpo dentro de um guarda-roupa. O espirito da criança apesar de tudo gostava da mãe, mas o que ele sentia acabava sendo passado pra ela. Incorporamos o garoto e conversamos com ele, que a muito custo aceitou se afastar da mãe.
Havia tbm um grupo de mulheres que foram amantes do marido da consulente naquela vida. Uma em especial queria ver a infelicidade da consulente pq em duas vidas esta já havia roubado o marido. Após muita conversa, ela, que era cigana, lembrou de um cigano que ela achava muito bonito e trouxemos este ser, tendo ela aceitado ir com ele. As demais mulheres já tinham aceitado ir sem problemas.
Além disso ainda tinha um espírito que afirmou estar convivendo com a consulente a cerca de cinco anos, inclusive fazendo sexo com ela e o noivo (encarnado). Afirmou que aproveieta as oportunidades quando ela vai faze sexo pra 'fazer junto'. Foi encaminhado pela espiritualidade. Tbm foi visto que a consulente tem uma vida 'sexual' bastante ativa no astral. A consulente já frequenta um centro espirita e afirma ter conhecimento da 'doutrina', mas apesar disso ficou 'chocada' em saber do seu passado faltoso.
Muitas pessoas que se intitulam espíritas possuem apenas um conhecimento superficial do espiritismo, frequentam o centro espírita pra conversar com as amigas e 'tomar passe', imaginando que com isso estão imunes aos ataques de espíritos obsessores e ao reencontro com seu passado delituoso.
Não basta apenas frequentar o centro espírita e 'acreditar' em espíritos e reencarnação, é preciso que a criatura envide esforços para dominar suas más tendências e inclinações menos nobres, auxiliando os demais dentro de suas possibilidades, estuando e se evangelizando.


Gelson Celistre.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

O psiquiatra

     A consulente é uma senhora na faixa dos 50 anos, reclamando de dores pelo corpo, sentimento de tristeza generalizada, apatia pela vida, etc. Um diagnóstico de depressão não seria incorreto no caso dela. Eventualmente frequenta algum centro espírita e já buscou 'ajuda' tbm num macumbeiro de baixa vibração, tendo feito trabalhos com sangue, juntamente com duas filhas.


     Parte do problema estava ai. A casa cheia de energias negativas condensadas por entidades de baixa vibração por conta dessa ligação com o tal macumbeiro. Efetuamos a limpeza de praxe e o encaminhamento de quem podia ser encaminhado.
     Junto dela vei um ser, um homem, que havia morrido num acidente de automóvel. Ele não morreu na hora, teve a coluna esmagada e estava usando um colete muito apertado para não provocar danos na medula e sentia muita dor. As dores que a consulente alegava esta sentindo eram a deste cidadão, que foi socorrido e encaminhado a um hospital no astral. O interessante neste caso é que este ser estava na frente de um centro espírita onde foi buscar auxílio (não sabemos pq motivo não obteve ajuda) e sentiu a vibração de tristeza da consulente, que era igual a sua, e acabou imantado a ela.
     Tbm ligado a consulente havia uma moça 'louca' e mais um bolsão de espíritos sofredores, de uma vida passada onde ela trabalhava num manicômio. Essa moça foi internada pq via espíritos e a consideraram doente mental, entretanto, sua familia tinha posses e a consulente se fez passar por sua amiga, a fez assinar alguns papéis onde passava seus bens e direitos de herança para ela e envenenou a tal moça. Num outro ser, tbm desse bolsão, era colocado uma espécie de capacete de ferro com parafusos nas laterias sobre as têmporas, que eram apertados em sua cabeça. O manicômio ficava na Itália por volta do ano 1872 e no astral ainda estava em pleno funcionamento. Recolhemos os internos e desmanchamos o local.
     Ainda nesta frequência havia uma moça que morreu em 1982 vítima de choques elétricos numa clínica no Rio de Janeiro. Detalhe: o psiquiatra que tratou desta moça era o mesmo espírito que era o psiquiatra do outro manicômio. Incorporado numa das médiuns disse que só sabia fazer isso e que usava os métodos 'conhecidos' na época. O que ele não disse mas que nos foi intuído e depois confirmado pelas médiuns é que ela dopava e abusava sexualmente das pacientes. Este ser ainda visitava frequentemente o manicômo para satisfazer suas 'necessidades'. Foi levado pela equipe espiritual. De certa forma a consulente estava sendo 'tratada' por um psiquiatra com quase 200 anos de experiência.
     Alertamos a consulente da necessária evangelização e do cuidado com os próprios pensamentos, que podem atrair entidades afins e acabar por nos prejudicar mais ainda. Pelo grau de sensibilidade apresentada pela consulente é provável tbm que tenha alguma mediundiade que precisa ser trabalhada. Tbm foi aconselhado que estude sobre espiritismo para não se envolver mais com qualquer macumbeiro de plantão.


Gelson Celistre.