domingo, 4 de abril de 2010

Preconceito racial e sexual

Uma das médiuns incorporou um ser debochado que, embora se apresentasse com uma forma masculina, se expressava com trejeitos afeminados, denotando sua condição de homossexual. Foi percebida a presença de outro ser, um homem negro, e este foi incorporado em outro médium.
Logo percebemos que havia uma ligação entre os dois. O negro em vida passada fora escravo do outro que o utilizava para sua satisfação sexual, pois era um homessexual do 'tipo' passivo. O negro achava que 'devia' seguir o outro para onde quer que ele fosse pois era seu escravo, ao passo que o outro lhe destratava, chamava de idiota, burro, etc.
O negro afirmou que já teve outras vidas depois daquela onde foi escravo sexual do outro  mas sempre que o encontrava se sentia como se devesse servi-lo. Como o ser homossexual não aparentavva ter uma força mental suficiente para subjugar o outro desta maneira concluímos que algo no passado de ambos tinha gerado algum sentimento de culpa no negro.
Comandamos então que ele lembrasse de uma vida anterior onde os dois se conheciam e o negro acessou então de uma exitência onde o outro fora seu filho. Ele então (o negro) era branco e seu filho nascera 'escuro'. Ele não suportava a 'cobrança' da sociedade e para se livrar do problema vendeu o próprio filho como escravo.
O ser homossexual só falava bobagens e não se conseguia estabelecer com ele um diálogo proveitoso. O negro se sentia culpado por ter vendido o filho por ser 'negro' e tbm por ter sido o 'macho' na vida onde era escravo do outro, pois para ele o fato de ser 'ativo' sexualmente significava que ele dominava o outro, mesmo ele sendo um escravo e o outro sendo o seu senhor.
Perguntei a ele se estava disposto a ajudar o outro a recomeçar, desta vez sendo um bom pai, a despeito da cor ou opção sexual do filho, ao que ele concordou. Disse então a ele que iria fazer o homossexual 'retroceder' até a vida e idade que tinha quando era seu filho e ele e o vendeu, para que ele então pudesse agir como pai com ele da forma correta desta vez.
O espírito 'homossexual' questionou se ele não seria consultado sobre essa questão e lhe disse que não, efetuando em seguida o comando para que retornasse até a vida onde era filho do 'negro' antes de ser vendido e assim o deixamos. O outro afirmou que iria respeitá-lo e amá-lo como filho, independente da cor dele (o homossexual voltou a ser negro) e que se fosse preciso enfrentaria a 'sociedade' e o assumiria como seu filho.
Provavelmente irão renascer em breve novamente como pai e filho para que tenham a chance de acertar onde antes erraram. É a lei divina sempre nos ofertando novas oportunidades, apesar de nossos constantes erros. Embora não nos livre de colher os frutos de nossas ações, nos permite fazer isso da maneira menos dolorosa e que faculte nosso mais rápido aprendizado dos desíginios do Criador.
Abraço.

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário