domingo, 18 de março de 2012

General nazista, judeu e homossexual

A maioria das pessoas não consegue pensar em termos de várias existências, mesmo aquelas que acreditam em reencarnação. Nossa mente fica condicionada ao tempo que vivemos na encarnação atual e pensamos em algumas dezenas de anos como se fosse todo o tempo do mundo, isto é, nós pensamos que "tudo" o que temos que resolver tem que ser feito nesta vida.



Já nascemos com inclinações, desejos, traços de personalidade, vícios, manias e tendências de comportamento que trazemos de vidas passadas, principalmente das encarnações mais recentes. Se o período intervidas, entre uma encarnação e outra, foi relativamente curto os traços da encarnação passada ressurgem com bastante força na encarnação atual.

A consulente que atendemos possui um caráter dominador, controlador, e apesar de saber que isso atrapalha sua vida não consegue se modificar. Nesse tipo de situação geralmente o consulente se decepciona com o atendimento pq de imediato já lhe dizemos que não depende de nós ou de qualquer outro espírito ela mudar seu comportamento, depende apenas dele mesmo.

Em determinados casos a ligação das pessoas com acontecimentos de vidas passadas reforçam determinados aspectos da personalidade, mas mesmo assim, o simples desligamento dessa pessoa daquela vida passada não irá provocar mudanças significativas na vida atual dela. É preciso um forte desejo interior de mudança e um esforço concreto da própria pessoa no sentido de implementar ações que viabilizem essa mudança.

O problema maior da consulente atualmente é controlar a si mesma, pois sua personalidade está pondo em risco seu casamento. Ela ainda afirma sentir um "vazio", um sentimento de que lhe falta algo, mas sem saber o quê. Algumas pessoas com as quais ela conviveu nesta vida ajudaram a reforçar nela a personalidade que ela tinha na vida anterior, por terem convivido com ela naquela vida passada, mas a história da consulente é no mínimo curiosa, com uma trajetória inusitada.

Voltemos ao início do século XX e vamos encontrar a consulente, então um menino de cabelos loiros e olhos azuis, brincando despreocupadamente com outro menino, ambos com cerca de 5/6 anos de idade. A casa, numa próspera cidade da Áustria, é grande e suntuosa, digna da riqueza de seu proprietário, um banqueiro austríaco.

Esse dia marcaria profundamente o destino deste jovem menino pois homens armados invadiram a residência para roubá-la e acabaram matando todos que estavam ali, menos ele. Os pais do menino, um casal judeu que trabalhava na residência, assim como a esposa do proprietário e seu filho, o outro menino com quem o consulente brincava, foram mortos.

O banqueiro, desolado com a perda de sua família, e por estimar muito seus empregados, adotou o menino que ficou substituindo seu filho morto, e o criou realmente como se fosse seu herdeiro. O filho do casal judeu foi dado como morto mas na realidade ele acabou assumindo o nome do filho do banqueiro. Apesar de ser ainda jovem este acontecimento ficou profundamente gravado em sua mente, pois ele assistiu todas as mortes.

Mas o tempo passou e ele cresceu recebendo toda a educação que o dinheiro podia comprar. Tudo ia muito bem até que o Partido Nazista começou a se projetar na Alemanha e Hitler ascendeu ao poder. Começaram as perseguições aos judeus e o consulente então começou a sentir um grande temor por sua vida pois se descobrissem que ele não era o legítimo filho do banqueiro os dois morreriam. 

O medo de ser descoberto fez com que se esmerasse em demonstrar o quanto era "alemão" e ele se alistou no exército. Ingressou logo como oficial e, por seus atos de extrema dedicação à causa nazista, logo foi promovido e em pouco tempo chegou ao posto de general. Em virtude disto acabou destacado para um campo de concentração, onde agia com extrema crueldade, sempre tentando demonstrar que era um "alemão" legítimo, a fim de que nunca desconfiassem que ele era na verdade um judeu por nascimento. Ironicamente havia num campo de concentração um general nazista que na verdade era judeu.

Mas as teias do destino tecem fios por demais complexos às vezes e como se não bastasse nosso general nazista ser judeu, ele ainda era homossexual. Apesar de toda a rigidez e "princípios" dos nazistas, pelo menos do que se imagina de oficiais num campo de concentração, ele mantinha uma relação amorosa com outro oficial ali, e ainda era "desejado" por um terceiro oficial.
Havia muitas intrigas e jogo de poder nos bastidores do exército e o consulente vivia tramando para conquistar mais poder. Entretanto, seu oficial amante acabou o traindo num desses planos; ele descobriu e mandou matá-lo.

A vida do general transcorreu dessa maneira até o final da Segunda Guerra, tendo ele sido um dos últimos a abandonar o posto. Quando estava para ter seu campo tomado pelas forças aliadas e ele soube que Hitler havia se suicidado, um enorme vazio se apossou de sua alma. Tudo pelo que ele lutou foi em vão. Ele se tornou um oficial nazista, temido pelos prisioneiros judeus por sua crueldade, para defender uma vida que ele acreditava ter direito. Entretanto, agora a Alemanha havia perdido a guerra e com isso ele perdia tudo. Assim como seu Führer, o general nazista judeu homossexual se suicidou, enforcou-se antes de ser capturado.

No astral o general continuou sendo general e continuou naquele campo de concentração (uma cópia do campo de concentração que existia na dimensão astral), cometendo as mesmas crueldades com os espíritos ali aprisionados. Antes da encarnação atual ainda teve uma breve passagem pela matéria, mas ele mesmo deu um jeito de morrer antes de nascer, enforcando-se com o cordão umbilical. Assim ele pode continuar mais tempo no astral, até acabar sendo forçado a reencarnar devido a suas ligações com um outro espírito, este encarnado.

Aquele terceiro oficial (que estava já encarnado enquanto o consulente estava no astral) que o "desejava" na vida passada era vampirizado por ele, que o desdobrava e se relacionava com ele no astral. Essa ligação fez com que ele (o general) nascesse como filha desse homem na vida atual.

A consulente teve um relacionamento por vários anos com um homem que ela diz que não gostava, mas do qual não conseguia se livrar, e quando conheceu um outro, largou esse e num breve intervalo de tempo casou com esse outro, seu atual marido, com quem tem um filho.

Ambos participaram da vida passada dela como general. O homem do primeiro relacionamento tbm foi general nazista e tbm estava desdobrado no campo de concentração com ela. O marido atual era o oficial amante que a traiu e que ela mandou matar. O filho de ambos é o filho do banqueiro morto, de quem o general assumiu a identidade.

Podemos observar como os laços da vida passada mantiveram esses espíritos unidos e eles acabaram se encontrando na vida atual, muitas décadas depois, separados pela morte e num país diferente. Tbm podemos ver como não mudamos muito de uma vida para outra em termos de personalidade, de desejos, inclinações, etc. 

No caso específico do general vemos como ele manipulou o próprio carma para continuar no astral, como se suicidou por enforcamento quando era general ele tinha o karma provável de não nascer por um motivo semelhante e ele mesmo engendrou isso, enforcando-se com o cordão umbilical. Tbm vimos como ele acabou sendo forçado a renascer em virtude de estar vampirizando sexualmente seu atual pai no astral.

Esse é um caso interessante e que serve para desmistificar a ideia que muitos espíritas tem de que todas nossas encarnações são planejadas no "ministério da reencarnação" de alguma colônia no astral. Assim como aconteceu com o general, a maioria dos espíritos depois que morre não vai para nenhuma colônia tipo "Nosso Lar" ou similar, ficam vagando pela crosta ou ligados a locais plasmados no astral com os quais possuem ligações, ou para onde seus desejos e inclinações o direcionam.



Gelson Celistre


2 comentários:

  1. Uma coisa que nunca fica clara, em nenhum livro que eu tenha lido, é como se processa a encarnação de espíritos trevosos ou ignorantes (não resgatados), que vem a carne como contingência imposta pela lei ou como peça de um plano maior, acho que li em algum lugar o caso de espiritos no umbral que sentiam a encarnação como uma necessidade primal (que detestavam, mas que não podiam resistir, como um impulso), não fica claro se:
    1- eles se entregam as equipes da espiritualidade maior, únicas com monopólio da tecnologia/ciência da reencarnação, que os encarnam(nesse caso, verdadeiros idiotas por encarnarem seres com desejos criminosos que só fariam mal ao mundo), 2- se no Umbral tem instituições e tecnologia próprias para realizar a empreitada ou 3 - se a encarnação é um processo tão natural (para os espiritos), quanto o sexo é para nós encarnados, basta juntar as pessoas (diga-se enegias, karmas etc)certas, nas condições adequadas que a coisa rola sem maiores aparatos (embora a tecnologia possa facilitar o processo). Ou a literatura espírita é vaga neste aspecto ou eu sou péssimo leitor, mas tenho a impressão que a terceira hipótese é a mais verídica por que justificaria, segundo li, as reclamações de alguns espíritos, quanto a força/impulso que os obrigam a reencarnar, enfim...

    ResponderExcluir
  2. Já expliquei isso em vários posts. A maioria das pessoas reencarna no automatismo da Lei, o espírito é atraído para algum óvulo no momento da fecundação por estar muito ligado emocional/energeticamente a um dos espíritos, ou ambos, que foram o casal. Por isso é muito comum inimigos nascerem como filhos, por conta da ligação entre obsessor/obsidado.

    ResponderExcluir