sábado, 2 de outubro de 2010

O capataz

     A filha de uma das médiuns do grupo estava vendo em sua casa um espírito, um homem vestido de roupa preta, com uma capa. A própria médium mãe da menina tbm viu este ser. Fui até a casa dela para realizarmos uma sessão, haja vista que ela se encontrava impossibilitada de sair por conta de um acidente doméstico, a fim de 'encaminharmos' o tal ser.


     Pela descrição imaginei que fosse algum ser trevoso, um mago ou 'exu' desses de terreira de macumba, mas conversando com o cidadão incorporado na médium percebi que ele não sabia nem que havia morrido. Ele cuidava daquelas terras, onde hoje a médium reside, e estava muito preocupado com os 'italianos' imigrantes, uns gringos que iriam chegar e sobre os quais seu patrão já lhe havia alertado.
     O patrão do capataz temia que esses imigrantes invadissem suas terras e cobrava muita atenção de seu empregado. Próximo dali, na dimensão astral ainda havia um grupo de negros escravos que pertenciam ao fazendeiro. 
     Nossa cidade, São Leopoldo (RS), fica no vale do Rio dos Sinos e foi fundada em 1824 por imigrantes alemães. Os italianos se estabaleceram a cerca de 100 km ao norte, na região da serra gaúcha, mas só chegaram algumas décadas depois. Este espírito se encontrava perdido no espaço há quase duzentos anos, sem ter a menor noção de ter morrido.
     Perguntei a ele se não notara que havia muito mais casas agora no local e ele disse que percebeu, mas que achou que eram as casas dos empregados da fazenda. Como o espírito fica num estado meio que de torpor, ele confundia-se entre a dimensão astral e a física. É provável que quando morreu tenha se localizado numa região do astral ligada vibratoriamente a essa localidade fisica e que, com o passar dos anos, como fosse sofrendo atração da massa planetária (rebaixamento vibratório) foi ficando cada vez mais próximo da crosta, embaralhando-se para ele as duas dimensões.
     Mas enfim, conversando fiz ele lembrar de como tinha morrido, pois ele nem sabia estar 'morto', e ele viu que foi seu próprio patrão quem o matou com um tiro nas costas por achar que ele não estava cuidando direito das terras. Este ser foi resgatado sem maiores problemas, assim como uma senzala próxima, onde vários escravos negros ainda viviam, em iguais condições sem saber que estavam desencarnados.



Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário