quarta-feira, 8 de junho de 2011

A cada um segundo suas obras - Parte 2 - Final


Mal saímos dessa frequência o médium entra em outra. O consulente era feiticeiro em uma tribo. Era um homem de meia idade, negro, usava barba e tinha o corpo pintado e enfeitado com um colar de penas e dentes de animais.

Feiticeiro africano
Ele está sacrificando em um ritual uma jovem moça branca. Ela é morta e todos os seus ossos são quebrados. Eles dobram o corpo e o levam para dentro da floresta. Há uma caverna para onde eles levam o corpo, para o entregar a um monstro que está aprisionado lá dentro. 

Todos na aldeia temem este monstro e acreditam que se não o alimentarem não terão o que comer tbm, que não encontrarão caça, etc... O ser se assemelha a um centauro, tem o corpo de um cavalo e um tronco humano, com braços e uma face sanguinária. Os guerreiros que trouxeram o corpo para o feiticeiro se apavoram quando o vêem.

Mas esse ser na realidade só existe na dimensão astral, é uma criação mental do feiticeiro que é alimentada pelo medo dos tribais, um ser artificial. Antes de levarem as oferendas para o monstro o feiticeiro realiza um ritual, onde sem saber os guerreiros bebem substâncias alucinógenas e são hipnotizados pelo feticeiro, que passa a descrever o monstro, que eles enxergam por estarem num estado alterado de consciência. 

O local ainda existe no astral e lá estão várias das vítimas do feiticeiro, muitos sabem que são "espíritos", mas não conseguem sair dali pq o centauro ainda está vivo lá e os impede. Vou até o local  e crio uma grande bolha energética, para onde mando os espiritos aprisionados entrarem, e à medida que eles entram nesse campo de força o centauro vai diminuindo de tamanho até desaparecer. Os guardiões chegam e levam o grupo consigo. O local é incinerado.

O cientista trevoso

O atendimento já dura uma hora e meia e quando pensamos que vai terminar o médium sintoniza outra frequência do consulente. Desta vez é um laboratório onde existem vários aparelhos, um deles semelhante aos aparelhos de ressonância magnética, e há um cientista com um jaleco verde, preparado para fazer uma cirurgia numa pessoa que está deitada sobre uma maca. 

Em uma das pernas dessa pessoa há algo grudado, algo parecendo veias ou raízes de uma planta, escuro e com muitas ramificações. Estão desenvolvendo algum tipo de vírus ou criatura modificada geneticamente para atacar os seres humanos, instituir o pavor e assim facilitar o domínio de seus corpos e mentes.

Nossa presença é percebida e soa um alarme. Os seres do local entram em alvoroço e correm pelos corredores. Uma mulher carrega um caixa com algo que parece valioso para eles e o médium sai em sua perseguição. Nós a paralisamos mas os seres do local tentam puxá-la de qualquer jeito, ou pelo menos a tal caixa misteriosa, que eles querem a qualquer preço.

Nós prendemos a todos e os interrogamos sobre o conteúdo da tal caixa mas eles se recusam a responder. O médium consegue ver dentro da caixa, sem abri-la, e lá enxerga lâminas com material genético daquela coisa que estava na perna da pessoa na maca. Nossa equipe chega e leva o material para estudos. A pessoa da maca vai junto pois não foi possível retirar aquilo da perna dela ali.

O cientista que havíamos visto no início desapareceu. Rastreamos sua frequência e logo o médium sintoniza com ele que, arrogante e impaciente, diz:

- O que quer de mim? Acaso já não atrapalhou o suficiente? Vc será punido por isso... pode esperar... saiba que 'eles' não irão deixar isso barato pra vc... vc pode fazer o que quiser comigo mas não terá acesso a eles... não tenho nada que sirva pra vc...

- Bom, vc vai preso e lá vão ver se tu tem algo que nos sirva ou não, respondi.

- Por certo eles me resgatarão depois pois não conseguiram levar a caixa, e ela (a caixa) tbm não servirá de nada pois vcs não vão entender do que se trata... eles irão buscar a caixa... parem... o que estão fazendo comigo? me soltem... me deixem em paz... eu não fiz nada a vcs...

Nesse momento os guardiões o levaram. Nossa equipe conseguiu o que queria da mente dele e o médium enxerga então a tal caixa em várias dimensões diferentes, como se fossem cópias. Nossa equipe informa ao médium que através da caixa que pegamos eles irão encontrar as outras, que wse encontrão em várias dimensões, como se fossem cópias de segurança. O local é envolvido num campo energético e depois é destruído.

O cientista trevoso que conversou comigo era o consulente, que estava lá em desdobramento inconsciente. 

Prognósticos para o consulente

As dores que o consulente sente na sua perna são reflexo das atividades que ele realizava no astral, onde fazia experimentos para o desenvolvimento de uma arma biológica. Não temos como precisar se vai haver uma melhora pois ele estava trabalhando para as trevas em desdobramento há muito tempo, e quando uma energia da dimensão astral consegue passar para o plano físico é pq já ultrapassou o limite suportável pelo corpo astral e é muito densa. A melhora vai depender do merecimento que ele tiver perante as leis cósmicas.

O problema do emprego me parece um reflexo da condição mental que ele nutria, onde se achava uma pessoa muito importante na organização onde trabalhava, com uma posição de destaque, e inclusive a situação pode ter sido potencializada pelos próprios seres aos quais ele estava ligado, pois ele sentindo-se insatisfeito com a vida material que tinha, mais ele gostava da vida em desdobramento e mais se dedicava ao trabalho de pesquisa, buscando lá sua realização profissional, onde se sentia valorizado. 

Para melhorar a situação o consulente precisa modificar seu padrão mental, a maneira como se posiciona na vida, entender e aceitar que as dificuldades que enfrentamos são consequência de ações nossas, nessa e em outras vidas e dimensões, e que nossos "mentores" não podem cumprir o nosso carma e que para recebermos auxílio é preciso que tenhamos merecimento, isto é, que façamos a nossa parte sem nos sentirmos injustiçados pela vida, pois segundo a Lei, Deus dará a cada um segundo suas obras.


Abraço.


Gelson Celistre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário