quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O médico e o monstro

O consulente alegava o que comumente costumamos ouvir, nada da certo na vida, profissiona, pessoal, etc. Junto com ele havia um ser 'trevoso', inclusive com chifres na cabeça, que lhe enfiava um pedaço de ferro em brasa com um gancho na ponta pelas costelas do consulente, saindo acima do coração (depois de relatado o consulente revelou que sentia uma dor nessa região). Ao conversarmos com este ser ele se disse um 'justiceiro', alegou que trabalhava para que se cumprisse a justiça, pq o consulente em vida passada havia matado seu filho ainda criança.
Eram os idos de 1.500 e o consulente vivia uma situação curiosa naquela vida, era açougueiro e tbm era médico. O tal ser disse que ele matara seu filho, assim como muitas outras pessoas pobres e doentes que ele matava em seu açougue, provavelmente para estudar seus corpos. A atividade de açougueiro devia ser uma espécie de disfarçe para que pudesse matar as pessoas para estudá-las.
Haviam dois bolsões de espíritos ligados a ele, os que foram suas vítimas no tal açougue, e os que morreram no hospital onde ele trabalhava tbm.
O ser que estava com ele conseguimos convencer a abandonar seu intento pq nos foi revelado que o filiho dele não foi morto intencionalmente pelo consulente no seu 'açougue', mas sim no hospital, sendo que o consulente tentava salvá-lo.
O ser sabia onde estava seu filho mas disse que não podia vê-lo pq ele era 'mau', sabia que o filho estava num posto de socorro mas não podia entrar lá, apenas cehgava até a frente eventualmente. Dissemos a ele que conseguiríamos fazer com que ele entrasse lá. Ele alegava que seu ódio se amenizara por saber que o consulente não matara seu filho intencionalmente de forma brutal como fazia no 'açougue' com os indigentes, mas que ainda tinha muito ódio dele. Perguntei-lhe se queria ajuda para se livrar disso e ele disse que sim, ao que lhe dissemos que poderíamos fazer esquecer uma parte daquela vida, onde o consulente era 'mau', e lembrar apenas que ele era o médico que tentou salvar seu filho.
Feito isto, a médium que o recebeu o acompanhou até o posto onde o filho dele estava trabalhando como enfermeiro, e inclusive foi ele que recebeu o pai lá.
O consulente na ânsia de resolver seus problemas, já tinha ido em cartomantes e terreiros, e num desses ele encontrou um ser trevoso que fora seu companheiro no umbral num período intervidas. Eles haviam feito um pacto de que se um reencarnasse ajudaria os outros. Num desses terreiros que ele foi, que inclusive é perto de sua casa, esta entidade o encontrou, e tinha sido ela quem o induziu a procurar apoio lá.
Na ocasião em que ele esteve lá fizeram uma 'ligação' energética dele com o tal grupo, pois todos trabalham no astral do tal terreiro de macumba.
Desde então (isso foi há alguns anos) o consuelnte tem se desdobrado semanalmente e vai 'trabalhar' com eles no baixo astral, inclusive segundo a entidade, ele havia prometido da última vez que esteve com eles que levaria a esposa dele junto na próxima vez.
Neste caso consultamos um preto-velho que eventualmente aparece para nos auxiliar e propomos ao grupo que se quizessem 'mudar de vida' os ajudaríamos, mas eles não quizeram, apesar dos alertas que lhes fizemos sobre o processo de renovação planetária, disseram que 'ainda tem tempo'.
Abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário