sexta-feira, 30 de julho de 2010

O inimigo invisível

Uma das médiuns relatou em nossa reunião que durante a semana tinha percebido o espírito de uma mulher perto dela e que esta teria dito que estava fazendo anotações sobre o nosso grupo. 

Segundo ela não parecia ser uma entidade 'do bem' e então pedi a ela que lembrasse do ser para que o puxássemos a fim de verificarmos do que se tratava. Logo a tal mulher apareceu e os outros médiuns tbm a viram, mas logo que a viram ela começou a mudar de forma, começou a assumir a aparência de pessoas conhecidas, uma médium que não veio, outra que não mais participa do grupo, etc.
Enquanto tentávamos descobrir do que se tratava um dos médiuns captou um pensamento muito irado de alguém dizendo que ia acabar com o grupo, um por um, que destruiria todos, etc. 
Isolamos a tal mulher 'transformista' numa bolha a fim de ver como ela realmente era e ao enviarmos energia para a bolha ela sumiu, era apenas um artificial, um falso espírito criado por uma mente poderosa.
Uma das médiuns captou a mente em questão e soube que a idéia dela era de que ficássemos perdendo tempo tentando descobrir quem era a tal mulher, que na realidade não era ninguém. Essa mesma médium estava bem sintonizada com a mente desse nosso inimigo invisível, e pedi que ela a puxasse bem pra si.
Ela começou a rir debochadamente e a dizer alguns impropérios, chamando-nos de bobos, idiotas, etc.
Enquanto ela segurava a mente do ser ali pedi aos outros médiuns que tentassem rastrear onde estava o corpo astral desse ser, posto que ele se manifestava ali apenas em corpo mental. Eles viram, no interior de uma caverna em densa região umbralina, um corpo esfarrapado sentado numa cadeira semelhante a um trono, era o corpo astral, ou o que restava dele, do nosso inimigo invisível.
Trouxemos esse farrapo de corpo astral até nós e eu ordenei ao ser que voltasse para dentro desse seu corpo e que não saísse mais. Ele ficou com mais ódio ainda mas essa foi sua punição. Uma vez preso ao seu próprio corpo, sem a liberdade que detinha antes, o encaminhamos para a nossa equipe espiritual.
Não cogitamos de saber as razões desse ser mas pouco importa, deve ser algum ser que se viu prejudicado por algum de nossos trabalhos de resgate ou que perdeu a ligação com algum de nossos consulentes.



Gelson Celistre

A Cabala Negra

     No atendimento de um senhor idoso, que recentemente se separara de sua mulher, descobrimos que ela havia feito um 'trabalho' para ele num terreiro de nação (uma vertente do candomblé da região sul) e o desmanchamos. Era um desses trabalhos 'pesados', e que pegou muito fácil no referido cidadão pq este tbm é dado a frequentar terreiros de macumba e similares, tendo ele próprio feito já muitos 'trabalhos' tbm.  Mas enfim, veio nos procurar e fizemos o que nos foi permitido. 

     O consulente no astral estava todo amarrado, com cordas, correntes, etc. A entidade que estava guardando o trabalho foi 'convidada' a se retirar mas declarou ao médium que 'até iria' mas que tinha medo do seu 'chefe' e então 'puxamos' ele até nós. A criatura se apresentou a caráter, trajando uma forma clássica de demônio, corpo peludo, cascos e chifres. De cara cortei logo os chifres para ele ver que ninguém ali tinha medo dele. Incorporado, irado, ele disse que não queria falar e tbm não queria ajuda. Enquanto conversávamos pedi aos médiuns que localizassem a 'base' dele e fossem logo soltando os prisioneiros e destruindo o local.
     Outros médiuns viram que havia várias pessoas encarnadas entoando mantras para fortificar esse ser e outros como ele, esse grupo de encarnados estava sentado em círculo no chão e no centro do círculo que formavam havia vários bonequinhos representando pessoas, algo ao estilo do 'vodu' haitiano, aprisionando ali almas de pessoas encarnadas.
     Destruímos esses bonecos no astral e libertamos as pessoas, mas a equipe espiritual avisou que eles estavam recebendo muita energia das outras 'lojas'.  Este local que descobrimos estava ligado a um templo judaico que fica em Porto Alegre/RS e onde se reúnem estudantes da Cabala. Esse ser era meio tenebroso e pedi ao médium para consultar se essas pessoas que o estavam adorando o faziam por estarem sendo iludidas (achando que ele era algum mestre ou coisa parecida) ou se sabiam que ele era um demônio. Os médiuns viram que sim, que eles sabiam da real forma desse ser e suas intenções, alguns inclusive possuem mediunidade e viam esse ser. Eles o adoravam em troca de favores, dinheiro, sexo, poder, etc.
     Antes de lhe apagar a mente retirei dele essa forma de demônio e o fiz assumir a forma humana que tinha antes, ele se transformou num jovem meio franzino e afeminado. Quando apagamos a mente dele a médium na qual ele estava incorporado percebeu que ele havia acionado algum tipo de 'alarme' para seus comparsas e ela viu que ocorreu como se fizessem um 'backup' da mente desse ser, que foi armazenado dentro de uma sala cheia de arquivos com as mentes de outras entidades trevosas.
     Pelo jeito eles já descobriram uma maneira de preservar as mentes que lhes interessam para que uma vez reencontrados esses seres, reencarnados ou não, eles possam reimplantar suas memórias. Já nos deparamos com vários casos onde a entidade, percebendo que vai ter sua mente 'zerada', tenta guardar alguma informação em livros, objetos, e até na mente do próprio médium ou de algum outro membro do grupo, mas ainda não tínhamos nos deparado com uma organização tão bem aparelhada e com capacidade de guardar os registros inteiros da mente do ser, como se fosse uma 'imagem' dessas que se faz dos programas do computador para facilitar a reinstalação em caso de formatação do disco rígido. Seria por isso que um dos programas pioneiros a usar esse sistema se chamava "Ghost'?
     Como achei que talvez pudesse ter alguma informação útil nesses arquivos não quis logo destruir, mas pedi que a equipe espiritual desse uma verificada antes. O médium percebeu que eles estavam tendo dificuldade de entrar na sala de arquivos pq quando foi acionado o 'alarme' houve uma espécie de 'ligação em rede' e aquele local se conectou com vários outros no planeta ligados a essa organização trevosa e de onde estava vindo energia para eles.
     Como estava faltando energia para nossa equipe espiritual efetuei uma solicitação mental a todos vcs que lêem meus relatos, aos que já participaram dos meus cursos, aos que já foram atendidos em nosso grupo (isso é muito rápido, ocorre em questão de segundos), e com essa energia a equipe conseguiu invadir a sala de arquivos, mas como havia algum perigo resolvemos queimar logo tudo.      
      Entretanto, provavelmente eles tem outros arquivos 'espelho' que contém os mesmos dados gravados, pois dificilmente essas informações ficariam armazenadas apenas em um único lugar, porém, a mente desse não foi salva.  
      Pelo menos parece que no astral não está tendo tanto preconceito religioso entre os seres trevosos pois esse 'demônio cabalista' judeu estava associado a um terreiro de nação africana e tbm estavam usando técnicas de vodu haitiano e mantras indianos. E viva o universalismo.


Gelson Celistre.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Solidão

Consulente do sexo feminino, 30 anos, há vários anos sem um relacionamento amoroso, sendo essa sua queixa principal. Foi criada sem pai, pelos avós. Na adolescência engravidou de um namorado e tentou abortar, sem sucesso no momento em que intentou, mas algum tempo depois teve um aborto 'espontâneo'.
O espírito que iria nascer como filho dela não aceitou a rejeição e estava literalmente grudado a ela, embora estivesse com uma aparência de um menino de uns 10 anos. Ele perguntava pq ela nõ o deixara nascer, mas não com raiva, apenas com um sentimento de mágoa e tristeza. Foi encaminhado para nossa equipe espiritual.
Foram vistas duas vidas passadas onde ela se suicidara, na primeira o marido achando que ela enlouquecera  saíra de casa com os filhos e para o incriminar, ela se esfaqueou e o acusou antes de vir a morrer e ele foi preso. Na segunda vida em que ela se matou estava grávida de um homem e não queria ter filhos dele, então suicidou-se por enforcamento.
Deste suicídio mais recente ainda havia traços no corpo astral da consulente, foi visto por um médium ainda a corda e o nó comprimindo sua garganta, que em determinados momentos de aflição provocava um sentimento de sufocamento nela.
O namorado da consulente que foi o pai biológico do filho que ela 'perdeu' desdobrou-se e apareceu na reunião reclamando seus direitos de pai, afirmando que pela segunda vez ela matava seu filho, pois ele era o marido dela quando ela se enforcou grávida. Interessante que segundo ela, conscientemente na época, o cara tbm nem queria saber da criança, entretanto, esse desdobramento ocorreu por eles terem uma ligação forte e principalmente pela presença do filho abortado, pois ambos são responsáveis pelo não-nascimento da criança e não apenas a mãe.
Mas o que mais estava afetando a consulente e lhe provocando a solidão era a ajuda de um ente querido de uma vida passada dela. Uma mulher que fora sua mãe e que queria protegê-la dos homens pois, segundo ela, 'os homens não prestam'. Quando incorporou provocou muita dor no peito da médium.
O que ocorreu foi que a mãe da consulente naquela vida era uma prostituta, mas que não queria que a filha seguisse seu caminho e, para tanto, a protegia. Mas quem vive de dar prazer a quem pode pagar, e às vezes a quem não pode tbm, se envolve com todo tipo de gente; um dos amantes desse prostituta se engraçou com a filha dela e a quiz possuir, bem como tinha, segundo essa mulher, intenção de roubar suas economias.
Para salvaguardar a hora da filha ela lutou contra esse homem e na confusão levou um tiro de pistola no peito, vindo a morrer em virtude disso. Ela nos disse que o tal amante se assustou com o ocorrido e fugiu, tendo a hora de sua filha sido mantida. Apesar dela ter morrido de forma meritória tentando salvar a filha, ainda permanecia no astral com essa dor por não se achar merecedora de auxílio, por sentir-se culpada, pois me disse que poderia ter largado essa vida mundana quando a filha nasceu, mas optou em permanecer nela pq gostava e não por ser constrangida.
De certa forma ela tinha sua culpa, mas a razão de estar ainda sofrendo com o tiro que levou era o fato de se sentir culpada e não propriamente uma consequência do fato em si. Este ser permanecia o tempo todo junto da consulente e afastava os homens que se aproximavam dela pois em seu delírio todos eram maus e só queriam prejudicá-la e se aproveitar dela. Conversamos com ela, esclarecemos a situação e a encaminhamos para o hospital.
Essa situação de algum espírito querer nos ajudar e acabar atrapalhando é muito comum. A maioria de nós não tem controle algum sobre seus sentimentos e segue qual folha seca lançada ao vento. Na dimensão astral não temos elementos de comparação e de inibição de nossos sentimentos e tudo que sentimos costuma assumir uma proporção gigantesca, que nos torna cegos quanto aos abusos que cometemos nesse estado contra as pessoas que pretendemos proteger ou amar. O espírito fica dominado pelo sentimento que mais lhe impressionou logo depois da morte e nada mais vê, a razão inexiste para ele, que não consegue atinar que seus projetos são absurdos.
A consulente foi orientada a mudar alguns modos de proceder diante de vida e a fazer uma auto-análise de como ela é em suas relações com seus familiares. É provável que diminua consideravelmente a ausência de homens em sua vida, até pq se trata de uma mulher bonita.
Abraço.

Gelson Celistre.

O caminho certo

A maioria das situações importantes pelas quais passamos nessa vida tem uma origem cármica e fazem parte da nossa provação dessa vida o modo como vamos reagir a elas. Outras tantas situações nós 'cavamos' com atitudes errôneas na vida atual mesmo. O importante é não nos deixarmos abatar pelos infortúnios e, uma vez descoberto o 'caminho certo', seguir por ele procurando errar menos. Entretanto, o fato de estarmos seguindo esse 'caminho certo' não significa que não encontraremos pedras em nossa jornada.
O consulente é um rapaz de vinte e poucos anos, trabalha num centro espírita há uns seis meses, onde está desenvolvento a mediunidade, já frequentou terreiros de 'nação' e 'fez a cabeça' com sangue antes de frequentar esse centro atualmente, que é kardecista. Fora isso o consulente tbm 'joga cartas' de baralho cigano. Teve um companheiro (é homossexual) que morreu de câncer há cerca de um ano e que tbm era dado a práticas de candomblé e bruxaria, cultuando em casa inclusive alguns deuses do antigo Egito.
Inicialmente se manifestou um espírito dizendo que o odiava, pq sofreu e morreu sozinho por culpa dele. Em vida passada esse espírito afirmava que era noivo e que iria se casar, mas foi seduzido pelo consuelnte, que tbm era homem e bem mais velho que ele, e foram morar juntos. Alegava que por conta disso foi discriminado socialmente e abandonado pela família. Quando se ajuntaram esse espírito tinha 17 anos e o consulente, que tinha muitas posses naquela vida, já tinha 42 anos.
Conversei um pouco com ele, discutimos algumas questões, e fiz ele lembrar uma vida anterior àquela, onde ele, juntamente com outros soldados, invadiram uma aldeia e estupraram e mataram todos que estavam lá, homens, mulheres e crianças. O consulente foi uma das vítimas desse ato hediondo, era um menino na ocasião. Após isso ele se apaziguou e foi encaminhado para o hospital no astral, pois com a comoção dos fatos se sentiu fraquejar.
Enquanto tratávamos esse diálogo com esse espírito, duas outras médiuns cuidavam de outra situação, onde ligado a uma casa de ritos africanos aqui na dimensão física, havia um ser esquartejando corpos humanos, num local que parecia um matadouro, onde o sangue das vítimas jorrava abundante e o odor de putrefação empestiava o ar, e abaixo dele um ser feminino absorvia esse sangue e os fluídos deletérios que escorriam.
Esse ser feminino era quem ituía o consulente quando jogava as cartas ciganas, se fazendo passar por Oxum. Foi visto que essa atividade (jogar cartas), assim como alguns objetos que o consulente utilizava, estavam magneticamente associados ao antigo terreiro de nação ao qual ele se filiara no passado e que através dessa atividade os espírtios ligados àquela casa o acessavam. Foi orientado a abandonar essa prática e a queimar os objetos.
Tbm havia junto do consulente um ser que se apresentava com a forma de um antigo deus egípcio, Anúbis, um ser com corpo de homem e cabeça de chacal. Este ser era ligado ao terreiro frequentado pelo companheiro falecido do consulente, e quando este morreu e foi escravizado no umbral, este outro 'trocou de lugar' com um outro espírito ligado ao consulente através da 'feitura de cabeça' com sangue. Fizeram um trato essas duas entidades, e esse se fazendo passar por Anúbis ficou obsidiando o consulente. Segundo ele não tinha nada de pessoal, ficara com esse 'vivo' pq o outro já morrera, mas descobrimos que em vidas várias vidas passadas eles já haviam se encontrado, numa delas inclusive foram irmãos, estando ligados poir uma relação de ciúmes e inveja. 'Anúbis' era relutante e não quiz saber de mudar seus atos, foi deixado à conta dos exus guardiões.
Um outro espírito que foi imão do consulente em outra vida se maniefstou e afirmava que ele o envergonhara pq era homossexual (disse que não usavam esse termo mas que era esse o caso). Tbm foi visto que em outra existência o consulente era padre e abusava sexualmente de crianças. Localizamos o companheiro falecido do consulente e o resgatamos, assim com vários outros espíritos que se encontravam na região umbralina onde ele estava.
Em outra vida, o consulente era proprietário da única funerária de uma pequena cidade e, como as mortes andassemm escassas, ele mesmo matava as pessoas. Saía de carro à noite e atropelava quem encontrasse na rua. Resgatamos várias pessoas mortas por ele nessas circunstâncias, inclusive um desses espíritos, uma mulher, incorporou numa das médiuns e o acusava de tê-la matado, estava toda arrebentada e desfigurada. Como houvessem muitas vítimas reclamando e querendo vingança, mostramos a uma delas o motivo dela ter morrido assim: ela vendia passagens de barco para muitas pessoas e, estando em alto mar, as jogava no mar para morrerem afogadas, emitimos um comando coletivo para que todos os outros tbm lembrassem o que haviam feito no passada para terem morrido dessa forma e os encaminhamos para o hospital.
O consulente já está consciente da necessidade de desenvolver sua mediunidade trabalhando caritativamente em prol dos espíritos sofredores e já participa de um centro espírita, estando portanto no 'caminho certo', bastando apenas abandonar a prática de jogar cartas que ainda o liga ao antigo terreiro de rito africano. De resto, é continuar perseverando na prática do bem, continuar fazendo sua 'reforma íntima', que o tempo amenizará sua carga cármica.
Abraço.

Gelson Celistre.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O servo do faraó

Atendimento de uma senhora na faixa dos 50 anos, com problemas na coluna cervical. Segundo diagnótico médico ela necessita de uma operação cirúgica, à qual ela não quer se submeter, e em função disto está procurando um tratamento 'alternativo'. De início já lhe alertamos de que o atendimento espiritual não tem a pretensão de substituir o tratamento médico e a aconselhamos a seguir as orientações da medicina terrena. Caso não concorde com a avaliação do profissional que lhe atendeu, então que procure a opinião de um segundo médico.
Cabe aqui um alerta aos entusiastas dos tratamentos 'alternativos', incluindo-se aqui o atendimento espiritual, seja com apometria ou qualquer outra técnica.
Muitos problemas físicos/fisiológicos possuem a sua origem em algum problema de ordem espiritual, porém, nem todos podem ser remediados apenas com a eliminação desse problema de ordem espiritual. Os diversos tipos de câncer, por exemplo, geralmente são a condensação de fluídos tóxicos aderidos ao perispírito da pessoa e que ao atingirem uma quantidade que supera o limite de desgaste suportado pelos nossos corpos sutis, é 'drenado' para o corpo físico a fim de ser eliminado.
Em alguns casos é possível que ao se eliminar essa carga tóxica através de um atendimento espíritual os efeitos no corpo físico cessem e se opere uma 'cura' física, mas esses casos são muito raros e dependem de uma série de fatores. Normalmente, uma vez atingido o nível físico, vai ser necessário que se trate o corpo físico com a medicação convencional.
O que se obtém de resultado nesses casos com o tratamento espiritual é que se a pessoa compreendeu o motivo e conseguiu, mesmo que a nível inconsciente às vezes, mudar o padrão de pensamentos e sentimentos que a levou a aglutinar em redor de si esses fluídos tóxicos (geralmente advindos do egoísmo, cólera, inveja, cupidez, vícios, etc.) é evitar que o mal se propague mais pois, cessando a causa espiritual, ao se eliminar o foco cancerígeno no órgão ou parte do corpo afetado este não ressurge em outro órgão, como é comum de acontecer em muitos casos, onde a pessoa trata apenas o físico mas não se modifica de forma nenhuma interiormente.
O que havia com essa senhora era uma situação de ressonância de vida passada, muito curiosa por sinal. Junto dela se encontrava um espírito que convivera com ela por volta do ano 1.500 AC, no Antigo Egito. Naquela existência a consulente era serviçal no palácio do faraó e este ser que a acompanhava agora era uma espécie de chefe dos serviçais, a quem competia administrar os trabalhadores do palácio.
Segundo ele, a consulente naquela vida era muito preguiçosa e vivia a se prostrar pelos cantos evitando o serviço que lhe cabia. Como forma de punição ele mandou lhe quebrarem a coluna cervical, para que ela tivesse que se arrastar para realizar os seus afazeres.
Este ser afirmou que depois daquela existência tivera apenas umas duas ou três encarnações, numa delas inclusive foi egiptólogo, e que sempre voltou (ao ambiente astral do Antigo Egito onde estava plasmado aquele palacete) para 'cumprir suas obrigações', seu dever segundo ele era 'servir ao faraó'. Ele foi enterrado vivo na mesma tumba que o faraó, juntamente com enorme comitiva de serviçais, justamente para isso, para servir o faraó no além-túmulo.
Perguntei a ele se havia encontrado o tal faraó no além-túmulo mas ele disse que não, pois o faraó estava no 'paraíso', visto que era um deus. Argumentei com ele que o tal faraó devia estar reencarnado há muito tempo mas ele objetou que não. Pedi a nossa equipe que lhe mostrassem então onde estava agora o tal faraó e ele se recusou a acreditar no que ele mesmo viu. O tal faraó não só está reencarnado atualmente, como é um ilustre desconhecido, e foi visto pelo seu fiel servo passeando de bermuda numa praia, provavelmente vendendo alguma coisa para sobreviver.
Descobrimos que o severo castigo que esse servo impôs à consulente naquela vida tinha uma motivação passional e não apenas o zelo do servo para com os serviçais do seu patrão. Uma das médiuns viu que ela era filha de outro serviçal e lhe disseram que fora por ciúmes, imaginou então que este servo fosse rival do outro pelo amor da mãe da consulente naquela vida, mas a médium que estava incorporada pelo tal servo fez um aparte e disse que ele naquela vida era homossexual, e que o ciúme que ele tinha era do pai da consulente e não da mãe, e foi esse homem que ele quiz magoar com a cruel punição à sua filha.
Ainda conversamos com este ser por algum tempo, ele estava realmente obcecado com essa sua vida passada. Descobrimos ainda que em outra vida anterior àquela, ele tinha sido conselheiro de um faraó, que tbm era o mesmo espírito ao qual ele serviu nessa vida a qual estava apegado.
Tbm mostramos a ele que eu havia sido um sacerdote muito próximo do terceiro faraó que se seguiu a esse que ele servia, na tentativa de lhe fazer ver que por termos tido alguma posição de alta hierarquia social no passado, não significava que por conta disso estaríamos no 'paraíso', mas foi em vão.
Efetuamos a libertação dos serviçais que foram enterrados junto com o faraó, e que esse servo fazia questão de perseguir e manter cativos para servir o tal faraó sob seu comando, assim como fez com a consulente, e depois tivemos que fazer esse ser esquecer aquela vida.
Outra situação que foi captada junto à consulente foi de uma existência onde ela era uma bruxa e matou muitas crianças em rituais demoníacos. Ela atuava com parteira e para muitas mães disse que a criança nascera morta, quando na realidade ela as matou e ofertou para algum ser trevoso. Havia muitos espíritos dessas mães lhe cobrando os filhos, sem contar as crianças que foram vitimadas por ela. Resgatamos todos e os conduzimos ao hospital no astral.
Casos como o dessa senhora não são raros, onde pessoas que nunca se importaram com qualquer coisa espiritual, quando se vêem vitimadas por alguma enfermidade grave, buscam desesperadamente uma 'alternativa' espiritual para minorar seu sofrimento. Os males do corpo físico costumam ser mais eloquentes que qualquer orador quando se trata de converter as pessoas, pois quem vive apenas para o 'mundo, somente ante a perspectiva de perder o seu mundo é que cogita da existência de um outro além desse. Para a maioria de nós, a dor ainda continua sendo o melhor professor.
Abraço.

Gelson Celistre.

Relações conjugais

O consulente, um rapaz de vinte e poucos anos, nos procurou por conta de atribulações nas suas relações conjugais. Os problemas são os mesmos porque passam muitos casais, discussões, brigas, separações ocasionais, etc. Relata que ocasionalmente tem vontade de largar tudo e levar uma vida de 'solteiro', frequentando bares e boates.
Inicialmente incorporou numa das médiuns uma mulher que em vida passada ele espancara até a morte. Este espírito cheogu acompanhado de outro que tinha a aparência de um porco-espinho, com protuberâncias pontiagudas lhe saindo do corpo. Ambos tinham muito ódio do consulente. Investigando as razões descobrimos que em vida passada o consulente desposara essa mulher, que era cigana e cujo pai tinha muitas posses (o pai era o 'porco-espinho'). Ele se fez passar tbm por cigano para casar com a moça e receber seu dote e propriedades, mas uma vez consumado o casamento, ele a tratava mal e a fez morrer para ficar com tudo para si. Estes espíritos foram adormecidos e levados para tratamento no astral.
Havia uma outra mulher acompanhando o consulente, uma típica 'gira', essa vivia num bordel no astral, onde frequentemente recebia o consulente desdobrado, que fora seu cliente na vida em que morreu prostituta. Disse que naquela vida ela fugia do pai pra ir atrás de homens e que ele se cansando disso, acabou deixando ela num bordel. Soubemos depois que o pai dela se apaixonara por uma prostituta e ela teve uma filha dele, mas não conseguiu abandonar a vida que levava e ele entáo criou a menina sozinho. Esta porém, pareceu ter herdado o comportamento da mãe e náo tendo como evitar, ele a entregou a mãe para que ficasse com ela e assim ela viveu de bom grado no bordel. Era feliz com a vida que levava.
Esta gira era bem alegre e foi difícil demovê-la da intenção de continuar a ser puta no astral. 
Fizemos ela lembrar de uma outra vida onde fora uma boa esposa e mãe de dois filhos, era feliz e amava o marido, apesar de tê-lo achado muito feio quando o viu. Mesmo assim, a presença dos dois filhos que ela teve naquela vida a balançou um pouco e ela resolver ir com eles, para ver como viviam, sem prometer que lá ficaria, o que aquiescemos e lhe garantimos que náo seria presa e que poderia voltar para seu bordel se quizesse.
Mais especificamente sobre sua vida conjugal, havia junto dele um espírito de um homem que fora seu companheiro de boemia em vida passada (antes dessa, na década de 40). Ambos eram músicos e viviam na noite, tocando em bares e boates. Num desses locais onde trabalhavam conheceram uma mulher (a esposa atual do consulente) e ambos se apaixonaram por ela, que era filha do proprietário do lugar. nenhum deles logrou ficar com ela pq o pai náo aprovava. 
Entretanto, eis que se encontraram nessa vida e o amigo de boemia revoltou-se em ver seu antigo colega casado com a mesma mulher, que no passado nenhum dos dois "merecia". Este espírito alegava que o consulente náo gostava da mulher, que a tratava mal, etc.,  e náo queria deixá-los em paz. Fizemos ele ver que em outra vida ele fora pai dela e que náo fora um bom pai, acabou cedendo à nossa argumentação e foi com nossa equipe espiritual.
Por trás desses problemas 'menores', encontramos ainda ligada ao consulente uma bruxa. Na época da inquisição essa mulher fora acusada de bruxaria e morreu queimada na fogueira. Segundo ela, era inocente e por conta disso, na sua próxima encarnação veio mesmo com o propósito de ser uma bruxa e se vingar de todos que a acusaram injustamente, o que ela fez. Havia vários espíritos mutilados ligados a ela, todos dos quais ela se vingou. Uma das vítimas de sua vingança foi quem levantou a falsa acusação contra ela, e que foi avô do consulente em outra vida.
Nesta vida ela sequestrou o consulente ainda bebê e o criou como seu aprendiz, fazendo inclusive que ele mesmo, já adulto, assassinasse o próprio avô num ritual macabro. Sua vingança foi bem elaborada e cruel. Com este tipo de ser pouco se pode argumentar e o que pudemos fazer foi apagar-lhe a mente, a fim de que seja reconduzida a nova reencarnação.
Realmente havia componentes externos os problemas de relacionamento do casal, mas todos advindos da má conduta do consulente no passado e tbm na vida atual. Geralmente gostamos de culpar os 'obsessores' mas a culpa sempre começa em nós mesmos. Os espíritos desencarnados não criam nada em nós, nem desejos, nem vícios, nem sentimentos, eles apenas potencializam aquilo que existe dentro de nós mesmos. É por esse motivo que, sem a mudança interna, a reforma íntima que mude nossos padrões de pensamento, sentimento e comportamento, qualquer tratamento ou terapia será apenas um paliativo que pouco adiantará. Troca-se um obsessor por outro e a pessoa continua na mesma.
Abraço.

Gelson Celistre.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Retaliação

Na reunião anterior tivemos dois casos envolvendo entidades de baixíssima vibração (vide os posts 'O dragão' e 'Dramas íntimos') e sofremos uma retaliação por parte das entidades envolvidas.
No caso da consulente que desdobrada fazia parte da falange dos dragões, tivemos a visita de seu 'mestre'. A entidade, de estatura elevada se comparada a um se humano, tinha a característica cauda e as protuberâncias nas costas que caracterizam esses seres draconianos. Caminhava curvado para a frente apoiando-se em um tridente. Estava muito revoltado pq sua pupila ficara com dúvidas após a consulta.
Reclamava que estávamos 'estragando' um trabalho de várias vidas em que ele vinha se apresentando a ela como seu 'mestre' interior, uma espécie de guia espiritual.
Como fiz com a consulente, retirei-lhe os adereços reptilianos, o rabo e as protuberâncias, e ele foi levado por dois guardiões. Este ser foi descoberto em função de uma dor aguda que eu estava sentindo, já antes da reunião, na região do baço (chacra esplênico). No local havia um pequeno ser, semelhante a um polvo com vários tentáculos, que retiramos e colocamos numa bolha.
A outra retaliação foi por conta de meu 'pai', que me atacou por termos retirado uma mulher da sua cidade (a consulente do post Dramas íntimos) e fez alguma coisa em meu corpo astral com tal intensidade que me causou repercussões no corpo físico. Eu estava sentindo desde o dia anterior uma dor no lado esquerdo do rosto, como se tivesse levado um forte golpe com algum porrete ou algo semelhante. Segundo os médiuns no astral minha cabeça estava 'afundada'. Qualquer semelhança com a dor que a consulente sentia no rosto tbm não deve ser mera coincidência, provavelmente foi através do sentimento dela que conseguiram acessar alguma frequência de vida passada minha.

Chamamos 'papai' para conversar e ele novamente esbravejou e fez novas ameaças. Ele mesmo antes de sair desfez o que tinha feito no meu corpo astral. Interessante que quando decidi chamá-lo logo o grupo todo foi cercado por um grupo de guardiões, a fim de evitar que algum outro ser da 'comitiva' de papai adentrasse o recinto. Segundo nos informaram na cidade umbralina que este ser governa vivem cerca de 25 milhões de espíritos.
Logicamente que esses seres só puderam provocar esses efeitos em meus corpos astral e físico pq meu carma permite isso, em função de meus desvarios do passado. Relatamos isto apenas para que as pessoas saibam que mesmo trabalhando para a 'luz' ainda temos nossas trevas interiores e que o trabalho alivia nossa carga, mas não nos exime de carregá-la. Temos uma certa proteção mas não estamos totalmente isentos das consequências de nossos atos.
Abraço.

Gelson Celistre.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Dramas

     Antes da consulente entrar uma das médiuns já começou a sentir dor num dos joelhos. Enquanto a consulente nos relatava seus dramas a entidade, já incorporada na médium, se mostrava impaciente para falar. Era um homem que morreu espancado a marretadas, principalmente no joelho, pela consulente que em outra vida era um homem e tinha algum cargo de responsabilidade em uma aldeia.


     Descoberto por este outro que estava roubando os aldeões ele foi morto. Logo depois todos descobriram que ele os roubava e ele incendiou a aldeia, onde muitos morreram queimados. Foi efetuado um resgate coletivo nesse sítio astralino. Captamos outra vida onde a consulente era 'benzedeira' e fazia partos e abortos. Naquela vida era uma psicopata pois ela matava crianças no parto e dizia às mães que a criança nascera morta, em muitas ela provocava deliberadamente danos nos órgãos reprodutores das mães para que elas não tivessem mais filhos. Resgatamos muitos seres nessa frequência.
     Na vida atual ela fez um aborto e o espírito que ia nascer como filho dela se manifestou na reunião, dizendo que seria uma oportunidade dela se tratar desse 'problema' que ela tem com crianças. Não parecia revoltado, apenas decepcionado por ela não ter levado a gravidez adiante.
Outra médium captou uma vida anterior da consulente onde ela teve que ser 'barriga de aluguel' para a própria irmã. Era o período medieval e a família dela era de origem humilde. Entretanto, sua irmã casou com um fidalgo e descobriram depois que ela não podia ter filhos.
     Para dar um herdeiro ao fidalgo os pais dela a obrigaram a manter relações com seu cunhado até engravidar, a fim de que esse filho fosse revelado a todos como sendo da irmã dela. Ela acabou vivendo sozinha a vida toda e nunca pode revelar para a criança, uma menina, que era a mãe verdadeira dela. A consulente tbm estava desdobrada numa cidade umbralina, onde 'coincidentemente' o governador é um ser que foi meu pai em passado remoto.
     Há algum tempo este ser apareceu em uma de nossas reuniões, acompanhado de um enorme cão negro, para reclamar que eu estava indo até sua cidade com o intuito de 'convertê-lo'. Eles não opuseram resistência quanto à retirarmos a consulente de lá, apenas observaram se iríamos conseguir, pois tinham alguma 'fé' de que a consulente não sairia facilmente, no que tinham razão.
Entretanto, nós a retiramos e apagamos sua memória inconsciente ativa para que ela esquecesse sua ligação com aquela cidade. Enquano apagávamos a mente da consulente desdobrada, fisicamente ele estava visivelmente perturbada, tremia e chorava, sentia falta de ar, etc.
     Logo que efetuamos o apagamento ela se situou em outra situação no astral. Estava num porão escuro,  era um menino de uns 5 anos, que tinha sido trancado ali pelo pai, que tinha desconfianças sobre ser realmente o pai biológico do menino. A mãe dele foi espancada e ele morreu preso nesse porão. Pedi ao médium que viu essa cena para que levasse o menino para o nosso hospital e fui tratando outra situação que estava ocorrendo com outros médiuns.
     Depois que terminamos a reunião, esse médium comentou que havia cometido um erro naquele momento, mas que a equipe espiritual o alertara e já fora sanado. O que ocorreu foi que quando ele foi levar o menino para o hospital esse pediu para levar junto seu gatinho, pois não queria se separar dele. O médium inocentemente achou que não teria problemas nisso e mandou o tal gatinho junto com o menino para o hospital. Depois a equipe o contatou e mostrou a ele que o tal gatinho na realidade era uma parte da consciência da própria consulente e que o animal estava atacando os trabalhadores do hospital.
     Foi percebido que a consulente vivia muito desdobrada nessa cidade umbralina pois lá tinha sexo e poder, enquanto que sua vida no plano físico é solitária e monótona, sem muitos atrativos para ela. Tbm foi vista uma outra vida onde a consulente se suicidou pq não aguentou cuidar de dois filhos que ela tinha, apesar de parecer ser uma vida normal. No final da reunião senti uma presença perto de mim e pedi para um dos médiuns veririficar, era o meu 'pai' que veio bisbilhotar e disse ao médium que dessa vez tínhamos vencido mas que não pensássemos que seria sempre fácil assim daqui pra frente.
     Na vida atual a consulente vive um drama íntimo, que não convém mencionar, por conta de um fato que ocorreu e que tem ligação com um evento ocorrido numa dessas vidas passadas e que ela não aceita, foi aconselhado a ela que procurasse um trabalho onde pudesse ter contato com crianças para tentar desenvolver a amorosidade, perdão, além da renovação interior necessária, estudo do evangelho, etc.


Gelson Celistre.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O dragão

A consulente, professora e praticante de yoga há mais de vinte anos, reclama de uma obsessão que está lhe afetando o corpo físico, já há vários anos. Já fez vários tratamentos e nada resolveu, inclusive recentemente fez uma consulta numa casa espírita, com apometria, mas tbm parece que não foi resolvido nada. Segundo ela esse problema começou quando ela entrou em contato com um homem que mora em outro país, para efetuarem um trabalho em conjunto.


Logo após ela relatar seus problemas, incorporou um espírito relatando que iria deixar ela louca. Conversando com o cidadão, descobrimos que na vida passada da consulente, anterior a esta, ela fora casada com ele e o 'deixou louco'. Ele era bem posicionado financeiramente e quinze anos mais velho que ela, que tinha vinte anos quando casou. Aos trinta e cinco anos ela arrumou um amante e para se livrar do marido arquitetaram um plano de enlouquecê-lo, o que executaram com perfeição, e em três anos ele mesmo já se achava louco; foi internado num manicômio em 1928 e ficou lá até morrer.

Aqui abrimos um parêntese para relatar um resgate ligado à essa 'frequência'. Quando ele relatou que fora para um hospício, já pedi aos médiuns que verificassem se este ainda existia no astral pois isso é comum de ocorrer e logo outra médium incorporou um dos internos desse manicômio que tentou fugir e morreu de frio do lado de fora pois estava nevando (o local não soubemos com exatidão mas provavelmente era na Europa). O local de fato ainda existia no astral e soubemos que no início da Segunda Guerra Mundial um dos exércitos combatentes (provavelmente invasor naquela região) pretendia utilizar o manicômio como hospital para seus soldados feridos, sendo que invadiram o local e mataram todos que estava lá dentro a tiros de metralhadora.

Depois parece que houve uma retaliação e o local acabou sendo incendiado. Foram resgatados muitos espíritos ligados a este local no astral. Naquela existência era ele quem sustentava seus pais, mas a consulente, mesmo depois que ele 'enlouqueceu', continou provendo o casal de sogros. Conversando com o espirito do 'ex-marido' da consulente, fizemos ele lembrar de uma encarnação anterior, e pedimos que nos relatasse o que via. A princípio relutante, por fim acabou confessando que eles haviam sido irmãos nessa vida que ele lembrou, e que ela era a irmã mais velha e era quem teria direito a alguma herança que, por ganância, ele queria para si.

Ele fez com ela naquela vida o mesmo que ela fez com ele nessa outra, ele a declarou louca e a internou num hospício. Os pais dele naquela vida foram os mesmos que foram seus pais na vida onde foi  marido da consulente e morreu louco. Tbm foi mostrado a ele que os pais atuais da consulente são esses mesmos espíritos, ou seja, que eles foram pais dele já por duas vezes recentemente, e ela estava inclusive perturbando-os para que 'infernizassem' a vida da consulente (ela está morando com os pais atualmente). Ele não tinha a menor idéia dessas outras relações entre ele e os pais da consulente e, tendo perdido a 'razão' para sua vingança, não foi difícil convencê-lo a aceitar nossa ajuda e seguir com sua vida.

Essa frequência de vida passada foi aberta quando ela entrou em contato com o tal homem que mora no exterior pq ele era o amante dela nessa vida onde ela enlouqueceu o marido. Um caso de ressonância de vida passada. Conforme constatamos a seguir, essa obsessão era o menor dos males da consulente.
Em outra existência dela, por volta do ano 1812, ela era dançarina e prostituta, sendo muito requisitada pelos membros da 'alta sociedade' do local onde morava. Para a infelicidade dela, as mulheres traídas desses dignatários se reuniram e conspiraram contra ela, jogando-lhe ácido no rosto e no corpo. Ela nessa existência morreu na mesa de cirurgia tentando recompor seus tecidos.

Na dimensão astral, atuando nessa frequência, estava o mesmo médico que tratou dela naquela vida. Esse ser detinha muito conhecimento e até o convidei a atuar junto às equipes socorristas, ao que ele retrucou dizendo que com o conhecimento que ele tem não dá pra trabalhar para 'o bem'. Estava já a ponto de apagar a mente da criatura mas a equipe espiritual estava interessada nele pois disseram que iriam conversar com ele mesmo estando relutante. Esse ser se mostrou por mais de uma vez para médiuns onde a consulente estivera procurando ajuda como Sai Baba (http://www.sathyasai.org.br/saibaba/conheca.htm) mas logicamente que não era ele, assim o fez pq o tal homem que fora amante dela no passado comentou alguma coisa com ela de ter sido seguidor ou devoto desse mestre indiano.

Inclusive na recente consulta que ela teve num centro espírita ela ouviu alguma menção ao fato de que ela estaria 'trabalhando para ele (Sai Baba) no astral de alguma forma.Por trás dessas frequências de vidas passadas da consulente estava uma situação bem pior. Por ter feito parte das falanges dos dragões em algum período intervidas, ela se encontrava desdobrada com seu corpo 'a caráter', ou seja, com um rabo reptiliano e protuberâncias na espinha dorsal que iam da cabeça à ponta do rabo, parecendo um dinossauro ou dragão mitológico.

Ligada a ela havia um ser que em vida passada a cooptara para as falanges dos dragões, quando em vida aqui no plano físico faziam sacrifícios humanos, esquartejando corpos e bebendo sangue humano. Este ser incorporou mas não tínhamos muito o que fazer para essa criatura, que tinha plena consciência dos seus atos e que optara pelo mal deliberadamente. Por mim eu iria recolher apenas os seres escravizados e deixaria este e outros dragões lá onde estavam mesmo, mas pedi para um dos médiuns consultar a equipe espiritual e nos disseram que todos os dragões seriam presos.

Retiramos essa 'carcaça' de dragão da consulente mas na cabeça e nas costas dela (no corpo astral) ficou um ferimento, como se tivessem arrancado a pele e ficasse em 'carne viva'. Foi indicado à consulente que ela deveria colocar um pano branco sobre a cabeça durante alguns dias e vestir uma camisa ou roupa branca, ao dormir. Não é a primeira vez que nos deparamos com seres que administram seu karma de forma a poderem permanecer com boa parcela de sua consciência em desdobramento nas regiões trevosas enquanto estão encarnados.

A situação da consulente é tbm muito comum, pessoas que possuem algum grau de mediunidade em função de seus desvarios de vidas passadas e que 'optam' por atividades espiritualistas onde não conseguem equilibrar seus compromissos cármicos, se imagiando possuidoras de um 'certo' nível espiritual que não condiz com a realidade. Encontramos pessoas com esse perfil em vários seguimentos das chamadas 'terapias alternativas'. Nada temos contra a meditação ou a yoga, ao contrário, nós próprios fizemos uma iniciação em Kriya Yoga há algum tempo, entretanto, a prática da meditação ou da ioga não vai nos eximir de cumprirmos nossos compromissos cármicos e nem evitar que as energias que arrojamos de nós no passado retornem a nós.

Tampouco vamos nos tornar 'iluminados' pelo simples fato de meditarmos. O desenvolvimento mental tem se mostrado como um dos maiores empecilhos à nossa evolução, pois desenvolvemos muito a mente, a inteligência, mas olvidamos de desenvolver o coração, os sentimentos, mascarando com a intelectualidade a falta de elevação espiritual. Os famosos 'magos negros' são seres com um conhecimento imenso, uma mente super desenvolvida, mas que por não terem desenvolvido os sentimentos, o amor, permanecem presos às regiões abismais da dimensão astral da Terra. A evolução se baseia no binômio amor e conhecimento, mas o 'bilhete de passagem' para as regiões celestiais nós compramos com o 'amor' e não com o conhecimento.

Abraço.

Gelson Celistre.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Incidente na igreja

Na semana passada uma das médiuns comentou que fora assistir a missa numa igreja católica e percebeu pelas janelas de vitral que do lado de fora do prédio havia uma orda de espíritos de baixa vibração. Estes seres vieram acompanhando os fiéis e estavam apenas esperando que estes saíssem para se juntar a eles. Enquanto esperavam do lado de fora, espiavam para ver se não tinha algum outro que lhe agradasse mais, para então ligar-se a este. Na ocasião não demos muita importância ao fato pois ela havia ido no domingo anterior e não parecia que tínhamos algo a fazer.
Na reunião da semana seguinte ela nos disse que quase não iria vir, pois inclusive não havia ido trabalhar nesse dia por estar com muita dor de cabeça, a vista embaçada e com dor de ouvido. Mas acabou vindo na reunião ao averiguarmos se as dores que ela estava sentindo tinham algum componente espiritual nos deparamos com uma cidade umbralina, com a qual ela estava sintonizada, onde vários seres queriam ser resgatados.
Muitos deles a viram na igreja pq acompanhavam outras entidades e perceberam que poderiam ser auxiliados, passando então a se manter sintonizados com ela. Como ela não estava percebendo a presença e a vontade deles, eles provocaram as dores nela, no ouvido pq não os ouvia, os olhos ardiam pq nesse local havia uma névoa cobrindo tudo. Mas nessa cidade muitos viviam ali por vontade própria e não queriam sair.
Efetuamos então uma 'pescaria', mentalizando uma rede magnética que iria retirar apenas os que tivessem a vontade de serem resgatados. Após termos recolhido um tanto e de outro tanto ter ficado lá, alguns dos que foram resgatados pediram desculpas à médium, dizendo que a dor foi o meio que tiveram de chamar a atenção dela.
O médium deve sempre ter em mente que sua faculdade lhe foi outorgada para o auxílio aos espíritos sofredores e que se ele sente, escuta ou vê algum ser necessitado é pq ele tem a possibilidade e o dever de ajudá-lo.
Abraço.

Gelson Celistre.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O pastor

     Atendimento de uma mulher, cuja reclamação era a 'conversão' de seu marido. Estavam juntos há cerca de cinco anos quando ele foi visitar uma igreja (Assembléia de Deus) a convite de seu sócio. Ela disse que ele foi nessa igreja num dia e no outro já estava de terno e gravata e com a bíblia debaixo do braço. Disse que ele era surfista, gostava de sair, etc e de repente tudo virou pecado, queimou livros espíritas que ela tinha em casa, jogou fora umas imagens de Jesus e de Maria que ela tinha em casa, enfim, adotou um comportamento fanatizado literalmente da noite pro dia. Isso aconteceu há seis anos atrás. Ela estava muito transtornada emocionalmente quando nos contou sua história e logo que terminou uma das médiuns já estava incorporada por um espírito que se manifestou dizendo que ele estava recebendo o que merecia e que ele ia perder tudo, até a mulher, por causa dessa religião.


     Conversando com esse espírito descobrimos que em vida passada ele fora um rico fazendeiro que foi cooptado por um 'pastor' e acabou entrando para uma comunidade cristã onde esse pastor era o líder espiritual. Doou tudo que tinha para essa comunidade e ficou vivendo lá, era um grupo fechado, radical, e esse pastor dominava as mentes de todos. Pelas suas normas, que segundo ele eram a vontade de Deus, ele podia ficar com a esposa de quem ele quizesse e ele acabou se encantando com a esposa desse espírito. Ele disse que quando deu por si não tinha nada, tinha perdido tudo, inclusive a mulher, para esse pastor. Desolado, enforcou-se numa árvore. Isso ocorreu nos Estados Unidos em 1901.
     Uns três anos antes do marido da consulente se 'converter', ele o encontrou através do sócio dele (éram amigos já antes de serem sócios) e começou a ''preparar o terreno'. No dia da conversão ele (esse espírito) estava lá, 'dando uma força' para que o rapaz se convertesse.
Vamos abrir um parêntese aqui para relatar que enquanto eu conversava com esse espírito uma das médiuns sintonizou com uma região umbralina muito densa. Havia um muro alto cercando uma área onde no meio havia uma torre circular de pedra, no pátio formado pelo muro e ao redor dessa torre havia várias casinhas. Nesse pátio havia uma quantidade muito grande de pessoa que se enforcaram.         Tbm tinha ali uma pequena capela, que estava cheia de corpos em estado de putrefação de mulheres que foram queimadas vivas. Do lado de fora do muro havia um lago de lava incandescente. Envolvemos essa cidadela toda em uma bolha e trouxemos para o nosso posto de socorro. Várias entidades trevosas tentavam manter ele preso lá, mas nem conversamos, paralisamos elas e as trouxemos junto. Era nesse local que o espírito que estava conversando comigo vivia, até ser atraído pela vibração do marido da consulente.
     Ainda conversando com esse espírito, perguntei se ele não havia encontrado a esposa depois de morto e ele disse que não, mas que a reconheceu como sendo a consulente. Ele estava muito determinado em acabar com a vida do marido da consulente, pq ele não prestava e tal. Durante a conversa de doutrinação, fiz ele lembrar de uma vida passada dele e pedi que me dissesse como foi.
     Ele disse que 'emprestava dinheiro a juros' e que deixou muitas famílias na miséria, sem falar que muitos ele mandava matar pq não podiam pagar o que lhe deviam. O marido da consulente foi um de seus devedores naquela vida, sendo que ele teve que fugir da cidade para não ser morto, além de ter perdido tudo que tinha.Depois de ter lembrado disso, seu ódio se amenizou um pouco pois sua consciência achou uma brecha para atuar nele mesmo. Com mais algumas palavras o convenci a recomeçar sua vida com o auxílio de nossa equipe espiritual.
     Naquela vida ainda onde ele se enforcou verificamos que a consulente, que havia sido tomada como esposa pelo pastor (hoje seu marido), era mantida meio a contra-gosto com ele, inclusive tendo ficado em cárcere privado por diversas vezes. Ele morreu de cama e ela fugiu daquela comunidade, tendo morrido de velhice. Estes são indícios que apontam para uma direção contrária à atual pois num caso desses tem que haver uma outra força provocando a união desses dois e pedi então às médiuns para sintonizarem uma outra vida passada da consulente com esse seu marido.
     Elas rastrearam uma vida passada da consulente e seu marido no início século XIII, onde a consulente era uma perigosa bruxa, que fez uma 'poção do amor', um feitiço, para que um homem de quem ela gostava e que não gostava dela, ficasse com ela. Ela teve sucesso com sua poção e teve o homem que queria. Esse homem era casado e tinha uma mulher, que foi abandonada por ele, mas que espiritualmente estava perseguindo a consulente. Falou ainda que a consulente matou muita gente e desgraçou a vida de tantos outros com seus feitiços e venenos. Esta aí a explicação do porque de terem se reencontrado.
     Pedi aos médiuns que verificassem o 'astral' da igreja que o marido da consulente frequenta e o que eles viram foi uma orgia dantesca, onde os 'fiéis' desdobrados se encontravam num ambiente sujo de sangue e onde a libertinagem era total, ao estilo 'ninguém é de ninguém'. Enquanto me descreviam cena, notaram uma entidade trevosa no ambiente, encarnada, e que incorporamos numa das médiuns para bater um papo.
     Era o pastor da tal igreja, que já chegou dando sermão, dizendo que não deveríamos interferir no casamento da moça e nem 'colocar idéias na cabeça dela', etc.
Conversei um pouco com o tal pastor, que disse ter uma missão que lhe foi dada por Deus de conduzir as pessoas para Ele... na verdade é um coitado, cego pelo orgulho e a ambição, em sintonia estreita com entidades trevosas. Mostrei a ele o que acontecia no astral da igreja e ele duvidou, disse que eram os demônios que estavam criando essas ilusões, disse a ele para pedir a Deus que mostrasse a ele, ele viu a mesma coisa mas duvidou novamente, disse que eu estava possuído pelo demônio...
     Eu o desafiei então a me exorcizar, ele disse que 'em nome de Jesus" ele expulsava o demônio mas acho que não conseguiu falar com Ele pq não senti nada... rsssss, confesso que fui um pouco cruel com o pastor pois perguntei a ele se já tinha visto o demônio e como ele disse que não tinha visto, criei um na frente dele, aquele modelo clássico, com patas de bode e chifres de carneiro, soltando fumaça pelas ventas... O pastor ficou apavorado e pensava "como Deus podia tê-lo abandonado". Por fim, mandei-o de volta ao seu corpo físico pois ou a criatura é muito ignorante mesmo ou não quer enxergar a realidade.
     O marido da consulente se 'converteu' pq quando esteve na tal igreja vislubrou tudo que já teve na vida passada quando era o líder religioso, o pastor, de todo aquele 'rebanho' e isso aguçou sua cobiça por bens materiais e poder sobre os demais. Nos disseram que agora ele provavelmente vai ter alguma doença menos grave, mas que vai fazê-lo questionar um pouco suas crenças. Talvez seja a oportunidade para que a consulente consiga lhe 'abrir os olhos' e quem sabe ter uma vida mais harmoniosa com ele.


Gelson Celistre.

domingo, 4 de julho de 2010

O Bispo

Dia de reunião de nosso grupo de apometria e já acordei com a cabeça doendo, uma dor típica de quando estou sintonizado com energias de baixa vibração, o que não chega a ser nenhuma novidade. Na reunião, após atendermos as consultas agendadas, pedi para as médiuns verificarem minha 'frequência'. Inicialmente uma delas viu ao redor do meu pescoço uma corrente enrolada, com várias voltas, e um ser puxando essa corrente com um pé nas minhas costas, tentando me estrangular. Outra viu que havia uma ave de rapina, um falcão, com suas garras cravadas na minha cabeça. Este falcão estava 'pousado' no braço de uma criatura que estava atrás de mim.
Inicialmente retiramos a corrente e o sujeito que a puxava, e depois a garra do falcão. Esse tipo de ataque é comum e não estranhamos mais, mas sempre tentamos descobrir mais detalhes a fim de dar um tratamento mais eficaz ao ocorrido. Perguntei qual seria o motivo desta vez e nos disseram que seria o fato de eu estudar muito sobre a espiritualidade e que 'eles' preferiam que eu fosse 'apenas' intuitivo, pois assim seria mais fácil de me influenciarem.
Verificamos que o 'falcão' era um espírito humano metamorfoseado e o provocamos sua incorporação para sabermos seus motivos de ali estar. O ser disse que foi almadiçoado, juntamente com vários outros, e que estes assumiram uma forma animal da qual não conseguiam se livrar. Segundo ele isso ocorreu nos idos do século XVII, há mais de 300 anos consequetemente. Tbm incorporou uma mulher que havia tido sua boca costurada pelo mesmo ser que os amaldiçoou.
Segundo nos relatou o 'falcão', o responsável pela sua desdita e de seus companheiros fora um alto dignatário da igreja, um bispo, que eles descobriram ser um mago ocultista. Este bispo engendrou uma 
emboscada na qual eles foram mortos e seus espíritos aprisionados por ele em formas animais. O tal bispo ainda engendrou uma conspiração para assassinar o rei local, que não era muito popular entre os súditos, e roubar-lhe a coroa. Entretanto, apesar de ter tido sucesso na morte do rei, por envenenamento, foi descoberta sua trama e ele foi preso e enforcado na prisão antes de seu julgamento, tendo sido dito ao povo que ele próprio se enforcara, pois temiam que ele se tornasse uma espécie de mártir e inspirador de novas rebeliões.
Tbm foi resgatada uma mulher e um bebê de colo, que seria filho desse bispo. A mulher com quem o bispo teve um relacionamento e que gerou essa criança afirmou que iria matá-la. Não chegamos a saber o motivo que levaria uma mãe a matar o próprio filho, mas considerando as atividades do bispo, possivelmente seria para livrá-la de alguma coisa pior que a morte prematura, provavelmente algo ligado à magia negra. Ocorre que para evitar isso o bispo resolveu matar a mulher, o que fez trespassando seu corpo com uma espada, golpeando-a por trás. Ele não percebera porém, pois estava atrás dela, que ela estava segurando o bebê e golpe de espada atravessou tbm a criança, que morreu junto com a mãe.
Esse bispo era eu em vida passada. Após resgatarmos os espíritos, pedi para averiguarem como foi que essa frequência de passada fora aberta e foi mostrado a uma das médiuns que fora no meu trabalho (sou servidor público federal), por conta de um colega de trabalho que esteve visitando recentemente a unidade em que eu desempenho minhas atividades. Mentalizei a imagem de um colega que estivera lá recentemente para que a médium pudesse comparar com a que ela tinha visto e ela descreveu perfeitamente o sujeito. Ele havia sido o rei ao qual eu provocara a morte por envenenamento. Um caso simples de ressonância.
Abraço.

Gelson Celistre.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Desdobramento

Mulher com dores pelo corpo e problemas estomacais, há algum tempo, levada por uma amiga, frequentou um grupo de apometria, por alguns meses, como 'médium de apoio', e ultimamente tem frequentado um terreiro de umbanda. 
Logo que a consulente entrou na sala os médiuns já perceberam uma entidade dançando ao redor dela, que pela descrição seria Xapanã. A princípio imaginei que poderia se tratar de alguma entidade trevosa mas averiguamos de descobrimos que esta entidade estava ligada ao terreiro de umbanda que a consulente frequenta e que estava ali para protegê-la, segundo a entidade dela mesma. Não sabemos precisar o que esta entidade fazia exatamente para ajudar a consulente, mas provavelmente intentava evitar que a consulente se desdobrasse pois, como veremos a seguir, o que ela fazia em desdobramento é que lhe causava os problemas que a motivaram a nos procurar.
Inicialmente incorporou numa das médiuns uma moça, ela tinha os pulsos e a garganta cortadas. Fora vítima de um ritual de sacrifício humano. Em seguida uma outra moça, muito assustada, que estava muito apavorada dizendo que seria a próxima, que escutara os gritos e sabia que em seguida seria a vez dela. Estava muito transtornada e a fizemos adormecer. Ambas foram vítimas da consulente que, desdobrada, ainda torturava e sacrificava jovens moças para beber-lhes o sangue. Antes de as sacrificar, as moças eram mantidas presas e torturadas. Eram muitas vítimas que se encontravam nesse sítio do astral, além de alguns comparsas e ajudantes da consulente, entre eles, seu marido e seu filho. 
Recolhemos as vítimas e destruímos o local. Apagamos a mente dos encarnados e os enviamos de volta ao corpo. Havia tbm ligada à consulente uma mulher que se enforcou em uma árvore pq sua filha foi torturada e sacrificada.
As dores da consulente eram em função de sua ligação com esse grupo de espíritos que ela mantinha aprisionados e os problemas estomacais são decorrentes do sangue que ela bebia, possivelmente até pode ter gerado uma sequela cármica.
Quem tem um passado tortuoso, que é a maioria de nós, deve ter cuidado ao se envolver em práticas espirituais de intercâmbio entre os mundos, principalmente apometria, pois corre o risco de abrir frequências de passado e acessar situações que não está preparada para enfrentar.
Abraço.

Gelson Celistre