sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O ataque dos clones - Parte 2 - Final

Leia antes O ataque dos clones - Parte 1

Quando estávamos no laboratório dos clones já sabíamos que ele estava ligado a outro mas não sabíamos a localização da frequência deste outro. Na realidade não havíamos ido até ele mas tínhamos como acessá-lo, pois o processo de clonagem incluía a colocação de um espírito jundo ao corpo do encarnado e através dele seria fácil de chegar ao laboratório correspondente.

Esse outro laboratório era dirigido por um grupo de entidades, parceiros dos cientistas do outro laboratório, mas estas era menos "tecnológicas", na verdade era um grupo de vampiros. Estes seres tinham uma aparência zooantropomorfa, meio humano meio animal, com corpo humanoide mas com grandes asas como as de um morcego. Sua face ostentava feições demoníacas com dentes pontiagudos e salientes, principalmente as presas, que possuíam um tamanho descomunal. São seres que vivem há milênios vampirizando outros espíritos, tanto encarnados como desencarnados, e se tornaram "especialistas" em processos de extração e manipulação de energias vitais.


Para acessar as pessoas encarnadas era grudado nelas um espírito de criança ou bebê com ligação kármica com a pessoa, e através dessa ligação elas eram desdobradas e mantidas presas em caixões transparentes, algo semelhante aos tubos que haviam no laboratório dos clones, só que sua base ficava em um complexo de cavernas em uma região densa do astral inferior.

As pessoas nos caixões eram todas encarnadas desdobradas que estavam em processo de clonagem. Estes vampiros é que selecionavam as pessoas que seriam clonadas e o processo se iniciava com a colocação nelas desses espíritos infantis para poderem desdobrá-las e levá-las para esse local, inclusive foi através de um desses espíritos que estava grudado na médium que chegamos até o complexo de cavernas.

O processo de fabricação dos clones se iniciava nesse complexo de cavernas, onde os artificiais eram criados em casulos, alimentados com o ectoplasma e outros fluídos extraídos das pessoas que seriam clonadas, num processo que se assemelhava a uma gestação. Uma vez que estivessem maiores os clones artificiais eram então levados para o outro laboratório onde os técnicos das sombras finalizavam o processo de clonagem. Em outra caverna interligada àquela onde estavam os caixões, bem maior do que essa, havia milhares de casulos pendurados nas paredes dessa caverna, onde estavam sendo criados os clones artificiais.

Quando chegamos no local isolamos logo os casulos dos artificiais em um campo energético e os vampiros perceberam e nos atacaram, emitindo ondas mentais que causam perturbação na médium, ao mesmo tempo que enviavam uma energia escura em direção aos caixões onde os encarnados desdobrados estavam, para escondê-los de nós.

O processo de extração de energias dos encarnados era basicamente feito através desses seres infantis que ficavam grudados ao encarnado, diretamente ao corpo energético dele, e a energia era enviada para o corpo astral dele mesmo que estava desdobrado nesses caixões, através de finíssimos fios, e dali dos caixões era ligada aos casulos onde eram gerados os clones, sendo que o "acabamento" seria feito pelos cientistas trevosos do outro laboratório.

Como dissemos anteriormente, eles pretendiam descobrir como transpor os corpos físicos das pessoas clonadas para a dimensão astral, mas isso já envolvia outras aplicações e era como um estudo em paralelo e não interferia no objetivo do projeto em questão, da clonagem. Geralmente quando um objeto físico transpassa um portal dimensional ele se desintegra e isso seria perfeito para dar um fim no corpo físico da pessoa clonada e é o que provavelmente fariam, aproveitando esse evento para estudar modos de preservar a integridade da matéria nessa tranposição interdimensional.

Esses vampiros estavam tão deformados pelas suas atividades que pouco lembravam um ser humano, inclusive quando nos atacavam emitiam grunhidos como se fossem morcegos. Eles voavam em nossa direção e quanto abriam as asas no ar saía delas um tipo de gás escuro, uma energia muito densa, mas "sopramos" de volta para eles e os predemos em bolhas energéticas.

Após prender os vampiros, iniciamos o trabalho de retirada dos espíritos infantis dos encarnados que estavam desdobrados ali, que eram milhares, e o desligamento dos fios que extraíam as energias deles, bem como tratamos de os enviar de volta aos seus corpos físicos, trabalho que foi finalizado pela nossa equipe espiritual pois a quantidade de espíritos ali era muito grande. Depois de terminados os procedimentos os dois laboratórios foram destruídos simultaneamente.

Os cientistas trevosos ainda estudavam uma maneira de efetuar a troca do pessoa pelo seu clone de modo a não despertar suspeitas, mas a preocupação deles em relação a isso não era com outras pessoas encarnadas pois essas seriam muito fáceis de enganar e nada notariam, a preocupação deles era com ops espíritos que se relacionam com os encarnados, mesmo sem eles terem consciência disto, por exemplo, para me substituir teriam que fazer isso de modo a que os espíritos que trabalham comigo não percebessem e aí já é bem mais difícil do que apenas replicar meu corpo. E as pessoas que eles pretendiam substituir, em função de sua importância no contexto mundial, tbm tinham alguma proteção ou eram "monitoradas" pela espiritualidade superior e substituí-las por um clone não seria tão simples.

Abraço.

Gelson Celistre

2 comentários:

  1. Realmente apavorada com tudo que leio aqui...

    ResponderExcluir
  2. Me permita comentar que chega a ser assustador este relato que coincide e muito com o filme: Sexto Dia...!!!

    ResponderExcluir