terça-feira, 6 de março de 2012

Vidas paralelas

Em meio ao barulho ensurdecedor de bombas explodindo e estilhaços voando por todos os lados, centenas de soldados correm desesperados por entre outras centenas de corpos de soldados mortos no campo de batalha. Na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) morreram cerca de 20 milhões de pessoas. Esse foi o primeiro cenário encontrado ao sintonizarmos com a consulente que, resumidamente, se queixava do seguinte:


"Trago uma tristeza imensa, desde criança, que me deixa abatida e depressiva, meu pulmão dói e já tive crises horríveis no pulmão, mta dor, da ultima vez achei que não ia aguentar, impossível descrever..., essa  dor acredito que seja tb relacionado com minha total insegurança e medo que sinto constantemente. Sinto tb angustia/dor na garganta, estomago, abdomen. Há quatorze anos, por conta de trabalhos espirituais, que são constantes, perdi totalmente a minha energia... é dificil levantar da cama, não tenho vitalidade, perdi a energia de vida, sentido de viver. Faço as minhas obrigações com mto sacrificio, é horrível viver assim (quero dizer que na minha busca de cura tb frequento a 14 anos um centro de umbanda, que me ajuda muito me limpando e me protegendo). E nesta busca de cura eu busquei o reiki e me iniciei nos tres níveis (que nunca me aliviou em nada), passei por curas feitas a distancia que até me ajudou, mas não curou"

Numa das trincheiras encontramos um soldado em grande agonia; ele foi atingido no peito, sangra muito e respira com dificuldade. Além disso ele sente muito medo de ser encontrado pelos inimigos, aliado a incerteza de ser resgatado e conseguir, quiçá, voltar para casa. Este soldado era nossa consulente, que estava desdobrada naquela existência passada. Apagamos sua mente e a encaminhamos ao corpo físico, após isso resgatamos algumas centenas de espíritos naquela frequência e desmanchamos o local no astral, plasmado ali pelas mentes dos soldados.

Logo em seguida vimos uma floresta com várias pessoas amarradas a arvores, espíritos de pessoas que estão encarnadas em sua maioria. Ao redor dessas árvores pode-se ver vários animais mortos, utilizados nos feitços de uma velha bruxa, que tbm transitava por ali. Essa bruxa usava de magia negra para realizar trabalhos onde alguém queria prejudicar algum inimigo ou parente, em troca de algumas moedas de ouro. A velha bruxa conseguia se desdobrar conscientemente (projeção astral) e tbm conseguia desdobrar a vítima de seu feitiço, que era então presa (em espírito) nessa floresta, vindo seu corpo físico a adoecer e/ou falecer, dependendo do que foi encomendado a ela. Era mais uma frequência onde a consulente estava desdobrada, só que nessa não era vítima e sim algoz. Disse a médium para soltar as pessoas presas ali e a bruxa logo se manifestou, dizendo:


- Não é tão fácil assim seu bruxo! Acha que pode chegar aqui e fazer o que bem quiser? Esse lugar e essas pessoas me pertencem! Elas já estão aqui há muito tempo e jamais sairão daqui pois só eu posso soltá-las e não farei isso!!

- Aham, respondi, ao mesmo tempo que já comecei a apagar a mente da velha bruxa.

Várias bruxas apareceram sobrevoando o local e atacaram a médium vidente e, quando as prendemos num campo de força, elas sumiram e voltaram a aparecer em outro local ali. A médium começou a ver tudo borrado e, quando se recuperou, viu uma mulher com aparência estranha, com longas vestes arrastando no chão e que caminhava de costas segurando um pequeno espelho numa das mãos. Ela desaparecia num local e aparecia em outro, como as bruxas que haviam aparecido, dificultando sua captura.

Com um raio quebramos o espelho dela, que se virou em nossa direção tentando nos atacar. Pudemos ver que os olhos dela não tinham pupilas e eram totalmente brancos. Ela disparava raios tentando nos atingir mas a médium criou um espelho que fez refletir um raio de volta para ela, que a atingiu e a derrubou inconsciente. Ela então foi presa e levada por nossa equipe espiritual. As bruxas que foram vistas voando eram apenas artificiais, criações mentais dela. Libertamos os espíritos presos nas árvores, a maioria de encarnados desdobrados, alguns inclusive estavam presos ali há várias encarnações. A tal floresta foi destruída.


Saindo dali fomos a outro local, um tipo de hospital psiquiátrico, com várias pessoas dementadas andando por corredores sombrios, algumas com os dentes podres, onde um cheiro horrível empesteava o ar.  O chão é sujo e as paredes cinzentas parecem cobertas de mofo. Vimos um homem vestindo um jaleco branco, com um isntrumento preso na testa, tipo um lanterna redonda, que parecia ser o médico do local, embora sua aparência fosse de um louco tbm. Esse local era a contrapartida etérica de um hospício que existiu na Bélgica, no século XV.

Esse médico tem uma assistente, uma enfermeira que o ajuda em vários experimentos e pesquisas com os doentes mentais. Ela gosta de torturar os pacientes psicologicamente, falando coisas que excitem os medos e pavores que eles apresentam. Ela os provoca até extrair alguma reação agressiva, então injeta alguma droga neles para observar os resultados. Alguns dos pacientes ela espanca impiedosamente, mesmo eles estando indefesos, encolhidos num canto qualquer.

Ao ver a médium ali o tal médico partiu para cima dela, talvez achando que fosse uma das pacientes, mas foi paralisado por ela. Fizemos o mesmo com a enfermeira, que obviamente era a consulente desdobrada em outra frequência, apagamos a mente dela e a enviamos de volta ao corpo. Muitos dos doentes mentais ali são encarnados e inclusive um dos que ela estava espancando tem uma ligação com ela na vida atual, é pai dela. Efetuamos este procedimento, de apagar a mente e mandar de volta ao corpo físico, nos demais encarnados ali e os desencarnados foram levados por nossa equipe espiritual para tratamento. Este local plasmado no astral tbm foi destruído.

Deixando o hospício, mas não a loucura, fomos parar em outro local, voltando no tempo num passado não muito distante, onde se desenrolava uma cena horrível: uma sala de tortura onde havia um preso sendo torturado. Ele vestia uma calça, estava sem camisa e quase desfalecido. Um outro homem o segura pelo pescoço e enfia a cabeça dele dentro de um tonel com uma água escura e fétida, afogando-o. Ele está tão fraco que nem consegue reagir. Logo morre e seu espírito abandona o corpo.


No astral daquele lugar há vários outros espíritos que morreram torturados tbm. Alguns ainda desfalecidos, sem terem se dado conta de estarem mortos, e outros com muita raiva do torturador. Os que estão meio lúcidos tentam desesperadamente atacar o torturador, mas sem conseguir pois estão em outra dimensão. Um dos homens encarnados ali usa uma farda militar com a bandeira dos EUA nela, mas isso foi aqui no Brasil mesmo, na época da ditadura militar. Os americanos estavam "apenas" ajudando a implantar a ditadura militar e dando "suporte técnico" para os agentes brasileiros. O militar norte-americano é a consulente desdobrada em mais uma frequência.


No astral surgem outros espíritos, estes fardados tbm, que começam a incitar o militar encarnado a maltratar mais os prisioneiros, torturando-os com maior crueldade, e a mente do militar encarnado se afiniza perfeitamente com essas idéias, que logo começa a por em prática.  Mais uma vez encontramos vários encarnados desdobrados, apagamos suas mentes e os enviamos ao corpo fisico. Os desencarnados são levados para nosso posto de socorro no astral. A consulente tbm teve sua mente apagada e foi encaminhada de volta ao corpo, mas enfrentamos forte resistência por parte dela, que não queria voltar. O local foi destruído.

O que vimos com a consulente foi um caso de desdobramento inconsciente, onde ela estava com quatro frequências abertas, ou seja, sua consciência mantinha ativas as memórias de quatro situações diferentes, relativas a vidas passadas, mas que na dimensão astral ainda existiam. A ligação psicoemocional da consulente com os espíritos envolvidos nesses eventos é que provocava os problemas que ela relatou no início.

O desdobramento inconsciente é uma das questões que as pessoas tem mais dificuldade de entender. Talvez esta nomenclatura não seja a mais adequada, mas é a mais utlizada, herdada dos conhecimentos espíritas. Chamamos genericamente de "desdobramento" o fenômeno onde o corpo astral ou perisípirito se afasta do corpo físico, pois no estado natural de nós encarnados eles ficam sobrepostos, interpenetrados, o corpo físico e o corpo astral.

O espiritismo tradicional já tem conhecimento deste estado desde os tempos de Kardec, porém, acreditando que o desdobramento só ocorre se a pessoa estiver num estado de transe sonambúlico ou dormindo. A grande inovação da apometria reside no fato dela provocar esse afastamento do corpo astral (desdobramento) com a pessoa em estado de vigília, ou seja, acordade e em pleno uso de suas faculdades racionais. As implicações são várias, desde encaminhar o consulente desdobrado para tratamento num hospital no astral até encaminhar um médium a uma região umbralina para efetuar algum resgate.

No decorrer dos trabalhos com a técnica apométrica verificamos que o desdobramento ocorre tbm de maneira não induzida deliberadamente, isto é, a pessoa pode se desdobrar involuntariamente, de maneira inconsciente. Vários fatores podem provocar esse desdobramento inconsciente, como a presença de um obsessor que conviveu conosco em vidas passadas, sentimentos fortes em relação a outras pessoas, etc.

Além disso, tbm verificamos que é possível estarmos desdobrados em mais de uma frequência, ou seja, podemos estar com mais de um corpo na dimensão astral ao mesmo tempo. A grosso modo, seria como se cada corpo nosso fosse uma música numa estação de rádio diferente, sendo que várias dessas estações poderiam estar tocando nossas músicas ao mesmo tempo no rádio, cada uma numa frequência diferente.

Em casos de obsessões complexas é comum encontrarmos o consulente desdobrado em mais de uma frequência e fazendo diferentes atividades no astral, em algumas sendo vítima e em outras sendo algozes, como foi o caso desta consulente, onde estava como vítima em uma frequência e como algoz em outras três. É comum tbm que a própria pessoa abra uma frequência onde sofria para poder se desdobrar em outras onde faz os outros sofrerem, mas isso é mais usual em se tratando de magos ou feiticeiros poderosos que agora estão encarnados.

Em casos como o da consulente, é provável que algum outro ser mais poderoso tenha provocado os desdobramentos dela, por ter algum interesse nas frequências onde ela participava. Tbm é possível que a presença de obsessores de alguma dessas vidas, como aquela onde ela era assessor de torturas, tenha provocado a abertura da frequência relativa. O fato é que a maioria das pessoas não apresenta um padrão evolutivo que a imunize de fatos semelhantes, ou seja, se abrir uma frequência de passado nossa onde éramos ruins, dificilmente não agiríamos da mesma forma.

A prática da técnica apométrica nos descortina vários fenômenos, onde percebemos que podemos estar em dimensões do astral vivendo várias vidas paralelas. Descobrimos que o fato de estarmos encarnados não limita tanto assim nossas ações enquanto espírito e que essas atividades "paralelas" provocam vários efeitos em nosso organismo físico. Tbm percebemos que nossa mente pode agir com mais de uma escala de valores nessas vidas paralelas, por exemplo, podemos ser aparentemente boas pessoas aqui e lá sermos pessoas más.

Abraço.


Nenhum comentário:

Postar um comentário