quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O mágico


Um misterioso senhor, vestido como um típico cavalheiro do séc. XIX, trajando fraque e cartola pretos, usando luvas brancas, viaja em uma carroça coberta com lona. Ele é um mágico e vive perambulando entre uma cidade e outra, apresentando seus truques e números. Entretanto, suas práticas mágicas vão muito além dos truques com cartas e de tirar coelho da cartola.


Em determinada cidade um distinto cavalheiro o procura e, após uma breve negociação, se retira. Dentre a bagagem do mágico divisamos um grande baú preto que, em seu interior, entre tantos objetos exóticos, há vários vidros com uma estranha fumaça dentro. Ele pega esses vidros, um com uma fumaça preta e outro com uma fumaça esverdeada.


O mágico abre os vidros e as fumaças saem em direção a uma grande residência, um palacete. No interior dessa residência as fumaças se aproximam de um homem, o proprietário. A fumaça verde se condensa ao redor do pescoço do homem e o asfixia, levando-o à morte. 


A fumaça preta, assim que o espírito da vítima se desprende do corpo, o envolve e o aprisiona. Ambas as fumaças retornam para os vidros no baú do mágico, que aguarda tranquilamente. Algumas horas depois o distinto cavalheiro retorna a encontrar o mágico e lhe entrega uma bolsa cheia de moedas de ouro. O mágico então recolhe seu material e segue seu caminho, em direção a outra cidade ou vilarejo, sem que ninguém desconfie de suas atividades.


Em determina região, afastada das cidades, o mágico para sua carroça e, após caminhar uma breve caminhada, chega  a uma caverna ou gruta. Nesse local ele guarda seu tesouro, vários objetos valiosos e muito ouro, obtidos com suas artes mágicas e como pagamento por seus serviços "especiais", como o que prestou ao tal cavalheiro.


Nessa caverna tbm estão aprisionados os espíritos das pessoas que ele provocou a morte, que ele tbm usa para extorquir mais dinheiro ou ouro das pessoas que o contrataram. O mágico já teve outras reencarnações depois dessa, mas passados mais de dois séculos, aqueles espíritos ainda estão aprisionados lá na caverna, que ficou plasmada no astral.


Após um trabalho onde enfrentamos um ser que vampirizava várias pessoas através da criação de ilusões, essa frequência de vida passada nossa foi aberta e pudemos então libertar os espíritos que havíamos aprisionado naquela vida passada, quando praticávamos magia negra.


Inicialmente prendemos a "fumaça preta" que os mantinha ali num recipiente que criamos no astral e depois "acordamos" os espíritos, que estavam numa espécie de torpor. Em seguida nossa equipe espiritual os recolheu e os levou para o posto de atendimento.  Trata-se de um caso de arquepadia, onde uma magia antiga sobrevive à morte física do seu criador e continua ativa, nesta situação mantendo presos aqueles espíritos.


Abraço,


Gelson Celistre

Um comentário:

  1. Nossa, até pensei que fosse um capítulo do Tales from the Cripty ! rs

    Infelizmente a realidade é mais cruel, mas a luz sempre vence!

    ResponderExcluir