domingo, 4 de abril de 2010

O padeiro português

Atendemos um espírito com dificuldades de entender que estava 'morto', o que é até relativamente comum. Nosso amigo não sabia nem o porque de estar ali conversando comigo. Disse que 'é' um homem trabalhador, que acorda todo dias as 4:30 pra abrir a padaria e não sabe o que aconteceu para ele estar 'aqui' falando comigo.
Após as tentativas de praxe para ele perceber que algo estava 'diferente', fiz ele lembrar da 'morte' dele, que ele nem sabia que tinha ocorrido, mas enfim, fiz ele lembrar e ele foi me narrando o que estava vendo. Disse que acordou de madrugada e foi abrir a padaria como sempre fazia... só que logo que abriu as portas um homem estava do lado de fora com um facão enorme e lhe deu um golpe que lhe decepou a cabeça. Teve morte instantânea.
Então estava conversando com ele, falando sobre a família, perguntei que ano era, ele falou 1935, perguntei se tinha mulher e se não gostaria de revê-la pois ela já devia estar 'morta' tbm. Ele disse que não, não queria saber da esposa pq tinha descoberto agora que além de estar morto, fora ela quem encomendara sua morte. Ambos eram portugueses e vieram tentar a sorte aqui no Brasil. Outra médium lhe disse que a mãe dele que ficara em Portugal gostava muito dele e até tinha lhe enviado uma carta, e que ela já estava ali para levá-lo com ela.
Ele estava muito perturbado e só falava em ir para 'o lugar onde os mortos ficam', tentamos lhe falar alguma coisa sobre reencarnação, vida além túmulo, mas era por demais ignorante sobre esses assuntos para entender e então apenas dissemos que acompanhasse sua mãe que ela iria para esse 'lugar' onde os mortos ficam.
Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário