segunda-feira, 26 de julho de 2010

O servo do faraó

Atendimento de uma senhora na faixa dos 50 anos, com problemas na coluna cervical. Segundo diagnótico médico ela necessita de uma operação cirúgica, à qual ela não quer se submeter, e em função disto está procurando um tratamento 'alternativo'. De início já lhe alertamos de que o atendimento espiritual não tem a pretensão de substituir o tratamento médico e a aconselhamos a seguir as orientações da medicina terrena. Caso não concorde com a avaliação do profissional que lhe atendeu, então que procure a opinião de um segundo médico.
Cabe aqui um alerta aos entusiastas dos tratamentos 'alternativos', incluindo-se aqui o atendimento espiritual, seja com apometria ou qualquer outra técnica.
Muitos problemas físicos/fisiológicos possuem a sua origem em algum problema de ordem espiritual, porém, nem todos podem ser remediados apenas com a eliminação desse problema de ordem espiritual. Os diversos tipos de câncer, por exemplo, geralmente são a condensação de fluídos tóxicos aderidos ao perispírito da pessoa e que ao atingirem uma quantidade que supera o limite de desgaste suportado pelos nossos corpos sutis, é 'drenado' para o corpo físico a fim de ser eliminado.
Em alguns casos é possível que ao se eliminar essa carga tóxica através de um atendimento espíritual os efeitos no corpo físico cessem e se opere uma 'cura' física, mas esses casos são muito raros e dependem de uma série de fatores. Normalmente, uma vez atingido o nível físico, vai ser necessário que se trate o corpo físico com a medicação convencional.
O que se obtém de resultado nesses casos com o tratamento espiritual é que se a pessoa compreendeu o motivo e conseguiu, mesmo que a nível inconsciente às vezes, mudar o padrão de pensamentos e sentimentos que a levou a aglutinar em redor de si esses fluídos tóxicos (geralmente advindos do egoísmo, cólera, inveja, cupidez, vícios, etc.) é evitar que o mal se propague mais pois, cessando a causa espiritual, ao se eliminar o foco cancerígeno no órgão ou parte do corpo afetado este não ressurge em outro órgão, como é comum de acontecer em muitos casos, onde a pessoa trata apenas o físico mas não se modifica de forma nenhuma interiormente.
O que havia com essa senhora era uma situação de ressonância de vida passada, muito curiosa por sinal. Junto dela se encontrava um espírito que convivera com ela por volta do ano 1.500 AC, no Antigo Egito. Naquela existência a consulente era serviçal no palácio do faraó e este ser que a acompanhava agora era uma espécie de chefe dos serviçais, a quem competia administrar os trabalhadores do palácio.
Segundo ele, a consulente naquela vida era muito preguiçosa e vivia a se prostrar pelos cantos evitando o serviço que lhe cabia. Como forma de punição ele mandou lhe quebrarem a coluna cervical, para que ela tivesse que se arrastar para realizar os seus afazeres.
Este ser afirmou que depois daquela existência tivera apenas umas duas ou três encarnações, numa delas inclusive foi egiptólogo, e que sempre voltou (ao ambiente astral do Antigo Egito onde estava plasmado aquele palacete) para 'cumprir suas obrigações', seu dever segundo ele era 'servir ao faraó'. Ele foi enterrado vivo na mesma tumba que o faraó, juntamente com enorme comitiva de serviçais, justamente para isso, para servir o faraó no além-túmulo.
Perguntei a ele se havia encontrado o tal faraó no além-túmulo mas ele disse que não, pois o faraó estava no 'paraíso', visto que era um deus. Argumentei com ele que o tal faraó devia estar reencarnado há muito tempo mas ele objetou que não. Pedi a nossa equipe que lhe mostrassem então onde estava agora o tal faraó e ele se recusou a acreditar no que ele mesmo viu. O tal faraó não só está reencarnado atualmente, como é um ilustre desconhecido, e foi visto pelo seu fiel servo passeando de bermuda numa praia, provavelmente vendendo alguma coisa para sobreviver.
Descobrimos que o severo castigo que esse servo impôs à consulente naquela vida tinha uma motivação passional e não apenas o zelo do servo para com os serviçais do seu patrão. Uma das médiuns viu que ela era filha de outro serviçal e lhe disseram que fora por ciúmes, imaginou então que este servo fosse rival do outro pelo amor da mãe da consulente naquela vida, mas a médium que estava incorporada pelo tal servo fez um aparte e disse que ele naquela vida era homossexual, e que o ciúme que ele tinha era do pai da consulente e não da mãe, e foi esse homem que ele quiz magoar com a cruel punição à sua filha.
Ainda conversamos com este ser por algum tempo, ele estava realmente obcecado com essa sua vida passada. Descobrimos ainda que em outra vida anterior àquela, ele tinha sido conselheiro de um faraó, que tbm era o mesmo espírito ao qual ele serviu nessa vida a qual estava apegado.
Tbm mostramos a ele que eu havia sido um sacerdote muito próximo do terceiro faraó que se seguiu a esse que ele servia, na tentativa de lhe fazer ver que por termos tido alguma posição de alta hierarquia social no passado, não significava que por conta disso estaríamos no 'paraíso', mas foi em vão.
Efetuamos a libertação dos serviçais que foram enterrados junto com o faraó, e que esse servo fazia questão de perseguir e manter cativos para servir o tal faraó sob seu comando, assim como fez com a consulente, e depois tivemos que fazer esse ser esquecer aquela vida.
Outra situação que foi captada junto à consulente foi de uma existência onde ela era uma bruxa e matou muitas crianças em rituais demoníacos. Ela atuava com parteira e para muitas mães disse que a criança nascera morta, quando na realidade ela as matou e ofertou para algum ser trevoso. Havia muitos espíritos dessas mães lhe cobrando os filhos, sem contar as crianças que foram vitimadas por ela. Resgatamos todos e os conduzimos ao hospital no astral.
Casos como o dessa senhora não são raros, onde pessoas que nunca se importaram com qualquer coisa espiritual, quando se vêem vitimadas por alguma enfermidade grave, buscam desesperadamente uma 'alternativa' espiritual para minorar seu sofrimento. Os males do corpo físico costumam ser mais eloquentes que qualquer orador quando se trata de converter as pessoas, pois quem vive apenas para o 'mundo, somente ante a perspectiva de perder o seu mundo é que cogita da existência de um outro além desse. Para a maioria de nós, a dor ainda continua sendo o melhor professor.
Abraço.

Gelson Celistre.

2 comentários:

  1. marcialandi@terra.com.br17 de agosto de 2011 09:03

    Obrigado por todos esses estudos, ensinamentos e reflexões, estão me auxiliando muito. Obrigado novamente, Abraços sempre,Marcia.

    ResponderExcluir
  2. Como o blog do Gelson tem nos ajudado a entender nossa natureza + primitiva, esperando q seja agora, coisa do passado, assim espero.

    ResponderExcluir