sábado, 2 de outubro de 2010

Situação financeira instável

     O consulente nos procurou alegando que estava com dificuldades para arranjar emprego e estágio, que apesar de estar enviando vários currículos não está sendo chamado nem para entrevistas. Diz que  sua vida financeira não 'deslancha', e que quando parece que vai melhorar piora. Normalmente se alguém me solicita um atendimento espiritual alegando este tipo de coisa eu não atendo, entretanto, algumas vezes nos dignamos a atender alguém a pedido de outra pessoa, por esta que nos solicitou ter merecimento, mesmo sabendo que os resultados para o consulente serão mínimos.


     A cada um é dado segundo as suas obras, então, se a pessoa não está recebendo algo da vida é pq não mereceu ainda isto que ela quer. As causas? As más ações pretéritas, isto quando a causa não é o desleixo na vida atual mesmo. Como resolver isso? Com nosso próprio esforço e empenho. Muitas pessoas não fazem nada para melhorar sua capacidade de empregabilidade, não fazem cursos profissionalizantes ou de atualização, não buscam uma qualificação, não aceitam determinado tipo de trabalho pq está 'abaixo' do seu 'nível', e querem que 'apareçam' para elas ótimos empregos com salários vultuosos.
     Bem,  o que apareceu sobre as causas dos infortúnios financeiros do consulente foi o seguinte: primeiramente um espírito feminino, em péssimo estado de saúde, que estava junto dele. Este espírito estava tão mal que fica difícil qualificá-lo como obsessor, devido ao seu alto grau de sofrimento.
Em vida passada o consulente trabalhava numa loja e desviava material e dinheiro sem que o proprietário tivesse conhecimento. Uma colega que trabalhava com ele descobriu e ele, para se livrar de uma acusação, a seduziu, dizendo que a amava e que fazia aquilo para ter um condição melhor e poder desposá-la. Entretanto, ela percebeu que ele estava cada vez mais audacioso em seus furtos e ameaçou contar ao dono da loja caso ele não parasse.
     O consulente então se cansou da situação e resolveu dar um fim no 'romance'. Cortou a língua da moça e depois a degolou. Este infeliz espírito estava tão perturbado sintonizado nessa cena que quando incorporou mal conseguia respirar. Ainda junto dele estavam o dono da tal loja e sua mulher, com muito ódio dele por tê-lo roubado (posteriormente ele descobriu). Conversamos com eles e os convencemos a deixar de lado a vingança.
     Além desses espíritos tbm havia uma mulher, tbm muito revoltada com o consulente, pq em outra vida ela e o marido, já idosos, confiaram a ele a administração de suas propriedades, tendo ele os roubado e deixado sem nada, na miséria. Este espírito tinha muito ódio tbm e afirmava que ele nunca teria nada na vida, pq não merecia nada. Tbm foi convencida a mudar seus objetivos e procurar algo mais produtivo para si mesmo. Vimos que o consulente se desdobra e sai em busca de ouro, de algum tesouro que escondeu de uma dessas vidas, e que nunca encontra, gerando um sentimento de frustração, pois ainda é uma pessoa muito materialista.
     Como sempre, o maior beneficiado é o espírito desencarnado e que ainda vive em sofrimento. Mesmo aqueles que estão obsidiando passionalmente, como esses que acompanhavam o consulente, lhe cobrando aquilo que ele lhes tirou, são sofredores, espíritos vítimas de suas próprias fraquezas e ignorância. Para estes a mudança é muito grande pois saem dum estado de monoideísmo destrutivo para uma situação onde receberão auxílio e orientação para prosseguir sua jornada evolutiva.
   O consulente? Dificilmente vai se modificar e talvez até use como desculpa para seus problemas o 'karma' que está 'resgatando', alegando que 'não adianta' fazer nada por conta desse karma.



Gelson Celistre.

2 comentários:

  1. Muito interessante esse caso, Gelson. Me fez lembrar de uma pessoa que sempre fala assi: "Quando eu começo a ficar bem, quando eu penso que agora vai, tudo volta a dar pra trás e retorna a mesma situação". Acredito que seja por karma tb, mas que pode ser modificado por uma reforma íntima. Estou certa?
    Abçs
    Fátima

    ResponderExcluir
  2. Oi Fátima,

    Está sim. Se a situação nos permite alguma escolha não é uma 'determinação kármica'. Não nos é dado conhecer as situações pelas quais temos que passar obrigatoriamente em função de nosso karma pois isso nos faria agir de modo diferente, mas tudo que depende de uma escolha nossa pode ser modificado pela nossa atuação.
    Abraço.

    ResponderExcluir