quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Pai Joaquim

Há alguns anos, logo no início de nosso trabalho com apometria, conhecemos através da internet um médium que recebia um espírito de um preto-velho, Pai Joaquim, que dava palestras por todo o Brasil, fazia reuniões online pelo paltalk, e mantinha um grupo no Yahoo tbm. Ele manifestou o desejo de fazer uma palestra em nossa região e acabamos intermediando uma palestra dele num centro de umbanda numa cidade próxima. O médium inclusive ficou hospedado na minha casa na ocasião.

O espírito que se apresentava como Pai Joaquim
era um mistificador e nada tinha a ver com a egrégora
da Umbanda. 
Participamos da palestra dele no tal centro de umbanda, ele conversou conosco "incorporado" em minha casa e falou algumas coisas sobre o trabalho espiritual e tal. Era um espírito muito inteligente e discorria com facilidade sobre temas espirituais. Achei interessante na época mas não me "deslumbrei" e nem virei "seguidor" do Pai Joaquim (ele montou "grupos de estudos" em várias cidades).

Segui meu caminho e não tive mais contato com os "ensinamentos" do Pai Joaquim, pois logo em seguida o médium dele parou de mandar mensagens para o nosso grupo do Yahoo e se concentrou apenas no grupo que ele mesmo mantinha no Yahoo, além de um site com os ensinamentos do tal preto-velho.

Recentemente a pessoa através da qual conhecemos o tal médium, e que foi um grande divulgador dos ensinamentos desse Pai Joaquim, inclusive com um canal no Youtube muito acessado, após ler um dos relatos sobre o reiki, me escreveu dizendo desconfiar da "legitimidade" do tal Pai Joaquim e perguntando se poderíamos verificar a "situação" dele no astral.

Surgiu a oportunidade e resolvemos então verificar se o tal Pai Joaquim era mesmo um espírito ligado à egrégora da Umbanda ou um mistificador. Ao sintonizar com o médium que recebia o tal Pai Joaquim a médium viu uma energia muito escura o envolvendo e logo ele incorporou nela, com muita raiva de mim, dizendo:

- Vou te avisar já, se vc me atrapalhar eu acabo com vc... experimente e vc vai sentir minha força... não quero conversa, já tá avisado, se meta no meu caminho e vai se arrepender do dia que nasceu...

- Pq tanta raiva meu filho?, perguntei;

- Pq sei o que vc pensa que vai fazer e que não vou deixar... não tenho medo de nada e de ninguém, muito menos de vc... se eu cair muitos vão cair e vou dar um jeito de entregar seu pescoço... não brinque comigo...

Este espírito que se passava por preto-velho, Pai Joaquim, na verdade fazia parte de uma falange das trevas ligada a praticantes de religiões de matriz africana, falsos umbandistas. Estes espíritos estavam ligados principalmente a pessoas que negociam com o espiritual, que buscam a religião para obter favores materiais, tanto pais-de-santo e médiuns inescrupulosos quanto frequentadores desses locais, onde pagando fazem qualquer tipo de "trabalho".

Vimos o médium que o recebia desdobrado no astral junto desse espírito, ambos rindo muito. Quando esse Pai Joaquim me "descobriu" tentou me aliciar para suas fileiras. Na ocasião em que esteve na minha casa, como eu não me "deslumbrei" com ele e seus ensinamentos, ele me procurou no astral, em desdobramento, me convidando para participar do "esquema" dele, inclusive me prometendo coisas materiais em troca, e com eu recusei ele ficou muito irritado comigo, mas como percebeu que tínhamos já algum respaldo da espiritualidade superior ficou com receio e se afastou logo de mim.

Havia nesse local vários espíritos que costumavam se apresentar em centros espíritas como exus, pretos-velhos, ciganos, etc. Ao lado do meu corpo físico se posicionou um vestido com um terno branco e tentou me atacar. Nesse momento eu o paralisei e me projetei no local onde estavam os demais seres, inclusive o Pai Joaquim.

Eles se assustaram pois apareci no astral como um cacique, que foi logo amarrando todos ali, inclusive alguns encarnados desdobrados que tbm tentaram nos atacar. Encontramos uns papéis lá com os nomes de várias pessoas e tbm alguns objetos, que eram um tipo de trabalho de amarração. Queimamos tudo. Batemos os pés no chão lá como cacique e os encarnados desdobrados adormeceram e foram voltando para o corpo físico. Esse (falso) Pai Joaquim foi preso e com ele toda a sua gangue.

Gelson Celistre.

5 comentários:

  1. Gelson, me desculpe, mas somente alguem que nao acredita num Deus onisciente, onipresente e onipontente, poderia acreditar em tanto mal. O mal só existe dentro de nossa cabeça, do nosso mental inferior e o seu esta cheia de toxinas, precisa limpar para ver a luz, o bem, o amor que é a unica coisa real, o mal nao existe meu amigo, é fruto de nossa separatividade. A hora que vc conseguir acreditar que é Deus, tudo isso vai se dissipar, os magos negros do Reiki, o pai joaquim zombeiteiro, tudo isso, é só vc se abrir para o amor, abra seu cardiaco, chegou a hora do retorno a patria. Acorda meu amigo, vc esta vivendo um pesadelo horrivel.

    use a chama violeta, será muito benefica no seu caso.

    sinceramente

    marcia

    ResponderExcluir
  2. espero que vc seja sincero o suficiente para postar meu comentario, senao vai ser muito feio. Se vc é capaz de difamar os outros, seja forte o suficiente e transparente para colocar meu comentario no ar.

    ResponderExcluir
  3. Amigo, muitos espíritos trabalham com o nome de 'Pai Joaquim', que alias é o nome de uma falange e não de uma entidade. Mais numerosos ainda são os impostores, sobre tudo quando se trata de exus, não é verdade ?

    Eu conheço o trabalho deste “Pai Joaquim do Paltalk” a quem você difamou e não encontro onde este espirito poderia ser mistificador ou se prestar a fazer amarrações – rsss, preto velho fazendo amarrações é boa...- , já que o trabalho dele é contra as mistificações e todo o resto que existe neste mundo de maya.

    Desculpa a sinceridade, ou você é muito inocente ou está aliado as forças do mal - talvez até sem saber-, fazendo o trabalho de contra-informação.

    ResponderExcluir
  4. Saudações Gelson, que o criador o abençoe e ilumine meu amigo.

    Procurei ler o seu relato da maneira mais imparcial possível, visto que já tive oportunidade de ouvir algumas palestras ministradas pela entidade apontada no seu texto.

    Honestamente o ouvindo, não houve momento algum em que o vi tentando aliciar ou engrandecer alguém. Tudo o que ele fez durante o estudo em questão foi mostrar nas linhas o convite para uma internalização, voltar os olhos para dentro e auxiliar o ouvinte a analisar-se e conhecer-se.

    Ademais, ele fez questão em vários momentos de não atribuir a si nada do que dizia, tudo era apenas uma interpretação mais global dos textos estudados, ele inclusive encoraja a não acreditar em nada do que ele diz e a você como ouvinte questionar a tudo e passar pelo crivo da razão.

    Procurei esvaziar meu copo do saber para ouví-lo, bem como para ler o seu texto, para não me deixar influenciar pela bagagem que já carrego. Busco ainda usar o coração como apontador daquilo que trás em seu bojo um convite ao amor e a meditação no ser, pois razão sem coração é como cavalo selvagem solto ao vento sem direção.

    Vigiai e orai meu amigo para não se perder em pré-conceitos que nublam a possibilidade de viver a realidade ao invés da ilusão daquilo que gostaria que fosse o real.

    Esteja em paz

    ResponderExcluir
  5. Sr. Gelson, li seu comentário e acho que o senhor está caindo em "armadilhas conceituais" e puro preconceito. Como a Márcia bem disse, não sei se este comentário será postado, mas gostaria que o senhor respondesse duas pequenas perguntas. Teu trabalho é feito em nome de quem? De Jesus ou do seu próprio? A apometria é usada como uma técnica coadjuvante ou é uma panacéia?

    Paz e Luz!

    ResponderExcluir