quarta-feira, 28 de maio de 2014

Dissociação de identidade espiritual

     É muito comum atendermos pessoas que se encontram desdobradas na dimensão astral vivendo vidas paralelas, num estado de dissociação de identidade espiritual (costumamos chamar de desdobramento inconsciente), atuando em diferentes subdimensões (frequências) da dimensão astral com personalidades distintas, que podem ter um nível mais ou menos alto de consciência de estarem vivendo em outra dimensão, ou seja, elas podem nesse estado terem consciência de que possuem um corpo e uma vida nessa dimensão física, mas conseguem ou preferem continuar "vivas" na dimensão astral.



     Essas personalidades geralmente são oriundas de vidas passadas do espírito, que por conterem uma forte carga emocional ou outros espíritos ligados a elas, acabam não se diluindo no tempo através das diferentes reencarnações pelas quais o espírito passa. O caso que relatamos a seguir é de uma consulente que está vivendo esse tipo de situação atualmente.
     A consulente é brasileira mas casou-se com um americano e mora há alguns anos nos Estados Unidos. Apesar de ambos terem uma boa formação acadêmica nenhum dos dois trabalha e o casal vive às custas do sogro dela. Apesar de não querer ter filhos a consulente acabou engravidando e tem uma filha pequena. Além dos problemas advindos dessa situação, ainda afirma que o marido é paranoico e sofre de epilepsia (ela já teve também), e que ela foi iniciada em alguns sistemas de reiki, como Q-Reiki e Osho Reiki, presencialmente quando morava no Brasil e à distância com mestres da Índia e da Dinamarca. Ao efetuarmos a verificação do caso nos deparamos com a consulente vivenciando um estado de dissociação de identidade espiritual (desdobramento inconsciente) que relatamos a seguir:

A mulher do padre

     Em uma vida passada a consulente era diretora de um orfanato mas odiava esse trabalho e não tinha paciência com as crianças, pois achava que elas davam muito trabalho e por conta disso as envenenava, provocando a morte de muitas delas. A consulente naquela vida também engravidou de um padre que prestava "assistência espiritual" ao orfanato e abortou a criança. Esses espíritos se reencontraram na vida atual nos mesmos papéis. A diretora, o padre e a criança abortada são hoje mãe, pai e filha, a consulente, seu marido e a filha deles. 
     Através da reencarnação a vida reuniu novamente estes espíritos para que o casal dessa vez cumpra sua missão e crie sua filha. Entretanto, a consulente estava desdobrada no tal orfanato, que ainda existia na dimensão astral, e mantinha presas lá 78 (setenta e oito) crianças que ela matou por envenenamento. Muitas já renasceram e estavam lá desdobradas, como a própria filha dela, mas outras estavam ainda desencarnadas. Foram todas resgatadas e a frequência foi fechada. Entretanto, durante o trabalho a consulente naquela frequência, com a personalidade que tinha naquela vida, incorporou numa médium e manifestou sua contrariedade em relação às nossas ações, com muita raiva, e ao ser questionada por mim ocorreu o seguinte diálogo:
- Porque vc está com tanta raiva? perguntei;
- É raiva de vc ficar futricando em todas as coisas, uma curiosidade desmedida! Porque vc não vai cuidar da sua vida?
- Mas foi vc quem me pediu ajuda querida!, respondi.
- EU não te pedi nada, vc nem sabe quem EU sou!
- Vc é a diretora do orfanato não? Pois vc e a mulher que me pediu ajuda são o mesmo espírito.
- Pois se ELA pediu EU não pedi! Então cuide da vida dela e me deixe em paz aqui, estou muito bem aqui! Quem me atrapalhava aqui eu já dei um jeito (se referindo às crianças que matou) então é bom se mandar logo daqui pq já estou perdendo a paciência e tenho mais o que fazer!
     Após isso eu a paralisei enquanto efetuávamos o resgate das crianças no orfanato, cujos espíritos ainda sofriam muito devido aos efeitos do veneno. Observem pelo diálogo como ela se refere a si mesma como se fosse outra pessoa, uma situação típica da dissociação de identidade espiritual. Entretanto, ainda havia várias crianças do orfanato que foram mortas em outro local, vários meninos mais especificamente.

A seita satânica

     O padre além de não praticar o celibato, ainda participava com vários outros padres de uma seita satânica que sacrificava meninos para um demônio sexual e a consulente, que era a diretora do orfanato e sua amente, lhe fornecia as vítimas. Os meninos tinham seus órgão genital decepado e embebido em seu próprio sangue, que depois disso era partido em pequenos pedaços e avidamente consumido pelos membros da seita. A finalidade seria adquirir algum tipo de poder através do aumento do vigor sexual, uma espécie de viagra satânico.
     Vários membros dessa seita se encontravam em desdobramento na dimensão astral para realizar esses ritos pois os espíritos dos meninos sacrificados ainda estavam presos lá, sob o jugo do demônio para o qual eles foram sacrificados. O tal demônio era bem exótico, com o corpo todo vermelho, rabo e chifres, coberto com uma capa feita com algum tipo de pele. Como acontece muito em casos de seres que se depravam por conta do vício sexual, este demônio tinha o órgão genital muito grande e desproporcional, quase arrastando no chão.  O local onde ele estava no astral era escuro num tom avermelhado e muito quente, com uma atmosfera sufocante. Após ter sido localizado por uma das médiuns ele literalmente urrou como um animal, me farejou e me laçou com o rabo, levando-me desdobrado para esse lugar. A primeica coisa que se deve fazer nestes enfrentamentos é retirar da criatura os "adereços" exóticos como chifres, cascos e rabos, pois é nessas transmutações é que eles armazenam a energia vampirizada de outros espíritos. 
     No caso desse demônio, cuja maior parte da energia vampirizada era de origem sexual, também lhe decepamos o órgão genital depois de termos lhe arrancado os chifres. Depois disso ele perdeu praticamente toda sua força e caiu no chão desfalecido, tendo sido recolhido por nossa equipe espiritual. Os meninos que foram sacrificados ali também foram recolhidos e os membros da seita que estavam ali desdobrados, como o padre marido da consulente, tiveram sua mente apagada e foram mandados de volta para seus corpos.

A iniciação no Reiki

     Quem já leu nossos relatos sobre o reiki sabe que quem realmente inicia os reikianos são seres das trevas que querem vampiriza-los e às pessoas que os procuram, mas neste caso fizemos uma constatação curiosa. A consulente ao ser levada para o astral em desdobramento para ser "marcada" pelos seres das trevas que acompanhavam os "mestres de reiki" que a iniciaram aqui na dimensão física, acabou se encontrando com antigos comparsas de outras vidas e ao invés de ser presa por eles se associou ao grupo deles no astral.
     Esse grupo de espiritos trevosos ligados a mestres reikianos estava mantendo uma quantidade muito grande de pessoas presas em desdobramento no astral, tanto pessoas que foram inicicadas pelos seus "mestres" quanto pessoas atendidas por esses mestres. Eram sete espíritos das trevas comandando esse local, seis deles desencarnados e um encarnado que era a consulente desdobrada. Dentre os espíritos encarnados presos ali em desdobramento estavam a filha e o marido da consulente. 
     A tecnologia no mundo astral é muito variada e cada ser ou grupo das trevas desenvolve seu próprio jeito criativo de manter as pessoas desdobradas no astral para os poder vampirizar. Este grupo em particular criou cápsulas transparentes cheias de algum tipo de líquido onde suas vítimas ficavam em suspensão enquanto tinham sua energia retirada por eles. O trabalho de resgate dos espíritos ligados a essa organização reikiana no astral foi bastante demorado pois era uma quantidade de espíritos considerável, haja vista que eles atuavam com "mestres de reiki" no mundo todo.

A ilha do medo

     Em uma vida passada recente a consulente era assistente do marido, que era um neurocientista. Eles trabalhavam para o governo da antiga União Soviética por volta de 1932 e faziam experimentos com o cérebro humano, coisas do tipo lobotomia, dominio da mente, drogas psicotrópicas, etc., em um laboratório que ficava numa ilha "desabitada" no Mar de Bering. Essa ilha serviu também como prisão para um importante membro do governo soviético que "desapareceu" misteriosamente durante a ditadura de Stalin, mas que na realidade foi mantido preso ali até sua morte.
     No astral havia um prédio grande com dois andares subterrâneos e mais uma grande quantidade de espíritos presos. Inclusive um dos espíritos presos lá e que estava sendo cobaia em vários experimentos macabros, mais uma tortura do que um experimento, era a filha da consulente. Nossa equipe recolheu os espíritos e destruiu o local.

Amor além da vida

     Também encontramos a consulente envolvida em uma conhecida figura geométrica associada a casos amorosos: o triângulo. Em uma vida passada ela era casada e tinha como amante o marido atual. Mas o marido dela naquela vida é o homem que hoje é seu sogro.
Foi um típico golpe do baú onde ela mais jovem e bela seduziu o velho rico e casou com ele, sendo que depois seu amante providenciou a morte do velho. Mas não o assassinaram de modo violento e rápido, eles o prenderam no porão da mansão onde moravam e ele viveu vários anos em condições subumanas até que veio a falecer, bastante doente e debilitado.
     Todos os três estavam desdobrados nessa frequência revivendo essa situação trágica e junto deles o espírito de uma velha inimiga do sogro da consulente que o persegue por várias vidas, se comprazendo com o sofrimento dele no astral. Eles foram enviados aos seus corpos com a mente apagada e a velha foi presa.

     Como podemos observar pelas vidas passadas da consulente e pelas suas ações no astral em desdobramento, tanto ela como seu marido e sogro, juntamente com sua filha, são espíritos bastante comprometidos karmicamente, principalmente entre eles mesmos, e com pesados débitos kármicos.

O palhaço

     Ainda encontramos a consulente, seu marido e filha juntos em outra vida passada. O marido da consulente era um psicopata e trabalhava num circo espanhol como palhaço. Este circo fazia uma turnê pelos Estados Unidos e foi ai que o palhaço encontrou a consulente e sua filha, que naquela vida eram mãe e filha também. Foi por volta de 1854 e nessa vida o palhaço matou dezenas de pessoas, principalmente mulheres e crianças. Mas ele foi descoberto e ao tentar fugir foi morto.
     No astral ele se empenhou em encontrar todas as suas vítimas para continuar lhes torturando e estuprando. Enquanto via essa frequência uma médium captou a programação mental que o palhaço efetuou em si mesmo depois que morreu naquela existência:
-Eu sei o quanto gosto de fazer isso com elas e sei que ainda vou ter mais chances pra voltar a fazer! Sei que nessa vida não deu mas em outra vai dar certo! Já tenho tudo planejado e em certa altura da minha próxima vida eu vou ver algo, que vai ser o gatilho pra que tudo comece! As minhas lembranças então vão começar e eu novamente poderei fazer o que mais gosto e sinto prazer em fazer!
     O marido da consulente estava desdobrado nessa frequência e mantinha presas novamente a consulente e a filha deles, além de várias de suas outras vítimas que ele catou e conseguiu localizar no astral. Apagamos a mente dele e resgatamos suas vitimas.
Tráfico de pessoas

     Em outra frequência encontramos a consulente e seu marido fazendo tráfico de pessoas. Mas era uma época muito antiga, tipo filme do Conan O Bárbaro. Eles levando as pessoas presas em jaulas de madeira sobre uma carroça puxada por dois cavalos. O homem já era meio velho e a mulher bem mais nova que ele, mas ambos com aspecto asqueroso. Eles viviam juntos como marido e mulher mas a esposa se deitava com quem tivesse vontade (ou coragem) de transar com ela e quando o velho descobria matava os homens com quem ela se envolvia. Havia vários espíritos presos ainda nessa frequência que estava ativa na dimensão astral e nossa equipe efetuou o resgate. O casal teve sua mente apagada e voltaram para o corpo.

     Esse caso pode parecer bizarro mas estas situação, de uma pessoa "normal" aqui na dimensão física estar desdobrada em várias frequências praticando atos os mais diversos, muitas vezes até contrários à indole dessa pessoa aqui no físico, é muito comum. É claro que nem todos foram psicopatas ou satanistas no passado, mas em maior ou menor grau a grande maioria da humanidade ainda se desdobra para cometer atos negativos karmicamente.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário