sexta-feira, 9 de abril de 2010

Mediunidade não desenvolvida

     A consulente relata que 'há tempos' tem fortes crises de depressão, sente-se mal e com dores de cabeça com frequência, sente muito sono, acorda cansada, etc. Sabe que tem mediunidade, já frequentou centro espírita mas não 'consegue' ficar mais que poucos meses e tbm afirma que não consegue 'estudar' sobre mediunidade ou assuntos similares. Já buscou atendimento em um centro espírita, onde chegou a incorporar um ser, mas diz que não se sentiu bem depois e parou de ir, achava que 'eles' não conseguiram lhe ajudar.


     De pronto já lhe informamos que só vai melhorar mesmo quando cumprir sua missão que é exercer a faculdade mediúnica no auxílio aos espiritos necessitados. Junto dela havia um espírito obsessor feminino com muito ódio, disse que queria matá-la e que a faria se matar (ela revelou depois que já tinha tentado suicídio). Dialogando com este ser descobrimos que em vida passada a consulente fora sua filha e naquela vida matou os pais envenenados e asfixiados, para ficar com a herança deles pois era filha única.Fizemos o obsessor lembrar de vida anterior onde ela e o marido, tbm casados naquela existência, sacrificaram uma moça que era sua serviçal, num ritual de adoração ao demônio, com o intuito de obter riquezas.

     Esta moça é a consulente que posteriormente veio a ser filha do mesmo casal e os matou, pela riqueza. Foi um evento cármico bem ao estilo 'olho por olho', visto tratar-se de consciências primitivas e que só conseguiram aprender a lição (se é que aprenderam) pela dor. Após mostrar ao obsessor que poderia ficar ainda em piores condições se permanecesse com esse ódio todo, a convencemos a receber ajuda de nossa equipe espiritual.

     Ao redor da cabeça da consulente foi percebida uma forma-pensamento em forma de nuvem escura, que é a 'materialização' no astral dos pensamentos negativos que ela cultivaa e é isso o que principalmente lhe causa as dores de cabeça, a absorção dos próprios fluídos negativos expelidos por ela. Devido a ter mediunidade e não 'trabalhar' regularmente em algum centro ou grupo espírita, a consulente tbm estava sendo vampirizada. Foi visto pelos médiuns que quando ela dorme uma meia dúzia de espíritos vampirizadores lhe sugam as energias, literalmente 'de canudinho'.

     Do corpo da consulente saíam pequenos filamentos, uns tubos fininhos retorcidos, pelo qual os vampiros sugavam a energia da consulente. Retiramos esses seres e desfizemos essas ligações, tbm foi feita uma assepsia na residência da consulente. A consulente foi orientada a estudar sobre espiritismo e mediunidade e procurar um local para 'trabalhar' suia mediunidade pois somente utilizando essa faculdade caritativamente vai lograr uma melhora em seu quadro sintomático.

Abraço.

Gelson Celistre.

2 comentários:

  1. olha gostei muito do seu blog, encontrei ele hoje , mas vou virar visitante assidua , estava justamente procurando esse assunto , pois ha oito anos quando osieu numa casa espirita me chamaram pra trabalahr la, nao fui, fui tomar passes e logo parei de ir, e ha tres anos, conheci a umbanda, me chamram pra entrar tb na primeira vez que fui la, e ainda nao entrei, frequento ha tres anos, so que por orientacao de um guia da umbanda, passei a ir e levar meu fhilo tb pra tomar passes no centro espirita, so que , minha duvida de ainda nao ter entrado na umbanda, é que te nho duvida se sou ou nao medium de incorporacao , so que ha akguns meses ja tenho sentido muitas dores de cabeça, tomo ,tomo remedio e nao passa , claro que sei que devemos procurar um medico, mas estava justamente procurando no google MEDIUNIDADE NAO DESENVOLVIDA DOR DE CABEÇA e achei seu blog, o que vc acha?

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana,

    Se em dois centros diferentes te convidaram pra trabalhar é pq devem ter sentido alguma coisa de mediunidade em vc. Te aconselho a ler outros relatos aqui no blog sobre a Umbanda, pq existem muitos locais que se dizem de Umbanda mas náo o sáo. Eu acho mais prudente desenvolver a mediunidade num centro kardecista, pois vc sabe como operam e que tipo de entidade frequenta o local, pelo menos teoricamente.
    Abraço.

    ResponderExcluir