quarta-feira, 1 de junho de 2011

O carrasco

A multidão se acotovela na praça da pequena cidade para ver a atuação do carrasco. Trata-se de um homem alto e forte, com um coração tão frio quanto a lâmina de seu machado. Parece sentir prazer ao erguer o machado e seus olhos brilham como se tivessem sede de sangue. A população o teme e odeia enquanto assiste imóvel o carrasco decepar mais uma cabeça...
Carrasco a executar uma condenada (execução de Leonora Dori em 1617)
Fonte: Wikipédia
Ele já executou muita gente e muitos desses, em espírito, estão à sua volta reclamando por justiça, alguns com seus corpos deformados, todos em grande sofrimento. Quando ele morre suas vítimas se transformam em seus algozes e ele é pendurado em uma árvore, suspenso amarrado pelos pulsos, e sofre dores horríveis. Alguns se sentem satisfeitos com isso e vão embora, mas outros permanecem no local vigiando-o para que não saia dali.

Os séculos se sucedem e ele vai ficando cada vez mais debilitado, até que a dor suplanta o orgulho e ele clama por misericórdia. Suas preces são ouvidas e um casal de espiritos o resgata de seu martírio. Ele é levado para  um local onde é tratado de seus ferimentos e onde é preparado para uma nova encarnação.

Ele renasce como uma mulher, que nos procurou com os seguintes problemas: "Tenho problema crônico de tendinites no ombro direito e há um ano adquiri fortes dores na coluna cervical, já procurei atendimento médico, tomo remédios, mas o problema persiste. Enquanto faço o tratamento com remédios alopáticos, as dores se vão, quando cessa o tratamento volto a senti-las, dia e noite."

Ao atendendermos a consulente vemos uma nuvem cinzenta ao seu redor, com vários espíritos a espreitando, seis para ser mais exato. São algumas das suas vítimas da vida como carrasco que a encontraram e a fizeram sentir-se culpada pelo que fez. Presa desse sentimento de culpa, chorando muito, em desdobramento, eles a levam novamente para aquela árvore no astral e ela fica lá pendurada.

Eu me desdobro e vou até o local, retiramos ela da árvore (e a destruímos) e a fazemos esquecer aquela vida, enviando-a de volta para o corpo. Os seis obsessores estão inconformados com o auxílio que ela está recebendo, se sentem injustiçados, e então lhes mostro uma vida passada onde eles geraram o karma que resultou na decepação de suas cabeças.

Eram os seis exímios espadachins numa época antiga, destemidos e cruéis, e mataram muitas pessoas, inclusive camponeses, mulheres e crianças, muitos deles decepando suas cabeças. Ao abrimos essa frequência a médium se conecta com uma batalha sangrenta onde centenas de espíritos ignoram estarem mortos, vivendo constantemente o tormento dos ferimentos, membros decepados, muito sangue e sofrimento. Nossa equipe espiritual efetua então o resgate deste contigente de guerreiros bárbaros e os encaminha para outras paragens na dimensão astral, onde serão preparados para uma nova aventura na carne.

Os seis espíritos assistiram essa cena e se reconheceram nos guerreiros bárbaros, mas três deles não entenderam que sua morte pelo carrasco foi um retorno kármico de algo que eles mesmos fizeram. Estes foram adormecidos e levados, os que se arrependeram tbm foram , mas para outro local, onde terão mais oportunidades de se preparar para a nova reencarnação, ao contrário dos outros que serão reencarnados tão logo seja possível, mas sem o benefício de receberem orientações e de poderem ter um tempo de descanso ano astral antes do renascimento.

Os problemas da consulente na vida atual se devem ao fato dela ter ficado muito tempo pendurada naquela árvore no astral, séculos, e isso lhe gerou sequelas no perispírito que se manifestaram no corpo físico. Vale lembrar que o que gerou o karma negativo para ela não foi o fato dela ser carrasco, mas sim por sentir prazer com a dor e o sofrimento que inflingia aos condenados. Se ela os executasse como cumprimento do dever, sem sentir prazer nisso, não teria gerado o karma negativo.

A intensidade das dores que ela sente eram pq ela estava desdobrada no local revivendo o tormento que viveu no período pré-renascimento e é provável que cessem ou diminuam consideravelmente. Os problemas em si talvez não sejam reversíveis, isso não nos foi informado, mas mesmo que não curem totalmente, existe grande probabilidade de que diminuam de intensidade.

Abraço.

Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário