quinta-feira, 28 de abril de 2011

Escuta clandestina

No dia na nossa reunião, cerca de meia hora antes do início, recebo uma ligação em meu celular de uma pessoa com a qual fiz um curso de hipnose há alguns anos, aliás um excelente hipnólogo. O curioso é que nos conhecemos no dia do curso e depois disso nunca mais nos falamos, ele mora em outro estado e cada um de nós tem suas ocupações. Mas justo no dia da minha reunião, ele me liga falando sobre apometria, disse que estava vendo meu blog na internet e conversamos um pouco sobre o assunto.
Como já diziam nossos avós, para bom entendedor meia palavra basta. Após os atendimentos da noite, comuniquei o fato aos médiuns e pedi que verificassem se algum ser não havia aproveitado o telefonema para introduzir alguma energia ou aparato no ambiente.

O primeiro médium que sintonizou com a situação sentiu como se lhe houvessem cravado um objeto pontiagudo na nuca. Em seguida outro médium sentiu um ataque tbm e nos avisou que todos no grupo estavam sofrendo algum tipo de ataque tbm.

Um dos médiuns viu então em meu ouvido um aparelho de escuta, como se fosse um aparelho para surdez, mas menor. Rastreando o sinal encontramos um mago sentado no chão, dentro de um círculo feito com cinzas. Imediatamente o trouxemos até nós e ele ficou meio perplexo pois achou que estava protegido em seu círculo mágico e tbm que ninguém o localizaria por conta da escuta clandestina ter sido introduzida através da pessoa que me ligou.

Ele me conheceu em uma vida passada, há muito tempo, numa época em que eu ainda vagava pelas trevas, e era um mago mais poderoso do que eu, pelo menos ele pensava isso pois disse que se eu "tinha ganhado tudo isso" ele deveria ganhar muito mais. Não sei exatamente o que ele acha que eu ganhei pois tudo que tenho de material foi conquistado com muito esforço e o que tenho de intelectual com muito estudo, não me deram nada de graça, mas enfim, prendemos a criatura e fomos atrás de quem forneceu o aparelho de escuta pra ele pois percebi que ele não tinha conhecimento técnico para criar esse tipo de aparelho.

Assim como esse ser achava que estava usando a pessoa que me ligou, outro ser estava usando ele. Encontramos esse ser numa grande comunidade umbralina, uma cidadela, onde havia uma espécie de fonte onde os habitantes do local vinham buscar um líquido, que funcionava para eles como se fosse água, e que era preparado com substâncias para os manter escravizados a ele. Prendemos todos e "elevamos" a tal cidadela, envolvendo ela numa bolha energética e a transportando para outra dimensão vibratória, para que nossa equipe pudesse trabalhar melhor com os seres que estavam ali e encaminhá-los para outros locais.

O tal mago que foi usado para introduzir a escuta clandestina através da pessoa que nos ligou, tinha com essa pessoa fortes ligações de outras vidas. Captamos uma delas, onde essa pessoa foi psiquiatra em uma clínica e numa ala psiquiátrica de um presídio. Naquela existência ela agia de maneira muito anti-ética e se complicou muito karmicamente. Entre outras coisas, ele recebia pessoas sadias mentalmente e as enlouquecia, mediante pagamento da parte interessada; os pacientes indigentes ele matava pq não dariam lucro, apenas trabalho; as mulheres pacientes eram violentadas sexualmente, etc. Nessa frequência no astral resgatamos mais uma grande quantidade de espíritos, bem como no presídio onde ele trabalhava e onde agia de modo similar.

Este tipo de expediente é muito comum. Quando um ser não consegue acesso direto a nós ou teme um confronto direto, usa de outras pessoas, encarnadas ou desencarnadas, que possuam alguma ligação conosco para nos acessar.

Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário