quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Poltergeist

     Recebi uma solicitação de atendimento de uma pessoa residente em outro país sobre um caso de poltergeist, onde várias pessoas de duas famílias estariam sofrendo ataques espirituais com fenômenos de efeitos físicos, conforme trechos da mensagem abaixo:

"... duas famílias em que estão a sofrer ataques violentos de obsessores, inclusive as crianças. ... As pessoas vêem vultos negros, bichos escuros que lhes sobem palas pernas acima e arranham, são mordidas e atacadas de noite com pontapés e bofetadas e tiram-lhes as coisas das mãos. ... eles também incorporam. A casa apresenta fenómenos poltergeist, no terreno cheira a carne podre e os animas estão a morrer (coelhos e galinhas). Depois de mortos o seu fígado apresenta-se preto."

     Para quem não sabe, poltergeist é um termo em alemão que costuma ser traduzido por espírito brincalhão e que foi popularizado nos anos 80 por conta de uma série de três filmes de Steven Spielberg (Poltergeist, 1982; Poltergeist II - O Outro Lado, 1986 e Poltergeist III - O Capítulo Final, 1988). O termo poltergeist acabou virando sinônimo de casos onde ocorrem manifestações físicas provocadas por espíritos.


Capa da revista francesa "La Vie Mysterieuse", sobre o caso Therese Selles (1911)
     Um fato interessante neste caso é que a pessoa que nos solicitou o atendimento por sua vez recebeu o pedido de auxílio para tratar este caso de uma outra mulher, que foi quem descreveu os fatos no fragmento de mensagem acima, e que aparentemente estaria tentando ajudar as tais famílias por trabalhar como terapeuta. Ao sintonizarmos com a situação logo o espírito de uma antiga bruxa se manifestou com muita raiva dessa mulher que escreveu a mensagem, que vamos chamar de Maria (nome fictício), proferindo impropérios contra ela.

     A bruxa afirmava que Maria era uma charlatã de quinta categoria, uma perfeita idiota intrometida e que estaria tentando "fazer fama" por conta de um bando de crédulos que acreditam em tudo que ela diz. Essa bruxa foi descrita pela médium como hedionda e foi visto que ela tem perseguido os membros dessa família há séculos por vingança, tendo dedicado suas últimas existências a isso.

     Essa bruxa está encarnada atualmente e promove o inferno na vida dessas pessoas atuando em desdobramento. E adivinhem quem é a bruxa? A mulher que escreveu a mensagem, Maria. Este tipo de situação é bastante curiosa mas muito comum, onde uma pessoa em desdobramento se revolta contra suas atitudes aqui no físico. 

     Esse fenômeno chamamos de dissociação da consciência e advém da capacidade de nossa mente de atuar em várias dimensões ao mesmo tempo, que costumamos chamar de frequências abertas. A bruxa estava indignada com a parte da sua consciência que está encarnada por ela ter se metido na situação deixando ela (a bruxa) exposta.

     Nas casas das vítimas (no astral) havia símbolos diversos desenhados nas paredes, chão e teto, alguns desenhados com sangue de pessoas e animais, outros com carvão, e foram todos feitos pela bruxa. A bruxa também conseguiu desmaterializar vários objetos da casa, o que comprova de fato os fenômenos poltergeist, e os manter no astral da casa como parte de algum feitiço. Também havia muitos espíritos aprisionados no local e ossos de pessoas dessa família mortos em outras vidas e que a bruxa conseguiu também desmaterializar e manter consigo.

A origem do mal

     Essa bruxa parece ser um espírito muito perverso e a desgraça dessas famílias começou quando cruzaram com ela há séculos atrás, na Espanha, no ano de 1388. A bruxa naquela vida contava então com 26 anos de idade e era freira. Apesar de ser freira ela tinha uma propensão às coisas ocultas e além de ler vários livros proibidos pela Igreja, ainda tentou aliciar outras freiras.

     Ela foi descoberta e acusada de heresia e bruxaria, de adoradora de Satã, tendo sido cruelmente torturada, como costumava acontecer nos tempos da Santa Inquisição, ficando praticamente sem pele no corpo devido aos açoitamentos. Suportou cerca de 10 dias antes de morrer jurando vingança por toda eternidade contra todos que participaram de sua morte.

     Desde essa existência na Espanha em 1388 até os dias de hoje, a bruxa teve cinco encarnações incluindo a vida atual, e em todas elas ela perseguiu a Madre Superiora e as outras freiras e carrascos que participaram de sua morte, que hoje estão encarnados nessas duas famílias. 

Bruxa
     
     Depois de morta na vida como freira ela reencarnou por volta de 1476 e nesta vida realmente foi uma bruxa. Ela sequestrava mulheres grávidas prestes à dar a luz e as mantinha prisioneiras até o momento do parto,  quando então as matava. Quando os bebês nasciam ela lhes abria o peito e arrancava o coração, que comia em seguida juntamente com o cordão umbilical.

Manicômio

     Em sua próxima vida a bruxa foi diretor de um manicômio e como acontecia seguidamente naquela época muitas pessoas normais eram internadas como loucas. Podia ser por motivos políticos, de herança, casamento, etc., mas o fato é que pessoas sãs eram internadas lá e devido aos tratamentos, praticamente torturas, acabavam de fato enlouquecendo.
     
Serial killer

     Em sua penúltima encarnação, que ocorreu no início do século XX, nos idos de 1900, ela foi um serial killer que praticava necrofilia e necrofagia, e matou 36 mulheres. Seu ódio era tanto que ela (que nesta vida foi um homem) matava as mulheres, praticava sexo com o cadáver e depois lhes abria o peito, arrancava o coração e o comia. 

Epílogo
     
     Todas essas frequências estavam abertas com a bruxa desdobrada e atuando ativamente. A quantidade de espíritos e energias ligados a ela era enorme e demorou muito para que nossa equipe espiritual conseguisse resgatar todos os seres e transmutar essas energias. 
     
     O tratamento neste caso é fechar essas frequências apagando a mente do espirito a lembrança dessas vidas e impedindo o acesso a elas. Vários espíritos de pessoas encarnadas estavam agindo ou aprisionados nesses locais e esses também apagamos a mente e enviamos de volta ao corpo. O enorme contingente de espíritos desencarnados precisa passar por uma triagem onde são analisadas suas condições de saúde e kármicas para se decidir o que fazer com eles. Alguns vão para hospitais, outros para prisões, outros para cidades no astral, os que pode encarnar já são encaminhados pra isso e alguns ainda, os muito maus e que não têm mais condições de regeneração, são exilados.

     A ocorrência de fenômenos poltergeist pressupõe um dispêndio muito grande de energia ectoplásmica, que geralmente é retirada das próprias vítimas do fenômeno, mas que também pode se retirada de outras pessoas ou locais e ser transportada até o local onde o espírito pretende se manifestar. O ectoplasma pode também ser adquirido de outros espíritos no astral, que já o coletaram  e o negociam em troca de favores ou de qualquer coisa em que tenham interesse.

     Também não acontece com qualquer pessoa, é preciso que as vítimas do fenômeno tenham um karma que os predisponha a isso, geralmente espíritos que no passado se envolveram com magia negra, cultos satânicos e similares, onde se manipulou muita energia com mortes ritualísticas de seres humanos e animais. Provavelmente os fenômenos cessarão mas não podemos afirmar com certeza porque se estão passando por isso é porque possuem um karma muito forte e negativo e isso indica ainda que são espíritos muito endividados karmicamente. Se não ocorrer uma mudança de consciência e atitudes por parte deles, esse ou outros fenômenos espirituais podem voltar a ocorrer.

     Gelson Celistre












terça-feira, 11 de novembro de 2014

Enterrado vivo

     Semana passada fui ao cinema com meus filhos assistir o filme Drácula - A história nunca contada. O filme é interessante e coloca o legendário Drácula como um tipo de herói que optou por se tornar um vampiro, um "monstro", para salvar seu filho, esposa e súditos.



     Quando retornamos fui arrumar a lavanderia aqui de casa que estava atulhada de coisas e pedi para meu filho me ajudar. Durante a arrumação percebi que ele começou a sentir muito cansaço e a respirar com dificuldade e logo ele me perguntou se podia ir dormir. Apesar de estarmos no meio da tarde consenti. Ele dormiu direto até o outro dia e só levantou, com muito custo, porque tinha que ir para a escola, mas queixando-se de dores nas costas e muito cansaço, que perdurou uns dois ou três dias.
     Conhecendo meu filho não foi difícil imaginar que ao assistir o filme ele tivesse aberto alguma frequência de vida passada associada a vampirismo ou coisas similares e com a ajuda de uma médium resolvi investigar o ocorrido. Ao sintonizar com a situação do meu filho, doravante chamado de consulente, descobrimos o que segue.
     
Romênia - 1306

     Numa vida passada o consulente fez parte de uma seita de adoradores do demônio que entre outras coisas sacrificavam pessoas e bebiam seu sangue. As imagens e situações ocorridas no filme ativaram em seu subconsciente a lembrança de fatos dessa outra vida que o sintonizaram com vários espíritos ligados a ele naquela existência. Dois desses espíritos, que tinham a aparência dos vampiros clássicos, com roupa e capa pretas, o desdobraram e o sequestraram antes mesmo de terminar o filme.
     O local para onde ele foi levado era sombrio e parecia uma galeria de esgoto, fétida e úmida. Na verdade esse local era uma duplicata no plano astral do local onde naquela existência ele foi morto. 

Enterrado vivo


     Existia uma rivalidade muito grande entre alguns membros da tal seita, principalmente entre o consulente e um outro membro, esse mais velho, por conta dos aparentes "poderes" que o consulente possuía e que o faziam se destacar dentro da seita. Esses poderes provavelmente eram algum tipo de mediunidade que ele possuía e que facilitava o contato com o mundo astral, possivelmente com o ser das trevas ao qual eles reverenciavam em seus cultos satânicos, que envolviam também orgias sexuais.
     Esse outro membro da seita mandou dois de seus serviçais sequestrar o consulente e descobrir qual o segredo de seu "poder" e depois matá-lo, o que ocorreu mesmo eles não descobrindo o tal segredo. O consulente foi enterrado vivo dentro de um caixão e "emparedado" numa galeria de esgotos.

O dissidente

     Esse outro membro havia sido expulso da seita, era um dissidente, por conta de ter matado a esposa do consulente e bebido seu sangue, o que era proibido segundo as normas deles por ela ser esposa de outro membro. Isso aumentou a rivalidade entre ambos, o consulente e o dissidente. 
     O dissidente continuou com suas práticas satânicas com alguns outros membros que o seguiram e fundou outra seita.

O segredo do anel

     Descobrimos que o consulente tinha uma ligação muito forte com um ser das trevas muito poderoso e que este ser era quem potencializava suas faculdades mediúnicas com a energia que armazenava das vítimas dos rituais e também com as energias que coletava durante as orgias da seita. 
     A coleta dessa energia era feita através de um anel com uma pedra escura, que estava ligado a um enorme cristal na dimensão astral que armazenava essa energia. Era esse anel que o dissidente queria mas como não sabia que era essa joia que mantinha a ligação com o ser das trevas o anel foi enterrado junto com o consulente.
     Os membros da seita à qual o consulente fazia parte procuraram por séculos pelo local de sua tumba para tentar recuperar esse anel, que era o que mantinha a ligação entre a seita e o tal ser demoníaco, que habitava os abismos da dimensão astral e que só conseguia se conectar com a dimensão física através de quem estivesse usando o anel.

O resgate

     Quando efetuamos o resgate do consulente tivemos que enfrentar o dissidente que o mandara matar e que ainda estava atrás do anel, pois somente depois de morto naquela existência ele descobriu que era o anel que conferia poder ao consulente e sua seita. Ele apareceu esbravejando, exigindo que lhe entregássemos o tal anel, mas foi preso sem causar maiores problemas, juntamente com seus dois serviçais que haviam sequestrado o consulente.

O ser das trevas

     Além do dissidente, o consulente também sintonizou com o ser das trevas ao qual servia naquela vida e que lhe conferia certos poderes. Este ser, ainda preso nas trevas abismais do submundo astralino, perdeu o contato com a dimensão física quando o consulente morreu séculos atrás e seu estoque de energia já estava praticamente zerado. 
     Quando essa frequência foi aberta ele usou o resto de forças que tinha para se conectar e sugar energia, um dos motivos do cansaço e dores do consulente. Foi preso também e será exilado pois não tem mais condições de permanecer no planeta.

Ressonância de vida passada

     Este relato demonstra como podemos abrir frequências de vidas passadas no dia-a-dia, no caso assistindo um filme, mas pode acontecer lendo um livro, sentindo um perfume, ouvindo uma voz, vendo uma pintura, etc. 
     Além das imagens do filme serem de uma época antiga também havia alguns acontecimentos semelhantes aos que ocorreram na vida passada do consulente, como a morte da esposa, vampirismo, e em algumas partes aparece bem a aliança do Drácula que por ser de prata passa a lhe queimar depois que ele vira vampiro, o que remete também à questão do anel do consulente naquela vida. 
     No filme o vampiro que criou o Drácula vivia preso em uma caverna que também tem semelhança com o local onde o consulente foi enterrado vivo. A soma de todos esses detalhes fez com que a mente subconsciente do consulente fosse despertada para a lembrança daquela vida, gerando assim a ressonância com aquela vida passada.
     Se o caso não fosse tratado logo o consulente, que nessa vida também possui mediunidade, poderia sofrer inúmeras consequências desagradáveis que poderiam, passando por um grave caso de doenças, depressão e síndrome do pânico, levá-lo à morte.

Gelson Celistre
     

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Livro de Magia

     Livros de magia ou feitiços são comuns e aparecem seguidamente em nossos trabalhos apométricos. Esse tipo de objeto, assim como jóias e amuletos usados por magos e feiticeiros, costumam conter muita energia e realmente conferem poder a quem os possui. Em uma das minhas vidas como mago, antes de Cristo, eu escrevi um livro de magia que até hoje ainda possui folhas perdidas pelo astral e que aos poucos eu venho recolhendo. Quando escrevemos um livro como esse, de magia, nos tornamos corresponsáveis karmicamente pelo mal que alguém possa fazer utilizando esses feitiços.


Livro de Magia

     Na semana passada durante o atendimento de uma consulente que foi bruxa em várias vidas e estava com várias frequências ativas na dimensão astral, numa delas nos deparamos com um livro de magia. O procedimento padrão nesses casos é queimar o objeto para que não sirva mais a nenhum ser das trevas e um dos médiuns do grupo se encarregou disso.
     Esse mesmo médium não pôde vir na reunião desta semana por motivo de trabalho mas pediu para verificarmos se tinha alguma coisa com ele pois na terça-feira desta semana ele acordou com dores nas omoplatas sem ter motivo para tal. Ao verificarmos o que havia com ele as médiuns viram que havia dois punhais cravados nas costas dele, um em cada omoplata.
     Rastreando quem lhe cravou as adagas encontramos a consulente da semana passada na frequência de bruxa onde ela havia sido vista. As médiuns que a viram perceberam que ela estava com raiva do médium por ele ter queimado seu livro de magia e que por isso o atacou. Uma delas percebeu que a consulente e o médium possuíam uma ligação kármica de vida passada e pensaram então que esse seria o motivo do ataque.
     Expliquei a elas então que esse não poderia ser o motivo porque nosso procedimento padrão nesses casos, onde encontramos pessoas desdobradas em várias frequências, é apagar a mente da pessoa fechando assim a referida frequência. Além disso, somos assessorados por uma equipe espiritual muito competente e se o médium esquecesse de fazer isso ou por algum outro motivo qualquer não conseguisse fazer, ou a alguém da própria equipe espiritual faria ou eu mesmo desdobrado faria.
     Pedi às médiuns que se concentrassem novamente e investigassem mais e então uma delas viu que a ligação entre o médium e a consulente era justamente por conta desse livro de magia. Num passado distante onde ambos eram bruxos ou magos o médium atacou a consulente para tentar obter o tal livro, que ela já possuía naquela encarnação, mas mesmo a tendo matado ela havia escondido o livro e ele não o obteve.
     Durante o atendimento o reencontro dos dois, ambos desdobrados na dimensão astral, fez com que ele lembrasse de tudo e de como ele desejava o tal livro. O médium então, em desdobramento e influenciado pela sua própria frequência de vida passada que desejava o livro, não chegou a queimá-lo totalmente, apenas chamuscou a capa e manteve o livro consigo na dimensão astral.
     Por esse motivo nossa equipe espiritual permitiu que essa frequência de bruxa da consulente permanecesse aberta e que atacasse o médium com as adagas, disputando a posse do tal livro. Vejam como é difícil a tarefa do médium que além de lidar com as trevas alheias precisa enfrentar as sua próprias, sendo constantemente testado e seduzido, às vezes, por elas.
     Pedi às médiuns para retirarem o livro dele e queimá-lo mas elas não conseguiram pois ele relutava em entregar o livro. Eu então me desdobrei e fui até ele no astral conversar e tentar convencê-lo de que a posse desse livro, por mais que ele argumentasse que os poderes contidos ali nos seriam úteis no combate às trevas, lhe acarretariam um grande mal pois a energia desse livro era muito forte e a simples posse de tal livro, mesmo não o utilizando para nenhum fim, já exercia uma influência muito grande sobre a mente de seu proprietário.
     Mesmo com minha argumentação o médium se mantinha relutante em entregar o livro e tive que apagar sua mente para fechar essa frequência. Segundo as médiuns a energia do livro era tão forte que para destruí-lo eu sofri um enorme desgaste de energia.
     Esse relato é para demostrar como é difícil o trabalho mediúnico e o quanto ele exige do próprio médium, no sentido de estar em constante aprimoramento ético consigo mesmo. Nesse nível de trabalho não se trata de aparências, mas de questões de foro íntimo de cada um onde nossas trevas mais secretas se manifestam das formas mais inusitadas, tentando constantemente nos seduzir para o retorno ao lado negro.

Gelson Celistre