terça-feira, 10 de agosto de 2010

Soluços

Atendimento de um senhor idoso, com mais de 70 anos, à distância, em razão de o mesmo estar há dez dias com uma crise de soluços, já tendo tentado todas as simpatias conhecidas e tbm consultado um médico, que não conseguiu determinar a causa e tampouco fazer cessar essa situação incômoda.
O consulente (que nem sabia que iríamos atendê-lo) é pai de uma médium que já participou de um curso de apometria que ministrei no estado de São Paulo, onde ambos residem. O atendimento foi feito pela internet, usando o msn, estando a médium em São Paulo, capital, e eu em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, e durou cerca de 17 minutos, onde foram acessadas as seguintes situações.
Primeiramente a médium viu uma cena de seu pai, o consulente, caminhando com dificuldade, com uma bengala inclusive, em uma região muito escura, no fim da qual havia uma luz forte, semelhante a um farol de carro, que não permitia que se divisasse alguma coisa em função da claridade. Detalhe, nesta cena ele tinha uma cobra enrolada no pescoço.
Pedi a médium que tirasse a cobra do pescoço dele e colocasse numa bolha, que eu mesmo criei na cena vista por ela. Nesse momento a médium estava chorando muito, sem saber pq segundo ela, mas provavelmente pq, em desdobramento percebeu alguma coisa sobre o estado de saúde do pai.
Resolvi ajudar presencialmente e me projetei na cena vista por ela, que não conseguia parar de chorar e estava sentindo o estômago embrulhado, e pedi que observasse o que eu iria fazer e me relatasse.
Ela me viu com uma roupa branca, inicialmente observando o pai dela andar, e depois colocando a mão sobre o chacra frontal dele.
Ela queria tirar ele desse cenário e então lhe disse que criasse outro, com muita luz, algo agradável para que ele não tivesse medo, pois senti (e a médium tbm me confirmou depois que tbm sentiu) que ele estava com medo. Ela o sentiu muito debilitado e desorientado, sem saber onde ir. Pedi tbm que ela o abraçasse e dissesse que estava com ele e que iria ajudá-lo nessa travessia, para ele ter fé e bons pensamentos, para orar a Deus pedindo confiança e força. A médium criou um cenário de um campo gramado, com flores. borboletas e pássaros; ela tbm disse a ele para não se culpar tanto pelo que acha fez de errado na vida. Nesse momento ela o viu com uma roupa branca, semelhante a que eu estava usando desdobrado. Nesse momento tbm ela consegiu parar de chorar.
Na verdade o que estava acontecendo é que ele estava com medo de morrer, um sentimento comum quando se está em determinada idade, já avançada. As pessoas começam a refletir sobre o que fizeram na vida, sobre o desconhecido 'mundo do além, etc. É comum nessa fase surgir o sentimento de culpa. é importante assinalar que quem sofre com sentimento de culpa, é pq se pune pelo que fez de errado, e não consegue se perdoar justamente pq tem mágoas e ressentimentos de outras pessoas, não conseguiu perdoá-las e aí tbm não consegue se perdoar.
A médium achava que devíamos tratar o corpo dele mas lhe disse que ele precisava tratar era a mente, tinha que se conscientizar sobre algumas coisas, refletir melhor sobre outras, etc., e que uma boa conversa, inclusive mentalmente, teria melhor resultado. Temos que considerar que, devido à idade e às circunstâncias, é provável que ele esteja já no final dessa encarnação.
Enquanto conversávamos sobre isso, a médium relatou estar vendo ele de costas, sem cabeça e sem pernas ou braços, apenas o tronco. E tbm pareceu ter visto um martelo batendo nas costas dele.
Pedi que observasse melhor essa cena e ela viu as costas dele se transformar no muro de um castelo, onde dois homens lutavam.
Um deles estava ajoelhado no chão pois o outro batera com a cabeça dele várias vezes na parede e, logo depois, o decaptou. Pela nossa experiência já deduzimos que o pai da consulente era o que decaptou o outro. Efetuamos o resgate desse decaptado, após termos lhe recolocado a cabeça, e pedi à médium que mandasse o outro (seu pai) esquecer tudo e voltar pro seu corpo. Resultado: no dia seguinte o consulente, após 10 dias soluçando, acordou sem soluços.
A médium estava em dúvida sobre fazer o atendimento ao pai pq tinha dúvidas sobre se seria correto 'interferir' no karma dele, achando que essa situação poderia ser algo pelo qual 'ele tinha que passar', e acreditava que uma interferência externa pudesse causar algum mal ao invés de ajudar. As vezes me deparo com esse tipo de dúvida entre pessoas 'do meio', mas digo que isso advém de uma interpretação errônea da Lei do Karma e tbm de uma supervalorização de nossas próprias atitudes.
A Lei do Karma não permite que alguém receba um malefício que não seja de seu merecimento, isto é, ninguém sofre sem merecer. Igualmente ninguém pode receber um benefício, caso não seja, de alguma forma, merecedor dele. Portanto, no caso em tela, se o pai dela não merecesse o benefício de ser auxiliado, por mais que nos esforçássemos ele não melhoraria, mesmo tendo retirado o ser que estava ligado a ele, retirado a cobra do pescoço, etc., ele acordaria ainda soluçando no dia seguinte, isto é o que aconteceria caso ele 'precisasse' passar por esta situação por mais tempo (não tivesse merecimento).
Outro fator que deve ser considerado é o seguinte: nós não temos poder para 'interferir' na execução de uma lei divina, no sentido de lhe alterar os desígnios, ou seja, se ele tivesse que passar por aquilo, mesmo querendo, achando que é nosso dever auxiliar, etc., não iríamos produzir nenhum efeito nosentido de minimizar a situação do consulente. Nós somo sempre agentes da Lei uns para os outros, geralmente de maneira inconsciente, mas às vezes de forma consciente, como neste caso.
O consulente estar passando pela situação do soluço é fato, se ocorreu é pq 'legalmente' era possível, mas não significa que ele karmicamente merecesse, ou mesmo que merecesse, que tivesse que durar indefinidamente. A regra é a seguinte, sempre devemos ajudar da melhor maneira que pudermos, com a intenção sincera de auxiliar, com amor. Os resultados advindos dessa ação que executamos serão sempre positivos para nós, embora para o objeto de nossa ação, não tenhamos como saber de antemão pois vai depender do merecimento dele.
Abraço.

Gelson Celistre.

5 comentários:

  1. Sanei uma duvida que eu tinha a muito tempo!!!

    Porem, me deixou outra. Vc disse que "A Lei do Karma não permite que alguém receba um malefício que não seja de seu merecimento". Ja li biografias de grande iniciados que tds, sem exceção, passaram por momentos dificílimos na encarnação. Ultimamente vi a do Chico Xavier, como exemplo. Esses espiritos passam pela lei do Karma ou são provações?? Creio eu que muitos não são merecedores do que passam.

    ResponderExcluir
  2. Oi,

    Como não sabemos do passado desses 'grandes iniciados' não podemos afirmar se eles mereciam ou não passar pelo que passaram.
    Mas vele lembrar que se a criatura ainda está retida no ciclo carnal de reencarnações é pq ainda tem débitos a resgatar.
    Somente um espírito de grande quilate, que não tem carma a resgatar e encarna em missão, tipo Jesus, é que passa por uma 'provação imerecida'.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Tudo aquilo que está em desordem no planeta gerando karma uns aos outros é conseqüência dos nossos atos, da nossa inconsciência. Então acredito que a Lei nos dá a permissão e se não dizer o privilégio de através de tecnologias como apometria corrigir e muitas vezes ir a causa do problema para isso. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá Gelson e olá a todos os leitores.
    Achei muito interessante esse relato, por se tratar de um senhor idoso e a parte onde você comenta sobre o "medo de morrer" e com isso acessam tudo que fizeram em vida etc.
    Bem, minha mãe também é bem idosa e tem Mal de Alzheimer à 8 anos, doença essa de fato dolorosa, principalmente para os cuidadores que vêem seu ente querido perder a memória gradativa, esquecer de fatos, pessoas e toda uma vida.
    No meu caso minha mãe nem sabe mais quem eu sou, nem meu nome nem nada.
    Porém é interessante uma coisa, sempre que ela me aparece em sonhos, (sonhos quase todos os dias com ela) ela se apresenta muito linda, cheia de luz, bem lucida e muitas vezes me aconselhando sobre determinadas situações que estou passando na minha vida atual, muitas vezes os conselhos e alertas dela são muito acertativos, sempre que os sigo "me dou bem"..rs.
    Eu acho isso maravilhoso, sob o ponto de vista de nessa fase eu "não poder contar com ela" fisicamente, porem em espirito ela se apresenta lucida, firme, boa, me ajudando exatamente como fazia antes da doença, enfim...

    Em sua opnião você acha que isso é real ? que seria mesmo ela espiritualmente lucida me auxiliando, ou eu mesma criando essa cena como uma forma "irreal" de ainda ter minha mãe como ela era antes ?

    Você já atendeu casos de pessoas com Alzheimer ?

    Um abraço ! esse blog é perfeito !!

    Paz e Luz

    ResponderExcluir
  5. Oi,

    A possibilidade de ser ela mesmo existe, mas saber ao certo se é realmente só com uma averiguação.
    A proximidade da morte 'afrouxa' os laços com a matéria, mas não significa que a pessoa vai acessar tudo que fez em vida. No caso desse senhor ele estava com medo de morrer, medo do desconhecido, e havia um obsessor lhe cobrando uma dívida, mas ele talvez nem tivesse a percepção exata da situação. Nós acessamos a situação de passado pq a médium captou o obsessor e entrou na frequência.
    Abraço.

    ResponderExcluir