quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O diário do herege

     O consulente em uma vida passada foi forçado por sua família a entrar para um monastério, apesar de seus protestos e de não ter nenhuma vocação para a vida monástica. Como não gostava daquela vida, e inclusive pq não acreditava nos dogmas que lhe eram passados, ele vivia muito descontente naquele local.


     O jovem, um noviço ainda, se refugiava frequentemente numa torre mais afastada no monastério e se punha a escrever em uma espécie de diário, um livro de anotações, seus pensamentos e idéias. Muitas das coisas que escrevia ele nem sabia de onde provinham pois se referiam a assuntos sobre os quais ele nunca lera nada. Talvez ele tivesse algum tipo de mediunidade e escrevesse inspirado por algum espírito, ou então nesses momentos ele se desdobrava e acessava os conteúdos de sua própria memória sideral, não soubemos, mas o que sabemos é que o conteúdo de seus escritos, se revelado, o levaria a morte, como herege.
     Num desses dias após ele escrever em seu diário ele descia as escadas da torre quando foi surpreendido por um monge mais velho, que o agarrou por trás e tentou violentá-lo, ele se desvencilhou do tal monge e deixou cair de suas veste o tal diário que o outro pegou e leu. Notando o conteúdo eivado de heresias o tal monge tentou chantagear o noviço, dizendo que não o entregaria ao prior se o noviço concordasse em satisfazer sua luxúria. Como o noviço não cedeu à chantagem, o monge levou o diário ao prior, fazendo-se ainda passar por preocupado com o noviço diante de seu superior.
     O prior reuniu-se com outros monges mais antigos e interrogaram o noviço, dizendo que o conteúdo do diário era muito grave e queriam saber pq ele escrevia essas coisas. Enquanto isso o monge pederasta que o denunciou estava exultante, sentindo-se vingado por ter sido rejeitado. O noviço foi torturado por vários dias, bateram muito em sua cabeça e o açoitaram com um relho de couro e pontas de metal, entre outras coisas, mas suportou tudo calado. Depois foi jogado numa cela, seu corpo suava e tremia em convulsões, e ele morreu.
     O espírito do noviço vagou por ali por vários anos, como se estivesse atordoado, até que um outro noviço despertou o desejo do monge pederesta e este tentou violentá-lo. O espírito do noviço então foi atraído para junto do pederasta e aproveitou a situação para se vingar. Conseguiu se fazer visível ao monge pederasta e começou a obsidiá-lo, chegando a fazê-lo subir na torre onde ele escrevia seu diário quando vivo e se jogar lá de cima. O monge pederasta morreu na queda.
     Nesse momento esse monge pederasta, que atualmente está encarnado, se desdobrou e incorporou na médium,com muita raiva por conta do ocorrido. Tentamos dialogar com ele, que se mostrou irredutível dizendo:
     - Não quero conversa já falei, já sei o que vc fez e não quero conversa, me deixe em paz... não se faça de santo... vc sabe muito bem o que me fez fazer... vc me fez fazer aquilo e depois sumiu pra que eu não pudesse te pegar.. covarde!!!!!!!!!!!!! Pq não ficou e me enfrentou? Vc que merecia estar aqui no meu lugar por escrever coisas que não devia, será que não aprendeu ainda? Mais dessa vez eu ensino vc a não se meter comigo... 
     - Se quiser deixar de sofrer acho bom esquecer o passado, disse eu;
     - Não vou esquecer nada, acha mesmo que é assim? Vc vem aqui e me diz pra esquecer e vai ficar tudo bem? As coisas não funcionam assim!
     - Vai ser melhor pra vc, já tá cego de um olho, daqui a pouco vai perder o outro...
     - Está me desejando o mal seu herege!!! Em nome de Deus isso não irá acontecer! Não tenho medo das suas pragas, o Senhor é meu pastor, ele me guardará...
     Este espírito estava muito preso àquela existência, estava em ressonância vibratória, em razão de ter outros espíritos presos naquela frequência e que foram vítimas dele. Depois de matar ele enterrava os corpos e dizia que os noviços haviam fugido do mosteiro por não suportarem os rigores da vida eclesiástica. Ele era um psicopata maníaco sexual e acabou violentando e matando vários desses noviços. Alguns já estão reencarnados mas continuavam presos àquele local no astral.
     Um deles tem ligação direta com o um estigma cármico desse espírito atualmente, pois ele é praticamente cego de um olho e com o outro tbm não enxerga bem. Naquela existência esse monge psicopata não só violentou este outro espírito como lhe arrancou um dos olhos. Quando estava arrancando o outro ouviu um barulho, imaginou que alguém estivesse se aproximando e enterrou sua vítima ainda viva.
     Aquele noviço que foi vítima do monge psicopata foi enterrado vivo, com um olho arrancado e o outro parcialmente. Atualmente desencarnado este noviço encontrou o monge encarnado e estava grudado nele. Como ambos possuem um processo cármico, o encarnado passou a sentir em seus órgãos do corpo físico o que provocou no desencarnado, e que este ainda sentia no astral. Resgatamos as vítimas do tal monge, inclusive este que estava muito próximo dele e com o qual estava num processo quase simbiótico. 
     O consulente, o noviço cujo hábito de escrever o levou a morte por heresia, neste caso não estava com nenhum problema e serviu apenas de ponte para resgatarmos os espíritos presos naquela frequência, principalmente o noviço que teve os olhos arrancados, e que vai beneficiar tbm o monge psicopata que está encarnado.
     Antes de terminar o atendimento, porém, vimos que o tal monge psicopata estava desdobrado em outra frequência, que iremos relatar no próximo post (http://apometriauniversalista.blogspot.com.br/2011/10/o-cientista-nazista.html).

Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário