quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Amor materno

Atendimento de uma senhora, 'mãe-de-santo' há décadas, que queria saber o motivo de não se dar bem com o filho, segundo ela existem muitos desentendimentos entre eles, o filho tem quase 40 anos, é solteiro e usuário de drogas, não tem trabalho fixo.
Inicialmente se manifestou um espírito feminino que estava junto com o filho dela, acusando a consulente de 'não prestar', dizendo que ela 'nunca foi mãe de ninguém', etc. Disse ainda que a consulente a havia assassinado covardemente.
Segundo esse espírito, em vida passada ela era vizinha da consulente, que era casada e tinha filhos. O espírito afirmou que a consulente maltratava demais as crianças e que as ameaçava para que nada dissessem ao pai, quando este questionava pq as crianças estavam tão magras ou com algum ferimento.
Essa vizinha cansada e apiedada das crianças foi ter com a consulente e a avisou que ia contar ao marido dela tudo quanto sucedia na sua ausência. Disse isso e voltou para sua casa e seus afazeres domésticos, quando foi surpreendida por um golpe mortalem suas costas, desferido com um machado, pela consulente.
Este espírito estava junto com o filho atual da consulente pq este naquela vida era o filho mais velho dela e era o que mais sofria, pois tentava defender os irmãos menores das atrocidades cometidas pela sua mãe contra eles todos. Conversamos com ela e a encaminhamos ao hospital do astral.
Logo em seguida se manifestou em desdobramento inconsciente, espontaneamente, o próprio filho da consulente, dizendo que não queria 'resgatar nada com ela' e que 'queria distância dela'.
Converamos tbm com ele e o fizemos ver que tudo tem uma razão de ser, e que, mesmo ela tendo agido muito mal com ele no passado, ele deveria perdoar e esquecer.
Fizemos ele lembrar de uma vida anterior onde, ambos sendo casados, ele a maltratava muito e a espancava constantemente, inclusive ela morreu após uma dessas sessões de espancamento naquela vida. Por fim, fizemos ele esquecer todo esse passado para ver se a situação entre eles se ameniza.
Uma situação bem direta da aplicação da lei do retorno, o que implica em dizer que ambos os seres envolvidos, a consulente e seu filho, são seres ainda muito dominados pelas paixões inferiores e sujeitos completamente ao automatismo da Lei.
Vale ainda ressaltar que nesta vida mesmo a consulente separou-se do pai desse rapaz ainda menino e o mandou morar com ele, sendo que em dois anos vivendo com o pai ele se viciou em drogas, e ele tinha 10 anos na época. Vejam que não precisava nem buscar no passado a causa dos desententimentos. Mas enfim, pelo menos um espírito foi auxiliado, a ex-vizinha. Tbm ocorre que o filho da consulente, além de usuário de drogas, tbm é 'chegado' a frequentar terreiros de nação e a mandar fazer 'trabalhos' de toda sorte. Somente com amor e perdão, muita paciência e resignação podemos resolver essas questões sentimentais que se prolongam vida após vida.
Abraço.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário