quarta-feira, 6 de abril de 2011

Alucinação

Muitos fatos que ocorrem em nossas vidas tem a finalidade de despertar nossa atenção para o mundo espiritual e de nos fazer questionar nossos conceitos materialistas. Quando alguma coisa que nos afeta ultrapassa os limites da ciência, somos obrigados a buscar respostas em outras fontes de conhecimento do mundo que nos cerca. A ciência ainda não pode nos dar respostas para tudo simplesmente por falta de equipamentos (pelo menos para o grande públicao) capazes de detectar certos níveis de energia.

Este é o caso de um rapaz que nos contactou via e-mail com o seguinte problema:

"Tenho 26 anos e desde os meus 15 anos comecei a ver uma imagem estranha, é tipo um cobra ou uma corda com um nó, ela é transparente de cor acinzentada e se movimenta de forma estranha. Desde que comecei a ver essa imagem começaram os problemas. Primeiro parei de estudar, depois não saia mais de casa, até chegar a depressão e síndrome do pânico. Hoje estou relativamente bem perto do que já estive, mas minha vida não flui. Antes de começar a ver essa imagem eu era uma pessoa muita comunicativa e extrovertida. Já hoje tenho muita dificuldade em minha vida social. Quando vejo essa imagem tenho uma sensação horrível de peso e raiva. Pesquiso sobre isso faz anos e não achei nenhum caso idêntico. Mas creio que se trata de uma obsessão."


Realmente se tratava de uma obsessão. Havia junto dele uma moça que foi esposa dele em uma vida passada. Naquela existência ela era uma jovem ingênua, de família abastada, e o consulente um jovem ambicioso e inescrupuloso. Ele a seduziu, ela abandonou a família para casar com ele, e ele ardilosamente a fez parecer uma louca e a internou num hospício. Após algum tempo ela foi liberada para voltar para casa e ele então aguardou que os pais dela morressem para enforcá-la e dizer que ela, num acesso de loucura, tinha se suicidado. Ela queria enlouquecer o consulente. Era um espírito muito perturbado emocinalmente e seus sentimentos eram um misto de ódio e mágoa, pois ela o amava. Conversamos um pouco, tentamos encontrar os pais dela daquela vida sem sucesso, mas encontramos a avó, que veio e a levou consigo.

Havia tbm outro obsessor, daquela mesma vida, quer foi sócio do consulente e foi enganado, perdeu tudo, inclusive a família, a mulher e uma filha. Acabou morrendo na miséria e queria que o consulente não tivesse nada nessa vida, que tudo desse errado para ele, e estava muito empenhado nisso. Segundo ele isso foi nos idos dos anos 1800, há quase duzentos anos, e ele se gabava que na vida anterior a esta do consulente ele conseguiu provocar a morte dele.

Num breve diálogo fiz ele lembrar de uma vida anterior onde ele era um padre que viajava por pequenas cidades e vilarejos coletando doações para a construção de uma igreja; após conseguir uma boa soma ele dizia que ia levar o dinheiro ao bispo e gastava tudo na farra. Fizemos ele lembrar isso apenas para que ele percebesse que ser enganado pelo consulente não foi uma injustiça para ele, mas apenas a colheita de algo que ele mesmo plantou.  A mulher e a filha dele daquela vida apareceram e lhe pediram perdão (elas tbm foram abandonadas pelo consulente depois dele tê-las expropriado dos seus bens), ele se emocionou e foi com elas.
Além disso tbm captamos uma situação onde o consulente estava desdobrado no meio de um círculo formado por várias bruxas e onde ele foi sacrificado. Em uma outra existência ele procurou essas bruxas para contratar um feitiço a fim de conquistar uma mulher, mas elas o mataram e esquartejaram, assim como haviam feito com diversas outras pessoas. Encontramos vários recipientes de vidro com partes de pessoas (coração, fígado, mãos, etc) que elas haviam sacrificado em seus rituais.

Para que o consulente pudesse estar sendo acessado nessa frequência era preciso alguma ligação com alguma outra frequência onde ele tivesse sido o algoz e não a vítima, então pedi aos médiuns para rastrear outra vida passada dele e eles o encontraram desdobrado em uma outra frequência, onde era um xamã que fazia muitos sacrifícios humanos, troca de vida e coisas similares. Nessa frequência havia um enorme bolsão de espíritos sofredores, vítimas do consulente daquela vida, e ele ia frequentemente para lá em desdobramento inconsciente para continuar com suas atividades macabras. Apagamos a memória inconsciente ativa relativa àquela vida e resgatamos os espíritos sofredores.

O consulente nos relatou que está frequentando um centro espírita mas lá não souberam lhe dar alguma resposta sobre seu problema e tbm disse que por indicação médica já havia feito tratamento com remédios sem obter sucesso. Afirmou que não acreditaria em nada "espiritual" caso não tivesse sido vítima dessa situação, a alucinação onde via a tal corda, que na verdade tem a ver com mediunidade de vidência pois ele estava vendo um objeto que existia na dimensão astral. Devido ao longo tempo que ele via isso e por ter se impressionado muito, ele mesmo mantinha essa criação materializada no astral, bastando ele sentir inconscientemente a presença do obsessor para ele mesmo potencializar a imagem a ponto de percebê-la. Ele foi orientado a mentalizar a dissolução da imagem pois como ela está ativa em sua mente ele pode voltar a vê-la mesmo sem a presença do obsessor.

Abraço.
 
Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário