quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Laboratórios abismais

Duas das médiuns captaram uma frequência onde deveria ocorrer um resgate, uma delas principiou vendo o capim alto de um vasto campo sacudindo-se ao vento, e logo outra vislumbrou nesse campo uma choupana. Dentro dela, dançando sobre uma mesa, havia uma mulher com um traje vermelho meio transparente. Incorporada, ela alegou que precisava se apresentar assim para conseguir energia (era de uma classe de espíritos que comumente se encontram em terreiros e similares, chamados de 'giras'), mas sua história era algo dramática e ela se encontrava ligada a um passado de dor e sofrimento.


Fora casada com um homem bruto e ignorante, muito ciumento, que acreditava que ela o traía. Ela e o marido moravam em um local um pouco afastado, onde mantinham um armazém. O auge do ciúme do marido ocorreu quando sua esposa atendeu no armazém um jovem com o qual seu marido imaginou que ela estivesse tendo um caso. Tomado de uma cólera irascível, ele a matou friamente. Sua mente perturbada acreditava que o casal de filhos deles, crianças ainda, não seriam de sua paternidade e resolveu matá-los tbm. Matou o menino mas antes de conseguir matar a menina uma senhora que cuidava das crianças para eles fugiu com ela. Este espírito perturbado do marido morreu naquele local, em sua casa, esperando que a filha voltasse para ele a matar.
Tentamos dialogar com este ser incorporado em uma das médiuns mas era uma criatura demasiado embrutecida e em sua mente o único pensamento que ele tinha era de que a esposa era uma 'cobra' e que quando se mata a cobra tem que se matar os filhotes todos no ninho. Foi adormecido e encaminhado para tratamento. Estes fatos ocorreram por volta do ano 1413.
Enquanto visualizava esta situação, uma das médiuns viu na tal choupana dois seres pequenos, meio homens meio animais, à semelhança de centauros, só que com chifres na cabeça. Eles apareceram na casa e depois correram para o campo e sumiram numa floresta.
Enauqnto isso outra das médiuns sentia suas pernas pesadas e percebemos que haviam colocado nelas umas correntes. A finalidade era impedi-la de chegar ao local onde estava programado um resgate coletivo de vários seres, em um laboratório na região abismal onde se faziam experiências de transplantes de órgãos envolvendo seres humanos e animais. Os seres que a outra médium havia visto tinham 'invadido' a frequência do outro atendimento para tentar nos avisar sobre os laboratórios.
Libertamos a médium de suas amarras e ela foi conduzida à um local no fundo de enorme desfiladeiro escuro, e encontrou um laboratório numa caverna, com equipamentos como se fosse da época medieval, de alquimistas. Foram libertados seres meio humanos meio animais que eram cobaias dessas experiências macabras e alguns eram verdadeiras aberrações, como seres com um olho apenas no meio da testa, outros com olhos atras da cabeça, um outro com uma mão saindo da testa, etc.
Intuímos que havia mais coisa e pedimos que ela vasculhasse o local e então ela percebeu nas proximidades, mais adentro daquele desfiladeiro escuro, um outro laboratório, este com equipamentos tecnologicamente mais atualizados em relação a que temos aqui na dimensão física. Resgatamos mais uma grande quantidade de seres que foram vítimas dessas experiências. Os cientistas que operavam ali conseguiram se evadir quando perceberam a aproximação da médium e no local deixaram apenas um ser, um trabalhador menos importante de sua organização, que teve a mente apagada por eles mesmos para que não pudéssemos retirar dele alguma informação.


Gelson Celistre

2 comentários:

  1. Querido amigo Gelson !
    Esse caso me chamou a atenção para uma coisa !
    Quando ocorre por exemplo de uma criança nascer deformada ou as vezes até com características de alguns animais e até mesmo com o extinto de animais.
    Pode ser possível que venha de uma experiência como essa ou para reencarnar seria necessário passar por um tratamento antes ?

    Abraços !!!

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    É possível sim que defeitos congênitos tenham origem em experiências desse tipo, entretanto, geralmente quem nasce assim necessita passar por aquele experiência dolorosa no plano físico. Lembremos que se a criatura sofreu este tipo de situação é pq suas atitudes pretéritas a habilitaram a isso.
    Nem todo sofrimento pode ou é para ser minorado. Em nosso grau evolutivo nosso melhor mestre costuma ser a dor.
    Abvaço.

    ResponderExcluir