domingo, 7 de setembro de 2014

O guru


A consulente solicitou atendimento para tratar problemas de relacionamento com familiares. Afirma que foi maltratada pela madrasta quando era criança e que atualmente não se relacionam. A consulente mora na Indonésia mas é natural da Europa e relata que se sente mal quando fala com o pai por telefone. Acorda com dores e sem energia nas mãos e também sente dores no corpo, peso nos ombros e dificuldade de concentração no local onde trabalha.



Dissociação da consciência

     A dissociação da consciência ou desdobramento é um fenômeno muito comum e pode ocorrer por vários motivos, sendo um deles a localização geográfica e cultural. Basicamente a dissociação ocorre quando saímos de nosso corpo físico com nosso corpo astral e sintonizamos com uma frequência de vida passada, assumindo então no astral a personalidade que tínhamos naquela existência. Em muitos casos a pessoa passa a ter vidas paralelas, com uma consciência aqui no plano físico e uma ou mais consciências na dimensão astral. 
     No caso em questão a consulente em vida passada viveu próxima dessa região onde hoje reside e a proximidade geográfica e cultural fez com que ela sintonizasse com a frequência relativa àquela vida passada. 

O guru

     Na tal vida passada a consulente fazia parte de uma seita que venerava seu fundador, um guru já falecido. A consulente era um tipo de sacerdotisa ou devota que liderava a seita e através de um ritual de magia negra conseguiu realizar um procedimento chamado de avatar pelos ocultistas. Este procedimento consiste em expulsar o espírito de uma pessoa de seu corpo físico para que um outro espírito possa se utilizar dele. É um tipo de possessão. 
     Nesse caso o espírito que passou a habitar o corpo do homem que foi submetido ao ritual erea o falecido líder da seita a qual a consulente fazia parte. O procedimento foi realizado com sucesso e o fundador da seita voltou a habitar entre os vivos até o esgotamento do corpo físico que passou a possuir, por cerca de 30 anos, tendo sua seita então se revigorado nesse período devido ao retorno do guru que foi bastante prestigiado em sua época/região e teve muitos seguidores.


O ritual

     O ritual ocorreu num local escuro e iluminado apenas pelas velas que os membros da seita, vestindo túnicas e capuz cobrindo suas cabeças, seguravam com ambas as mãos. As velas eram entalhadas com símbolos mágicos e as pessoas também recitavam palavras secretas, quase como um mantra.
     A vítima do ritual, um homem de aproximadamente 40 anos, estava deitado sobre um altar de madeira seminu, desacordado ou semiconsciente, apenas com um pedaço de pano branco enrolado na cintura. Tinha cabelos pretos e a pele clara. Os membros da seita andam lentamente ao redor do altar, segurando suas velas e recitando sua ladainha, enquanto o homem se contorce e geme como se estivesse agora sofrendo dores atrozes.
     O homem no altar atualmente é o pai da consulente e a madrasta dela era a esposa dele naquela vida, que ficou desesperada porque seu marido sumiu da aldeia onde moravam e nunca mais foi visto. Houve boatos na época de que a tal seita seria a responsável pelo desaparecimento de seu marido mas ninguém ousava declarar isso abertamente ou enfrentar a tal seita, pois eram fanáticos, violentos e tinham muito poder.

O confronto

     O tal guru naquela existência depois do falecimento do corpo do qual se apossou se manteve no astral com a energia dos seus seguidores. Ele já era um espirito das trevas e costumava encarnar e fundar uma seita para angariar seguidores, pois vivia com a energia que vampirizava deles. o encontramos o guru não tinha mais um corpo astral normal, ele tinha apenas uma massa de energia astral envolvendo seu corpo mental que se estendia por cerca de 50 metros de maneira disforme, como um nuvem. Dessa nuvem saíam fios como se fossem tentáculos, oito deles mais grossos, que estavam ligados a pessoas encarnadas que foram seus seguidores mais fiéis, por meio do qual o guru retirava energia para se manter. 
     A primeira providência que tomamos foi paralisar a criatura e cortar essas ligações energéticas que o supriam de energia. Imediatamente ele começou a encolher e a enorme nuvem cinzenta ficou do tamanho de uma bola de basquete. Após isso ele foi preso e encaminhado a um outro planeta, mais compatível com seu (baixo) estado evolutivo. Os espíritos aprisionados por ele foram libertados, inclusive outros encarnados dos quais também tirava energia.
     A consulente estava desdobrada na dimensão astral vivenciando aquela vida passada pois tinha uma ligação muito forte com o guru, uma ligação quase simbiótica. O procedimento normal nesses casos é fechar a frequência, resgatando os espíritos desencarnados ligados a ela, e apagando a mente dos encarnados que se encontram lá em estado de dissociação de consciência.
     Também apagamos a mente da madrasta e do pai da consulente para os desligar daquela frequencia que alimentava seus sentimentos da vida atual.

Espelhamento

     Os problemas de relacionamento familiar da consulente podem até amenizar mas dificilmente serão uma família feliz, dado que sua ligação kármica é negativa e não amorosa. As dores que a consulente sente são produto de um processo natural de espelhamento que faz com que nosso corpo físico apresente os sintomas dos males que causamos ao corpo astral de outro espírito desencarnado na dimensão astral, quando em estado de dissociação de consciência estamos lhe fazendo algum mal. Devem diminuir e podem até cessar totalmente, mas não temos como afirmar com certeza porque a consulente pode estar dissociada em outra frequência, o que é bastante provável em função da ligação dela com o tal guru, que era um espírito de alto grau de periculosidade.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário