sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Armadilha

     Recentemente recebi uma solicitação de atendimento de uma mãe para seu filho de pouco mais de dois anos. Ela alegava que a criança tinha baixa imunidade, que desde que nasceu a criança tem dificuldades para dormir, que sempre pega várias doenças, etc. Relata a mãe que em certa ocasião a criança "... acordou com os olhos totalmente pretos olhando pra porta do quarto (nesta porta onde ele acordava de noite assutado gritando e apostando pra lá) eram 7hrs da manhã, chamava ele e ele com os olhos todo preto não olhava pra mim nem parecia me ouvir, ai voltou a dormir e as 10hrs da manhã acordou dando murros na grade do berço de pé e berrando muito, ...". 


     Ela afirma ainda que "minha sogra trabalha com magia negra, ela faz coisas pra mim me separar do meu marido, ja apareceu terra de cemitério na porta de entrada no nosso quarto, entre os pés da nossa cama do meu lado, ja apareceu enchame de moscas na sala do nada. e quando isto aparecia, meu filho ficou muito doente com penumonia pela primeira vez com 1 ano, meu marido perdeu emprego logo apos isto aparecer... ando vendo vulto preto na cabeceira do berço dele, ele nao dorme bem a noite toda, briga pra dormir, acorda querendo ir pra nossa cama, tem pesadelos, é sonambulo, acorda de olhos fechados, chorando muito e nao tem oração, nem nada que acalme ele." 

    Pelo relato o caso da criança parecia mesmo grave e informei a ela uma data disponível para atendimento, sendo que ela confirmou que viria. Eu enviei um e-mail com as instruções e o endereço e disse que não era para ela trazer a criança junto, que ela representaria o filho na consulta. Então ela me respondeu indignada questionando o motivo de a criança não poder comparecer, porque ela já havia feito duas apometrias, e nesses locais era diferente pois a criança participou do atendimento:

      "já fizemos  apometria na casa espirita ..., onde eu tinha muitas dores no útero e lá acharam cordoes vermelhos amarrados, limparam, colocaram dreno e depois de 21 dias voltei e tiraram o dreno, melhorei, pois nao dormia a noite também de tanta dor, e meu filho após fizerem a desobssessão lá viram q ele tinha a companhia da mae dele de outras vidas, que via nele o filho grande e adulto e nao me deixava ser a mae dele. ele foi fazer a desobssessão lá justamente pq brigava comigo, nao queria ficar comigo era o pai dele pra tudo, parecia que ele me odiava um bebe de meses na época, ai encaminharam ela pra luz, mas no outro dia em casa eu com ele, e ele apontava pro quarto dele e dizia q tinha a mamae dele lá, ai eu ia la e perguntava onde e ele mostrava no berço, na tv, na janela,..." 


      No outro local "...colocaram meu filho deitado na maca com vários cristais com luzes em pontos estratégicos e não falavam nem manifestavam nada, era tudo rápido, só trabalhavam e liberavam ele."
     Eu respondi que não tem sentido uma criança de dois anos participar de uma reunião onde os médiuns vão ver coisas de vidas passadas deles, espíritos que o acompanham, obsessores, e outras coisa pois ele não vai entender nada. Sugeri ainda que ela lesse relatos no meu blog e a apostila de apometria que eu lhe enviei. Mas ela não ficou satisfeita e respondeu que ela já havia trabalhado como médium em um desses locais onde ela e o filho foram atendidos e que conhecia apometria. Eu disse a ela que na verdade ela não tinha a mínima ideia do que era apometria e ainda sugeri que ela lesse uma postagem minha sobre o desenvolvimento da mediunidade. 
      Ela agendou o atendimento mas logo depois desmarcou afirmando que não gostou do jeito que falei com ela e que havia conseguido outra apometria na mesma casa espírita onde já foi atendida e onde já trabalhou como médium (a mesma onde teriam encaminhado para a luz um espírito que o filho viu no quarto dele no dia seguinte, segundo ela própria). 

     Apesar dela ter cancelado a consulta tivemos que dar um encaminhamento na situação. Vimos que a criança de fato estava muito mal e que sofria de fortes processos obsessivos. Só que, além da predisposição kármica dessa criança, esses obsessores o estavam aterrorizando por causa de sua própria mãe, pois ela no intimo não queria ter esse filho e acha que ele atrapalha a vida dela.

     Ela e o filho são espíritos altamente desarmoniosos entre si, endividados karmicamente e com atuação em magia negra e feitiçaria em vidas passadas. Ela nasceu com mediunidade mas seu conhecimento sobre o assunto é superficial e apesar de afirmar que já trabalhou num centro espírita, não tem nenhum desenvolvimento. Desde que a criança nasceu a leva em tudo quanto é lugar para a curar dos males que ela mesma provoca espiritualmente.

     Além de tudo isso, ainda descobrimos que o atendimento da criança na verdade era uma armadilha e que essa mulher estava sendo usada por espíritos das trevas que querem a dissolução do nosso grupo de apometria.
     Esses espíritos malignos pretendiam que ela levasse o filho pessoalmente para ser atendido, pois na hora do atendimento eles iriam tentar provocar a morte dele, que passaria muito mal e teria que ser levado direto para um hospital. Esse era o plano e considerando o karma da criança haveria uma alta probabilidade de que ela viesse mesmo a morrer. Foi por esse motivo que ela ficou indignada por eu ter dito que a criança não deveria comparecer no atendimento, somente ela.

     Se esse plano das trevas se concretizasse esta mulher então iria colocar a culpa da morte do filho em nosso grupo, com muito estardalhaço, iria fazer um escândalo que tomaria grandes proporções e iria nos causar enormes transtornos, inclusive judiciais e financeiros. O objetivo das trevas era denegrir a imagem do nosso trabalho e com isso acabar com nosso grupo de apometria. 

     Este caso é interessante para analisarmos as diversas questões que envolvem um trabalho espiritual como esse que realizamos. Lidamos com pessoas desequilibradas emocional e espiritualmente e com espíritos das trevas de alta periculosidade que tentam de diversas formas nos destruir. De quebra ainda acabamos tendo que limpar a sujeira que supostos apômetras despreparados fazem, que além de não ajudar ainda pioram a situação dos consulentes. 
     
     Esta não foi a primeira vez que algum consulente era na verdade uma armadilha para tentarem acabar com nosso grupo, mas assim como outros seres das trevas que já tentaram, estes também falharam. Ainda vamos incomodar essa turma por muito tempo.

Gelson Celistre



Nenhum comentário:

Postar um comentário