domingo, 8 de agosto de 2010

Vingança

Na semana anterior, um dia depois da reunião de nosso grupo de apometria, tive insônia e só consegui dormir de madrugada. Como não costumo ter isso, pedi aos médiuns que verificassem se tinha alguma coisa de anormal naquele dia ligada a mim. 
Uma das médiuns viu que havia um ser perto de mim naquele dia, ela chegou a ficar com os lábios dormentes pq esse ser não tinha os lábios; tinha dentes enormes como presas de animais, e se alimentava de animais mortos. Ele teria entrado em minha casa junto com uma pessoa que estou atendendo como psicoterapeuta. A médium viu que na madrugada daquele dia, por eu ter solicitado aos amigos do astral, eles o retiraram. Não conseguimos saber se eles tbm não tinham percebido a presença desse ser quando ele entrou com o outro ou se permitiram e nada fizeram até eu solicitar por alguma outra razão.

Quando a médium acessou essa situação, que tinha ocorrido uma semana antes, abriu essa frequência e outro médium percebeu um outro ser, que foi quem tinha enviado aquele. Esse outro ser estava criando uma nuvem negra de fluídos deletérios ao nosso redor, que desmanchamos. O médium tbm percebeu que ele tinha uma ligação de vida passada comigo, tinha sido meu professor de magia negra, e que estava intrigado pelo fato de eu ter agora 'mais poder' do que ele.
Fizemos ele incorporar para conversarmos e descobrimos que ele trabalhava para um outro, mais trevoso que ele, e que já estava presente. O objetivo desse outro mais trevoso era vingança.
Despachamos o 'professor' e fizemos o outro incorporar. Este tinha uns chifres retorcidos e espinhos nas costas. Mantinha um laboratório nas trevas e queria vingança em função de termos destruído outros laboratórios da organização maléfica a qual ele pertencia.
Segundo ele em um atendimento que fizemos há algum tempo prendemos o líder de uns laboratórios e estávamos sondando a mente dele para captar alguns comparsas e a localização de outros laboratórios, mas ele ao perceber que iríamos fazer isso apagou parte da própria mente para que não localizássemos todos. Esse chifrudo foi um dos que não conseguimos detectar pq o outro apagou da sua mente. Mas a criatura tem senso empreendedor e já estava com outro laboratório, bem grandinho até, e se achou em condições de se vingar.
Destruímos esse outro laboratório e libertamos os prisioneiros e cobaias. Apesar de trevoso esse ser não era lá muito inteligente pois se expôs desnecessariamente. Se tivesse permanecido oculto ao nosso conhecimento ainda poderia estar fazendo suas experiências.
Provavelmente tenham deixado aquele ser entrar e me deixar sem dormir justamente para que, através do professor, com seu orgulho ferido, pudéssemos chegar ao amigo do laboratório. Antes de apagar a mente dele lhe cortei os chifres e tirei os espinhos das costas, deixando ele com uma aparência mais humana.


Gelson Celistre.

2 comentários:

  1. Gelson

    O Fato de vc ser dirigente de um grupo deve sofrer ataques constantes. Existe uma equipe que lhe protege??? Se protege vc não pode atacar sua familia??

    ResponderExcluir
  2. Oi,

    Sofrer ataques faz parte do trabalho e a maneira como (re)agimos nesses momentos faz parte de nossa provação kármica.
    Assim como um juiz ou promotor público podem ser visados pelos criminosos e eventualmente podem necessitar de uma escolta armada, quem trabalha no enfrentamento de entidades trevosas eventualmente pode precisar de uma proteção especial, embora não estejamos constantemente 'guardados' pois tbm estamos em provação assim como todos aqui na Terra.
    Nossos familiares eventualmente tbm são atacados mas não é por acaso que estamos na mesma família. É preciso lembrar tbm que existe uma justiça divina em ação e nenhuma criatura é injustiçada, cada um passa apenas por aquilo que seu karma permite, que é o resultado de suas ações.
    Abraço.

    ResponderExcluir