segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Obsessão com Ressonância de Vida Passada

A consulente reclama de extremo cansaço, falta de ânimo, tem o sono pesado mas costuma acordar no meio da noite arrepiada, tremendo muito e sentindo muito frio. Afirma tbm sempre ter tido depressão. São sintomas comuns de quem está frequentando regiões densas na dimensão astral e/ou sofrendo obsessão.
As condições de trabalho na época da Revolução Industrial eram extremamente precárias.
Ao sintonizar com a consulente a médium logo sentiu-sentiu-se presa, encolhendo-se sobre o próprio corpo, como se estivesse se protegendo de alguma coisa. Ela sintonizou com um espírito que estava ligado à consulente e que foi vítima de um aborto, ocorrido, entretanto, em uma vida passada. Não conseguimos saber como o espírito a encontrou, se ela na vida atual fez algum aborto ou se a ligação ocorreu pela necessidade de resgate dos espíritos envolvidos. É possível que este espírito inclusive estivesse ligado a ela desde tenra idade.

O caso era o seguinte:  a consulente morava em uma aldeia e era órfã, tendo que trabalhar desde cedo como empregada doméstica em troca de casa e comida para poder sobreviver. Era uma moça muito bonita e como sempre costuma acontecer nessas situações, despertou o desejo do patrão, que acabou tomando-a como amante e a engravidou.

Temendo o que poderia lhe ocorrer caso a patroa descobrisse a gravidez, pois ela praticamente vivia apenas dentro de casa e não tinha sequer algum pretendente ou namorado, ela acabou optando pelo aborto. Foi uma decisão difícil para a moça e ela demorou a se decidir, já estava no quarto mês quando deu fim à gestação, e depois de ter feito chorou muito por várias semanas.

O espírito que ia nascer como filho dela não aceitou a situação e ficou com muito ódio dela, sendo que há algum tempo a localizou e passou a obsidiá-la. Conversei com ele e mostramos a ele os acontecimentos que fizeram com que a consulente optasse pelo aborto naquela existência mas ele era um espírito muito ignorante e estava obcecado em vingança, tanto que quando soube da história queria saber onde estava o patrão dela (que seria o pai dele) pois queria se vingar dele.

Numa última tentativa de demovê-lo de seu intento, mostrei a ele uma vida passada que teria ligação direta com o impedimento que ele teve de não nascer, a vida onde ele teria gerado esse karma negativo. Nessa outra existência ele era algum tipo de empresário, provavelmente no início da Revolução Industrial, no século XIX, em fábricas de tecelagem, e tinha uma grande quantidade de mulheres que trabalhavam para ele.

O cidadão naquela existência mandou atear fogo num paiol com dezenas de crianças dentro pq elas distraíam as mulheres e elas não rendiam o que ele desejava no trabalho. Ele fez isso diante das próprias mulheres, que gritavam desesperadas sem poder nada fazer para impedir. Foi um resgate difícil para a médium pois ao sintonizar com a cena, ela podia ouvir os gritos de desespero das crianças e de suas mães, e tbm podia sentir o cheiro da carne queimada.

Este fato foi muito traumático e muitas das crianças e suas mães ainda não haviam conseguido se desligar do evento. Estavam na dimensão astral revivendo eternamente aquele momento de angústia e desespero. Mesmo vários espíritos que pereceram ou participaram desse evento e que agora estão encarnados ainda voltavam para lá em desdobramento inconsciente, atraídos pelos sentimentos dos que ainda estavam lá e tbm de seus próprios sentimentos que ainda não conseguiram superar, nesmo tendo nascido novamente.

A consulente era uma das mulheres que perdeu os (dois) filhos naquele genocídio e estava lá em desdobramento inconsciente, provavelmente desde que o espírito que ela havia abortado a encontrou. Efetuamos o resgate dos espíritos que estavam ali, tanto encarnados como desencarnados e destruímos aquele local na dimensão astral.

Mesmo tendo visto essa vida passada onde foi uma pessoa muito má e que mandou matar dezenas de pessoas, o tal espírito ainda queria bancar o inconformado e não queria sair de perto da consulente. Resultado: saiu na marra. Foi preso e levado por nossa equipe espiritual.

Quando é um caso de obsessão "passional" como esse a princípio, gostamos de conversar com o obsessor para esclarecê-lo acerca da reencarnação e da Lei do Karma, mas se mesmo tendo conhecimento do que fez o espírito ainda insiste em vingança e quer bancar o justiceiro, então não nos resta outra alternativa senão retirá-lo a contra-gosto.

Algumas pessoas podem argumentar que isso é uma intervenção no livre-arbítrio do espírito e é mesmo. Só que quem desrespeita as Leis Divinas e a vontade do próximo, está se colocando na situação de ter sua própria vontade desrespeitada tbm. Nosso livre-arbítrio é condicionado ao nosso grau evolutivo e geralmente é bem menor do que imaginamos.

Situações como essa, onde eventos trágicos imprimiram nas almas de quem os vivenciou grandes cicatrizes, são comuns. Essa ligação emocional ativa com eventos ocorridos no passado mas que ainda continuam a vibrar no astral, ou seja, na dimensão astral ainda são reais, causam o que chamamos de ressonância vibratória de vida passada e nesses casos a pessoa encarnada atualmente traz para o presente as emoções e sentimentos do passado como se os estivesse vivendo agora no presente. Isso costuma gerar quadros depressivos muito graves, síndrome do pânico e outras enferminades psicológicas, que podem inclusive causar doenças no organismo físico.

Certamente a consulente tem fortes ligações com esse espírito que a obsidiava, não apenas dessas duas vidas que vimos, e provavelmente em outras encarnações irão se encontrar novamente a fim de se harmonizarem perante a Lei. Entretanto, no momento a melhor solução foi afastá-los um do outro.



Gelson Celistre.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Ashtar Sheran procura uma genitora na Terra


Tivemos conhecimento de um fato ocorrido há vários anos e sentimos que era preciso efetuar uma verificação, pois a probabilidade de haver seres das trevas de alta periculosidade envolvidos era muito grande.

O fato ocorrido, resumidamente, foi o seguinte: uma adolescente engravidou do namorado, teve um AVC (acidente vascular cerebral) durante a gravidez, entrou em coma e morreu logo em seguida. Até aí pode não parecer nada de anormal, não fosse por conta de que a mãe da jovem é espiritualista e acreditava que o espírito que iria nascer como seu neto era nada menos do que o Ashtar Sheran, um famoso “comandante de frota estelar” que ajuda na evolução espiritual da Terra, mas que na verdade é uma franquia explorada por vários grupos das trevas para fascinar e vampirizar.

Ashtar Sheran é uma franquia explorada por
vários grupos das trevas para fascinar e vampirizar.
Já nos deparamos com vários espíritos utilizando a forma desse Ashtar Sheran, todos espíritos das trevas, aproveitando-se da ignorância e fascinação das pessoas por estarem em “contato” com “seres de luz” e da onda “nova era”, para se apresentarem como mestres e espíritos de luz, com a intenção de vampirizar e escravizar as mentes desavisadas e vaidosas.

Soubemos ainda que a mãe da moça estava conformada quando a levou para o hospital pq “já tinha sido avisada” de que ela iria morrer, pq o tal ser intergalático precisava apenas desse tempo na matéria para poder seguir com sua “missão” aqui na Terra de ajudar os seres humanos. Coisas totalmente incoerentes mas que para os fascinados parecem normais. É evidente o alto grau de fascinação da mãe da jovem e pela nossa experiência já sabíamos que havia algum plano ardiloso por trás dessa história.

Quando efetuamos a verificação do ocorrido nos deparamos com a jovem presa e sendo torturada, de várias maneiras, no umbral. Os torturadores eram justamente os seres que “organizaram” o renascimento do tal Ashtar e o motivo era que ela desistiu no meio do caminho. A jovem fazia parte daquele grupo de espíritos e sua reencarnação, assim como sua gravidez precoce, foi planejada antes dela nascer para que ela recebesse como filho o tal espírito das trevas (Ashtar) pois ele encarnado teria muito mais poder.

Depois de encarnar e estando já grávida ela desistiu, se arrependeu do acordo que fez e seu organismo começou a rejeitar o feto, o que iria provocar um aborto natural. Indignados com a desistência da moça pois isso atrasou um plano de vários anos que havia sido elaborado minuciosamente, eles manipularam o carma dela de modo a fazê-la ter o AVC e morrer, voltando para junto deles e sendo então castigada.

O tal espírito já havia inclusive perdido sua forma perispiritual e teve que ser mantido no astral numa incubadora, onde estava até agora, aguardando outra das “voluntárias” estar em idade de procriar, o que devia ocorrer em alguns anos, pois após o fracasso do plano original, eles providenciaram a reencarnação de mais de um espírito feminino que pudesse receber o Ashtar e estavam aguardando alguma delas estar em condições fisiológicas de engravidar para concluir o plano.

O local onde eles estavam era muito grande e muito bem organizado, um prédio com vários andares e várias repartições burocráticas, de onde acompanhavam através de fichas e formulários a evolução das futuras possíveis mães do Ashtar. Tbm estavam selecionando mulheres adultas que poderiam receber esse espírito mas não era tão fácil pq a energia dele é muito ruim e é preciso alguém com forte ligação cármica com as trevas, energia densa e encarnado. As prováveis candidatas são mulheres fascinadas com a Grande Fraternidade Branca (GFB), que adoram os “mestres ascencionados”, “canalizadoras”, terapeutas holísticas e divulgadoras das “mensagens” dos tais mestres e seres intergaláticos.

O líder desse grupo trevoso é um mago negro, que está sendo assessorado por um cientista e um outro ser com ar de intelectual, estudioso do comportamento humano. Eles estavam em uma importante reunião para decidir que mulher iria ser utilizada para dar vida ao Ashtar  pois ele precisa renascer com urgência e não vão poder esperar as voluntárias estarem em idade de procriar. Na parede do local da reunião há um grande painel, como uma TV de tela plana, com o mapa mundi da Terra, sendo que onde estão as mulheres “escolhidas” para gerar o Ashtar há um ponto luminoso indicando a localização geográfica. Vimos que há candidatas em todos os continentes.

Eles mantém ali vários espíritos de bebês desdobrados com os quais fazem experimentos genéticos. Tbm desenvolveram ali aparelhos que plasmam a imagem dos “mestres ascencionados” e ET's sobre a imagem de outros espíritos quaisquer, uma fábrica de mestres ascensionados e ET's, para que mais grupos e “canalizadores” entrem em contato com esses seres e eles possam coletar mais energia (ectoplasma) e adeptos. Tbm implantavam dispositivos nesses clones que lhes permitiam se comunicar diretamente com os “canalizadores” (que tbm recebiam um implante).

Estávamos observando o ambiente sem sermos vistos, pois estávamos em uma freqüência mais alta que a deles, mas de repente o mago negro sentiu nossa presença, mesmo sem nos enxergar. Ele guardou em uma pasta preta as fichas das mulheres candidatas a mãe do Ashtar e mandou os demais ficarem quietos. Ele começou a andar ao redor da sala tentando identificar a energia (nossa) que ele sentiu ali. Antes dele guardar as fichas nós conseguimos identificar quem seria a próxima mulher a ser usada para dar vida ao Ashtar.

O mago sai da sala de reuniões e vai para outro ambiente - para o qual nós o seguimos - onde entra, fecha a porta e diz:

- Muito bem, quem é vc e o que faz aqui? Pq entrou aqui sorrateiramene? Sinto pela sua energia que é um mago como eu, pq senão vc não teria conseguido passar pelo sistema de segurança... mas quero saber o que faz aqui...

Eu então me fiz visível a ele e disse que vim para impedir que ele concretize seus planos, ao que ele respondeu em tom sarcástico:

- E pq vc acha que sozinho vai dar conta? Só pq é um mago e conseguiu entrar aqui? Ha ha ha... Vc já deve ter bisbilhotado por ai e percebido a estrutura que temos aqui... nada poderá fazer! Outros já tentaram sem conseguir...

Disse a ele que isso não importava e que vim pra fazer isso e iria fazer. Ele arrogantemente disse que não tinha tempo para perder comigo e que me daria a chance de ir embora antes que ele perdesse a paciência. Nisso ele levantou uma das mãos em minha direção e emitiu uma espécie de raio em forma de ondas circulares, mas igualmente levantamos uma das mãos espalmada à nossa frente e bloqueamos o raio.

Seguiu-se uma pequena batalha entre nós que acabou com o mago negro preso num pentagrama de energia que criamos. Nesse meio tempo nossa equipe já estava a postos aguardando um comando para invadir o local, o que foi feito logo em seguida, enquanto nos dirigimos ao local onde a consulente, a moça que morreu de AVC e que ia gerar o Asthar, estava sendo mantida presa e torturada, para libertá-la.

O trabalho foi demorado pois além de prender os que trabalhavam ali havia muitos espíritos para serem encaminhados de volta ao corpo que necessitavam de uma avaliação antes, principalmente os bebês utilizados em experimentos genéticos. Estes espírito que pretendia nascer e que se dizia (mais um) Ashtar Sheran é uma entidade maligna que está há milênios sem reencarnar e precisava de uma reestruturação corporal, além do que seria uma peça importante para os planos do grupo das trevas ao qual pertencia estando encarnado.

A ignorância das pessoas e a fascinação de muitos, derivada da vaidade, de acharem que estão ligados a “mestres ascencionados” e extra-terrestres, facilita em muito o trabalho dos seres das trevas. Pessoas com mediunidade, mas sem uma compreensão correta sobre o motivo de terem essa mediunidade, que é um efeito cármico resultante de ações negativas em vidas passadas, e acreditam que possuem um “dom”, são comumente utilizadas para divulgar essas sandices de mestres, ET's e afins, gerando dúvidas e confusão entre as pessoas menos esclarecidas espiritualmente, além de servirem de “soldados” das trevas encarnados, não só doando sua energia mas tbm angariando mais adeptos para as hostes do mal.


Gelson Celistre