segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Psicografia

     É muito comum pessoas que não são espíritas e que inclusive professam religiões não-reencarnacionistas, como o catolicismo, procurarem algum centro espírita atrás de notícias de entes queridos falecidos, através da psicografia. A dor da perda de um familiar próximo costuma colocar de lado o preconceito e a desconfiança sobre o espiritismo e provoca até mesmo o questionamento sobre suas próprias crenças religiosas.


     Os centros espíritas costumam aproveitar estas oportunidades para angariar novos seguidores e geralmente a pessoa interessada em receber uma psicografia de um familiar falecido precisa frequentar o centro algum tempo antes de poder participar da sessão onde ocorrerá a tão desejada comunicação com o além.
     As mensagens costumam seguir sempre o mesmo padrão, onde o espírito comunicante fala genericamente sobre o que lhe aconteceu, suas impressões do outro mundo, fala na justiça divina e como está sendo auxiliado e está se recuperando lentamente.
     Já atendemos inúmeros consulentes que passaram por situação semelhante, até mesmo espíritas, onde buscaram notícias de entes queridos através da psicografia em algum centro espírita.
     Em nossa última reunião semana passada atendemos uma pessoa cujo pai havia se suicidado há alguns anos. Essa pessoa é médium em desenvolvimento num centro espírita e ela mesma havia recebido uma psicografia de seu pai algum tempo atrás.
     Ocorre que durante o atendimento dela um dos espíritos que a acompanhavam e que foi socorrido por nossa equipe era justamente esse pai dela. Ele morreu se atirando do alto de um prédio e passados vários anos de sua morte ainda estava no astral do mesmo jeito, todo quebrado e sem condições de se locomover.
     Descobrimos que o pai da consulente havia sido um mago muito poderoso em uma vida passada e que um inimigo dele que o encontrou encarnado, fez ressurgir no inconsciente dele essa lembrança, de como ele tinha poder e uma vida interessante, e isso criou uma ressonância vibratória com aquela vida passada.
     Por conta disso ele passou a sentir uma enorme tristeza por estar preso a uma vida comum e sem poder algum, o que evoluiu para uma depressão profunda. Após anos nessa condição depressiva, seu inimigo finalmente conseguiu uma oportunidade quando estando ele num andar um pouco alto de um prédio e sentindo uma profunda angústia, fez ele ver o solo como um mar de águas tranquilas que lhe acalmariam o coração. Ele se jogou e morreu. Após sua morte ele foi preso por esse mesmo espírito que lhe instigou o suicídio e permaneceu lá até a semana passada, quando o resgatamos.
     Mas então quem se comunicou através da psicografia da consulente, filha do morto? Quem ditou a carta psicografada foi o espírito que mantinha o pai dela preso, o mesmo que fez ele se matar.
     É muito difícil "autenticar" a identidade de um espírito que se comunica através da psicografia. O que as pessoas costumam usar para identificar é ter na psicografia algum detalhe que só eles e o morto conheciam ou que muito poucas pessoas tenham conhecimento. Entretanto, essas informações podem ser coletadas até da mente das próprias pessoas que buscam a comunicação, e mesmo que o médium não tenha conhecimento delas, algum espírito qualquer pode acessar a mente dessas pessoas e vasculhar suas memórias com a finalidade de dar credibilidade a elas.
     Não digo que isso ocorra em todos os casos, eventualmente o espírito comunicante pode ser mesmo quem alega ser, mas esses casos atualmente são raros. Até mesmo espíritos que trabalham na dimensão astral do centro espírita "falsificam" essas psicografias, com a finalidade de dar um alívio e esperança aos que os procuram saber de seus entes queridos.
     Mas porque os próprios espíritos "evocados" não aparecem para se comunicar? A maioria porque não tem mesmo condições de se comunicar. Alguns se revoltam por ter morrido e ficam com tanta raiva que nem raciocinam. Logo caem para regiões mais densas do umbral e para localizá-los teria que se ter uma equipe muito boa, mas isso demanda tempo e energia e geralmente mesmo com boa vontade, a equipe espiritual do centro espírita (na dimensão astral) não tem condições de realizar esse trabalho. E estou falando do caso de ser um centro espírita realmente bom e que tenha uma equipe espiritual do bem, nem vou questionar os locais onde só se trabalha com espíritos sem evolução, independente do que esteja escrito da placa do centro, se kardecista ou outro tipo.
     Em alguns casos o falecido com quem se quer falar foi socorrido e está numa colônia no astral. Nesses casos às vezes ele pode ser trazido para se manifestar mas isso também depende de vários fatores. Esses espíritos em recuperação não tem condições evolutivas de se locomover sozinhos entre a colônia e o centro espírita e precisam de pelo menos dois outros espíritos para trazê-lo, além de um veículo eventualmente. 
    A logística nem sempre é simples e demanda muito gasto de energia, tempo e pessoal. É preciso avaliar se tanto os que querem a comunicação quanto o espírito que pretende ser contatado possuem merecimento para tal empreitada. A grande maioria não tem. Então na maioria dos casos, com a finalidade de dar um alento a um coração machucado, essas comunicações não são tão legítimas quanto as pessoas imaginam.
    Nesses casos a psicografia não preza por ser legítima, mas sim em levar um pouco de conforto a uma alma desesperada, mesmo que essa alma esteja em débito com as leis divinas e não tenha o merecimento de uma comunicação legítima.
     Muitas pessoas irão me questionar dizendo que o Chico Xavier psicografava cartas legítimas e eu concordo plenamente. A diferença é que ele era o Chico e não é qualquer médium de qualquer centro que vai fazer o que ele fez. Ser possível de ser feito é uma coisa e qualquer um fazer é outra bem diferente.
     Nos moldes atuais a maioria dos centros espiritas não tem controle sobre os espíritos que dão comunicação em suas sessões porque o método que utilizam não preza por qualquer tipo de controle ou verificação. Eles simplesmente confiam que os "espíritos de luz" farão tudo que for preciso e sequer utilizam a mediunidade dos médiuns do centro para um trabalho mais ativo ou de parceria com o astral da casa. Trabalham às cegas, basicamente na base da fé. 
     A realidade na dimensão astral que nos rodeia é bem mais complexa do que se divulga nos romances espíritas e se arrepender e orar não basta para ser resgatado do umbral. O espiritismo kardecista no Brasil reduziu o tríplice aspecto do espiritismo de Kardec, de ciência, filosofia e religião, apenas ao aspecto religioso. 

Gelson Celistre

     

Nenhum comentário:

Postar um comentário