domingo, 5 de junho de 2011

O pirata

Muitas pessoas passam por problemas financeiros, na verdade a maioria da população pelo menos aqui no Brasil, e quando essas pessoas possuem algum conhecimento, mesmo que superficial sobre espiritismo/reencarnação, logo tendem a associar os problemas com algum obsessor ou "coisas de vidas passadas", como se fosse algo sobre o qual elas não tem nenhuma responsabilidade.
Em ambos os casos, seja por conta de algum obsessor ou por eventos ocorridos em vidas passadas, a responsabilidade sempre é da própria pessoa e enquanto ela não admitir para si mesma isso, as coisas não irão melhorar. É preciso aceitar o "castigo" que está sofrendo e realizar um trabalho íntimo de reforma de suas más tendências e inclinações, pois são os defeitos que trazemos de outras vidas que nos mantém cativos das energias que manipulamos nessas outras existências, onde comumente fomos ladrões, golpistas, assassinos, cafetões/prostitutas, etc.
O relato em questão tem a ver com uma pessoa que reclama estar desempregada há mais de um ano, com diversas dívidas que não pode pagar e ainda perdeu um "grande amor", tendo emagrecido mais de 10 kg. Sintonizamos com duas vidas passadas do consulente que possuem ligação direta com as energias que ele está "resgatando" na vida atual, ou seja, o retorno cármico de situações (energias) que ele criou em vidas passadas.
Inicialmente vimos o consulenete na seguinte condição:


O mendigo


Em uma pequena cidade do oriente médio encontramos um mendigo na rua pedindo esmola, usa uma túnica surrada e um turbante, usa barba e tem a pele queimada do sol. Nessa vida o consulente na realidade não é pobre, ele tem algumas posses e não precisaria mendigar, mas ele faz isso pq sua cobiça é insaciável, ele sente prazer em obter algum rendimento à custa do suor alheio, sem que ele mesmo tenha que se esforçar ou trabalhar.


O pirata 


Logo em seguida vemos uma vida anterior a essa onde o consulente era um pirata, um homem forte, inteligente, usava barba e vestia calça e colete pretos com uma camisa branca, e usava um lenço vermelho na cabeça com uma argola de ouro numa das orelhas.
É noite e as ondas do mar quebram com força nos rochedos à beira da praia, as águas parecem turvas, e o pirata está entrando numa caverna existente nos rochedos carregando uma pequena arca.


A série de filmes Piratas do Caribe é uma ficção romanceada,
os verdadeiros piratas eram homens cruéis, ladrões e assassinos.

 O "ser" grotesco


Nessa caverna existe um homem de aparência estranha, é baixo e gordo, usa um lenço vermelho na cabeça e na orelha uma argola dourada, mas sua aparência lembra a de um sapo. É um ser grotesco.


O pacto


Existem fios finos ligando o pirata a esse ser grotesco, pq eles fizeram um pacto de sangue, e o ser afirma categoricamente: - Ele é meu escravo! 


A traição

O pirata deve entregar a esse ser a metade de tudo que conseguir, e com a ajuda do do tal ser ele conseguiu muita coisa. A arca que ele carrega é parte do pagamento mas o pirata está cansado de dividir o que ganha com esse ser e arquitetou um plano para se livrar dele.
Ele leva vinho e oferece ao ser em uma taça de ouro, para festejar o sucesso de sua parceria, mas o vinho está envenenado e o ser cai em profunda agonia, se sentindo asfixiado, sufocado.
Antes de tombar no chão, com os olhos esbugalhados ele fita o pirata e se agarra a ele com uma das mãos, como se quisesse levá-lo consigo... 
Nesse momento se cria uma ligação energética muito forte entre os dois, um tênue fio escuro, que vai manter estas duas criaturas ligadas por séculos.


A volta ao passado


Desdobro o consulente na hora do atendimento e o envio até a caverna (na dimensão astral) onde ele se depara com o tal ser caído no chão. Ele se sente desconfortável com a visão do ser que ele matou e afirma que o conheceu há muito tempo atrás.
Diz que era muito jovem e muito pobre, morava num vilarejo que ficava bem distante daquela praia onde havia a caverna, mas ele gostava de ir até lá e observar o mar. Um dia resolveu explorar a tal caverna e encontrou lá um caldeirão com moedas de ouro e jóias e foi surpreendido pelo tal ser, que lhe ofereceu muita riqueza, e que exigia em troca a metade de tudo que ele conseguisse, sob pena de perder tudo, inclusive a própria vida. O pacto é selado com sangue.


A morte do pirata


Na caverna há vários esqueletos de outros homens que fizeram o mesmo pacto com o ser grotesco e que tbm descumpriram suas promessas. Ao tentar matar o tal ser, o pirata não imaginava que ele não poderia morrer, pq não era humano, mas sim uma espécie de agênere, um artificial materializado por um mago negro.

Ao se concentrar no ser grotesco o médium sente apenas um grande vazio e a um comando meu, ela retorna no tempo ao momento em que esse artificial foi criado.


A criação do artificial


Um "artificial é um ser criado na dimensão astral que não possui uma consciência própria, é como se fosse um robô, só que não é (embora possa haver tbm) mecânico ou eletrônico. Voltamos no tempo ao momento em que ele foi criado, está deitado sobre uma mesa.
Seu criador é um mago, alto e magro, com uma roupa e capa pretas. Ele habita um castelo antigo, estilo medieval, e seu laboratório fica num porão. 
O artificial está criado sobre a mesa, uma forma energética semelhante a um ser vivo, mas  sem uma mente própria, geralmente não possuem órgãos internos como nós espiritos, mas podem ter tbm, dependendo do preciosismo e finalidade para que foi criado.
O mago coloca a mão na cabeça do artificial, pronuncia algumas palavras e ele começa a se movimentar.


O mago das trevas


A médium sente muita tontura quando o vê e enxerga a si mesmo com uma outra vestimenta, é jovem e usa uma roupa marrom, em frente a ele, que a um olhar a faz ficar de joelhos e não lhe dá atenção (em uma vida passada a médium já foi serviçal desse mago, estava relembrando em parte uma vida dela tbm).
Ele está preocupado em enviar o artificial para a caverna, talvez já prevendo a traição do pirata. Mas a médium se sente paralisada, está apavorada e quer sair dali. Eu então me desdobro e vou até o local.


A batalha dos magos


Assim que eu chego no local o mago das trevas sente minha presença e se volta para minha direção. Eu me apresento como um mago tbm, com uma longa túnica preta. Ao meu redor a médium percebe algum tipo de campo de força muito forte.
O mago parece temer minha presença e logo outros espiritos trevosos aparecem no local. Digo a ele que se retire com seus espiritos e, erguendo o braço, crio um pequeno redemoinho que arrasta para longe os espíritos trevosos.
O mago tenta fugir criando uma passagem interdimensional, no que é impedido por um tipo de raio energético que disparei nessa passagem, que provoca um grande estampido, como se ocorresse uma explosão, e o mago das trevas cai ao chão desacordado.
Mando a médium levantar-se, ela ainda estava de joelhos ante a força mental do mago das trevas, o que ela faz ainda meio zonza.


A destruição do sítio astralino


Crio uma bolha energética que suga todo o local para dentro de si, o castelo, momento em que o artificial tbm se desmancha. 
O consulente, desdobrado como pirata, ainda estava na caverna. Me dirijo a ele, pronuncio algumas palavras para que ele esqueça aquela vida (em desdobramento). Ele adormece e seu corpo flutua, logo sendo puxado para o corpo físico pelo cordão de prata.
Olho ao redor e vejo alguns espiritos se escondendo na caverna, mas nossa equipe espiritual já está chegando e os recolhe.
A bolha que criei para sugar o castelo suga tbm a caverna e a imagem da praia, flutua e em seguida explode no ar. 


Prognósticos para o consulente


O fato do consulente estar conectado com essas energias, e consequentemente sofrendo influência delas, significa que seu padrão vibratório atualmente é muito semelhante ao que ele tinha naquelas existências, onde se destaca a avareza e a preguiça, pois queria ter fortuna às custas do trabalho alheio. 
A influência do mago das trevas, a título de vingança, não é o motivo dele estar passando por dificuldades financeiras na vida atual, mas apenas um agravante de uma situação kármica que o consulente está vivendo. O karma pode ser visto didaticamente como uma planta que vc semeia, cultiva e colhe. 
O consulente no passado semeou a avareza, o roubo e a cupidez, em mais de uma existência, e essas sementes cresceram e os frutos kármicos ele colhe agora, onde enfrenta dificuldades financeiras.
Como resolver? Com o trabalho e esforço próprios. O consulente, em função do karma que está resgatando, vai ter sempre dificuldade em manter seu padrão financeiro estável, principalmente num "nível" que ele acha que merece, e que pela Lei do Krma deve ser bem menor do que ele gostaria. 
Qualquer atitude desonesta ou anti-cristã do consulente, por mínima que seja, pode "derrubar" o que ele já tenha conquistado pois sua provação kármica mais relevante no momento é se mostrar honesto e trabalhador.  É preciso tbm valorizar menos o material e mais o espiritual para mudar seu padrão vibratório, de pensamentos e sentimentos, a fim de se conectar com outras energia mais positivas e assim amenizar os efeitos do karma negativo pelo está resgatando.


Abraço.


Gelson Celistre

Nenhum comentário:

Postar um comentário