quinta-feira, 1 de abril de 2010

O psiquiatra

     A consulente é uma senhora na faixa dos 50 anos, reclamando de dores pelo corpo, sentimento de tristeza generalizada, apatia pela vida, etc. Um diagnóstico de depressão não seria incorreto no caso dela. Eventualmente frequenta algum centro espírita e já buscou 'ajuda' tbm num macumbeiro de baixa vibração, tendo feito trabalhos com sangue, juntamente com duas filhas.


     Parte do problema estava ai. A casa cheia de energias negativas condensadas por entidades de baixa vibração por conta dessa ligação com o tal macumbeiro. Efetuamos a limpeza de praxe e o encaminhamento de quem podia ser encaminhado.
     Junto dela vei um ser, um homem, que havia morrido num acidente de automóvel. Ele não morreu na hora, teve a coluna esmagada e estava usando um colete muito apertado para não provocar danos na medula e sentia muita dor. As dores que a consulente alegava esta sentindo eram a deste cidadão, que foi socorrido e encaminhado a um hospital no astral. O interessante neste caso é que este ser estava na frente de um centro espírita onde foi buscar auxílio (não sabemos pq motivo não obteve ajuda) e sentiu a vibração de tristeza da consulente, que era igual a sua, e acabou imantado a ela.
     Tbm ligado a consulente havia uma moça 'louca' e mais um bolsão de espíritos sofredores, de uma vida passada onde ela trabalhava num manicômio. Essa moça foi internada pq via espíritos e a consideraram doente mental, entretanto, sua familia tinha posses e a consulente se fez passar por sua amiga, a fez assinar alguns papéis onde passava seus bens e direitos de herança para ela e envenenou a tal moça. Num outro ser, tbm desse bolsão, era colocado uma espécie de capacete de ferro com parafusos nas laterias sobre as têmporas, que eram apertados em sua cabeça. O manicômio ficava na Itália por volta do ano 1872 e no astral ainda estava em pleno funcionamento. Recolhemos os internos e desmanchamos o local.
     Ainda nesta frequência havia uma moça que morreu em 1982 vítima de choques elétricos numa clínica no Rio de Janeiro. Detalhe: o psiquiatra que tratou desta moça era o mesmo espírito que era o psiquiatra do outro manicômio. Incorporado numa das médiuns disse que só sabia fazer isso e que usava os métodos 'conhecidos' na época. O que ele não disse mas que nos foi intuído e depois confirmado pelas médiuns é que ela dopava e abusava sexualmente das pacientes. Este ser ainda visitava frequentemente o manicômo para satisfazer suas 'necessidades'. Foi levado pela equipe espiritual. De certa forma a consulente estava sendo 'tratada' por um psiquiatra com quase 200 anos de experiência.
     Alertamos a consulente da necessária evangelização e do cuidado com os próprios pensamentos, que podem atrair entidades afins e acabar por nos prejudicar mais ainda. Pelo grau de sensibilidade apresentada pela consulente é provável tbm que tenha alguma mediundiade que precisa ser trabalhada. Tbm foi aconselhado que estude sobre espiritismo para não se envolver mais com qualquer macumbeiro de plantão.


Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário